Sofia Loren


Streetart – 38

streetart_0336

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

streetart_0940

 

 

 

 

 

 

 

 

 

streetart_0938


Sleep and work


Câmera grudada no dorso revela olhar de ‘baleia cinegrafista’ na Antártida


Biker girls #111

bikegirl_510

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bikegirl_467

 

 

 

 

 

 

bikegirl_513

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bikegirl_535

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bikegirl_537


Não busque, permita que te encontrem

A vida é muito curta para correr atrás de alguém que nem mesmo anda por você. Não há necessidade de ir atrás quando sabem onde você está, quando conhecem sua casa e eus mistérios.

A verdade é que há pessoas que não se preocupam conosco, embora nos preocupemos. Nestes casos, pode ser difícil compreendermos a situação, porque a preocupação com os outros não fala a língua do egoísmo.

“Lembre-se que seu número de telefone não mudou e que, na realidade, não há nenhuma falta de tempo, mas de interesse. Pense que quando alguém quer ou precisa de algo, é capaz de mover céus e terra para compartilhar nem que sejam alguns segundos.”

 

Carinho não se suplica

Implorarmos e mendigarmos migalhas de afeto que não nos querem dar não é saudável, nem a curto nem a longo prazo. No entanto, algumas experiências podem chegar até nós para ajudar-nos a encontrar razões para continuar desejando que a pessoa a permaneça em nossas vidas.

Se você pensar sobre isso, tudo o que fazemos com essa atitude é prolongarmos desnecessariamente uma angústia emocional. Submeter-nos à vontade dos outros faz com que nos tornemos marionetes de suas necessidades e seus desejos.

Neste sentido, obviamente, há coisas que acontecem porque têm que acontecer, mas outras acontecem porque permitimos. Nós não podemos ser livres e felizes se vivemos agarrados e ligados a certas esperanças.

 

Deixe que o vento leve o desnecessário de sua vida

É difícil deixar ir o que consideramos “muito nosso”, sejam sentimentos ou pessoas. Ou seja, certas pedras que carregamos em nossas costas nos unem um sentido de identidade e pertença que se funde com o nosso medo de perder algo que acreditamos ser muito intenso e importante.

No entanto, apesar de todo esse caos emocional nos amarrar a certas pessoas, também cansamos de não sermos valorizados. É provável que quando percebemos isso nos sentimos um pouco egoístas, o que é terrível para a nossa saúde emocional.

“Sentir que se aguentarmos um pouco mais uma situação ou algumas pessoas estamos falhando, é algo surpreendentemente comum. A fundação deste sentimento é o medo que nos dá de lidarmos com o vazio gerado pela perda.”

Em outras palavras, sentimos que se deixarmos de nos sacrificar perdemos a oportunidade de construir parte da história emocional de nossa vida. No entanto, o que realmente estamos fazendo é nos comportando da forma mais cruel possível para com nós mesmos, nossas expectativas e desejos.

“O caminho de volta em direção à liberdade emocional é construído a partir das pedras que caem; ou seja, dos sentimentos e pessoas tóxicas das  quais nos livramos.”

Esta é a única maneira de evidenciarmos nossos pontos fortes, de assumirmos nossos erros e conseguirmos expressar nossas intenções e compromisso.

 

O mais forte não é quem mais aguenta, mas quem é capaz de deixar ir

Se não traz alegria para sua vida… Solte

Se não lhe faz feliz… Solte

Se permanece ao seu lado, mas não acrescenta nada de bom… Solte

Se procura segurança e assim evita o esforço de desenvolver-se… Solte

Se não reconhece suas qualidades… Solte

Se não lhe dá carinho… Solte

Se não promove o seu sucesso… Solte

Se diz, mas não faz… Solte

Se não há um lugar em sua vida para você… Solte

Se tenta mudá-lo… Solte

Se o amedronta… Solte

Se são mais desencontros do que acertos…Solte

Se simplesmente o faz sofrer…Solte

Liberte-se…a perda será muito menos dolorosa do que a dor de apegar-se “ao que já foi e não é mais”.

…………………………………………
*Fonte: osegredo

 


Pública – Long Plays


Enduro 450: KTM 450 EXC x SHERCO 450 SEF-R


Conheça a primeira Fender Stratocaster nº de série 0100

Quem é dono da primeira Fender Stratocaster feita?
Se você disse David Gilmour, você está errado.

Embora o Stratocaster de Gilmour (Pink Floyd) tenha o número de série 0001, não é a primeiro. Sua cor incomum e hardware de ouro sugerem que poderia ter sido uma “showpiece” feita para uma ocasião especial.

A “primeira” Stratocaster realmente carrega o número de série 0100. O especialista em guitarras vintage George Gruhn, mostra a guitarra no vídeo abaixo. Como ele explica que a guitarra foi feita em abril de 1954, cerca de um ano antes da de David Gilmour, tornando-se a primeira Fender Stratocaster a ter um número de série.

“Esta guitarra é historicamente um instrumento muito, muito significativo”, diz Gruhn, “não só significativo em ser uma Stratocaster precoce, mas este é o primeiro exemplar serial-numerado de um modelo que é, de todas as guitarras elétricas talvez, talvez, o mais icônico American-made guitarra elétrica. “

Gruhn explica que há protótipos anteriores de Stratocasters, mas observa: “Ninguém tem um original intacto antes disso. Houve alguns protótipos … [mas] o ponto é, este é o primeiro que teve um número de série. É também o mais antigo que está realmente em boas condições originais. “

Ele fala sobre a história de Fender para a maior parte da entrevista, mas você pode ouvir a guitarra em ação começando em torno da marca 18:30. É seguido por uma discussão mais aprofundada sobre a Strat que continua em torno da marca de 25 minutos.

………………………………………………….
*Fonte: guitarplayer

Praticamente uma tigresa esse Capitão Kirk

Tv GIF - Find & Share on GIPHY


SÉRIE: Humano, Demasiado Humano – Martin Heidegger: Projeto Para Viver

Documentário
Humano, Demasiado Humano – Martin Heidegger: Projeto Para Viver

O projeto do tratado Ser e Tempo, foi publicado em 1927 no mesmo ano que Minha Luta (Adolf Hitler). Este programa examina a vida e a filosofia de Martin Heidegger, descreve a sua ascensão a proeminência intelectual, expondo os motivos do seu envolvimento no partido Nazi. Entrevistas com o seu filho, Hermann Heidegger, George Steiner autor de uma influente critica da sua filosofia, contado também com o seu biógrafo Hugo Ott; e ex-aluno de Hans-Georg Gadamer, fornecem novas ideias enquanto se faz uma reconstrução dos momentos chaves da vida de Heidegger. Vida e história de um homem cujos apologistas e os antagonistas ainda amargamente se dividem.

………………………………………………………………
*Fonte: revistaprosaversoearte

 


Really bad girl


Vida líquida


Led Zeppelin – The Lemon Song (RARE Pre-album Version)


Por que nós não temos predadores?

Não é muito difícil encontrar livros didáticos – geralmente de história – que possuem figuras de nossos ancestrais carregando lanças para caçar e se defender dos predadores. Mas o que parece ter sido uma evolução muito difícil para a espécie humana acaba sendo uma grande fonte de perguntas. Para onde foram os predadores que ameaçavam a evolução da nossa espécie?

Hoje em dia o planeta Terra abriga cerca de 7 bilhões de pessoas, que não estão distribuídas igualmente ao longo do território. A nossa explosão demográfica é algo recente (veja a imagem abaixo), estima-se que em 1804 a população mundial chegou pela primeira vez à marca de 1 bilhão de pessoas. Com uma população não tão abundante e que se distribui de maneira desigual pelo globo, os humanos acabavam não sendo a primeira opção para a caça de outros animais. Lembre-se: uma presa que não possui uma população considerável e que não é fácil de encontrar em uma determinada área não é uma boa presa.

Além disso, caçar humanos não é uma tarefa fácil. Os seres humanos podem ser um problema para os animais até na hora de se defenderem. Nós não possuímos armaduras, garras afiadas ou presas que nos permitem brigar, mas podemos levar nossos inimigos até exaustão, nos juntarmos em grupos para nos defendermos e somos incrivelmente bons em jogar coisas. Desses atributos, sem dúvida o que mais contribui para o nosso sucesso é o fato de sermos habilidosos com projéteis (coisas para lançarmos em nossos inimigos). Nossos ancestrais desenvolveram a habilidade de lançar coisas e ao longo da história aperfeiçoamos isso até nos tornarmos os melhores lançadores dentre os seres vivos. É muito difícil caçar algo que vai lhe causar exaustão, se juntar em grupos pra se defender ou atacar à distância antes que você possa chegar em combate corpo-a-corpo.

Então por que nós não possuímos predadores? Ao contrário do que muitos pensam, não é por causa da nossa inteligência. Nós apenas não somos interessantes para que os possíveis predadores se alimentem exclusivamente de nossa espécie. Graças a nossa pequena população durante quase todo o período evolutivo que não nos tornamos a presa ideal para que animais conseguíssem garantir sua subsistência em nossos indivíduos.

Para finalizar, um vídeo do canal Ciência Todo Dia que trata sobre o assunto! Recomendo para os seus amigos que não tiverem paciência para ler.

 

…………………………………………………..
*Fonte: universoracionalista


World’s Oldest Motorcycle Riders – A True History


Bem nessa


Hot Girlz – 187

img_7957

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

img_7696

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

img_7693

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

img_8427


Jonny Lang – II


Máscaras


Estudo revela como era o Saara antes de se tornar um deserto

Entretanto, o que poucos sabem é que antes de ser essa região extremamente seca e desértica, o Saara era uma região cheia de árvores, animais, plantas e muita chuva. Essas informações estão sendo estudadas por pesquisadores da Universidade de Estocolmo, na Suécia, e de Columbia e do Arizona, nos Estados Unidos.

De acordo com matéria publicada no site da BBC, os pesquisadores que buscam um padrão de chuvas no norte da África descobriram que entre 5 mil e 10 mil anos atrás, o deserto do Saara era conhecido como “Saara Verde” e tinha precipitações anuais entre 35 e 100mm de chuva, clima que colaborava com a fertilidade da terra local.
Saara Verde

O professor do departamento de Ciências Atmosféricas, Planetárias e da Terra do Massachusettes Institute of Technology (MIT), David McGee, equipara a vegetação existente anteriormente no Saara com a do Serengeti, localizado no norte da Tanzânia e sudoeste do Quênia, região que ainda é palco da maior migração de animais mamíferos de todo o mundo.

McGee explicou ao site da BBC Mundo: “Havia no Saara corpos hídricos permanentes, savanas, pradarias e até alguns bosques”. Ele ainda constatou outras evidências de fósseis de animais não encontrados mais na região e a presença de grandes faunas.

No Saara também são encontradas pinturas rupestre e antigos anzóis, revelando um estilo de vida completamente diferente do que é encontrado hoje. Entretanto, para o professor do MIT, mesmo sendo muito complicado saber o tamanho exato da vegetação, estima-se que ela tenha se ampliado para o norte do Saara, onde estão localizadas a Líbia, Argélia e Egito.
Do surgimento do Saara Verde até a sua desertificação

Para Francesco Pausada, da Universidade de Estocolmo, o Saara Verde surgiu da aproximação do Sol com a Terra durante o período de verão, colaborando com essas mudanças. Ele ainda explica: “O Saara se tornou verde quando saímos do período glacial. O sol do verão se tornou mais forte há uns 9 mil anos e isso trouxe uma série de consequências.”

Com as temperaturas extremas, as chuvas de monções aumentaram consideravelmente, colaborando com o surgimento da vegetação e, consequentemente, com a redução das emissões de poeira e diminuição do reflexo da luz. Essas precipitações são conhecidas como albedo, uma das principais causas da aridez na região.

Essa intensificação do albedo no Saara contribuiu significativamente com a desertificação da região. Porém, ainda é incerto quando aconteceu essa mudança drástica no clima.

Muitos cientistas acreditam que essa transformação aconteceu há 5 mil anos, devido aos fenômenos periódicos isolados que aconteceram na região. Outra hipótese é que essa transformação ocorreu de uma hora para outra, sem uma explicação especifica.

Já em 2008, mais um estudo foi divulgado por pesquisadores na Universidade de Colônia, na Alemanha, estimando que essa mudança foi mais lenta e aconteceu há apenas 2,7 mil anos. A pesquisa só foi possível após a análise de amostras de sedimentos retirados do lago Yoa, no norte do Chade, que mostraram o processo gradual de desertificação do Saara.

