Cientistas enviam sementes ao espaço em experimento inédito para obter cultivos mais resistentes às mudanças climáticas

Duas agências da ONU – a Aiea, Agência Internacional de Energia Atômica, e a FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura – se uniram para uma iniciativa inédita em todo o mundo: enviar sementes ao espaço, a fim de colocá-las em condições extremas que ajudem a desenvolver novas culturas mais resistentes às mudanças climáticas.

As duas primeiras espécies eleitas para o experimento foram a planta Arabidopsis, já amplamente utilizada em testes genéticos devido às suas características, e o grão Sorgo, que possui grande variedade de nutrientes e já é muito usado para alimentação humana e também nos processos de produção de ração animal e etanol.

As sementes das duas espécies ficarão expostas por cerca de três meses a ambientes internos e externos da Estação Espacial Internacional em condições de microgravidade – “uma mistura complexa de radiação cósmica e temperaturas extremamente baixas”, segundo a Aiea.

Após esse período, as sementes retornarão à Terra e serão monitoradas de perto pelos cientistas das duas agências da ONU, a fim de identificar possibilidades de mutação para novas variedades de suas espécies.

“Milhões de pequenos agricultores em todo o mundo lidam, diariamente, com condições de cultivo cada vez mais desafiadoras. Esse experimento pretende dar luz à capacidade da ciência nuclear em contribuir nesse cenário de enfrentamento às mudanças climáticas, a partir do fornecimento de sementes resilientes e de alta qualidade que vão ajudar esses agricultores a se adaptar ao clima e aumentar seu suprimento de alimentos”, explicou Rafael Grossi, diretor-geral da Aiea.

Ainda segundo ele, apesar de este ser o primeiro experimento feito no espaço, a Aiea e a FAO já atuam há quase 60 anos, de forma conjunta, na indução de mutações em plantas, visando desenvolver novas variedades de culturas agrícolas. A parceria já criou cerca de 3,4 mil novas variedades de mais de 210 espécies de plantas diferentes, que já foram liberadas oficialmente para uso comercial em 70 países pelo mundo.

“Este é um caminho promissor para melhores processos agrícolas, melhor nutrição e, consequentemente, melhor qualidade de vida para toda a população mundial”, finalizou Grossi.

*Por Débora Spitzcovsky
……………………………………………………………….
*Fonte: thegreenestpost

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.