Cientistas descem a 8km de profundidade na Fossa do Atacama: ‘Outro planeta’

Durante anos, os oceanógrafos chilenos Osvaldo Ulloa e Rubén Escribano imaginaram em suas conversas como seria a paisagem “alienígena” da Fossa do Atacama, a fenda impressionante que cai a mais de 8.000 metros de profundidade nas costas do Chile e do Peru, e que nenhum ser humano tinha visto diretamente.

Ulloa e Escribano, diretor e vice-diretor, respectivamente, do Instituto Milênio de Oceanografia da Universidade de Concepción, no Chile, tinham se resignado a estudar a Fossa do Atacama a partir da superfície.

Junto com sua equipe, eles mapearam parte da topografia da Fossa do Atacama pela primeira vez. Em 2018, durante a Expedição Atacamex, eles tiraram algumas fotos, vídeos, e coletaram amostras de água e DNA das estranhas criaturas que habitam o fundo deste submundo.

Chegar a essa profundidade, tecnicamente, é mais ou menos como ir à Lua – sonhar em ser testemunha ocular do seu objeto de estudo nunca tinha sido uma opção… Pelo menos, até agora.

Ambos os cientistas desceram ao local neste ano com a expedição do explorador americano Víctor Vescovo – que em 2019 se tornou a primeira pessoa a visitar os cinco pontos mais profundos dos cinco oceanos, pilotando um submarino especialmente construído para esse propósito.

Cada uma das duas viagens durou um total de dez horas, para as quais os aquanautas literalmente tiveram que se desidratar na noite anterior, levar roupas quentes e fazer um sanduíche.

Em dois mergulhos separados, primeiro Ulloa e depois Escribano embarcaram junto com Vescovo, em uma esfera de titânio muito pequena, coberta por uma espessa camada protetora de espuma sintética.

Apelidado de Limiting Factor (Fator Limitante, em tradução livre), em homenagem aos romances ficcionais de Ian Banks, o submarino é a maravilha tecnológica que rotineiramente abre as portas para a exploração da chamada zona hadal dos oceanos, ou seja, tudo o que existe abaixo de 6.000 metros.

“Esta foi a aventura da minha vida e o auge da minha carreira como pesquisador de ciências marinhas”, disse Ulloa, de 60 anos, à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC), minutos depois daquele mergulho e já de volta à “nave-mãe”, a embarcação Pressure Drop.

Silêncio e música no fundo do mar
“O interior da esfera é cinza escuro, tem duas cadeiras confortáveis e é forrado com tanques de oxigênio e interruptores para todos os aparelhos eletrônicos. Na parte inferior, há três escotilhas que permitem uma visão do fundo do mar. Fiquei impressionado com a suavidade da travessia e o silêncio, apenas interrompido pelas comunicações com a superfície”.

A descida até o ponto mais profundo da Fossa – 8.069 metros, segundo os mapas feitos no dia anterior – levou três horas e meia. Ulloa imaginou que ficaria entediado, mas entre momentos de conversa com Vescovo, acabaram ouvindo música.

Ulloa colocou uma música do cantor e compositor chileno Manuel García em dueto com Mon Laferte e mostrou a Vescovo fotos de seus filhos, que moram na Suécia. Por sua vez, Vescovo escolheu Tequila Sunrise, do grupo The Eagles, e contou-lhe sobre suas motivações para explorar as profundezas. Entre risos, decidiram que quando voltassem teriam tempo de ver um trecho da série espanhola El Cid. E assim foi.

Em algum momento da descida, comeram metade dos sanduíches: de atum para Vescovo e salada de ovos para Ulloa.

Uma vez no fundo, Vescovo manobrou a espaçonave sobre um incrível terreno de vales, cordilheiras e outras formações rochosas que trarão informações importantes sobre a geologia característica desta região do planeta.

“Também ficamos impressionados com o grande número de holotúrias, uma espécie de pepino-do-mar que foi encontrada em outras trincheiras, mas que estava presente em grande abundância aqui”, diz Ulloa.

“Mas se há algo que eu, como microbiologista, queria nesta expedição, era encontrar “tapetes” de colônias de micróbios. E é por isso que vê-los com meus próprios olhos foi algo extraordinário, a confirmação pela primeira vez de sua existência na Fossa do Atacama e a mais de 8.000 metros.

‘Outro planeta’
Para Rubén Escribano, de 64 anos, a experiência, dois dias depois, foi igualmente intensa.

