Road trip V.Aires – Mostardas 2016 *(parte 4 – Parque Nacional da Lagoa do Peixe)

Moto abastecida e saímos de volta na BR-101, agora retornando apenas alguns poucos kms até a entrada do Parque da Lagos do Peixe. Só na entrada já dava para perceber de que enfrentaríamos a mesma coisa da aventura anterior do farol. Estrada com barro e areia, a mesma função de piso escorregadio da outra vez. Mas foda-se, se estávamos lá para isso mesmo então era hora de encarar tudo outra vez.

Agora eu não tive dó, como já estava cansado resolvi acelerar logo o processo todo e como já tinha percebido na outra vez, o lance era segurar firme o guidon e tocar forte em frente. Funcionava melhor esse procedimento. O Vladi, optou por manter a sua estratégia de devagar se vai ao longe. Eu por minha vez, optei pelo modo “mais emoção”.

Caraca! Se da nossa volta até o Farol da Solidão a coisa foi um tanto difícil, agora, talvez por já estarmos um pouco mais acostumados com o perrengue de pilotar naquelas condições e terreno, fomos bem melhor. Nada como a o treino e a experiência…hauhauahau

Rendemos mais e rapidamente e aquela tal minha vontade inicial de ter ficado na pousada e descansar mais, pffffff….. passou rapidamente, foi literalmente pro espaço. Que lugar du caralho! Bah!E como valeu a pena.

Visual muito bonito da lagoa e seguindo em frente o terreno logo mudou de aspecto, de barro com areia virou apenas areia molhada. Na real nem tinha mais estrada alguma, estávamos seguindo apenas algumas fracas marcas de pneu que haviam e serpenteavam por entre as dunas. O Vladi que já tinha estado ali numa outra vez, disse para mim seguir em frente nesse trajeto. Algumas vezes tivemos de atravessar alguns córregos, o que deixou a coisa mais divertida ainda. Alguns até eram fundos e tivemos de dar a volta pela beirada, o que era mais aconselhável e seguro.

Depois de um tempo nessa função finalmente chegamos outra vez a praia. Uma viola abandona dessa vez nos aguardava junto a beira do mar. Paramos para algumas fotos e nessa função, a moto do Vladimir afundou o pezinho na areia molhada e caiu sozinha. Nenhum prejuízo. Demos uma caminhada pelo local e na beira da praia, descansamos um pouco mas a chuva nem pensar em nos dar uma trégua. Nessa hora já estávamos bastante molhados e a chuva era de verão, então não foi tão ruim assim (apesar de tudo, não estava tão frio). Eu até fiquei afim de dar uma rápida entrada no mar, mas a água sim estava fria. Desisti.

O dia estava escurecendo rapidamente e era hora de seguirmos o caminho pela praia até a saída que nos levaria para fora do parque. No trajeto passamos pelo Farol de Mostardas, fizemos outra parada para dar uma melhor olhada. Esse ainda está ativo, cercado e com uma casa do faroleiro e tal.

Tentamos uma saída mas demos de caras nas dunas e dessa vez sem marca alguma de que fosse um caminho normal da saída do pessoal local. Aliás, bem pouca gente na beira da praia, apenas um que outro pescador e ainda em espaços distantes. O que havia bastante eram redes de pesca amarradas em tocos à beira da praia. Várias vezes cruzamos de moto, numa “boa velocidade” por cima dessas cordas na beira da praia. E eu só pensando na possibilidade de alguma delas esticar mais alto de repente na nossa frente. Teria nos dado um tombo e tanto! Mas tudo tranquilo, em nenhum momento isso aconteceu.

Como deu errado a primeira tentativa de arrumarmos uma saída, pedindo informação para um pescador. A saída ficava então a uns 16 Kms, seguindo em frente na areia da praia. e a trip prosseguia. No caminho encontramos uma carcaça de barco que havia afundado e que depois o mar trouxe para a areia da beira da praia. Rende um visual bacana essa situação. Depois nos disseram que essa carcaça de barco está lá há uns 15 anos.

Foi muito bom rodar esse trajeto todo na beira do mar. Curti muito e é uma sensação boa. Não teve perigo porque como já disse, chovia, haviam bem poucas pessoas na beira e é o único caminho (estrada), para os moradores do vilarejo. Então não fizemos nada de errado nem tampouco estávamos aloprando no local.

Depois de chegarmos na saída da praia, tínhamos ainda um longo trajeto de volta até Mostardas. Novamente aquela coisa de estrada de areia, que depois vira uma mistura muito lisa de terra + areia, e mais tarde apenas terra, mas daí aparecem os buracos (um emendado no outro), uma maravilha para a minha coluna.

Já estava escuro quando chegamos na cidade outra vez. Um alívio mas completamente realizado com esse incrível passeio de moto. Sensacional.
Era hora de chegar no posto de gasolina para lavarmos as motos e então finalmente voltarmos para a pousada e um banho quente. Não imagina a felicidade na hora de colocar então uma roupa seca. Guardamos as motos e resolvida essa parada saímos a pé pelo centro de Mostardas onde encontramos uma pizzaria. Depois de uma boa janta voltamos para a pousada. O cansaço era grande mas compensador.

Na manhã seguinte iríamos fazer o trajeto de volta para casa. Seria um outro dia bem longo, pela frente.

 

*Algumas imagens dessa parte do roteiro:

No começo da estrada para a Lagoa do Peixe.
No começo da estrada para a Lagoa do Peixe (só areia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O piso já começava a mudar.
O piso já começava a mudar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parada para apreciar a Lagoa do Peixe
Curtindo o visual da Lagoa do Peixe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A lagoa
A lagoa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seguindo em frente
Seguindo em frente

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ponte e um visual incrível
Uma das pontes – (visual incrível)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seguindo na intuição, mais do que o próprio caminho
Seguindo na intuição, mais do que o próprio caminho em si

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desert vibe
Desert vibe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Vladi mais a frente
O Vladi mais a frente

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quase lá
Quase lá

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chegamos na praia
Chegamos na praia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Moto do Vladi no chão (caiu sozinha, o pezinho afundou na areia)
Moto do Vladi no chão (caiu sozinha, o pezinho afundou na areia)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolê na beira da praia (único caminho para a saída
Rolê na beira da praia (único caminho para a saída

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tipo uns 16 km de caminho na beira da praia até a saída para Mostardas
Tipo uns 16 km de caminho na beira da praia até a saída para Mostardas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Farol de Mostardas (RS)
O Farol de Mostardas (RS)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E a chuva bombando sempre
E a chuva bombando sempre

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resto de um barco que o mar trouxe para fora
Resto de um barco que o mar trouxe para fora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Vladi na carcaça do barco
O Vladi na carcaça do barco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Procurando a saída da praia para a volta
Procurando a saída da praia para a volta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois de sairmos da praia, já no caminho para Mostardas
Depois de sairmos da praia, já no caminho para Mostardas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Só para ter uma ideia do perrengue
Só para ter uma ideia do tamanho do perrengue

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Vladi na batalha
O Vladi enfrentando a lama

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aqui na saída do parque, mas saca só o que ainda tínhamos pela frente
Na saída do parque, mas saca só o que ainda tínhamos pela frente (vários Km)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois de toda tranqueira, chegada na beira de Mostardas
Depois de toda aquela tranqueira, finalmente a chegada na beira de Mostardas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No posto dando na motos
No posto dando um trato na motos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.