Passei um mês sem beber uma gota de álcool, e foi isto que me aconteceu

Não interprete mal o título acima: não se trata de uma declaração tipo “alcoólicos anônimos”. Sou o que a Organização Mundial da Saúde denominaria de “bebedor moderado”, alguém que simplesmente gosta de tomar uma taça de vinho durante as refeições. Não bebo licores nem coquetéis. E quando saio “para tomar uma cerveja” não passo de duas. Quero acreditar, além disso, que esse consumo responsável é bom para a saúde. Confio na Clínica Mayo (EUA) quando sugere que os polifenóis do vinho, quando consumidos com comedimento, protegem o coração. Também acredito nesse estudo que diz que os bebedores moderados vivem mais do que os totalmente abstêmios.

Algum leitor poderá achar que não há nada de mais em passar um mês sem álcool: tem gente que nunca bebe. Entretanto, as cifras demonstram que a maioria não é assim. Segundo o último relatório sobre álcool, tabaco e drogas ilegais na Espanha, do Ministério da Saúde desse país, 64,4 % dos espanhóis beberam álcool nos 30 dias anteriores à pesquisa. Até o mais rigoroso toma um vinhozinho num jantar.

“Fiz isto por três razões: emagrecer; me sentir mais saudável e ágil; e comprovar, simplesmente, se posso resistir à tentação.”

Eu me privei inclusive disso, durante um mês, por três motivos. Primeiro: emagrecer. Sou o tipo de gente que sempre ouve por aí: “Mas você não está gordo” – embora secretamente saiba que está. Se deixar de tomar duas taças de vinho, estarei fechando a porta a 150 calorias. Como não sou de comer com água, recorrerei à cerveja sem álcool, que tem 26 calorias por cada 100 gramas – metade da convencional –, segundo a Base de Dados Espanhola de Composição de Alimentos (BEDCA).

A segunda razão é verificar se a pessoa se sente mais saudável, ágil, atenta ou inspirada. A terceira é comprovar, simplesmente, se é possível resistir à tentação. Ao longo de um mês ocorrem situações, geralmente de índole social, que convidam a abrir um vinho ou pedir um chope. Assim fui superando-as.

 

Passagem cabisbaixa pelo corredor dos vinhos

Ao contrário das frutas e verduras, comprar vinhos no supermercado sempre me pareceu uma experiência muito agradável. O tempo se detém enquanto seleciono safras, inspeciono variedades e admiro etiquetas. Tanto que uma vez, em pleno processo, recebi um WhatsApp que dizia: “Aconteceu alguma coisa com você? Estou há meia hora te esperando nos caixas”. Era minha mulher, e desconfio que não estava exatamente preocupada com a minha saúde.

Agora, por outro lado, evito, cabisbaixo, o corredor de vinhos e licores e vou parar no das cervejas, onde não há muito que selecionar, inspecionar ou admirar. Mas antes me informei sobre essa nomenclatura no mínimo curiosa: quando dizem “sem” querem dizer “com”, e quando dizem “0,0” querem dizer “sem”. Sim, amigo, a cerveja sem álcool tem álcool (menos de 1%, pela lei espanhola). Como o desafio consiste em não tomar nem uma só gota, passo a mão em dois packs de seis “0,0” que, espero, deem para toda uma semana.
Minhas novas e saudáveis beberagens

Podem me chamar de prático, mas uma coisa boa de beber diretamente da lata é não precisar lavar o copo depois. Esse pensamento cruza minha claríssima mente no primeiro dia de abstinência. Em seguida, enquanto degusto esta beberagem sem um só vestígio de álcool, concluo que o gosto é bastante bom.

“Podem me chamar de prático, mas uma coisa boa de beber diretamente da lata é não precisar lavar o copo depois. Esse pensamento cruza minha claríssima mente no primeiro dia de abstinência.”

Outras considerações de ordem logística incluem que a cerveja, obviamente, precisará ser guardada na geladeira (ao contrário do vinho) o que me obriga a estar pendente de uma coisa a mais na cozinha (ficar sem cerveja gelada poderia ser um drama, mesmo que seja das que não embebedam). Além disso, comprovo extasiado como a pilha de garrafas vazias de vinho, que normalmente cresce com espantosa rapidez, ficou estagnada, e isso é ótimo porque, como é preciso jogá-las num contêiner especial, às vezes não me lembro de descer com elas, que assim terminam tristemente amontoadas, o que passa uma imagem lamentável.

 

O garçom nota que minhas mãos suam

Aproveitando que tenho que ler vários livros para uma matéria, decido me instalar nas mesas externas de um bar, afinal estamos na primavera. Quando vem o garçom, assaltam-me as dúvidas: quero pedir uma “0,0”, não uma “sem”, mas se especificar tanto não ficarei como um desses ranhetas que pedem o café com leite morno, semidesnatado, no copo e com sacarina?

Sempre achei que são uns desalmados, e isso que nunca trabalhei no grêmio da hotelaria. Tolhido, peço uma “sem”. Por sorte, o garçom, que deve ter notado minhas mãos suando, me traz uma “0,0”, que é o que eu queria. Mas a acompanha com três petiscos. “Cara”, tenho vontade de lhe dizer, “quero emagrecer, sacou? Não me entupir de batata frita, azeitona e salada russa”. Dispenso as duas primeiras, mas devoro a salada russa.
Combino com os amigos e…

Combino com três velhos amigos que não via fazia quatro anos; com exceção de um deles, todos somos jornalistas que já conhecemos dias melhores. Marcamos num restaurante que serve hambúrgueres e costeletas (dos que frequentávamos há 15 anos), e a nostalgia parece autorizar o consumo de uma breja.

