Mel de Santa Catarina ganha título de melhor do mundo

O mel produzido em Santa Catarina foi eleito pela quinta vez o melhor do mundo, segundo o governo do Estado. A conquista do título ocorreu no 45º Congresso da Associação Internacional das Federações de Apicultores (Apimondia) que terminou na quarta-feira (4) em Istambul, na Turquia.

Já o mel de uma indústria de Araranguá foi considerado pela quarta vez o melhor do mundo. A primeira premiação da empresa foi em 1979 na Grécia. Conforme a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, atualmente a indústria é a maior exportadora de mel do país e retornou da Turquia com cinco medalhas. Havia quase mil participantes na competição.

“É um orgulho para nós, catarinenses, termos conquistado mais uma vez esse título. Isso mostra a qualidade do nosso produto que se apresenta na vitrine mundial”, afirmou Nésio Fernandes de Medeiros, presidente da Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (Faasc).

Quatro produtos catarinenses tiveram destaque: o mel de melado e o mel claro receberam medalhas de ouro e prata. Já o mel âmbar claro e a cera de abelha levaram duas medalhas de bronze.

Este ano Santa Catarina registrou safra recorde de mel, com produção de cerca de 25 quilos por colmeia. O número representa mais do que o dobro da média nacional, de 10 quilos.

………………………………………………………..
*Fonte: lugaresperfeitos

MXDN 2018: Porto Rico anuncia equipe com Pastrana, Sipes e Ronnie Mac

Não, não é piada. Travis Pastrana, Ryan Sipes e, acredite se quiser, Ronnie Mac, irão defender Porto Rico no Motocross das Nações 2018, nos dias 6 e 7 de outubro em RedBud.

O anúncio foi feito neste sábado, 11, pela Federação de Motociclismo de Porto Rico, durante a 10ª etapa do AMA Motocross em Unadilla.

A equipe será chefiada pelo lendário ex-piloto Rick Johnson.

Ah, e todos os três estarão pilotando motos dois tempos. Nostalgia pura!

Pastrana não corre profissionalmente desde 2006, mas, de acordo com um comunicado de imprensa da equipe Nitro Circus, ele já está tirando a poeira de sua Suzuki RM250 para voltar a treinar.

– O furacão Maria devastou Porto Rico há quase um ano e, até hoje, milhares de pessoas estão sem os recursos básicos de que necessitam. Esta é uma oportunidade incrível para a comunidade do motocross retribuir e apoiar a bela ilha de Porto Rico- disse Pastrana, explicando seu envolvimento com a equipe de Porto Rico e o Motocross das Nações 2018.

– Também estou entusiasmado por fazer parte do maior evento de motocross já realizado nos Estados Unidos e dar aos caras mais velhos alguém para torcer, já que a equipe de Porto Rico terá o desafio de se classificar com motos dois tempos – finalizou.

Sipes, ex piloto do AMA Supercross e AMA Motocross, atualmente é piloto da equipe oficial de fábrica da Husqvarna no enduro e compete no Grand National Cross Country Series, o GNCC, mais importante competição off-road dos Estados Unidos.

– Correr no Motocross das Nações é um sonho realizado e uma oportunidade única na vida. Estar em um time com Ronnie Mac e um companheiro de equipe que faz backflip duplo é incrível! Mal posso esperar – disse Sipes.

Já Ronnie Mac dispensa apresentações.

Na coletiva de imprensa ele se limitou a dizer:

– Estaremos lá para vencer!

A equipe de Porto Rico irá levantar fundos através de doações diretas e vendas de produtos.

Uma parte das receitas de todas as vendas será doada para organizações porto-riquenhas que ajudam pessoas necessitadas.

As organizações serão escolhidas junto com a Federação de Motociclismo de Porto Rico, para garantir que causem o maior impacto possível.

Americanos na equipe de Porto Rico?

Todos os anos, a convocação da equipe de Porto Rico para o Motocross das Nações chama a atenção pela presença de conhecidos pilotos americanos.

Explica-se: historicamente, Porto Rico foi tomada da Espanha pelos Estados Unidos e, posteriormente, recebeu o estatuto de “estado livre associado”, o que significa que seus cidadãos também são americanos, mas com algumas ressalvas.

Até os dias atuais, Estados Unidos e Porto Rico mantém este relacionamento de longa data conhecido como metrópole-colônia.

*Por Renato Dalzochio

 

………………………………………
*Fonte: brmx