Analista explica sucesso financeiro do Coringa de Joaquin Phoenix: ‘Alienação, solidão e raiva’

Coringa se tornou um fenômeno de bilheteria, arrecadando cerca de US$ 744 milhões ao redor do mundo pouco depois de um mês de estreia e com grandes chances de se tornar o filme +18 mais lucrativo da história, um feito que parece difícil de se compreender.

Porém, para o analista de mídia sênior em Relações com Expositores Jeff Bock, que falou à Variety, os motivos para o sucesso do Palhaço do Crime são evidentes: “Coringa com certeza está rindo por último”. O primeiro fator do sucesso foi o orçamento conservador, de US$ 62,5 milhões para o filme.

“Não se consegue comprar uma adaptação de quadrinhos por esse preço, ainda assim a Warner Bros. fez funcionar contando uma boa história”, disse Bock. Mesmo ao considerar que publicidade e distribuição aumentaram o orçamento do filme em US$ 100 milhões, o investimento total continua sendo uma fração dos lucros.

O investimento “baixo” se deve aos temas sombrios e conteúdo muito mais perturbador do que a média de filmes de quadrinhos, motivando uma abordagem mais cautelosa da WarnerBros.. E este foi justamente outro ingrediente no sucesso do filme de Joaquin Phoenix.

“Eles fizeram uma aposta e deu certo. Coringa atingiu em cheio o Zeitgeist de hoje e está coletando os frutos disso”, afirmou Bock. “Estamos falando sobre temas universais, de alienação, solidão e raiva que continuam a alimentar a bilheteria desse monstro.”

A forma de representação da violência em Coringa já é algo que dava certo em outros gêneros do cinema também, segundo Bock.

“Públicos mais jovens estão defendendo esse filme de maneira muito parecida com os jovens que assistiram Assassinos Por Natureza [1994], ou Laranja Mecânica [1994] ou Pulp Fiction [1971]. Cada um desses filmes, violentos de maneiras próprias, tinha algo a dizer sobre as falhas da sociedade, tornando-os muito mais interessantes e duradouros.”

Por último, a campanha de marketing do longa dirigido por Todd Phillips merece destaque. Nas semanas anteriores a estreia, Coringa levantou muitas críticas sobre a possível romantização de um assassino em massa, e as famílias das vítimas do massacre na exibição de Cavaleiro das Trevas Ressurge, que aconteceu na cidade de Aurora em 2012, falaram contra o filme.

A Warner então aumentou a divulgação do filme nas redes sociais, numa tentativa de limitar as manchetes bombásticas e, em vez disso, aumentar o diálogo. Essa abordagem deu certo, já que notícias negativas não impactaram as vendas de ingresso, apesar do marketing direcionado ser mais custoso.

Jeff Bock também menciona o formato inovador de Coringa para o gênero, ao falar do futuro da Warner: “Agora eles [Warner Bros.] tem um modelo viável, o qual a Marvel e a Disney tem medo de fazer – adaptações +18 de quadrinhos.”

“Nos últimos anos, a Disney, como uma entidade, não conseguiu reunir de forma bem-sucedida as multidões adultas que gostam de explorar temas sombrios, conhecidos como PG-13 e além”.

 

……………………………………………………………….
*Fonte: revistarollingstone

Oktober

Agora com a notícia de que o meu amigo Pretto já está melhor de seu pós operatório no joelho e de que tem condições de andar de moto (desde que não forçando a barra), o sábado játomou novas cores. Aliás, que belo sábado de sol foi esse. com cara de verão.

De manhã cedo já tinha mensagens do Rafa querendo saber se eu iria andar hoje. Mas claro meu chapa! Combinado o local e horário, a rapaziada apareceu e decidimos o roteiro.Tudo ficou mais em conta com Pretto, já que estava voltando do depto médico, então ele é que iria determinar se andaríamos longe o ou perto. Veio com a notícia do encontro do Oktobermoto em Santa Cruz do Sul, que aliás, eu nem lembrava.

Acontece que há tempos eu não curto mais esses encontros de motociclistas, gosto daquele de Carlos Barbosa e olhe lá. Mas tudo bem, hoje eu estava de sangue doce, vamos lá então, já que o pessoal estava afim.

Então o roteiro foi esse, dar um chego no Oktobermoto em Santa Cruz do Sul, mas combinamos de que seria jogo rápido, porque a intenção na real era “andar de moto”, seguindo em frente na estrada. Fomos até lá, tudo tranquilo na viagem, é perto daqui, então meio que vai no automático. Chegamos, arrumamos um bom lugar para estacionar, o calor pegando, tivemos de tomar uma água (cerveja só na volta – em casa). Uma olha aqui e ali, uma bate papo com esse e aquele amigo da estrada e pimba! Vamos em frente. Já nas mtos ligadas para irmos embora chega o amigo Ideraldo, ex-gerente da Valecross aqui de V. Aires e grande parceiro da turma. Deu um grande apoio para mim e o Pretto, quando ano passado fizemos a nossa trip pela Argentina e Chile de Honda XRE, cruzando as Cordilheiras e depois o Atacama. Baita parceiro.

Seguimos o caminho, resolvemos dar uma espiada no track day de motos que estava rolando no autódromo local. Uma parada, novamente procuramos uma boa sombr, já na área dos boxes e mais uma vez, uma água para acalmar com o calor que estava fazendo. Mas foi de boas. Muita conversa fiada e seguimos em frente novamente.

De volta para Santa Cruz do Sul,  uma passada pelo centro, Grasel e para casa. Nessa hora, em meio a trajeto já no caminho, o Ideraldo aparece novamente a se junta ao grupo voltando conosco para V. Aries. E daí sim chega o momento tão esperado de uma cerveja bem gelada no final de tarde, da turma com o amigo de POA. A conversa se alonga, mais cerveja e o sábado está bem resolvido no quesito estrada. Convite para nos encontrarmos em POA e darmos uma volta por lá, já agendado. E segue o baile. Duas rodas é tudo de bom, com certeza.
A viagem foi curta mas bem produtiva. Mais uma vez – valeu!

Algumas imgs da trip de hoje: