Cachorros não gostam de quem não gosta dos seus donos

Os cães não são apenas o “melhor amigo” do homem, mas também podem ser”inimigos” de nossos rivais.

Pesquisadores da Universidade de Kyoto, no Japão, descobriram que cachorros não gostam de quem não gosta de seus donos e, além disso, recusam alimentos oferecidos por pessoas que desprezam seus proprietários.

O estudo, que será publicado na revista científica Animal Behaviour até o final do mês, revela a habilidade altamente refinada dos bichos em cooperar socialmente – mesmo com outras espécies -, característica rara entre os animais.

Liderados por Kazuo Fujita, professor de psicologia, os pesquisadores testaram 54 cães, divididos em três conjuntos. O primeiro grupo recebeu alimento de uma pessoa que, na frente deles, se negou a ajudar seu dono a abrir a lata de comida.

Mas, ao mesmo tempo, os animais poderiam escolher a refeição servida por alguém “neutro”, desconhecido do cachorro e que não demonstrou qualquer sentimento na cena.

Em um segundo grupo, os animais tinham as seguintes opções: escolher a comida servida por alguém que ajudou o seu dono a abrir o recipiente de alimentos ou pegar a comida oferecida por uma pessoa neutra.

O último grupo também poderia escolher entre duas pessoas, mas nenhuma delas teve contato prévio com os donos dos animais de estimação.

Em cada conjunto, os pesquisadores repetiram os testes quatro vezes. No primeiro grupo, um único animal escolheu a comida da pessoa que desprezou seu dono. Já nos demais grupos, os cães não demonstraram preferência ou rejeição por quem eram servidos.

“Pela primeira vez, medimos como os cães fazem avaliações sociais e emocionais das pessoas, sem depender de seu interesse direto”, disse Fujita. Os pesquisadores sugerem que os cachorros são capazes de julgar um indivíduo com base em seu comportamento, um importante traço que ajuda na cooperação social.

Poucas espécies, como os homens e os primatas, apresentam essa capacidade.

……………………………………………………….
*Fonte: osegredo

O que podemos aprender com os gatos?

“O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente a nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério. O gato é um monge silencioso, meditativo e sábio monge, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado” – trecho retirado do texto O Gato e a Espiritualidade. << (clique para ler)

Com a divulgação massiva da crescente adoção dos gatos como pets de milhares de casas, superando até a adoção de cães, temos atualmente uma maior compreensão desse bichano em nossas vidas. Por muitos anos, os gatos foram alvos de preconceitos e, até, de questões religiosas, gerando nas pessoas uma forte aversão aos felinos.

Atualmente, o cenário já está consideravelmente melhor, embora ainda haja muito o que ser melhorado. Quem se abre a convivência com os gatos, consegue facilmente perceber e sentir que há um mistério por trás daqueles belos olhos. Quem me conhece sabe que sou suspeita para falar desse assunto, afinal os gatos estão entre as minhas maiores paixões e tenho 3 amorosos representantes da raça ao meu lado, diariamente, em minha casa.

A questão é que não é mais tão segredo para todos que a espiritualidade está intimamente ligada ao gato, conforme podemos conferir no texto citado no início. Há algo de místico e ancestral nos gatos e sabemos que nos povos antigos, como no Egito, o animal era cultuado pelas pessoas. Os gatos não entram em nossa vida por acaso e assumem uma posição de uma intensa e verdadeira relação conosco, sendo capazes de nos transformar profundamente. Como eu mesma digo: não subestime o amor de um gato, você pode se apaixonar.

Em minhas experiências com os meus 3 filhos felinos que tenho em casa, já vivi intensas e transformadoras situações. A primeira delas, e extremamente significativa, foi a adoção do vegetarianismo como alimentação, estilo e filosofia de vida. Digo, sem vergonha nenhuma que, ao conviver com esses incríveis animais diariamente, meu amor e sensibilidade aumentaram tanto que eu quis estender esses e outros diversos sentimentos a todas as espécies. Outros momentos intensos que tive a bênção de vivenciar foram: ao estar em contato com alguma prática energética e relaxante, como uma meditação ou auto aplicação de Reiki e, ao despertar, perceber um dos meus gatos me olhando (Joey, meu menino)… mas no fundo dos meus olhos, tão fundo, que eu tinha a nítida sensação de que ele podia ver toda a minha alma… e, assim, eu transbordei em lágrimas… mas não de tristeza, não de alegria… no momento, embora não conseguindo descrever concretamente, eu sentia que estava recebendo uma profunda e amorosa limpeza e purificação.

Momentos impagáveis!

Entre ronrons, carinhos, amorosidade e tudo mais de bom que envolve esses peludos de 4 patas, os gatos são capazes de tornar a nossa vida e as energias nossas e de nossas casas muito melhores. Os gatos têm a capacidade de absorver e transmutar energias nocivas no lar, proporcionando limpeza e purificação no ambiente. Além disso, os gatos protegem os donos contra essas energias, seja transmutando o que o dono está carregando em sua aura, seja protegendo o dono quando estiver na presença de pessoas que possam vir a prejudicá-lo. Caso uma visita chegue a casa e o gato sinta e perceba que essa pessoa possui energias prejudiciais, o gato irá circundar o dono, ficar perto dele, para poder protegê-lo.

Há diversas questões que podemos abordar que tenha o gato como centralidade. Mas o que quero trazer aqui hoje são as percepções de certas maneiras felinas e o que podemos aprender com elas para nos tornarmos pessoas melhores e, consequentemente, tornar a nossa vida muito melhor (embora o gatinho já faça isso, por si só, em uma grande porcentagem.

O QUE PODEMOS APRENDER COM UM GATO?

– Gatos permitem-se ser quem são:

O gato simplesmente é. Ao observar um gato, podemos perceber algo de verdadeiro, original e essencial em suas maneiras e atitudes. O gato não finge, não disfarça e sabe o que deve fazer, e seguramente o faz, para garantir que seus desejos sejam notados, se apenas mais uns grãos de ração, se um colo quentinho ou para entrar em um lugar novo para ele. A beleza e o mistério por trás da imagem do gato devem-se, principalmente, pela sua maneira 100% autêntica de ser e agir.

Na vida, temos que lutar por nossos direitos e sonhos, sem medos de preconceitos ou pressões, e jamais hesitar em sermos verdadeiros e originais com aquilo que realmente somos. Quanto desgaste emocional, psicológico e espiritual há em fingir e atuar um papel de alguém que não somos, apenas para agradar ou mudar a nossa imagem… esta que está projetada apenas em nossa mente. Muitas vezes, as pessoas agem de acordo com uma imagem a zelar, e mal percebem que essa imagem é criada por si mesmo, apenas para os outros.

É maravilhoso ver um animal, porque um animal não tem qualquer opinião de si próprio, ele simplesmente é! (Eckhart Tolle)

– Gatos sabem a importância de se cuidarem:

É só parar alguns momentos do dia para perceber quantas horas o gato passa cuidando de si mesmo. O gato sabe da importância de se manter limpo, de manter o seu conforto, de dar aquela boa espreguiçada e alongar todas as partes do corpo. O gato sabe da imensa importância que há em dormir as horas necessárias por dia e se dedica a isso… se entrega aos braços acalentadores e repousantes de um sono profundo, pacífico e relaxante. Ao contemplar o sono do gatinho, estamos contemplando a materialização da paz.

