Conheça detalhes sobre Jarvis a IA doméstica de Mark Zuckerberg

Uma meta pessoal de Mark Zuckerberg para 2016 foi a criação de uma inteligência artificial própria para automatizar a sua casa. O fundador do Facebook nunca escondeu a inspiração no Jarvis, assistente de Tony Stark nos quadrinhos e filmes do “Homem de Ferro”. Agora chegamos ao fim de 2016 e fica a questão: como ele se saiu? Muito bem, na verdade.

Em artigo, Zuckerberg detalhou como seu Jarvis funciona e quais foram os desafios envolvidos na criação da IA doméstica. Muitos dos passos foram facilitados com o uso de tecnologias do próprio Facebook.

Zuck conta que o princípio de tudo foi a criação de um chatbot do Facebook Messenger, o que poupou um pouco do trabalho para criar um aplicativo novo desde a base, embora mais tarde ele tenha precisado criar um app separado de reconhecimento de voz que está sempre escutando. Além disso, o sistema de reconhecimento facial do Facebook também foi aproveitado para identificação das pessoas na porta da frente.

O fundador da rede social conta que um desafio interessante que ele teve durante a programação de seu Jarvis foi a música. Ele dá um exemplo de como pode ser complexo para uma máquina interpretar os seguintes pedidos, todos relacionados à cantora Adele: “play someone like you” (“toque someone like you”), “play someone like adele” (“toque algo parecido com adele”) ou “play some adele” (“toque adele”). São três solicitações parecidas, mas com implicações profundamente diferentes; a primeira pede uma música específica, a segunda pede uma sugestão de artista e a terceira pede uma playlist das melhores músicas de uma artista. Aos poucos, o assistente foi refinado com um sistema de feedback positivo e negativo que permite à máquina entender quando acertou ou errou na escolha.

Com o tempo, a IA tornou-se mais capaz de reconhecer os hábitos de Zuck para responder a solicitações mais abertas. Depois de algum tempo, ele apenas pedia “toque música” e o sistema entendia quais eram as faixas mais adequadas. Quando o assistente sugere uma música que não combina com o momento, Zuckerberg apenas diz: “Isso não é ‘light’, toque algo ‘light’”. A ordem serve para duas coisas: para o sistema aprender a classificar as músicas e para reproduzir uma playlist que seja mais adequada. O Jarvis também reconhece quando seu criador e a esposa, Priscilla Chan, estão conversando e reproduz músicas de que ambos gostam.

Mas nem tudo foi uma maravilha para o bilionário. Ele encontrou alguns problemas sérios para fazer seus equipamentos conectados funcionarem em conjunto e atenderem aos seus comandos por meio do assistente. Ele cita que usava uma câmera Nest, um sistema de som Sonos, uma TV Samsung e uma central de automação Crestron para controlar luzes, portas e termostato. Aí foi necessário o espírito de gambiarra para fazer a engenharia reversa das APIs desses dispositivos para que fosse possível dar o comando no seu celular ou no PC para apagar luzes ou colocar música para tocar.

Zuckerberg conclui que seu projeto pessoal deu uma dimensão melhor do atual estado da inteligência artificial como interface de usuário. Ele prevê que em até dez anos os sistemas de IA estarão muito mais avançados e superiores às capacidades humanas em cada um dos nossos sentidos, incluindo visão, audição, tato, e também muito mais avançados em termos de linguagem.

Por se tratar de um projeto pessoal, o Jarvis foi criado para servir aos propósitos de Mark Zuckerberg, e não pensado para atender o público geral, então é muito improvável que ele seja a etapa inicial de um produto real. No entanto, o Facebook já deixou bem claro que está investindo pesado em inteligência artificial, então não seria surpresa se esse esforço acabar influenciando algo dentro de sua empresa.

 

…………………………………….
*Fonte: olhardigital

 

Zygmunt Bauman: “As redes sociais são uma armadilha”

O polonês (Poznan, 1925) era criança quando sua família, judia, fugiu para a União Soviética para escapar do nazismo, e, em 1968, teve que abandonar seu próprio país, desempossado de seu posto de professor e expulso do Partido Comunista em um expurgo marcado pelo antissemitismo após a guerra árabe-israelense. Renunciou à sua nacionalidade, emigrou a Tel Aviv e se instalou, depois, na Universidade de Leeds (Inglaterra), onde desenvolveu a maior parte de sua carreira. Sua obra, que arranca nos anos 1960, foi reconhecida com prêmios como o Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades de 2010, que recebeu junto com Alain Touraine.

Bauman é considerado um pessimista. Seu diagnóstico da realidade em seus últimos livros é sumamente crítico. Em A riqueza de poucos beneficia todos nós?, explica o alto preço que se paga hoje em dia pelo neoliberalismo triunfal dos anos 80 e a “trintena opulenta” que veio em seguida. Sua conclusão: a promessa de que a riqueza acumulada pelos que estão no topo chegaria aos que se encontram mais abaixo é uma grande mentira. Em Cegueira moral, escrito junto com Leonidas Donskis, Bauman alerta sobre a perda do sentido de comunidade em um mundo individualista. Em seu novo ensaio, Estado de crise, um diálogo com o sociólogo italiano Carlo Bordoni, volta a se destacar. O livro da editora Zahar, que já está disponível para pré-venda no Brasil, trata de um momento histórico de grande incerteza.

Bauman volta a seu hotel junto com o filósofo espanhol Javier Gomá, com quem debateu no Fórum da Cultura, evento que terá sua segunda edição realizada em novembro e que traz a Burgos os grandes pensadores mundiais. Bauman é um deles.

Pergunta. Você vê a desigualdade como uma “metástase”. A democracia está em perigo?

Resposta. O que está acontecendo agora, o que podemos chamar de crise da democracia, é o colapso da confiança. A crença de que os líderes não só são corruptos ou estúpidos, mas também incapazes. Para atuar, é necessário poder: ser capaz de fazer coisas; e política: a habilidade de decidir quais são as coisas que têm ser feitas. A questão é que esse casamento entre poder e política nas mãos do Estado-nação acabou. O poder se globalizou, mas as políticas são tão locais quanto antes. A política tem as mãos cortadas. As pessoas já não acreditam no sistema democrático porque ele não cumpre suas promessas. É o que está evidenciando, por exemplo, a crise de migração. O fenômeno é global, mas atuamos em termos paroquianos. As instituições democráticas não foram estruturadas para conduzir situações de interdependência. A crise contemporânea da democracia é uma crise das instituições democráticas.

“Foi uma catástrofe arrastar a classe media ao precariat. O conflito já não é entre classes, mas de cada um com a sociedade”

P. Para que lado tende o pêndulo que oscila entre liberdade e segurança?

R. São dois valores extremamente difíceis de conciliar. Para ter mais segurança é preciso renunciar a certa liberdade, se você quer mais liberdade tem que renunciar à segurança. Esse dilema vai continuar para sempre. Há 40 anos, achamos que a liberdade tinha triunfado e que estávamos em meio a uma orgia consumista. Tudo parecia possível mediante a concessão de crédito: se você quer uma casa, um carro… pode pagar depois. Foi um despertar muito amargo o de 2008, quando o crédito fácil acabou. A catástrofe que veio, o colapso social, foi para a classe média, que foi arrastada rapidamente ao que chamamos de precariat (termo que substitui, ao mesmo tempo, proletariado e classe média). Essa é a categoria dos que vivem em uma precariedade contínua: não saber se suas empresas vão se fundir ou comprar outras, ou se vão ficar desempregados, não saber se o que custou tanto esforço lhes pertence… O conflito, o antagonismo, já não é entre classes, mas de cada pessoa com a sociedade. Não é só uma falta de segurança, também é uma falta de liberdade.

P. Você afirma que a ideia de progresso é um mito. Por que, no passado, as pessoas acreditavam em um futuro melhor e agora não?

R. Estamos em um estado de interregno, entre uma etapa em que tínhamos certezas e outra em que a velha forma de atuar já não funciona. Não sabemos o que vai a substituir isso. As certezas foram abolidas. Não sou capaz de profetizar. Estamos experimentando novas formas de fazer coisas. A Espanha foi um exemplo com aquela famosa iniciativa de maio (o 15-M), em que essa gente tomou as praças, discutindo, tratando de substituir os procedimentos parlamentares por algum tipo de democracia direta. Isso provou ter vida curta. As políticas de austeridade vão continuar, não podiam pará-las, mas podem ser relativamente efetivos em introduzir novas formas de fazer as coisas.

P. Você sustenta que o movimento dos indignados “sabe como preparar o terreno, mas não como construir algo sólido”.

R. O povo esqueceu suas diferenças por um tempo, reunido na praça por um propósito comum. Se a razão é negativa, como se indispor com alguém, as possibilidades de êxito são mais altas. De certa forma, foi uma explosão de solidariedade, mas as explosões são muito potentes e muito breves.

P. E você também lamenta que, por sua natureza “arco íris”, o movimento não possa estabelecer uma liderança sólida.

R. Os líderes são tipos duros, que têm ideias e ideologias, o que faria desaparecer a visibilidade e a esperança de unidade. Precisamente porque não tem líderes o movimento pode sobreviver. Mas precisamente porque não tem líderes não podem transformar sua unidade em uma ação prática.

P. Na Espanha, as consequências do 15-M chegaram à política. Novos partidos emergiram com força.

“O 15-M, de certa forma, foi uma explosão de solidariedade, mas as explosões são potentes e breves”

R. A mudança de um partido por outro não vai a resolver o problema. O problema hoje não é que os partidos estejam equivocados, e sim o fato de que não controlam os instrumentos. Os problemas dos espanhóis não estão restritos ao território nacional, são globais. A presunção de que se pode resolver a situação partindo de dentro é errônea.

P. Você analisa a crise do Estado-nação. Qual é a sua opinião sobre as aspirações independentistas da Catalunha?

R. Penso que continuamos com os princípios de Versalhes, quando se estabeleceu o direito de cada nação baseado na autodeterminação. Mas isso, hoje, é uma ficção porque não existem territórios homogêneos. Atualmente, todas as sociedades são uma coleção de diásporas. As pessoas se unem a uma sociedade à qual são leais, e pagam impostos, mas, ao mesmo tempo, não querem abrir mão de suas identidades. A conexão entre o local e a identidade se rompeu. A situação na Catalunha, como na Escócia ou na Lombardia, é uma contradição entre a identidade tribal e a cidadania de um país. Eles são europeus, mas não querem ir a Bruxelas por Madri, mas via Barcelona. A mesma lógica está emergindo em quase todos os países. Mantemos os princípios estabelecidos no final da Primeira Guerra Mundial, mas o mundo mudou muito.

P. As redes sociais mudaram a forma como as pessoas protestam e a exigência de transparência. Você é um cético sobre esse “ativismo de sofá” e ressalta que a Internet também nos entorpece com entretenimento barato. Em vez de um instrumento revolucionário, como alguns pensam, as redes sociais são o novo ópio do povo?

R. A questão da identidade foi transformada de algo preestabelecido em uma tarefa: você tem que criar a sua própria comunidade. Mas não se cria uma comunidade, você tem uma ou não; o que as redes sociais podem gerar é um substituto. A diferença entre a comunidade e a rede é que você pertence à comunidade, mas a rede pertence a você. É possível adicionar e deletar amigos, e controlar as pessoas com quem você se relaciona. Isso faz com que os indivíduos se sintam um pouco melhor, porque a solidão é a grande ameaça nesses tempos individualistas. Mas, nas redes, é tão fácil adicionar e deletar amigos que as habilidades sociais não são necessárias. Elas são desenvolvidas na rua, ou no trabalho, ao encontrar gente com quem se precisa ter uma interação razoável. Aí você tem que enfrentar as dificuldades, se envolver em um diálogo. O papa Francisco, que é um grande homem, ao ser eleito, deu sua primeira entrevista a Eugenio Scalfari, um jornalista italiano que é um ateu autoproclamado. Foi um sinal: o diálogo real não é falar com gente que pensa igual a você. As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha.

…………………………………………….
*Fonte / texto: brasil.elpais

zig

Road trip V.Aires – Mostardas 2016 *(parte 3 – A cidade )

Alguns kms depois do término (ufa!) de nossa aventura até a praia do Farol da Solidão, estávamos novamente em chão firme na BR-101 e assim seguimos em frente até finalmente chegarmos em Mostardas (RS). Como já havíamos anteriormente feito a reserva da pousada, então foi só chegar, trocar uma ideia e descarregar as coisas. Depois de um bom banho “quente”, para relaxar do friozinho, da chuva e de toda essa canseira de correria sem parar desde de manhã cedo. Valeu! Deu para recarregar as baterias novamente.

Mas não era só isso, o Vladi que já esteve por ali antes e portanto conhecia o local, funciona normalmente em 480 volts e com isso já tinha preparando mais um rolê em nosso cardápio motociclístico, para antes do final da tarde. Isso, o cara é crazy mesmo!…rsrsrsr

A essa altura já era por volta de 14hs e ainda nem tínhamos almoçado. Arrumamos nossas coisas e agora saímos levando apenas o necessário e com isso menos peso e tralhas nas motos, porque deixamos a bagagem na pousada. Depois de uma breve volta de reconhecimento pelo centro da cidade, acabamos optando por um lanche básico e deixar para mais tarde, na janta comermos algo mais elaborado. Enquanto isso a chuva voltava a ativa novamente no modo hard. Mal comemos e tínhamos de zarpar rumo a tal nova empreitada, que com a chuva, o dia estava mais escuro e ainda tínhamos de aproveitar o resto do tempo do dia, para visitarmos de moto a Parque Nacional da Lagoa do Peixe, que fica em Mostardas mas que de sair pela BR-101 por alguns kms à frente.

Claro que eu a essa altura eu já estava bem cansado e depois de praticamente passar quase o dia todo com os pés molhados, lá estávamos novamente na chuva para mais uma aventura que duraria ainda algumas horas e esperávamos estar de volta na pousada, até o anoitecer. Mas tudo bem, faz parte superar essas situações. Vamu-qui-vamu!

Saímos de cidade e tomamos a direção da entrada do parque. Só que eu precisava abastecer minha moto, até porque não sabíamos o quanto iríamos rodar pelo local que segundo o Vladi era mais longo do que o de nossa empreitada anterior. Acontece que me toquei disso de abastecer a moto somente quando já havíamos deixado a cidade e já estávamos na estrada quase na entrada do parque. Então o Vladi sugeriu seguirmos em frente até Tavares (RS), que não ficava longe e depois voltaríamos.

Tranquilo, melhor assim mesmo, porque o pouco de combustível que eu tinha nãio teria dado conta do recado. Com a chuva insistentemente sendo nossa parceira chegamos em Tavares. Uma pequena cidade que curiosamente não tem um posto de gasolina na parte central ou rua principal da cidade. Via de regra é fácil de encontrar um posto de gasolina em qualquer cidade em que se passa, mas nersse caso tivemos de pedir informação novamente. Descobrimos um que ficava num canto afastado e foi tudo certo, aliás cabe mencionar de que fomos muito bem atendidos. Apreitei essa breve parada para novamente tirar as botas e torcer as meias dos pés, para tentar diminuir os tantos litros d’água que estava transportando comigo…rsrsrs. Nessa hora tinha “aquela certeza” de que ficaria com um puta resfriado ou com dor de garganta, mais tarde.

Com as motos abastecidas, voltamos uma parte do trajeto até chegarmos na tal entrada da estradinha do Parque da Lagoa do Peixe. E sim, com a chuva ainda caindo a primeira coisa que me veio a cabeça foi de que teríamos novamente que passar por aquela situação de piso escorregadio e muda para areia fofa então até a praia. Ok! Vamos lá nos divertir outra vez…

 

*Confira algumas imgs da empreitada:

Entrada de Mostardas - RS
Trecho da entrada de Mostardas – RS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parede da pousada: foto dos 3 famosos faróis locais
Parede da pousada: foto dos 3 famosos faróis locais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Centro da cidade
Praça no centro da cidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Igreja no centro da cidade
A tradicional igreja no centro da cidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Finalmente um almoço (mesmo que rápido)
Finalmente uma tempo para um lanche mais forte (mesmo que rápido)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nossa companheiras: a chuva e a estrada
Nossa companheiras de viagem: a chuva e a estrada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Posto em Tavares (RS)
Posto em Tavares (RS)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Trevo de Tavares (RS)
Trevo de Tavares (RS)