Arquivo da tag: áudio

All Along The Watchtower – por Jimi Hendrix (Bob Dylan) – áudio


Zeke – Ride To Live (áudio)


Lynyrd Skynyrd – Every Mother’s Son


“Drivin’ Rain” – Govt Mule + James Hetfield (áudio)


Highlonesome – Devil at the Door (áudio)


Marcelo Gross – Hoje não vai dar (áudio)


Roger Waters – Smell the Roses (áudio)


Rex Brown – Crossing Lines (áudio)

Sim, Rex Brown – baixista de uma das mais phoda banda de metal do planeta (Pantera), agora em carreira solo. A música “Crossing Lines” é do próximo álbum de Brown, Smoke on This, que será lançado em 28 de junho via eOne.

“Meu lema nos dias de hoje é ‘Agite um pouco de merda'”, diz Brown sobre o álbum. “Eu tive meus altos e baixos, como qualquer um neste negócio. Eu queria me sentir como um verdadeiro artista novamente, onde eu posso escrever e gravar músicas sem se preocupar com qualquer das besteiras.

“Nós não vamos atender necessariamente a fãs de metal, mas os caras que cresceram com Pantera, muitos deles adoram as mesmas coisas que eu cresci, também. Esta é apenas outra coisa que estou fazendo por diversão, cara. É liberdade musical. O divertimento – tem que se entrar nele ou eu não, eu estou indo fazê-lo.

“Eu tive uma carreira tremenda e agora eu sinto que tenho 30 anos de novo novamente. Esta carreira me deu a liberdade que eu precisava. Tenho muito mais em mim. Estou apenas começando a molhar os meus.”

 

“Smoke onThis”:

01. Lone Rider
02. Crossing Lines
03. Buried Alive
04. Train Song
05. Get Yourself Alright
06. Fault Line
07. What Comes Around…
08. Grace
09. So Into You
10. Best Of Me
11. One Of These Days

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

……………………………………………..
*Fonte: guitarplayerusa


Marcelo Gross – Trilhos


Led Zeppelin – The Lemon Song (RARE Pre-album Version)


Patti Smith – After Gold Rush


The Wanton Bishops | Come To Me (áudio)


Magic Slim – Chess Studios (05/05/1975) – áudio


Canned Heat – Harley Davidson Blues


Morre o gaitista de blues James Cotton, aos 81 anos

Faleceu hoje em Austin, Texas (EUA), o músico de blues James Cotton. Segundo informações de sua gravadora Alligator Records, o seu falecimento ocorreu em função de uma pneumonia. Cortton tinha 81 anos.

James Cotton se interessou por música quando escutou pela primeira vez Sonny Boy Williamson II no radio. Ele saiu de casa com seu tio e mudou para West Helena, Arkansas onde conheceu Williamson. Por muitos anos Cotton afirmou que contou a Williamson que ele era órfão, e que Williamson o adotou e criou; uma história que recentemente admitiu não ser verdadeira. Mas de qualquer maneira Williamson foi o mentor de Cotton no seu começo de carreira.[2] Quando Williamson se mudou do sul para viver com sua esposa estrangeira em Milwaukee, Wisconsin, ele deixou sua banda nas mãos de Cotton, que conta que ganhou a banda como presente, mas tinha maturidade suficiente para manter o grupo, ele era muito mais jovem do que os outros integrantes da banda.
Em Delray Beach, Florida

Apesar de ter tocado bateria no começo de sua carreira, Cotton ficou famoso tocando harmónica. Começou sua carreira tocando harpa de blues na banda de Howlin’ Wolf no começo da década de 50.[2] Fez sua primeira gravação como artista solo para a gravadora Sun Records em 1953. Cotton começou a trabalhar com a banda de Muddy Waters por volta de 1955.[2] Ele tocava músicas como “Got My Mojo Working” e “She’s Nineteen Years Old”, mas não aparecia nas gravações originais, por um longo período o gaitista Little Walter era utilizado nas gravações de Muddy Waters na década de 50.

A primeira gravação de Cotton com Muddy Waters foi em junho de 1957, e desde então alternou com Little Walter nas sessões de Muddy até o final da década, e depois até formar sua própria banda. Em 1965 ele formou a “Jimmy Cotton Blues Quartet”, utilizando Otis Spann no piano para shows gravações entre shows com a banda de Muddy Waters. As gravações foram capturadas pelo produtor Samuel Charters no volume dois das gravações da Vanguard Records “Chicago/The Blues/Today!”. depois de deixar a banda de Muddy em 1966, Cotton participou de uma turnê com Janis Joplin.[2] Formou a James Cotton Blues Band em 1967. Eles geralmente apresentavam seus próprios arranjos para músicas populares de blues e R&B dos anos 50 e 60. Dois álbuns foram gravados ao vivo em Montreal naquele ano.
James Cotton (Hondarribia) julho de 2008

Na década de 60, Cotton formou uma banda de blues na tradição de “Bobby “Blue” Bland”. Quatro músicas que possuiam a presença de instrumentos de sopro usados por big bands e músicas tradicionais fizeram parte do álbum Two Sides of the Blue.

Nos anos 70, Cotton gravou alguns álbuns pela Buddah Records. Cotton tocou harmónica no ábum “Hard Again” de Muddy Waters vencedor de um Grammy em 1977 produzido por Johnny Winter. A James Cotton Blues Band recebeu uma nomeação ao Grammy em 1984 por Live From Chicago: Mr. Superharp Himself!, uma segunda pelo lançamento de 1987, Take Me Back. Finalmente foi premiado em 1996 com Deep in the Bluescomo “Best Traditional Blues Album”.[3]

No meio da década de 90 Cotton lutou contra um câncer na garganta, sua última gravação vocal foi nos anos 2000 em Fire Down Under the Hill, mas ele continuou fazendo turnês, utilizando cantores ou os membros da sua banda como vocalista.

Em 2006 James Cotton foi induzido ao Blues Hall of Fame e em março de 2008, acompanhado de Ben Harper induziu Little Walter ao Rock and Roll Hall of Fame. Eles tocaram Juke e My Babe na cerimônia, ambas músicas de Walter.

 

Dicografia de James Cotton:

Chicago/The Blues/Today! vol. 2
1966 Cut You Loose! (Vanguard)
1967 Cotton in Your Ears (Verve)
1970 Taking Care of Business (Capitol)
1976 Live & On the Move (Buddah)
1978 High Energy (Buddah)
1984 High Compression (Alligator)
1986 Live from Chicago Mr. Superharp Himself (Alligator)
1987 Take Me Back (Blind Pig; reissued on vinyl 2009)
1988 Live at Antone’s (Antone’s)
1990 Harp Attack! (Alligator; com Carey Bell, Junior Wells, e Billy Branch)
1991 Mighty Long Time (Antone’s)
1994 3 Harp Boogie (Tomato)
1994 Living the Blues (Verve)
1995 Two Sides of the Blues
1996 Deep in the Blues (Verve)
1998 Seems Like Yesterday (Justin Time)
1998 Late Night Blues: Live at the Penelope Café 1967 (Justin Time)
1999 Best of the Vanguard Years (Vanguard)
1999 Superharps (Telarc; com Charlie Musselwhite, Sugar Ray Norcia, e Billy Branch)
2000 Fire Down Under the Hill (Telarc)
2002 35th Anniversary Jam (Telarc)
2004 Baby, Don’t You Tear My Clothes (Telarc)
2007 Breakin’ it Up, Breakin’ it Down (Legacy; com Muddy Waters e Johnny Winter)
2010 Giant (Alligator)

…………………………………………………………..
*Fonte: wikipedia

 

 

 


Patti Smith – Hey Joe (Jimi Hendrix)


Brownout Presents Brown Sabbath – Brown Sabbath Vol. II (Full Album 2016) – áudio


Brian Ray – Cinnamon Girl (áudio)


Arlen Roth – Landslide (áudio)


Ronnie Baker Brooks – Doing Too Much (feat “Big Head” Todd Mohr)


PJ Harvey com Thom Yorke (Radiohead) – This Mess we’re In


Baixe a coletânea “Volume 11”

Em novembro de 2016, o Dubstudio, um estúdio de ensaio e gravação inaugurado em 2005 no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, lançou um vinil que inclui 11 bandas da cena rock contemporânea de Porto Alegre para comemorar 11 anos de atividade da casa pela qual já passaram, entre tantos, Julio Reny, Os Replicantes, Wander Windner, Bidê ou Balde, Ultramen, Walverdes, Space Rave, Bixo da Seda, De Falla e Tenente Cascavel (com remanescentes das bandas TNT e Cascaveletes).

