Schadenfreude: o prazer na desgraça do outro

Já dizia Napoleão Bonaparte que “a inveja é uma declaração de inferioridade”. Mas se quem está enfrentando dificuldade é alguém que te fez mal ou simplesmente te desagrada, é possível que você fique feliz com o outro não se dando bem. Isso é inferioridade, é inveja? Não, segundo a ciência isso é Schadenfreude.

Digo mais. Até certo ponto é normal e natural sentir um pouco de alegria diante de certas desgraças alheias. Isso é, na verdade, exatamente o que significa essa palavra da língua alemã que define a curiosa sensação que estamos expondo aqui. Descubramos um pouco mais sobre ela.

“Se houvesse um só homem que fosse imortal, ele seria assassinado pelos invejosos.”
-Chumy Chúmez-

O que é Schadenfreude

Como dissemos, esse termo em alemão é uma palavra composta por duas que, unidas, significam a alegria pelo dano. Dano é schaden em alemão, e alegria é freude. Mas é normal, ou é algo positivo, sentir isso?

A verdade é que seus significados podem soar maliciosos, invejosos ou demonstrar inferioridade. A sensação não necessariamente, no entanto, denota maldade nem más intenções da pessoa que a sente. Se o mal acontece para uma pessoa que não merece o bem, por ter feito algum mal ou alguma outra situação do gênero, a sensação estaria relacionada com um sentimento de restabelecimento da ordem natural, trazendo de volta o equilíbrio de alguma forma.

Além disso, falamos de uma reação que poderíamos classificar inclusive como natural. Ela acontece devido ao fato da dopamina estar presente, o neurotransmissor que guarda relação com a recompensa e o prazer. Desse modo, se vemos alguém desagradável sofrer, é como se isso fosse um prêmio para nós, uma recompensa.

Não obstante, o psicólogo e pesquisador Agustín Ibáñez, do Centro de Neurociência da Universidade Adolfo Ibáñez, considera essa sensação como parte das emoções humanas morais. Ou seja, ela estaria relacionada com a comparação social que fazemos com os outros, além da atribuição de valor que também fazemos. Nisso o Schadenfreude se diferencia do medo, da tristeza e da alegria.

Por que o Schadenfreude acontece?

Seguindo essa linha de pensamento, há razões particulares pelas quais ocorre esse bem-estar diante da desgraça alheia. Como veremos logo a seguir, se sempre que ficarmos com essa reação natural perante determinadas situações não houver nenhuma participação direta nossa no mal ocorrido ou para que ele se perpetue, não há nada de negativo nisso.

Alívio

Essa situações nos provocam um certo alívio. Ou seja, se o mal está acontecendo com aquela pessoa, significa que não está acontecendo comigo.

Desse modo, ainda que aconteça algo com uma pessoa desconhecida, como tropeçar na rua ou cair água da janela em cima de sua cabeça, sabemos que poderia ter sido conosco e não foi. Nesse sentido, é possível que não apenas sintamos alívio, mas também que acabemos rindo se acharmos graça no que acabou de acontecer.

Inveja

Infelizmente não é só o alívio uma das razões desse bem-estar passageiro. A inveja, especialmente nas pessoas que costumam senti-la frequentemente, também é um dos motivos.

Desse modo, o fato de que alguém que não possui um recurso de que precisa e tem que pedi-lo a outra pessoa encontre uma recusa já pode ser mais do que suficiente para que se sinta bem pelo mal-estar alheio. Por outro lado, em relação à inveja também poderia ocorrer o pensamento “eu não tenho, mas o outro também não tem”, por exemplo. Desse modo, a carência do outro aliviaria um sentimento de inferioridade.

“O que é um invejoso? Um ingrato que detesta a luz que o ilumina e aquece.”
-Victor Hugo-

Autoestima baixa

A baixa autoestima também pode motivar a aparição desse fenômeno. De fato, diversas pesquisas já elucidaram que essa forma de ver o mal alheio que não atinge a si próprio pode servir para ganhar confiança em si mesmo.

Não obstante, também poderia servir como um gatilho para perder confiança, já que algumas pessoas podem olhar e se dar conta de que os outros são vítimas de desgraças, assim como elas. Ou seja, serve para reafirmar uma situação, ainda que por um momento sintam um certo alívio de não serem as únicas vítimas da desgraça.

Vingança

Não poderia faltar a vingança aqui. Quando alguém nos faz mal, se logo em seguida acontece algo ruim com esse alguém, podemos chegar a sentir que houve um castigo justo, quase como se estivéssemos vendo uma justiça divina.

Essa situação pode ocorrer em diferentes contextos. Ou seja, poderia acontecer desde em algo cotidiano entre amigos, entre companheiros de trabalho ou inclusive familiares que não estão entre os mais queridos, mas também em situações mais traumáticas, inclusive fora da lei.

E você, já sentiu Schadenfreude alguma vez? Você se alegra com o mal alheio que acontece com outras pessoas que não fazem bem para você ou não gostam de você? Se sim, já sabe que isso é algo totalmente normal, que você não é um monstro por sentir isso, nem uma pessoa pior. É uma emoção natural, de modo que, como todas as outras, deve ser ouvida e regulada para que sua energia não tome o controle de nossas ações nem de nossos pensamentos.

………………………………………………………
*Fonte: amenteemaravilhosa

7 maneiras de saber se um link é seguro

Quando você navega por sites pouco conhecidos, um escorregão basta para que seu computador seja contaminado por programas maliciosos. Basta clicar em um link perigoso para que o estrago seja feito. Saber exatamente aonde você vai com o mouse é o melhor jeito de evitar se meter em uma tremenda encrenca. Mas como ter certeza de que um link aparentemente inocente não é uma imensa cilada?

De abril a junho deste ano, o número de links considerados suspeitos chegou a 74,7 milhões, de acordo com dados do McAfee Labs. Isso representa aumento de 16% em relação ao período anterior (de janeiro a março), um crescimento alto em curto espaço de tempo.

Com tantos endereços com risco de contaminação, o perigo de cair em um deles por engano aumenta. E é essa a ideia dos criminosos virtuais: fazer com que internautas incautos entrem nessas páginas. Mas fique calmo. Se você seguir nossas dicas, vai dar um olé nos malfeitores:

1. Instale um bom antivírus

A regra número 1, antes de sair navegando, é ter um bom antivírus instalado em sua máquina. Softwares que oferecem proteção à navegação, como o UOL Antivírus, evitam que você entre em sites perigosos. Ao clicar no link, um alerta será disparado imediatamente. Você terá tempo para bloquear a ameaça antes que seja tarde demais.

2. Faça uma consulta online

Há algumas ferramentas bastante úteis na web, que permitem verificar sites suspeitos. Entre elas está o Site Advisor, da McAfee, que é gratuito. Basta entrar no endereço http://www.siteadvisor.com/sites/XXX, substituindo o XXX pelo link suspeito. Na mesma hora virá uma resposta sobre a página.

3. Use o Google Chrome

Dentre todos os navegadores, o Chrome é considerado um dos mais seguros. O Google mantém um banco de dados com sites maliciosos e, no momento do clique, pode aparecer uma mensagem de aviso. Aí, você terá tempo de analisar com cuidado se quer mesmo visitar aquele endereço.

4. Leia o endereço com atenção

Criminosos virtuais são peritos em modificar ligeiramente o endereço de uma página conhecida para enganar internautas desatentos. Leia com cuidado o link e desconfie de caracteres estranhos, como o número “1” no lugar da letra “l”.

5. Verifique se o site é seguro

Se estiver em uma loja virtual, confira se ao lado do endereço, na barra do browser, aparece um cadeado. A figura indica que a página é certificada e que os dados são criptografados. Hoje, toda loja virtual séria toma esse tipo de precaução. Se a figura não estiver presente, o site pode ser fajuto. Antes do endereço, deve também aparecer “https://”, em vez de “http://”. É outro sinal de que a loja é legítima.

6. Passe o mouse sobre o link

Uma das artimanhas adotadas por criminosos virtuais é dizer que o link vai para um lugar, mas direcionar o internauta para outro muito diferente. Leia o texto que aponta para o site e passe o mouse sobre ele, sem clicar – na parte inferior do navegador, você verá se a página para onde será direcionado é a que está descrita. Se tiver alguma dúvida, não clique.

7. Tome cuidado redobrado com URLs encurtadas

Golpistas costumam esconder as URLs maliciosas em encurtadores, porque os endereços desses serviços não permitem saber o destino do site. Aqui, uma boa solução é fazer uma consulta no Site Advisor ou outro serviço similar antes de clicar.

Dicas anotadas? Então boa navegação!

…………………………………………………………………..
*Fonte: segurancauol