MANUAL PARA A VIDA – 83 conselhos que irão abrir a sua mente

O pensador George Ivanovich Gurdjieff, a partir de suas viagens pelo mundo em busca de ensinamentos antigos, criou um “manual para a vida” com 83 conselhos excelentes.
Nascido em 1866, Gurdjieff foi um professor, escritor e compositor armênio de grande conhecimento sobre inúmeras questões da vida. Ele ficou famoso por ensinar seus alunos a Filosofia do Autoconhecimento, depois de adquirir grande sabedoria com suas viagens pela Rússia, Afeganistão, França e outros países.

Seus ensinamentos foram reunidos em 83 conselhos, em um livro feito pelo escritor Alejandro Jodorowsky, “O Mestre e os Magos”. Você pode conferi-los abaixo:

01. Fixe a atenção em si mesmo, seja consciente em cada instante do que pensa, sente, deseja e faz.
02. Termine sempre tudo o que começar.
03. Procure fazer o que estiver fazendo da melhor maneira possível.
04. Não se prenda a nada que com o tempo venha a te destruir.
05. Desenvolva sua generosidade sem testemunhas.
06. Trate cada pessoa como se fosse um parente próximo.
07. Arrume o que desarrumou.
08. Aprenda a receber, agradeça cada dom.
09. Pare de se autodefinir.
10. Não minta, nem roube, pois estarás mentindo e roubando a si mesmo.
11. Ajuda seu próximo sem deixá-lo dependente.
12. Não deseje que te imitem.
13. Faça planos de trabalho e cumpra-os.
14. Não ocupe muito espaço.
15. Não faças ruídos nem gestos desnecessários.
16. Se não têm fé, finja ter.
17. Não se deixe impressionar por personalidades fortes.
18. Não te apropries de nada nem de ninguém.
19. Divida de maneira justa.
20. Não seduza.
21. Coma e durma estritamente o necessário.
22. Não fale de seus problemas pessoais.
23. Não emita juízos nem críticas quando desconhece a maior parte dos fatos.
24. Não estabeleça amizades inúteis.
25. Não siga modas.
26. Não se venda.
27. Respeite os contratos que firmaste.
28. Seja pontual.
29. Não inveje os bens ou o sucesso do próximo.
30. Fale só o necessário.
31. Não pense nos benefícios que virão da tua obra.
32. Nunca faça ameaças.
33. Realize suas promessas.
34. Coloque-se no lugar do outro em uma discussão.
35. Admita que alguém te supera.
36. Não elimine, mas transforme.
37. Vença seus medos, cada um deles é um desejo camuflado.
38. Ajude o outro a ajudar-se a si mesmo.
39. Vença suas antipatias e aproxime-se das pessoas que você deseja rejeitar.
40.Não reaja ao que digam de bom ou mau sobre você.
41. Transforme seu orgulho em dignidade.
42. Transforme sua cólera em criatividade.
43. Transforme sua avareza em respeito pela beleza.
44. Transforme sua inveja em admiração pelos valores do outro.
45. Transforme seu ódio em caridade.
46. Não se vanglorie nem se insulte.
47. Trate o que não te pertence como se te pertencesse.
48. Não se queixe.
49. Desenvolva a sua imaginação.
50. Não dê ordens só pelo prazer de ser obedecido.
51. Pague pelos serviços que te prestam.
52.Não faça propaganda de suas obras ou ideias.
53. Não tente despertar, nos outros em relação a você, emoções como piedade, admiração, simpatia, cumplicidade.
54. Não tente chamar a atenção pela sua aparência.
55. Nunca contradiga, apenas cale-se.
56. Não contraia dívidas. Compre e pague em seguida.
57. Se ofender alguém, peça desculpas.
58. Se ofender alguém publicamente, peça perdão publicamente também.
59. Se perceber que falou algo errado, não insista no erro por orgulho e desista imediatamente dos seus propósitos.
60. Não defenda suas ideias antigas só pelo fato de ter sido você quem as enunciou…
61. Não conserve objetos inúteis.
62. Não se enfeite com as ideias alheias.
63. Não tire fotos com personagens famosos.
64. Não preste contas a ninguém, seja o seu próprio juiz.
65. Nunca se defina pelo o que possui.
66. Nunca fale de você sem conceder-se a possibilidade de mudança.
67. Aceita que nada é teu.
68. Quando pedirem a sua opinião sobre alguém, fale somente de suas qualidades.
69. Quando você ficar doente, em lugar de odiar esse mal, considere-o como seu mestre.
70. Não olhe dissimuladamente, olhe fixamente.
71. Não esqueça seus mortos, mas dê a eles um lugar limitado que lhes impeça de invadir a sua vida.
72. Em sua casa, reserve sempre um espaço ao sagrado.
73. Quando você realizar um serviço, não ressalte seus esforços.
74. Se decidir trabalhar para alguém, trate de fazer com prazer.
75. Se você tem dúvida entre fazer ou não fazer, arrisque-se e faça.
76. Não queira ser tudo para teu cônjuge; admita que busque em outros o que você não pode dar.
77. Quando alguém tenha seu público, não tente contradizê-lo e roubar-lhe a audiência.
78. Viva dos seus próprios ganhos.
79. Não se vanglorie por aventuras amorosas.
80. Não exalte as suas fraquezas.
81. Nunca visite alguém só para preencher o seu tempo.
82. Obtenha para repartir.
83. Se você está meditando e um diabo se aproxima, coloque-o para meditar também.

 

Fonte: VidaEmEquilíbrio

Podemos estar vivendo no passado de um universo paralelo

Entre muitas teorias, alguns cientistas sugerem que o Big Bang não marcou o início do Universo e que talvez estejamos vivendo no passado de um universo paralelo.

Para tentar resolver o maior mistério de todos, dois grupos separados de cientistas proeminentes estão criando modelos que são capazes de examinar as condições iniciais no Universo, que poderiam ter criado aquilo que chamamos de ‘flecha do tempo’.   De forma interessante, ambos os grupos parecem mostrar o tempo se movendo em direções diferentes, uma descoberta que é contraditória, de acordo com muitos pesquisadores.

Os cientistas acreditam que quando o Big Bang criou o nosso Universo, ele também criou um segundo ‘universo espelho’, onde o tempo na verdade se move em direção oposta.  Olhando para ele a partir de nossa perspectiva, o tempo no universo paralelo se move para trás.  Porém, qualquer um dentro do universo paralelo teria a percepção do tempo em nosso Universo como se este estivesse se movendo para trás.

O primeiro modelo que foi publicado há mais de um ano no Physical Review Letters, nos diz que uma das implicações mais básicas propostas na teoria da gravidade de Newton cria as condições necessárias para o tempo, tal como o conhecemos, se mover em uma certa direção.

De acordo com Julian Barbour da Universidade de Oxford, Tim Koslowski da Universidade de New Brunswick e Flavio Mercati do Instituto Perimeter para Física Teórica, para quaisquer sistema de partículas confinadas – um auto contido universo como o que vivemos, por exemplo – a gravidade cria um ponto quando a distância entre partículas é reduzido a um mínimo. Mas, quando as partículas se expandem para fora, isto ocorre em direções temporais diferentes.

Segundo o site quartz.com, Barbour e seus colegas criaram um modelo de ponto de partícula do Universo 1.000 vezes simplificado, mostrando esta expansão dupla, com a gravidade criando estruturas em ambas as direções.  De acordo com a Segunda Lei da Termodinâmica, os sistemas assim convergem e expandem por necessidade, explica Flavio Mercati.
O ponto Janus

Pesquisadores afirmam que o momento antes da ‘expansão’ é referido como o “Ponto Janus”.

Numa entrevista com o site quartz.com, Barbour explica:

“O tempo não é algo que pré-existe. A direção e fluxo do tempo temos que deduzir do que está acontecendo no Universo. Quando olhamos para ele desta forma, é natural dizer que o tempo começa naquele ponto central e flui em direções opostas.”

Para simplificar as explicações, Barbour compara o assim chamado Ponto Janus ao momento que um rio se divide em dois e flui em direções opostas.

“É a coisa mais simples”, ele diz. “Você começa naquele Ponto Janus central, onde o movimento é caótico – é como a noção grega do caos primordial – mas então em ambas as direções você vê esta estrutura se formando.  Se a teoria for correta, então há outro universo no outro lado do Big Bang, no qual a direção da experiência do tempo é oposta à nossa.”

Embora a teoria acima mencionada não seja aceita por todos os pesquisadores, ela criou empolgação na comunidade científica, o que levou a mais cientistas explorarem a teoria.

Agora, um novo estudo, reportado pelo site popular New Scientist, mostra que dois outros pesquisadores, – Sean Carroll do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, e Alan Guth do Instituto Massachusetts de Tecnologia – vieram com um modelo similar, que demonstra o tempo se movendo em direções opostas, em ‘universos paralelos’.

Embora seu estudo ainda não tenha sido publicado, os dois pesquisadores concordam que sua teoria é ainda mais simplificada do que a proposta por Barbour e sua equipe, já que ela não depende da gravidade ou de partículas confinadas em outro sistema.  De acordo com relatos, o estudo proposto por Carroll e Gugh é baseado no conceito de entropia por si só, e não inclui qualquer outra pré-condição, o que significa que ele se aplica às partículas em ‘espaço infinito’, ao invés de sistemas auto-contidos como nos estudos anteriores.

“Chamamos isto de flecha do tempo de duas pontas“, disse Guth para o New Scientist. “Devido ao fato das leis da física não serem variáveis, vemos exatamente a mesma coisa em ambas as direções.”

Contudo, a teoria está longe de ser aceita na comunidade científica.  De acordo com o New Scientist, há estágios iniciais num modelo onde a direção da entropia cresce e assim a flecha do tempo não é claramente definida, e difícil de ser contabilizada.

Barbour adicionou que o trabalho está sendo baseado em tudo que conhecemos sobre a física clássica.

Uma vez que as perguntas de física quântica foram introduzidas, todas as apostas serão lançadas.  Ele adicionou:

“Ao invés de termos dois fluxos emanando de um rio, poderia ser mais parecido com uma fonte, onde você tem muitos pares de nascentes. Ou somente uma enorme gama de nascentes fluindo para fora de uma fonte, em diferentes direções.”

*Fonte: OVNIhoje

Big-Bang1