Moto Trip Atacama 2018 – Vanâncio Aires | Pampa ao Pacífico

Hoje para mi é um dia especial. Há exatamente um ano atrás, na madrugada do feriado de Finados eu e meus amigos André, Vladimir e Fabiana, partimos em uma aventura em duas rodas da modesta Venâncio Aires (RS), até a Argentina, passando por Santa Fé, Mendoza para então cruzarmos a Cordilheira dos Andes e depois descermos, já no Chile, até a capital Santiago. Depois subimos a costa chilena até Antofagasta, quando tomamos a direção do deserto em San Pedro de Atacama. Na sequência novamente tínhamos a gigante cordilheira em nossa frente no caminho já de volta e ultrapassada essa barreira, cruzamos a Argentina e retornamos ao Brasil /Rio grande do Sul, chegando em casa depois de 18 dias de viagem e cerca de 6.500km rodados de moto.

É claro que foi uma viagem bastante emocionante e divertida, sem dúvida também a parceria de bons amigos, o que é importante nessas viagens e obviamente, inúmeras histórias e lembranças guardadas para sempre na memória. Foram momentos fantásticos, nem consigo descrever a sensação de estar de moto na cordilheira, poder parar, caminhar na beira da estrada e sentir, apreciar toda aquela imensa paisagem. Cara! Sem palavras. Me emociono agora só de lembrar. E o mesmo vale para o interior da Argentina e seus campos, as cidades pequenas e o horizonte reto em qualquer direção, sem montanhas. Depois claro, a medida em que nos aproximávamos da Cordilheira tudo vai mudando e o coração começa já a bater diferente de pura ansiedade.

Depois teve a cordilheira em si, daí entramos no Chile, com um clima totalmente diferente e a Cordilheira sempre ao fundo na paisagem. Um belo mar azul e as estradas muito boas o tempo todo, raríssimos foram os momentos de estrada ruim. e Assim sempre seguindo em frente rumo a mão do deserto, que era – digamos assim, o nosso ponto e objetivo maior dessa viagem. Chegar lá! Claro que a viagem toda é o que conta, na real. Depois seguimos para o deserto do Atacama e a cada dia a situação era completamente diferente da do dia anterior, o relevo, clima e temperatura, as paisagens – até poderia ser deserto, mas o próprio deserto tinha outras cores, uma hora vegetação, outra nenhuma, montanhas perto, depois somente ao longe. E o bom de tudo isso é que não tivemos nenhum grande problema, tudo transcorreu numa boa, as motos que eram duas Honda XRE 300 e uma Yamaha Teneré 250, aguentaram o tranco legal – e olha que estavam “carregadas”. Acontece que o nosso plano inicial era de acamparmos em algumas cidades para baratear os custos da trip, então levamos barracas, sacos de dormir e outras equipamentos que no final nem chegamos a utilizar em momento algum. Os preços de hotéis e pousadas eram super em conta, não valia a pena montarmos acampamento. O que até iria atrasar bastante a nossa viagem.
Então costumo dizer que levamos nossos equipamentos de camping para dar uma volta pela América do Sul.

 

 

 

 

 

Mas tudo bem, apesar de termos planejado tantas coisas, essa foi uma das que não saíram lá muito bem (não levar essas tralhas teria sido um alívio e tanto). Mas o planejamento prévio em nossos eventuais encontros nos dois anos anteriores a essa viagem acontecer, foram muito bons e essenciais eu diria. Estávamos bem preparados para o que viria pela frente em vários momentos e situações. Foram raros os momentos em que nos perdemos ou saímos de rota, até mesmo quando resolvemos improvisar alguma coisa. O problema maior que encontramos foi rodar dentro de grandes cidades, quando tudo é muito rápido, cheio de carros ao redor, um movimento intenso, muita gente e uma muvuca geral, justo na hora em que tu mais precisa prestar bastante atenção não só no trânsito mas também em alcançar os seus objetivos naquele momento. Mas deu tudo certo!

