Motochamp – Garibaldi

Domingão caindo na estrada já pela manhã, eu com a minha moto e o meu colega de D-sign, Gabriel, com a sua. Fomos até Garibaldi em um encontro de motoqueiros na V- Motochamp. Viagem tranquila e muito bacana, foi aquela coisa de sempre, show de motos fazendo zerinhos, empinando e fritando pneus,  banda de rock tocando músicas clássicas para motoqueiros (Creedence, AC/DC, Steppenwolf, G&R, etc…), estandes com vendas de equipamentos e acessórios, muitas motos de tudo que é tipo, marca, cor e modelo, meninas gringas bonitas e bastante trago. Tá, dessa vez eu não bebi nada alcoólico, tava de pilotagem e daí não dá certo.  A serra gaúcha é um lugar muito bonito, tem um certo clima de Europa (sei, tô forçando, mas tem alguma coisa sim). Tenho a impressão que gostaria bastante de morar por aqueles lados, um dia quem sabe. Abaixo fotos da viagem, nenhuma de estrada, apesar dos inúmeros cenários arrebatadores, dessa vez não me pilhei muito em fazer fotos, quis mais é curtir a estrada.

Ensaio geral

Mais uma vez o sabadão foi dia de ensaio geral para o grupo musical Os Carburas. Nem tão quente e abafado quanto da última vez (ufa! ainda bem), mas foi puxado de qualquer forma. Nos concentramos mais num provável repertório para o Vênus Rock, que acontecerá dia 13 de março, na Sociedade de Leituras, em Venâncio Aires/RS. Se você tiver coragem, apareça por lá para nos ver tocando algumas de nossas cancionetas.

Brussels cards

Alguns dos cards, entre outras coisas mais, que ganhei como lembrança de viagem da minha colega de trabalho, a Gica, que é redatora na D-sign. Ela e o namorado estiveram recentemente de férias pela Europa, passando alguns dias em Paris e depois em Bruxelas (Bélgica). Supimpa.

Harley Davidson book

Esta semana passando em uma banda de revista em Santa Cruz do sul, encontrei de barbada um livro só de fotos da Harley Davidson. O nome do livro é Harley Davidson – Nasce uma lenda (Ed. Escala – R$ 14,90). Só lhes digo que valhe a pena, prá quem gosta do assunto, é claro.

Aventuras de um punkbrega – TOUR / parte 2

buenas amigos! a partir de março volto para a estrada com a segunda parte da tour de lançamento do dvd. se estiverem por perto apareçam para balançar o esqueleto e se divertir com a gente. arriba!

4 março EL ARCHIBRAZO – BUENOS AIRES, Argentina

5 marco LUCKS – BUENOS AIRES, Argentina

6 março CLUB CULTURAL MATIENZO – BUENOS AIRES, Argentina

13 março CLUB ATLETICO FERNANDEZ FIERRO – BUENOS AIRES, Argentina

17 março TEATRO 7 DE ABRIL – PELOTAS, Rio Grande do Sul

18 março ATELIER COLETIVO – BAGÉ, Rio Grande do Sul

19 março LARUS – RIO GRANDE, Rio Grande do Sul

26 marco CB BAR – SAO PAULO, São Paulo

27 março CURUPIRA ROCK CLUB – GUARAMIRIM, Santa Catarina

1 abril ZELIG BAR – PORTO ALEGRE, Rio Grande do Sul

2 abril CULT CAFÉ – ROLANTE, Rio Grande do Sul

3 abril CULT CAFÉ – ROLANTE, Rio Grande do Sul

9 abril GREEN LOUNGE BAR – CONCORDIA, Santa Catarina

10 abril VELVET BAR – PASSO FUNDO, Rio Grande do Sul

13 abril SESC – CAXIAS DO SUL, Rio Grande do Sul

15 abril SESC – SANTA CRUZ, Rio Grande do Sul

16 abril SESC – MONTENEGRO, Rio Grande do Sul

17 abril SESC – SÃO LEOPOLDO, Rio Grande do Sul

18 abril SESC – GRAVATAI, Rio Grande do Sul

7 maio BAR DO ZÉ – CAMPINAS, São Paulo

8 maio D’VINCI MUSIC BAR – RIO CLARO, São Paulo

17 maio OCIDENTE BAR – PORTO ALEGRE, Rio Grande do Sul

20 maio STUDIO SP – SAO PAULO, São Paulo

22 maio TEATRO MUNICIPAL DE BAURU, São Paulo

www.wanderwildner.com.br
www.myspace.com/wanderwildner
www.youtube.com/wanderwildner

Mais do mesmismo

Em uma rápida leitura por sites de notícias pesquei algumas informações sobre novos filmes, dura pirataria, ou seriam velhos novos filmes? Já nem sei mais. Teremos para o ano que vem “Duro de Matar 5” e também mais “Piratas do Caribe 4”. Pior, isso é sério. Mas a questão é a seguinte, será que era realmente necessário dar prosseguimento a estes filmes, repetir a piada? Já não foi o suficiente? O que me ocorre é que Rólivudi deve mesmo estar precisando de grana ou então, no mínimo de cérebros novos para futuros roteiros originais. Tenho dito.