A vida “humana” é tão acelerada, intensa e preocupante, que as pessoas mal reservam um tempo no seu dia para um verdadeiro descanso. E, quando reservam – o momento de dormir, por exemplo – não o fazem por completo, com entrega, não conseguindo desligar-se dos problemas, preocupações e ansiedades do dia a dia. As pessoas não se preparam para descansar e não têm consciência da importância e necessidade de um descanso na sua concepção mais original.

– Gatos sabem a importância de terem um momento somente seu:

O gato não é egoísta e individualista, como muitos taxam. O que o gato sabe, e o faz com confiança, é estar na sua própria companhia. O gato aprecia a solitude (diferente de solidão) tanto quanto aprecia a companhia de seu dono. O gato não tem medo de estar confrontado com o “vazio”, pois no seu mundo essa palavra não existe. O gato sabe da importância da sua essência e a valoriza, permitindo-se ter momentos totalmente dedicados a si mesmo, como uma boa soneca, um bom “auto” banho, uma apreciação da natureza… sem pressa, sem apegos, sem pressão… com respeito. O gato se respeita.

Na vida “humana”, claramente detectamos o quanto as pessoas têm medo de estarem na companhia do “nada”. A vida cotidiana foi preparada para que estejamos sempre na companhia de algo…seja de um smartphone, de uma televisão, do computador, etc. Muitas pessoas têm medo da própria companhia, por puro receio de adentrar nas profundezas do seu ser e se confrontar com tudo que está “mal” cuidado ali. Tirar um momento pra si é tão importante e essencial quanto comer, dormir e tomar banho, entre outras atividades.

“Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não topa com o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa essa relação precária do homem com o (próprio) mistério”.

O gato é uma companhia riquíssima de afeto, ensinamentos, introspecção e reflexão.

*Por: blog da Ju Xavier

 

………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

As aves incendiárias que usam o fogo para facilitar a caça

A Austrália é o lar de inúmeras espécies perigosas: de crocodilos a cobras, de aranhas a águas-vivas venenosas.

Três animais aparentemente inofensivos foram acrescentados à lista, de acordo com um novo estudo baseado em diversas observações.

São três espécies de aves de rapina, descritas pelos pesquisadores como “incendiárias”.

Segundo Bob Gosford, ornitologista do Central Land Council (um dos conselhos comunitários que se organizam por região no país, neste caso no Território do Norte) e coautor da pesquisa, as aves são o milhafre-preto (Milvus migrans), o milhafre-assobiador (Haliastur sphenurus) e o falcão-marrom (Falco berigora), que ampliam deliberadamente os incêndios florestais para forçar os animais que moram na floresta a fugir das chamas e, assim, caçá-los com mais facilidade.

Para fazer isso, as aves pegam um galho em chamas com o bico ou com as garras e o deixam cair em uma área ainda não atingida pelo fogo.

Além disso, dizem os pesquisadores, as aves podem ter aprendido a controlar e a usar o fogo a seu favor antes mesmo dos humanos.

O estudo foi publicado na revista científica Journal of Ethnobiology.

Forte evidência

A crença de que essas aves têm a capacidade de espalhar as chamas vem de longa data – e inclusive celebrada em antigas danças cerimoniais nas culturas aborígenes do país.
Image caption Com seu bico ou garras, o falcão-marrom carrega galho em chamas e o deixa em cair área da floresta ainda não atingida pelo fogo para facilitar sua caça

No entanto, quando Gosford publicou o resultado de suas observações iniciais em 2016, muitos especialistas em comportamento de aves reagiram com ceticismo.

Agora, com 20 novos depoimentos, Gosford conseguiu convencer os cientistas que chegaram a questionar as evidências.

Um desses depoimentos é de Dick Eussen, fotojornalista, ex-bombeiro e coautor do estudo, que observou esse comportamento ao tentar apagar um incêndio no Território do Norte, nos anos 1980.

Um dos episódios mais recentes ocorreu em março de 2017, na mesma região, mas os milhafres não alcançaram seu objetivo.

Aves antes dos humanos

Ainda não está claro o quão comum é esse comportamento, mas, de acordo com as evidências, essas aves só recorrem a essa metodologia de caça se o incêndio atingiu seu limite de expansão e ameaça se apagar.

Para saber a frequência e se esta técnica é exclusiva dessas espécies, tanto na Austrália como no resto do mundo, os pesquisadores planejam fazer experimentos em condições controladas.

Outro ângulo interessante que surge das observações é que é bem possível que as aves de rapina tenham aprendido a controlar incêndios antes de nós.

A evidência confirmada mais antiga do uso do fogo por humanos é de 400 mil anos atrás.

No entanto, aves de rapina estiveram no planeta milhões de anos antes, então elas podem ter descoberto antes dos humanos, disse Alex Kacelnik, o especialista em inteligência de pássaros da Universidade de Oxford, no Reino Unido, à revista New Scientist.

……………………………………………………………….
*Fonte: bbc-brasil

Adoção de animais: conheça as regras do processo e saiba como adotar um

De acordo com estimativa feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2014, no Brasil há mais de 30 milhões de cães e gatos abandonados. A maioria desses animais é formada por cães, que totalizam cerca de 20 milhões, enquanto a população de gatos que vivem nas ruas ou abrigos é de aproximadamente 10 milhões.

Este quadro, porém, deve ser bem pior atualmente, considerando a quantidade de animais que continuam perambulando pelas vias públicas. Em geral, esses animais sobrevivem apenas da sorte de encontrar comida, água e abrigo para dormir em dias chuvosos e frios, sendo que alguns encontram uma oportunidade para ficar em abrigos administrados por organizações não-governamentais.

Uma parcela desses animais tem a felicidade de encontrar um lar amoroso para chamar de seu, onde recebem todos os cuidados necessários para seu conforto e bem-estar. Se você é uma dessas pessoas que deseja ter um pet e ainda colaborar para reduzir esse número assustador de animais de rua, confira as regras para adotar:

 

Regras para adoção de animais

Idade

Animais de estimação só podem ser adotados por pessoas com idade igual ou superior a 21 anos. Mesmo assim, algumas instituições querem saber se os demais integrantes da família estão de acordo com a adoção do animal. Um conflito familiar pode resultar em mais um abandono ou maus tratos.

Documentos

Para formalizar a adoção é necessário apresentar a cédula de identidade, CPF e o comprovante de residência. Com isso, a entidade controla os processos de adoção e, como muitas delas implantam microchips nos animais, fica mais fácil localizar o adotante caso o animal seja encontrado nas ruas novamente.

Responsabilidade

Outra exigência é a assinatura de um termo de responsabilidade, por meio do qual o adotante assume o compromisso de cuidar bem do animal. Ao assinar esse documento, o adotante está sujeito às penalidades legais, em caso de maus tratos e abandono do animal.

Entrevista

A entrevista faz parte do processo de adoção em algumas entidades. O objetivo é avaliar se a pessoa interessada realmente tem condições para cuidar do animal: alimentação, assistência veterinária, adestramento, proteção, entre outros cuidados.

Taxas

Algumas instituições cobram uma taxa de adoção para custear o microchip de identificação do animal e o Registro Geral de Animais. Por isso, antes de tomar a decisão, confirme se a organização cobra alguma taxa.
O que levar em conta ao planejar a adoção de um animal?

Adotar um animal abandonado é um ato de amor e solidariedade. Antes de tomar essa decisão, porém, é importante avaliar se você e a sua família têm condições para assumir tamanha responsabilidade. Um filhote viverá com você por, pelo menos, 10 anos. Um animal adulto pode ter um tempo mais curto de vida, mas, justamente por estar em uma idade avançada, precisará receber muitos cuidados e atenção.