Aliás, cabe aqui mencionar de que fomos via de regra muito bem tratados pelos argentinos e chilenos, quando lhes solicitávamos alguma informação ou auxílio. Inúmeras foram as demonstrações ao longo do caminho de amizade, carinho, respeito e solidariedade para com a gente. Nos ajudaram, deram dicas além de solicitarem fotos com a gente, explicações de nossas motos, dicas sobre o Brasil além de ótimas conversas. Não tivemos perrengue algum com polícia rodoviária, tudo tranquilo. Aliás, o melhor dessa viagem foram os tantos momentos de horas e horas rodando por uma estrada com bem pouco movimento e a retidão e calma serena do gigante deserto ao redor.
E isso não tem preço! Uma paz incrível. Quando não faz vento forte!…rsrsrsrs

Teve vez em que até chegou a me dar uma preocupação de estarmos tão isolados, em meio ao nada literalmente por tantos quilômetros de alguma cidade mais próxima. Mas era uma coisa ao mesmo tempo também desafiadora, o que naturalemnte caracteriza isso como uma aventura, que tem lá os seus riscos (faz parte), e ao mesmo tempo de uma sensação estranhamente muito boa também.

Assim a cada dia de viagem o cenário mudava completamente, até mesmo em dias consecutivos de deserto ao redor, ele era diferente. Não pegamos chuva na estrada, tivemos sorte de que a chuva veio justamente em dias em que estávamos de folga curtindo alguma cidade grande ou então apenas durante a noite.

Em determinadas cidades grandes optamos por ficarmos de bobeira , turistando mesmo, curtindo o local, passeando e aproveitando o rolê dentro da grande viagem. Mas o melhor para mim mesmo era estar de moto na estrada. E a volta de San Pedro do Atacama, quando então cruzamos novamente a Cordilheira (em outro local – óbvio), com um cenário complemente diferente, também foi um dos altos momentos dessa trip. Foi mágico! Apesar de um sol brilhante, estávamos entrochados de roupas para o frio e por causa da altitude, que fez as nossas motos andarem no máximo à 40km/h….. rsrsrsrsrs. Foi muito engraçado.

Poderia ficar aqui contando mil coisas e mesmo ao escrever agora já me veio mais uma porção de outras memórias dessa viagem. Mas o que importa de verdade aqui é agradecer aos meus amigos e parceiros de viagem por esse grande momento, também agradecer por não termos sofrido nenhum perrengue forte ou algum acidente sequer (Gracias!), e termos realizado um sonho que inúmeras vezes foi conversado em meio a jantas, bebedeiras e conversas – mas que em um determinado dia de feriado de Finados teve seu início e ACONTECEU MESMO!

O resumo disso é: faça você também a sua viagem dos sonhos!
Não deixe poara depois ou desista. Vai lá fazer a sua trip, seja para onde for, junte seus amigos, o seu amor, parentes, ou sei lá quem, mas vá.

*Abaixo selecionei algumas imagens dessa viagem. As fotos estão na sequência dos fatos, mas claro que alguns dias foram mais importantes ou diferentes do que outros. São apenas algumas de milhares de fotos dessa empreitada. Não contam toda a história, mas dão pistas de alguns momentos do que foi essa aventura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após 10 anos, IBGE lança nova versão do Mapa Físico do Brasil

Mapa é a representação cartográfica que traz informações sobre a altimetria e elementos fisiográficos do país, possibilitando a identificação de macrobacias hidrográficas e grandes estruturas de relevo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibilizou na última quinta-feira (6/12) o Mapa Físico do Brasil na escala 1:5 000 000.

Abrangendo aspectos físicos da superfície terrestre do território brasileiro, o mapa é uma representação cartográfica mural que traz informações sobre a altimetria e elementos fisiográficos do país, como montes, morros, picos, serras e corpos d’água.

O mapa ainda apresenta a organização político-administrativa do território nacional, com os 26 estados e respectivas capitais, além do Distrito Federal. A versão em PDF pode ser acessada [AQUI].

O Mapa Físico do Brasil na escala 1:5.000.000 fornece uma visão do conjunto das características fisiográficas do território, possibilitando a identificação de macrobacias hidrográficas e grandes estruturas de relevo.

novo mapa físico do brasil 600×453 Após 10 anos, IBGE lança nova versão do Mapa Físico do Brasil

O mapa foi elaborado a partir da versão 2016 da Base Cartográfica Contínua do Brasil ao Milionésimo (BCIM). Para a representação das altitudes, foi utilizado um sistema de graduação de cores hipsométricas que se inicia na cor verde, representando as altitudes mais baixas, e termina na cor magenta, que representa as maiores altitudes.

Disponível nas versões impressa e digital, o mapa tem como usuários potenciais estudantes e profissionais da educação. A última versão desse produto havia sido produzida em 2007.

Base Cartográfica Vetorial Contínua do Espírito Santo

base cartografica do espirito santo 215×300 Após 10 anos, IBGE lança nova versão do Mapa Físico do BrasilO IBGE também disponibilizou a base cartográfica vetorial contínua do Espírito Santo (BC100_ES), na escala 1:100.000 (1cm = 1.000m), que pode ser gratuitamente acessada aqui.

Esse é o segundo conjunto de dados geoespaciais vetoriais do Projeto BC100. Em formato digital para utilização em Sistemas de Informação Geográfica, a base cartográfica informa o posicionamento espacial, os nomes geográficos e a classificação dos elementos representados.

O projeto BC100 irá mapear todas as 27 unidades da federação na escala 1:100.0000, dando origem a um produto cartográfico ainda mais detalhado do que os atualmente disponíveis. Em 2016, o IBGE lançou as bases cartográficas de Goiás e do Distrito Federal. Com este lançamento, o projeto passa a contar com o mapeamento de três unidades da Federação.

As bases cartográficas vetoriais contínuas desse projeto são geradas a partir de interpretação de imagens do satélite RapidEye obtidas em 2013 e 2014, e complementadas com informações produzidas por instituições e órgãos governamentais parceiros.

Os arquivos digitais que compõem a BC100_ES estão em formato livre (Shape File, GeoPackage e Dump do banco PostGIS), para utilização em Sistemas de Informação Geográfica (SIG), compatíveis com diversos softwares para leitura desse tipo de dado.

A BC100_ES traz informações sobre as categorias Hidrografia, Sistema de Transporte, Energia e Comunicações, Abastecimento de Água e Saneamento Básico, Educação e Cultura, Estrutura Econômica, Relevo, Localidades e Limites da área representada. O sistema de referência geodésico é o SIRGAS2000, com sistema de coordenadas geográficas.

O produto apresenta ainda a lista dos nomes geográficos no formato CSV, para serem visualizados em ambiente SIG, onde é possível especializar, através de suas coordenadas geográficas, todos os nomes geográficos que integram a base, representados por pontos. Os nomes geográficos presentes nas listas estão associados, além de suas latitude e longitude, às respectivas categorias e classes dos elementos representados.

As principais aplicações da base envolvem programas de governo com enfoque territorial, propiciando análises que demandem uma visão de conjunto das unidades da federação e dá subsídio para representações temáticas – sociais, econômicas e ambientais – do território. A BC100_ES também pode ser acessada através do geoportal da INDE e seus metadados podem ser encontrados no catálogo de metadados do IBGE.

 

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte: mundogeo

Banjo Natal 2018

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Então hoje é Natal! O relógio da vida não para, não dá trégua e quando você se dá conta, mais um ano se passou e essa data está aí novamente. E cada vez parece que passa ainda mais rapidamente. Então meu chapa, aproveite, festeje, comemore e curta esses bons momentos com aqueles que estão “próximo” de você e lhe querem bem. Afinal, não se trata de dar presentes. É muito mais do que isso. É uma celebração, uma troca de energia boa, uma das coisas mais importantes da vida. Abrace. Vai lá! Abrace forte. Até porque esses momentos são mágicos e um dia você ainda vai se arrepender de não ter aproveitado como queria ou deveria… Afinal nem todo Natal são com as mesmas pessoas ao seu redor. E aí? Tá esperando o quê? Vai lá! Abrace quem você ama, pais, irmãos, namorada(o), parentes, vizinho, amigos, colegas, sei lá. Sem medo, sem frescura. Mostra que você ama e se importa, e deixa claro isso, porque às vezes não se tem uma segunda chance. Ou então liga, mande uma mensagem, diga algo bom, sei mlá… afinal isso sim é que é o Natal. Se é que você me entende…

Um banjo abraço de FELIZ NATAL para todos os leitores do blog.

