A Felicidade não é intuitiva

Para ser feliz precisamos aprender a contrariar a nossa natureza.

Uma das vantagens de ter crescido em Belo Horizonte, é que eu não precisava ir muito longe para achar uma trilha. Na adolescência, esse era um dos programas favoritos da minha turma de amigas. Com menos de 30 minutos de caminhada, chegávamos a um mirante maravilhoso, escolhíamos uma pedra para sentar, e os assuntos rendiam a tarde inteira. Em uma dessas ocasiões, eu estava andando entre as pedras quando uma cobra passou bem na minha frente. É curioso como o corpo reage nessas horas. As minhas pernas e braços congelaram e os segundos viraram horas, como se o mundo passasse em câmera lenta.

O que me marcou sobre essa história é que eu só percebi que uma cobra havia passado depois que tudo estava bem. Informações de perigo são processadas de forma tão rápida pelo nosso cérebro que primeiro reagimos e depois entendemos o porquê. Neste caso, o pânico fez com que eu ficasse imóvel e passasse despercebida. Para ameaças do tipo cobra, o pânico é adaptativo. Mas quando o que te assusta é uma apresentação no trabalho, a coisa não é bem assim. É que, infelizmente, o sistema que lida com diferentes medos é o mesmo. E nosso cérebro foi programado para lidar com problemas antigos demais.

É deste cérebro que depende a nossa felicidade. Um cérebro recheado de mecanismos automáticos, programados há milhares de anos para garantir a nossa sobrevivência. E garantir significa que essas programações não pedem nossa permissão para acontecer. Por isso, ser feliz não é uma tarefa simples. Temos uma série de vieses automáticos inscritos no nosso DNA que não contribuem para o nosso bem-estar. Para sermos felizes, precisamos contornar esses vieses, e para isso, é necessário conhecê-los em primeiro lugar.

Não damos valor para o que temos
Uma programação evolutiva que atrapalha a felicidade é a tendência à adaptação. Logo que perdemos ou ganhamos, ficamos felizes ou deprimidos. Depois, acostumamo-nos. É assim também com os estímulos neurais, neurônios deixam de responder a estímulos constantes. Se o objetivo é sobreviver, faz sentido que sejamos mais sensíveis às mudanças do que aquilo que já temos. É o desejo da conquista que nos põe em marcha. E para não desistirmos de lutar, a antecipação do prazer se fez maior do que o prazer da conquista de fato.

Quem já testemunhou o desejo da criança por um novo brinquedo, sabe que erramos grosseiramente quando estimamos a felicidade que a próxima conquista é capaz de nos dar. As pesquisas demonstram que o dinheiro, por exemplo, contribui para a felicidade até conseguirmos dar conta das nossas necessidades básicas. Para além delas, a corrida é em vão. A promoção, ou um novo relacionamento, tendem a nos encantar por antecipação, mas à medida que nos acostumamos com o novo patamar, os benefícios se tornam nossos por direito, parte do que é normal e esperado. Então, passamos a desejar algo que ainda não temos, esquecendo de aproveitar o que já está bom, hoje. E segundo a ciência, é no tempo presente que a felicidade está. Mas somos programados para acreditar que a felicidade está onde ainda não chegamos.

Queremos impressionar
Robert Frank explica que uma das razões por que corremos tanto é porque usamos o consumo e a conquista para ganhar status e relevância social. As pessoas querem o último IPhone não porque ele seja mais útil do que o modelo anterior, mas pelo que as pessoas pensam sobre quem já conquistou o último lançamento. Queremos sentir que somos especiais. E se o valor está na exclusividade, cada pessoa que consegue comprar o objeto do desejo desvaloriza a conquista dos demais. Então passamos a querer o que é ainda mais difícil para o outro, mas que também é difícil demais para nós. Um corpo mais jovem do que a própria idade, uma conta bancária com saldo maior do que podemos gastar, um cargo que demanda mais tempo do que você tem.

Achamos que estamos perseguindo a felicidade quando na verdade a nossa busca é por status, outra de nossas heranças evolutivas. Pessoas com status conseguiram mais favores, seguidores, recursos e vantagens no jogo da sobrevivência. Por isso, desenvolvemos mecanismos cerebrais automáticos que avaliam nossa posição social e a opinião do outro a nosso respeito, inconscientemente, inclusive. O pesquisador Erzo Luttmer descobriu que, entre pessoas que tinham o mesmo salário, as que moravam em bairros mais ricos se consideravam menos felizes do que as que moravam em bairros modestos. É que as pessoas se sentem piores quando ganham menos que seus pares. Tanto que em outra pesquisa, voluntários preferiram a hipótese de ganhar 90 mil por ano em uma empresa onde os colegas ganhariam 70 mil, do que ganhar 100 mil por ano se isso significasse que os colegas ganhariam 150 mil. O desejo por status, e não por felicidade, governa nossos comportamentos. Como resultado, encontramos estresse, ansiedade e burnout.

O negativo pesa mais que o positivo
Para o pesquisador Roy Baumeister, se você deseja ser feliz, precisa encarar uma terceira herança evolutiva. Para o seu cérebro, o negativo pesa mais que o positivo. Viés negativo é a tendência universal humana de sermos mais afetados pelo que é ruim do que pelo que é bom. Por exemplo, sofremos mais quando perdemos 100 reais, do que ficamos felizes quando achamos a mesma quantia. Preferimos um desconto de 50% na compra de dois produtos do que comprar um produto e ganhar o segundo grátis. Na prática, a matemática é a mesma, a diferença é que você interpreta o desconto como uma oportunidade de perder menos e o produto grátis, como oportunidade para ganhar mais. E quando temos escolha, preferimos não perder do que ganhar.

Isso acontece porque quando o foco é sobrevivência, é melhor priorizar o negativo do que o positivo. Ao longo da nossa evolução, poderíamos perder uma oportunidade de alimentação, mas se a cobra passasse despercebida, este poderia ser o nosso último erro. A questão é que nossa atenção é limitada, não conseguimos processar tudo o que acontece a todo momento. Então se o cérebro direcionar a atenção para o negativo o tempo inteiro, limitamos e empobrecemos a nossa experiência. E desta forma, não há felicidade que resista. Até porque o negativo não nos chama atenção apenas quando acontece. A antecipação sobre as coisas ruins que podem acontecer é uma das maiores causas de depressão e ansiedade. É o famoso sofrer por antecedência.

E porque pensamos mais no negativo do que no positivo, acreditamos que coisas ruins tem mais probabilidade de acontecer. Confundimos a probabilidade dos eventos com a presença deles na nossa imaginação. O que pode dar errado entra com mais peso na nossa conta. Erramos na avaliação de risco e nos tornamos irracionalmente cautelosos. Não tentamos algo que nos faria feliz por medo de falhar. Acreditamos mais em notícias ruins do que em notícias boas. Ficamos desmotivados para encarar um novo projeto porque focamos nas coisas que temos que abdicar para alcançar novas metas.

Tomando as rédeas da felicidade
De acordo com as pesquisas, os eventos negativos têm em média 2 a 3 vezes a intensidade emocional de eventos positivos de importância similar. Por isso, para quem tem o intuito de ser mais feliz, Baumeister sugere a Regra dos Quatro. Compense cada briga com quatro momentos agradáveis, e cada crítica, com quatro elogios.

Uma segunda estratégia com respaldo científico — e que também costuma ser desvalorizada por sua simplicidade — é a prática da gratidão. O diário da gratidão é uma das atividades com melhor custo-benefício quando o assunto é bem-estar. Basta escrever diariamente 3 coisas pelas quais você é grato e porque você é grato por elas. Pesquisas sugerem que a prática nos deixa mais atentos ao que temos de bom hoje, reduzindo a tendência de adaptação e o viés negativo também. Além de mais otimismo, manter um diário de gratidão por três meses ajudou voluntários a construir relacionamentos mais fortes, lidar com adversidades, aumentar a frequência das emoções positivas, dormir melhor, fazer mais exercícios, aumentar a imunidade, melhorar a saúde mental e claro, tornarem-se naturalmente mais gratos.

Outra forma de aumentar os níveis de felicidade é estar mais atento aos automatismos. Quando conhecemos a natureza dos nossos pensamentos e desejos automáticos, temos mais chances de tomar as rédeas dos nossos comportamentos. Escolhendo, por exemplo, aquilo que nos faz feliz em vez do que nos ajudou a sobreviver em um passado remoto. Como recurso, considere a meditação. A meditação traz um distanciamento emocional com relação à nossa experiência, e isso é suficiente para que consigamos escolher melhor as nossas ações. A terapia e a escrita são outros recursos que ajudam a conhecer e colocar os pensamentos em xeque.

Felicidade dá trabalho
Certamente sabemos, ou já ouvimos falar, sobre as escolhas que podem trazer felicidade. Sabemos que a felicidade é sobre aproveitar o que já temos, sobre ter tempo para relacionamentos saudáveis, sobre fazer o que amamos, sobre descobrir que o significado da vida está além da nossa própria. Mas saber muda pouca coisa, porque na prática é difícil agir assim. Felicidade dá trabalho porque ela não é intuitiva. Não fomos programados para sermos felizes. É preciso contrariar nossos automatismos, tarefa das mais difíceis. E mesmo que continuemos a ser governados por nossas heranças evolutivas, cada passo no sentido de mais felicidade vale a pena. Vale a pena treinar a gratidão e aprender a meditar. Vale a pena escrever e ter como norte a Regra dos Quatro. Para ser mais feliz vale a pena inclusive fazer terapia.

*Por: Adriana Drulla é Mestre em Psicologia Positiva pela Universidade da Pennsylvania (EUA) e pós graduada em Terapia Focada em Compaixão pela Universidade de Derby (Inglaterra), onde teve como mentores Martin Seligman, psicólogo fundador da psicologia positiva, e Paul Gilbert, psicólogo criador da Terapia Focada em Compaixão. Semanalmente fala sobre psicologia e mente compassiva no podcast Crescer Humano.
…………………………………………………………………………………………………………………………
*Fonte: vidasimples

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.