*Piratas do Caribe 4 – leia mais [ AQUI ]
*Duro de Matar 5
– leia mais [ AQUI ]

Em breve novidades t-shirterescas no tricolor

Na abertura do site do Grêmio já consta uma chamada para a venda da nova camiseta oficial do time, que deve estrear nos gramados em breve, mas por enquanto não aparece imgem alguma da tal camiseta. Tudo bem, pode até ser uma ação de marketing diferente, engraçadinha e cheia de mistérios, venda às escuras, você paga, prometem lhe entregar o material mas não dizem bem o que. Legal, o índio véio compra todo alles faceiro a sua camiseta e depois recebe uma regata cor de rosa. Seria engraçado. Tá, voltando ao papo sério, até porque camiseta oficial do tricolor gaúcho é coisa muito séria, vide a camiseta do “Pato Donald/Popeye” que estão usando desde o Brasileirão do ano passado (não me diga que aquilo lá merece ser uniforme do meu time – NUNCA). Na condição de torcedor estou muiuto curioso para ver o que vão aprontar este ano. Em breve mais notícias.

4 filmes semi-obscuros mas que eu gosto muito

Mais uma vez, as tais conversas de bar me renderam idéia para um post. Um dos tantos papos de buteco deste final de semana era sobre dicas de filmes interessantes, como tenho vários amigos que são mais novos do que eu, por vezes é interessante mencionar alguns filmes, discos ou livros da cultura pop dos 70 ou 80’s, que desconhecem ou então provavelmente lhes tenha passado batido. Então comentei sobre alguns filmes que eu julgo importantes mesmo que não tenham a menor de condição de carregarem o título de super filme, mas but, a vida é assim mesmo, nem sempre o que a grande maioria entende por ser o melhor, é realmente o melhor. Se você ficar curioso ou no mínimo interessado, vá atrás e tente assistir algum desses filmes, acho que vai gostar. Aqui vai a minha listinha e versão dos fatos:

1.SUBWAY (1985)
Filme do diretor francês Lu Besson, que mais tarde dirigiu vários outros filmes que ficaram famosos. Gosto do elenco de atores deste filme, principalmente a bela Isabelle Adjani, também neste tem uma das melhores atuações do “highlander” Christopher Lambert no papel principal, tem o Jean Reno e o Eric Serra (músico, fez a excelente trilha sonora do filme e que também aparece como ator). A história é simples, um cara assalta a casa de uma ricaça por quem é apaixonado e esta vai atrás dele para recuperar seus pertences, envolvendo gangsters e a própria polícia. A confusão vai parar no submundo do metrô de Paris, que é habitado por diversas pessoas com uma cultura toda particular (literalmente underground 80’s), prá não dizer excêntrica e é aí que o filme tem a sua melhor parte. Sem contar que em meio a toda essa confunsão o nosso amigo highlander ainda tenta empresariar uma banda de rock.
*Tem na Premier Vídeo – (V.Aires)

2. IMENSIDÃO AZUL (1988)
Caramba das coincidências (boa até eu diria), outro filme 80’s que me fissurou bastante foi esse, assisti inúmeras vezes e é obra do mesmo diretor francês, Luc Besson, do filme Subway! Com uma deslumbrante fotografia, enquadramentos e paisagens incríveis, que passam uma estranha sensação boa, isso mesmo, seja lá como for, os cenários muito legais. O filme trata sobre um mergulhador francês, Jacques Mayol, um pouco da sua vida, o envolvimento com uma americana (Rosanna Arquette) e as disputadas com seu eterno concorrente, Enzo Molinari (novamente Jean Reno, em um de seus melhores momentos como ator no meu ponto de vista). Não quero aqui comentar mais detalhes do filme, só mesmo induzir você, seja lá quem for que estiver lendo isso, para assistir a este belo e incrível filme. Tenho certeza de que não vai se arrepender. Podes crer.
*Tem na Cadu Vídeo – (V.Aires)

3. CORAÇÃO SELVAGEM (1990)
Outro filme que assisti diversas vezes e em alguns momentos chega a ser até engraçado apesar de o classificarem como drama. Sabe aquele tipo de filme que tu guarda na memória anos e anos frases inteiras, pois é, este é o caso. Aqui entendo ser uma das melhores atuações do Nicholas Cage, de quem eu gosto muito como ator e que há tempos está nos devendo novamente um bom filme e boa atuação, como neste caso. Seria esta talvez um dos filmes mais tranquilos (se é que assim se pode dizer), do diretor “maluquinho” David Lynch. Além do já mencionado Nicolas Cage (Sailor), tem Laura Dern (Lula) e Willem Dafoe (Bobby Peru) no elenco, um roteiro simples mas cheio de surpresas e tipos estranhos. Novamente não pretendo contar mais nada, só menciono dados sobre o filme e quem se interessar que vá atrás.
*Tem na Cadu Vídeo – (V.Aires)

4. O GRANDE LEBOWSKI (1998)
Sabe, se eu tivesse de escolher um dos fimes que mais curti na vida, acho que seria este aqui. Tudo bem, tem muita coisa melhor, grandes clássicos, atuações e roteiros fantásticos, mas essa merda aqui é uma das melhoras coisas que já vi, tanto que até hoje, somente umas 2 ou 3 pessoas eu ouvi comentarem alguma coisa comigo sobre esse filme. Uma pena! Dois mafiosos invadem o apartamento de Jeff Lebowski (Jeff Bridges) atrás de uma grana e fazem xixi no seu tapete, mas trata-se de um engano: quem deve dinheiro na praça e a esposa de outro homem, um milionário que também se chama Jeff Lebowski. Dude, como chamam o Lebowski (que é um cara meio desligado, meio hippie, essas paradas), decide fazer uma visita ao rico Lebowski para cobrar um tapete novo, e ele e seu amigo Walter (John Goodman – muito bom nesses filme) são envolvidos numa história que inclui seqüestro, extorsão, trapaça, sexo e drogas. Agora ele é ameaçado por bandidos, advogados e policias, numa trama com o típico humor dos irmãos Coen. Acho que isso já chega, né! Vai assistir cara!!!

Star Wars + Adidas

A famosa marca Adidas acabou de lançar uma nova linha de modelos de artigos esportivos toda baseada no filme Star Wars. A coleçãos se chama “Adidas Originals Star Wars Collection“. Confiram alguns modelos antes de serem fatiados por sabres de luz ou modidas do Chewbacca. A coleção desta primeira temporada (sim, haverão mais!) está dividida em três “pacotes”: o “Charaters Pack” (pacote de personagens), o “Vehicles Pack” (pacote de veículos) e o “Direct Pack” (pacote direto). Cada “pacote” se inspira em uma coleção de temas, portanto o primeiro se inspira em personagens, o segundo em veículos/naves e o último em cenas e iconografia dos flmes. Confima os produtos da linha [ AQUI ].

Não, não estou ganhando nada por fazer essa divulgação, apenas achei interessante e porque também curto ambos, a cultura freak dos filmes Star Wars e a marca Adidas (a marca do super time da Holanda de 74, da seleção do Brasil de 78 e do Grêmio Campeão do Mundo em 1983).

De novo F1

Em breve estaremos no começo de mais uma temporada de F1, desde já abrindo a caixa preta e arranhando a marcha, confesso que há vários anos perdi o interesse pelo esporte, não tenho mais nem um píngo de óleo de vontade suja do chão da garagem de acompanhar como outrora as tais corridas. Tá, vejo d erelance alguma spoucas voltas se acordo cedo na domingueira, pronto, falei! Mas na boa, não sei explicar, me ocorre de vereda ao menos alguns motivos, talvez tenha sido a morte trágica do Airton Senna e a orfandade em que ficamos (sim, toda uma nação), ou quem sabe a falta de números grandes e bonitos estampados nos carros, pilotos sem suiças e cara de mau, aerofóleos traseiros muito baixos e sem graça, e pior, há muito tempo os carros da f1 ficaram tão sofisticados que chega a parecer que são pilotados mais por computadores do que por pilotos de verdade. Enfim, o glamur espirrado de champanhe do pódio se foi, ao menos para mim. Volta e meio me bate aquela sensação de torcer pelo Rubinho, um guerreiro dos asfalto estilo looser, gosto desse tipo de pessoa conseguindo vencer na vida. Agora tem a volta do aposentado Schummy, mas não pelo traçado caminho da obviedade, que seria pela escuderia da Ferrari, mas sim por outros caminhos e novos desafios (também gosto disso – recomeçar). Agora tem até pista com postes de luzes e corrida durante a noite, tem também o tal Rubinho numa nova equipe, o Massa… bem, o Massa, humm… hum, não sei, tudo de bom prá ele. Mas o ponto chave desse papinho todo é o seguinte, a minha grande paixão da F1 de todos os tempos, de quando ainda se pilotava “na mão”, foi a ousada Tyrrell P34, de 6 rodas. Tinahm uma cor show, números grandes e bonitos (sempre gostei do número 3), o logo da ELF brancão e em letras bold (Frankfurt) na frente, não era pilotadas por americanos, sem falar que o nome Tyrrell soa como sinfonia para meus ouvidos. Sim, além de tudo eu presto atenção nos detalhes, na cor, forma, essência e no conteúdo, sempre fui assim. Trata-se de um projeto supimpa prá caramba. Nas pistas não obtiveram lá grandes resultados, mas o projeto foi vitorioso de qualquer forma, pois entraram para sempre na história do automobilismo, enquanto tantos outros passaram batidos no óleo das pistas para a derrpagem do anonimato e o esquecimento. Uhúúú!