Como seu interesse é a fauna, Vescovo desceu apenas até 7.330 metros, explorando a vertente leste da Fossa em busca de organismos mais abundantes.

Eles encontraram criaturas inesperadas para tais profundidades, como corais de água fria e uma estrela do mar solitária. Eles também foram capazes de observar animais presentes em maior número do que em qualquer outra Fossa estudada até agora. Incluindo vermes poliquetas, crustáceos anfípodes e outras criaturas hadais, que só agora começaram a ser estudadas.

“Disseram-me que tínhamos que estudar a Fossa, mas não me disseram que tínhamos que ir até lá”, brincou Escribano, assim que saiu do submersível e pisou no convés.

“Foi algo mágico, como pousar em outro planeta e ver as estruturas construídas por esses seres. Imaginei que fossem pequenas cidades feitas por vermes e crustáceos que fazem caminhos no sedimento.”

A Expedição Atacama Hadal também fez mapas em alta resolução de vários trechos da Fossa do Atacama, que, com 5.900 quilômetros de extensão, é uma das fendas mais longas do oceano profundo. Uma estrutura formidável que nasce onde a placa de Nazca afunda sob a da América do Sul, o que causa os terremotos e tsunamis que atingem essa região.

Os mapas serão fundamentais para determinar o local ideal para instalar os sensores de um futuro projeto para estabelecer o primeiro sistema de observação ancorado no fundo do oceano, um esforço titânico em construção pela comunidade científica chilena.

Estudar como as condições físicas, geoquímicas e biológicas presentes na área mudam ao longo do tempo forneceria a base científica que pode ser usada para eventualmente observar os efeitos das mudanças climáticas em altas profundidades. E para entender melhor os processos que causam grandes terremotos e tsunamis na região.

“Tivemos um acesso único para dar um salto na ciência oceanográfica chilena e estou confiante de que essa conquista inspirará novas gerações”, disse Ulloa.

Por sua vez, Vescovo diz estar comprometido com o esforço de continuar mapeando dezenas de milhares de quilômetros quadrados por mês para apoiar a iniciativa GEBCO 2030, que busca concluir o mapeamento de todo o fundo do mar até 2030.

*Por Ángela Posada-Swafford
…………………………………………………………………………….
*Fontre: bbc-brasil

O renascimento do design de guitarras durante a pandemia, segundo a Guitar World

Segundo publicação, fatores como busca por material mais sustentável e inclusão de novos estilos musicais estão ditando nova era na construção de guitarras

A pandemia afetou a todos os ramos do comércio de alguma maneira e até mesmo todo o processo relacionado a inovação do design de guitarras precisou se reinventar por uma série de fatores. Segundo a Guitar World, esse “renascimento” na construção de guitarras se deu por diversos fatores, que vão desde a busca por materiais mais sustentáveis até o recente boom de guitarristas que fez com que vários gêneros como o hip-hop passassem a dar mais atenção para a guitarra.

De acordo com a publicação, um exemplo de como o design de guitarras está sendo modificado nesses últimos tempos de pandemia é a maneira com que as escalas dos novos modelos estão sendo confeccionadas.

Pandemia fez surgir 16 milhões de novos guitarristas nos EUA, segundo Fender
“Algumas tradições estão caindo. Na escala, era comum utilizar apenas o ebony preto liso. Agora, já está sendo aceito um ebony sem ser totalmente liso. O ebony não-preto costuvama ser deixado nas florestas, mas como estamos mais conscientes dos recursos naturais, essa madeira ‘inferior’ passou a ser considerada excelente também”, diz o texto.

A nova era do design de guitarras
Em outro ponto, a Guitar World explica que o instrumento passou a ser utilizada massivamente por milhões de novos músicos de vários estilos. Isso fez com que o design de guitarras passasse a levar em consideração necessidades desses gêneros.

4 curiosas guitarras que revolucionaram a performance, segundo a Guitar Magazine
“Se você analisar o mundo do hip-hop, precisamos pensar como tornar a guitarra relevante para esse estilo. Com uma tela MIDI no instrumento, ele se tornará relevante. A diversidade no design é fundamental. Outras marcas já possibilitam que o guitarrista controle dispositivos digitais por meio do uso de controladores MIDI integrados”, explica o texto.

*Por Gustavo Maiato
……………………………………………………………………………..
*Fonte: guitarload