Rolezeira macanuda hoje

Enfim chegou o dia de tirar a moto da garagem, se reunir com alguns amigos e pegar a estrada. Depois de vários dias seguidos de uma semana num clima de chove-não-molha de verão por aqui, finalmente o sol deu pinta de que iria se firmar de vez. Saímos depois do meio dia, meio que sem rumo, para falar bem a verdade, já que a intenção era mesmo bem simples – pegar a estrada e curtir o momento, não importando muito para onde iríamos. Só tinha uma condição, tinha de ter trajeto asfaltado. Sei, estamos em plena pandemia (apesar de algumas pessoas não acreditarem), mas cada um aqui na sua moto, não esqueça de que estamos o tempo todo ao ar livre e nas eventuais paradas, mantemos um distanciamento correto.

Tomamos a direção no sentido de Santa Cruz do Sul, depois Vera Cruz, onde costumamos fazer uma volta maior, passando no sentido do autódromo (entrada dos fundos), para irmos até Rio Pardo. A ideia era irmos até Pantano Grande, para depois  então resolvermos por onde voltaríamos. Mas acontece que fizemos algumas paradas para pegar uma sombra, outra para abastecer e comprar uma água (sim, muito calor) e já que a conversa estava boa, o tempo acabou passou depressa demais. Lá peças tantas, já na beira do rio Jacuí, em Rio Pardo, tivemos de mudar de rumo e já começar a pensarmos em voltar. Sinônimo de que foi uma bela tarde de moto com os amigos!

Só para não perder o costume, algumas coisa engraçadas aconteceram hoje, tipo:

– Quando ultrapassamos um tio numa moto Honda CG, carregando um cachorro dentro de uma sacola (o cãozinho estava com a cabeça para fora – curtindo o a paisagem..rsrssr).


– Também teve o momento “king of the road”. Que é quando você vem viajando e chega perto (atrás) de um carro, geralmente um SUV ou caminhonete, que está de boas andando numa constante, tipo a uns 80km/h, e instantaneamente, assim que a gente o ultrapassa o motorista fica compelido numa espécia de missão divina a não deixar isso acontecer. Ele “TEM” de nos ultrapassar novamente para então seguir em frente, numa velocidade muito maior e sumir na estrada. É muito engraçado isso, acontece toda vez, sempre tem esse personagem. Acredito que a psicologia deve conseguir explicar isso. O “songamonga” estava tranquilo na media dos 80km, mas não pode ser ultrapassado de modo algum, senão sua virilidade fica avariada…kkkkkk. E quase sempre isso tende a dar merda, por que em seguida ele vem na correria e tenta ultrapassar a gente de volta de qualquer maneira, quase passando por cima, seja em faixa dupla, curva acentuada, não interessa, ele tem de recuperar o seu “cabaço-asfáltico-de-dianteira”. É engraçado mas também muito perigoso. Com o tempo a gente já aprendeu a lidar com esse tipo de motorista. Tem também, na mesma vibe ainda o CGzeiro invocado, que também é bem parecido, vai fazer de tudo para te ultrapassar nem que tenha de se deitar bem esticado, como o super-homem, na sua moto, dando todo motor possível, quase explodindo a sua moto, mas vai tentar e querer provar de que ambos – sua CG e ele, são os melhores piloto & moto do mundo! Vai por mim, isso tem toda vez. *Tá, o da CG não teve hoje, mas tem toda hora…

*Abaixo alguns retratos da empreitada de hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.