Além disso, um animal de estimação implica em custos com alimentação, vacinas e tratamentos veterinários. Dependendo da raça, você terá despesas com a tosa e o adestramento profissional. Fora isso, é necessário ter tempo para brincar e passear com os cães. Gatos são mais independentes, mas também precisam encontrar espaços seguros e confortáveis para viver bem.

Se você não tem condições para adotar um animal, considere a possibilidade de ajudar as entidades que abrigam cães e gatos. Faça parte da rede de voluntários que buscam lares para animais abandonados e das campanhas de arrecadação de fundos para a manutenção dos abrigos. Use as redes sociais para conscientizar as pessoas sobre a posse responsável e não deixe de denunciar os maus tratos aos animais.

………………………………………………………………..
*Fonte: pensamentoverde

A Forma da Água da vida real: a mulher que se relacionou com um golfinho

Existem dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que comemoraram a escolha da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas em consagrar o filme A Forma da Água, dirigido por Guilherme del Toro, como o Melhor Filme de 2018 e também aquelas que se incomodaram com o fato de um romance entre uma mulher e um “anfíbio humano” ter sido selecionado como melhor produção cinematográfica do ano.

Esqueça essa divisão por agora: essa notícia vai causar a mesma sensação de desconforto e incômodo em você e em todos os leitores, independentemente se você chorou de emoção ou de raiva com a produção fantástisca. Preste atenção, a história a seguir é real.

Falando com animais
Durante a década de 1960, a NASA e outras agências do governo norte-americano financiaram um projeto para estudar e criar laços entre golfinhos e seres humanos. As pesquisas aconteciam em um laboratório no Caribe e eram encabeçados pelo neurocientista John Lilly.

O médico se tornou um grande aficionado por cetáceos após ter avistado uma baleia-piloto encalhada em uma costa de litoral próxima à sua casa, em Massachusetts, em 1949. Na ocasião, Lilly ficou impressionado com o tamanho do cérebro do animal e começou a imaginar como a baleia deveria ser um bicho inteligente.

Foi a partir desse episódio que o neurocientista e sua primeira esposa, Mary, iniciaram uma busca por cetáceos para que o médico pudesse estuda-los. Até que a dupla descobriu o Marine Studios, cativeiro de golfinhos em Miami.

Ao longo do tempo, o médico começou a perceber que os golfinhos “respondiam” aos pesquisadores, emitindo sons que lembravam palavras em inglês. Segundo Lilly, aquele poderia ser um indício de que os animais estavam tentando se comunicar com os seres humanos. Essa foi a consideração que ele escreveu no livro Man and Dolphin (1961), que se tornou um best-seller.

Devido ao sucesso da obra de Lilly e das ideias do governo norte-americano de buscar por vidas extraterrestres, a NASA decidiu financiar o projeto do médico. Com o recurso financeiro em mãos, Lilly abriu seu laboratório no Caribe, em 1963. E foi a partir daí que as coisas começaram a ficar estranhas.

No início do ano seguinte, uma jovem de vinte e poucos anos que vivia na ilha de São Tomás, no Caribe, ouviu falar sobre os estudos com golfinhos e decidiu conhecer o laboratório de Lilly. O nome dela era Margaret Howe Lovatt.

Lovatt não era nenhuma pesquisadora ou cientista, porém, ela parecia tão interessada nos estudos que eram feitos ali que o médio Lilly decidiu convidá-la a colaborar. A moça passava horas com os golfinhos do laboratório, tentando incentivá-los a se comunicar em inglês e emitir sons humanos.

Ela estava tão interessada na tarefa que propôs levar um dos golfinhos a morar com ela. Assim, eles passariam mais tempos juntos e o animal poderia se habituar ainda mais à fala humana. A ideia pareceu simpática aos pesquisadores, de forma que Lovatt foi aconselhada a viver na parte de cima do laboratório, onde encheram o espaço de água para que pudessem acomodar o golfinho macho Peter.

A língua do amor
Peter e Lovatt ficavam sozinhos durante seis dias por semana, enquanto a moça anotava suas percepções do animal e dormia ao redor do cetáceo. No último dia da semana, Peter retornava ao laboratório e dividia o tanque com os outros dois animais fêmeas, Pamela e Sissy.

“Ele era muito, muito interessado em minha anatomia. Se eu estava sentada e minhas pernas estavam na água, Peter vinha até mim e olhava atrás do meu joelho por muito tempo. Ele queria saber como as coisas funcionavam e eu ficava encantada por essa curiosidade”, comenta Lovatt, hoje já idosa, em entrevista ao jornal inglês The Guardian, realizada em 2014.

Conforme explica Lovatt, o golfinho gostava de ficar com ela, mas a moça sentia que ele tinha desejos sexuais com muita frequência. No início, quando ela percebia o interesse de Peter, Lovatt o colocava no tanque com os golfinhos fêmeas. Porém, com o tempo, esse transporte atrapalhava as lições e ensinamentos ao animal. Foi aí que a moça começou a suprir as necessidades sexuais do animal manualmente.
Margareth Howe Lovatt e o golfinho Peter (Foto: Reprodução/YouTube)Margareth Howe Lovatt e o golfinho Peter (Foto: Reprodução/YouTube)

“Não era sexual para mim. Talvez sensorial. Parecia que nós estávamos criando um laço mais forte […] Eu estava ali para conhece-lo e essa era uma parte dele”, relembra Lovett.

Durante a década de 1970, a história foi parar nas páginas da revista pornográfica Hustler e se tornou conhecida entre o público. Porém, o estudo não parou. Na verdade, continuou a ficar mais esquisito.

Tragédias à vista
Lilly, o neurocientista e líder do projeto, começou a estudar os efeitos do LSD no cérebro. Ele era um dos seletos médicos licenciados pelo governo norte-americano a pesquisar a droga. Até então, o governo acreditava que a substância teria propriedades medicinais para tratar pacientes com doenças mentais.

Não demorou para que o LSD fosse injetado nos golfinhos. Muitas tentativas foram feitas, mas nada acontecia. Os animais não respondiam diferentemente à droga.

Lovatt era contra o uso da substância nos animais, principalmente em Peter, mas, conforme relembra ao The Guardian, não havia nada que ela pudesse fazer; já que os animais eram de Lilly.

Como o projeto não estava avançando, a NASA decidiu cortar o financiamento e o laboratório de Lilly teve que fechar. Sem o recurso financeiro, o destino dos golfinhos era incerto. A solução encontrada foi enviar os três animais a um outro laboratório que Lilly possuía, em Miami. Porém, o espaço era muito menor. Não havia liberdade, conforto e nem luz solar. E não havia a presença de Lovatt.

“Foi quando recebi uma ligação de Lilly”, descreve Lovatt. “Ele mesmo quem me ligou. Ele disse que Peter havia se suicidado”, completa.

Pode parecer estranho, mas golfinhos não são respiradores automáticos, como nós. Para esses animais, cada respiração é uma decisão consciente que eles fazem. Então, caso queiram, eles podem prender a respiração até a morte.

Segundo Andy William, o veterinário que cuidava do animal, Peter morreu por causa de um coração partido incompreendido.

O líder da pesquisa continuou seus estudos, tentando métodos místicos – apelando até para a telepatia – e outras vezes mais científicos, usando tons musicais. Desde John Lilly, ninguém mais tentou ensinar inglês a golfinhos.

A voluntária e parceira de Peter, Margareth Howe Lovatt, por sua vez, casou-se com o fotógrafo que registrou imagens do experimento. Os dois se mudaram para o mesmo lugar que os cientistas construíram para abrigar Peter.

“Era um bom lugar. Havia um bom sentimento naquele espaço”, lembra Lovatt, que teve sua história contada no documentário The Girl Who Talked to Dolphins (A garota que falava com golfinhos, em tradução livre), lançado em 2014.

……………………………………………………………
*Fonte:

10 coisas impressionantes que o seu CÃO sabe sobre você

Qualquer amante do cães irá dizer que seus melhores amigos têm um sexto sentido quando se trata de necessidades emocionais humana. Quando você se sente mal, um cão pode muitas vezes atua como um confidente melhor do que qualquer outro ser humano. Também escutam melhor, respondem adequadamente às suas emoções e realmente parecem se importar com seus sentimentos. Não deveria surpreendê-los que os cães sejam capazes de mostrar sentimentos intensos. Eles são altamente sociais e exibem fortes ligações com outros cães. Eles têm suas próprias estruturas sociais e rituais de vínculo, muitos dos quais refletem as estruturas sociais humanas.

As mesmas conexões emocionais que cães experimentam em grupos podem ser facilmente transferidas para qualquer outro ambiente, incluindo situações entre as espécies. Para o seu cão, você é uma família. É simples assim. Claro, existem muitas outras coisas fascinantes que seu cão entende sobre você que você pode nem saber. Às vezes, suas habilidades podem ser incríveis, mas há explicações científicas contundentes para o comportamento do seu cão. Entender como o seu cão percebe você pode ajudá-lo a se relacionar melhor com seu animal de estimação.

1. Os cães sabem quando você está triste

Quando você se sente triste, o seu cão imediatamente percebe e ajusta seu comportamento em conformidade. Ele pode se tornar mais moderado do que o habitual, perdem o interesse em seus brinquedos e até mesmo rejeitam sua comida. Em um estudo de cognição animal, os pesquisadores descobriram que um cão se aproxima mais de uma pessoa que está chorando que alguém cantarolando ou falando. Além disso, os cães respondem ao choro com o comportamento submisso. Em outras palavras, os cães parecem estar tentando acalmar alguém que está chateado. Além do mais, os cães vão abordar qualquer pessoa que se senta mal, independentemente de ser ou não o seu dono.

2. Eles podem sentir suas intenções

Todos já sentimos a capacidade quase psíquica de um cão em sentir quando algo desagradável está para acontecer. Mesmo antes de você ligar o chuveiro ou pegar sua toalha, seu cão vai saber que você pretende dar-lhe um banho e vão imediatamente se esconder. O mesmo vale para tosa, unhas ou remédios. Por outro lado, o seu cão também vai entender se suas intenções são puras e se você faz as coisas para seu próprio bem. A maioria deles se submetem a experiências desagradáveis, tais como cortes de unha, se seu dono estiver por perto e dizer algo para tranquilizá-lo.

3. Ele pode sentir as doenças que você pode ter

Se seu cão foi está prestando especial atenção a uma determinada área do seu corpo, talvez você deva visitar um médico para se certificar de que esteja tudo bem. Vários estudos têm confirmado que os cães têm a capacidade de detectar certas doenças, como o câncer, através do seu sentido de faro afiado. Alguns podem até mesmo ser treinados para alertar os pacientes epilépticos quando eles estão prestes a terem uma convulsão.

4. Sabem quando você sente medo

Se você sentir medo, o seu cão vai saber em um instante. O nariz sensível dos cães pode captar aromas sutis, como a adrenalina, que é associada ao medo e ao perigo. Se você tiver um Rottweiler ou um Doberman, então seu corpulento protetor provavelmente entrará em ação e virá a seu resgate. Os cães menores ou aqueles com temperamento nervoso, seguirão seu exemplo e começarão a ficar com medo. Seu cão procura obter orientação sobre como reagir em determinadas situações, por isso, se você quiser que o seu cão seja corajoso, você terá que dar um exemplo.

5. Eles sabem quando você está sendo injusto

Um estudo realizado na Áustria testou o que aconteceria se um cão fosse recompensado por um truque, enquanto outro não foi dado qualquer coisa, por fazer a mesma tarefa. Os cães que não recebiam uma recompensa, se agitavam ao ver seus companheiros receberam guloseimas. Eles respondiam se coçando e lambendo-se com impaciência. Em outras palavras, eles reconheceram a injustiça da situação. Se um cão recebe uma salsicha enquanto outro recebeu pão, ambos ficam mais do que felizes com seu prêmio. Lembre-se, os cães são tão inteligentes quanto uma criança de cerca de dois anos de idade.

6. Eles sabem quando você tem outras prioridades

Os cães que passaram a maior parte de suas vidas sendo mimados e adorados por seus proprietários, compreendem, até certo ponto, se a atenção deles, de repente, se volta a uma nova prioridade. Um bebê novo, um namorado, um hobby ou até mesmo um novo animal de estimação pode levar seu amado cão a ter sentimentos de inveja e ressentimento. Alguns cães são ainda conhecidos por se inserir fisicamente entre dois amantes, a fim de trazer de volta a atenção para eles. Depois de assinalar que os cães são capazes de reconhecer e lidar com mudanças nas suas prioridades, lembre-se que eles não querem ser negligenciados. Você é a coisa mais importante na vida de seu animal de estimação.

7. Eles sabem quando você está irritado

Proprietários que estão com seus cães durante vários anos, muitas vezes não precisam dizer uma palavra para mostrar a eles que estão chateados. Quando chegam em casa e descobrem que seu cão fez alguma travessura, colocar as mãos nos quadris e lançar um olhar de desaprovação é suficiente para transmitir a sua ira. Quando o cão percebe qualquer sinal de desconforto, muitas vezes, se agacham, tremem, gemem e podem até perder o controle de sua bexiga. Claramente, você pode sentir raiva, mas eles nem sempre podem entender a razão.

8. Eles sabem se você é uma pessoa generosa

Assim como nós julgamos os outros com base em suas ações, os cães também prestam atenção em como você age em relação aos outros. Um experimento organizado pela Universidade de Milão permitiu ao cães observarem os humanos em diferentes situações sociais. Situações de generosidade, justiça, bem como bondade. Também se tratou do tom de voz, a raiva, e todas as coisas discutidas. A conclusão é que o seu cão sabe quando você está sendo generoso e quando está sendo mesquinho.

9. Ele sabe se você é fácil de convencer

Algumas raças mais enérgicas, como labradores e pitbulls, requerem um disciplinador firme para domar seu comportamento selvagem. Raças maiores, por vezes, não entendem sua própria força e pode ser perigosas se você de repente decidem surpreender uma criança ou uma pessoa idosa com um abraço. No entanto, mesmo sendo bem educado por seu dono, um cão não terá por que agir da mesma maneira com os demais. Os cães gostam de testar os limites regularmente. Se encontram alguém que não os castigue puxando sua coleira, eles vão cavar o jardim ou comer o lixo, eles vão tirar proveito de sua nova liberdade.

10. Eles podem sentir quando uma mulher está grávida

Há centenas de histórias de mulheres que notaram mudanças no comportamento do seu cão durante a gravidez. Muitas proprietárias relatam que seus cães de repente se tornam muito protetores, atenciosos e dedicados. Também começam a acompanhá-las onde quer que forem. Eles também podem farejar sua barriga e repousar a cabeça sobre ela. Eles são capazes de perceber alterações hormonais, como quando uma mulher está menstruada, portanto sua capacidade de farejar uma gravidez não é tão exagerada.

……………………………………………………………………
*Fonte: paracuriosos

Os alimentos que cachorros podem e não podem comer

A maioria dos cachorros come alegremente a comida humana, seja por que você colocou em seu pratinho ou por que ele roubou alguma coisa do balcão da cozinha. Mas alguns alimentos podem ser ruins ou até perigosos para a saúde canina.

Aqui estão alguns alimentos que eles podem comer livremente e aqueles que você deve controlar. Os alimentos seguros não são tão surpreendentes e costumam integrar as rações dos cachorros, como carne, cenoura e arroz. Já aqueles que devem ser servidos com moderação, como queijo e salsicha, devem ser usados como petiscos em ocasiões especiais.

Entre os alimentos proibidos para cães estão o alho e a cebola. Isso significa que os restos daquela comida temperadinha que você preparou no almoço não devem ir parar no prato do seu cachorrinho. Outro alimento perigoso para os cães é a uva, seja fresca ou passa. Qualquer quantidade desta aparentemente inocente frutinha pode causar insuficiência renal no totó.

Claro que cada cão tem diferentes sensibilidades e alergias, e você deve observar suas reações aos alimentos. Qualquer dúvida é melhor consultar um veterinário. [Lifehacker]

Confira:

(1) – Alimentos que os cachorros podem comer tranquilamente

– Arroz
– Alface
– Banana
– Cenoura
– Pera
– Melão
– Carne
– Manteiga de amendoim
– Abóbora
– Peixe
– Espinafre

(2) – Com moderação

– Abacaxi
– Salsicha
– Batata
– Melancia
– Cogumelo
– Brócolis
– Tomate
– Mirtilo
– Morango
– Maçã
– Pão
– Queijo

(3) – Não recomendado

– Pipoca
– Camarão
– Amêndoas
– Salsão
– Cereja
– Pimenta
– Milho
– Marshmallow

(4) – Alimentos que cachorros não podem comer

– Nozes
– Cebola
– Abacate
– Uva
– Chiclete
– Bebidas alcóolicas
– Romã
– Chocolate
– Castanhas
– Alho

 

…………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Confirmado: ”A aura do gato protege você e sua casa de entidades negativas”

Obviamente o gato é considerado um ótimo animal de estimação mas a maioria das pessoas não preferem considera-lo o melhor animal de estimação para sua casa.

Em vez disso a gritante maioria preferem os cães. Na verdade, nunca tínhamos entendido o significado ou a importância do gato em nossa vida diária. Para ser honesto, o gato é um dos animais mais mágicos e cheios de dons na terra. Um dos fatos mais importantes sobre o gato é que ele nos protege e nossa casa de fantasmas e espíritos negativos que estão em torno de nós antes mesmo do gato vir para a casa. Podemos prestar muita atenção ao seu gato e observar se ele continua retornando a um mesmo lugar antigo na casa, mantendo uma postura tensa e, obviamente, olhando para algo. Esse comportamento pode ser um sinal de presença negativa na sua casa. Um dos maiores usos dos poderes mágicos dos gatos é a cura. Segundo estudos esotéricos, os gatos têm a capacidade de tratar e ajudar a curar diversas pessoas. A presença de gatos em nossa casa também nos protegerá de quaisquer maus olhares e maldições. Desde que nós saibemos que os gatos são conduits de energia cósmica que pode trazer a energia positiva na casa.

Fazer um simples carinho no animal pode ajudar a libertar as pessoas do estresse mental e emocional e é considerado o método mais fácil de tratamento que pode ser feito com a ajuda de um gato. Os russos quando se deslocam para um novo local de residência tem o costume de deixar o gato entrar primeiro na casa, o que é o ritual comum e interessante do povo russo. Segundo contos, o gato também é bom em expulsar de toda a energia negativa indesejada se a casa é realmente velha. E você? Está esperando o que para adotar um bichano?

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: passedigital

Esta inacreditável ovelha reconhece rostos por simples fotos

Caso você ainda não tivesse certeza, um novo estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, veio para confirmar o que todos nós já esperávamos: que as ovelhas são muito legais.

Os cientistas já sabiam que elas eram inteligentes e podiam reconhecer os rostos de outras coleguinhas ovelhas, bem como de seus cuidadores humanos.

Agora, a pesquisa mostrou também que as ovelhas podem aprender a identificar humanos desconhecidos que elas nunca encontraram antes, apenas olhando suas fotos.

O estudo

Para o estudo, oito ovelhas foram treinadas para reconhecer os rostos de famosos como Barack Obama, Emma Watson, Jake Gyllenhaal e Fiona Bruce.

Os cientistas usaram comida para recompensar os animais por escolher a foto, em vez de um espaço em branco ou um objeto inanimado.

Mais tarde, quando as fotos de celebridades foram colocadas ao lado de fotos de outros rostos, as ovelhas reconheceram o rosto que já haviam visto 8 vezes em cada 10.

Quando as mesmas fotos de celebridades foram mostradas em outro ângulo, as ovelhas ainda se saíram muito bem, com seu desempenho caindo apenas cerca de 15%, o mesmo esperado em seres humanos.

Ou seja, os animais puderam essencialmente combinar uma imagem 2D com uma pessoa 3D e detectar mudanças em perspectiva. “Nós mostramos que as ovelhas têm habilidades avançadas de reconhecimento facial, comparáveis com as de humanos e macacos”, afirmou a principal pesquisadora do estudo, Jenny Morton, da Universidade de Cambridge.

Sem treinamento

Em alguns testes, uma das fotos mostrada foi de um dos cuidadores das ovelhas. Neste caso, os animais foram para o rosto familiar 7 vezes em 10, sem qualquer treinamento prévio, embora muitas vezes tenham hesitado um pouco antes.

“Nós sabíamos que as ovelhas podiam reconhecer seus cuidadores, mas ainda ficamos impressionados com isso”, disse Morton ao jornal The Guardian. “O reconhecimento facial é um processo sofisticado, mas elas têm grandes cérebros, elas veem outras ovelhas, e usam esse processamento para se reconhecer”.

Aplicações

As ovelhas não são apenas animais com cérebros grandes, mas também com uma natureza social e longas vidas. Assim, são um bom modelo para estudos sobre aprendizado e doenças neurológicas. Por exemplo, os pesquisadores analisam como a doença de Huntington interrompe o processamento normal do cérebro em humanos, a partir de ovelhas com a mesma mutação.

Como o reconhecimento do rosto envolve várias partes diferentes do cérebro, o monitoramento desse talento de detecção – quando ele está no auge ou quando declina – pode nos dar pistas para detectar os primeiros sinais de doenças cerebrais.

No caso da doença de Huntington, para a qual não há cura conhecida, os afetados têm dificuldade em reconhecer emoções faciais, gerenciar o humor e lembrar eventos. Este estudo, publicado na revista Royal Society Open Science, pode ajudar os cientistas a entender como a condição se desenvolve e como preveni-la.

Parte do processo de pesquisa é entender as habilidades cognitivas das ovelhas em geral, também. [ScienceAlert]

……………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Instinto animal

Quem já não se deparou com uma coincidência incrível, daquelas que fazem a gente pensar se há alguma razão sobrenatural para aquilo ter acontecido? Algo como você ligar para um amigo e ouvir que ele estava pensando em ligar para você naquele momento, ou encontrar com uma pessoa que você não via há muito tempo bem no dia em que sonhou com ela. Para o biólogo inglês Rupert Sheldrake, essas ocasiões são mais que simples acasos. Ele defende que acontecimentos como esses ocorrem nos raros momentos em que nos conectamos a uma forma de consciência primitiva, que o processo civilizatório calou há muito tempo. Para Sheldrake, a forma mais fácil de comprovar a existência dessa outra inteligência é observar os animais, que ainda dominam e utilizam cotidianamente esse sexto sentido.

Antes de entrar nas teorias de Sheldrake, é bom apresentá-lo. Para grande parte dos cientistas suas idéias não passam de esoterismo. Mas o biólogo tem credenciais cunhadas nas casas mais nobres da ciência. Formado em Ciências Naturais pela Universidade de Cambridge e em Filosofia pela Universidade de Harvard, Sheldrake tem ainda o título de PhD em Bioquímica (também de Cambridge). Mas, decididamente, ele não segue os passos de seus mestres. Seus livros levam a sério temas banidos da academia, como fenômenos “paranormais” e espiritualidade. Para ter uma idéia do tipo de crítica que suas idéias geram, basta dizer que John Madox, ex-editor da revista Nature, propôs que os livros de Sheldrake deveriam ser sumariamente queimados. “Ele merece ser condenado pela exata mesma razão que o papa condenou Galileu: como um herege”.

Para acirrar ainda mais a controvérsia, Sheldrake critica abertamente alguns dos pilares do método científico, como a necessidade de ambientes controlados para reduzir o número de variáveis em um experimento e a validação de um resultado somente se ele puder ser repetido nas mesmas condições. Para Sheldrake, isso gera um artificialismo que desmerece os resultados. “Essa visão”, diz o controverso cientista, “data do século XVII e deriva da teoria de René Descartes de que o Universo é uma máquina. Animais e plantas são vistos como autômatos programados. A natureza precisa ser encarada de forma menos mecanicista e utilitária”, afirma.

Foi com base nessas premissas que o biólogo pesquisou e escreveu o livro Cães Sabem Quando seus Donos Estão Chegando. O livro, um best-seller, é uma compilação de casos – alguns acompanhados mais de perto e outros mais à distância – de animais de estimação que demonstram poderes maiores do que a ciência tradicional seria capaz de admitir.

Seguindo sua linha polêmica, Sheldrake defende que animais têm habilidades que nós, humanos, perdemos. Por isso, têm muito a nos ensinar.

Para pesquisar os casos citados no livro, Sheldrake seguiu três passos. Primeiro, ele e sua equipe entrevistaram pessoas que têm experiência em lidar com animais: treinadores, veterinários, cegos com seus cães-guia, tratadores de zôos, proprietários de canis e gente que trabalha com cavalos. O segundo passo foi espalhar aleatoriamente questionários sobre comportamento animal em residências que possuíam animais de estimação nos Estados Unidos e nos países britânicos. Por fim, alguns casos foram separados para um estudo monitorado. O resultado é um apanhado de casos documentados que surpreende os mais céticos. Como o do cão Jaytee.

Cães que sabem

Jaytee foi adotado por uma secretária de Manchester, Inglaterra, chamada Pamela Smart. Os pais de Pamela percebiam que, meia hora antes de a filha voltar do trabalho para casa, Jaytee se postava em frente à porta de entrada e esperava por ela. Como ele sabia que ela estava chegando? Curiosa com o fato, Pamela entrou em contato com Rupert Sheldrake e se propôs a colaborar com sua pesquisa. Durante 100 dias, ela e seus pais mantiveram um diário duplo anotando detalhes das rotinas de Pam e do animal. Sob a orientação de Sheldrake, Pamela começou a inserir algumas variáveis em seu comportamento para testar a capacidade de Jaytee de antecipar sua chegada. Seria o cheiro? Dificilmente: a dona estava entre seis e 60 quilômetros de casa. Como sentir qualquer cheiro a essa distância no caos urbano? Será que o mascote reconhecia o motor do carro? Tampouco. Pamela começou a voltar para casa de táxi, de bicicleta ou a pé e o cão continuou antecipando sua chegada. Seria a rotina? Também não, pois variações aleatórias de horário não mudaram em nada o fenômeno.

Por fim, Sheldrake utilizou duas câmeras, com os cronômetros sincronizados, para registrar o comportamento de Jaytee e os movimentos de Pamela. Nada menos que 120 fitas foram registradas e analisadas. E revelaram algo ainda mais intrigante. Jaytee não ia para a porta esperar a dona no momento em que ela partia do trabalho, mas no momento em que ela decidia partir. Era como se lesse seus pensamentos. Submetidos ao crivo de outros cientistas, os dados foram considerados insuficientes e passíveis de erro, mas Sheldrake insiste: cães têm poderes extra-sensoriais. E não são só eles: gatos, papagaios, galinhas, gansos, répteis, peixes, macacos, cavalos e ovelhas também os possuem.

Animais que curam

Rupert Sheldrake afirma que, nos templos de cura da Grécia antiga, cães eram tratados como co-terapeutas. A mais importante divindade de cura entre os gregos, Asklépios, costumava manifestar-se por meio de “cães sagrados”. Segundo Sheldrake, até Sigmund Freud, o pai da Psicanálise, era acompanhado por sua cadela, uma chow, que não era apenas uma companhia ou um animal de estimação, mas parte do processo a que ele submetia os pacientes. Freud acreditava em uma “cura pelo animal de estimação”, nas suas palavras. E, curiosamente, era o animal que avisava quando a sessão tinha terminado.

Sheldrake indica no livro uma série de trabalhos acadêmicos realizados em hospitais e clínicas demonstrando que pacientes que possuem animais de estimação se sentem menos sós, ansiosos e deprimidos. E o bem-estar emocional é um grande aliado de médicos na recuperação de pacientes, porque melhora a resposta imunológica, entre outros benefícios. Segundo o autor, essa interação acontece não por mágica, mas porque animais de estimação oferecem o que poucos humanos são capazes de oferecer: amor incondicional.

Mas o benefício da ligação entre o dono e o animal transcende o mero companheirismo. Segundo o biólogo, os animais cuidam de seus donos, conhecem suas doenças e os ajudam a se tratar, de forma deliberada, como mostram os relatos apresentados em seu livro. Uma mulher do norte da Inglaterra conta que, numa noite de profunda depressão, resolveu se matar tomando uma overdose de calmantes. Seu spaniel chamado William pela primeira e única vez em 15 anos de fidelidade total se colocou agressivamente entre ela e o vidro de remédio, rosnando com fúria e mostrando os dentes. Ela desistiu do suicídio e o cão voltou à mansidão habitual.

Christine Murray, que mora numa cidadezinha perto de Washington, capital dos Estados Unidos, tem uma mestiça de pitbull e beagle chamada Annie. Cerca de duas vezes por semana, Annie pula no colo de Christine e começa a lamber seu rosto furiosamente. Imediatamente, Annie pára o que estiver fazendo e se acomoda no chão. Em poucos minutos, tem um ataque epilético. A cadela não falha. Ela parece saber que a dona vai ter um ataque e a avisa. Há o caso também de uma epilética alemã de Hamburgo que possui um casal de vira-latas. Quando o ataque começa, os dois estão sempre por perto, e um deles tenta se colocar entre a doente e o chão, para amortecer-lhe a queda.

Senso de direção

Desde a década de 1930 o alemão Bastian Schmidt realiza detalhados estudos sobre orientação animal. Ele foi um pioneiro em testar teorias ao abandonar cães em lugares desconhecidos e observar seu comportamento. A observação mais importante colhida por Schmidt foi a de que nos primeiros cinco a 25 minutos o animal não “farejava” o caminho de volta. Ele levantava a cabeça, observava os arredores, como que estabelecendo sua localização. Em seguida, o cão simplesmente sabia a direção de casa – e seguia para lá.

Sheldrake não podia deixar de testar esse poder. O biólogo conheceu, em Leicester, uma collie-de-fronteira mestiça chamada Pepsi que tinha um estranho costume: fugia de casa e reaparecia na residência de algum parente ou amigo do seu dono. No verão de 1996, Rupert Sheldrake instalou um receptor GPS (o sistema de posicionamento global) na coleira de Pepsi e a largou a 3 quilômetros de casa, às 4h55 da madrugada. Às 9 horas da manhã a cadelinha foi achada curtindo um sol tranqüilamente na casa da irmã do seu dono. Cada um de seus movimentos foi registrado pelo GPS. Com a ajuda de um mapa da cidade, Sheldrake descobriu que, assim que foi largada, Pepsi procurou a casa mais próxima conhecida, depois foi para a seguinte e assim por diante. Em pouco menos de quatro horas, já havia passado por 17 lugares guardados em sua memória. Seguindo seu padrão de comportamento, logo ela estaria em casa, pronta para uma nova aventura.

Como animais se guiam? Pelas estrelas, por campos magnéticos? Sheldrake considera essas teorias mecanicistas e ultrapassadas. Cita vários casos de cães que descobriram o túmulo de seus donos sem nem sequer testemunhar a morte deles. E conta a epopéia de Prince, um Irish Terrier que, durante a Primeira Guerra Mundial, saiu de Londres para encontrar seu dono no caos das trincheiras da França (e se tornou uma espécie de mascote das forças britânicas). O que estrelas e campos magnéticos têm a ver com isso?

Telepatia

Rupert Sheldrake afirma que essa ligação entre homens e cães se deve ao longo tempo de convivência entre as duas espécies, que já dura 100 000 anos, quando os primeiros cachorros foram domesticados. Graças a essa conexão, os animais “lêem os pensamentos das pessoas”. Eles parecem sentir quando seus donos precisam de ajuda ou de apoio emocional. Algumas dessas manifestações se revelam em pequenos atos cotidianos. Gatos que desaparecem no dia de ir ao veterinário. Cães que tremem na hora de uma consulta, mesmo que seus donos simulem tratar-se de um simples “passeio”.

Rupert Sheldrake coletou mais de 1 500 casos de supostos contatos telepáticos entre homens e animais. Histórias como a do gato Godzilla, que vive com o relações-públicas David White, em Oxford. Por obrigação profissional, White viaja muito por lugares tão diferentes quanto a África do Norte, o Oriente Médio e a Europa continental. Não importa de onde ou quando David White ligava, Godzilla subia à mesa e ficava ao lado do telefone antes que ele fosse atendido. Mas só nas ligações do dono. Todas as outras eram desprezadas pelo gato. Isso foi testado em várias condições e variações, e Godzilla não falhava. Se o dono liga, ele parece saber. Um caso semelhante ocorre com o cão Jack, de Gloucester: ele também só fica ao lado do telefone quando seu dono liga. Com um detalhe: Jack se manifesta uns dez minutos antes de a ligação acontecer.

A explicação, afinal

Sheldrake é o primeiro a esfriar os ânimos de seus leitores que procuram explicações para esses fenômenos. “Não existe uma conclusão para explicar tudo isso”, diz ele. O que há são hipóteses. E a hipótese do biólogo baseia-se em uma controversa proposição: a teoria dos “campos mórficos”. Segundo Sheldrake, os corpos têm uma espécie de extensão invisível e indetectável, que determina sua forma e seu comportamento. São os campos mórficos. A teoria não pára por aí. Esses campos, diz ele, atravessam o tempo – conectando as coisas entre si – e o espaço – conectando os corpos com outros corpos existentes no passado e no futuro, em um processo chamado ressonância mórfica. “O campo mórfico é um campo estendido no tempo-espaço, assim como o campo gravitacional do sistema solar não está meramente dentro do Sol e dos planetas, mas contém todos eles e coordena seus movimentos”, diz.

A idéia básica é a de que todo ser possui uma marca própria, que se estende não apenas ao seu próprio organismo, mas a tudo com o que esse ser convive. E essa ligação se torna mais forte à medida que essa convivência se repete.

Segundo Sheldrake, a origem do campo mórfico pode estar em um fenômeno que inquietou Albert Einstein, chamado de não-localidade quântica, e que foi confirmado por experiências realizadas na década de 80. Nos experimentos, comprovou-se que duas partículas de luz, ou elétrons, emitidas pelo mesmo átomo continuam de certa forma ligadas entre si, mesmo separadas por uma grande distância. De tal forma que, quando os cientistas mediam alguma característica de uma das partículas, a outra imediatamente modificava a mesma característica.

Os campos mórficos explicam muitos mistérios que desafiam a ciência, como a morfogênese, ou seja, o desenvolvimento da forma e da estrutura de um organismo. Enquanto os biólogos continuam procurando a chave que faz uma perna desenvolver-se como uma perna e não como uma antena, Sheldrake já tem sua resposta. Como uma semente de cenoura se transforma em uma cenoura? Resposta: seu campo mórfico conecta a semente às cenouras passadas, que a precederam, e faz com que ela se desenvolva como uma cenoura. Esse não seria o papel dos genes? Em parte. Os genes seriam apenas um sintonizador de campos mórficos. Como o seletor de canais de uma televisão, o DNA conecta um ser ao seu respectivo campo mórfico. Por esse mesmo raciocínio, admite-se que um jogo de palavras cruzadas impresso em um exemplar de um jornal matutino fica mais fácil de resolver à medida que o dia passa, porque a ressonância mórfica emitida pelas pessoas que o resolveram facilita a tarefa.

Bem, e onde entram os animais? Em termos muito simplificados, esses campos mórficos formam ligações entre seres (e entre seres e objetos) invisíveis aos olhos e ao conhecimento. É como um campo magnético – que nada representa para nós se não tivermos uma bússola. Segundo essa teoria, animais criam campos mórficos com seus donos e sabem como utilizá-los na prática. O gato que sabe que o telefonema é do seu dono está apenas usando seus “sensores de campos mórficos”.

Quando um animal “adivinha” a hora exata em que seu dono vai chegar, estaria usando um recurso de inteligência que nós perdemos. Quando um cachorro quer voltar para casa, ele apenas localiza a extensão do seu campo mórfico e vai em frente. O mesmo princípio vale para o cãozinho Prince, que, de algum jeito, cruzou o Canal da Mancha para reencontrar seu dono no inferno das trincheiras.

Sheldrake acha que sua teoria faz parte de uma evolução natural do conhecimento. “Descartes acreditava que o único tipo de mente era a consciente. Então, Freud reinventou o inconsciente. Daí Jung disse que não existe apenas um inconsciente pessoal, mas um inconsciente coletivo. A ressonância mórfica nos mostra que nossas próprias almas estão conectadas com as almas dos outros e ligadas ao mundo que nos cerca.”

…………………………………………………………
*Fonte: superinteressante

Como saber o que seu cão está sentindo e o que você pode fazer a respeito?

Grande parte das pessoas já deve ter tido um animal de estimação ao longo da vida e, como em qualquer tipo de relacionamento, aprendemos a lidar com os trejeitos e a personalidade de nossos pets conforme o tempo de convívio com eles se torna maior.

Este texto talvez pareça completamente óbvio para quem já está acostumado a ter um cãozinho em casa, mas, caso você seja um marinheiro de primeira viagem ou talvez nunca tenha entendido um comportamento de seu amigo canino, ele pode ajudar bastante.

Vamos ver quais são algumas das principais sensações que os cachorros têm, de que forma podemos identificá-las e o que podemos fazer quanto a cada uma delas, em uma espécie de estudo da linguagem corporal dos cães.

1. Tédio

Quando seu cão começa a seguir você por toda a parte, não dá atenção para os seus brinquedos ou para atividades que costuma fazer, começa a destruir a mobília quando você não está por perto e fica gemendo ou latindo sem motivo, ele provavelmente está entediado.

A solução é tentar fazer com que ele se interesse por coisas novas, como um brinquedo ou uma brincadeira diferente. Não adianta gritar ou punir o animal quando ele está latindo, por exemplo, pois ele pode associar os latidos a ganhar sua atenção, mesmo que seja com gritos e castigos.

2. Excitação

Seu pet está correndo eletricamente para cima e para baixo, latindo em um tom estridente e balançando a cauda sem parar? Ele deve estar muito animado com alguma coisa ou talvez só esteja louco de vontade de brincar para gastar toda a energia acumulada.

Faça o animal se exercitar um pouco atirando alguma coisa para que ele vá buscar, mas, se quiser que ele saia logo desse estado de euforia, mantenha uma atitude calma e relaxada. Se você agir de um jeito escandaloso quando ele está assim, isso só vai deixá-lo mais animado.

Para manter o seu pet calmo quando receber visitas, tente controlá-lo com uma coleira, e o recompense com petiscos quando ele se acalmar. Com o tempo, ele associará uma coisa com a outra e ficará relaxado mais facilmente.

3. Medo

Orelhas abaixadas ou viradas para trás, ganidos longos e agudos, olhos bem abertos e o inconfundível rabo entre as pernas são sinais de que o seu bicho de estimação pode estar assustado com alguma coisa.

Se for algo que você possa controlar, como algum objeto ou barulho dentro de casa, tente mostrar aquilo para o cão em um ambiente controlado, para ele aprender que não precisa ter medo.

Se for algo como o som de trovões, fogos de artifício ou outra coisa nesse sentido que esteja além do seu controle, fique ao lado do cão em um lugar em que ele se sinta seguro, o acaricie e fale com uma voz tranquila, para que perceba que você está lá para protegê-lo. Isso deve pelo menos aliviar um pouco o pânico que ele possa estar sentindo até o “perigo” passar.

4. Ameaça

Rosnar, mostrar os dentes ferozmente, pupilas contraídas, postura de ataque e cauda em riste para cima são sinais muito claros de que o animal está furioso com alguma coisa. No entanto, isso pode indicar que ele está se sentindo ameaçado, e não que queira machucar alguém.

É importante tentar descobrir o que está fazendo com que o animal se sinta acuado e, se possível, remover aquilo de perto dele. No caso de animais territorialistas, que se irritam quando algo “invade” o seu espaço, a castração pode diminuir esse instinto em muitos casos.

Por mais que o cachorro não goste, algumas vezes é necessário colocar focinheiras neles para evitar que acabem machucando outras pessoas, animais ou a si mesmos. Se a situação persistir, é importante consultar um veterinário e ver o que pode ser feito para tornar o pet mais dócil.

5. Felicidade

Essa é a expressão mais fácil de desvendar em um cachorro: boca aberta e língua pendurada para fora, olhos dilatados e cauda relaxada, balançando suavemente são todos indícios de que seu cão está se sentindo ótimo.

As melhores formas de mantê-lo assim são garantir que haja sempre água e comida fresca, brincar e passear com ele frequentemente e fazer consultas periódicas com um veterinário para garantir que sua saúde esteja em ótimo estado.

Se seu bicho costuma ficar triste quando você sai de casa, tente não evidenciar esse momento. Saia sem se despedir dele e, quando retornar, não faça “uma festa”. Trate-o como se você simplesmente tivesse saído por alguns instantes, e logo ele deve perceber que não há motivos para chorar pela sua ausência.

É lógico que há muito mais coisas que os cães podem expressar além do que listamos aqui, mesmo que eles não sejam capazes de nos dizer exatamente como se sentem. Em muitos casos, é possível que tenham até mais de um comportamento desses simultaneamente, mas somente o tempo que você passa junto dele poderá ensiná-lo a interpretar essas nuances.

………………………………………………………..
*Fonte/texto: megacurioso

Hipopótamos salvam gnu das mandíbulas de crocodilo

Um vídeo gravado no Parque Nacional Kruger, na África do Sul, mostra um encontro emocionante entre animais: um gnu é abocanhado por um crocodilo, mas acaba sendo salvo por dois hipopótamos que aparecem para afugentar a besta.
Um casal que visitava o parque foi quem realizou a filmagem.

O vídeo

O gnu provavelmente se aproximou da água para matar a sede, e acabou sendo emboscado pelo crocodilo. O herbívoro esforçou-se para libertar-se, mas o predador não conseguiu manter seus poderosos maxilares em sua perna esguia.

Por quase oito minutos, o gnu e o crocodilo ficaram envolvidos em um feroz jogo de cabo de guerra. Eventualmente, a presa se cansou, e esse parecia o fim.
Lentamente, o crocodilo começou a arrastá-lo para a água. Submerso, o réptil com certeza levaria vantagem, mesmo em relação a uma grande presa.
À medida que o gnu se tornava cada vez mais subjugado, dois hipopótamos se aproximaram. De repente, eles avançaram em direção ao crocodilo, fazendo com que o réptil perdesse seu controle sobre o mamífero.

Infelizmente, com uma provável perna quebrada, pode ser que o gnu não sobreviva por muito tempo.

Territoriais

Por que os hipopótamos decidiram “salvar” um gnu em apuros?

Por mais bela que essa explicação pareça, pode não ter sido o caso de um salvamento, conforme explica Douglas McCauley, um explorador da National Geographic e professor da Universidade da Califórnia, nos EUA.

Os hipopótamos podem ser extremamente agressivos, de forma que poderiam estar apenas reagindo a invasão de território do crocodilo.

Os hipopótamos e os crocodilos, animais que frequentam muito a água, geralmente desconfiam um do outro. Os hipopótamos são muito grandes e fortes para serem vítimas de crocodilos, e geralmente se alimentam apenas de vegetação. Mas quando um desses répteis fica a cerca de um metro de um hipopótamo, o mamífero territorial pode se incomodar.

Aliás, eles podem se incomodar a aproximação de qualquer indivíduo. McCauley crê que a movimentação do gnu na água chamou a atenção dos hipopótamos, que decidiram “proteger” seu território.

Mesmo que o vídeo não mostre necessariamente um caso de altruísmo animal, McCauley diz que é um ótimo exemplo de como os animais coabitam e compartilham espaço na natureza. [NatGeo]

 

………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Lobos fazem algo impensável e evitam uma catástrofe

O vídeo que vos trazemos hoje não tem qualquer tipo de influência humana, hoje trata-se da natureza no seu estado mais puro.

O vídeo mostra, essencialmente, como a simples existência de lobos na natureza pode influenciar todo um habitat, pois eles não se limitam a matar animais de certas espécies, acabando mesmo por dar vida a outros tantos. Ao caçar espécies que estão abaixo deles na cadeia alimentar, dão oportunidade a outras espécies, que estão abaixo da espécie das suas presas, de viver e reproduzir.

Pode parecer confuso, mas legendas e as imagens tornam tudo mais fácil de entender. É incrível a forma como funciona a natureza!

……………………………………..
*Fonte: tamesmobrutal