8 marcas irão abandonar totalmente a gasolina

Com a preocupação em reduzir a emissão do dióxido de carbono, que contribui tanto para o aquecimento global quanto com o efeito estufa, algumas marcas irão abandonar totalmente a gasolina.

Além disso, diversas marcas também estão inovando quando se trata de trazer mais carros elétricos ao mercado, como a Tesla, que foi a primeira montadora a vender veículos elétricos em grande escala.
Confira as 8 marcas que abandonarão totalmente a gasolina

Desse modo, as marcas que irão abandonar definitivamente irão trazer ainda mais inovações no mercado dos veículos elétricos.

Em seguida, confira as 8 marcas:

1. Audi
A Audi deverá abandonar a gasolina em 2036, enquanto isso lançará seus “últimos” carros movidos a gasolina.

A empresa alemã tem como objetivo lançar apenas veículos elétricos após 2036.

O primeiro carro totalmente elétrico da marca foi Audi E-Tron, lançado no ano de 2018, com autonomia de até 436 quilômetros
marcas que abandonarão totalmente a gasolina audi e-tron

2. Bentley faz parte das marcas que irão abandonar totalmente a gasolina
Uma das marcas que irão abandonar a gasolina logo será a Bentley, que fabrica carros de luxo.

A montadora também irá produzir somente carros elétricos a partir de 2026, e para os próximos quatro anos, serão produzidos veículos híbridos.

3. Ford (Europa) será uma das marcas que irá abandonar totalmente a gasolina
Na Europa, a Ford também irá terminar em breve a sua transição para carros elétricos, em 2026.

No entanto, nos Estados Unidos, a Ford ainda não realizou nenhum anúncio sobre o assunto, seguindo com a produção de veículos tradicionais e também híbridos.

4. General Motors
Outra empresa que irá demorar um pouco mais para abandonar a gasolina é a General Motors (RM), transformando seus veículos em elétricos até 2035.

O anúncio foi realizado em janeiro deste ano (2021).

5. Daimler/Mercedes-Benz
A Daimler, que é responsável pela Mercedes-Benz irá começar a produzir veículos elétricos somente em 2040.

A informação foi divulgada em 2019, e por enquanto a montadora não irá parar de produzir ou diminuir o número de veículos convencionais.

6. Jaguar
A Jaguar também anunciou no começo deste ano que irá levar até 2030 para que seus veículos sejam totalmente elétricos.

A empresa atualmente conta com somente um modelo que é 100% a bateria, o Jaguar I-PACE.

7. Volvo
Outra empresa que irá abandonar a gasolina até 2030 é a Volvo, que apresentou há pouco seu segundo veículo movido a bateria.

O modelo C40 Recharge representa o futuro da Volvo, segundo Henrik Green, diretor de tecnologia da montadora sueca.

8. Volkswagen também é uma das marcas que irão abandonar totalmente a gasolina

A Volkswagen anunciou que ao menos 80% dos carros sejam elétricos até o ano de 2030, sendo a transição uma prioridade para a empresa.

O anúncio foi feito à revista alemã Automobilwoche, por Ralf Brandstätter, o CEO da Volkswagen.

*Por Rafael Pires Jenei

………………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariahoje

Saiba como os carros melhoraram nos últimos 50 anos

Nos últimos 50 anos os carros tornaram-se significativamente mais leves graças à tecnologia inovadora. Não só isso, eles são mais eficientes e ainda mais seguros.

Para ter uma melhor ideia de quanto mais seguros os nossos carros são atualmente, a Chevrolet realizou um teste de colisão entre dois carros; um Chevrolet Bel Air de 1959 contra Chevrolet Malibu de 2009. O resultado do teste de colisão fala por si.

“Era como se fosse noite e dia, a diferença de proteção dos ocupantes,” de acordo com o presidente do instituto, Adrian Lund.

*Por Ademilson Ramos

………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Citroën lança carro elétrico compacto que custa apenas R$ 100 por mês

Com velocidade máxima de 45 km/h, veículo é ideal para pequenos deslocamentos dentro das cidades

Prometendo oferecer “mobilidade 100% elétrica para todos”, a Citroën está lançando na Europa o Ami, um veículo elétrico urbano compacto e de baixo custo, que pode ser dirigido por qualquer um acima de 14 anos (na França) mesmo sem carteira de motorista.

O Ami é um “carrinho” de 2 lugares, com apenas 2,4 metros de comprimento, equipado com uma bateria de 5,5 kWh. A autonomia é de até 70 km com uma carga, viajando a até 45 km/h. Não, não é um carro para os amantes da velocidade, ou mesmo para a estrada, mas sim para pequenos deslocamentos dentro das cidades. Ou seja, para ir e voltar do trabalho, ao shopping center, ao supermercado, etc.

Segundo a Citroën, a recarga completa da bateria pode ser feita em três horas em qualquer tomada de 220 volts, sem necessidade de um carregador especial. O interior do veículo é fechado e aquecido, e segundo a fabricante “muito iluminado e confortável”. A aparência pode ser customizada com pacotes de acessórios para mudar a cor do carro.

Mas o principal destaque do Ami é o preço: na França será possível adquirir um por apenas 19,99 Euros mensais (cerca de R$ 98), mediante o pagamento de uma entrada de 2.644 Euros (cerca de R$ 13 mil). O governo francês oferece uma dedução de 900 Euros (cerca de R$ 4.400) pelo fato de ser elétrico, o que leva o total a 1.744 Euros ou R$ 8.600 . O veículo também estará disponível para locação, com preço de 0,26 Euro (cerca de R$ 1,30) o minuto, através da locadora Free2Move.

O Citroën Ami poderá ser comprado “100% online”, como entrega na casa do comprador, e também estará disponível em lojas como a Fnac e Darty. A montadora começará a aceitar pedidos em 30 de março, com previsão de entrega das primeiras unidades na França em junho.