 

 

 

 

 

 

Nova camiseta do Grêmio – “probabilidades”

Para você, que assim como eu, está curioso para saber da nova camiseta oficial do GRÊMIO para 2010, aqui vai um link para um blog com várias possibilidades de modelos em função de camisetas da PUMA mundo afora. Eu que tomei um cagaço ano passado com este último modelo, que mais parece uma camiseta de marinheiro do Popeye ou do Pato Donald (sem dúvida a camiseta mais feia de todos os tempos), agora estou preocupado. A Puma vai repetir essa façanha? Eu mandei e-mail xingando, dizendo merda prá eles, não me custa repetir. Tomara que não. Juízo meninos.

* Quer ver algumas probabilidades e adaptações para o tricolor, de outras camisetas de 2010 da PUMA, confira, seja curioso:
[ AQUI ]

Tobias

Quero lhes apresentar uma figura e tanto. Esse é o meu amigo Tobias, num retrato prá lá de relax. Êta doggy simpático, camarada, na dele mas sempre pilhado. Nem sei como, até porque não me esforço tanto assim em lenga-lengas e cerimônias com ele, mas temos um bom relacionamento, nos respeitamos e nunca tivemos algum entrevero. Agora, diga-se a verdade, ele é amigão mesmo do meu pai, os dois se entendem muito bem. Sincronicidade maneta, mas há. Se tivessem um marcador de quilometragem, os dois já teriam dado umas 253 voltas ao redor do globo, passeando juntos. Atualmente não tenho a menor condição de ter um cachorro em casa, transferi esse pendência para o pátio da casa de meus pais, já que por lá desde pequeno meu universo foi habitado por algum cachorro. Bem, todo garoto tem o seu. Se minhas memórias vão o mais longe possível ao meu passado, lá com certeza tem um cachorrinho do meu lado, preenchendo o quadro dessa pintura da memória. Coisas boas da vida. Cyborg (esse o dog clássico), Kerouac, Murdock e a Valentina, só para citar alguns. Nunca me importei com o naipe, raça, cor, credo ou time que ele torcia, apenas tinha de ser o meu chachorro (da família toda, né), amigão e ao mesmo tempo bravo, vigilante  e radar experto dos acontecimentos ao redor da casa. Pronto! Ah, se ainda botasse banca de valente prá cima dos amigos – só para dar uma pressão neles, enganar legal, também já valia. Soma-se pontos ter um cachorro cool aos olhos dos amigos, quando se é pequeno. Tinha-se então, o quadro perfeito para uma grande receita de amizade, recíproca, para sempre. Mas voltando ao Tobias, tem o fato de que já me perguntaram o porque desse nome? Muitos acham que é coisa minha, porque tem uma marca famosa de contrabaixo com esse mesmo nome. Nah! É um cão usado, me pai ganhou de presente de um conhecido, já veio com alguma quilometragem e esse nome na bagagem, achamos legal manter a escrita e o efeito sonoro. Quando chegou lá em casa, ficou quase uma semana amoado, de cantinho, cara de tristonho por causa da mudança de ares, casa nova e tal. Mas logo se adaptou. Portanto não tem nada a ver com o baixo Tobias. Aliás, nem gosto dessa marca de baixo, se fosse por isso meu dog então se chamaria SG ou algo como Ricky, de Rickenbacker. Mas se necessário tenho sim outros nomes na algibeira, em caso de emergência. Grande Tobias, meu chapa.

Lançamento em breve da biografia de Johnny Winter

Para quem não conhece, John Dawson Winter III, mais conhecido como Johnny Winter (nascido em 23 de fevereiro de 1944) é um guitarrista e cantor de blues norte-americano. Nascido em Beaumont, Texas, Johnny começou a se apresentar ainda jovem com seu irmão Edgar Winter, que, assim como ele, é albino. Seu primeiro disco (Schoolboy Blues) foi lançado quando Winter tinha 15 anos de idade. Em 1968 ele começou a tocar em um trio com o baixista Tommy Shannon e o baterista Uncle John Turner. Um artigo na revista Rolling Stone ajudou a gerar interesse no grupo. O álbum Johnny Winter foi lançado no final do ano. Em 1969 o trio se apresentou em vários festivais, incluindo o Woodstock. Em 1973, depois de se livrar das drogas, Winter retornou em forma com Still Alive and Well. Em 1977 ele produziu o álbum Hard Again de Muddy Waters. A parceria resultaria em várias indicações ao Grammy, e Johhny gravou o álbum Nothing But Blues com os integrantes da banda de Muddy. Em 1988 ele foi incluído no “Hall da Fama do Blues”.

De minha própria lavra posso dizer apenas os eguinte, o cara é phoda na guitarra, foi amigo pessoal de Jimi Hendrix, o que por si só  já garante um selo ISO 99.900, namorou Janis Joplin, usou bastante uma Flying V (muito antes da metaleirada se ligar no troxo) e aprontou bastante. Tá, vou repetir outra vez e com palavras mais chulas para que você me entende bem… O CARA É FODA! Sacou, ou precisa que eu desenhe?

*O resto você pode descobrir na tal biografia, eu vou torcer para que seja também lançada por aqui, em português, é claro. Se bem que já lio bios do Jimi Hendrix e do Led Zep em inglês.

Confederate Fighter P120

Uma moto onde o estilo imaginativo e inovador é a ordem do dia para todos os projetos da empresa, a Confederate Motor Company (EUA), cujo slogan já diz tudo – “A arte da rebelião”. Você pode encontrar algumas delas na garagem de pessoas como Nicolas Cage, Tom Cruise e Brad Pitt. Esta Fighter P120 é a última criação da família, edição limitada de 50 unidades –  $72.000 (doletas, é claro), com 1.965cm3 e 160 cv, segura um troxo desses!!!

Alienígena favelado

Em meu retiro da folia de carnaval assisti ao filme “Distrito 9”, que classifico como um ótimo filme de ficção científica, um dos melhores dos últimos tempos. Percebe-se um certo toque de arte na coisa, um bravo ato de resitência no mundo do cinemão atual (boa!), porque não tem sequer um ator milionário de Rólivudi fazendo caras e bocas, nem muito menos se ouviu que foi gasto milhões e milhões de dólares e tantos anos de trabalho (sim, aqui vai uma alfinetada no Avatar). A idéia do filme é simples, mas tem um conceito bem original, alienígenas chegam à Terra há 20 anos atrás em uma enorme nave, são então tratados como refugiados e se instalam em uma área da África do Sul, o Distrito 9, enquanto os humanos decidem o que fazer com eles e como lidar com esta situação. De uma forma subjetiva a questão circula sobre o velho tema da intolerância e disputas raciais. Recomendo.

Novo álbum de Jimi Hendrix

Dando sequência no ritmo interminável de lançamentos de álbuns de Jimi Hendrix, foi anunciado para o dia 9 de març a chegada de “Valleys of Neptune”. O álbum terá em sua capa uma peculiaridade,  uma pintura feita pelo próprio Jimi, em 1957 (um dos 110 esboços seus que o seu pai guardou). A arte da capa do CD trata-se de uma combinação entre uma foto feita por Linda Eastman (ex-sra. McCartney) com o já mencionado desenho feito por Hendrix quando garoto.
A segunda arte (abaixo), é o desenho original, que vem como capa do single, que aliás, você pode escutar online [ AQUI ].

*fonte: Whiplash

Um pouco de róque em doses homeopáticas

1. O baterista Charles Gavin não faz mais parte dos Titãs, após 24 anos de serviços prestados a banda e alegando aquela velha frase das “diferenças musicais”, deixou o cargo para o músico Mario Fabre. Os Titãs seguem em frente na turnê de divulgação de seu último lançamento – Sacos Plásticos (2009), ainda com Tony Belloto, Sérgio Britto, Paulo Miklos e Branco Mello da formação original.
* Hummm…. sei lá, prá mim a imagem do Charles na bateria dos Titãs é muito forte. Uma pena!

2. Dave Mustaine anunciou recentemente a saída do baixista James Lomenzo e o retorno do baixista original do Megadeth, David Ellefson.
*Essa eu até achei legal, porque o David, depois do próprio cappo Mustaine, é a cara da banda e na real nunca fez mesmo sentido ter abandonado o barco há alguns anos atrás. Já o James Lomenzo é um puta baixista, vide o seu excelente trabalho nas 4 cordas com o Zacarias selvagem em um de meus álbuns favoritos (Pride & glory). Ele merece uma banda melhor do que o Megadeth, é baxista demais para ficar em segundo plano numa banda metaaaal. Sucessao James.

