Banjogirl Julho 2014

Já que o mês de julho é especial por aqui, é o mês de aniversário do blog – 5 anos, então pela primeira vez teremos uma Banjogirl escolhida em que sua aparição por aqui, ocorre uma segunda vez, mas em novas fotos, é claro. É o caso da lindíssima atriz canadense Rachel McAdams, nossa primeira garota bi-campeã com o título de Banjogirl – Banjogirl de Julho de 2014.

Rachel_McAdams-23

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-21

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-18

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-12

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-15

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-02

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-19

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-09

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-04

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rachel_McAdams-14

 

Gatos de roupas

Confiram alguns trabalhos da série Cats in Clothes, da artista Heatter Matton.

Cats_in_Clothes-HeatherMatton-03

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cats_in_Clothes-HeatherMatton-01

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cats_in_Clothes-HeatherMatton-02

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cats_in_Clothes-HeatherMatton-04

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cats_in_Clothes-HeatherMatton-05

Thomás Lenz – show de lançamento Par ou Ímpar

Ontem, em plena quinta-feira com uma fina chuva lá fora dando sinais de que inverno ainda persiste e pode pintar com mais vigor novamente a qualquer momento, mas uma noite bem atípica para Venâncio Aires, era dia de ir ao cinema. Uma coisa normal em qualquer cidade, mas o inusitado aqui é que o cinema local se transformaria pela primeira vez desde a sua inauguração há alguns anos atrás e palco de um show de música ao vivo (me refiro aqui ao novo cinema). Isto mesmo, no velho e bom estilo de show de rock/pop com uma platéia sentada, mas não menos participativa e atenta. Até porque o rock atualmente acontece via de regra em bares, casas noturnas, ginásios, na rua ou em parques, mas em poucos casos em um ambiente no estilo reservado, contemplativo e preparado específicamente para uma apresentação, como é o caso de uma sala de cinema ou teatro. E foi assim. Uma quinta-feira para entrar para a história local com o show “Par ou Ímpar” de Thomás Lenz e banda. Enquanto escrevo este texto para o blog, neste exato momento, um segundo show deve estar acontecendo no mesmo local tendo em vista a lotação esgotada do público na noite anterior. Uma apresentação completa, com repertório próprio do Thomás e mais alguns covers, somando-se aí uma banda bem ensaiada, telão de imagens, sons e luzes de primeira. Digo que foi um show histórico pelo simples fato de que aconteceu em Venâncio Aires pela primeira vez, de uma forma como sempre se espera ou gostaria que um show fosse, bem planejado, desde da escolha do local aos pequenos detalhes da apresentação e divulgação. Parabéns para toda equipe, banda e por esse belo show.
Thomas soube sair de sua zona de conforto, de um jogo ganho como vocal e guitarrista da banda Maquinados e fazer uma carreira solo paralela com um outro tipo de som de pegada mais pop e dançante, formar uma outra banda garimpando ótimos músicos locais, de outras bandas muito diferentes da sua e ainda assim, se arriscar por mares nunca antes navegados. Experiência não lhe falta, até porque além de anos de atuação como músico, compositor e produtor musical, pilota o Bola Estúdio, onde grava suas músicas e de outras artistas.
Thomás é como aquele atacante que na hora em que a coisa encrespa ao final do jogo, não teme, pega a bola e mete de baixo da suvaqueira e caminhando firme altivo em direção à torcida adversário, diz em alto e bom som:
– Deixa que este pênalti eu bato!
Junto com o Everton TX na produção não amarelaram, meteram a cara e a goragem e na árida cena da música de composição autoral local, armaram esse puta evento com um show bacanaço, num local inusitado, cercado de novos talentos, cheio de detalhes e muito bem preparado. O público respondeu compareceu e responde com aplusos. Clap, clap, clap!
Valeu Thomás, muito obrigado por essa grande cena de cinema, em plena “quinta-chato-feira” de uma invernal e sonolenta Venâncio Aires.

*A banda de Thomás Lenz é formada por Júlio Scheeren (bateria e vocais), Cris Seibt (baixo e vocais), Guilherme Hor (trompete e vocais) e ainda a participação de Guilherme Martins (guitarra).