*Por Rafael Rigues

…………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Volkswagen cria animação para se despedir do Fusca

Ao som de uma versão do coral Pro MusicaYouth Chorus para “Let It Be”, dos Beatles, a Volkswagen se despede do Fusca, icônico automóvel da empresa que se aposenta após 70 anos.

Para essa homenagem final, a Volks optou por uma animação que retrata todas as décadas vividas pelo carro, além das mudanças culturais impregnadas nessa passagem de tempo e sua influência na cultura pop.

Referências de pessoas famosas como Andy Warhol, Kevin Bacon e Andy Cohen aparecem no vídeo.

A escolha da trilha sonora também tem seu significado especial, já que uma das aparições mais memoráveis do Fusca na cultura pop é na capa do álbum “Abbey Road”.

*Por Soraia Alves

…………………………………………………………………..
*Fonte: B9

Ford recicla mais de 1 bilhão de garrafas plásticas todo ano para fabricar peças de veículos

A fabricante multinacional de automóveis Ford Motor Company tem ajudado a promover a produção e uso de peças automotivas ecologicamente corretas.

Os tapetes, placas de proteção da carroceria e outras peças de todos os carros e SUVs da companhia estão sendo produzidos usando plástico reciclado.
PUBLICIDADE

“Por exemplo, a blindagem da parte inferior da carroceria é muito grande e, para uma parte tão grande, se usarmos plástico sólido, provavelmente pesará três vezes mais”, disse Thomas Sweder, engenheiro de design da Ford.

ford reciclagem garrafa plástico fabricação peças

“[Dessa forma] Buscamos os materiais mais duráveis, leves ​​e com melhor desempenho para trabalharmos e fabricarmos nossas peças e, neste caso, também estamos deixando uma série de benefícios ambientais.”

Nos últimos anos, a Ford tem reciclado, em média, 1,2 bilhão de garrafas de plástico – isto é, 250 garrafas por veículo produzido.

A reciclagem é feita por dezenas de cooperativas diferentes, que derretem o plástico e revendem o material já transformado em fibra para a montadora. Essa fibra é misturada a uma série de outras fibras têxteis e utilizadas na fabricação das peças automotivas.

Devido ao seu peso leve, o plástico reciclado é ideal para a fabricação de placas de proteção da carroçaria, placas de proteção do motor e revestimentos dos arcos das rodas dianteiras e traseiras que podem ajudar a melhorar a aerodinâmica do veículo. Esses escudos também ajudam a criar um ambiente significativamente mais silencioso nos automóveis.

Esta não é a única maneira pela qual a Ford usa os materiais reciclados para beneficiar o meio ambiente. Recentemente, a empresa norte-americana fez uma parceria com os fornecedores de café do McDonald’s para reciclar todos os resíduos de torrefação do café, que serão usados nos faróis.

“A Ford está entre as líderes mundiais quando se trata de usar materiais reciclados como estes, e fazemos isso porque faz sentido: técnica e economicamente, tanto quanto para o meio ambiente”, disse Thomas Sweder.

*Por Gabriel Pietro

……………………………………………………………….
*Fonte: razoesparaacreditar

Palha de café substitui plástico em peças automotivas

A Ford e o McDonald’s firmaram uma parceria para aproveitar a palha de café – casca seca do grão que sobra no processo de torrefação – na fabricação de peças de automóveis, nos Estados Unidos. O projeto pode dar novo destino a boa parte das milhares de toneladas de palha de café que são geradas por ano, normalmente usadas como adubo ou carvão.

As empresas descobriram que a palha de café tem propriedades capazes de reforçar certos tipos de peças, criando um material durável. Quando é aquecida a altas temperaturas sob baixo oxigênio e misturada com plástico e outros aditivos, ela dá origem a um granulado que pode ser moldado em vários formatos.

Os componentes feitos com esse composto são cerca de 20% mais leves e consomem até 25% menos energia no processo de moldagem. A sua resistência ao calor também é sensivelmente melhor que a do material usado atualmente, favorecendo a aplicação em peças como carcaças de faróis e outros componentes no compartimento do motor.

A parceria da Ford com o McDonald’s é um exemplo das abordagens inovadoras das empresas para o gerenciamento do produto e do meio ambiente. O projeto envolve também a Varroc Lighting Systems, fornecedora de faróis, e a Competitive Green Technologies, processadora da palha de café.

“Este é um exemplo de avanço na economia de circuito fechado, onde diferentes indústrias trabalham juntas e trocam materiais que de outra forma seriam descartados”, explica Debbie Mielewski, líder técnica do time de sustentabilidade e pesquisa de novos materiais da Ford.

Debbie garante que o novo material com palha de café é melhor que o material usado anteriormente – mais sustentável e com uma qualidade superior. Para conhecer melhor este novo material e suas possibilidades, clique aqui.

Materiais sustentáveis

Veja abaixo outras substituições de plásticos à base de petróleo por materiais biológicos e subprodutos agrícolas já realizadas pela montadora:

2007 – Espuma à base de soja em bancos e forros;

2008 – Garrafas plásticas recicladas em tapetes, caixas de roda e tecidos;

2009 – Palha de trigo em porta-objetos e porta-copos;

2010 – Algodão reciclado de roupas em forro acústico de portas e porta-malas;

2011 – Pneus reciclados em vedações e juntas; dente-de-leão em tapetes, porta-copos e peças internas de acabamento;

2012 – Papel moeda reciclado em porta-objetos e planta kenaf em forro de portas;

2013 – Casca de arroz em chicotes elétricos;

2014 – Casca de tomate em suportes de fiação e porta-objetos;

2015 – Casca de celulose em aplicações no compartimento do motor;

2016 – Fibra de agave em porta-copos e porta-objetos;

2017 – CO2 capturado para produção de espumas e enchimentos;

2018 – Bambu em compostos plásticos de peças internas e no compartimento do motor.

……………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Garota de 14 anos inventa tecnologia que remove ponto cego de motoristas

Quem dirige sabe que o ponto cego de todo carro atrapalha bastante. Mais do que isso, causa milhares de acidentes a cada ano.

Agora, no entanto, tal ponto cego pode se tornar evitável: uma garota de 14 anos (não, você não leu errado) inventou uma tecnologia que efetivamente o remove dos veículos.

A ideia de Alaina Gassler funciona da seguinte maneira: uma câmera é colocada atrás do pilar que causa o ponto cego. Esta câmera envia um vídeo para um projetor, que por sua vez projeta a imagem no próprio pilar, essencialmente tornando-o invisível e deixando o motorista enxergar através dele.

Para melhorar ainda mais a situação, Alaina só usou materiais facilmente acessíveis para criar essa tecnologia, como uma webcam, um projetor e materiais impressos em 3D.

Premiada

No início desta semana, Alaina, que mora em West Grove, no estado americano da Pensilvânia, apresentou sua invenção no concurso Broadcom MASTERS (sigla para “Math, Applied Science, Technology, and Engineering for Rising Stars”, ou “Matemática, Ciências Aplicadas, Tecnologia e Engenharia para Estrelas em Ascensão”) para alunos do ensino médio oferecido pela organização sem fins lucrativos Society for Science and the Public.

Além disso, ela venceu uma competição nacional em primeiro lugar por sua criação, levando para casa o Prêmio Samueli Foundation de US$ 25.000 em homenagem à excelência geral em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

*Por Natasha Romanzoti

……………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

O combustível desse carro é água salgada

Pouco a pouco, as pessoas estão se conscientizando da importância de cuidar do meio ambiente, razão pela qual várias iniciativas foram lançadas para reduzir a quantidade de lixo e poluentes que são emitidos.

Carros são um dos vilões do meio ambiente por emitir muito ar poluído. Tudo isso pode se tornar um problema de grandes proporções, esta foi uma das razões por que os carros elétricos estão ganhando espaço cada vez mais, mesmo ainda sendo mais caro ter um carro assim.

No entanto, nem tudo parece perdido porque a empresa suíça NanoFlowcell introduziu QUANTINO, um carro que funciona com água salgada, em vez de gasolina ou baterias elétricas.

Este carro, ao contrário dos carros elétricos convencionais, usa baterias iônicas chamadas bi-ION, cuja operação é baseada em água salgada.

Seu inventor, Nunzio La Vecchia, garantiu que este carro terá um ótimo desempenho, mesmo assegurando que QUANTINO pode atingir até mil quilômetros de autonomia.

A marca suíça trabalhou neste projeto desde 2014 e este carro é o resultado de anos de pesquisa. As baterias do carro oferecem até dez mil horas de operação com uma geração de 108 cavalos de potência e uma velocidade de até 200 quilômetros por hora.

*Por Any Karolyne Galdino

 

………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Nunca mais sofra com o problema de um pneu furado

A Michelin, em parceria com a General Motors (GM), revelou o protótipo do Uptis, um pneu sem ar que será testado em um veículo comercial em breve.

Essa não é a primeira vez que uma tecnologia semelhante é desenvolvida, mas as opções anteriores tendiam a funcionar apenas em velocidades baixas.

O novo pneu, cuja camada do meio é feita uma mistura composta de borracha e fibra de vidro embebida em resina, permite que o carro opere em velocidades de estrada.

Não é tão visualmente atraente quanto pneus convencionais, mas a Michelin afirma que é tão confortável quanto.

E muito mais barato, seguro e ambientalmente viável

O Uptis deve ter benefícios financeiros e de segurança imediatos. Embora não seja completamente invulnerável, pneus furados e desgaste irregular se tornarão coisas do passado.

Os pneus furados têm sido a maior praga enfrentada pelos motoristas. Em 2016, uma pesquisa conduzida pela Associação Automobilística Americana estimou que assistiu 450.000 motoristas com reparos. Perda de pressão ou simplesmente passar por cima de um objeto perfurante pode estourar um pneu, causando atrasos e acidentes.

Além disso, as empresas acreditam que o Uptis é capaz de durar mais do que um pneu normal, porque não pode ser desgastado por estar pouco ou mais inflado do que o necessário.

A tecnologia sem ar ainda elimina a necessidade de um pneu sobressalente (estepe), que acrescenta peso e diminui a economia de combustível.

Por fim, torna a produção de pneus mais eficiente. Sua existência deve reduzir o número de pneus jogados fora devido a danos – segundo a Michelin, 200 milhões de pneus são descartados a cada ano.

Já é realidade

A GM começará a testar o Uptis em Michigan, nos EUA, no final de 2019 em uma frota de carros elétricos Chevrolet Bolt.

Se tudo correr bem, a versão final deve chegar a produção regular de carros em 2024. A montadora não indicou se e quais modelos específicos usarão os novos pneus.

Também ainda não está claro se a Michelin venderia os pneus separadamente ou se os veículos precisariam de algum tipo de chassi modificado para portá-los. [Engadget, MF]

*Por Natasha Romanzoti

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Onde foi parar a cor que estava aqui?

Quais são as cores de carros mais vendidas? Não é difícil perceber. Os carros pretos, pratas e brancos dominam as ruas, estradas e estacionamentos do Brasil. Achar um modelo que fuja dessas cores é cada vez mais difícil. Quem tenta timidamente colorir a cidade é o vermelho, mas sem muito força quando jogado na massa das cores sóbrias. Mas, nem sempre foi assim. Antigamente, Fuscas, Kombis, Chevettes e muitos outros esbanjavam diferentes cores. É verdade que as tonalidades eram sólidas, já que não existiam colorações metálicas, mas, ainda assim, era possível ver modelos laranjas, beges, marrons e amarelos, além dos diferentes tons de azuis e verdes. Então, onde foram parar as cores dos carros?

Para Nelson Lopes, fundador da ÍCON Design, escola especializada em design automotivo, e designer com anos de experiência na Volkswagen, as cores começaram a sumir por três motivos: o descobrimento das tonalidades metálicas, o aumento de inovações na parte interna do automóvel, e a facilidade em vender carros usados com cores menos chamativas. “No passado as tintas metálicas eram novidade. Não haviam muitas variações de tons da mesma cor e por isso o espectro de escolha era limitado. Outro aspecto é que os carros mudavam muito pouco ano a ano, e isso não afetava drasticamente a sua revenda. Atualmente, a constante atualização dos carros e as variações econômicas do país influenciam na revenda do carro e, por sua vez, influencia os consumidores a comprarem cores mais neutras, que são facilmente aceitas pela maioria dos consumidores do mercado de usados.”

Ao mesmo tempo, no velho continente, os consumidores europeus preferem carros coloridos. Para se ter uma ideia, uma pesquisa promovida pela PPG, fabricante norte-americanas de tinta, mostrou que em 2017, as cores prata e azul, em termos de preferência no mercado europeu, empataram em 9% cada. Já na América do Sul essa diferença é gigante, com 31% de preferência para a cor prata e apenas 2% para o azul. Porém não pense que as montadoras européias têm mais liberdade para usar as cores. Nelson, que trabalhou por quatro anos na Volkswagen AG, na Alemanha, dá um outro ponto de vista sobre o assunto. “Não é uma questão de liberdade, mas sim de características regionais e estratégias do mercado. Em outros mercados as referências culturais e a relação destas na economia dos consumidores são outras. De modo geral, no hemisfério norte há menos luz solar que da linha do Equador para baixo. Isso acarreta uma natureza pobre cromaticamente e que influencia até nossas condições psicológicas. Especialmente nos longos invernos destes países, essa sensação de “tristeza” ambiental é compensada pela aquisição de produtos com cores mais alegres e enérgicas, o que diminui a monotonia visual. O poder aquisitivo médio nos EUA e Europa também são maiores e permitem os consumidores colocarem a satisfação pessoal acima de questões financeiras. Por isso é comum vermos carros com cores mais chamativas no exterior que no Brasil”, conclui Nelson.

“Um detalhe à parte foi o status de sofisticação e nobreza que ganhou a cor branca”

Ainda assim, como no resto do mundo, o Brasil também passa pelo domínio dos carros brancos. O início dessa moda surgiu em 2006, quando diversos salões de automóveis europeus apresentaram modelos nessa cor. “Um detalhe à parte foi o status de sofisticação e nobreza que ganhou a cor branca. Normalmente usada para representar modernidade em outros produtos, a indústria automotiva começou a usar o branco em seus show cars no exterior e, consequentemente, isso foi parar nas ruas das principais capitais do mundo. Além do ar de modernidade, o branco também inspira ‘pureza’, agregando classe aos produtos da marca. Fora isso, faz todo sentido ter um carro de uma cor que reduz o calor interno no veículo e custa mais barato para reparar por ser uma cor sólida”, explica Nelson Lopes.

Quanto ao futuro das cores nas ruas brasileiros, o designer é otimista. Para ele, existe um movimento que começou há cinco anos que já valoriza cores diferentes do preto e prata, que se consolidaram entre os anos 90 até 2013. Para ele, o maior empecilho do avanço das cores ainda é o momento de revenda. “Determinado carros ficam melhores em algumas cores e não tanto em outras. Isso pode influenciar a percepção de valor, tamanho e outros atributos do carro. Até por isso, eu posso comprar o carro na loja B, que tem a cor que eu procura, e não comprar na loja A. Entretanto, não chega ao ponto de se priorizar a cor em detrimento do custo. Você não compra uma Ferrari porque não encontrou um Volkswagen vermelho”, finaliza Nelson.

Quem escolhe as cores dos carros?

Todas montadoras contam com uma equipe de Color & Trim dentro do departamento de Design. Esse time é responsável pela escolha das tonalidades e dos materiais usados no veículo. Para isso, eles levam em consideração “tendências de moda, dados de marketing, novos materiais e tecnologias”, como explica Nelson Lopes.

……………………………………………………….
*Fonte: balconistassa

Japoneses criaram o primeiro carro feito quase que inteiramente de plástico

O primeiro carro do mundo feito com 90% de plástico foi apresentado no Japão. De acordo com o canal de televisão NHK, o protótipo foi desenvolvido por uma equipe da Universidade de Tóquio e pelos fabricantes de automóveis.

Graças ao uso de vários plásticos, foi possível reduzir o peso do veículo em 40%, o que economiza combustível.

O veículo tem mais de 4 metros de comprimento e tem uma aparência futurista graças à sua carroceria aerodinâmica.

Até agora, muitos consideravam que um uso maior de plástico em automóveis era impossível devido à sua baixa resistência mecânica, a participação dos polímeros chega a aproximadamente 17 por cento.

Os cientistas conseguiram resolver este problema combinando diferentes tipos de polímeros. É o primeiro automóvel do mundo com 90% de peças e componentes de plástico.

O projeto inovador faz parte do programa estadual Impact e é o resultado da colaboração de fabricantes de carros e especialistas de universidades.

Segundo a NHK, a descoberta “abre novas perspectivas para o desenvolvimento de veículos elétricos”.

*Por Any Karolyne Galdino

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

Quantino o carro movido a água salgada que fez 150 mil quilómetros sem poluição

A nanoFlowcell é uma marca protótipo do carro Quantino movido a água, neste caso a água salgada. E recentemente numa experiência o Quantino completou mais de 150 mil quilómetros em estrada tendo como combustível o recurso a água salgada.

Como Funciona a NanoFlowcell?

O funcionamento da tecnologia da nanoFlowcell é em tudo idêntico à de uma célula de combustível, só que recorre à água salgada invés do hidrogénio!

Assim, os iões positivos ficam separados dos iões negativos, sendo que ambos ao passarem por uma membrana se misturam e interagem, e é essa interação que gera energia elétrica que permite mover o automóvel!

O resultado final dessa mistura do líquido de iões gera água, tal como na célula de combustível de hidrogénio, mas tem como vantagem o facto de permitir que o veículo se movimente com zero emissões de carbono e um reabastecimento rápido!

Quando Surgiu a NanoFlowcell?

Esta é uma empresa já com algum tempo no mercado. Desde 2014 que esta empresa alemã tem vindo a desenvolver protótipos com o intuito de usarem água salgada como combustível primário.

Foram vários os protótipos desenvolvidos

Desportivo e-Sportlimousine
Crossover Quant F
Compacto Quantino

Os três modelos têm sido testados em estrada, mas foi o Quantino o primeiro a mostrar a verdadeira capacidade do combustível a água salgada.

Em agosto de 2017 o modelo Quantino fez 100 mil quilómetros, sendo que agora quase ao fim de um ano fez mais 50 mil quilómetros, tendo assim um total de 150 mil quilómetros.

Outra grande meta deste veículo com combustível alternativo e zero emissões de carbono, ou seja, nada de poluição, é o facto de ter feito 1000 quilómetros durante oito horas e 21 minutos ininterruptos!

Ou seja, durante esses 1000 quilómetros não precisou de parar para atestar, o que comprava que também tem uma excelente autonomia!

Caraterísticas Quantino

Quanto às características desde compacto que está a revolucionar o mercado, é de ressalvar que permite até quatro pessoas no seu chassis, tem um motor de 80kW (cerca de 109 CV), e pesa pouco mais de 1400kg.

Ainda assim, com essas características consegue atingir a velocidade de 100km/h em pouco mais de cinco segundos!

A nanoFlowcell tem como objetivo iniciar a produção final deste modelo protótipo a curto prazo… se conseguir será uma grande revolução no mercado automóvel!

É que ainda agora começaram a surgir os veículos elétricos, e se vier um veículo com estas caraterísticas, basta irmos à beira mar para atestar o carro!

………………………………………………………………
*Fonte: portalenergia

Guia do test-drive: tudo o que você precisa saber antes de fazer um

Essa “degustação” ao volante é a principal ferramenta para analisar razão e emoção: hora de descobrir qual modelo combina com seus desejos e necessidades

Quando você vai comprar um imóvel, obviamente não dá para dormir nele ou se acomodar na sala para assistir a TV antes de fechar o negócio.

Mas dá para visitar, tirar as medidas para ver se seus móveis cabem nos cômodos, imaginar a decoração, checar a qualidade da construção, ver em que horário bate sol, verificar se há muito barulho na vizinhança, entre outras precauções.

E com o carro, que geralmente é o segundo maior investimento de uma pessoa? Também dá para analisar uma série de aspectos de forma estática, e ainda fazer o mais importante, que é dirigir antes de tomar uma decisão.
Dirigir o carro é essencial para garantir uma boa compra

Dirigir o carro é essencial para garantir uma boa compra.

Portanto, é possível fazer uma compra com nível de segurança ainda maior do que se tem com um imóvel.

Mas para isso é preciso ter atenção a muitos detalhes que serão decisivos para sua satisfação com o produto. QUATRO RODAS e Fiat criaram um guia para o test-drive perfeito, para que você capriche não só na pesquisa, antes da compra, mas também na análise estática e nas impressões ao volante.

Afinal, a escolha de um automóvel envolve uma boa dose de emoção e isso faz parte desse momento prazeroso. Mas o componente racional é fundamental para garantir a plena satisfação da sua compra quando chegar em casa. Portanto, teste bem para comprar melhor.

 

 

 

 

 

 

 

O começo de tudo

Antes de ir para a rua, já é possível avaliar o carro, ainda dentro da concessionária. Deixe o test-drive para focar principalmente nas características dinâmicas. Saiba como uma boa olhada por dentro e por fora permite checar as qualidades construtivas do automóvel

1 – Entrar no veículo é a primeira oportunidade de testar o conforto e posição de dirigir, avaliando como ajustar bancos e volante.

2 – Viu se o porta-malastem o volume de que você precisa? Verifique a qualidade do revestimento e o ângulo de abertura da tampa.

3 – Se você tem filhos menores, leve sua cadeirinha e veja como ela se adapta ao cinto ou ao Isofix e como é o seu acesso à criança.

4 – Avalie o ângulo de abertura das portas. Um bom ângulo é importante para a entrada de idosos ou para pais colocarem e tirarem o bebê da cadeirinha.

5 – Ainda nas portas, vale bater de leve todas elas, para saber se fecham com facilidade ou necessitam de mais força.

6 – Confira o acabamento: toque nas partes para sentir a maciez dos materiais e cheque tamanho dos vãos e alinhamento das peças – isso vale também para a lataria

7 – Descubra onde ficam todos os porta-objetos e se eles são adequados para o seu celular, a sua carteira e outros itens que costuma levar no carro.

………………………………………………………………….
*Fonte: quatrorodas

Jaguar Land Rover Virtual Eyes Intelligent Pod – “carro com olhos”

Algumas empresas estão apostando em carros automáticos para o futuro, mas a preocupação da Jaguar Land Hover em relação a isso é que pedestres não terão um motorista para olhar nos olhos enquanto atravessam.

Por isso, a empresa resolveu desenvolver um modelo de carro autônomo com olhos e podem estabelecer “contato visual” com quem atravessa a rua, para dar mais confiança ao pedestre.

O vídeo mostra o modelo do carro, que no final das contas parece bem assustador e estranho. Talvez essa estratégia cause mais estranheza do que confiança, no caso.

Esses olhos são inseridos em um veículo Aurrigo autônomo modificado, e acompanha uma mulher enquanto ela atravessa a rua. No entanto, olhos em carros são bem bizarros.

…………………………………………………………..
*Fonte: geekness

C’était un rendez-vous – Os segredos do curta-metragem que é um dos melhores filmes sobre carros já feitos

Esse filme já foi post há alguns anos aqui no blog, mas como a coisa é bacanuda vale um reforço no recado. Agora com um texto do site FlatOut , onde contam com detalhes fatos interessantes dessa produção..

…………………………………………..

A sétima arte já contribuiu bastante para entreter os entusiastas — seja com clássicos como “Bullitt”, blockbusters como a interminável saga “Velozes e Furiosos”, franquias consagradas como “Mad Max” ou lançamentos recentes como “Drive” e “Rush – No Limite da Emoção”. No entanto, milhões de fãs de carros e cinema concordam que um dos maiores filmes automotivos já feitos não é uma super-produção hollywoodiana, mas um curta-metragem feito apenas com um carro, uma câmera e muita sensibilidade: Cétait un rendez-vous, clássico francês de 1976.

É surpreendente o quanto há para falar de um curta-metragem de pouco mais de oito minutos mas, para se ter uma ideia, as críticas são impecáveis. Jeremy Clarkson já disse que é o melhor filme de perseguição do mundo — melhor até mesmo do que o próprio “Bullitt” —, mesmo que não seja uma perseguição.

É um filme minimalista. As ruas de Paris, com seus carros, pessoas e belas construções, são tomadas pelo ronco incontrolável de uma Ferrari 275 GTB por volta das 5:30 da manhã. Dá para ver que o motorista sabe se virar ao volante de um carro rápido. Com um ronco destes a centímetros dos ouvidos, em plena década de 1970 — quando crianças viajavam de pé no “chiqueirinho” dos Fuscas e cintos de segurança eram considerados muito mais uma incômoda sugestão do que um equipamento fundamental para se manter vivo —, daria para entender se o dono da Ferrari quisesse apenas aproveitar o trânsito menos intenso das primeiras horas da manhã para curtir seu esportivo italiano.

Ele dirige na contramão, desvia de veículos vindos no sentido contrário, fura sinais vermelhos e percorre vias de mão única pelo lado errado. Claro, é um perigo, mas também é ficção. Não sejamos moralistas de um jeito feio e falso — a gente não faria isto e nem recomenda que seja feito, mas não vamos deixar de apreciar esta bela obra cinematográfica que, em 2016, completa 40 anos. Apague a luz, arranje um bom par de fones de ouvido e apenas assista.

“Era um encontro”, é o que significa o título do filme. E era, mesmo. O motorista dirige alucinadamente enquanto vemos monumentos históricos como Arco do Triunfo, o famoso teatro Palais Garnier e a Praça da Concórdia com seu obelisco. Não faltam ocasiões em que uma tragédia parece prestes a acontecer, e a gente começa a se perguntar o motivo de tanta urgência. Era um encontro e, quando já está quase amanhecendo, a Ferrari estaciona em frente a um passeio, com a Basílica do Sagrado Coração de Paris ao fundo. Uma garota loira vem subindo as escadas e o motorista, apressado, vai até ela. Os dois se abraçam. Era um encontro.

Agora, estamos falando de uma obra de ficção. E isto significa que nem tudo é como parece na tela. Primeiro — talvez você já saiba disso, mas não custa relembrar —, o carro não era uma Ferrari 275GTB. Claro, o ronco que se ouve é do V12 de 3,3 litros e quase 300 cv do esportivo italiano, reduzindo marchas (dá até para escutar o punta-tacco às vezes) e acelerando a até mais de 200 km/h em determinados momentos. Mas o carro que percorreu loucamente as ruas de Paris em 1976 era outro: um Mercedes-Benz 450SEL 6.9, bem mais macio que uma Ferrari

O sleeper alemão já apareceu aqui no FlatOut, quando fizemos uma lista com os melhores sedãs esportivos de todos os tempos. Seu motor V8 M100 de 6,9 litros — derivado daquele usado na limusine ultra-luxuosa 600 Grosser — desenvolvia 290 cv e 55,9 mkgf de torque. Aliado a uma caixa automática de três marchas, o V8 era capaz de levar o grande sedã de quase duas toneladas aos 100 km/h em apenas sete segundos, o que é uma bela marca para um carro enorme lançado em 1975. Aliás, isso significa que o Merc havia acabado de ser lançado quando C’etait… foi gravado, e era mais do que habilitado para “interpretar” uma Ferrari na telona. A propósito, a Ferrari que cedeu a “voz” para o filme pertencia ao próprio diretor, Claude Lelouch.

Assim como Climb Dance, C’était un rendes-vouz faz parte do gênero cinema vérité que, como o nome diz, consiste em documentar a realidade de forma artística e provocadora, fazendo uso de ângulos ousados, trilha sonora envolvente e pouco (ou nenhum) diálogo. No making of abaixo, Lelouch explica um pouco sobre o processo de filmagem do curta e esclarece alguns mistérios.

Foi o próprio diretor quem dirigiu o carro. Como você deve ter suspeitado, tudo foi feito de forma independente e, para quem não notava a câmera enorme no para-choque do carro (olha só como as GoPro de antigamente eram grandes!), se tratava apenas de um maluco acelerando um Mercedes às 5:30 da manhã no centro de Paris. Dois amigos de Lelouch se posicionaram nos pontos mais críticos do trajeto, para avisar Lelouch pelo rádio caso ele precisasse reduzir a velocidade. Só que os rádios não funcionaram e, em um golpe de sorte, todos saíram inteiros da produção.

E quem é a garota? A atriz Gunilla Friden que, na época, era namorada de Lelouch e recebeu apenas a instrução de esperar na Basílica e aparecer quando ele chegasse. Era mesmo um encontro.

C’était un rendez-vous atravessou décadas um tanto desconhecido pelo grande público. Isto mudou em 2003, quando o documentarista Richard Symons conseguiu convencer Lelouch a recuperar o filme de 35mm (cuja capacidade de armazenamento foi o que limitou a duração do curta) e remasterizar a obra e permitir que a companhia de Symons, a Spirit Level Films, a distribuísse em DVD.

Pouco depois, a banda escocesa Snow Patrol pediu permissão à Spirit Level para utilizar imagens de C’était un rendez-vous no clipe de “Open Your Eyes”, single do álbum Eyes Open, lançado em maio de 2006.

Foi a primeira vez que Lelouch permitiu que trechos de sua obra fossem usados comercialmente, o que acabou apresentando o famoso curta-metragem a toda uma nova geração. Por sorte, agora vivemos na era da Internet, e todos podem ter acesso a verdadeiras obras de arte automotivas como esta.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: flatout

A cultura da NASCAR é um exemplo do que poderíamos oferecer aos fãs” – diz Nelson Piquet Jr. sobre a Fórmula-E

O piloto da Panasonic Jaguar Racing diz que a categoria ainda tem uma barreira alta demais entre piloto e aficcionado

A organização da Fórmula-E, até pelo caráter inovador da coisa, tenta ser próxima do público. É onde pessoas como eu e você podem ver o futuro do motor elétrico sendo levado ao seu extremo, afinal, e onde fabricantes apostam suas fichas para desenvolver tecnologias que estarão rodando nas ruas e estradas nos próximos anos. Mas para Nelson Piquet Jr., sobra espaço para melhoras na relação com os fãs. “NASCAR hoje em dia ainda é mais acessível que a Fórmula-E, você pode comprar a credencial de 20, 25 dólares e passar pelo paddock”, comenta o piloto em entrevista coletiva para jornalistas nesta sexta-feira (02). Acesso similar no F-E, aponta Piquet Jr., não sai por menos de 2 mil euros. “De certa forma ainda tem uma barreira maior que acho que poderia ter”, diz.

A categoria toma uma série de decisões nas quais a proximidade com o fã é item de grande importância. O preço mais amigável do ingresso padrão em comparação com a Fórmula 1 é um exemplo. Outro é o fato de que toda prova de Fórmula-E acontece não em autódromos, mas em pistas montadas na própria cidade, quase sempre no centro, como é o caso da corrida que acontece este sábado (03) no coração de Santiago, no Chile.

Ao mesmo tempo, todas as etapas da disputa acontecem no mesmo dia. Não é um programa que toma o fim de semana todo como a F-1, nem mesmo para os aficcionados. Mesmo assim, há alguma dificuldade: “O motivo porque muitos pilotos não querem falar com fãs (no dia da corrida) é que é tudo muito apressado”, lamenta Piquet Jr. “Você está sempre muito nervoso, pensando sobre treino e qualificatória; sinceramente, a única hora que dá para relaxar um pouco é depois dela, aí dá pra tirar 50% do peso das costas, mas até lá são nervos à flor da pele”.

É uma limitação particularmente delicada para a categoria high-tech, que está há apenas quatro anos na estrada: “É tão nova, que de certo modo você tem que se abrir pras pessoas para que elas descubram sobre”, comenta o piloto.

Uma ajudinha dos fãs

Um dos tópicos mais curiosos da Fórmula-E – em especial para quem não acompanha – é o Fan Boost. Na véspera de toda prova, e durante o início da corrida, os fãs podem eleger em redes sociais o piloto que receberá uma injeção de potência no motor elétrico (10 a 20kW em média), vantagem que pode ser usada após o pit stop – que é quando o piloto troca um carro com a bateria zerada por um novo em folha. Essa “mãozinha” do público é uma ideia com a qual até a Stock Car anda flertando nos últimos tempos.

Mas, entre pilotos e fãs, a opinião é que essa função ainda não se provou essencial e harmoniosa. “Hoje o Fan Boost faz bem menos diferença”, diz Nelsinho Piquet, “mesmo os caras que o ganham muitas vezes não usam”. Além de ter tido sua utilidade reduzida com o fim da pontuação por tempo de volta, o Boost traz desvantagens táticas: ele aquece o motor e representa um pico de consumo de energia. Potencialmente fatal em uma categoria em que uso eficiente de bateria é tudo. “Sim, a gente tenta puxar um pouco de tudo: o Fan Boost e toda vantagem que a gente possa conseguir” comenta, “mas há outras prioridades acima de investir tempo em pedir votos”.

…………………………………………………………
*Fonte: GQ

A famosa revenda “fantasma” de automóveis em Estrela e a sua história

Normalmente passo pelo trevo de entrada da cidade de Estrela (RS) quando tomo o caminho da Rota do Sol ou então sigo pela 386 (Lajeado / POA), hoje resolvi fazer algo diferente, ao invés de só passar ao largo por esse trevo, entrei de fato na cidade para dar uma volta por suas ruas, coisa que não fazia há anos e então aproveitar para ver como estão as coisas atualmente. tudo mudado par amim e a cidade me pareceu bem maior e desenvolvida do que eu ao menos me recordava.

Mas o interessante foi que logo que tomei uma das vias principais de acesso da cidade reconheci no caminho a minha frente a revenda de carros Volkswagen (Comercial Gaúcha), famosa pela sua peculiar história. Trata-se de uma revenda de automóveis que foi fechada aproximadamente há uns 15 anos por ordem da distribuidora Volkswagen, mas o seu proprietário, o Sr. Otmar Waltger Essig, ainda vai ao trabalho todos os dias e a mantém limpa, bem cuidada e intacta, apesar de não ter funcionário algum e estar “fechada” para o público todo esse tempo. Trata-se praticamente de uma revenda fantasma e também uma viagem no tempo.

Assista ao mini-documentário abaixo que você irá entender melhor os detalhes dessa interessante história.

 

Como há tempos não entrava em Estrela e nem me lembrava mais desse fato da revenda, apesar de ser uma cidade que fica aqui perto da minha e até mesmo isso também já ter sido motivo de um post aqui no blog, fiquei surpreso e empolgado. Foi bom relembrar dessa história e assim também ver de perto o prédio e os elementos que compõem essa história.

Estacionei perto da revenda e dei uma caminhada na calçada ao longo do prédio. Sim, óbvio que coloquei a cara no vidro para tentar ver melhor o que ainda havia lá dentro e como estavam as coisas. Assim como no vídeo acima, tem lá o Fusca e o Santana, o pátio e as dependências todas limpas e cuidadas, as salas, escritórios, as peças nas estantes e as em exposição, quase como se fosse uma revenda ainda em funcionamento – (aliás, mesmo ela estando fechada está melhor cuidada que muitas outras “abertas” por aí, que eu conheço. Só para constar).

Isso realmente me pareceu uma espécie de um museu casual, algo quase como se o tempo tivesse parado por ali na década de 90. É interessante isso e também desperta a curiosidade dos fatos. Tanto que assim que cheguei em casa procurei novamente pelo vídeo desse documentário e também algumas matérias que já tinha lido no passado. *Esse material está anexo (links) aqui no post.

Mais um daqueles estranhos e sinuosos fatos da vida que são tratados de formas diferente do que talvez a maioria das pessoas normalmente o faria. O que de certa forma acaba por chamar a nossa atenção. Creio que até compreendo a atitude do Sr. Otmar, mas não cabe a mim fazer qualquer julgamento sobre os fatos. Apenas entendo isso como uma coisa inusitada e que faz parte dos caminhos da vida.

Fica aqui então o registro dessa visita ao local e espero que os interessados leiam as matéria e assistam o vídeo. A vida segue.

Valeu!

*Veja algumas imagens:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>> Leia abaixo (links) de algumas matérias sobre a revenda e a sua curiosa história:

https://carros.uol.com.br/noticias/redacao/2013/10/02/concessionaria-fantasma-tem-fusca-zero-e-sp2-impecavel-veja.htm

………………..

https://noticias.r7.com/carros/fotos/concessionario-volkswagen-fechado-desde-2002-ainda-guarda-carros-antigos-zero-quilometro-04032015#!/foto/11

………………..

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2013/08/dono-de-revenda-fantasma-preserva-carros-e-vai-ao-trabalho-todos-os-dias.html

 

Volvo anuncia que seus carros passarão a ser elétricos

A Volvo Cars, fabricante de automóveis de luxo, anunciou que todos seus veículos lançados a partir de 2019 terão um motor elétrico, marcando o final histórico dos carros que possuem apenas um motor de combustão interna (ICE) e colocando a eletrificação no centro de seus negócios futuros.

O anúncio representa um dos movimentos mais significativos de qualquer fabricante de automóveis para abraçar a eletrificação e destaca como mais de um século após a invenção da eletrificação do motor de combustão interna está preparando o caminho para um novo capítulo na história automotiva.

“Isso diz respeito ao cliente”, disse Håkan Samuelsson, presidente e diretor executivo. “As pessoas exigem cada vez mais carros elétricos e queremos responder às necessidades atuais e futuras dos nossos clientes. Agora você pode escolher e escolher qualquer Volvo eletrificado que desejar.”

A Volvo Cars apresentará um portfólio de carros elétricos em toda a sua gama de modelos, abrangendo carros totalmente elétricos, híbridos plug-in e híbridos suaves.

A fabricante lançará cinco carros totalmente elétricos entre 2019 e 2021, três deles serão modelos Volvo e dois serão carros elétricos de alto desempenho da Polestar, o braço do carro de desempenho da Volvo Cars. Os detalhes completos desses modelos serão anunciados posteriormente.

 

…………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Dale Earnhardt Jr. anuncia aposentadoria da NASCAR ao fim de 2017

Considerado o piloto mais popular da NASCAR na atualidade, Dale Earnhardt Jr deixará a categoria ao término da temporada de 2017, anunciou sua equipe, a Hendrick Motorsports, na manhã desta terça-feira (25).

Earnhardt, que completará 43 anos em outubro, afirmou no início da temporada que gostaria de esperar por alguns meses para decidir se renovaria seu contrato ou não.

Ele perdeu a segunda metade da temporada de 2016 enquanto se recuperava de sintomas de concussão. Em sua 18ª temporada na divisão principal da NASCAR, ele completou 600 largadas em março, na etapa de Fontana.

Dale Jr fará sua última prova na Cup no dia 19 de novembro, no encerramento da temporada, em Homestead, em Miami. Em comunicado, a Hendrick Motorsports afirmou que anunciará seus pilotos para 2018, incluindo o substituto de Earnhardt, em uma data posterior.

Nascido em Kannapolis, na Carolina do Norte, Dale Jr conquistou 26 vitórias na principal divisão da NASCAR, incluindo duas conquistas nas 500 Milhas de Daytona, em 2004 e 2014. Ele também possui 13 pole positions e oito vitórias em provas que não contabilizam pontos para o campeonato.

Earnhardt conquistou o prêmio de “piloto mais popular da NASCAR” por 14 temporadas consecutivas. Ele nunca venceu o título da série principal, mas foi duas vezes campeão da categoria que hoje é conhecida como Xfinity Series. Desde a criação dos playoffs, Dale Jr se classificou por oito vezes.

O piloto seguiu o caminho de seu lendário pai, Dale Earnhardt, que conquistou sete títulos e venceu 76 corridas, e de seu avô, Ralph Earnhardt – ambos os pilotos foram incluídos na lista de 50 maiores pilotos da história da NASCAR.

 

…………………………………………………………….
*Fonte: brmotorsport