Sexo Animal: Apenas reprodução ou prazer envolvido?

Visitantes do Zoológico do Bronx foram pegos de surpresa durante o mês de setembro ao presenciarem um casal de gorilas realizando sexo oral na frente de todos. No vídeo que viralizou nas redes sociais, é possível ver claramente um dos animais se deitando no chão para receber a carícia de seu parceiro.

Mas então entra a questão: até que ponto os animais consideram os hábitos sexuais com o único objetivo de reprodução da espécie? Será que existe alguma espécie de prazer envolvida nesse processo? De acordo com pesquisadores, existe um mundo inteiro a se explorar quando o assunto é sexo. Vejamos só!

Animais sentem prazer no sexo?

O primeiro fator a se levar em consideração para desvendarmos o que se passa na cabeça dos animais selvagens durante o acasalamento é compreendermos o que eles sentem durante esse ato. Afinal, essas criaturas fazem sexo por que gostam? Acasalar lhes proporciona prazer?

Segundo o cientista Mark Bekoff, da Universidade do Colorado, a resposta é sim e não. Em entrevista ao Live Science, o pesquisador argumentou que pouco ainda se sabe sobre os estímulos sentidos por criaturas como mosquitos e outros insetos durante o acasalamento, mas já é possível afirmar que todos os mamíferos desfrutam da experiência sexual.

Segundo ele, a satisfação sentida por humanos e animais dessa classe durante o ato sexual é tão parecida que costuma ser experienciada em partes muito primitivas do cérebro. As criaturas não só gostam de fazer sexo, como também podem ter orgasmos durante a relação sexual.

Existe sexo casual entre animais?

Para Bekoff, os humanos estão longe de ser a única espécie na natureza que busca sexo por motivos recreativos. O cientista aponta que já existem estudos mostrando que animais como os bonobos e os golfinhos, os quais possuem senso de raciocínio mais apurado, também buscam o prazer pelo simples divertimento.

Nesse caminho, é possível argumentar que as leoas também desfrutam do sexo. Toda vez que uma leoa está ovulando, ela acasala cerca de 100 vezes por dia durante o período de uma semana, e com múltiplos parceiros. Mesmo que ela precise de um único espermatozoide para engravidar, a felina não parece se importar em manter esse mesmo hábito sexual. Isso seria o equivalente a sexo por prazer? Quem sabe.

A homossexualidade no Reino Animal também não é exatamente uma novidade. Portanto, animais que acasalam com criaturas do mesmo gênero não poderiam estar buscando a reprodução da espécie, sobretudo porque isso seria impossível. Sendo assim, esse tipo de sexo seria unicamente recreativo.

Os animais sabem que o sexo gera filhotes?

Outra pergunta importante que precisamos fazer para entender os hábitos sexuais das espécies é até que ponto essas criaturas possuem a capacidade de discernimento para entender que um novo filhote é gerado de uma relação sexual. Afinal, toda criatura compreende que uma nova criatura pode ser gerada quando acontece o acasalamento?

Para quem acompanha os programas de biologia na televisão e enxerga os machos lutando para ver quem vai estar a frente das fêmeas do grupo, a resposta parece bem simples: sim. Entretanto, essa visão pode ser um pouco diferente quando decidimos investigar a situação mais a fundo.

De acordo com a professora de antropologia da Universidade de Rhode Island, nos Estados Unidos, Holly Dunsworth, os animais não possuem o conhecimento abstrato sobre o que lhes faz agir de determinada maneira. Sendo assim, da mesma forma que eles não têm uma ideia clara sobre como a sede é causada pela desidratação, é pouco provável que outras espécies entendam que o sexo pode gerar a reprodução.

Dunsworth argumenta que, caso os animais tivessem como único objetivo da reprodução garantir que a espécie não irá acabar, criaturas como os gorilas não matariam os filhotes após vencerem uma batalha contra o macho alfa que dominava determinado grupo.

Qual a importância da reprodução sexuada?

Existe um consenso entre a comunidade científica de que a reprodução sexuada é muito mais vantajosa para as espécies porque permite uma variedade genética maior entre novas crias, o que consequentemente significaria uma maior probabilidade de adaptação com o passar das gerações.

Entretanto, um estudo feito pela Universidade de Colônia, na Alemanha, mostrou que certas espécies podem sobreviver por milhares de anos apenas com a reprodução assexuada e sem sofrer consequências, como é o caso do ácaro-escaravelho Oppiella nova.

Conforme apresentado pela instituição alemã, um único indivíduo pode ser capaz de distribuir os genes entre suas crias de maneira diversificada apesar da ausência de um parceiro, surpreendendo a crença popular. Dessa forma, podemos perceber que o sexo é uma enorme caixa de surpresa ainda parcialmente compreendida pela comunidade científica.

Se ainda não temos todas as respostas para explicar os hábitos sexuais da nossa própria espécie, quem dirá de outros animais selvagens?

*Por Pedro Freitas
………………………………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Estudo mostra que os cachorros são programados para entender os humanos desde seu nascimento

Que o cão é o melhor amigo do homem, isso não é novidade para ninguém. O relacionamento dos humanos com os cães é antigo. Entretanto, a história de como esse encontro aconteceu se perdeu no tempo. Por isso, não se sabe há quanto tempo exatamente essa relação existe.

Quem tem um cãozinho em casa, sabe o que é contar sempre com um amor e apoio incondicional. Os animais aparecem no topo da lista de maiores companheiros das pessoas por nunca abandonarem seus donos.

E quem ama cachorros e tem um sabe como é a relação com esses animais. E percebe que eles não só entendem o que o dono quer dizer, mas também a forma e o tom que eles dizem as coisas.

Justamente por conta desse comportamento, vários estudos recentes mostram percepções bem surpreendentes a respeito das formas como os cachorros estão programados para conseguirem se comunicar com as pessoas.

Estudo
O estudo mais recente desse tipo descobriu que os cachorros podem entender a diferença entre as ações acidentais e as intencionais dos seus donos. Além desse, outro estudo mostrou que mesmo quando o filhote cresce mais perto de outros cachorros do que de humanos, eles ainda assim conseguem compreender melhor as ações humanas do que filhotes de lobos que são criados com pessoas.

Um terceiro estudo mostrou como os filhotes nascem prontos para interagir com as pessoas sem precisarem passar por qualquer tipo de treinamento.

“As habilidades comunicativas dos cães os posicionam de maneira única para preencher o nicho que eles fazem ao lado dos humanos. Muitas das tarefas que eles realizam para nós, agora e no passado, ou seja, pastorear, caçar, detectar, agir como cães de serviço, são facilitadas por sua capacidade de compreender nossas pistas”, disse Emily Bray, pesquisadora de cognição canina da Universidade do Arizona, em Tucson.

O estudo mais recente também revelou que os cachorros podem saber a diferença entre uma pessoa desajeitada que quer dar a eles uma guloseima, e uma pessoa que está prendendo a guloseima de forma deliberada.

Experimento
Para ter certeza disso, os pesquisadores fizeram um experimento no qual uma pessoa e um cachorro foram separados por uma barreira de plástico que tinha uma lacuna pequena no meio para a mão da pessoa passar. Além disso, essa barreira não estava na sala inteira. Então, os cachorros podiam contorná-la se quisessem.

No experimento, as pessoas passaram a guloseima para os cachorros de três formas diferentes. A primeira, eles ofereceram a guloseima, mas deixavam ela cair do seu lado da barreira e diziam “oops”. Na segunda, se tentou passar a guloseima, mas a lacuna era bloqueada. E na terceira, eles ofereciam a guloseima, mas depois puxavam o braço para trás e riam.

Ao todo, os pesquisadores tentaram essas formas com 51 cachorros e cronometraram o tempo que cada um deles levou para contornar a barreira e pegar a guloseima.

Entendimento
Feito isso, os resultados mostraram que os animais esperaram bem mais para recuperar a guloseima quando a pessoa a segurou de forma proposital do que quando a pessoa a deixou cair ou não a passou pela barreira.

Esses resultados sugerem que os cachorros conseguem distinguir as ações das pessoas, se ela é ou não intencional, e então respondem de acordo.

*Por Bruno Dias
……………………………………………………………………………………..
*Fonte: fatosdesconhecidos

Os animais pensam como nós? Veja o que diz a ciência!

Os animais são capazes de pensar? É bem provável que você já tenha ouvido dizer que eles são movidos apenas por reflexos e que reagem a determinados estímulos. Mas o que diz a ciência sobre isso? Será que seu bichinho de estimação compartilha alguma característica cognitiva com você?

Encontrar respostas para essas e outras perguntas têm sido motivo de estudos de cientistas nas últimas décadas. E algumas descobertas interessantes já surgiram!

Sim, eles são seres pensantes
Para Marc Hauser, professor de psicologia da Universidade de Harvard, os animais são seres pensantes. É claro que tudo depende de como o pensamento é definido. É por isso que os cientistas preferem usar o termo habilidades cognitivas no lugar de pensamentos. Seja como for, os bichos na natureza conseguem entender o ambiente onde vivem.

Hauser tem muita base científica para sua afirmação, afinal, ele estuda a cognição dos animais desde 1980. Para o professor e pesquisador a forma como os bichos encaram o mundo é bem parecida com a dos seres humanos. Ele aponta os chimpanzés como um bom exemplo disso, especialmente devido à vida social agitada e rica desses primatas.

Outra linha de pesquisa conduzida por Hauser e sua equipe é sobre como definir quais os processos de raciocínio são únicos dos seres humanos e quais compartilhamos com os animais. Nesse sentido, o pesquisador ressalta que os animais têm pensamentos estimulantes, mas que a única forma por meio da qual podem transmiti-los é via gestos, grunhidos e vocalizações estranhas.

Sendo assim, a linguagem surge como um fator muito importante para o raciocínio: o ser humano, por exemplo, conseguiu desenvolver mais as suas funções cognitivas e a própria autoconsciência graças ao feedback entre o pensamento e a linguagem.

Mais semelhanças que diferenças
Para o renomado professor e ecologista marinho, Carl Safina, autor de vários livros sobre o reino animal, incluindo Além das palavras: o que os animais pensam e sentem, os animais desenvolveram processos de cognição, sentimentos e conexões sociais que são tão importantes para eles quanto para nós.

Por exemplo, em várias situações eles sabem quem são seus rivais na natureza, os seus amigos e, principalmente, quem eles próprios são. No livro citado, Safina ainda aponta outras correlações entre a forma de pensar e agir de um animal e a do ser humano, como o fato de terem ambições e sempre buscarem um status mais elevado em seu grupo.

Ou seja, tal como nós, os animais têm um “plano de carreira” e pensam nos melhores caminhos para atingirem seus objetivos. Em palavras mais simples, tentam permanecer vivos, obter comida e abrigo, além de criar alguns jovens para a próxima geração passando os conhecimentos adquiridos. Interessante, não é?

Sentimentos próprios, mas nem tanto
Devido à capacidade de pensar e até analisar situações os animais desenvolvem sentimentos e emoções próprios, por exemplo, ficando tristes ou alegres. Porém, eles também são influenciados e até podem copiar atitudes dos humanos.

Um estudo publicado no periódico Plos One, intitulado Dogs’ Social Referencing towards Owners and Strangers, apontou que cães e gatos tendem a observar seus donos antes de decidirem por uma resposta emocional.

Aliás, essa forma de agir é ainda mais evidente e importante para os bichos quando eles são apresentados ou colocados ante uma situação desconhecida.

A química por trás dos pensamentos e emoções dos animais
Como acontece com os humanos, pensar, sentir e agir depende muito da química cerebral. Isso significa que os comportamentos que unem pessoas, assim como aqueles que unem os animais, são baseados em uma variedade de moléculas absorvidas de diversas formas pelo cérebro.

A oxitocina, popularmente conhecida como hormônio do amor, é um exemplo que vale a pena ser comentado. Em todos os mamíferos, incluindo nos humanos, seus níveis aumentam no organismo diante de situações específicas como, por exemplo, no parto, na amamentação e na excitação sexual.

Por isso, entender como determinados hormônios influenciam na forma como os animais pensam e agem é algo fundamental para ampliar nosso conhecimento sobre o tema e, quem sabe, até mudar a maneira como tratamos e observamos o reino animal.

Foram as pesquisas nessa linha que nos permitiram saber que os cães não somente têm um aumento significativo de oxitocina quando estão com outros de sua espécie, mas, também, quando interagem com os seres humanos.

E sabe o mais curioso? Isso é o oposto do que acontece no cérebro de quase todos os demais mamíferos quando se aproximam de nós.

Talvez, não seja por acaso que costumamos dizer que o cachorro é o melhor amigo do homem, até porque o que acontece no cérebro do nosso amigo de quatro patas sugere que ele pensa algo parecido com relação a nós.

*Por Denisson Antunes Soares
……………………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Prisões em SP ganham canil onde presos podem cuidar de animais que estavam abandonados nas ruas

Redução de estresse, melhoras na autoestima e na saúde, desenvolvimento de habilidades afetivas, aumento da capacidade de se socializar… Já está mais do que provado que o convívio com animais traz uma série de benefícios para os seres humanos. Por isso mesmo, a Justiça de SP está apostando nessa relação para garantir o sucesso do processo de reintegração social de seus presos.

Dois centros de detenção do Estado, localizados nas cidades de Tremembé e Taubaté, já instalaram em suas dependências canil que abriga animais que foram tirados das ruas pelos Centros de Controle de Zoonoses da região. Os bichinhos, até então abandonados, passam a ser cuidados pelos presos do local que se encontram em regime semiaberto.

Entre as atividades, banho e tosa, alimentação dos animais, limpeza das dependências do canil e muito carinho aos bichinhos – que já chegam ao local castrados e vacinados.

A ideia é que sejam cuidados pelos detentos em caráter temporário! Isso porque, aos finais de semana, em parceria com organizações protetoras dos animais, os bichinhos são levados para feiras de adoção responsável para que ganhem lares permanentes. De quebra, os adotantes ainda ganham uma casinha para seus novos bichinhos de estimação, construídas por presos de uma terceira penitenciária paulista, localizada na cidade de Caraguatatuba.

Com a iniciativa, os animais conseguem um novo lar. Os presos avançam em seu processo de reintegração social. E todos saem ganhando! Uma ideia para lá de boa para se aplicar em outras regiões do país, não?

Nos EUA, um centro de detenção na Flórida também mantém com sucesso uma iniciativa parecida!

*Por Debora Spitzcovsky
…………………………………………………………………………………
*Fonte: thegreenestpost

Tubarões são flagrados destruindo cabos de internet no oceano

Cabos de internet do Google são atacados por tubarões praticamente todos os dias. O motivo levou a empresa a revestir os materiais de fibra óptica com um sistema parecido com kevlar, semelhante a produtos utilizados para a fabricação de coletes à prova de balas. As feras do mar atacam estes cabos desde que foram instalados pela primeira vez.

Até hoje os pesquisadores não conseguiram identificar por quais motivos os tubarões gostam tanto de morder cabos de transmissão de internet.

Relatos da década de 1980
Os primeiros relatos de que os tubarões gostam de morder os cabos de internet vem de 1985, quando foram encontrados dentes destes animais presos no sistema, dois anos mais tarde, um ataque fez com que quatro segmentos de cabos recém-instalados falhassem.

O jornal norte-americano New York Times chegou a fazer uma publicação curiosa sobre o tema. “Os tubarões mostraram um gosto inexplicável pelos novos cabos de fibra óptica que estão sendo amarrados ao longo do fundo do oceano, ligando os Estados Unidos, a Europa e o Japão”.

A mordida dos tubarões deixou um prejuízo de 250 mil dólares na época. O sistema atacado pertencia a uma companhia telefônica. Naquela época já se falava que os ataques teriam fornecido materiais para estudos que poderiam ajudar a reforçar a segurança das peças.

Por que os tubarões atacam cabos marítimos?
Os tubarões são os grandes predadores do mar, são os mais dominantes e nem mesmo os cabos marinhos de transmissão de dados são poupados por estas feras.

A principal teoria diz que estes animais possuem uma habilidade conhecida por eletrorrecpção, que permite a detecção de campos bioelétricos gerados por peixes, o que é importante para o momento da caça. Contam com “detectores” próximos do nariz, conhecidos por ampolas de Lorenzini, que ajudam a sentir mudanças nos campos elétricos da água.

Embora os cabos que possuam fibra óptica sejam revestidos com outros componentes, ainda podem emitir este sinal que é capaz de confundir os tubarões. Além disso, pode fazer com que fiquem furiosos.

E se a explicação magnética não fizer muito sentido, as mordidas de tubarões podem ser feitas devido a simples curiosidade dos predadores. “Se você tiver apenas um pedaço de plástico com formato de cabo, há uma boa chance de que eles [tubarões] vão mordê-lo também”, comentou o gerente de um laboratório de tubarões da Califórnia, Chris Lowe.

Aqui está um vídeo antigo mostrando um tubarão atacando um cabo de fibra óptica, caso você esteja interessado:

Cabos de internet do Google são atacados por tubarões
Cabos de internet do Google são atacados por tubarões com frequência, para evitar problemas com seus cabos de fibra óptica que cruzam o Oceano Pacífico, a empresa decidiu fazer um revestimento no sistema que conecta Estados Unidos e Japão. A gigante da internet não estava sozinha nesta, projeto que também contou com outras empresas, num investimento total de 300 milhões de dólares.

O Google desenvolveu tecnologias anti-impacto e anti-movimentos fortes para o novo sistema. O projeto tem 9 mil quilômetros de extensão. A rede é conhecida como Faster.

*Por Erik Behenck
……………………………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Ursa tem filhotes e leva até amigo humano para conhecê-los

Os animais sabem reconhecer o coração de uma pessoa boa. Nos Estados Unidos uma ursa, que fez amizade com um homem em 2017, levou os filhotinhos dela para ele conhecer.

Patrick Conley mora em Asheville, na Carolina do Norte. Ele fez amizade com a ursa no verão de 2017 e deu a ela o nome de Simone. Depois disso, ela passou a visitá-lo regularmente.

O homem ficou radiante e honrado por ser tão estimado pela ursa.

“Os filhotes são as coisas mais fofas que já pisaram nesta floresta”, escreveu Patrick na descrição do vídeo que ele gravou e postou nas redes sociais.

 

Nas imagens é possível ver os três animais explorando a varanda da casa do Patrick sem medo algum.

A ursa aparentava estar bem alimentada e preparada para acompanhar as brincadeiras dos seus filhotes.

Momentos depois da visita, a família se despede e volta para os arbustos.

*Assista ao vídeo, postado no mês passado pelo Patrick:

……………………………………………………………………………….
*Fonte: sonoticiaboa

3 descobertas recentes e surpreendentes sobre cães

Um punhado de novos estudos nos oferece descobertas e curiosidades sobre os cachorros e elas são surpreendentes.

Como eles envelhecem, percebem a fala humana e encontram o caminho de volta para casa? Juntas, essas 3 descobertas e curiosidades sobre cachorros podem mudar a forma como você entende o seu companheiro de estimação.

1 – Estamos calculando errado a idade de nossos cães

Em média, os cães vivem 12 anos. Já a expectativa de vida humana é, pelo menos, cinco vezes maior. Talvez seja por isso que utilizamos a lógica – que virou regra – de um “ano canino” para sete “anos humanos”.

Mas essa proporção de um para sete está errada, dizem os pesquisadores.

De acordo com o estudo, as evidências genéticas sugerem que os filhotes de labrador e outros cães jovens envelhecem mais rápido do que os mais velhos.

Por exemplo, a idade de um cachorro de 1 ano é como um humano de 30 anos, disse Trey Ideker, coautor desse estudo, em um comunicado à imprensa.

Com o passar do tempo, nossos amigos caninos envelhecem mais lentamente.

Portanto, para cada ano que um cão envelhece, o aumento em “anos humanos” diminui.

Como calcular a idade real do seu cachorro? Você precisa de uma calculadora, porque a fórmula dos pesquisadores é: 16 In * a idade do seu cão + 31. (In é logaritmo natural de um número

2 – Cachorro entende o que a gente fala

E o processamento dessa comunicação funciona da mesma maneira que entre nós, humanos. Quando nós ouvimos alguém falar, nosso cérebro divide o trabalho de processamento da fala entre os hemisférios esquerdo e direito. O hemisfério direito se concentra em analisar o tom subjacente do alto-falante e, em seguida, o hemisfério esquerdo processa o significado do que ouvimos.

Os pesquisadores em 2014 descobriram que a tarefa de processamento da fala ocorre da mesma maneira em cães, entre os hemisférios esquerdo e direito. Só que esse estudo recente descobriu que os cachorros também entendem primeiro o tom, depois o significado.

Os autores examinaram a atividade cerebral de 12 cães de estimação – seis border collies, cinco golden retrievers e um pastor alemão – usando uma máquina de ressonância magnética funcional.

Enquanto isso, os cães ouviram palavras de elogio conhecidas como “inteligente”, “bom trabalho” e “é isso”, bem como palavras desconhecidas como “como se” e “ainda” em tons de elogio e neutros.

Os dados mostraram que os cães processaram “pistas mais simples e carregadas de emoção” com o primeiro tom e depois “pistas mais complexas e aprendidas”, relatou Atila Andics, um dos coautores, para a imprensa.

3 – Os cães usam o campo magnético como orientação

Sabemos que os cães têm a capacidade fantástica de encontrar o caminho de casa usando o olfato.

Mas essa não é a única ferramenta de navegação à disposição: os filhotes também podem se orientar usando o campo magnético da Terra, de acordo com esse estudo.

Os pássaros, baleias e golfinhos também usam o mesmo sexto sentido e ele é chamado de magnetorecepção. Ele é utilizado para traçar longas migrações.

O campo magnético pode fornecer aos cachorros um quadro de referência ‘universal’, que é essencial para a navegação de longa distância, escrevem os autores do estudo.

Os pesquisadores usaram rastreadores GPS para estudar 27 cães que navegaram em 662 expedições de 2014 a 2017 na República Tcheca. Os cães escolhidos foram raças de caça, como terriers e dachshunds, que são treinados para encontrar presas em florestas e, então, o caminho de casa para seus donos.

Logo, em um terço das expedições, a maioria correu ao longo do eixo norte-sul da Terra. Esta “corrida de bússola” ajuda os cães a descobrir onde estão o norte e o sul magnéticos e onde estão em relação a esses pontos, de acordo com os autores do estudo.

Essa corrida registra o mapa mental com a bússola magnética e estabelece a direção do animal, escreveram os pesquisadores.

Agora, essas curiosidades sobre os cachorros nos ajudam a entender melhor o que se passa na cabeça de nossos companheiros caninos.

*Por Amanda dos Santos

…………………………………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

15 fatos curiosos sobre os gatos

Fortes, ágeis, independentes e curiosos. Estes são só alguns dos adjetivos que podem ser usados para descrever um gato. Para conhecer melhor um dos mais populares animais de estimação, preparamos uma lista especial com fatos curiosos sobre a vida dos felinos.

Curiosidades sobre gatos

1. O gato passa, em média, 2/3 de seu dia dormindo. Ou seja, em nove anos de vida, ele fica acordado por apenas três.

2. O felino é capaz de produzir cerca de cem sons diferentes, enquanto um cachorro faz em torno de dez.

3. De acordo com uma lenda hebraica, Noé pediu a Deus por uma solução para proteger de ratos a comida da Arca. Deus, então, fez um leão espirrar e dali nasceu o gato.

4. O bichinho consegue correr a 49 km/h e pode saltar cinco vezes a sua altura em um único pulo.

5. Quando o felino roça no humano, ele não quer apenas demonstrar afeto. Essa atitude também serve para marcar território.

6. Os gatos pretos são sinal de boa sorte na Austrália e no Reino Unido.

7. A menor raça da espécie é a Singapura com cerca de 1,8 kg. Já a maior é a Maine Coon com um peso médio de 12 kg.

8. Sabe como o gato sai para passear e consegue retornar para casa? Os especialistas acreditam em duas teorias para explicar este fato: o bichinho usa o ângulo da luz do sol para encontrar o caminho de volta ou o seu cérebro conta com células magnéticas que atuam como uma bússola.

9. Em média, um em cada três donos de gatos acreditam que ele pode ler a sua mente.

10. Os felinos têm 32 músculos no ouvido externo e 230 ossos em seu corpo. Em comparação, os humanos possuem 6 músculos e 206 ossos.

11. O gato que mais viveu até hoje foi o Crème Puff. O animal faleceu três dias após o seu 38º aniversário.

12. O bichinho mais rico do mundo é Blackie, que recebeu 15 milhões de libras de herança de seu dono, Ben Rea.

13. Quando um gato está atrás de sua presa, ele mantém a sua cabeça sempre para baixo, ao contrário de um cachorro ou humano.

14. O cérebro do felino é mais parecido com o dos homens do que com o de um cachorro.

15. Um gato quase nunca mia para outro animal da sua espécie. Eles se comunicam por meio de ronronados e silvos.

*Por Gabriela Freire Petry

……………………………………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Gatos são atraídos até mesmo por caixas de papelão imaginárias

Gatos têm muitos hábitos estranhos. Estudos mostram que esses felinos domésticos podem perceber claramente contornos, enxergar bem movimentos rápidos e até mesmo reconhecer seus próprios nomes. Contudo, todo dono de um gato sabe que os bichos amam caixas de papelão.

Nesse sentido, um novo estudo da City University of New York mostrou que gatos podem gostar até mesmo de caixas imaginárias. O estudo foi um projeto científico cidadão realizado durante a pandemia. Ou seja, pessoas não relacionadas à ciência puderam se inscrever e participar do estudo em casa. 500 pessoas se inscreveram para participar do estudo, conquanto apenas 30 tenham realmente terminado a pesquisa seguindo todos os passos.

Os donos dos gatinhos precisavam realizar alguns testes com quadrados de papel. Um deles envolvia colocar um quadrado de Kanizsa no chão. Essa estrutura possui quatro formas parecidas com um pacman que dão a ilusão de formar um quadrado. Os pesquisadores também usaram um quadrado completo de papel e um controle (quadrado de Kanizsa com as formas desalinhadas, não dando a ilusão de ser um quadrado).

A pesquisa mostrou que na maioria dos casos os gatos preferem deitar ou sentar no centro dos quadrados de Kanizsa ou dos completos. Isso indica que esses felinos podem ter uma percepção complexa de contornos e de imaginação de formas, de acordo com os autores.

Por que gatos gostam de espaços fechados?

Cães e gatos são mamíferos, como nós. Portanto, ambos têm cérebros com semelhanças consideráveis aos nossos. No entanto, os caninos dominam de longe o universo das pesquisas e artigos científicos e, de acordo com os autores dessa pesquisa, não está claro porquê.

Por esse motivo, ademais, não há tanta base teórica para os resultados, ainda mais com apenas 30 participantes. Todavia, os pesquisadores puderam tirar algumas conclusões importantes da pesquisa.
Essa pesquisa mostrou que gatos podem perceber contornos imaginários de quadrados.

Essa preferência pelas caixas, mesmo imaginárias, pode ter uma forte relação evolutiva. Provavelmente isso ocorre porque os gatos se sentem mais seguros e protegidos dentro desses espaços. Além do mais, a pesquisa mostra que os animais podem divisar contornos, mesmo ilusórios, muito bem. Isso, por conseguinte, indica mais uma proximidade dos felinos a nós, humanos.

Outro ponto positivo da pesquisa é o ambiente. Devido às restrições sanitárias, todos os donos realizaram os experimentos em casa. Isso permitiu que os animais não tivessem alterações significativas de comportamento devido ao laboratório. Além do mais, o nome da pesquisa também define perfeitamente o comportamento dos nosso amigos felinos desajeitados: ‘‘If I fits, I sits“.


*Por Matheus Marchetto

…………………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Por que os cachorros ficam malucos depois de tomar banho?

Se o seu cachorro adora tomar um banho, considere-se um verdadeiro sortudo. De maneira generalizada, todo dono de animal de estimação sofre para tentar deixar seu pet limpinho e, por vezes, podem precisar realizar algumas manobras físicas para conseguir manter seu companheiro em contato com a água.

Tomar banho pode ser um ato tão triste para os cachorros, que alguns inclusive adotam uma espécie de marcha fúnebre em direção ao banheiro quando descobrem que a tão odiada hora está para chegar. Mas qual o motivo para isso acontecer? É sobre esse fenômeno que nós falaremos nesse texto.

Se livrando de um pesadelo

É bastante comum vermos cachorros ficarem completamente malucos após o fim de uma boa ducha, quase como se tivessem se livrado de uma maldição interminável. É como se eles fossem do inferno ao céu em apenas dois segundos e estivessem prontos para bagunçar tudo que encontrarem pela frente.

Porém, toda essa confusão tem uma explicação. Em entrevista para o The Dodo, a veterinária Ladan Mohammad-Zadeh disse que o êxtase pós-banho acontece, em parte, por uma resposta à sensação física de estar com o pelo úmido. “Rolar, sacudir e quicar nos móveis depois de um banho revigorante pode ser um instinto canino para manter seu pelo de proteção seco e quente”, explicou.

Na visão de Ladan, é bastante possível que os cachorros achem desagradável a sensação de estar com o corpo mais pesado pelo excesso de água. Então, o instinto faz com que eles procurem qualquer maneira para se livrarem desse incomodo momentâneo e adquiram certa propensão a detestar tomar duchas.

Em busca da sujeira

Outro fator que explica a aversão dos cães pelo ato de tomar banho é a ansiedade. Quando eles são obrigados a permanecer debaixo d’água e receberem doses de shampoo no pelo, esses animais costumam ficar bastante ansiosos. Por isso, quando o “pesadelo” chega ao fim, eles costumam sair correndo feito malucos para liberar esse acumulo de energia.

Além disso, os cachorros são criaturas que se baseiam muito no olfato. Cães querem sempre cheirar como cães, o que não costuma acontecer quando as fragrâncias do shampoo tomam conta de seus pelos. No geral, os cães tendem a ficar selvagens depois do banho porque querem se sentir como um cachorro novamente – livres, secos e apenas um pouco sujos.

*Por Pedro Freitas

……………………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Vídeo mostra grupo enorme de golfinhos na Califórnia

Um grupo de turistas estava em um barco de observação de baleias na costa da Califórnia e, ao invés dos grandes mamíferos, tiveram a sorte de assistirem a um outro espetáculo emocionante: uma “debandada” de golfinhos!

Um vídeo postado no YouTube mostra centenas, ou quem sabe milhares, de golfinhos nadando juntos, em uma mesma direção, no dia 19 de março.

A empresa de turismo Dana Point Whale Watching opera na cidade de Orange County e acompanhou a grande turma de golfinhos por cerca de 4 horas.

Os golfinhos são mamíferos que vivem no mar, e a terminologia correta para estes grandes grupos é tema de discussão, mesmo entre especialistas já que o termo cardume é usado para peixes e manada é mais comum para mamíferos terrestres.

Independente do nome que esta enorme “turma” receba, é fascinante ver tantos golfinhos juntos. Eles normalmente viajem em grupos de no máximo 200 animais, mas quando a concentração de alimentos é muito grande, o número pode subir – e muito!

O termo “debandada” (stampede, em inglês), gerou críticas já que pode passar a ideia de uma movimentação desordenada e os golfinhos se movimentam de forma bastante organizada e coordenada, mesmo quando o grupo é enorme.

Esta não é a primeira vez que o fenômeno é registrado. Um dos casos mais espetaculares foi em 2013, quando cerca de 100 mil golfinhos foram avistados na costa de San Diego, conforme a NBC 7 San Diego relatou na época. O grupo era tão grande que ocupou uma área de cerca de 88 quilômetros quadrados no oceano.

*Por Natasha Olsen

……………………………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Criatura marinha se despedaça em frente às câmeras e intriga internautas

Uma criatura marinha encontrada a mais de mil metros de profundidade que se despedaça em frente às câmeras.

O vídeo intrigou parte dos mais de um milhão de pessoas que o visualizaram o vídeo. A gravação foi feita com um Veículo de Operação Remota (ROV, na sigla em inglês) subaquático capturou uma criatura parecida com uma água viva.

É possível ver o animal ser filmado de longe e a câmera se aproximando. Depois disso, a criatura nada por poucos segundos e parece ser sugada por uma espécie de vácuo, se dividindo em vários pedaços.

De acordo com os donos do canal do Youtube “Capitain JRD”, as imagens não sofreram nenhum tipo de alteração e foram capturadas durante uma expedição do ROV nas profundezas do Oceano Índico, na costa leste do continente africano.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Envenenamento de cães e gatos: como proceder em caso de intoxicação

Acidentes acontecem. Não é raro um animal doméstico, cão, gato, etc ingerir um produto que possa causar-lhes danos, às vezes irreversíveis. O que fazer em casos de envenenamento e intoxicação?

O ideal é sempre prevenir, pois são inúmeros os produtos de uso doméstico que são tóxicos para seu pet.

Entre os mais comuns estão: bebidas alcoólicas, amônia, água sanitária, chocolates, detergentes, fertilizante, lustra-móveis, medicamentos humanos, limpadores de forno, etc.

