Muitas pessoas são letradas com as palavras, mas permanecem com atitudes analfabetas

Um vacilo muito grande é capaz de apagar anos de discursos pomposos. Palavras bonitas não são capazes de esconder um coração pequeno, diminuto.

O que se faz é que vale, bem mais do que aquilo que se diz ou se escreve. Tanto quando se educa, quanto se relaciona, a observação do comportamento é que equaliza os relacionamentos, tornando-os fortes ou frágeis. Um vacilo muito grande é capaz de apagar anos de discursos pomposos. E mais, palavras bonitas não escondem um coração pequeno, diminuto.

Por muito tempo, as pessoas eram supervalorizadas de acordo com o grau de escolaridade, com os títulos acadêmicos ou sociais, com o status que sua profissão carregava. Embora ainda exista quem se impressione tão somente com o verniz acadêmico que o indivíduo ostenta, caso não haja humanidade nas atitudes dele, as máscaras e fantasias logo não se sustentarão. Hoje, a vida pede sentimentos.

Você pode escrever com correção gramatical impecável, com coerência, coesão, utilizando vocabulário rico e primor linguístico, porém, caso não seja alguém que consiga se colocar no lugar do outro e estender as mãos ao próximo, as palavras se perderão no vazio do esquecimento.

O que fica é como agimos, como amamos, o que dizemos, como fazemos o outro se sentir.

Saber se expressar diante de uma folha de papel é importante, para aprendermos a lidar com nossos pensamentos, para desenvolvermos pesquisas, para conseguirmos ajudar o mundo de alguma forma, porém, é necessário que também consigamos lidar com as palavras na vida em sociedade, nos relacionamentos com os seres humanos. Escrevemos nossa história não somente pela linguagem escrita, mas em muito pela linguagem afetiva que trocamos com as pessoas que passam pelas nossas vidas.

Saberes são necessários e imprescindíveis ao nosso aprimoramento pessoal, pois nos ajudam na conquista de nossos sonhos.

No entanto, saberes que ficam confinados dentro do ego ou limitados entre quatro paredes de um cômodo acadêmico tornam-se inúteis, pois não alcançam o ser humano, não se transformam, não se ressignificam, não se multiplicam na forma do compartilhar necessário à afetividade de todos nós.

*Por Prof. Marcel Camargo

 

…………………………………………………………………….
*Fonte: resilienciamag

Uma escola que produz analfabetos

Da população brasileira, entre 15 e 64 anos, 75% é analfabeta funcional. São quase 110 milhões de pessoas. É o equivalente à soma das populações da Argentina, da Colômbia e da Venezuela. Trata-se da chamada “população potencialmente ativa”. E nossa população potencialmente ativa é composta em 75 por cento de analfabetos funcionais.

Quem é analfabeto funcional? Segundo a Unesco: “uma pessoa funcionalmente analfabeta é aquela que não pode participar de todas as atividades nas quais a alfabetização é requerida para uma atuação eficaz em seu grupo e comunidade, e que lhe permitem, também, continuar usando a leitura, a escrita e o cálculo a serviço de seu próprio desenvolvimento e do desenvolvimento de sua comunidade”.

O analfabeto funcional é diferente do analfabeto pleno. O analfabeto pleno nunca teve nenhum contato sistemático com a leitura, a escrita e o cálculo, nunca frequentou a escola e, por isso, não domina essas habilidades. Pelas últimas sondagens, o Brasil contaria com 8% de analfabetos plenos.

 

Receita de sucesso garantido

O analfabeto funcional, por outro lado, frequentou a escola, pode até mesmo ter chegado ao final de alguns dos níveis do sistema escolar, pode ter concluído o ensino fundamental, por exemplo, mas não se apoderou plenamente das habilidades da leitura e da escrita (e também do cálculo).

As pesquisas revelam, além disso, que 38% dos estudantes universitários podem ser classificados de analfabetos funcionais. Para muitos analistas, isso se deve à multiplicação vertiginosa de faculdades particulares a partir dos anos 1990, as quais, como toda empresa privada, visam primordialmente o lucro e não a qualidade do serviço que prestam. Já se tornou folclórico o caso de um pedreiro plenamente analfabeto que foi aprovado no vestibular de Direito de uma universidade particular do Rio de Janeiro.

Diante desses números, temos de perguntar: se o analfabeto funcional frequentou a escola, que escola é essa? Uma escola que, depois de quatro ou cinco anos, é incapaz de alfabetizar plenamente as pessoas que a frequentam é uma escola que, pura e simplesmente, produz analfabetos funcionais. Essa é a realidade da educação pública no Brasil, uma educação pública que não cumpre com sua tarefa primordial: promover a cidadania ao promover o acesso das pessoas à leitura, à escrita e ao cálculo. Darcy Ribeiro disse que “a crise na educação não é uma crise, é um projeto”. E tudo o que o atual desgoverno instaurado por um golpe de Estado pretende é transformar esse projeto numa realidade ainda mais cruel do que já é.

……………………………………………………………
*Fonte: carosamigos/ Por Marcos Bagno