Jeff Ament (Pearl Jam) e seu álbum solo

Confira vídeo do o projeto solo do baixista do Pearl Jam, Jeff Ament, que leva o sobrenome dele, “Ament”. O álbum de estreia vai se chamar “Heaven/Hell”, sai no dia 10 de maio.

O primeiro single revelado também na semana passada é “Safe in the Car”, que conta com a colaboração de Angel Olsen nos vocais, além de ter os colegas de Pearl Jam Mike McCready na guitarra e Matt Cameron na bateria.

Acústicos & Valvulados – “Born to be wild” (FECEVA)

Com os amigos me enviando muitas fotos e também vídeos da “parada de ter tocado” uma música com os Acústicos & Valvulados, ontem na FECEVA, esse é o vídeo que o Alvin Haas me enviou (escolhi esse dentre tantos) – dias modernos, todo mundo de celular na mão.
Já disse, a coisa foi meio que na base do improviso, a músicas é um clássico então ao menos tinha uma ideia do som (rsrsrsrs). Combinamos alguma coisa rapidinho e foi isso. – subir lá e tocar, foda-se o resto. Taí então.
Sempre em frente!

Mais uma vez, grato aos Acústicos e Valvulados pela chalaça!

Tocando com os Acústicos & Valvulados na FECEVA

Ontem na FECEVA (Festival da Cerveja de Venâncio Aires), além de muita cerveja artesanal é claro, teve também show com várias bandas: Stereo Guidis, Automóvel Verde, Mastodonte, Maquinados, Tenente Cascavel e Acústicos & Valvulados.
Lá pelas tantas, os amigos Rafael Malenotti e Móica (Acústicos & Valvulados) me convidam para tocar uma música com eles – “Born to be Wild”. Pelo jeito uma menção ao rolê de moto com o Móica e o Pretto, na tarde (fotos em um outro post). Música emblemática para o universo rock + motocicletas.

Sim, bem nessa mesmo, meio que de improviso, ali e na hora e com toda aquela cerveja na cabeça….rsrssrsr.Mas para o rock’n roll não tem arrego, o cara sempre tem de estar pronto! Vamu-qui-vamu.

Hoje recebi no meu celular várias imgs e vídeos de amigos do ocorrido ontem. Pelo jeito agradou (rsrsrsrs). Eu não tinha a menor noção de como tinha sido. E o que já era bom – me refiro ao momento, a vibe, a chance de tocar ao vivo com banda Acústicos e Valvulados, agora além de ficar guardado em minha memória, também tem fotos e vídeo….rsrsrsr

Valeu rapaziada!
Valeu Rafael, Móica & Cia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolê rockn’roll com convidado especial

O rolê de hoje teve um convidado especial, foi o Alexandre Móica, guitarrista da banda Acústicos & Valvulados. A banda vai se apresentar esta noite em Venâncio Aires (RS) e como é um amigo já de longa data, desde os tempos de Troublemakers e Carbura (duas bandas das quais fiz parte), sendo que desta segunda – ele produtor do nosso CD.

Conversamos durante a semana e então hoje ele não veio junto no bus da banda, mas sim pilotando a sua Royal Enfield Classic 500. Depois de um desencontro que atrasou um pouco a nossa partida no rolê na tarde, eu e o Pretto, que já o aguardávamos em minha casa, saímos na metade da tarde para Herveiras – lugar que já conhecemos bem, mas que o Móica, apesar de rodar há vários anos por esse Rio Grande fazendo shows com a banda, não conhecia esse trajeto ainda. E como já falei de outras “tantas” vezes, é um trajeto bonito e muito bom para andar de moto.

Sobre o rolê em si não tenho muito o que contar, foi tudo de boa, tirando que um cara atravessou o nosso caminho cruzando o asfalto perpendicularmente bem na nossa frente, sem dar sinal algum; uma tiazinha muito desligada que me deu um “chega-prá-lá” no trevo de Vera Cruz, no mais foi tudo OK! Um dia normal de estrada por aqui, sempre cheio de imbecis  ao volante.

Fizemos uma tradicional parada na ponte (alta) do caminho. Depois seguimos até o também já tradicional posto onde fizemso um pit-stop e depois retornamos. O caminho é sempre muito agradável e em sua grande parte com um visual bacanudo. Pelo jeito o Móica curtiu. A ideia era essa mesmo, mostrar para ele um lugar bom para andar de moto e também diferente do que ele está acostumado até agora.

Pena que na volta a logo começou a escurecer e praticamente voltamos de farol aceso, o que não deve ter sido muito interessante para ele em termos de curtir o visual do trajeto nessa hora. Já era noite escura e fechada quando chegamos, deixamos nosso convidado são e salvo na porta do hotel, pronto para se reunir com banda e logo mais tocarem no FECEVA.

Valeu, sem dúvida uma passeio diferente, bem divertido e pelo deu para perceber, o ilustre convidado gostou da empreitada. As aventuras seguem e quem sabe logo mais outras viagens de moto com o amigo também.

Até mais. Valeu!

*Confira algumas imgs do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DCIM100GOPRO

 

 

 

 

 

 

 

DCIM100GOPRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eric Clapton – 73 anos

Nesta sexta-feira que passou (30/03), a “lenda” da guitarra e do blues Eric Clapton, completou 73 anos de idade. O tempo cobra seus tributos e memso que volta e meia boatos de sua saúde não andarem lá muito bem (fotos dele convalescido e em uma cadeira de rodas num aeroporto, circularam ano passado – lembram?), mas parece que o rapaz ainda segue firme e forte. Talvez as extensas turnês não sejam mais uma realidade possível, mas eventuais shows devem acontecer, segundo relatos do próprio artista. Que assim seja. Keep on rock.

Parabéns mestre!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Em tempo. Os vídeos abaixo são de uma tour de 2007 e dái me ocorre uma conversa que tive com alguns amigos tempos atrás. Temos atualmente muitas chances de assistir a shows de artistas nacionais e internacionais, coisa que já foi bem complicada nas décadas passadas, especialmente nos 70 e 80’s. Alguns fatores que prejudicaram essa tal vinda de famosos artistas estrangeiros de ponta naquela época, no auge de suas carreiras, são vários e tema de muita conversa: o desconhecimento e pouco caso de empresários para o potencial local de público para shows; a ditadura militar vigente por aqui no período (afinal o rock sempre foi insurgente e com a tal vitalidade pertinente aos jovens); a falta de estrutura logística e de pessoal especializado para dar suporte na época – para se transportar cenários e equipamentos com agilidade e rapidez, ter conhecimento técnico de equipamentos, etc.  Mas principalmente a questão financeira pesou bastante. Afinal o Brasil fica longe dos grandes centros e estamos falando aqui de uma época prá internet e outras tantas evoluções tecnológicas.

Mas isso há um bom tempo já ficou prá trás (ainda bem), vide a quantidade enorme de vários shows e tours importantes que estão nos roteiros de artistas famosos atualmente. Mas daí vem a questão, será que assistimos a tours de “momentos” realmente significativos desses artistas. Porque tem aquela coisa, a banda lança um novo álbum, hoje mais do que nunca “precisa” pegar a estrada para divulgá-lo e fazer grana, afinal os donwloads piratas acontecem segundos depois do lançamento oficial do álbum (ou até mesmo antes…). Assim o artista precisa tocar as músicas novas e claro alguns clássicos, essa é a fórmula. Mas o ideal é “pegar” aquela tour massa de verdade, a tour daquele álbum phoda prá carai, se é que me entendem. Já fui em muitos shows bons nesse smeus tantos anos de vida, mas nem todos eram dessa vibe de tour do álbum PHODÁSTICO. Tipo assistir a tour do ACDC no “Black in Black”, do Bowie em “Let’s Dance”, do Pink Floyd no “the Wall”, do G&R no “Appetite”… E sim, poucas vezes realmente isso aconteceu.

Tudo isso para dizer que essa tour de 2007 (vídeos abaixo) do Eric Clapton, reúnem vários desses elementos mágicos que tornam essa tour especial. Muito por causa do repertório escolhido, várias músicas de seu período anterior e de sua época de início de carreira solo, quando o som ainda era menos polido. E outra e tavlez até a questão mais importante – a sua banda! O time escolhido. PQP!!!! Não é sempre que se consegue reunir o garoto prodígio da guitarra que toca sem palhetas – Derek Trucks (Allman Brothers Banda / Tedeschi & Trucks Band), o guitarrista – Doyle Bramhall II (que toca guitarra com as cordas invertidas), o baterista – Steve jordan (phodástico / king of groove – que também toca com o John Mayer), outra lenda dos teclados – Chris Stainton e o baixista Willie Weeks, que no meu ponto de vista é oc ara certo para tocar com Clapton e não o Nathan East, qwue tem um som muito polido e com um certo acento jazzy – não curto! – apesar de saber que é um grande baixista). Sem falar nas garotas dos backings Michelle John e Sharon White.

Ah! Como eu gostaria de ter assistido a um show dessa tour. Tive o pazer de ver ao vivo Eric Clapton em porto alegre 2 vezes, uma em 1990 na tour do álbum Journeyman (que foi muito bom – Gigantinho) e outra em 2011, na FIERGS onde alg7uns caras da banda eram ainda os mesmo dessa tour fantástica de 2007. Mas o som estava muito ruim nesse dia. Uma pena, porque o repertório era bacanudo e baseado mais na sua fase blues e não tão de hits radiofônicos e da MTV dos 90/00’s. Mas sem dúvida vale. e como que não tem cão caça com gato, aí alguns vídeos dessa fase que eu admiro muito. Keep on rock!

 

 

Angus Young – 63 anos (31/03)

Sobre o futuro da banda AC/DC depois da morte de Malcolm Young e da saída de Brian Johnson, pouco se sabe. Alguns boatos dizem que Angus e Axl Rose (último a assumir os vocais da banda ao vivo) estariam gravando um novo álbum de estúdio (!!?). Bem, de qualquer forma uma cois aé fato- Angus Young é um daqueles guitarristas que se já tornaram uma lenda, um marco na história do rock e da guitarra.

Parabéns aqui do blog para esse grande mestre dos riffs endiabrados!
Feliz aniversário Angus Young.