Respiração profunda: uma forma simples de melhorar sua vida

A respiração profunda nos ajuda a acalmar a agitação, o estresse e a ansiedade. Respirar bem para viver melhor é um princípio de bem-estar físico e mental que exige nossa atenção entre a pressa e as pressões com as quais convivemos todos os dias. Por sua vez, e igualmente interessante, esse tipo de respiração permite que nos conectemos muito melhor com nós mesmos, com as nossas necessidades de vida…

São muitas as culturas que veem no processo de respiração algo mais do que esse ato aparentemente involuntário que garante a nossa sobrevivência e no qual não prestamos atenção. Muitos de nós fazemos parte desse mundo hiperventilado e de repente, quando sentimos a necessidade ou a curiosidade de praticar ioga, Mindfulness ou Tai-Chi, tomamos consciência de que respirar é mais do que simplesmente tomar ar para depois expulsá-lo de novo.

 

“A cada momento tenho que lembrar a mim mesma de que tenho que continuar respirando, de que o coração deve continuar palpitando…”
-Emily Brontë-

 

Nesse processo rítmico de expansão e contração, a respiração representa também essa polaridade constante que vemos na natureza, como o dia e a noite, como a vigília e o sono, como a calma e a tormenta, o inverno e a primavera… É um ciclo que tem diretrizes e seus momentos, sua música interior e seus incríveis benefícios se for feito corretamente.

A maioria de nós respira rápido e de modo superficial, não utilizando a plena capacidade dos nossos pulmões. Em um estado normal, respiramos entre 17 ou 18 vezes por minuto. No entanto, quando sofremos ansiedade ou estresse, o número dessa frequência respiratória dispara, podendo alcançar até mesmo as 30 respirações. Isso é um risco. É como viver com uma espada de Dâmocles sobre a nossa cabeça, gerando um desequilíbrio progressivo que vai afetar a nossa pressão arterial, nosso sistema imunológico, nossos músculos e até mesmo as nossas mentes.

No entanto, algo tão simples como “respirar fundo” e fazer isso com controle gera um benefício sistêmico, equilibrando vários processos e proporcionando uma via de saída a muitas dessas emoções negativas que afligem o nosso dia a dia.

 

E se aprendemos a respirar bem para viver melhor?

 

Respiração profunda, mas pausada

Existe um dado muito importante que merece pelo menos uma reflexão: a respiração é uma das poucas funções corporais que fazemos tanto de forma voluntária quanto involuntária. É uma grande oportunidade de controle sobre o nosso corpo, melhorando a nossa qualidade de vida, se conseguirmos exercer esse controle de forma inteligente.

Pense que uma respiração voluntária e consciente pode influenciar a forma como respiramos quando o fazemos de forma automática. Desta forma, melhoramos a pressão sanguínea, o ritmo cardíaco, a circulação, a digestão, e muitas outras funções corporais.

É muito possível que algum de nossos leitores se pergunte se existe alguma evidência científica de que a respiração profunda seja realmente tão positiva e benéfica como as culturas orientais nos explicam. Cabe-nos informar que o que nos dizem diversos estudos, como o publicado na revista científica “Harvard Health“, é que o que mais beneficia o nosso corpo é uma respiração lenta.

Quando respiramos fundo, mas acima de tudo com lentidão, conseguimos fazer com que o oxigênio chegue verdadeiramente até às células e que o nível de CO2 no sangue não baixe. Por sua vez, os cientistas também chegaram à conclusão de que o tipo de respiração que mais nos beneficia é a respiração diafragmática: aquela em que pegamos o ar em profundidade, deixando que ele entre pelo nariz e chegue completamente nos pulmões, ao elevar a parte inferior do nosso abdômen.

 

Benefícios da respiração profunda

Todo mundo, em algum momento de sua vida, já ouviu a famosa frase “não é nada, respira fundo”. É como um feitiço, como uma palavra mágica que assim que é colocada em prática, nos gera um bem-estar geral, um alívio quase imediato que acalma o corpo e reorganiza a mente. Essa estratégia teria muito mais benefícios se nos acostumarmos a praticá-la diariamente, de forma que se transforme em um hábito.

Estas seriam algumas mudanças que começaríamos a notar:

Melhoraria o metabolismo celular do nosso corpo.
Controlaríamos melhor o estresse e a ansiedade.
Dormiríamos melhor.
A digestões seriam menos pesadas.
Sentiríamos menos dor muscular, menos dores de cabeça e enxaquecas.
Nos concentraríamos melhor nas nossas tarefas.
Melhoraria a nossa postura e teríamos menos dores nas costas.
Aprenderíamos a estar mais centrados no “aqui e agora”.

 

Aprender a praticar a respiração profunda

Assim como afirmamos no início, as pessoas respiram em média entre 16 e 17 vezes por minuto. O nosso objetivo com a respiração profunda é respirar 10 vezes em um minuto. É claro que não conseguiremos isso com a primeira sessão, mas aos poucos e dia após dia vamos chegar a essa conquista, que sem dúvidas vai transformar o nosso bem-estar.

 

“Viver não consiste apenas em respirar, é muito mais…”
-Mao Zedong-

 

Aprenda como você pode conseguir fazer isso.

Em primeiro lugar, procure um lugar confortável para se sentar e que lhe permita manter as costas retas. Sua roupa deve ser confortável, deixando a região da cintura e do abdômen livre, sem a clássica pressão das calças jeans ou dos cintos.

Coloque seu peito para frente, relaxe os ombros e descanse o olhar.
Agora coloque uma mão sobre seu peito e a outra no abdômen.
Inspire de forma lenta e profunda ao longo de 4 segundos.
Quando fizer isso, você deve perceber como a mão que está no abdômen se eleva muito mais do que a mão que está sobre o peito.
Retenha esse ar durante 5 segundos para depois expirar de forma sonora ao longo de 7 segundos.

Comece com esse ritmo, e à medida que pegar o controle, você pode ir ajustando os tempos para conseguir uma média de 10 respirações em um minuto. Aos poucos você vai perceber benefícios notáveis na sua saúde física e uma calma mental adequada para enfrentar melhor o dia a dia.

Comece a experimentar hoje mesmo.

 

………………………………………………………………………
*Fonte: amenteemaravilhosa

Barão

Enfim o sábado chegou e com ele a vontade de o quanto antes sair de rodando de moto com os amigos. Durante a semana isso é complicado, todo mundo trabalha, tem lá os seus horários e compromissos, temos de tocar a vida e nem sempre é possível juntar a tigrada. Essa semana, o Paulão que mora em POA e é um amigo em comum de longa data da galera, convidou a mim e o Pretto, através do Vladi, para darmos um passeio de moto até Barão (RS), cidade onde seus pais tem uma casa, onde poderíamos fazer um churrasco. Que maravilha, hein! Andar de moto e ainda depois um churras! Bóh!

E já posso dizer que foi sensacional. O trajeto de Venâncio Aires até lá (a quem interessar possa), é barbada. Basta seguir pela 287 até Montenegro (RS) e no trevo do Parque Municipal dobrar a esquerda, onde tem um posto de gasolina. Depois é só seguir reto em frente pela 470. Essa estrada é um trajeto que vai terminar em Carlos Barbosa (RS). Pode-se também fazer esse trajeto por um outro lado, saindo de V.Aires / Lajeado / pegar a Rota do sol até Carlos Barbosa e depois descer. Feito é isso. Simples assim. Garantia de um belo passeio. PIMBA!

Para aproveitar bem o dia resolvemos sair cedo, perto das 8h30 já estávamos abastecendo as motos e calibrando os pneus. Uma conversa rápida e os motores já estavam roncando no asfalto. O dia estava um pouco frio, mas com um sol bonito. Só que isso foi apenas na hora da saída, bastou chegarmos há alguns Kms à frente, um pouco depois do trevo da cidade e o tempo fechou e só havia neblina. Putz! E que neblina. E foi assim até um pouco antes de chegarmos perto de Montenegro e nada dessa porra de neblina sumir de uma vez. Mas ok, no final de contas são mesmo as adversidades que é que dão o tom da aventura. Paramos para um café no caminho. Mas sem perder tempo já estávamos outra vez na estrada. Marcamos de nos encontrar com o Vladi, Fabi e Paulão no tal trevo do postinho de Montenegro. Mais ou menos dentro do previsto do horário marcado, estávamos lá.

Nova rodada de conversação e em pouco tempo outra vez já seguíamos em frente. O objetivo agora era passarmos primeiro para conhecer o túnel de pedra de Linha Stein, que fica na Rota Colonial. Não é muito longe da estrada, mas tem de andar por um pequeno trecho de pavimentação e depois estrada de chão batido (tudo bem sinalizado). Uma vez chegando no túnel, outra breve parada. Acabamos inclusive descobrindo uma escadaria que estava tomada pela vegetação, mas que permitia se chegar mais próximo de uma cascata de pedras muito bonita que há no local.

De volta a estrada seguimos para Salvador do Sul, outra cidade que eu não conhecia e de cara achei muito bacana, toda encostada em um morro. Paramos no centro da cidade, na praça matriz. Combinamos de seguir até um antigo hotel (está fechado atualmente) que há por lá e fica no topo do morro e de onde se pode ver uma bela paisagem do vale. Muito legal. Antes porém, tentamos também chegar num outro canto desse morro, em um colégio antigo, mas um guarda desse local não nos permitiu entrar na área do colégio. Pena, o lugar também era incrível. O Vladi e o Paulão já estiveram lá uma outra vez.

Depois retomamos o nosso percurso seguindo em frente até Barão e creio que em preciso dizer que não conhecia também esta cidadezinha. A casa dos pais do Paulão fica um pouco afastada, pegamos uma estrada de chão outra vez, mas tudo tranquilo apesar da minha moto e a do Pretto serem custom e não curtirem muito esse tipo de terreno…rsrsrsr

Uma casa muito legal, estava fechada há muito tempo, então demos logo um trato e já começamos a função para o nosso churrasco. Mas antes ainda tivemos de travar uma luta contra uma colméia de marimbondos que havia dentro da chaminé da churrasqueira. Mas tudo certo no final. Já adiantando – a comida ficou muito boa e ainda deu para descansar ao sol, conversar bastante, fazermos planos de novas aventuras e até tomamos umas cervejas (pouca é verdade). Fizemos ainda um passeio pelo propriedade onde colhemos muitas laranjas, bergamotas e limões para trazer para casa. Ninguém mais da turma vai ficar gripado pelo jeito. E assim o tempo acabou passando rapidamente e então na metade da tarde tínhamos já que nos agilizar nos preparativos para o trajeto de volta. Descemos a serra pelo mesmo caminho da ida – aliás, eu nem havia mencionado antes – QUE TRAJETO LEGAL (mas cuidado com as curvas fechadas… e bem fechadas) acompanhando o Vladi e o Paulão mesmo que o plano inicial seria de que eu e o Pretto voltaríamos seguindo em frente até Carlos Barbosa e depois descer pela Rota do Sol. Nos separamos em Montenegro outra vez. De lá atá em casa tudo tranquilo, ruim apenas é o sol batendo na cara nesse horário de final de tarde no trajeto da 287 para casa.

Mais um sábado daqueles. Um dia realmente incrível. Muito grato Paulão pelo excepcional convite e empreitada.
Valeu rapziada. Até a próxima.

 

*Algumas img da função de hoje: