Esse poder é verdadeiro? Um estudo sobre precognição que sacudiu a ciência

Entre os estudos científicos que surgiram na última década, talvez nenhum tenha sido mais controverso do que o artigo de 2011 do psicólogo americano Dr. Daryl Bem. Ele provou uma noção explosiva, que a precognição, a capacidade de ver eventos futuros, é verdadeiramente real, desencadeando um período conturbado entre psicólogos que ainda persiste até hoje. Como pode um eminente professor da Universidade Cornell chegar a tal conclusão, que está tão diretamente fora da ciência tradicional e sustentar a parapsicologia? Seus experimentos, que pareciam seguir procedimentos aceitos e métodos sonoros para chegar a essa prova inesperada, poderiam ser replicados?

O artigo “Feeling the Future: Experimental Evidence for Anomalous Retroactive Influences on Cognition and Affect” (Sentindo o futuro: evidências experimentais de influências retroativas anômalas na cognição e no afeto, em tradução livre), relatou nove experimentos envolvendo mais de mil participantes, com oito deles mostrando com sucesso que as respostas de uma pessoa poderiam ser influenciadas por eventos estimulantes que aconteceram após as respostas já terem sido feitas e gravadas.

Essa possibilidade apoiou fortemente a noção de precognição, onde os indivíduos parecem obter informações ou transferência de energia que nenhum processo físico ou biológico que conhecemos explica que eles devem ter.

Os experimentos que pareciam provar a tese de Daryl variaram em sua abordagem. Alguns dos estímulos utilizados eram de natureza erótica, com um experimento inicial que consistia em fazer que os voluntários do estudo olhassem para um par de cortinas em um computador. Eles deveriam adivinhar qual deles tinha uma imagem pornográfica por trás, com a resposta correta sendo escolhida aleatoriamente depois que o aluno tomou sua decisão. Curiosamente, os alunos tiveram um desempenho ligeiramente melhor do que a simples adivinhação teria produzido, com 53% escolhendo a localização correta da imagem.

Outro experimento fez com que os alunos examinassem conjuntos de palavras que eles teriam que digitar. De alguma forma, os alunos se saíram melhor no início lembrando as palavras que digitariam mais tarde. É como se ter a segunda oportunidade de praticar e lembrar que as palavras tinham benefícios que retrocedem no tempo.

O professor de neurociência cognitiva Chris Chambers, um dos críticos de Bem (e havia muitos), chamou a conclusão do artigo de “ridícula”. E ainda, “isso é realmente interessante porque se um artigo como este que está fazendo tudo normalmente e corretamente pode acabar produzindo uma conclusão ridícula, então quantos outros artigos que usam exatamente esses mesmos métodos que não chegaram a conclusões ridículas são igualmente falhos?” Chambers perguntou em uma entrevista. [Big Think]

*Por Marcelo Ribeiro

…………………………………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.