Entretanto, o estudo realizado por Pausata mostrou que as precipitações que aconteceram revelaram que os seres humanos que lá povoavam, abandonaram a região há 8 mil anos, em decorrência da forte seca que durou mil anos.
Possível influência humana

Estudos realizados recentemente pelo arqueólogo David Wright, da Universidade Nacional de Seul, consideram a hipótese de que os seres humanos tiveram um papel fundamental nas mudanças climáticas do deserto do Saara. Para o pesquisador existem provas arqueológicas de que o primeiro pastoreio provocou sérias consequências na ecologia da região.

Conforme a vegetação era removida e alterada para criação de gado e rebanhos, o fenômeno albedo sofria uma ampliação que colaborava com a diminuição das chuvas de monções. Porém, para Pausata, essa pesquisa não está bem fundamentada e afirmou: “Embora exista um consenso de que o crescimento intenso do rebanho de gado que pasta possa ser prejudicial à variedade de plantas, o pasto leve e moderado pode ter resultados positivos.”
O Saara Verde pode retornar?

Mesmo McGee acreditando que os seres humanos tiveram uma grande participação na desertificação do Saara, outros fatores também ajudaram no desencadeamento do problema, assim como as mudanças cíclicas. Para ele, o Saara verde aconteceu também há 125 mil anos, porém, naquela época, não houve interferência humana e sim uma mudança climática que foi do úmido para árido.

“Desta forma, se o fenômeno for cíclico, é bem provável que o Saara volte a ser verde, mesmo com as atividades humanas recentes”, declarou Pausata. E concluiu: “Daqui a milhares de anos o ciclo se repetirá. O problema agora são as forças antropogênicas. A influência humana será mais um efeito, fora da variação natural, que poderá mudar o equilíbrio no futuro do planeta, não apenas no Saara.”

 

…………………………………………………
*Fonte: pensamentoverde

 


Motos e mais motos – 268

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Dirija melhor usando técnicas de off road


Last check


SÉRIE: Humano, Demasiado Humano – Friedrich Nietzsche: Além do bem e do mal

Documentário
Humano, Demasiado Humano – Friedrich Nietzsche: Além do bem e do mal

A semente do pensamento disseminado por Nietzsche no século 19 prefigurava o piloto do século 20 sobre os conceitos do existencialismo e da psicanálise. Este programa conta com entrevistas de grandes estudiosos do pensamento do Nietzsche sendo eles: Ronald Hayman e Leslie Chamberlain (biógrafos de Nietzsche), Andrea Bollinger (arquivista), Reg Hollingdale (tradutor), Will Self (escritor) e Keith Ansell Pearson (filosofa) que sonda a vida e os escritos de Nietzsche. Além de mostrar também o papel da irmã de Nietzsche na edição das suas obras para o uso como propaganda nazi. Conta também com partes de prosas aforísticas extraídas de obras como a parábola de um louco e assim falou Zaratustra.

………………………………………………………………
*Fonte: revistaprosaversoearte


Warren Haynes e Billy Gibbons – “Workin’ Man Blues” (Merle Haggard Sing Me Back Home Tribute Concert)


O astronauta


A religião possivelmente será extinta nestes 9 países

Um modelo matemático tenta medir a relação entre as pessoas religiosas e os motivos sociais por trás disso. O resultado foi publicado em um encontro da Sociedade Americana de Físicos em Dallas (EUA), e indica que a religião pode simplesmente acabar nesses países.

Os pesquisadores examinaram dados do censo que em alguns casos incluíam informações coletadas por um século. Os países estudados foram: Austrália, Áustria, Canadá, Finlândia, Holanda, Irlanda, Nova Zelândia, República Checa e Suíça.

Para fazer a análise, eles usaram o sistema dinâmico não linear – um método matemático que pode explicar fenômenos complexos que são influenciados por vários fatores. O mesmo sistema foi usado, por exemplo, em uma pesquisa de 2003 que buscou explicar o que motiva o declínio do uso de certas línguas.

Os dois estudos foram comparados por Richard Weiner, da Universidade do Arizona (EUA). “O estudo [sobre línguas] propõe que grupos sociais que têm mais membros vão ser mais atraentes. Também propõe que grupos sociais têm uma utilidade ou status social. Nas linguagens, há uma utilidade ou status maior em falar espanhol ao invés de quechuan no Peru. Similarmente, há um tipo de status ou utilidade em ser membro de uma religião”.

Segundo o pesquisador, em democracias seculares modernas há maior tendência que as pessoas se identifiquem como não pertencentes a nenhuma religião. Na Holanda esse número foi de 40%, enquanto na República Checa foi de 60%.

A conclusão do estudo, levando em conta a relevância social e a utilidade prática em ser membro do grupo “sem religião”, foi que de as religiões podem ser extintas nesses locais.

 

Ajustes

O modelo matemático, porém, precisa ser atualizado levando em conta a rede de contatos das pessoas, já que diferentes contatos têm pesos diferentes. No estudo foi considerado que todas as pessoas são igualmente influenciadas pelas outras.

“Obviamente não acreditamos que essa seja a estrutura da sociedade moderna, mas este resultado é sugestivo. É interessante ver como um modelo simples capta os dados, e que se essas ideias simples forem corretas, ele sugere o que pode estar acontecendo. Obviamente coisas mais complicadas acontecem com um indivíduo, mas talvez muito disso seja compensado pela média”.

 

………………………………………………..
*Fonte: hypescience

 


Streetart – 37

img_5788

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

img_7421

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

street_art_05


Deixa comigo


Jonny Lang – I


Há duas coisas insuportáveis: a mentira e a falsidade

Se há algo verdadeiramente lamentável é a mentira, e também a falsidade. Ambos são capazes de destruir tudo em seu caminho, devastar vilas e florestas e derrubar as torres mais altas.

O mais triste da hipocrisia e do engano é que nunca vêm dos nossos inimigos ou pessoas desconhecidas. Como seria de esperar, tudo isso dói. E muito. Quando nos enganam, o pior não são as mentiras em si, mas o que levam com elas.

 

“Quando um sentimento tão importante como a confiança é quebrado, algo dentro de nós morre. Isso ocorre porque a põe em mentira duvida mil verdades, fazendo-nos questionar até as experiências que pensamos mais verdadeiras.”

 

Uma mentira muda tudo

Tanto a mentira quanto a falsidade são, em grande parte, uma questão de hábito. Há muitas pessoas que são profissionais nessa “arte” e enganem a todos de uma maneira verdadeiramente surpreendente.

Como sabemos, a mentira habitual pode ser um problema psicológico grave. As vezes, a mentira pode ser “justificada” como um erro na acção, não na intenção. É o que chamamos de mentiras brancas, porque acreditamos que a verdade causará mais mal do que a mentira.

Alguns argumentam que qualquer tipo de mentira é baseada em relações de má qualidade, mas o fato é que o ser humano, às vezes, não é bom em avaliar além do branco e preto.

 

Com o tempo, tudo é descoberto

As mentiras e enganos sempre têm data de validade, porque necessitam de muitas circunstâncias para se sustentarem. Isto eventualmente torna-se uma espiral de enormes dimensões que o mentiroso não pode manipular.

“Ou seja: quando uma mentira sai de sua boca, você deixa de controlar grande parte dela.”

No entanto, embora seja muito difícil que uma mentira se sustente ao longo do tempo, é normal que continuemos iludidos. Podemos ter muitos indícios, mas o mais provável é que os laços emocionais que mantemos nos ceguem.

 

Mentira e falsidade, duas feridas profundas na alma

Trair as pessoas que te amam é um dos atos mais destestáveis os seres humanos podem cometer. É difícil superar essa descoberta, porque a própria decepção abriga a capacidade de destruir completamente o nosso mundo.

Uma pessoa traída é mais do que uma pessoa ferida. É alguém que perdeu o norte, que perdeu sua bússola, que não entende, que sente uma confusão angustiante, que não sabe manter seus sentimentos e acredita ser profundamente estúpida.
Alguém tem que começar do zero, reconstruir suas paredes, percorrer um caminho difícil e tapar os buracos. É alguém com feridas de morte e tem que reviver sozinho.

 

Curar as feridas causadas pela traição

Com o passar do tempo é provável que a raiva e impotência que sentimos no início se transformem em uma lástima por tudo o que se foi, quebrou ou murchou. É neste tempo que podemos começar a curar as nossas feridas e valorizar a lealdade com força.

Superar isso leva tempo, mas precisamos perdoar a nós mesmos e parar de torturar-nos pelo o que pensávamos poder evitar. Desta forma podemos fazer a paz com o mundo, e voltar a confiar.

Se em algum momento alguém fizer você se machucar, não puna a si mesmo e nem pense que todos são iguais, isso seria como acreditar que porque você ganhou uma vez na loteria, ganhará em todas as outras vezes que comprar.

“A partir daí, valorize a lealdade e desvalorize a traição. Não se culpe e perdoe, porque a desonestidade é uma oportunidade muito boa para crescer e escolher melhor aqueles que o rodeiam.”

 

………………………………………………….
*Fonte: osegredo

 


Tem gente que enxerga sim!


Motos e mais motos – 267

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Husqvarna FC 450 2017 – Motocross com controle de tração


Amor de gato

Kiss GIF - Find & Share on GIPHY


SÉRIE- Humano, Demasiado Humano (Jean Paul Sartre)

Documentário
Humano, Demasiado Humano – Jean-Paul Sartre: O Caminho Para a Liberdade

Neste episódio é abordada a vida e a obra do mais famoso filósofo existencialista europeu, Jean-Paul Sartre (1905-1980). O homem que passou a vida a desafiar a lógica convencional amava os paradoxos. O documentário expõe estes paradoxos da sua vida e da sua obra, ao mesmo tempo em que ambos são questionados. A pergunta central que é colocada é: Se o ser humano é livre para fazer o que quiser, como justifica Sartre, então como devemos viver as nossas vidas no dia-a-dia?

 

………………………………………………………………
*Fonte: revistaprosaversoearte

 


Mais um diferentão


Não se explique demais! Tem gente que vai entender tudo errado de qualquer jeito.

Paciência. Por mais que a gente explique, tem coisa que nunca ninguém vai entender como deve. Fazer o quê? É da vida, esse longo e infinito exercício de paciência.

Haja serenidade para dizer sem ser ouvido e ouvir sem ter pedido. Tem coisa e tem gente que não merecem um segundo de atenção. Você tenta facilitar e tem sempre alguém pronto a tornar a vida mais difícil. A gente esclarece, elucida, dá exemplo, faz desenho e de nada adianta.

Explane, relate, explicite. Sempre haverá uma alma disposta a compreender o que quiser, a interpretar como bem entender o que você disse e chegar a uma conclusão completamente diversa da que você pretendia. Então, explicar de novo para quê? Diga uma vez e deixe o outro deduzir como preferir. A vida é muito curta para explicações tão longas.

Verdade é que bons ouvintes dispensam justificativas. Além do mais, se você precisa mesmo justificar o que disse ou o que fez, talvez não devesse ter dito ou ter feito, né? Nesse caso, melhor que explicar é reconhecer, assumir, pedir desculpas. Mas essa é outra história.

É que tempo a gente não devia perder à toa, sabe? Tempo a gente vive. E eu não quero viver o meu explicando nada a quem não vai entender mesmo. Aliás, eu acho até que quem sempre espera se fazer entender, quem pretende a todo tempo ser compreendido precisa de ajuda médica. É alguém que padece de uma perigosa pretensão infantil.

Assim é desde sempre. Entre os filhos e seus pais, entre amigos e entre amantes, chefes e subordinados, sócios e adversários, nos casais, nas famílias, nas empresas e nas escolas, em casa, na rua e em tudo quanto há, nem sempre somos todos compreendidos como desejamos.

Quem ouve quase sempre há de ouvir apenas o que lhe satisfizer. De tudo o que lhe for dito, entenderá o que lhe parecer conveniente. Explicar demais, então, é inútil e contraproducente.

Se for mesmo indispensável apresentar álibis e provas, arrolar testemunhas e convencer alguém de que você é inocente, contrate um advogado. Nos outros casos, vire a página, passe adiante e siga em frente. Por mais que você explique certo, alguém sempre vai insistir em entender tudo errado.

 

……………………………………………………….
*Fonte: osegredo

 


Do filmaço “Capitão Fantástico” – (trilha sonora do filme) / Bob Dylan – “I Shall Be Released”

Musiquinha do tio Bob Dylan direto de um dos melhores filmes dos últimos tempos “Capitão Fantástico”. Tenho dito!