Verão terá temperaturas acima da média entre dezembro e fevereiro no Brasil inteiro

Esse ano o verão demorou um pouco mais pra chegar com a força inclemente com que costuma ferver o país – nos últimos dias, porém, o sol lembrou do Brasil e elevou as temperaturas como é habitual conforme o natal e o ano-novo se aproximam. E, pelo que prometem as previsões do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o calor intenso não será passageiro: a temperatura deverá ficar acima da média histórica em todo o Brasil ao longo do verão, no período entre dezembro e fevereiro do ano que vem.

Tal elevação se dará por conta do El Niño, fenômeno meteorológico que aquece as águas da parte equatorial da superfície do Oceano Atlântico, elevando assim a temperatura. Além do calor, o fenômeno deve também alterar os regimes de chuva pelo país – no sul, especialmente em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, as chuvas serão acima do esperado para essa época.

No Norte do país, o El Niño trará o efeito inverso: as chuvas serão menos habituais, principalmente no Amapá, Roraima e no norte do Pará. Com mais ou menos chuvas, o que se promete democraticamente para todo o país é mesmo somente o calor intenso, e o sol nos lembrando incessantemente que é verão nesse país tropical.

*Por Vitor Paiva

…………………………………………………………………
*Fonte: hypeness

Banjogirl Julho de 2018

Num mês típico de frio, nada melhor então do que esquentarmos as coisas por aqui com uma bela loira. E a escolha da Banjogirl do mês de Julho (2018) ficou com a atriz americana Heather Graham (29/01/70). Heather já atuou em vários filmes que vão da comédia até drama e terror: Austin Powers, O Guru, Pânico II, The Boogie Nights, Se Beber não Case II e III, Do Inferno, Perdidos no Espaço, Hope Springs,  Bobby, Doce Tentação, Twin Peaks, Drugstore Cowboy e muitos outros. Uma atriz versátil e também muito bonita. Assim a nossa homenagem fica por conta de ser agraciada com a honraria da Banjogirl de Julho de 2018.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Super Bowl- LII (chegou a hora)

Então finalmente chegou o grande momento do Futebol Americano (NFL), hoje é dia de Super Bowl – LII, em Minneapolis (2018), jogo entre o New England Patriots x Philadelphia Eagles. Tudo bem, parece um jogo até meio óbvio de que será para os Patriots, mas como aqui o blog torce sempre contra esse time – aquele típico caso de “torcer para o mais fraco”, a chama está acessa. Go Eagles!!!

E se ainda fosse o caso de Carson Wentz (QB #11 – Eagles) ser o titular e estar jogando hoje (vinha muito bem essa temporada – um dos destaques da Liga), mas se lesionou um pouco antes dos playoffs. Ele estando em plenas condições físicas, dava até para acreditar com mais força. Então esse jogo seria completamente diferente, mas com Nick Foles (#9), o QB reserva, sei não. Se bem que o universo da NFL é bem maluco e “coisas engraçadinhas” acontecem (parafraseando o comentarista da ESPN, Paulo Antunes). Na torcida para que seja um bom jogo, bem disputado e tal, não uma pelada com goleada no placar. Quero é ver sangue-nos-zóio!

Ah! Só para constar…. Estou cagando para o show do intervalo com o Justin Timberlake.

Go Eagles!

 

 

 

Prepare-se: 2018 será o ano com mais feriadões do século

Não teremos muitos feriadões no sentido mais “feriadão” do termo. Dia do Trabalhador e Proclamação da República serão os únicos que cairão terça ou quinta, o que significa quatro dias de descanso para os afortunados que conseguem enforcar trabalho ou aula. Além desses, Natal também cai terça, mas Natal tem um peso menor para enforcar, já que muita gente está de férias (de verão, concentradas, coletivas…).

