8 lições dos samurais que se aplicam à vida moderna

Seguidores do Bushido, um código de conduta que preza pelos valores morais elevados, os samurais viveram no Japão feudal e especula-se que os primeiros tenham surgido no século VIII. A partir do século XII, com a chegada do ditador Minamoto Yoritomo ao poder, tornaram-se importantes, mantendo-se ligados ao governo até o século XIX, quando iniciou-se a era Meiji.

Apesar de sua quase extinção, o legado por conta do rígido código de honra e conduta continua vivo e influencia, principalmente, a sociedade japonesa até os dias de hoje. De acordo com a doutrina samurai, listamos oito lições que podemos (e devemos) aplicar aos dias atuais. São elas:

1# Honestidade

“Eu não tenho poder divino, faço da honestidade meu poder divino.” Este é um trecho retirado do Credo do Samurai. A honestidade é necessária para a relação interpessoal e essa virtude está prevista no Bushido como uma obrigação para aqueles que seguem a doutrina.

2# Honra

Dentre todos os princípios, a honra é um dos primordiais. Jamais deve-se abandonar sua honradez, pois as decisões tomadas são um reflexo de quem você realmente é. Todos os homens morrem, mas seu nome e seu legado podem ser eternos.

3# Disciplina

Quando você se propõe a aprender, deve saber respeitar os ensinamentos e manter a disciplina em relação àquele tido como superior. As etapas do aprendizado são: ouvir e refletir. Esteja disposto a isso para ser melhor hoje do que foi ontem e se aproximar ao máximo da perfeição.

4# Benevolência

Aqueles que possuem habilidades superiores devem usá-las para o bem do próximo acima de tudo, não havendo necessidade de provar a ninguém essa superioridade. Deve-se ajudar os outros em cada oportunidade e ser cortês até mesmo com seus inimigos.

5# Dever

Uma palavra pronunciada ou uma ação executada jamais será esquecida. O samurai não foge de seus deveres e é sempre inteiramente responsável por aquilo que fez, arcando com as consequências desses atos, sejam elas quais forem.

6# Autocontrole

Saber controlar as emoções em uma situação é determinante para se chegar ao sucesso desejado. Esse autocontrole irá deixa-lo consciente e seguro de seus atos, mesmo quando houver escassez de táticas.

7# Prontidão

Estar sempre preparado para quaisquer adversidades é imprescindível. Um samurai deve saber fazer a leitura da situação com facilidade e destreza para, então, agir sem hesitar, chegando à sua resolução.

8# Coragem

O medo é uma forma de fracasso para o samurai. A partir dos ensinamentos do Bushido, o indivíduo deve tornar-se seguro e totalmente destemido, estando preparado para enfrentar tudo e todos sem qualquer receio de derrota, agindo sempre com precisão até mesmo nas situações mais adversas.

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: elhombre

Não permita ser julgado por quem não vive a sua história!

É preciso coragem para se colocar no lugar das dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio.

Olhar de longe os acontecimentos, como mero espectador, não dá a ninguém autoridade suficiente para julgar o que vê. Frequentemente, as pessoas são julgadas pelas atitudes que tomam, sofrendo olhares de censura e comentários reprovadores de quem não conhece o que se passou de fato até que se chegasse àquela tomada de decisão.

Um dos maiores favores que faremos aos outros será o de conhecer antes de julgar.

Quem rompe um relacionamento, quem larga o emprego, quem ama como quiser, quem fala o que pensa, são inúmeros os exemplos de comportamentos que acabam sendo alvo da maldade alheia, alvo do veneno de quem não consegue enxergar a si próprio e foge disso denegrindo o outro. Como podem emitir juízos de valor baseados somente no conhecimento superficial, sem ter vivido de perto nenhuma das histórias que não são suas?

Cada pessoa sente o mundo, os acontecimentos, a vida, de um jeito próprio, ajeitando aquilo tudo conforme o que possui dentro de si, de acordo com o que vem se tornando enquanto a vida lhe envia as bagagens. Ninguém sente igual, nem dor nem prazer, o que nos impede de querer que o outro aja como achamos que deveria ou como nós mesmos agiríamos. E quem disse que o que pensamos é o mais correto? É muita presunção mesmo.

Da mesma forma, bem como tanto se alerta, é preciso exercitar a empatia, colocando-se no lugar do outro, entendendo-o antes de criticá-lo. E é preciso coragem para se colocar nas dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio. Atitudes extremas quase nunca são tomadas por quem está bem e tranquilo, mas sim por pessoas enredadas em meio à dor e ao desespero.

Portanto, não permita que ninguém o julgue sem ter vivido a sua história, sem ter compartilhado nada com você, sem nunca ter perguntado se precisava de algo.

Ignore quem ataca sem entender, quem julga sem conhecer, quem fofoca sem saber, porque a maioria das pessoas só está preocupada com o que acham serem erros alheios que poderiam ser evitados, embora elas próprias errem e tentem se esconder, apontando o dedo para fora de si. Afinal, ninguém conseguirá ser tão implacável quanto a nossa própria consciência.

……………………………………………………………………
*Fonte: osegredo / Marcel Camargo