“Quando peço minha ‘0,0’, um amigo me acompanha, o terceiro pede um refrigerante zero, e o quarto se safa com água. Meu Deus, estamos mal mesmo!”

Aí eu piro, porque, quando peço minha “0,0” (já aprendi), um deles me acompanha pedindo outra, o terceiro pede um refrigerante zero, e o quarto se safa com água. Meu Deus, estamos mal mesmo! Dado o ambiente de camaradagem que se respira, sou dominado por outra dúvida. A long neck de cerveja sem álcool também se pode beber no gargalo, fazendo pose? Não há nada que impeça, né? Então, sem pensar duas vezes, agarro minha garrafa e a levo à boca. E depois passo o dorso da mão pelos lábios, yeah!

 

Almoço com vinho sem álcool (minha nossa!)

Antigamente, quando meu pai era vivo, eu costumava chegar para o almoço carregando garrafas de vinho que entornávamos entre os dois. Agora continuo a levá-las, e costumo deixá-las mais ou menos pela metade (os domingos são um dia especial). Como ando metido nesta experiência, recorro ao vinho sem álcool, do que me falaram muito mal. Também não é para tanto. Se a cerveja sem álcool é decente, por que não o vinho?

Minha relação com esse singular produto começa mal: levo 20 minutos para localizá-lo no supermercado (e com ajuda de um funcionário). Quando o levo à mesa, minha cunhada dispara: “Mas o vinho sem álcool não é suco de uva?”. Todos aqueles a quem falo desta bebida à qual dedico grandes esperanças me dizem a mesma coisa. Saio em sua defesa brandindo a etiqueta: pegam vinho normal e, mediante um processo complicadíssimo, extraem o álcool. Mas na hora de prová-lo… minha nossa! É péssimo. Não é que não tenha gosto de vinho, é que nem sequer tem gosto de suco. Lembra aqueles insípidos e aguados licores sem álcool. Retiro educadamente a garrafa da mesa e pergunto à minha mãe se por acaso não teria uma cerveja “sem” na geladeira. E sim, tem uma solitária lata de “sem”, que aceito de bom grado.

“Como ando metido neste experimento, recorro ao vinho sem álcool, do qual me falaram muito mal. Talvez não seja para tanto. Se a cerveja sem álcool é decente, por que não o vinho?”

 

Uma cervejinha (?) com os pais da escola

É bastante conhecido o potencial do álcool como lubrificante social. Na verdade, os bebedores “sociais” têm mais amigos, segundo um estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) publicado em dezembro passado. Os programas de sexta à tarde no parque parecem confirmá-lo: são uma mera desculpa para que papais e mamães nos entreguemos à cerveja enquanto as crianças se machucam no escorregador. Agora que não bebo, ficarei calado, excluído? Peço uma “0,0”. E não, não fico calado nem excluído, inclusive me noto mais alerta que nas outras sextas-feiras, quando às onze já começo a bocejar.

 

Um acidentado jantar a dois

Ninguém em sã consciência cogita regar um bom jantar (presunto do bom e carnes idem) com outra coisa que não seja vinho. Mas aqui estou eu com minhas cervejas “0,0”, que já compro em caixas de 24, pois me acostumei tanto a elas que tomo uma atrás da outra, sem pestanejar. Já que não engordam… Sim, virei um viciado. Quando na metade do jantar me levanto para pegar a segunda, e depois a terceira, minha mulher não me olha feio, como quando me servia de mais vinho. Mas tanta cerveja tem duas consequências, nenhuma agradável. Uma é que você não sai do banheiro, e depois da quarta vez termina urinando um líquido completamente incolor, mas nem por isso menos premente. A outra é que produz muitíssimos gases. A tal ponto que lhe obriga a buscar a todo custo um momento de solidão antes de ir para a cama.

 

Conclusão de meu mês sem álcool: emagreci?

– Como decidi não me pesar até o final, interpreto o fato de me sentir mais leve como um bom sinal. Sou capaz de subir e descer as escadas do prédio com um alegre trote adolescente (embora também seja verdade que moro no primeiro andar).

– Psicologicamente me sinto reforçado: ter sido capaz de manter o desafio eleva minha autoestima.

“Psicologicamente me sinto reforçado: ter sido capaz de manter o desafio eleva a minha autoestima.”

– Um efeito inesperado é que meu interesse pelo vinho minguou bastante, mas talvez seja porque o calor convida a tomar bebidas geladas.

– Quando subo na balança tenho um tremendo desgosto: peso mais ou menos o mesmo que há 30 dias. No transcurso de cinco minutos atravesso todas as etapas estudadas pela psicologia para as más notícias (negação, ira, aceitação etc.), e então compreendo: sim, erradiquei o álcool, mas minha dieta não mudou em mais nada.

Leio que as calorias da cerveja convencional procedem em sua maioria do álcool, ao passo que as da “sem” vêm em 85 % de carboidratos. Pergunto o significado disso a Roberto Cabo, nutricionista e autor de La Dieta ALEA: “Há dois tipos de carboidratos: os complexos (feijão, arroz, massa…) e os simples, chamados também de açúcares (doces, bolos…). Ao retirar o álcool, as calorias que passamos a consumir procederão de açúcares, mas serão muito poucas se for um consumo pontual”, responde.

Meu consumo foi pontual? Não. Deveria ter substituído a cerveja por água? Ops, melhor não dar a ideia.

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: elpais/Miguel Angel Bargueño

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: