Video de: “Venha comigo” (Maquinados)

Meus amigos dos Maquinados se puxaram e com um auxílio prá lá de macanudo, fizeram um belo trabalho, taí o primeiro vídeo oficial da banda. Confiram.

Direção e Produção: EvertomTX
Direção de Fotografia: Giovane Sebastiany
Montagem e Finalização: Jojow Pritsch
Assistente: Vítor Kretschmer
Maquiagem: Sandra Sehn Hair Design

Maquinados:
Voz e Violão : Thomás Lenz
Baixo: Isma Pádua
Guitarra: Dudu Peiter
Bateria: Duda Kuhn
Roadie: Julio “Dois” Ribeiro

Agradecimentos:
Unisc, Draw Produtora, Wilpa Equipamentos Industriais e Agrícolas, Adriano Kroth e todos que ajudaram a realizar esse projeto.

Uma pequena trip

Nesse começo de tempo frio e de resfriados constantes, aproveitei a bracha no bonito dia de sol deste sábado para dar uma volta “rápida” até Santa Cruz do Sul. Ir até Santa Cruz de moto não é nada de excepcional prá mim, chega a ser comum devido a proximidade da cidade, mas enfim, dessa vez tinha a tal comemoração do 14 encontro de motoqueiros e fui conferir de perto a festiva da galera, encontrar alguns amigos e ver algumas motos diferentes. Taí uma foto de celular que eu fiz, estava sem minha câmera digital senão teria aproveitado e feito outras mais fotos das tantas motos “invocadas” que haviam por lá. O encontro era na praça principal da cidade e como não poderia deixar de ser, tem até a catedral centralizada ao fundo de cenário.

Strads

Finalmente acabei de ler o livro “Stradivarius – Cinco violinos, um violonceo e três séculos de perfeição”, do escritor Toby Farber (Ed. Record / 278 pág.). Uma leitura que começou empolgante e entusiasmada mas por vários outros motivos sofreu um processo de pausa, agora retomei a leitura mais invocado ainda e numa tacada pude encerrar com chave de ouro esse livro. Desnecessário dizer que é sensacional, sempre tive curiosidade sobre o assunto dos violinos Stradivarius, afinal como foi esta história, que era mesmo o grande artesão (luthier) Antonio Stradivari, como aprendeu a fazer os intrumentos, alguns de seus segredos e o porque da fama internacional de seus violinos e violoncelos até os dias atuais, que aliás não é apenas uma marca, mas de certa forma uma grife também. Um livro interessante até mesmo para quem não é músico, trata-se puramente de história, aliás um capítulo importante culturalmente falando da nossa história. Conta desde a criação dos primeiros violinos, dos primeiros artesão (luthiers) até o aparecimento do Stradivari, dos músicos famosos que utilizaram estes instrumentos nos séculos seguintes, tramóiias e negociações através dos séculos. Como o próprio nome sugere, aqui segue a história e pesquisa, o caminho do surgimento até a data atual de 5 famosos violinos e um violoncelo. Muito bom! Recomendo aos interessados e curiosos sobre artes, música e cultura em geral.

O meu TOP 10 – melhores covers

Baseado no post anterior aqui do blog em que divulguei o TOP 50 das melhores covers de todos os tempos, que foi publicado no site da Gibson recentemente, resolvi fazer a minha própria listinha só que diminuindo para um TOP 10, dentre aquelas mesmas músicas anteriormente selecionadas.

>> Fica a dica para você fazer a sua lista também aqui nos comentários. Vamos ver quais são as suas covers prediletas daquelas 50 músicas.

O meu TOP 10 – Melhores COVERS de todos os tempos:

01. “All Along the Watchtower” – THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE (BOB DYLAN)
Diz a lenda de que todas as covers de músicas do Bob Dylan, ficam sempre melhores do que as versão originais do próprio Bob. Claro, isso é sacanagem de se dizer, mas vamos concordar de que essa versão do Jimi Hendrix é mesmo sensacional, óbvio que ele a transportou para um outro nível, deu uma outra intenção com seus guitarraços. Hendrix era  muito fan do Dylan, tanto que esse cover foi além de tudo, uma espécia de homenagem ao seu grande herói na música.

02. “Little Wing” –  STEVIE RAY VAUGHAN AND DOUBLE TROUBLE (THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE).
Na minha opinião esse é o único guitarrista até hoje que chegou perto de tocar como Hendrix, principlamente com aquela vibe e sintonia – música, guitarra e guitarrista. Sei, parece um papinho bicho-grilo esse meu, mas é isso mesmo, SRV foi quem chegou mais perto. E olha que já escutei muitos guitarristas feras tocando músicas do Hendrix… mas não… Nah!