Apesar de todos os cuidados que temos em casa, há ainda os perigos externos e os casos de envenenamento devido ao uso irresponsável de raticidas.

O chumbinho é um dos raticidas mais conhecidos e usados no Brasil, apesar de ilegal, a falta de esclarecimento à população e a falta de fiscalização faz com que seu uso seja feito em larga escala com vários propósitos, infelizmente também por pessoas que não gostam de cães e gatos e até em casos de suicídio o chumbinho é famoso.

Outro veneno proibido, porém facilmente encontrado é o composto 1080 ou Monofluoracetato de sódio, não possui cheiro e nem sabor, é altamente solúvel em água e pode ser rapidamente absorvido pela pele. Em animais domésticos e no ser humano, este veneno age no sistema nervoso central, sistema respiratório e no coração. Em no máximo 30 minutos é absorvido pelo organismo e provoca convulsões, coma e morte.

Sintomas de intoxicação por veneno

De forma geral, os sintomas mais comuns nas intoxicações por venenos em cães e gatos são:

Quadros convulsivos;
Apatia: o animal não responde a estímulos e há mudança brusca do comportamento normal;
Salivação excessiva, misturada ou não com vômitos;
Podem ocorrer fortes tremores musculares ou fraqueza, o animal pode não conseguir ficar de pé;
Pode apresentar sangue na urina e ou diarreia.

SOS animal: como proceder nesses casos

Saber o que fazer pode fazer toda a diferença entre a vida e a morte de um animal. Envenenamentos são emergências e, nesses casos, o ideal é procurar imediatamente um médico veterinário, se possível leve junto o rótulo da substância ingerida.

Apesar de existir várias fontes, na internet, que apresentam receitas caseiras e antídotos para o envenenamento, é importante citar que na maior parte dos casos, não existe antídoto específico, e o tratamento é feito com base nos sinais clínicos que o animal está apresentando.

É muito comum acreditar que fazer o bichinho vomitar o que ingeriu o fará melhorar. Isso não é verdade e pode ser muito perigoso – o vômito só ajuda em determinadas situações, em outras, piora o quadro. Por exemplo, em envenenamentos por substâncias cáusticas que são extremamente irritantes às vias aéreas, boca e esôfago e causam queimaduras químicas, se esse tipo de substância for ingerida e depois vomitada, ela causará queimaduras químicas em todo esôfago e boca do animal.

Portanto, induzir o vômito por meio de substâncias como água oxigenada ou água morna com sal pode piorar o quadro de intoxicação quando não se sabe a causa do envenenamento.

O uso do leite também é vetado, pois além de não ser recomendado para cães e gatos, apresenta um pH neutro, bem mais alto que o do estômago, o que faz com que o leite atue como neutralizante apenas se o veneno tiver caráter ácido. Caso contrário, se o veneno for de caráter básico, o leite pode potencializar a ação da substância tóxica fazendo com que ela seja absorvida mais rapidamente ainda.

Ganhe tempo

Para retardar a ação da substância tóxica e ganhar tempo para levar o animal ao veterinário, é recomendado o uso do carvão ativado em cápsulas – facilmente encontrado em farmácias, ele age como substância adsorvente.

Ao ser ingerido ele liga-se ao veneno no estômago e impede a sua absorção e ação.

Deve-se dar o carvão logo, até 30 minutos após o envenenamento, pois com o tempo a substância vai sendo absorvida para a corrente sanguínea, e aí o carvão já não faz mais o efeito desejado.

Outra forma de retardar o efeito do veneno é o uso de uma colher de mel, que funcionará como protetor gástrico.

Deve-se lembrar que tanto o mel quanto a cápsula de carvão devem ser ministrados com o animal totalmente consciente, para que não haja o risco de afogamento ou falsa via.


Denuncie
Caso ocorra um envenenamento doloso com o seu pet ou algum animal próximo, peça um laudo ao médico veterinário, registre um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia, DENUNCIE, pois, além de ser crime de maus-tratos contra os animais, a comercialização clandestina de raticidas é crime com penalidades previstas em lei.

Lembre-se que envenenamentos são casos de emergência e o tempo é crucial nesses momentos, quanto mais cedo o animal for socorrido maiores serão as chances de sobrevivência.

*Por Daia Florios

……………………………………………………………………….
*Fonte: greenme

Cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Muitas pessoas sofrem alergia de cães e gatos. Cerca de 40% das crianças asmáticas também são alérgicas a animais. Mas podemos nos perguntar: cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Assim que o dono percebe o comportamento estranho de seu animal de estimação, ele corre imediatamente ao veterinário em busca de uma solução. No entanto, os veterinários nem sempre podem diagnosticar o animal.

Infelizmente, hoje, quando o dono percebe que seu gato ou cachorro é alérgico, o veterinário pode apenas sugerir que ele remova gradualmente os possíveis alérgenos e monitore a condição do animal. Portanto, é muito difícil dizer de forma inequívoca se uma pessoa pode causar uma reação alérgica em um animal, mas existem várias teorias sobre o assunto.
Cerca de 40% das crianças asmáticas são alérgicas a animais. Mas podemos nos perguntar: cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Douglas Deboer, dermatologista da Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Wisconsin, observa que, se um animal for alérgico a humanos, isso será extremamente raro. O cientista observa que pode ocorrer uma reação alérgica em um animal devido à caspa humana, por exemplo, assim como começamos a espirrar ao ver um gato ou um cachorro, pois nossa reação alérgica aos animais é, geralmente, causada pela caspa do animal, ou seja, as células mortas da pele.

Elia Tate Voino, imunologista da Universidade de Washington, observa que o teste de alergia em animais é um processo muito complicado. Os veterinários nem mesmo fazem isso para verificar se há alergias alimentares, então não está claro se os animais podem ser alérgicos a humanos. Na maioria das vezes, o médico simplesmente prescreve medicamentos para o animal de estimação para o tratamento de alergias, sem realizar exames sérios. Portanto, em nível populacional, é difícil entender quantos animais são alérgicos.

No entanto, embora a existência de alergias humanas em cães e gatos seja uma questão discutível, há evidências de que os animais de estimação podem ser alérgicos uns aos outros. Embora muito raros, houve casos em que gatos com tendência a desenvolver asma eram alérgicos a cães.

*Por Damares Alves

………………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Esta é a música perfeita para acalmar gatos, aponta estudo

Não é surpresa para ninguém que a música tem um grande poder tranquilizante para os humanos. São inúmeras as playlists criadas para este fim que são usadas em momento de trabalho, estudo, sono e estresse, por exemplo. Agora um novo estudo aponta qual é a música perfeita para acalmar gatos.

A informação vêm do estudo Efeitos da música no comportamento e resposta fisiológica ao estresse de gatos domésticos em uma clínica veterinária, da Universidade do Estado da Luisiana (Louisiana State University – LSU). Os pesquisadores notaram que durante o processo de anestesia geral, os gatos ficam fisiologicamente sensíveis à música, sendo que a música clássica é mais suave do que pop ou heavy metal.

A música acalma à todos

Quem já conhece os trabalhos do Dr. Oliver Sacks, com o livro Musicofilia: Histórias sobre a Música e o Cérebro (Musicophilia – Tales of Music and the Brain), sabe que os sons são aliados na medicina humana. A experiência já demonstrou evolução na função motora e cognitiva em pacientes diagnosticados com AVC, contribuindo na diminuição de ansiedade por conta de exames e cirurgias.

A LSU decidiu observar os efeitos de uma canção produzida especialmente para os bichanos. Os autores se referem a música como sendo composta por “linhas melódicas baseadas em vocalizações aflitivas e sons gratificantes. Essas melodias são interpretadas como mais prováveis ​​de serem eficazes se o objetivo é acalmar um gato agitado”, apontaram.

Eles ainda acrescentam que a composição se inspira nos anos iniciais do felino. “A música se baseava na ideia de que o desenvolvimento dos centros emocionais no cérebro do gato ocorre logo após o nascimento, durante a fase de amamentação, pois os sons de ronronar e de amamentar são comuns nesse estágio de desenvolvimento, que são agrupados em tempos e frequências utilizados. na vocalização felina para criar música específica para gatos”, ponderam.

Para analisar como a música ajuda a acalmar gatos no consultório, eles testaram 20 animais que se inscreveram previamente no estudo. Os bichanos ouviram por 20 minutos a canção Scooter Bere’s Aria, de David Teie, música clássica ou nenhuma outra em ordem aleatória. Foram realizados três exames físicos na clínica veterinária, com duas semanas de intervalo.

Ouça abaixo a música perfeita para acalmar gatos

A melodia da composição Scooter Bere’s Aria, de David Teie tem efeito relaxante para os felinos.

Durante os exames, os pesquisadores concluíram que os animais pareciam menos estressados quando tocavam a melodia criada para os gatos do que outros estilos e métodos. No relatório, eles afirmaram que: “Os CSSs (escores de estresse de gatos – cat stress scores) são significativamente menores quando os gatos ouviram música de gato em comparação com a escuta do silêncio ou da música clássica”, escreveram os autores. “É possível que comportamentos tranquilos possam ser alcançados em um ambiente clínico veterinário com a introdução de músicas específicas para gatos” concluem.

Já vimos por aí diversos exemplos que as pessoas utilizam para tranquilizar seus animais domésticos quando vão ao veterinário. Talvez a música possa ser uma grande alternativa, e quem sabe até o dono fique mais relaxado.

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Como é que as aves resistem à chuva e ao frio?

Com a chegada do Inverno muitas aves migram para África, mas outras permanecem nos locais onde nasceram, incluindo os pequenos passeriformes. João Eduardo Rabaça, da Universidade de Évora, explica como estas espécies fazem frente às temperaturas mais baixas.

O Inverno chegou e os dias ficam mais frios e chuvosos. Para os passeriformes, esta é uma altura “exigente”: “Noites longas e temperaturas baixas obrigam estas aves a encontrarem energia extra”, nota João Eduardo Rabaça, que é professor da Universidade de Évora e coordenador do LabOr – Laboratório de Ornitologia.

Estas pequenas aves dedicam-se a acumular “as reservas de gordura suficientes que lhes permitam sobreviver”, pelo que passam a maior parte do dia a comer. De acordo com o British Trust for Ornithology, os chapins-azuis (Cyanistes caeruleus) – que podemos observar em muitos espaços verdes, incluindo o Jardim Gulbenkian, em Lisboa – podem gastar cerca de 85% das horas de luz disponíveis num dia de Inverno em busca de alimento, refere este investigador.

Ao mesmo tempo, para os passeriformes em geral, o “revestimento plumoso permite a existência de bolsas de ar debaixo das penas, conferindo-lhes uma ajuda adicional para manterem o corpo quente.”

Algumas espécies começam a preparar-se para a estação mais rigorosa do ano logo no Outono, como acontece com o pardal-comum (Passer domesticus), exemplifica. “Cresce-lhes uma penugem por baixo da plumagem principal aumentando o peso do revestimento do corpo em 70%! E assim asseguram uma melhor proteção térmica.”

Mas há ainda outras estratégias pouco conhecidas. Quando estão em actividade, a temperatura corporal das aves é superior à dos humanos, pois “ronda os 41ºC, embora haja variações.” No entanto, para enfrentarem noites mais frias, em algumas espécies a temperatura corporal chega a baixar 10ºC ou mais ainda – um processo designado por torpor ou heterotermia diária, adianta o investigador. “Desta forma, as aves conseguem economizar energia. O caso mais impressionante é de uma espécie de beija-flor que ocorre nos Andes e que durante a noite pode atingir uma temperatura corporal de 3,26ºC!”, revela o coordenador do LabOr. “É um exemplo extremo, mas é também um extraordinário exemplo da capacidade de adaptação destes animais.”

Mais comum é a hipotermia regulada, que se traduz “numa redução da temperatura corporal mais modesta, normalmente à volta dos 5 a 6ºC.” Com este método, as aves precisam de muito menos energia para que o corpo regresse à temperatura “normal” quando chega a manhã.

Mas apesar de estar mais frio por estes dias, a verdade é que “o Inverno no sul da Europa e em particular no nosso país é bastante ameno quando comparado com a realidade do centro e norte da Europa, por exemplo”. Por essa razão – lembra o investigador, que é também autor do livro “As aves do Jardim Gulbenkian” – são inúmeras as aves que no final do Verão deixam as regiões setentrionais para migrarem rumo a sul, onde vão permanecer durante a estação fria. É o caso por exemplo do lugre (Spinus spinus) e do tordo-comum (Turdus philomelos).

*Por Ines Sequeira

………………………………………………………………………………..
*Fonte: wilder

Biodiversidade de aves e índices de felicidade humana estão ligados

Quanto maior a biodiversidade de pássaros, mais felizes são as pessoas nesta região. Esta é a conclusão de uma estudo publicado pelo German Center for Integrative Biodiversity Research. Os cientistas mostram que a conservação da natureza é tão importante para o bem estar das pessoas quanto a segurança financeira.

O estudo foi publicado na Ecological Economics (Economia Ecológica, em português) e, com dados de moradores de cidades europeias, determinou que os índices de felicidade estão relacionado a um número mínimo de espécies de pássaros.

“De acordo com nossas informações, os europeus mais felizes são justamente os que tem contato com um número maior de espécies de pássaros na sua rotina diária, ou aqueles que vivem perto de áreas verdes que abrigam muitas destas espécies”, explica o Dr. Joel Methorst, da Universidade Goethe, em Frankfurt, que liderou o estudo.

De acordo com os cientistas, estar Cercado de 14 espécies de pássaros tem o mesmo efeito no bem estar das pessoas do que uma aumento mensal de US$ 150.

Mais de 26 mil pessoas foram entrevistadas para a pesquisa. Foram usados dados da pesquisa sobre qualidade de vida realizada em 2021, European Quality of Life Survey, para explorar a conexão entre a diversidade de espécies no entorno de casas, bairros e cidades, e como esta informação está relacionada com índices de satisfação.

Os autores afirmam que os pássaros são um dos melhores indicadores de biodiversidade nas mais diversas áreas, porque estes animais podem ser vistos e ouvidos nos seus ambientes naturais, mas também em centros urbanos. No entanto, uma variedade maior de pássaros é encontrada em áreas verdes mais conservadas, regiões afastadas ou próximo de cursos de água.

Nos Estados Unidos, a observação de pássaros se tornou um hobby mais comum neste ano de pandemia. Apesar de não ser uma atividade nova, ela vem atraindo cada vez mais pessoas. Milhares de observadores de pássaros, entre experts e amadores, participaram de uma atividade anual de 3 semanas em Nova Iorque que reúne amantes da natureza para uma contagem de pássaros em áreas específicas, divididas por grupos.

“Conservar a natureza não garante apenas as nossas necessidades básicas para uma vida saudável, é um investimento no bem estar de todos.”

*Por Natasha Olsen

…………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Estudo mostra que preferir gatos está associado a alta inteligência

Embora existam cada vez mais pessoas no mundo que possuem gatos, parece que os cães reinaram muito tempo supremos. E eu posso entender o apelo deles. Mas acho que não é preciso dizer que os cães não são para todos. Cães dão muito trabalho. E os cães também precisam caminhar.

Às vezes, os gatos podem ser exigentes, mas os cães são exigentes, o dobro. Preferir gatos é algo que nunca conseguimos explicar, defender ou justificar. Embora as pessoas que gostam de cachorros provoquem os amantes de gatos do mundo, somos de pele grossa – assim como nossos amigos felinos!

Para algumas pessoas, como nós, gravitamos naturalmente em direção aos gatos. E não há nada de errado nisso. No final do dia, é sua decisão inteligente. E você nunca deve sentir que preferir gatos é uma coisa ruim!

Mas sejam quais forem suas preferências, muitas pessoas rotularam injustamente os donos de gatos de “reclusos” ou “introvertidos” e até “anti-sociais” em comparação com aqueles que são cães dedicados.

Felizmente agora os amantes de gatos podem ter uma conotação nova e muito mais favorável: altamente inteligente!

Sim, está certo.

De acordo com um estudo sobre o assunto, entre 600 participantes, foi demonstrado que os donos de gatos e os que são atraídos pelo tipo felino em geral têm um QI mais alto.

Que tal preferir gatos o torna mais inteligente, exatamente? Bem, aqui está o que eles encontraram …

Em relação ao estudo, psicanalista e proprietário da Clínica McKeown, Steve McKeown disse à UNILAD:

“… As pessoas com cães podem ser mais sociais e extrovertidas e as pessoas com gatos são muito mais sensíveis e de mente aberta”.

Ele também observou que os donos de gatos eram menos neuróticos que os donos de cães.

Aqueles que preferem gatos tendem a não ser conformistas, alguém que defende o que acredita, apesar do que o outro pensa, o que de muitas maneiras talvez reflete a independência pela qual os gatos são famosos! E as pessoas com gatos também pontuam mais alto nos testes de inteligência e são mais instruídas.

Donos de gatos são mais propensos a possuir diploma universitário do que os donos de cães. Pessoas instruídas tendem a trabalhar mais horas e optam por animais de estimação que complementam suas circunstâncias pessoais e estilo de vida.

Coincidentemente, um estudo realizado em 2010 descobriu que dos 4.500 participantes, os amantes de cães tendem a ser mais extrovertidos.

Este mesmo estudo mostrou que os amantes de gatos foram relatados como conscientes, com um forte desejo de seguir regras. Assim como os felinos, parece que nós, os gatos, preferimos uma rima e uma razão a tudo o que fazemos!

*Por Modi Ramos

………………………………………………………………………………
*Fonte: resilienciamag

Mergulhador é engolido por baleia e diz: ‘abriu a boca para me cuspir’; veja vídeo

O mergulhador profissional sul-africano Rainer Schimpf foi engolido por uma baleia na cidade de Porto Elisabete, na África do Sul. Enquanto o homem gravava predadores se alimentando de sardinhas na costa meridional do continente africano, uma gigante baleia-de-Bryde estava o abocanhando.

‘Jonas na baleia’?

Schimpf ainda disse que sentiu uma pressão nas suas costelas e não conseguiu ver a aproximação da baleia, que, segundo ele, o soltou quando percebeu que estava abocanhando um bicho enorme vestido numa roupa de mergulho. Em uma história quase similar ao mito bíblico de ‘Jonas na Baleia’, que ficou três dias dentro do animal, o mergulhador sul-africano acabou passando apenas alguns segundos entre os dentes do mamífero marinho.

“Eu estava filmando golfinhos, tubarões, pinguins e aves que se alimentam de sardinhas, quando, das profundezas, uma baleia Bryde surgiu, engolindo tudo em seu caminho. Foi apenas uma questão de segundos antes que a baleia percebesse seu erro e abrisse a boca para me cuspir”, afirmou o mergulhador à AFP.

Ao invés de entrar em estado de choque e voltar pra casa após uma experiência de quase-morte, Rainer Schimpf logo se recuperou e voltou a fotografar os tubarões que nadavam pelas águas de Porto Elisabete. Haja coração, hein?

“Verificamos que o equipamento estava ok, que eu não tinha ossos quebrados, que tudo estava no lugar. Adrenalina ao máximo, eu não queria perder essa sessão de mergulho, voltei para a água, dessa vez em busca de tubarões. Predadores como baleias ou tubarões vão com tudo sobre suas presas e muitas vezes nossa visibilidade é extremamente baixa”, completou.

*Por Yuri Ferreira

Confira o vídeo que mostra o homem quase sendo engolido por uma baleia:

………………………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Razões para amar um animal com tanta intensidade

O famoso psiquiatra Sigmund Freud disse que as razões que nos levam a amar um animal com tanta intensidade são compreensíveis quando vemos que o amor delas é incondicional.

A relação que temos com nossos animais é libertada dos conflitos insuportáveis ​​da cultura. Freud estava certo quando disse que “os cães não têm a personalidade dividida, nem a crueldade do homem civilizado nem vingança deste último contra as restrições que a sociedade impõe.”

Ele corretamente disse que um cachorro contém a beleza de uma existência completa. E que um sentimento de afinidade íntima, de solidariedade indiscutível, existe muito claramente.

“As emoções simples e diretas de um cachorro, quando ele abana o rabo para expressar sua alegria ou latidos para mostrar seu descontentamento, são muito mais agradáveis. Os cães nos lembram dos heróis da história e talvez seja por isso que eles frequentemente recebem seus nomes. “

-Sigmund Freud-

O cachorro vive em média 12 anos … Por que é tão injusto?

O fato de um cão ou gato viver apenas 12 anos em média é incompreensível e injusto. Por quê? Porque perder a oportunidade de continuar a compartilhar a vida com uma pessoa de quatro patas é extremamente doloroso.

Quando amamos um animal, todo o tempo que passamos com ele não é suficiente. Porque quando estamos com ele, quando olhamos para ele com ternura e amor, percebemos que o tempo passa rápido demais.

Percebemos essa sensação de tempus fugit quando, a cada carícia, sentimos o coração do nosso animal agitar-se no nosso. No entanto, o contraste aparece quando, após cada olá e depois de cada momento compartilhado, entendemos que esse amor é infinito.

Suas superpotências, armas de bondade maciça

Pensamos, com ternura, que nossos queridos animais têm superpoderes. Isso nos faz amá-los muito. Quando fazemos uma lista mental de tudo o que nos surpreende em casa, não podemos deixar de sorrir.

Quando amamos um animal, muitas coisas nos surpreendem e nos amolecem. Sua capacidade de prever o futuro ou “sentir” quando vamos para casa . Sua empatia e capacidade de estar em sintonia com o nosso estado emocional. Sua habilidade em nos confortar e nos motivar …

É difícil deixar nossos animais sozinhos em casa. Seus olhos suplicantes nos enchem de dificuldade. Mas a alegria deles em nos ver nos inunda de felicidade.

Os animais são, sem dúvida, os melhores terapeutas possíveis para muitas pessoas. Sua nobreza e bondade não têm limites. Se não temos um animal para amar, parte da nossa alma está adormecida. Mas esta reservou um espaço para amar os animais. Para desfrutar de seu amor incondicional e suas lições.

A declaração “ninguém jamais amará você mais do que a si mesmo” perde seu significado. Porque os animais são verdadeiros mestres na arte do amor. Cada segundo gasto com eles é um presente. Amar um animal é uma das mais belas experiências. Aqueles que viveram sabem disso.

…………………………………………………………………….
*Fonte: pensacontemporaneo

Instituto Ocean Voyages bate recorde de maior remoção de lixo plástico do Pacífico

O Ocean Voyages Institute diz que fez história nesta semana, retornando ao porto de Honolulu na terça-feira, depois de remover com sucesso 103 toneladas de redes de pesca e plásticos de consumo do Great Pacific Garbage Patch.

Mais do que dobrou seus próprios resultados recordes de uma passagem de 25 dias no ano passado durante esta expedição de 48 dias. Mary Crowley, fundadora e diretora executiva do grupo, diz que estão voltando ao mar em dois dias para coletar mais detritos.

“Estou tão orgulhoso de nossa equipe que trabalha duro”, diz Crowley. “Nós excedemos nosso objetivo de capturar mais de 100 toneladas de plásticos tóxicos para o consumidor e redes ‘fantasmas’ abandonadas – e nestes tempos desafiadores, continuamos a ajudar a restaurar a saúde do nosso oceano, o que influencia nossa própria saúde e a saúde das pessoas. planeta.”

Conhecida como o ‘Ghost Net Buster’, Mary Crowley é conhecida por desenvolver métodos eficazes para remover quantidades significativas de plásticos do oceano, incluindo 48 toneladas (96.000 libras) de plástico durante duas viagens de limpeza oceânica em 2019, incluindo uma que pegou redes que prenderam o lixo nas ilhas havaianas.

“Embora as limpezas de praia sejam a maneira mais eficiente de coletar lixo, a limpeza do oceano – interceptando-a antes de chegar à costa – é muito importante”, disse Nikolai Maximenko, da FloatEco, à GNN durante uma entrevista à imprensa do Zoom. “Nada pode substituir o esforço no oceano.”

A bordo do navio de carga, a equipe usa rastreadores de satélite GPS desde 2018, projetados com a ajuda do engenheiro Andy Sybrandy, da Pacific Gyre, Inc. A teoria de Crowley provou ser bem-sucedida de que um rastreador pode levar a muitas redes. O oceano frequentemente ‘classifica’ os detritos flutuantes para que uma rede de pesca marcada possa levar a outras redes e uma densidade de detritos em um raio de 24 quilômetros.

“Estamos utilizando equipamentos náuticos comprovados para limpar efetivamente os oceanos e inovar com novas tecnologias”, diz Crowley em um comunicado à imprensa. “O Ocean Voyages Institute é líder em pesquisa e limpeza do oceano há mais de uma década, concedido com menos alarde e atenção do que outros, mas com paixão e comprometimento e causando impactos significativos”.

O Ocean Voyages Institute descarregou o recorde de lixo plástico oceânico nesta semana enquanto atracava ao lado do Pier 29, graças ao apoio da Matson, com sede em Honolulu, em preparação para a reciclagem e descarte adequado. A equipe está comprometida com 0% de término em qualquer aterro sanitário e está enviando os detritos classificados para as empresas de reciclagem que serão transformadas em isolamento, energia etc.

O navio cargueiro S / V KWAI deixou o porto havaiano de Hilo em 4 de maio, após um período de quarentena auto-imposto de três semanas para garantir a saúde dos membros da tripulação, diante da pandemia do COVID-19.

Os faróis de rastreamento por satélite GPS estão sendo colocados nas redes de pesca por iates e navios voluntários.

O Ocean Voyages Institute está se lançando em uma segunda viagem que partirá em dois dias para continuar a limpeza da área, mas sua duração (entre 25 e 30 dias) será determinada por doações e captação de recursos. Você pode doar por cheque, paypal ou outro método no site deles.

“Nosso objetivo é ter outros 3-4 barcos trabalhando no próximo ano – todos trazendo grandes cargas de detritos”, disse Crowley (que passa a maior parte do ano em Sausalito, Califórnia) por telefone à GNN. “Temos embarcações querendo ajudar na limpeza, então agora podemos começar a fazer uma grande mudança, porque nossas soluções são escaláveis.”

A longo prazo, eles pretendem se expandir para outras partes do mundo que precisam desesperadamente de ajuda na limpeza, para que as redes de pesca abandonadas nunca mais entremeadas ou prejudiquem uma baleia, golfinho, tartaruga ou recife.

………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Pesquisa sugere que cães preferem ouvir reggae e rock leve a outros gêneros musicais

Os cães aparentemente preferem ouvir reggae e rock leve em vez de outros gêneros musicais, de acordo com pesquisadores.

A organização protetora dos animais SPCA Escocesa e a Universidade de Glasgow publicaram um estudo sugerindo que a música afeta os cachorros.

Os cientistas tocaram uma grande variedade de canções para os animais em um canil em Dumbarton, na Escócia, e perceberam mudanças psicológicas e de comportamento.

Segundo o professor Neil Evans, as mudanças mais positivas foram observadas quando eram tocados reggae e rock leve.

Mas apesar desses gêneros terem sobressaído, Evans explicou que cada cachorro tem seu próprio gosto musical.

“Em geral, a resposta para diferentes gêneros foi misturada, evidenciando a possibilidade de que, como os humanos, nossos amigos caninos têm suas próprias preferências musicais.”

Lista musical para cães

Os cachorros foram submetidos a cinco gêneros musicais: rock leve, motown, pop, reggae e clássico.

O estudo sugere que os cães passaram “significativamente mais tempo deitados e menos tempo em pé” quando música era tocada, independente do gênero.

Medindo os batimentos cardíacos dos animais, os pesquisadores disseram ter percebido uma diminuição do nível de estresse quando a música era tocada, especialmente rock leve e reggae.

A estudante de pós-graduação Amy Bowman, participante do estudo, explicou a análise.

“Nós estávamos interessados em explorar os efeitos de tocar diferentes gêneros de música”, disse. “Estava claro que as mudanças psicológicas e comportamentais observadas eram mantidas durante o teste, quando os cachorros foram expostos a uma variedade de músicas.”

Diante dos resultados, a organização de defesa dos animais SPCA Escocesa disse que agora investirá em sistemas de som para seus canis.

“Nossos centros em Glasgow e Edimburgo têm capacidade para tocar música nos canis hoje”, afirmou Gilly Mendes Ferreira, da SPCA Escocesa.

“No futuro, todos os centros serão capazes de oferecer aos nossos amigos de quatro patas uma lista de músicas aprovadas por cães. E há o objetivo de expandir essa pesquisa para outras espécies sob nossos cuidados.”

……………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

Cientistas aprimoram método para calcular “idade humana” de cachorros

Se você já multiplicou a idade do seu cachoro por sete para calcular sua “idade humana” saiba que essa prática não passa de um mito. Felizmente, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos, criaram uma nova fórmula para comparar com mais exatidão as idades de humanos e cães.

Publicado na revista científica Cell Systems, o estudo fornece um “relógio epigenético” capaz de determinar dados precisos sobre a idade de células, tecidos ou organismos das duas espécies. O cálculo é baseado na comparação das mudanças moleculares do grupo metil em genes caninos e humanos à medida que envelhecem.

Segundo Trey Ideker, líder da pesquisa, as mudanças no funcionamento do material genético fornecem pistas sobre a idade do genoma da mesma forma como as rugas no rosto de uma pessoa indicam sua idade. “Dada a proximidade com a qual vivem conosco, talvez mais do que qualquer outro animal, as exposições ambientais e químicas de um cão são muito semelhantes às humanas e recebem quase os mesmos níveis de assistência médica” afirmou o autor, em comunicado.
Segundo o gráfico criado pelos cientistas, os cães envelhecem rápido até os sete anos de idade (Foto: Reprodução/UniversidadedaCalifórnia)

Segundo o gráfico criado pelos cientistas, os cães envelhecem rápido até os sete anos de idade (Foto: Reprodução/UniversidadedaCalifórnia)

O resultado é um gráfico que pode ser usado para estimar a “idade humana” de um cachorro. Ele mostra que, no início de sua vida, os bichinhos envelhecem rapidamente em comparação com os seres humanos. Porém, aos sete anos de idade, o envelhecimento do cão diminui. Pelo gráfico, um cachorro de um ano, por exemplo, teria o equivalente a 30 anos humanos, já um cão de quatro anos é semelhante a um humano de 52 anos de idade.

Os cientistas usaram apenas amostras sanguíneas de labradores, o que limita o relógio epigenético, uma vez que algumas raças de cães vivem mais do que outras. Assim, o próximo passo da equipe e aumentar a quantidade de raças para determinar se os resultados se mantém.

………………………………………………………………………
*Fonte: revistagalileu

3 razões para você conversar mais com seu cachorro

Eu, particularmente, adoro conversar com cachorros. Bater um papo com esses animais melhora o meu humor, diminui o meu estresse e sempre me deixa muito feliz.
Além disso, uma pesquisa recente chegou à conclusão de que conversar com animais é uma forma de exercitar o cérebro e é um sinal de inteligência.

Quer mais motivos para conversar com o seu cachorro, pois nós vamos te dar mais três:

1 – Falar com cachorros ajuda na saúde e nas relações humanas

No caso dos idosos, a conversa com os cães ajuda com que eles se mantenham ativos e com a cabeça focada no presente. No caso das crianças, conversar com um cão pode ajudá-las a ter mais confiança. O cão sempre irá escutar a criança sem repreendê-la e sem fazer julgamentos.

Os cachorros também têm uma habilidade especial para obter a comunicação de algumas crianças que possuem certas condições que as tornam relutantes em interagir com os seres humanos, com aquelas que possuem autismo.

Conversar com um cão também pode ajudar a resolver conflitos internos e dar coragem para se abrir sobre certos assuntos. Incluir um cão na discussão pode adicionar humor e deixar o clima mais leve.

2 – Faz bem para o cachorro

Cachorros conseguem compreender muito do que falamos através do nosso tom de voz e de nossa linguagem corporal. (Foto: Reprodução / 4knines)

Existem muitas maneiras de se relacionar com seu cachorro, porém, é comprovado que pessoas que conversam com seus animais estão mais intimamente ligadas a eles e tendem a ter um vínculo maior com o cão. Conversar com seu animal é uma forma de dar atenção a ele e também pode fazer com que ele sinta ainda mais o seu afeto por ele.

Além disso, os cães fazem grandes esforços para entender a fala humana e nossos gestos, por isso é justo que se tire um tempinho para conversar com seu cachorro. E tente conversar assim como você fala com outros humanos, com atenção e olhando para o animal. Fique atento também ao seu tom de voz na hora que for falar com seu animal, pois é através do seu tom que ele vai entender se você está feliz, animada ou com raiva.

3 – Os cães podem entender muito do que dizemos mesmo sem compreender as palavras

Ao se comunicar, o ser humano usa muito de linguagem corporal, além de ter um tom de voz diferente para certos assuntos. E isso os cães conseguem pegar de forma mais fácil.

Os cães possuem um alto nível de sensibilidade ao conteúdo emocional. Segundo pesquisas, seres humanos e cachorros usam a mesma área do cérebro para processar o significado emocional de certos padrões de fala.

*Por Andrezza Oestreicher

…………………………………………………………………………………
*Fonte: Dogster / portaldodo