3. Hey, pelo que vi tem Richie Kotzen, o guitarman que deixou o virtuosismo de lado e agora é músico de verdade, além é claro, de cantar muito bem, em um  show em Porto Alegre – dia 28 de abril (Drakkar Music Hall). Talvez eu apareça por lá.
http://www.richiekotzen.com

A nova da canarinho

Já mostrei aqui a nova camiseta oficial daquele time vermelhinho lá de POA, da beira rio, também mencionei que o Grêmio, o foderoso tricolor gaúcho, iria promover agora em fevereiro a escolha da sua 3a camisa oficial através de votação no site do clube, mas até argola néca-de-pitibiribas. Pô! Qualé!?? Tão de sacanagem, só pode. Bom, já que a conversa é sobre novas camisetas de time de futebol aí vai uma amostra da provável nova camiseta “reserva” da seleção brasileira, para esta Copa do Mundo. Está numa cor diferente da habitual, que sempre procurava manter a escrita de ser azul com branco (camiseta azul e calção branco), mas é interessante dar uma mexida, mudar a ordem das coisas e meter uma amarelo na jogada. Eu gostei do que vi, até porque o último modelo que estavam usando era muito feio, tinha uma gola paracida com as de roupas de estilo chinês (sim, vejo filmes de artes marciais com aqueles efeitos de saltos quilométricos…rsrsrs). Agora ajeitaram isso. Ah, em tempo. Outra coisa que eu nunca consegui entender é porque alguns times de futebol insistem em ter camisetas de seu uniforme com gola polo. Alguém pode me explicar isso? Porque que gola com pontas salientes em camiseta esportiva?  Justamente onde cada vez “menos coisas” rendem mais, tem menos peso, mais aderência, tecidos inteligentes que se adaptam melhor a cada necessidade esportiva e sei lá mais que outras tantas coisas em termos de conceitos tecnológicos esportivos são beneficiados nessa  de – menos é mais. Enfim, gola polo para futebol, no way. Jaguarice. Ponto final.

Tessália – Banjogirl fev 2010

Falando sério, não sou do tipo que assiste ao progrma BBB, imagino que eu nem precise aqui fazer algum tipo de discurso sobre a imbecilidade da coisa, mas enfim…  em um breve momento de deslize, de abertura de uma nesga, uma frestinha miúda de meu coração, confesso que este ano assisti a uns 3 episódios do Big Brother Brasil 10. Tudo culpa da minha pequena que gosta do programa, então fiz um agradode assistir com ela um pouco e não é que valeu a pena, assim pude ver a Tessália Serigheli, gata, muito bonita, se destacando dentre as demais. Aliás, justamente neste mesmo dia foi eliminada do programa. Sacanagem. Eta escolha errada do povão. Claro que ali tem outras mulheres muito mais turbinadas e popozudamente salientes na parada. Pensando bem, talvez até por isso mesmo, essa desqualificação popozudesca dela em relação as demais que tenha chamado a minha atenção. Assim, em homenagem a sua beleza, sua malemolência e ziriguidum em face ao contraponto do abundante bundalelê de suas adversárias na casa do BBB10, Tess (já estou cheio de intimidades),  merece o destaque aqui neste  modesto e humilde blog, levantando esse troféu, essa honraria que é o título de Banjogirl de fevereiro de 2010. Um salve para a TESSÁLIA. Uhúúúú!!!

*fotos do site Paparazzo

Ladrilhos hidráulicos

Ok, papo estranho falar disso aqui no blog, não sou engenheiro nem muito menos construtor, mas como gosto de vários assuntos…. há alguns anos eu li uma matéria no jornal de domingo (ZH), que me chamou a atenção, tanto que nunca esqueci. Mencionava a história de um arquiteto que por necessidade de um projeto que havia desenvolvido, estava procurando desesperadamente por algum lugar onde ainda produzissem os tais adrilhos hidráulicos, que antigamente era um artigo refinado e bastante utilizado em construções clássicas de grande porte e que agora havia se tornado um material difícil de se conseguir. Depois de muita procura ele encontrou uma pequena fabriqueta na cidade de Pelotas (RS), que ainda funcionava produzindo esse tipo de ladrilhos. O tal arquiteto ficou tão empolgado com o que encontrou, que acabou se tornando sócio do antigo dono, do que provavelmente seria uma das últimas fabriquetas deste tipo de material aqui no estado. Gostei dessa história e além disso, acho mesmo muito bonito esse tipo de material, me lembram alguns lugares de minha infância (coisa de canceriano). Sei ainda de algumas construções antigas onde se pode encontrar esse tipo de ladrilho aqui emVenâncio Aires. São poucos ainda na verdade, no Hotel Schmidt, por exemplo, você encontrará o que eu estou falando, em seus corredores mais precisamente. Estes tempos o Thomás me perguntou onde em Venâncio Aires haveria um lugar cool para se fazer umas fotos de banda de rock, logo me veio a mente o referido hotel, um museu natural de nossa história local. Que aliás espero que seja preservado e não transformado em mais um desses prédios caixa, sem graça, sem vida, sem estilo e “penso”, que tanto insistem em contruir em nossa cidade. As fotos da banda foram feitas lá, ficaram alles positivirichien (na minha modesta opinião) e os ladrilhos ainda lá estão. Agora mais famosos ainda em função de coadjuvantes do cenário rock’n roll. Resumindo, minha conversa toda leva ao fato de que quero divulgar aqui o site de uma empresa de Pelotas, que ainda produz os tais ladrilhos hidráulicos, uma espécie de arte que nem o tempo conseguiu fazer ser esquecida. Esta semana, uma de minhas colegas de trabalho me mostrou o site que em talvez fosse a própria explicação dessa minha história toda (eu havia comentado com ela, essa mesma história do tal arquiteto). Enfim, não sei sei a resposta, mas talvez essa seja a mesma tal fábrica de ladrilhos pela qual o arquiteto, do começo dessa minha conversa furada, se apaixonou. Que tal? Seria um bom desfecho, hein! Sei que ladrilhos não são um bom tema de conversa, rockn roll e mulher pelda é muiuto mais interessante, mas de vez em quando ewu também tenho lá os meus devaneios, deve ser por causa do feriadão de carnaval. Só pode!

*Aqui tá o link para o mundo dos ladrilhos hidráulicos:
http://fabricademosaicos.com.br

The Runaways vem aí

Em março deve acontecer o lançamento do filme The Runaways, que é sobre uma das primeiras bandas de rock’n roll dos anos 70, formada só de mulheres a fazer sucesso de verdade. Mazáh!. Sem falar ainda que elas eram gatas e faziam um som visceral e sem frescuras. Contavam com as talentosas guitarristas Joan Jett e Lita Ford (entrou na banda com apenas 16 anos), que não ficavam nada a dever em relação às bandas masculinas da época. Isso já mostra o naipe da meninas. Mas tem uma coisa, neste filme teremos como atrizes a namoradeira de vampirinhos e lobisominhos, Kristen Stewart (Joan Jett) e ainda Dakotta Fanning (como a vocalista Cherrie Curie). Sim, sucesso garantido de bilheteria para o público rebelde de apartamento (como diria um amigo meu).
*Hey, deixa eu arriscar aqui uma coisa, desde já se preparem para as inúmeras capas e matérias de revistas teens, ensaios fotográficos e textos de jornais dominicais sobre o fenômeno de moda e comportamento que este filme vai causar em 11 de cada 10 menininhas.
Tá, voltando ao assunto de verdade das The Runaways, o troxo é bala, podes crer, sim, com aquela cara de 70’s, mas fazê o que, ali foi um dos melhores momentos da história do rock. Depois que a banda terminou em 1979, Joan Jett e Lita Ford seguiram em carreiras solo, fizeram algum sucesso na fase hard-rock-laquê dos 80’s, mas nunca mais na mesma pressão. Tente escutar algumas coisas delas para depois não pagar vale de posudo(a) e entendedor de rock de mesa de bar. Vão falar dessa banda somente agora, por causa do filme, uma pena. Garanto que você nem sabia que a Lita Ford já foi esposa do mestre Tony Iommi (Black Sabbath), na real uma predadora do hard rock, já esteve também envolvida com Chris Holmes (WASP) e Nikki Sixx (Motley Crue).

Quer conhecer mais? Pode ser aqui entonces:
http://www.myspace.com/therunawaysmusic

>> Trailer do filme em questão:

O que eles disseram do Batista

MAURÍCIO SARAIVA – “O Batista teve um mal súbito. O que é um mal súbito?
É um mal que se dá subitamente, a qualquer momento”.

PAULO BRITO – “Mas que baita porre, heinhoooo Batista?”

PRESIDENTE DO GRÊMIO – “O Batista desmaiou na hora certa, no momento que
dá pra desmaiar, nessa fase do gauchão, além do mais o Grêmio era melhor
quando o Batista desmaiou, faltava só o gol.”

FRANCISCO GARCIA – “Repare que na hora do desmaio há um toque do narrador
no Batista, só resta saber se esse toque foi quem causou a queda ou se
ele se jogou”

PAULO SANTANNA – “O Batista não é fumante”

LASIER – “Perderei meu posto no youtube”

PEDRO BIAL – “Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for
apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe
algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a
vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te
mandou um presente: O Amor.” Com 56% vem desmaiar aqui fora Batista.

TITE – “Para o Batista, faltou o E-QUI-LÍ-BRI-O!”

LEANDRO VUADEN – “Levanta que não foi nada….vai joga!!!”

CLEBER MACHADO – “O Batista teve um mal súbito? Não sei. Sempre foi um
jogador cai cai? Talvez. Isso manchou sua imagem como comentarista? Pode
ser que sim… ou não.

ROMÁRIO – “O Batista desmaiado é um poeta”

MILTON NEVES – “O desmaio do Batista me lembrou um que tive lá em Monte
Claros, pertinho de Muzanbinho e Quixadá, um abraço pra minha querida
Muzanbinho em MG, terra mundial do Galo!

NETO – “O Batista tá de brincadeira numa hora dessas desmaiar ao vivo! O
Dunga tem que abrir o olho com ele e tirar ele da seleção e convocar o
menino Neymar, o Ganso, que tá gastando a bola no Santos. É brincadeira
mesmo.

GALVÃO BUENO – “Não tem como Arnaldo! Isso não existe, a física não
permite esse desmaio.”

ZINA – “Batista!”

GODOI – “Carimba Luciano! Carimba que o desmaio foi LE-GAL!”

Férias de cinema

Não foi a primeira vez e sinceramente acredito que também não vai ser a última, mas li esta semana no jornal Folha do Mate uma nota bem interessante, o cinema novamente vai fechar alguns dias por causa de férias. Cinema fechar em pleno período de férias!!!?? Como??? Seria de dar gargalhadas se não fosse verdade, mas é. Até entendo de que o dono ou o gerente, seja lá como for, tem também o seu direito de tirar férias, descansar e tal, mas na boa, não pensaram nisso antes? E o ato e a capacidade de gerenciar como fica? Administrar é pensar também, não só contar dinheiro do caixa e pagar contas. Tem de usar o “separador de orelhas” de vez em quanto, ô seu! Não se prepraram para isso, nenhum planejamento? Não tem ninguém para tocar o barco nesse período? Funcionários temporários nem pensar? Uma mãozinha de parentes, de amigos, do Linka ou do Locha? Putz! Isso é sem dúvida alguma uma tijolada na pinha daquela visão romântica ou poética (como queiram), daquele conceito cultural sobre ter ou administrar uma sala de cinema. Bem, em época de NX Zero, BBBs, rádios FM com energia uhúúúú e sertanejo universitário, não se pode esperar mesmo muita coisa. É triste. Olha só, eu não estou de férias, muita gente também não está, mas no mínimo existe toda uma parcela de pessoas, principalmente crianças e estudantes que tem nas loooongas férias escolares de verão o momento ideal para curtirem um cineminha. Tá certo, agora vem o carnaval, tudo para, mas nem todo mundo vive de ziriguidum e nhéco-nhéco, tem de haver outras opções além de encher a cara de cerveja em QGs e o ribombar de pandeiros e tamborins nesse período. A sala é boa, o prédio é legal e os filmes são lançamentos do momento, então o que está acontecendo? A não ser que o povo de Venâncio Aires, que por anos e anos reclamou da falta de uma sala de cinema, só gosta é mesmo de reclamar, por esporte, porque na real não vai mesmo ao cinema. Já começo a desconfiar dessa hipétese… Claro, nunca descartando aquela da administração ser um tanto “confusa”. Tenho dito.

Um tanto atarantado

Estou há um bom tempo na espreita pelos balcões de locadoras de vídeo atrás do filme “Inglorious Basterds”, do Tarantino. Não consegui assistir no cinema, então tive de me resignar e esperar. Antes tarde do que nunca. Finalmente consegui assisti-lo nesse final de semana. Show! Aliás, via de regra eu gosto bastante dos filmes do Tarantino e sua visão não convencional dos fatos. Esse, prá variar não fugiu a regra, sagacidade germânica em profusão, roteiro bala, diversas situações inesperadas, personagens interessantes em aparições relâmpago, tramas bem tramadas (ai…. agora me puxei nessa – tsk…tsk..tsk ), onde até Hitler morre de um modo que então eu desconhecia. Ôps! Contei. Tá, agora já foi. Mas o que mais me chama a atenção e que sempre acontece em seus filmes aquele momento “diálogo malucrazy”, onde um de seus personagens defende/explica alguma teoria fora do padrão em meio a uma conversa. E convenhamos, tal teoria sempre parece fazer sentido ou no mínimo soar interessante. Exemplo? Que tal aquele papo de “ratos x esquilos”, logo no começo do filme!?. Tá, já estou falando demais, assita o filme e tire suas próprias conclusões. Afinal, aqui não é blog de filmes ou comentários de cinema, existem tantos excelentes por aí. Alás, aqui é blog do que mesmo!??? Cartas para a redação.

*Fizeram cartazes com  artes alternativas para o filme. Boa sacada.
Veijeim.

Busão metaaaaal

O Pretto me mandou essa foto da galera de Venâncio Aires que foi de busão no show do Metallica, em Porto Alegre. Lembre-se, eu não fui e me arrependo até agora. Aliás, tem várias figuras conhecidas ali nessa foto. Ah, detalhe,  curti que a tigrada até fez uma faixa “excrusiva” por evento. Mazáh!!!\m/

*Foto por:  Samyh

8-VRF

Taí então, em primeira mão a arte que eu fiz para o cartaz/flyer do próximo VÊNUS ROCK FESTIVAL. Esta semana mesmo já começa a divulgação. A venda de ingressos antecipados (mais baratóx, como de costume), deve acontecer um pouco mais adiante.