Um hábito extremamente simples que pode mudar a sua vida

Os monges zen aprendem um princípio fundamental: organizar a casa é como ordenar a mente e vice-versa. A casa funciona como uma metáfora para nós mesmos por dentro e às vezes mostra como somos.

Portanto, se somos pessoas que persistem em guardar coisas velhas, quebradas ou sujas, isso pode revelar maus apegos ao passado, rancores ou velhas mágoas não curadas. Se fizermos bagunça, adiarmos a limpeza da casa e formos tão descuidados que deixamos a comida estragar na geladeira, isso pode indicar que estamos procrastinando e que a ordem de prioridades não está equilibrada. Isso, de acordo com a filosofia Zen .

Ordem não é sinônimo de perfeição, como acontece em uma casa, pois para haver ordem deve haver um movimento persistente de caos. Ou seja, devemos estar fazendo pedidos e limpando constantemente e em perpetuidade para que haja harmonia no lar. O mesmo acontece conosco , não somos um trabalho de um dia, somos um trabalho perpétuo, devemos investir tempo, recursos e esforços para nos mantermos e não nos descuidarmos.

“Para levar esta metáfora para o próximo nível, os monges Zen recomendam tirar 20 minutos por dia para limpar a casa e, enquanto isso, refletir para nos colocar em ordem.”

Parece muito interessante limpar com tanta tranquilidade e reflexão, já que a maioria das pessoas se estressa muito enquanto arruma a casa. Ouvimos mães exaustas pegando tudo e reclamando da bagunça de outras pessoas. É claro que todos em casa devem colaborar, mas ao mesmo tempo, devemos parar de olhar para o trabalho doméstico com essa cara de mau e, sim, aproveitar esse espaço de tempo para nós também.

Este conselho consiste em limpar com cuidado , livrar-se do que não funciona assim como se livrar de rancores. Sacuda a poeira, assim como você se livra do descuido. Coloque as coisas em seus lugares, assim como você coloca suas prioridades em ordem. Dê amor ao espaço em que você habita, assim como deve dar amor ao seu próprio corpo. E assim por diante.

Devemos ter toda a atenção enquanto fazemos as tarefas domésticas, aprender enquanto limpamos a nos livrar das coisas que nos pesam e contaminam nossa alma; deixe de lado as preocupações, a relutância, a melancolia e faça cada atividade, por menor que seja, com paciência e amor.

Talvez se começarmos a arrumar a casa dessa forma, nossa vida comece a entrar nos trilhos também. E da mesma forma, não teremos mais desculpa para dizer que não temos tempo para nós mesmos, porque até o tempo que passamos consertando a casa e servindo aos outros é tempo de qualidade para nós.

Adaptado de habitosvida.com

……………………………………………………………………………………………….
*Fonte: vidaemequilibrio

Dubai usa drones para criar chuvas artificiais e enfrentar ondas de calor de até 50°C

O Oriente Médio é uma das regiões mais secas do planeta Terra, e pode se tornar inabitável em meados deste século devido às temperaturas crescentes e falta de chuvas. E como um esforço para diminuir o agravamento das condições climáticas na região, os Emirados Árabes Unidos (EAU) estão usando drones que estão fazendo “chover” em locais áridos.

Vídeos recentes divulgados pela agência climática do EAU mostram chuvas pesadas caindo no deserto. Só que as gotículas foram resultado de um teste piloto com drones não tripulados que descarregam eletricidade no meio das nuvens de tempestade. As cargas elétricas são tão potentes que a chuva consegue chegar ao solo, mesmo com temperaturas beirando a casa dos 50°C quase que diariamente.

Nuvens são feitas de gotas de água, mas as gotas são muito pequenas para caírem sozinhas do céu. Descargas elétricas incentivam essas pequenas gotículas a colidirem e se condensarem em gotas maiores, até que chega o ponto que elas caem, formando chuvas e tempestades. O problema é que em lugares muito quentes ou secos, como os Emirados Árabes Unidos, até as gotas maiores não são grandes o suficiente para cair. Como consequência desse clima extremamente seco, a chuva evapora antes mesmo de chegar ao chão.

É aí que a técnica de cargas elétricas poderia ajudar a encorpar essas gotículas para que elas alcancem o chão do deserto. Pesquisadores das Universidades de Bath e Reading que estão por trás do sistema gastaram tempo modelando o mecanismo, além de fazer testes em balões no ano passado para avaliar sua eficácia. No início deste ano, começaram os testes com drones. Segundo o The Washington Post, cientistas receberam US$ 1,5 milhão (R$ 7,8 milhões na conversão direta) para tocar o projeto pelos próximos três anos.

Os Emirados Árabes Unidos não são o único país que fazem experimentos com chuva “tecnológica”. A China tem um grande plano para usar cargas elétricas nas nuvens do Himalaia, enquanto Coréia do Sul e Tailândia usaram a mesma técnica para a chuva varrer a poluição do ar. Há ainda tecnologias que tentam fazer o contrário — ou seja, parar de chover. Foi o que aconteceu na Indonésia, que no ano passado sobrecarregou nuvens com partículas para interromper as fortes chuvas.

Seca no Oriente Médio
A média anual de precipitação nos Emirados Árabes Unidos é uma das mais baixas do mundo: inferior a 10,2 centímetros. Ao mesmo tempo, o país tem uma das mais altas taxas de consumo de água do mundo por pessoa, de acordo com a Administração Comercial Internacional dos EUA. Os números do governo também mostram que o país dessalina 42% de sua água, embora seja um processo caro e requer grandes quantidades de energia.

Emitir pequenos pulsos elétricos nas nuvens para gerar chuva poderia ajudar a abastecer os reservatórios de água ou tomar parte do trabalho que hoje fica a cargo da dessalinização, só que por um custo muito menor. Mesmo assim, os Emirados devem se tornar uma região ainda mais seca e quente nos próximos anos. Dados do Banco Mundial apontam que, se as emissões de carbono continuarem aumentando, o país poderia aquecer 2,4 graus Celsius em século ao meio.

*Por Brian Kahn
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: gizmodo