O papel da vitamina D na redução do risco e da letalidade do coronavírus

Nova pesquisa COVID-19 encontra relação em dados de 20 países europeus.

Um novo estudo encontrou uma associação entre baixos níveis médios de vitamina D e altos números de casos de COVID-19 e taxas de mortalidade em 20 países europeus.

A pesquisa, liderada pelo Dr. Lee Smith, da Universidade Anglia Ruskin (ARU), e por Petre Cristian Ilie, urologista principal do Lynn NHS Foundation Trust do Queen Elizabeth Hospital King, é publicada na revista Aging Clinical and Experimental Research .

Estudos observacionais anteriores relataram uma associação entre baixos níveis de vitamina D e suscetibilidade a infecções agudas do trato respiratório. A vitamina D modula a resposta dos glóbulos brancos, impedindo-os de liberar muitas citocinas inflamatórias. Sabe-se que o vírus COVID-19 causa excesso de citocinas pró-inflamatórias.

Itália e Espanha experimentaram altas taxas de mortalidade por COVID-19, e o novo estudo mostra que ambos os países têm níveis médios mais baixos de vitamina D do que a maioria dos países do norte da Europa. Isso ocorre em parte porque as pessoas no sul da Europa, principalmente os idosos, evitam sol forte, enquanto a pigmentação da pele também reduz a síntese natural de vitamina D.

Os níveis médios mais altos de vitamina D são encontrados no norte da Europa, devido ao consumo de óleo de fígado de bacalhau e suplementos de vitamina D e, possivelmente, menos evitação solar. Os países escandinavos estão entre os países com o menor número de casos de COVID-19 e taxas de mortalidade por cabeça de população na Europa.

O Dr. Lee Smith, Leitor de Atividade Física e Saúde Pública da Universidade Anglia Ruskin, disse: “Encontramos uma relação bruta significativa entre os níveis médios de vitamina D e o número de casos de COVID-19 e, principalmente, as taxas de mortalidade de COVID-19, por cabeça de população nos 20 países europeus.

“Foi demonstrado que a vitamina D protege contra infecções respiratórias agudas, e os adultos mais velhos, o grupo mais deficiente em vitamina D, também são os mais seriamente afetados pelo COVID-19.

“Um estudo anterior constatou que 75% das pessoas em instituições, como hospitais e casas de repouso, eram severamente deficientes em vitamina D. Sugerimos que seria aconselhável realizar estudos dedicados analisando os níveis de vitamina D em pacientes com COVID-19 em diferentes graus gravidade da doença. ”

O Sr. Petre Cristian Ilie, urologista chefe do Lynn NHS Foundation Trust do Hospital Queen Elizabeth, disse: “Nosso estudo tem limitações, no entanto, principalmente porque o número de casos em cada país é afetado pelo número de testes realizados, bem como as diferentes medidas tomadas por cada país para impedir a propagação da infecção. Finalmente, e importante, é preciso lembrar que correlação não significa necessariamente causalidade. ”

…………………………………………………………..
*Fonte:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.