Maiores zonas mortas no oceano, mapeadas pelo MIT

Maiores zonas mortas no oceano, mapeadas pelo MIT

Dois cientistas do Massachusetts Institute of Technology (MIT) recentemente conseguiram fazer o atlas mais detalhado até hoje das maiores zonas mortas no oceano, importantes regiões, que revelam novos fatos cruciais sobre elas no processo. O novo atlas de alta resolução foi descrito em dezembro de 2021 na revista Global Biogeochemical Cycles. Zonas mortas, que quadruplicaram desde 1950, são áreas deficientes em oxigênio, o que significa que são uma zona proibida para a maioria dos organismos aeróbicos (dependentes de oxigênio). Maiores zonas mortas no oceano, mapeadas pelo MIT.

Duas imensas Zonas Mortas no Pacífico
De acordo com o site http://www.ecowatch.com, “Aprendemos o quão grandes são essas duas zonas no Pacífico, reduzindo a incerteza na medição, sua extensão horizontal, quanto e onde essas zonas são ventiladas por águas oxigenadas e muito mais”, disse Andrew Babbin ao EcoWatch em um e-mail.

Babbin é um dos dois desenvolvedores do atlas. É professor no Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias do MIT. “Ser capaz de visualizar em alta resolução as zonas de baixo oxigênio é realmente um primeiro passo necessário para entender completamente os processos e fenômenos que levam ao seu surgimento”, disse ele.

De acordo com o www.ecowatch.com, as zonas mortas podem ser causadas ​​pela atividade humana, especialmente pela poluição por nutrientes. Por exemplo, a segunda maior zona morta do mundo está no Golfo do México e é em grande parte causada pelo escoamento de nitrogênio e fósforo das cidades e fazendas industriais ao largo do rio Mississipi.

Mas elas também podem ter causas naturais.

Zonas mortas de ocorrência natural
O novo atlas concentra-se em duas zonas mortas de ocorrência natural no Pacífico tropical. Uma está localizada na costa da América do Sul e mede cerca de 600.000 quilômetros cúbicos, ou o equivalente a 240 bilhões de piscinas olímpicas, informou o MIT News. A segunda é cerca de três vezes maior e está localizada no hemisfério norte, na costa da América Central.

As zonas mortas naturais e antropogênicas têm algo em comum: muitos nutrientes. No caso das do Pacífico, disse Babbin, esses nutrientes se acumulam por causa dos padrões de vento que empurram a água para o mar.

“As águas mais profundas sobem para preencher esse vazio, trazendo nutrientes mais altos para a superfície”, disse Babbin ao EcoWatch, num processo semelhante ao que se conhece como ‘ressurgência’. “Esses nutrientes estimulam uma enorme quantidade de crescimento de fitoplâncton, semelhante à forma como fertilizamos terras de cultivo e até mesmo nossos vasos de plantas em casa. Quando esses fitoplânctons afundam, as bactérias heterotróficas agem para decompor o material orgânico, consumindo oxigênio da mesma forma que os humanos fazem para respirar nossa comida”.

No entanto, diz o http://www.ecowatch.com, devido à localização dessas zonas, leva muito tempo para que as águas ricas em oxigênio cheguem à área e reponham o que as bactérias devoram.

Crise do clima e as zonas mortas
“Em essência, a demanda biológica de oxigênio supera o reabastecimento físico”, concluiu Babbin. Embora essas zonas específicas não sejam causadas pela poluição humana, entendê-las ainda é importante no contexto da atividade humana. As zonas mortas podem emitir o óxido nitroso, gás de efeito estufa, e existe a preocupação de que a crise climática possa fazer com que elas se expandam.

“É amplamente esperado que os oceanos percam oxigênio à medida que o clima fica mais quente. Mas a situação é mais complicada nos trópicos, onde existem grandes zonas com deficiência de oxigênio”, disse o co-desenvolvedor do atlas Jarek Kwiecinski ao MIT News. “É importante criar um mapa detalhado dessas zonas para que tenhamos um ponto de comparação para mudanças futuras.”

O novo atlas, conclui o ecowatch, melhora as tentativas anteriores de medir as ODZs do Pacífico devido à quantidade de informações que incorpora e à abordagem adotada para medir o teor de oxigênio da água.

Flutuadores robóticos e os dados da pesquisa
Os dados que Babbin e Kwiecinski usaram para o atlas foram coletados por cruzadores de pesquisa e flutuadores robóticos durante um período de mais de 40 anos, informou o MIT News. Os cientistas normalmente jogam garrafas em várias profundidades e medem o teor de oxigênio da água coletada pela garrafa. No entanto, essa medição não é totalmente precisa porque o plástico da própria garrafa também contém oxigênio.

Para evitar esse problema, a equipe por trás do atlas analisou dados de sensores conectados às garrafas ou a plataformas robóticas, o que lhes permitiu rastrear o conteúdo de oxigênio à medida que os sensores desciam pela coluna de água.

“Esse método nos permite contornar um viés que existe nos dados absolutos para ver apenas se o oxigênio está aumentando, diminuindo ou permanecendo o mesmo”, declarou Babbin.

“Esperamos que o atlas seja usado por todos!” disse Babbin. “Podemos prever que oceanógrafos e cientistas climáticos o usarão para planejar expedições ou relacionar alguns de seus dados a um amplo atlas/compilação. Esperamos que os modeladores climáticos possam usá-lo para validar seus modelos que tentam reproduzir a extensão do baixo oxigênio. Acreditamos ainda que esta compilação funcionará como um ponto de comparação com o qual medições futuras podem ser comparadas para finalmente revelar como essas zonas respondem diante de um clima em mudança”.

Caso tenha interesse…
Se você estiver interessado em conferir, o atlas está disponível no Biological and Chemical Oceanography Data Management Office (BCO-DMO), e os dados podem ser baixados do Woods Hole Open Access Server.

Fonte: https://www.ecowatch.com/ocean-dead-zones-map.html?fbclid=IwAR1dbAhGVELeg2WRX6AOT6a3xK7lMasNczdaOykJJ_ErVmOdyuE7695U0zM.

……………………………………………………………………………..
*Por: Joao Lara Mesquita / marsemfim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.