Quer uma vida longa? Tome café da manhã antes das 7h

A sabedoria popular diz que o café da manhã é a refeição mais importante do dia. Agora, especialistas acreditam que quebrar o jejum no horário “certo” também pode garantir mais alguns anos de vida para as pessoas.

Cientistas da Universidade de Nova York descobriram que tomar o café antes das 7h da manhã pode aumentar a expectativa de vida. Por outro lado, esperar até as 10h pode ter o efeito contrário.

Pesquisas anteriores descobriram que comer tarde da noite perturba o relógio interno do corpo e aumenta o risco de desenvolver diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. Mas, até o momento, poucos estudos analisaram se o horário do café da manhã tem um impacto semelhante.

Café da manhã cedo pode reduzir risco de doenças cardíacas e câncer
O estudo acompanhou mais de 34.000 americanos com mais de 40 anos durante várias décadas. Os voluntários registraram os horários de alimentação e os cientistas os compararam com as taxas de mortalidade ao longo do estudo.

Os resultados, publicados no Journal of Nutrition, mostraram que aqueles que tomam café da manhã entre 6h e 7h têm 6% menos probabilidade de morrer prematuramente de doenças graves, como problemas cardíacos ou câncer do que aqueles que tomam café da manhã regularmente às 8h, e um risco de morte prematura 12% menor do que outros que comeram pela primeira vez às 10h.

Acredita-se que pular o café da manhã ou comê-lo tarde interrompe o “relógio alimentar” do corpo – a programação interna que controla a liberação de hormônios relacionados à alimentação, como a insulina. Esse hormônio ajuda a queimar a glicose da corrente sanguínea, e os níveis atingem o pico de manhã cedo.

Comer mais tarde pode significar que o corpo diminui gradativamente a insulina e aumenta os níveis de glicose no sangue – causando diabetes, obesidade e doenças cardíacas.

*Por Jeniffer Cardoso
…………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Confira 3 dicas para deixar o café feito em casa mais gostoso

O preparo do café em casa faz parte da rotina diária de muitas pessoas. Porém, algumas dicas podem deixar o cafezinho caseiro ainda mais gostoso.

As formas de preparo para deixar a bebida ainda mais saborosa são do blog Coffee & Joy. Assim, o texto de Débora Reis mostra alguns cuidados básicos e fáceis que podem ser tomados em casa para que o café do dia a dia fique melhor ainda. Isto independente se o preparo é no filtro de papel, de pano, na prensa francesa ou qualquer outro método.

Confira as dicas para fazer um bom café:

1. A água do café: ferver ou não ferver?
A água é um ingrediente fundamental no preparo do café, já que cerca de 90% do café é composto por água. Portanto, o ideal é utilizar sempre água filtrada ou mineral, que não tenha um gosto excessivo de cloro.

“Evite usar água direto da torneira, já que, em alguns lugares, essa água tem muitos minerais com sabores fortes, inclusive o cloro”, indica o Coffee & Joy.

O ideal é que a água seja retirada do fogo assim que ferver. “Logo que a água ferver, use uma parte dessa água imediatamente para escaldar os equipamentos. Isso vai ajudar a limpar, tirar resquícios de papel ou pano, se estiver usando coador ou filtro.”

Lembre-se de descartar em seguida a água que usou para escaldar.

“Fazendo este processo bem rápido e não ultrapassando 1 minuto, o tempo entre a fervura da água e a limpeza dos equipamentos será suficiente para que o restante da água da chaleira fique em uma boa temperatura para usar no café.”

2. Como escolher o café e qual a proporção correta
Segundo o Coffee & Joy, um café de qualidade demanda um árduo trabalho no campo. Saber a origem e o produtor responsável fazem toda a diferença.

“Dessa maneira, é possível ter a garantia de estar consumindo algo de qualidade e também beneficiando o trabalho dedicado que foi realizado pelo produtor, o principal responsável pelo café. Optar por uma torra fresca e bem feita garante que as características aromáticas e de sabor de um grão estejam acentuadas. Isso não significa que o café torrado há muito tempo fique impróprio para consumo.”

Com um café de qualidade em mãos, outra dica importante é moer o café na hora.

Observe as proporções. O equilíbrio é o segredo para ter um café saboroso. Nem muito concentrado e nem muito ralo. Por isso, é importante acertar as medidas na hora de preparar o café.

Para não errar mais, uma colher de sopa muito cheia possui cerca de 13 a 15 gramas de café. Um copo americano cheio, até a marca da linha antes do topo, possui 130ml de água.

Para cafés especiais, um bom ponto de partida é usar 10g de café para cada 100ml. Mas é só uma recomendação.

O importante é ir experimentando e encontrar a medida ideal que atenda ao gosto pessoal de quem vai tomar o café.

3. Como guardar o café
Se a embalagem original não for adequada ou se preferir colocar em outro utensílio, não utilize potes transparentes. Prefira os vidros marrons e potes escuros.

Também certifique-se de que o pote esteja bem tampado para não entrar ar e evitar o processo de oxidação.

Não guarde o café na geladeira. A mudança de temperatura e o aroma de outros alimentos que ficam na geladeira afetam o sabor do café.

……………………………………………………………………………….
Fonte: huddocafe

Você sabe por que brindamos antes de beber?

“Arriba, abajo, al centro, y adentro!”

Quem nunca brindou com seus amigos antes de tomar uma dose de tequila na balada (ai, que saudade!) ou mesmo antes de tomar qualquer bebida, em comemorações diversas? Esse gesto de levantar os copos e batê-los uns nos outros parece quase um cumprimento — e é mais ou menos por isso que ele foi criado.