Lançada em vinil, à venda por R$ 55 no Facebook da Dubstudio (peça o seu aqui), com arte classuda (a capa traz um stencil de Luis Flavio Trampo), a coletânea “Volume 11” segue a linhagem histórica de coletâneas tão importantes para a cena local quanto “Rock Garage” (1984 – com Taranatiriça, Garotos da Rua, Os Replicantes, Urubu Rei e Fluxo, o embrião do De Falla, entre outros), “Rock Grande do Sul” (1986 – que ganhou um documentário de 30 anos. Assista) e “Assim na Terra Quanto no Céu” (1991).

São 11 canções inéditas de gente como Os Replicantes, Monstro Motor, Space Rave, Walverdes, Gangue Dinamite, Motorcavera, Loomer, Lautmusik, Dating Robots, Geriatrio e Planondas. Na seleção tem até banda que nasceu no estúdio. “Como a Monstro Motor, por exemplo, que tem integrantes dos Replicantes, Space Rave, Dating Robots e She’s OK”, conta Fabio Gabardo, produtor do álbum. O Scream & Yell, em parceria com o Dubstudio, disponibiliza o álbum em MP3 para download gratuito. Se quiser o vinil, fala com eles! Abaixo, Fabio fala um pouco mais sobre o projeto!

>> Baixe o Álbum aqui:  [ MEDIAFIRE ]

 

………………………………………………………..
*Fonte:  http://screamyell.com.br/site/2017/02/02/download-baixe-a-coletanea-volume-11/

 

 

volume11_2

 

 

 

 

 

 

 

volume11_1


Blackberry Smoke – The Rover (Led Zeppelin Cover) – áudio


Iggy Pop – Gold (áudio) – nova música


David Gilmour com Rod Stewart e John Paul Jones – 1992 (áudio)


Robben Ford – Axis, bold as Love (versão / Jimi Hendrix)


Roy Buchanan – Hey Joe (Jimi Hendrix)


The Who – “Hey Joe” (Dallas – 1989)


Led Zeppelin – “Hey Joe” (‘live 1974) – The Hendrix Tribute


Camel Driver – “Camel Driver” (2014) – Full Album / áudio


Buddy Miles – Midnight Rider (áudio)


Marcelo Gross – Eu Aqui e Você Nem Aí


Chris Robinson Brotherhood – Forever as the Moon


John Martyn – Couldn’t love you more

Descobri a música de John Martyn através do The Black Crowes, quando os irmão Robinson se apresentavam apenas em dupla e com violões, tocaram uma música que de cara achei a melhor do álbum “Brothers of a Father”, com uma bela melodia, era: “Over the Hills”, a tal música que me chamou a atenção. Depois encontrei o autor dela mas não me interessei e procuar saber mais sobre ele.

Agora sim, quando esses tempos escutei novamente com mais atenção o álbum dos manos Robinson, novamente de o estalo de então procurar saber mais sobre o autor daquela música. Então tenho escutado mais coisas dele e curti bastante.

*Primeiro escute a versão de estúdio, depois então ele a tocando ao vivo.
Explico: Ele me pareceu muito farfalhão e vendo vídeos mais recentes, pelo jeito continua o mesmo. Mas sem dúvida tem uma bela voz.

 

 


Robben Ford – Badge (áudio)


Robben Ford – Hawk’s Theme (áudio)


Hino do Grêmio – *versão de Vitor Ramil

*HINO DO GRÊMIO – Letra e Música: Lupicínio Rodrigues


Lobão – Panamericana


Plebe Rude – Até Quando Esperar


Forever young – Audra Mae (CHAPE)