Problemas de memória? Como aprender a esquecer pode melhorar sua capacidade de lembrar

Se há um limite para a memória humana, ainda não atingimos esse patamar.

Psicanalistas e neurocientistas concordam que, embora deva existir esse “limite de armazenamento”, não corremos, por ora, o risco de encher o cérebro de memórias a ponto de bater nessa barreira.

“Ótimo, mas então por que eu continuo me esquecendo das coisas?”, você pode se perguntar. A resposta é a seguinte: bom, isso acontece porque você não está esquecendo o suficiente.

Menos é mais

Existem três verbos fundamentais para entender o processo de lembrança: ingerir, armazenar e recuperar.

“Quando as pessoas reclamam da memória, elas invariavelmente assumem que o problema é de retenção insuficiente de informações”, diz Robert A. Bjork, professor de psicologia da Universidade da Califórnia.

Por outro lado, ele argumenta que “o problema pode ser, ao menos em parte, uma questão de esquecimento insuficiente ou ineficiente”. Hoje, essa é a teoria mais aceita entre os pesquisadores do funcionamento da memória.

Usando uma metáfora, o processo de lembrança funciona mais ou menos como tentar encontrar algo que você precisa dentro de um quarto totalmente bagunçado.
Direito de imagem Getty Images
Image caption Memórias inúteis atrapalham suas lembranças mais importantes

Quanto mais nos lembramos das coisas, mais as memórias interferem umas nas outras. Informações desatualizadas ou irrelevantes vão inevitavelmente ofuscar nossas tentativas de encontrar memórias úteis ou ideias centrais, que podem ser cruciais na tomada de decisões.

O professor Blake Richards, da Universidade de Toronto, e o pesquisador Paul Frankland argumentam que o processo de esquecimento não é apenas falho ao tentar recordar algo mas também funciona como um mecanismo. E a função da memória é “otimizar a tomada de decisões inteligentes, mantendo o que é importante e deixando de lado o que é irrelevante para nós”.

Aprendendo a esquecer

“Ok, mas como eu esqueço?”, você se pergunta. Aí vamos nós:

Dica 1: Pare de revisitar sua memória inútil

Nossa capacidade para acessar uma determinada memória funciona um pouco como um caminho em uma floresta: quanto mais você pisa nela, mais proeminente ela se torna. Isso fortalece as conexões físicas dos neurônios e efetivamente faz o cérebro pensar que a memória que você continua acessando é importante.

Ou seja, por que você precisa se lembrar de qual foi a seleção vice-campeã da Copa do Mundo de 1938 enquanto não recorda em qual vaga de estacionamento parou seu carro?

Dica 2: Pratique

A memória pode ser treinada. Em 2001, o professor Michael Anderson, da Universidade de Cambridge, realizou um estudo que provou que suprimir certas informações pode ser útil para domar as memórias indesejadas.

Freud diria que memórias reprimidas só voltam para assombrar as pessoas. Mas o professor Anderson argumenta que esse esquecimento ainda é um método importante para regular nossas emoções e pensamentos, pelo menos a curto prazo.

Dica 3: Exercício cardiovascular

Em um estudo com ratos, o professor Blake Richards mostrou que existe uma ligação entre a geração de neurônios no hipocampo do cérebro e o esquecimento.

Essas conexões entre os neurônios mudam constantemente. Eles podem enfraquecer ou ser eliminados por completo. E, à medida que novos neurônios se desenvolvem, eles podem conectar novamente os circuitos do hipocampo e substituir as memórias existentes.

Uma maneira bastante recomendada de criar essas novas neurogêneses é fazer exercícios cardiovasculares, como correr, caminhar, nadar, remar etc.

Agora, lembre-se: esquecer é uma habilidade tão essencial quanto relembrar. Livrar-se de memórias indesejadas e emoções ruins pode ser um desafio mas também é algo que funciona com a prática.

*Por

……………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

A árvore que sempre se inclina em direção ao equador – não importando onde esteja

Originário da Nova Caledônia, um arquipélago tropical no sudoeste do oceano Pacífico, o pinheiro-de-cook pode ser visto hoje em diferentes partes do mundo.

A espécie, da família das coníferas, é conhecida por seu formato estreito e alongado – ela chega a alcançar 60 metros de altura. Mas não é sua aparência delgada que tem chamado a atenção de cientistas, e sim a curiosa inclinação de seu tronco.

Pesquisadores já haviam notado que essa árvore se inclina a um peculiar ângulo de 8,55°. Agora, porém, descobriram algo ainda mais interessante: a direção depende do hemisfério em que o exemplar se encontra.

Os pinheiros-de-cook do hemisfério Norte, por exemplo, pendem para o sul, enquanto os do hemisfério Sul fazem exatamente o contrário.

A descoberta se deu por acaso, quando o biólogo Matt Ritter, professor da Universidade Politécnica do Estado da Califórnia, nos EUA, estava redigindo uma breve descrição da espécie para um livro.

Durante esse trabalho, ele procurou um de seus colegas na Austrália para confirmar se as árvores daquele país se inclinavam da mesma forma.

A resposta foi surpreendente: ali os pinheiros se voltavam para a direção contrária.

“Isso nos fez pensar na possibilidade de que a árvore se inclinasse para o equador (linha imaginária que divide o mundo entre os hemisférios Norte e Sul), seu lugar de origem”, conta Ritter.

Caso único

O cientista e seus colegas então estudaram o comportamento de mais de 250 pinheiros-de-cook em 18 lugares espalhados pelos cinco continentes, e em diferentes latitudes.

Uma das conclusões foi de que, em média, o ângulo de fato é de 8,55°.

Mas eles também notaram que, quanto mais afastadas as árvores estavam da linha do equador, maior era a inclinação.

Em um dos espécimes estudados na Austrália, por exemplo, chegava-se a um ângulo de 40°.

Inédito em árvores

É verdade, no entanto, que muitas árvores se inclinam em direção ao sol durante seu desenvolvimento e, ao chegar a uma idade madura, corrigem essa assimetria.

Apesar disso, Steve Warren, pesquisador do Serviço Florestal dos EUA que não está vinculado ao estudo, afirmou à revista científica New Scientist que mesmo que algumas plantas também se inclinem de forma semelhante à do pinheiro-de-cook, “esta é a primeira vez que escuto isso a respeito de uma árvore”.

De acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo, é possível que o comportamento peculiar dessa espécie seja explicado por sua genética ou se trate de uma adaptação para que a planta possa aproveitar ao máximo a luz do sol em regiões com latitudes mais elevadas.

Eles ressaltam que é preciso investigar mais para se chegar a uma conclusão sobre a causa do fenômeno.

Para os pesquisadores, uma análise profunda do comportamento do pinheiro-de-cook pode ajudar a desvendar os mecanismos com que as plantas respondem aos estímulos do ambiente, sobre os quais ainda se sabe muito pouco.

Getty Images

 

 

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil