Utensílios de bambu e bagaço da cana se decompõem em 60 dias

O bagaço da cana-de-açúcar, subproduto do processo de extração, pode ser matéria-prima para plásticos biodegradáveis. Adicionando bambu na composição, chega-se a uma combinação ecológica, eficiente e barata. É o que sugere pesquisadores da Universidade do Nordeste, nos Estados Unidos, em artigo à revista Matter.

Em laboratório, os estudiosos testaram o uso dos dois materiais para criar bandejas, copos e tigelas. O objetivo era encontrar potenciais substitutos para os descartáveis. Afinal, a comodidade de “usar e jogar fora” foi popularizada há poucas décadas, mas foi tempo suficiente para tornar-se um dos grandes desafios ambientais.
plástico de bagaço

“É difícil proibir as pessoas de usar contêineres descartáveis ​​porque são baratos e convenientes”, afirma Hongli (Julie) Zhu, professora e coautora do artigo. “Mas acredito que uma das boas soluções é usar materiais mais sustentáveis”.

De origem chinesa, Hongli afirma que a primeira vez que pisou nos Estados Unidos, em 2007, ficou chocada com a quantidade de itens plásticos descartáveis disponíveis nos supermercados. Tempos depois passou a focar seus estudos na identificação de materiais naturais e tecnologias que ajudem a reduzir nossa dependência do petróleo.

Plástico de bambu e açúcar

Hongli e seus colegas da Universidade do Nordeste moldaram recipientes enrolando fibras de bambu longas e finas com fibras curtas e grossas de bagaço de cana – formando uma rede estável. O resultado é um material forte, limpo, não tóxico, eficiente para reter líquidos e o melhor: começa a se decompor após 30 a 45 dias no solo. Em 60 dias, perde completamente sua forma.

A composição do “plástico” alternativo leva também AKD (Dímero Alquil Ceteno) – um produto químico seguro para a indústria alimentícia – para aumentar a resistência ao óleo e à água.

De acordo com os pesquisadores, o novo produto emite 97% menos CO2 do que os recipientes de plástico e 65% menos CO2 do que produtos de papel e plástico biodegradável disponíveis no mercado. Por aproveitar de resíduos, o custo também é favorável – sobretudo em comparação aos biodegradáveis. O próximo passo é baixar ainda mais para competir com os copos plásticos tradicionais.

Agora, imagine o potencial do Brasil, que é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo. Não à toa, o bagaço da cana já é estudado para diversas finalidades e esta pode ser mais uma delas.

O artigo, em inglês, você confere aqui.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Por que o bambu é considerado a matéria-prima do futuro

A construção civil é considerada uma das principais causadoras de impacto ambiental no mundo. Um jeito de mitigar isso, por comprovação científica e eficiência energética, é a escolha dos materiais.

O bambu é o maior exemplo disso pois apresenta um excelente custo-benefício. Apesar de ser uma gramínea, ele é a melhor alternativa sustentável à madeira. Ele cresce rápido nos mais diversos climas e solos, capta uma grande quantidade de CO2 do ar, tem uma enorme resistência e flexibilidade, além de ter um transporte fácil por ser leve e compacto.

O bambu está se tornando cada vez mais um material acessível e altamente disponível dentro do mercado brasileiro graças ao crescimento de fornecedores, arquitetos, designers e mão de obra especializada.

Muitas vezes nos perguntam: “Por que construir com bambu?”

Gostaríamos de compartilhar com vocês os 8 principais argumentos que utilizamos para defender o uso dessa planta incrível no projeto e na obra!

1. Um recurso renovável
Pode servir como substituto das madeiras de lei, oferece uma chance de reduzir drasticamente o desmatamento das florestas nativas e proteger as madeiras nobres em extinção.

2. Absorve gases do efeito estufa
O bambu absorve dióxido de carbono (CO2) e libera 35% de oxigênio a mais do que outras árvores na atmosfera.

3. Tem uma alta taxa de crescimento
Algumas espécies de bambu crescem mais de um metro por dia! Nenhuma planta no planeta apresenta uma taxa de crescimento tão rápida.

4. Desperdício mínimo
Após a colheita, praticamente todas as partes da planta são usadas para fazer uma ampla variedade de produtos.

5. Versatilidade
O bambu pode substituir o uso de madeira para quase todas as aplicações. Papel, piso, móveis, carvão, materiais de construção e muito mais. Além disso, as fibras de bambu são mais fortes do que outras fibras.

6. Não precisa de fertilizantes, pesticidas ou herbicidas
Ao contrário da maioria das plantas cultivadas para comercialização, o bambu não requer produtos químicos agrícolas. O cultivo de bambu não adiciona substâncias químicas ao meio ambiente.

7. Proteção do solo
O sistema de rizomas do bambu permanece intacto após a colheita e impede a erosão do solo ajudando a reter nutrientes para a próxima colheita.

8. Cresce em diversos lugares
De terras baixas à altitudes mais elevadas, o bambu prospera em uma ampla gama de climas, pode até crescer em regiões áridas e ajuda a preservar a umidade vital do solo.

*Por Brianna Bussinger e Rafael Alves

………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Empresa brasileira lança linha de talheres de bambu

Desde 2015 no mercado, a Beegreen Sustentabilidade Urbana não só desenvolve produtos sustentáveis como participa de vários projetos relacionados ao cuidado com o meio ambiente. Um desses projetos, não só incentiva a economia regional como também a sustentabilidade, tudo isso através de uma matéria-prima conhecida e versátil: o bambu.

Como? A empresa acaba de lançar uma linha de talheres feitos com bambu. Os talheres da Beegreen são veganos, biodegradáveis e não contém BPA e ou Ftalatos. São talheres leves e práticos, para serem levados a qualquer lugar, tanto para almoçar como para tomar um sorvete no final de semana, evitando, assim, o uso dos talheres de plástico descartáveis. O kit custa R$21 e está disponível no site da startup.

Sua produção é 100% brasileira, e o bambu utilizado é um produto proveniente de fontes renováveis, vindos de plantações da região metropolitana de Curitiba (Campina Grande, Bocaiúva e Adrianópolis), fomentando, assim, a economia regional e o cultivo da planta. “Levamos mais de um ano no desenvolvimento dos talheres, já que o Brasil não possui maquinário e estrutura adequada para a produção em bambu. Nossos produtos são feitos quase que manualmente; mesmo assim, já estamos no processo de desenvolvimento de novidades”, avalia a engenheira de produção e sócia proprietária da Beegreen, Patricya Bezerra.

Prático, o bambu é uma planta que possui uma excelente capacidade de absorver o gás carbônico (CO2) da atmosfera. Para quem não sabe, o CO2 é um dos principais gases responsáveis pelo aquecimento global e pelo efeito estufa. Ele ainda é capaz de substituir a madeira e se renova sem a necessidade de replantio. Com o bambu, podem ser produzidos não só os talheres, como também potes, bicicletas, biomassa, combustível, tecidos, móveis, instrumentos musicais e alimentos. Além disso, a planta possui características muito parecidas com as do aço, com resistência às forças de compressão e altas trações.

Atualmente, a grande maioria dos produtos produzidos com esse material são importados da China, e o objetivo da startup para os próximos anos é alterar esse cenário. “Plantando uma árvore nós já ajudamos a atmosfera; plantando bambu, ajudamos ainda mais. Essa é uma matéria-prima riquíssima, e temos grande potencial produtivo não aproveitado. A grande maioria dos produtos vendidos aqui são importados, e precisamos mudar essa realidade. Nosso objetivo nos próximos anos é auxiliar essa cadeia sustentável, incentivando o cultivo e a estruturação do mercado do bambu aqui no Brasil”, finaliza a bióloga e sócia da empresa, Jéssica Pertile.

O mercado do bambu no Brasil

Dados da International Network for bamboo and Rattan (INBAR), mostram que o mercado mundial do bambu movimenta 60 bilhões de dólares por ano, em produtos industriais, brotos comestíveis e matérias-primas. Aqui no Brasil, existem 258 espécies e 35 gêneros espalhados pelo país, o que corresponde a 20% da plantação de bambu do mundo. A maior reserva natural fica localizada a sudoeste da Amazônia Legal, com cerca de 180 mil quilômetros de floresta preservada.

Lei de Incentivo à Cultura do Bambu

No dia 19 de novembro, aconteceu em Curitiba a primeira Audiência Pública sobre a “Lei de Incentivo à Cultura do Bambu no Paraná”, iniciativa essa do Deputado Goura. O evento foi o marco inicial à aprovação da lei, que tratará de políticas públicas e incentivos ao produtor rural e à indústria de beneficiamento do bambu. Participaram do evento pessoas da iniciativa pública/privada, e foram discutidos temas como “Bambu e seu poder nutricional na alimentação humana”, “A importância da planta Bambu e seus serviços ambientais” e “Desenvolvimento Sustentável”.

………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo