Aquele que culpa os outros por tudo, nunca se responsabiliza por nada!

Aquele que culpa os outros por tudo, nunca se responsabiliza por nada!

“A responsabilidade e a culpa por tudo o que acontece comigo são sempre dos outros.”

“Os outros são responsáveis ​​pelos meus infortúnios. Não tenho nada a ver com isso”.

Essas frases são familiares para você?

Você se reconhece nelas ou reconhece alguém em seu ambiente que pensa assim?

Quando não se pode supor que quem dirige sua vida, quem escolhe, quem age é você mesmo … dificilmente você terá a iniciativa de assumir o controle de seu destino. Nestes casos, há sempre um culpado para todos os seus infortúnios: claro, sempre alguém de fora.

A culpa é da minha parceira, da minha mãe, da minha cunhada, daquela pessoa que conheci … A gama de culpados é ampla. Tão ampla quanto quisermos.


A CEGUEIRA MAIS LIMITANTE É A DE NÃO CONSEGUIR ASSUMIR AQUELA PARTE QUE NOS PERTENCE, QUE FELIZMENTE, NOS PERTENCE E, QUE NÃO PERTENCE AOS OUTROS NEM AO ACASO.

É a negação mais absoluta e a convicção teimosa de que a culpa pelo mal que me acontece é sempre do outro.

Quem projeta sua parte de responsabilidade para não assumi-la?

Usando engenhosidade, existem verdadeiros artistas que procuram amenizar à realidade para justificar o que dizem a si próprios: que a responsabilidade pelo que lhes aconteceu não é deles.

Eles não têm problemas ou escrúpulos em cair na auto ilusão, em parte, porque estão tão acostumados a isso que passam pelo processo um tanto inconscientemente. No entanto, o autoengano ainda é uma limitação importante que confunde a realidade e a torna cada vez menos clara. Mais caótica, mais hostil.

Perdemos o norte quando colocamos nossa responsabilidade sobre os outros. Quando agimos por capricho. Quando ficamos frustrados porque o outro não consegue responder como gostaríamos às nossas demandas.

O outro não pode ou não quer. E essa não é a nossa guerra. O outro é livre para agir como quiser. Somos os únicos que devemos agir em conformidade.

Essas pessoas passam muito tempo reclamando.

A reclamação é sua bandeira. Nunca é suficiente. Eles podem reclamar até dos menores detalhes.

EXISTE, NESSAS PESSOAS, UMA INCAPACIDADE ABSOLUTA DE DIGERIR A FRUSTRAÇÃO. ELAS SE TORNAM VERDADEIROS TIRANOS DE SEU REINO. O PIOR DE TUDO É QUE O DANO COMEÇA A AFETAR A ELES MESMOS E SE ESTENDE PARA AS PESSOAS QUE OS AMAM.

Os outros nem sempre vão atender às minhas necessidades

Isso tem muito a ver com não se conhecer, com não ter se aprofundado em si mesmo e com sentir as próprias sombras como estranhas.

Conhecer-se e aceitar que você está de forma concreta, agora, neste momento, é o primeiro passo para poder mudar. Se não conhecer suas necessidades, seus impulsos e de onde vêm suas ações, será difícil buscar e encontrar uma solução.

Se você as ignorar, as pessoas o chutarão como uma criança, chamarão sua atenção, procurarão estar presentes a todo custo.

Todos ou quase todos os meios de comunicação contribuem nesta guerra. O outro tem que vê-lo como é. E quando o outro não lhe dá o que precisa, você fica furioso. Você deseja a ele todo o dano possível e o culpa por sua frustração; Se ele não puder ou não quiser dar a você o que você quer, você vai culpá-lo para que ele não o desaponte novamente.

Essa frustração surge quando alguém não abandona tudo e se esforça para satisfazer suas necessidades. Por outro lado, em alguns casos, as pessoas ao seu redor podem tentar te ajudar tão cedo que, você nem percebe a necessidade de pedir ajuda e nem reconhece que ela foi fornecida. Além disso, quando isso acontece, não é estranho que tenha a sensação de que nada têm a agradecer, pois era obrigação do outro atender às suas demandas.

Recupere as flechas que você atirar e ganhará em maturidade

Pessoas que culpam os outros não percebem o outro como um ser separado deles. Elas percebem o outro como um escravo que deve satisfazer suas necessidades de tirania.

“Eu ordeno e você obedece às minhas ordens”. E se você não obedecer, cuidarei de fazer você se sentir culpado e responsável pelo meu infortúnio. Esta é a sua linha de pensamento.

“Eu faço o meu e você faz o seu. Não estou neste mundo para cumprir suas expectativas e você não está neste mundo para cumprir as minhas. Você é você e eu sou eu e se por acaso nos encontrarmos, é lindo. Se não, não há mais nada a fazer” -Fritz Perls-

No momento em que você se preocupara em recuperar todas as flechas que você disparou na direção dos outros e trouxer para você a responsabilidade por tudo o que acontece em sua vida, você poderá adquirir mais consciência das situações e remediar aquela cegueira incapacitante que você fez ser sua bandeira.

Seu ponto de partida em toda comunicação com o exterior e sobre o qual construíram seus esquemas mentais precisa se pautar na autorresponsabilidade.

Estamos falando de um hábito difícil de romper, amadurecido com o tempo, mas que pode ser superado se a pessoa receber a ajuda adequada.

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: resilienciamag

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.