Número de gêmeos aumentou nos últimos 40 anos

Um estudo conduzido pela Universidade de Oxford mostrou que a quantidade de gêmeos no mundo está crescendo rapidamente desde os anos 80. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram dados de nascimento de 160 países ao redor do mundo. Os pesquisadores, portanto, coletaram dados de organizações de saúde e estatística populacional e puderam concluir que a taxa de nascimento de gêmeos subiu de 9 para 12 nascimentos a cada mil.

Ou seja, aproximadamente a cada 42 gravidezes no mundo, uma é de gêmeos. No entanto, esses valores são médias, e não padrões para todos os países. O estudo relata que atualmente os continentes Asiático e Africano são os que mais originam gêmeos no mundo: cerca de 80% dos nascimentos vêm dessas regiões.

A principal hipótese do estudo é de que a Reprodução Medicamente Assistida (RMA) e o aumento na idade da mulher durante a gravidez têm maior impacto no aumento drástico nas estatísticas. Isso porque, frequentemente durante a RMA, médicos implantam mais de um embrião no útero, para aumentar as chances de sucesso da gravidez. Assim, dois ou mais embriões podem acabar se desenvolvendo ao mesmo tempo. Além do mais, estudos indicam que com o aumento da idade, as mulheres passam a liberar dois óvulos mais frequentemente para a fertilização.

Outro fato que corrobora com essa hipótese é que o número de irmãos monozigóticos, originados de um mesmo óvulo, não aumentou significativamente. Já os irmãos dizigóticos tiveram um aumento significativo.

Mais gêmeos em países em desenvolvimento

Como dito antes, países dos continentes Asiático e Africano apresentaram maiores taxas de nascimento de gêmeos. No caso da Ásia, isso pode estar ocorrendo pela possibilidade maior de acesso a tratamentos de reprodução assistida. Na África, por outro lado, os valores são bastante altos simplesmente porque o número de nascimentos também é muito alto.

Para países mais desenvolvidos, como na Europa e América do Norte, a idade durante a gravidez e também as técnicas laboratoriais de fertilização são determinantes para o aumento registrado.

Vale lembrar que um gêmeo sofre maiores riscos de subnutrição e outros problemas graves durante o nascimento. A mãe também acaba tendo mais complicações durante o parto e primeiros meses de vida das crianças. No Reino Unido, por exemplo, muitas diretrizes já indicam que durante a reprodução assistida, apenas um embrião deve ser inserido no útero, de forma a diminuir a chance de irmãos dizigóticos.

*Por Matheus Marchetto

……………………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.