03.“(I Can’t Get No) Satisfaction”- DEVO (THE ROLLING STONES)
Essa é ficou muito boa, totalmente inusitada, arranjo bem diferente da original e assim mesmo incrível. Esses dias escutei novamente na rádio Ipanema FM e vibrei, foi muito bom, me fez transportar de volta para a minha adolescência.

04. “Hard to Handle” – BLACK CROWES (OTIS REDDING)
A banda certa para tocar esse cover, uma soul music com cara de rock’n roll, esse namoro sempre deu certo ainda mais se for tocado com a ginga certa e não por manetas, até porque o Black Crowes ruleia em termos de timbre, pegada e vibe rockn roll como ninguém!
Essa música tá no primeiro álbum dos caras com direito a vídeo oficial e tudo. Muito bom.

05. “You Really Got Me,” VAN HALEN (THE KINKS)
Outra música que não parecem nem se tratar de um cover de tão caracterísica que ficou. O Van Halen foi uma das bandas mais fodas dos 80’s e até depois disso, as guitarras do Eddie e suas técnicas foram copiadas até a exaustão e fadiga pelo rock farofa daquela fase do hard rock, uma pena, nesse redemuinho todo a própria banda – pai da coisa toda – acabou sendo tragada junto. Espero que voltem um dia com todo aquele gás novamente (claro, sem o Gary Cheronne nos vocais!).

06. “Rusty Cage,” JOHNNY CASH (SOUNDGARDEN)
Uma lenda da música americana como Cash tocando um cover de fudidaço de uma banda alternativa como o Soundgarden (que eu gosto prá caramba), só pode resultar um petardo desses. Um encontro inusitado mas de grande efeito.

07. “Take Me to the River” – TALKING HEADS (AL GREEN)
Essa versão eu curto tanto que tenho até vontade também de tocar um dia desses.

08. “Higher Ground,” RED HOT CHILI PEPPERS (STEVIE WONDER)
Já fui muito mais fan do Red Hot Chilli Peppers, há tempos acho que eles estão apenas embromando nos seus últimos álbuns. Até a primeira debandada do John Frusciante a coisa foi bem, depois dali virou apenas um lance de viver de louros e glórias do passado apesar de material novo, insonso e sem graça – ou você não lembra mais de como soava o “punch” da banda nos primeiros álbuns???? Mas enfim, esse cover é supersupimpa.

09. “With a Little Help from My Friends” – JOE COCKER (THE BEATLES)
Essa de tão clássica parece que nem é um cover, acredito até que seja a música mais conhecida e importante da carreira do Joe Cocker até hoje. Para dizer a verdade eu não consigo me lembrar de alguma outra música sequer dele. Mas é uma ótima versão, ah se é!

10. “I Heard it Through the Grapevine” – CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL (MARVIN GAYE)
Essa é muito phoda. Um clássico! O Creedence acertou a mão em cheio. Outro caso de soul music que casou perfeito na vibe rock’n roll. Música certa com a banda certa.


As 50 melhores covers de todos os tempos

O site da Gibson publicou recentemente uma daquelas listas com um provável “Top 50” das melhores covers de rock de todos os tempos. Confiram abaixo este material.

Top 50 Covers of All Time

1. “All Along the Watchtower” – The Jimi Hendrix Experience (Bob Dylan)
2. “Twist and Shout” – The Beatles (The Top Notes, The Isley Brothers)
3. “Hurt” – Johnny Cash (Nine Inch Nails)
4. “I Fought the Law” – The Clash (The Crickets, Bobby Fuller Four)
5. “Crossroads” – Cream (Robert Johnson)
6. “Hallelujah” –  Jeff Buckley (Leonard Cohen)
7. “Mr. Tambourine Man” – The Byrds (Bob Dylan)
8. “The House of the Rising Sun” –  The Animals (Traditional)
9. “You Really Got Me” – Van Halen (The Kinks)
10. “Respect” – Aretha Franklin (Otis Redding)
11. “Jolene” – The White Stripes (Dolly Parton)
12. “Hound Dog” –  Elvis Presley (“Big Mama” Thornton)
13. “Little Wing”  – Stevie Ray Vaughan and Double Trouble (The Jimi Hendrix Experience)
14. “The Man Who Sold the World” –  Nirvana (David Bowie)
15. “With a Little Help from My Friends” – Joe Cocker (The Beatles)
16. “Ain’t That a Shame” –  Cheap Trick (Fats Domino)
17. “Knockin’ on Heaven’s Door” – Guns N’ Roses (Bob Dylan)
18. “Not Fade Away” –  The Rolling Stones (Buddy Holly and The Crickets)
19. “(I Can’t Get No) Satisfaction” – Devo (The Rolling Stones)
20. “Young Man Blues” – The Who (Mose Allison)
21. “I Heard it Through the Grapevine” – Creedence Clearwater Revival (Marvin Gaye)
22. “Statesboro Blues” – The Allman Brothers Band (Blind Willie McTell)
23. “Hard to Handle” –  Black Crowes (Otis Redding)
24. “Love in Vain”  – The Rolling Stones (Robert Johnson)
25. “Where Did You Sleep Last Night” – Nirvana (Traditional, Lead Belly)
26. “Proud Mary” – Ike and Tina Turner (Creedence Clearwater Revival)
27. “Take Me to the River” – Talking Heads (Al Green)
28. “Higher Ground” – Red Hot Chili Peppers (Stevie Wonder)
29. “Blue Suede Shoes ” – Elvis Presley (Carl Perkins)
30. “Blinded by the Light” – Manfred Mann’s Earth Band (Bruce Springsteen)
31. “That’s All Right” – Elvis Presley (Arthur “Big Boy” Crudup)
32. “Rockin’ in the Free World” – Pearl Jam (Neil Young)
33. “Oh, Pretty Woman” – Van Halen (Roy Orbison)
34. “American Woman” –  Lenny Kravitz (The Guess Who)
35. “Come Together” – Aerosmith (The Beatles)
36. “Gloria” – Patti Smith (Them)
37. “You’ll Never Walk Alone” – Gerry and the Pacemakers (Rogers and Hammerstein from Carousel)
38. “(I Can’t Get No) Satisfaction” – Otis Redding (The Rolling Stones)
39. “You Shook Me” – Led Zeppelin (Muddy Waters)
40. “How High the Moon” –  Les Paul Mary Ford (Benny Goodman)
41. “Rusty Cage” – Johnny Cash (Soundgarden)
42. “Blue Bayou” –  Linda Ronstadt (Roy Orbison)
43. “Absolutely Sweet Marie” – Jason and the Scorchers (Bob Dylan)
44. “Blueberry Hill” – Fats Domino (Glenn Miller)
45. “Sabbra Cadabra” – Metallica (Black Sabbath)
46. “Sorrow” –  David Bowie (The McCoys, The Merseys)
47. “Monkey Man” –  The Specials (Toots & the Maytals)
48. “Money (That’s What I Want)” – The Beatles (Barrett Strong)
49. “Suzie Q” –  Creedence Clearwater Revival (Dale Hawkins)
50. “A Day in the Life” –  Jeff Beck (The Beatles)

*Fonte: http://www.gibson.com/en-us/Lifestyle/Features/full-top-50-covers-0527-2011/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma do Financial Times (maior jornal sobre economia do mundo)

Saiu numa edição do Financial Times (maior jornal sobre economia do mundo):

Uma jovem mulher escreveu um email para o jornal pedindo dicas sobre “como arranjar um marido rico”.

E-mail da rapariga:

“Sou uma garota linda (maravilhosamente linda) de 25 anos. Sou bem articulada e tenho classe. Estou querendo me casar com alguém que ganhe no mínimo meio milhão de dólares por ano. Tem algum homem que ganhe 500 mil ou mais neste jornal, ou alguma mulher casada com alguém que ganhe isso e que possa me dar algumas dicas?
Já namorei homens que ganham por volta de 200 a 250 mil, mas não consigo passar disso. E 250 mil por ano não vão me fazer morar em Central Park West.
Conheço uma mulher (da minha aula de ioga) que casou com um banqueiro e vive em Tribeca! E ela não é tão bonita quanto eu, nem é inteligente.
Então, o que ela fez que eu não fiz? Qual a estratégia correta? Como eu chego ao nível dela?

(Raphaella S.)”
________________________________

Resposta do editor do jornal:

“Li sua consulta com grande interesse, pensei cuidadosamente no seu caso e fiz uma análise da situação.

Primeiramente, eu ganho mais de 500 mil por ano. Portanto, não estou tomando o seu tempo a toa…

Isto posto, considero os fatos da seguinte forma: Visto da perspectiva de um homem como eu (que tenho os requisitos que você procura), o que você oferece é simplesmente um péssimo negócio.

Eis o porquê: deixando as firulas de lado, o que você sugere é uma negociação simples, proposta clara, sem entrelinhas : Você entra com sua beleza física e eu entro com o dinheiro. Mas tem um problema.

Com toda certeza, com o tempo a sua beleza vai diminuir e um dia acabar, ao contrário do meu dinheiro que, com o tempo, continuará aumentando.

Assim, em termos econômicos, você é um ativo sofrendo depreciação e eu sou um ativo rendendo dividendos. E você não somente sofre depreciação, mas sofre uma depreciação progressiva, ou seja, sempre aumenta!

Explicando, você tem 25 anos hoje e deve continuar linda pelos próximos 5 ou 10 anos, mas sempre um pouco menos a cada ano. E no futuro, quando você se comparar com uma foto de hoje, verá que virou um caco.

Isto é, hoje você está em ‘alta’, na época ideal de ser vendida, mas não de ser comprada.

Usando o linguajar de Wall Street , quem a tiver hoje deve mantê-la como ‘trading position’ (posição para comercializar) e não como ‘buy and hold’ (compre e retenha), que é para o que você se oferece…

Portanto, ainda em termos comerciais, casar (que é um ‘buy and hold’) com você não é um bom negócio a médio/longo prazo! Mas alugá-la, sim!
Assim, em termos sociais, um negócio razoável a se cogitar é namorar.

Cogitar… Mas, já cogitando, e para certificar-me do quão ‘articulada, com classe e maravilhosamente linda’ seja você, eu, na condição de provável futuro locatário dessa ‘máquina’, quero tão somente o que é de praxe:

Fazer um ‘test drive’ antes de fechar o negócio…podemos marcar?”

(Philip Stephens, associate editor of the Financial Times – USA)”

OBS.: Não é a toa que o cara ganha mais de US$ 500.000 por ano

De Falla, mais de 20 anos depois…

Hoje é um dia muito especial, tem show com a superphodástica banda  De Falla, reunindo sua formação clássica para tocar na íntegra o primeiro álbum “De Falla”, de 1987. A chalaça faz parte do projeto Discografia do Rock Gaúcho, que rola às 23h, com um show extra às 1h30min,
no BECO (Avenida Independência, 936 – Porto Alegre – Fone: (51) 3023-7883).
*Como vão tocar na íntegra o primeiro álbum, tái então o Set list do show:
Ferida/ O que é Isso / Sodomia / Papaparty / Grampo / Não me Mande Flores / Ideias Primais / Sobre Amanhã / Alguma Coisa / Melô do Rust James / Jo Jo / I’m an Universe / Tinha um Guarda na Porta / TrashMan / Gandaia.

*Ingressos: R$ 30,00
http://www.beco203.com.br

Caraca, me lembro como se fosse hoje o dia em que comprei esse LP, foi um surpresa total, desde a capa com o 3D falcatrua até o encarte de colagens (como o próprio som da banda). Eu na realidade preferia mesmo eram as outras bandas de rock gaúcho que já haviam gravado o seu tão aguardado e difícil primeiro LP naquela época, pelo selo Plug, mas esse petardo do De Falla foi um verdadeiro punch no meu estômago. Muito bom!!!! Caiu de maduro, cheio de referências critaivas diversas do que rolava na cena rock, sem falar no loucaço Edu K – o capitão-mor na manha de explorar uma infinidade de novas possibilidades longe do rock tradicional que por aqui imperava. Sem falar que havia uma mulher na bateria, a Biba Meira (tocando muito!), fato não muito comum por estes pagos nesse período, completando o time tinha o Castor e o Flu. Aliás, toda essa turma deve ser o time que vai entrar em campo nessa noite para arrebentar.
Não tive a oportunidade de assistí-los naquela época, mas tenho vários de seus LPs – até hoje. O cruel de tudo isso é que apesar de ser fan da banda, vou ter de me resignar mais uma vez de perder isso tudo, já que estou distante de toda essa incrível função de logo mais e como diria o meu conterrâneo Humberto, aquele também do rock anos 80, o Gessinger: “Longe demais das capitais…”. Espero mesmo é que o show de hoje seja uma fagulha na pinha desses 4 malucos para depois da ignição dessa máquina barulhenta, continuarem com a banda mesmo que para alguns poucos e eventuais novos shows, para quem sabe assim em outro momento eu finalmente consiga então assistir a um show do De Falla ao vivo. Sorte e sucesso novamente galera!

Henrique Greenboy-british

Outro post de amigo, dessa vez é o Henrique Greenboy que tá passando uns dias na Europa, mais precisamente em Londres, de visita à namorada. Pedi para ele me fazer um simples e pequeno favor, já que não sei se um dia conseguirei mesmo fazer uma viagem assim parecida até aquelas bandas. O pedido era que, se possível, fizesse por mim uma foto qualquer na faixa da Abbey Road, óbvio, uma referência macanuda ao lance da capa do álbum dos Beatles. Muita gente deve fazer essa chalaça TODOS os dias e com certeza, se pudesse, eu seria mais um.
E não é que ele fez mesmo, isso é que é um amigo bacanelson! Só não tô vendo o fuscão estacionado ao fundo, ali no meio fio da calçada?
Em parte já posso ficar mais tranquilo, já que eu não posso, ao menos um amigo esteve mesmo por lá e assim de certa forma me representou. Até já começo a acreditar que os Beatles existiram mesmo e portanto, este cara que está aqui no Brasil fazendo shows deve ser mesmo o velho Macca e não um falso sósia – depois daquele episódio de uma “pretensa morte do Paul McCartney num acidente de moto no final dos 60’s.
Gracias ao meu chapa british Henrique. Aproveite bem, curta muito rock e ainda tome por mim uma boa cerveja escura num pub. Valeu!

Meu amigo ganhador na loteria

Finalmente posso de peito estufelson dizer-vos que conheço pessoalmente um ganhador da loteria. Sempre rola aquela mística de que alguém ganhou na loteria mas nunca se conhece, vê ou sabe quem é de fato, prá mim isso acabou. Acontece que esta semana o meu amigo e colega de trabalho Rafael K., foi um dos felizardos ganhadores no sorteio do prêmio 637 da Lotofácil. Feito!
Tá, tudo bem, ele ganhou um prêmio de R$ 2,50, mas vem cá, é um ganhador oficial e pronto! Fim de papo.
E aí, por acaso tu conhece algum ganhador? Hein!? Hein?

Lançamento do DVD Bootleg European Tour 2008

Fernando Noronha & Black Soul lançando o DVD “Bootleg European Tour 2008”. Tem show nesta sexta-feira, 27/05/2011, 22h, no Live Sport Pub (Rua Dr. Barcelos, 435 – Assunção – Porto Alegre / RS).

*Ingressos antecipados a R$ 30,00  nas lojas Regentag (Rua João Telles, 541- Fone: 3024.1577 e Shopping Total, segundo andar – Fone 3018.7710), Tow In (Rua 24 de Outubro, 484 – Fone 3346.4562) e DED Studio (Rua Felipe Camarão, 751/908 – Fone 3391.1170).

Pérolas de Oscar Niemeyer

Mais uma prova de que a caduquice só ocorre para os que se negam a
continuar vivendo normalmente. Vejam o que ele deixa em seu blog no
twitter.

PÉROLAS DE OSCAR NIEMEYER (102 ANOS):

– Ganhei um convite para ver o filme da Bruna Surfistinha. Espero que
seja MESMO um filme sobre surf. O filme da Bruna Surfistinha é uma
apologia ao baixo meretrício e aos mais baixos instintos humanos. Mas
pelo menos rolou uns peitinhos.

– Meu médico me proibiu de tomar vinho todos os dias. Sorte que ele
não falou nada sobre Smirnoff Ice.

– Fui convidado para ver o pessoal do Comédia em Pé. Só não vou porque
minha artrite não deixa ficar em pé muito tempo.

– Esse humor do Zorra Total já era antigo quando eu era criança.

– Linda, eu não vou a museus. Eu CRIO museus. Quer ir Ver uns museus?

– Sem sono e a fim de sair pro agito. Quem embarca?

– Existem apenas dois segredos para manter a lucidez na minha idade: o
primeiro é manter a memória em dia. O segundo eu não me lembro.

– Ivete Sangalo me encomendou o primeiro trio elétrico de concreto
armado do mundo. O pessoal aqui no escritório já apelidou de
“Sangalão”. A proposta era fazer o “Sangalão” de madeira para ficar
mais leve. Aí eu disse pra Ivete “Quer de madeira? chama um
MARCENEIRO!”.

– Projetar Brasília para os políticos que vocês colocaram lá foi como
criar um lindo vaso de flores pra vocês usarem como PINICO.

– Caro Sarney: ser imortal na Academia Brasileira de Letras é mole.
Quero ver é tentar ser aqui fora!

– Nunca penso na morte, NUNCA. Vou deixar para pensar nisso quando
tiver mais idade

– Perto de mim Justin Bieber ainda é um espermatozóide.

– Odeio praias lotadas aos domingos. Não dá pra surfar direito, é o maior crowd.

– Brasília nunca deveria ter sido projetada em forma de avião. O de
camburão seria mais adequado. Na verdade quem projetou Brasília foi
Lúcio Costa. Eu fiz uns prédios e avisei que aquela merda não ia dar
certo. Sim, ela é aquele avião que não decola NUNCA. Segundo a Nasa,
Brasília é inconfundível vista do espaço.

– Duro admitir, mas atualmente Marcela Temer é o monumento mais
comentado de Brasília.

– Todos ficam falando Zé Alencar é isso, Zé Alencar é aquilo. Mas quem
fez Pilates e caminhou na praia hoje? EU!

– O frevo foi criado há 104 anos. Ou seja: só tive um ano de sossego
desse pessoal pulando de guarda-chuvinha.

– Segredo da Longevidade 48: Não viva cada dia como se fosse o último.
Viva como se fosse o primeiro.

– Na minha idade, a melhor coisa de acordar de madrugada para ir ao
banheiro é ter acordado.

– Alguns homens melhoram depois dos 40. E eu mesmo só comecei a me
sentir mais gato depois dos 90.

– Queria muito encontrar um emprego vitalício. Só pra garantir o
futuro, sabe… Andei Comprando apostilas para Concurso do Banco do
Brasil. Não quero viver de arquitetura o resto da vida.

– Foi-se o John Herbert, 81 anos. Essa molecada da área artística se
acaba rápido demais.

– Só me arrependo de UMA coisa na vida: de não ter cuidado melhor da
minha saúde para poder viver mais.

– São Paulo mostrou ao Brasil como se urbanizar com inteligência:
basta fazer o exato contrário do que aconteceu lá.

– Fato: o meu Edificio Copan aparece em 50% dos cartões postais de São
Paulo. DE NADA.

– A quem interessar possa: eu NÃO estive presente na fundação de São
Paulo há 457 anos. Na verdade eu não fui nem convidado.

– Se eu projetasse a casa do Big Brother os participantes iriam brigar
pra ver quem saía PRIMEIRO.

– A vida é um BBB e eu quero ser o último a sair.

John Paul Jones com Seasick Steve

O baixista John Paul Jones (Led Zeppelin) recentemente se apresentou junto com o bluseiro malucrazy Seasick Steve, que esteve no programa de TV da BBC, Later With Jools Holland (17/05/11), para promover o lançamento de seu novo álbum “You Can’t Teach An Old Dog New Tricks.”. Lamento mas não sei informar o nome do baterista (curti o style). Interessante prceber os modelos de guitarra utilizadas por Seasick nos dois vídeos, prestem atenção!

Devon Allman …. ahãn

Sras. e Srs. esse é Devon Allman, que como o próprio nome sugere, sim, é filho de Gregg Allman – tecladista e membro fundador da famosa banda de southern rock “The Allman Brothers”. Seu pai divorciou-se de sua mãe quando ainda era ainda pequeno, veio ter uma boa relação com o pai apenas quando já estava na adolescência. Depois de tentar tocar diversos estilos musicais diferentes na busca de encontrar o seu próprio caminho no meio musical e assim se distanciar de óbvias comparações artísticas com o pai, assim quando adulto, finalmente se rendeu ao estilo de rock que estava naturalmente em seu sangue.
Em 1999 formou a Devon Honeytribe, atuando como líder da banda e principal compositor ao longo de sua existência. Em 2001 a banda se desfez, mas em 2005 a Honeytribe reapareceu reformada e desde então excursionou nos Estados Unidos, Canadá e Europa, tendo em seu currículo a gravação de 2 álbuns.

Honeytribe: http://www.thetribalcommunity.com

Formação:
Devon Allman – guitar, vocals
George Potsos – bass guitar
Gabriel Strange – drums

Gravações:
– Torch (2006)
– Space Age Blues (2010)

A Les Paul do Duane Allman

Veijeim só que matéria supimpa encontrei no site Whiplash sobre a restauração da famosa guitarra Les Paul do Duane Allman (RIP). Curti tanto que resolvi colocar aqui no blog também para (quem sabe?) mais pessoas tenha acesso a esta interessante notícia.
Gostei muito também do conceito de usabilidade da “relíquia” do proprietário atual, Scot LaMar. É melhor essa guitarra ser utilizada (produzindo) de vez em quando nas maõs de outros grandes guitarristas, do que apenas elegantemente guardada em algum museu.
Sensacional essa atitude, ó grande LaMar, meus parabéns bro!

A Gibson Les Paul Goldtop 1957 de Duane Allman está passando por um verdadeiro renascimento. Depois de ter mudado de mãos por várias vezes durante os meados dos anos 70, a guitarra foi adquirida em 1979 (por $475 dólares) por um colecionador que queria compartilhá-la com o mundo, e não mantê-la escondida num lugar inacessível ao público.

“Eu quero que as pessoas a vejam e a ouçam”, disse o proprietário Scot LaMar à Guitar World no começo do ano. “Não é minha guitarra, é do Duane. Eu estou apenas tomando conta”.
A Goldtop de Allman, além de estar disponível para ser vista no Allman Brothers Band Museum, na “Big House” em Macon, Georgia (casa onde os ALLMAN BROTHERS viviam e tocavam juntos no início dos anos 70), também teve um novo começo com a recente gravação, em 2010, do álbum “Guitar Magic” pela banda de tributo THE SKYDOG WOODY PROJECT.

Os fãs de Allman podem ver a guitarra (número de série 73312) como uma celebração da era de ouro da fabricação das guitarras, mas também como uma forma de ligação com um homem brilhante cuja luz intensa se apagou prematuramente. Ele tinha somente 24 anos quando morreu em 1971 num acidente de motocicleta, mas, 40 anos depois, seu legado continua nas guitarras que deixou.


Allman foi, possivelmente, mais conhecido pela Les Paul Cherry Sunburst que tocou nos seus últimos dois anos, mas ele praticamente só tocava a Goldtop durante seus primeiros 18 meses com a ALLMAN BROTHERS BAND – quando gravou os ábuns “The Allman Brothers Band” e “Idlewild South”. Sua Goldtop também definiu o som da guitarra de quase todas as faixas dos DEREK AND THE DOMINOS no álbum “Layla and Other Assorted Love Songs”. Todavia, depois que Allman a negociou em 1970 com um guitarrista em sua terra natal, Daytona, Florida, a Goldtop sumiu dos olhos do público por 30 anos.


Veja o que aconteceu: os ALLMAN BROTHERS tocaram em 16 de setembro de 1970 num show em Daytona, com uma banda local chamada THE STONE BALLOON. Apenas algumas semanas antes, Allman havia usado sua Goldtop para gravar “Layla” com ERIC CLAPTON, mas quando ele viu a Les Paul Cherry Sunburst 1959 do guitarrista da STONE BALLOON, Rick Stine, sua lealdade ruiu. A Les Paul de Rick Stine era semelhante àquela que ele tinha visto ERIC CLAPTON utilizar na gravação de “Layla”.

Allman repentinamente se desesperou para ficar com o instrumento de Stine e propôs um negócio, oferecendo 200 dólares, um Marshall 50 Head e sua Goldtop na troca pela Les Paul Cherry Sunburst de Stine – mas com uma condição. Ele queria manter os captadores PAF da Goldtop; Stine aceitou. Allman teria trocado os captadores em um quarto de hotel depois do show e se separou de sua Goldtop. Uma semana depois, ele tocou a Les Paul ‘59 no palco do Fillmore East – uma performance documentada por câmeras de vídeo.
A Goldtop mudou de dono por três vezes antes de chegar às mãos de LaMar em 1977, quando ficou sabendo que estava à venda e a arrematou numa loja de guitarras local chamada “Coastal Music”.


Perguntando-se por que LaMar manteve a guitarra de Allman por 30 anos antes de compartilhá-la com o público? Ele levou quase 20 anos, entre tentativas e erros, para conseguir trazê-la de volta à sua forma perfeita. Nos seis anos que separam a transação da Goldtop feita por Duane Allman e a aquisição da guitarra por LaMar, o instrumento acumulou consideráveis danos. O acabamento dourado tinha sido lixado e o cachorro do proprietário anterior havia roído o headstock da guitarra.

LaMar entregou a dois luthiers a tarefa de recuperar a guitarra, mas não ficou satisfeito com o resultado, até que a levou ao luthier master da Gibson, Tom Murphy, que cuidadosamente trouxe a Goldtop de volta à sua antiga glória. Quando a Goldtop estava finalmente pronta para os holofotes, LaMar se sentiu compelido a deixar que a guitarra fosse ouvida e não apenas vista.

“(A Goldtop) é uma lenda viva e não deveria ser vista apenas por trás de um vidro”, disse LaMar. “É vergonhoso que muitas de nossas grandes guitarras tenham se transformado em artefatos mortos”.

Além de emprestá-la a WARREN HAYNES, DEREK TRUCKS e VINCE GILL para apresentações públicas, ele trabalhou com o guitarrista da Carolina do Norte, Joe Davis, na concepção do SKYDOG WOODY PROJECT. Davis usou a Goldtop de Allman para regravar “Layla” num álbum chamado “Guitar Magic”. O baixo de Allen Woody, Gibson Thunderbird 1976, também foi utilizado no projeto.

A guitarra ficará em exposição na “Big House” até o ano que vem.

“Agora, a guitarra está no local ao qual ela pertence”, disse LaMar. “As pessoas precisam vê-la e apreciá-la”.

*Fonte desse post: WHIPLASH


E agora Pânico!?

Vem cá ô psit! Será que essa jogada toda não teria sido também uma puta “armação de marketing” com a colaboração ($$$) dos caras do Pânico ou eles teriam “caído mesmo” nesse conto das peitudas??? Humm..hum… não sei, não! Cartas para a redação.

O simples segredo da longevidade

Um ocidental em visita à China ficou surpreso de ver a quantidade de velhos saudáveis e, curioso sobre os aspectos da milenar medicina chinesa, indagou de um experiente médico qual o segredo para se viver mais e melhor.

Ouviu do mesmo a sábia resposta:
– É muito simples. É só: Comer a metade.  Andar o dobro.  E rir o triplo.

Barça e não é a enciclopédia

Veijeim a nova camiseta do time do Barcelona para 2011. Sobre camiseta do Barça eu tenho uma história. Na década de 80, em função de trabalho, meu pai teve de viajar para a Espanha por algumas semanas e na volta, me trouxe de presente uma camiseta oficial do Barcelona de manga longa. Báh! Vamos combinar que não se via uma camiseta assim todos os dias, ainda mais naquela época. Eu me lembro muito bem de ir para o colégio com a camiseta e alguns colegas tirarem sarro de mim por causa da cor. Pô! Que baita ironia isso. Estamos falando do início da década de 80, que foi justamente um registro desenfreado de cores de mal gosto prá tudo que é lado e a galera me zoando. Era só o que faltava. Mas tudo bem, não me invoquei nem nada, sabia que vestia uma camiseta de um grande e importante time da história do futebol mundial. Fodam-se! O mau gosto da moda 80`s se foi e claro, devidamente substituído por outros tantos piores mas o Barcelona continua firme e forte com sua camisa bi-color flamejante. E convenhamos, é bem legal e o time ruleia até hoje.

Pegando a estrada

Taí uma antecipação de jogo bem interessante, o cartaz do filme “On the Road”, baseado na obra cult de mesmo título, do escritor beatnik Jack Kerouac e que agora foi filmada pelo diretor brasieliro Walter Salles. Desde já bem ansioso no aguardo desse filme.
Só para lembrar, no elenco: Garrett Hedlund, Sam Riley, Kristen Stewart, Kirsten Dunst, Amy Adams e Viggo Mortensen.

Buzina na orelha

Não esperava ganhar o GRENAL da semana passada, o adversário tem um melhor time e jogava em casa mas assim mesmo e contra a minha expectativa, o placar acabou se revelando uma surpresa com a vitória do Grêmio. Mas por outro lado, agora não esperava perder o segundo jogo no Olímpico,  talvez um empate ou quem sabe na pior das hipóteses um mero 1×0 do adversário. Não deu!
Quando o Grêmio fez o primeiro gol afrouxou, não soube tirar proveito de sua vantagem. Vocês já não viram isso antes? Eu sim e justamente na hora do primeiro gol me preocupei com isso. Taí então o resultado dessa falta de empenho. O time já tem uma boa vantagem antes mesmo do apito inicial da partida, depois ainda faz mais 1 gol, portanto a tal vantagem aumenta e assim mesmo consegue entregar no tempo regulamentar. Pô! Tem de levar chóque mesmo.
Sobre os pênaltis, bem, isso já uma outra história, sorte, condição psicológica, etc…
Venceu o que aproveitou melhor. Parabéns. Só não dá para dizer que o Renan é um goleiro melhor do que o Victor. Só se for um abilolado ou foi abduzido, raptado e esteve fora desse planeta nos últimos anos. Que o time adversário é bem melhor, também é outra verdade, mas faz parte do jogo. Saber ganhar e saber perder.

*Quando um jogo termina em penalidades máximas, eu sempre tento adivinhar se o jogador que vai bate ro pênalite vai fazer o gol ou não. Dessa vez acertei que o Damião e também o Magrão iriam errar, mas por sua vez, ratiei feio no meu palpite quanto ao chute do Adilson. Azar.

Keith Richards outra vez

Keith Richards, um de meus heróis da guitarra, anunciou recentemente em um programa de entrevistas na TV americana (Late Night With Jimmy Fallon), de que já está preparando um novo álbum solo junto com a sua banda X-pensive Winos.
Aliás, o”Talk is Cheap” é um de meus álbuns de rock favoritos de todos os tempos, superando até vários dos próprios Rolling Stones.

Álbuns solo anteriores:
– Talk Is Cheap (1989)
– Main Offender (1992)

*Fonte: Van do Halen

O falso craque do futebol

Uma matéria muito interessante que li no site G1 me chamou tanto a atenção que resolvi mandar-bala num link aqui também. Trata-e de um jogador brasileiro que não jogou mas foi contratado por vários times, inclusive do exterior…huahuahauha! Esta façanha coube ao mestre Kaiser, jogador embromador profissional amigo de diversos jornalistas e boleiros famosos.
Vai por mim, vale a pena ler essa matéria se você gosta de histórias e malandragens do futebol.

*Confira a matéria do site G1 [ AQUI ].

Who Cares – Out of Mind

Como já mencionei anteriormente, aí está o vídeo de “Out of Mind”, do projeto musical Who Cares, da parceria Ian Gillan e Tony Iommi.

Tony Iommi – guitarra
Ian Gillan – vocal
Jason Newsted (ex-Metallica) – baixo
Nicko McBrain (Iron Maiden) – bateria
Jon Lord (Deep Purple) – teclado
Mikko “Linde” Lindström (HIM) – guitarra

Troublemakers – Ao Vivo no OPINIÃO (1994) – I

Entrevista com a banda no camarim e show de estreia da banda TROUBLEMAKERS, em Porto Alegre, na 4a edição do Elétrica Live – Bar Opinião – 23 de Agosto de 1994.
Evento do programa da rádio Ipanema, na época comandado por Kátia Suman.

Emerson Wildner: vocal / guitarra
Marcelo Terra: guitarra
Sandoval Wildner: baixo
Rafael Carrion: bateria

Imagens
André Arieta e Bia Werther

MySpace Trouble Makers:
http://www.myspace.com/troublemakerspoa