Ainda assim, 2018 será um bom ano, na verdade um excelente ano, em se tratando de feriados. Independência, Nossa Senhora Aparecida e Finados serão em uma sexta-feira. Isso sem contar aqueles do primeiro semestre que caem em dias fixos da semana. Vamos lá:

1º de janeiro (Confraternização Universal) – segunda-feira
13 de fevereiro (Carnaval) – terça-feira
30 de março (Sexta-feira da Paixão) – sexta-feira (#cêjura?)
21 de abril (Tiradentes) – sábado
1º de maio (Dia do Trabalhador) – terça-feira
31 de maio (Corpus Christi) – quinta-feira (como sempre)
7 de setembro (Independência) – sexta-feira
12 de outubro (Nossa Senhora Aparecida) – sexta-feira
2 de novembro (Finados) – sexta-feira
15 de novembro (República) – quinta-feira
25 de dezembro (Natal) – terça-feira

A aprovação do Dia da Consciência Negra como feriado nacional ainda está em trâmite no Congresso. Em 2018, ele também cairá em uma terça-feira. Então, caso você more em uma das mais de 1.000 cidades onde já é feriado (o que inclui São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e João Pessoa), ganhará mais um feriadão.

Sendo assim, os sortudos que emendarão todos os feriados possíveis terão 36 dias de folga. Como “folga” entendemos o uso prático do termo “feriadão”: caiu terça ou quinta, quatro dias. Caiu no fim de semana, nenhum dia (pedimos desculpas a todos que trabalham sábado e/ou domingo pelo asterisco que não contempla os feriados que fazem, sim, diferença para vocês). Também esticamos o Carnaval a cinco dias de folga, considerando que o meio período da Quarta-Feira de Cinzas é um dia morto (você está lendo este post porque quer saber sobre os feriados de 2018, então não venha com papinhos de “sofrência”, que trabalha na quarta depois do Carnaval, que está sempre na correria etc.. Pra cima da gente não, pô!).

Vamos comparar. Em 2017, temos Ano-Novo no domingo, Dia do Trabalhador e Natal na segunda, República na quarta, Tiradentes na sexta e uma penca na quinta: Independência, Nossa Senhora Aparecida e Finados, além do de sempre (Corpus Christi). Um belo ano, mas, ainda assim, com dois dias a menos de folga que em 2018: 34.

Em 2016, a vida foi mais dura: só 26 dias na maciota, por causa daquele mundaréu de feriados na quarta. Já em 2015, 35 dias, com muitos feriados caindo segunda-feira. Mas, em 2014, foram só 22 dias. Tudo parecia bem até a Copa (em muitos sentidos). Aí veio o 7 a 1 e quatro feriados na sequência em fins de semana (Independência, Nossa Senhora, Finados e República). O ano de 2013 foi pior ainda: 21 dias (caía quase tudo em fim de semana). Veja a retrospectiva:

2018: 36 dias de folga
2017: 34
2016: 26
2015: 35
2014: 22
2013: 21
2012: 33
2011: 20
2010: 31
2009: 35
2008: 27
2007: 36
2006: 34
2005: 23
2004: 32
2003: 22
2002: 21
2001: 36

Ou seja, 2018 será o ano com mais feriadões do século até aqui, empatado com 2001 e 2007. Mas pode tomar a dianteira de vez caso o Dia da Consciência Negra vire feriado nacional.

E não custa lembrar que tem Copa: pegamos a Suíça em 17 de junho (15h no horário de Brasília, mas é domingo, então é bom para o churrasco, mas não para a nossa conta da preguiça). Depois, Costa Rica em 22 de junho (9h de uma sexta, pode rolar um meio período pra muita gente) e Sérvia dia 27 (15h de uma quarta-feira).

Se o time de Adenor, o Tite, passar adiante (e deve, convenhamos), podemos descolar mais uns dias. Passando em primeiro no grupo, o Brasil joga as oitavas em uma segunda-feira. Passando em segundo, joga na terça. Nas quartas, a classificação da seleção no grupo faz a diferença: se passar em primeiro, joga na sexta, 6 de julho (às 15h, maravilha, pode se despedir do chefe mais cedo e decretar o fim de semana). Se tropeçar e passar em segundo, enfrentará quem tiver que enfrentar no sábado. Já as semifinais serão terça e quarta (10 e 11 de julho). Disputa de 3º no sábado, final no domingo. Então, se tudo der certo e o Brasil passar em primeiro e chegar à final, teremos cinco dias de Copa que caem durante a semana, sendo que dois serão sexta-feira, e um, segunda.

Vem 2018.

…………………………………………………………..
*Fonte: mundoestranho