Dinheiro não corrompe ninguém. Só piora quem é ruim e melhora quem é bom!

Ah… como é fácil jogar a culpa no dinheiro, né? “Maldito vil metal!”, repetem aqui e ali. Segundo essa lógica infantiloide, superficial e fantasiosa, a vida só vai entrar nos eixos quando todo o dinheiro desaparecer do mundo.

A corrupção na política? “Só existe por conta das grandes cifras dando sopa!”

O casal que se divorcia e começa a brigar de verdade na hora de dividir os bens? “É porque são ricos. Fossem pobres, separavam e pronto!”

A família mais bonita não é a que tem mais dinheiro, mas aquela que tem mais amor e respeito

Eu amo as pessoas que entendem que a verdadeira riqueza não tem nada a ver com dinheiro

O dinheiro não é bom nem mau, as pessoas são…

Os velhos amigos que rompem uma parceria comercial? “É porque começou a entrar dinheiro. Maldito dinheiro!”

Quanta balela! Será mesmo assim? Será verdade que o dinheiro nos transforma sempre para o mal? É certo que todos somos corruptos essenciais e só nos falta uma oportunidade para enriquecer de forma ilícita? Será mesmo que uma herança é capaz de separar irmãos? Terá a primeira mala de dólares em nossa frente o poder de nos tornar meros monstros egoístas?

Ou será que tudo já estava ali, predisposto, esperando sua chance de acontecer e o dinheiro era só o motivo que faltava?

Sei não. Mas eu tenho pra mim que ninguém vira um canalha porque ganhou uma bolada. Não é verdade que o fulano se perdeu na vida porque ficou rico, que sicrana se tornou pessoa má depois de casar com um milionário e que beltrano maltrata os empregados porque é cheio da grana. Fulano, sicrana e beltrano serão ruins com ou sem uma fortuna no banco. O que passa é que com dinheiro fica mais fácil ser e mostrar o que a gente de fato é: patife ou benfeitor. Como também, dependendo do caso, com dinheiro fica mais fácil esconder, mascarar, dissimular e essas coisas que uma hora sempre aparecem.

Dinheiro e gente imbecil fazem uma combinação perigosa. Se o sujeito é sórdido, descarado, perverso, ter recursos financeiros só o torna mais calhorda ainda. Porque dinheiro é um negócio muito simples: piora quem já é ruim e melhora quem é bom.

Cheio da grana, quem é mau fica péssimo e quem é bom fica ótimo!

Dinheiro no bolso sem vergonha na cara é a pior pobreza que existe. Quem tem saldo bancário mas não conhece outros valores não vale nada. É tão simples!

Por outro lado, riqueza nas mãos de gente boa é o melhor negócio do mundo. Ajuda a concretizar grandes ideias, realiza projetos, multiplica recursos, divide com quem precisa! Dinheiro e gente decente é uma mistura poderosa. Uma das únicas capazes de transformar esse mundo tão tomado de seres mesquinhos concentrando renda.
Não, o dinheiro não corrompe ninguém. Quem se deixa estragar por ele já estava perdido. E quem tem bom coração só melhora quando enriquece.

*Por André J. Gomes

…………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Saquinho de chá pode liberar bilhões de microplásticos

Você toma um chazinho para relaxar ou se esquentar em um dia frio e de “presente” ganha uma dose extra de plásticos imperceptíveis a olho nu. Parece exagero, mas esta é a conclusão de um recente estudo conduzido por pesquisadores da Universidade canadense McGill.

Análises recentes já mostraram que os plásticos estão presentes em tudo: na água da torneira, na água engarrafada, no sal e até no ar que respiramos. Mas, a professora de Engenharia Química Nathalie Tufenkji focou seu estudo no chá embalado com saquinho de plástico. Será que ele poderia liberar micro e nanoplástico na bebida durante a preparação? Junto a uma equipe de cientistas a resposta que encontrou foi: sim e muito.

Os pesquisadores compraram quatro chás comerciais diferentes embalados em saquinhos de plástico. Para não interferir no estudo, tiraram as folhas secas do chá e aqueceram os sachês vazios diretamente na água. Usando microscopia eletrônica, a equipe descobriu que um único saquinho à temperatura de infusão libera cerca de 11,6 bilhões de partículas de microplásticos e 3,1 bilhões de partículas nanoplásticas na água. Números impressionantes.

Ainda como parte do estudo, foram analisados os efeitos das partículas liberadas em pequenos organismos aquáticos chamados Daphnia magna – um microcrustáceo bastante usado em ensaios sobre toxicidade. Embora os animais tenham sobrevivido, mostraram algumas anormalidades anatômicas e comportamentais.

A primeira autora do estudo, a aluna de doutorado Laura Hernandez, afirma que são necessárias mais pesquisas para determinar se os plásticos podem ter efeitos mais sutis ou crônicos nos seres humanos. Em geral, os efeitos à saúde da ingestão dessas partículas ainda é bastante vago, o que deve ser elucidado ao passo que mais pesquisas são realizadas.

O estudo sobre saquinhos de chá de plástico foi publicado na revista Environmental Science & Technology.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo