Built To Spill – “Car”

Banda que o amigo Beeroo – como já mencionado em um post anterior, o nosso visitante ilustre, curte atulamente. Então isso vai como uma homenagem ao amigo Boloriano, pis trata-se de uma banda alternativa de sua atual cidade – Bosie / Idaho (EUA).

*Em tempo, o Beeroo é originalmente de Seattle. Nos contou que inclusive já esteve na casa de Stone Gossard (Pearl Jam), mas isso é apenas uma dentre tantas outras histórias interessantes que nos contou. \m/

Por que as galinhas ficam hipnotizadas com um risco no chão?

Não se trata de hipnose. É a ave entrando em estado catatônico. E o responsável pela tal catatonia não é exatamente o risco no chão. É o sofrimento da galinha na hora em que alguém segura o corpo dela e baixa sua cabeça contra o chão.

A primeira reação da galinha ao ser subjugada dessa forma é se debater. A contenção física, porém, a impede de correr, bater as asas ou bicar para se defender. A tática, então, é se fingir de morta para ver se diminui o interesse do predador. Isso também acontece em humanos sob trauma – é a sensação de “congelar” de medo. Ninguém escapa dos instintos da parte reptiliana do cérebro.

Muito menos os animais que SÓ têm a parte reptiliana do cérebro.

O risco no chão é desnecessário, então? Não. É que a galinha só “liga” esse modo catatônico quando algo chama a atenção dela durante o momento de contenção. Por isso que a tática é sempre segurar a penosa e desenhar o risco com ela quietinha. Na hora que ela vê você riscando o chão, o movimento chama a atenção dela – talvez a ave entenda que aquilo é o predador, e o sistema só de autodefesa só funcione mesmo quando há essa detecção.

Mesmo assim, não é necessário riscar o chão. Basta passar o dedo em frente ao olhos da galinha. E ela vai ficar catatônica – por algo entre 30 segundos e 30 minutos. Dá para fazer o mesmo com crocodilos: “basta” travar a boca do animal do animal e virá-lo gentilmente de ponta-cabeça. O primeiro registro do truque é de 1646, no livro Experimentum Mirabile, do alemão Athanasius Kircher.

……………………………………………………………….
*Fonte: superinteressante

Quando a mente fabrica a doença

Em livro, neurologista Suzanne O’Sullivan descreve pacientes com transtornos psicossomáticos

Quase todos nós aceitamos sem problemas que o coração bata com mais força quando nos aproximamos da pessoa por quem estamos apaixonados, ou que as nossas pernas tremam quando é preciso falar em público. São emoções que provocam sintomas físicos reais. Entretanto, custa aceitar que os mesmos pensamentos que causam um frio na barriga cheguem a desencadear doenças graves, como cegueira, convulsões ou paralisias. E, no entanto, é justamente isso que descreve a neurologista Suzanne O’Sullivan no livro It’s All in Your Head (está tudo na sua cabeça, na tradução literal, ainda inédito no Brasil), no qual revê alguns dos casos mais impactantes de doenças psicossomáticas com os quais se deparou ao longo da carreira.

Certa vez, O’Sullivan teve uma paciente, chamada Linda, que percebeu um pequeno inchaço no lado direito da cabeça. Era só um cisto sebáceo, mas ela não parava de fazer exames e consultas. Pouco depois, perdeu a sensibilidade do braço e da perna direitos; a paciente tinha certeza de que o inchaço havia atingido o cérebro. Quando O’Sullivan a examinou, todo o lado direito do corpo – o mesmo onde estava o caroço – já havia perdido o movimento e a sensibilidade. Só que Linda não sabia que o lado direito do cérebro na verdade controla os movimentos do lado esquerdo do corpo, e por isso sua mente se enganou ao criar os sintomas. Linda, na verdade, sofria de um transtorno psicossomático – seus pensamentos desencadeavam sintomas de uma doença inexistente.

Quando O’Sullivan estava se especializando em neurologia, foi ensinada a distinguir os doentes que tinham sintomas físicos causados por conflitos mentais. “Todos os meus pacientes tinham convulsões, mas em 70% dos casos não sofriam de epilepsia: por mais que fossem examinados, não encontrávamos nenhuma lesão ou causa neurológica que explicasse seus sintomas. Tinha de ser algo psicológico.” Mas mandar os pacientes para casa com o diagnóstico que não eram epiléticos não servia de consolo, de modo que a médica se sentiu obrigada a encontrar uma maneira de ajudá-los.

“As incapacidades que criamos com nossa mente são tão infinitas que já deixei de acreditar nos limites”

Em 2004 ela começou a agir, e desde então, quando encontra um paciente com sintomas, mas sem lesões neurológicas, tenta lhe explicar que a origem dos seus males é um problema psicológico mal resolvido. Geralmente, porém, os pacientes se negam a aceitar esse diagnóstico. “Eles têm um estresse mental do qual não estão conscientes, e alguém está obrigando-os a encará-lo”, diz a médica. “Esses sintomas são uma manifestação do organismo: seu organismo está lhe dizendo que algo não vai bem dentro de você, e que você não está percebendo.”

Ninguém está a salvo dessas doenças, e há centenas de causas que as originam. Segundo O’Sullivan, os casos muito extremos, como as convulsões ou paralisias, costumam nascer de traumas psicológicos severos; os menos graves podem surgir de um amontoado de pequenos esgotamentos que os pacientes não sabem administrar. “Depende da atenção que a pessoa presta às dores. Se ficarem obcecadas e buscarem repetidamente uma explicação médica que não existe, é possível que acabem desenvolvendo a doença psicossomática”, explica O’Sullivan.

Para se curar, o acompanhamento psicológico é indispensável. Segundo O’Sullivan, a primeira coisa a fazer é abandonar a ideia de que há uma enfermidade orgânica. A seguinte etapa é ver como a mente afeta o corpo: se você sente palpitações e nota que está ansioso, elas começarão a parecer muito menos graves, já que você conhece as causas. Mas, se associa essas palpitações a problemas cardíacos, e os exames médicos não comprovam isso, você provavelmente ficará obcecado, e as palpitações irão piorar.

“Seu organismo está lhe dizendo que algo não vai bem dentro de você, e que você não está percebendo”

“Às vezes, os pacientes desejam desesperadamente que você encontre um resultado ruim nos exames, que dê um nome para sua doença e receite alguns comprimidos que justifiquem suas dores”, conta a neurologista. Esse problema é muito mais comum do que se imagina. Cerca de 30% das pessoas sofrem disso, e a imensa maioria nem sequer fica sabendo.

Após mais de dez anos de dedicação às enfermidades psicossomáticas, Suzanne O’Sullivan continua sem saber apontar o caso mais grave que viu. “Os casos mais duros são os de pessoas que adoeceram quando tinham 16 anos e, aos 50, continuam indo a médicos. Estão cegos ou em cadeira de rodas e continuam se submetendo a operações. Conheço pessoas que comem por um tubo, mas não têm nenhuma doença orgânica. Todas as partes do seu organismo foram afetadas por sua mente”, relata. Nada mais surpreende essa neurologista. “As incapacidades que criamos com nossa mente são tão infinitas que já deixei de acreditar nos limites”, diz.

*Por M. Victoria S. Nadal

…………………………………………………………………….
*Fonte: elpais-brasil