TL-01

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TL-05

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TL-04

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TL-02

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TL-03

 

João Ubaldo Ribeiro

Sem querer fazer deste blog um obituário, mas com pesar se noticia a morte do escritor João Ubaldo Ribeiro, um dos escritores nacionais preferidos aqui da diretoria.

Prêmios:
– Prêmio Golfinho de Ouro, do Estado do Rio de Janeiro, conferido, em 1971, pelo romance Sargento Getúlio;
– Dois prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, em 1972 e 1984, respectivamente para o Melhor Autor e Melhor Romance do Ano, pelo romances Sargento Getúlio e Viva o povo brasileiro;
– Prêmio Altamente Recomendável – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil,1983, para Vida e Paixão de Pandonar, o Cruel;
– Prêmio Anna Seghers, em 1996 (Mogúncia, Alemanha);
– Prêmio Die Blaue Brillenschlange (Zurique, Suíça);
– Detém a cátedra de Poetik Dozentur na Universidade de Tubigem, Alemanha (1996).
– Prêmio Lifetime Achievement Award, em 2006;
– Prêmio Camões, em 2008.

Romances:
– Setembro não tem sentido – 1968
– Sargento Getúlio – 1971
– Vila Real – 1979
– Viva o povo brasileiro – 1984
– O sorriso do lagarto – 1989
– O feitiço da Ilha do Pavão – 1997
– A Casa dos Budas Ditosos – 1999
– Miséria e grandeza do amor de Benedita (primeiro livro virtual lançado no Brasil) – 2000
– Diário do Farol – 2002
– O Albatroz Azul12 – 2009

Contos:
– Vencecavalo e o outro povo – 1974
– Livro de histórias – 1981. Reeditado em 1991, incluindo os contos “Patrocinando a arte” e “O estouro da boiada”, sob o título de Já podeis da pátria filhos

Crônicas:
– Sempre aos domingos – 1988
– Um brasileiro em Berlim – 1995
– Arte e ciência de roubar galinhas – 1999
– O Conselheiro Come – 2000
– A gente se acostuma a tudo – 2006
– O Rei da Noite – 2008

Ensaios:
– Política: quem manda, por que manda, como manda – 1981

Literatura infanto-juvenil:
– Vida e paixão de Pandonar, o cruel – 1983
– A vingança de Charles Tiburone – 1990
– Dez bons conselhos de meu pai – 2011

joao ubaldo ribeiro

Johnny Winter – 70 anos

Nesta quarta-feira (16/07/14) faleceu em um hotel em Zurique, na Suiça, o guitarrista albino americano Johnny Winter, aos 70 anos. Considerado uma lenda do blues, Sseu nome completo é John Dawson Winter III , nascido em Beaumont  no Texas (EUA), em 23 de fevereiro de 1944. Foi um músico importante na mistura do rock e o blues, entrou para o “Hall da Fama do Blues” em 1988 e foi considerado em 2012, pela revista Rolling Stone – o 63º melhor guitarrista de todos os tempos.
Descanse em Paz Johnny Winter!

Discografia de Johnny Winter:

Johnny Winter (1968)
The Progressive Blues Experiment (1969)
Second Winter (1969)
The Johnny Winter Story (1969)
Johnny Winter And (1970)
About Blues (1970)
Early Times (1970)
Before The Storm (1970)
Johnny Winter And Live (1971)
Still Alive And Well (1973)
Saints And Sinners (1974)
Austin, TX (1974)
John Dawson Winter III (1974)
Captured Live! (1976)
Together (1976), with Edgar Winter
Nothin’ But The Blues (1977)
White Hot And Blue (1978)
Raisin’ Cain (1980)
Ready For Winter (1981)
Guitar Slinger (1984)
Serious Business (1985)
Third Degree (1986)
The Winter Of ’88 (1988)
Let Me In (1991)
Jack Daniels Kind Of Day (1992)
Hey, Where’s Your Brother? (1992)
Live In NYC ’97 (1998)
Back In Beaumont (2000)
I’m A Bluesman (2004)

johnnywinter-05