A teoria mais aceita para a origem do brinde diz que, nos tempos mais remotos, todas as pessoas bebiam no mesmo recipiente. Quando o costume se tornou cada um ter o seu, bater os copinhos todos juntos no centro da roda era uma forma de celebrar essa mesma união.

E as batidinhas no balcão?
Além do brinde, algumas pessoas costumam de bater o copo no balcão ou na mesa, antes de levá-lo à boca — enquanto outras fazem mais um gesto com o copo, além do brinde em si, mas sem bater. Esses gestos vêm da tradição de “deixar um gole para o santo”.

Antigamente (e até hoje, em alguns lugares) as pessoas literalmente derramavam um pouco da bebida no chão para deixar “o gole do santo”. Aí o santo de cada um depende, né… mas diz a lenda que essa ideia surgiu na antiguidade: as pessoas derramavam um gole de bebida como forma de homenagear as pessoas queridas que estariam bebendo com elas, mas morreram.

A partir disso, o costume foi mudando para uma simples batida com o copo na mesa — uma forma de lembrar dos saudosos colegas sem desperdiçar bebida. Mas outra teoria diz que a razão para esse costume não é tão mórbida: bater o copo na mesa ou fazer outro gesto com ele seria apenas uma forma de agradecer ao garçom que lhe serviu. Uma terceira história diz que bater o copo na mesa é uma tradição irlandesa, para afastar espíritos da bebida.

De qualquer modo, mesmo que o garçom não entenda a batida de copo como agradecimento, o pessoal do bar vai curtir o chão mais limpo, sem “o gole do santo”.

*Por Evandro Voltolini
……………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Estudo: consumo de álcool pode causar distúrbio imediato no ritmo cardíaco

Uma pesquisa da UC San Francisco revelou que o consumo de álcool aumenta significativamente a chance de ocorrer distúrbio do ritmo cardíaco em poucas horas após sua ingestão. Segundo os autores, a descoberta é a primeira evidência que vai contra a antiga – e dividida – percepção de que o álcool pode ser “cardioprotetor.”

De acordo com o artigo, publicado na revista Annals of Internal Medicine, uma única taça de vinho pode rapidamente causar a chamada fibrilação atrial (FA), “ao contrário da crença comum de que a FA está associada ao consumo excessivo de álcool, parece que mesmo uma bebida alcoólica [em pouca quantidade] pode ser suficiente para aumentar o risco”, explicou Gregory Marcus, professor de medicina na Divisão de Cardiologia da UCSF.

“Nossos resultados mostram que a ocorrência de fibrilação atrial pode não ser aleatória nem imprevisível”, acrescentou ele. “Em vez disso, pode haver maneiras identificáveis ​​e modificáveis ​​de prevenir um episódio agudo de arritmia cardíaca.”

Estudo: consumo de álcool pode causar distúrbio imediato no ritmo cardíaco. Imagem: Shutterstock
Foram observados 100 pacientes com FA documentada que consumiram pelo menos uma dose de bebida alcoólica por mês. Com um monitor de eletrocardiograma (ECG) e um sensor de álcool de registro contínuo foi possível acompanhar cada ingestão de álcool dos participantes, que acionavam um botão toda vez que bebiam álcool. Os voluntários consumiram em média uma bebida por dia durante todo o período.

Os resultados apontaram que um episódio de FA já estava associado a chances duas vezes maiores ao ingerir uma dose de bebida alcoólica, e três vezes maiores com duas ou mais doses dentro de quarto horas. Episódios de FA também foram associados a um aumento na concentração de álcool no sangue.

“Os efeitos parecem ser bastante lineares: quanto mais álcool consumido, maior o risco de um evento agudo de FA”, disse Marcus. “Essas observações refletem o que foi relatado por pacientes por décadas, mas esta é a primeira evidência objetiva e mensurável de que uma exposição modificável pode influenciar agudamente a chance de ocorrer um episódio de FA”.

Segundo informações do Medical Xpress, a FA pode levar à perda de qualidade de vida, custos significativos de saúde, derrame e morte, no entanto, as pesquisas feitas até agora se concentravam apenas nos fatores de risco para o desenvolvimento da doença e nas terapias para tratá-la, em vez de fatores que determinassem quando e onde um episódio poderia ocorrer.

Os autores admitiram algumas limitações do estudo, levando em consideração que os pacientes podem não ter registrado o consumo ao apertar o botão, seja por esquecimento ou por constrangimento. Além disso o levantamento considerou apenas pacientes com FA registrada e não a população geral.

*Por Tamires Ferreira
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

É verdade que a água faz diferença no sabor da cerveja?

O universo cervejeiro é cheio de histórias, e quanto mais cerveja é consumida, mais relatos surgem, e mais pessoas se consideram experts no precioso líquido. Uma dessas lendas é a certeza que muitos têm de que determinadas águas especiais são o “segredo” para o sabor diferenciado de algumas cervejas.

Nessa categoria de cervejas mitológicas estariam a Brahma e a Skol de Agudos (SP), a Bohemia com água da serra de Petrópolis (RJ), a saudosa Antarctica produzida em Pirapora (MG). Internacionalmente, são famosas: a irlandesa Guinness feita com água do rio Liffey de Dublin e a Pilsen, fabricada na cidade do mesmo nome na República Tcheca.

Infelizmente, por mais românticas que possam parecer, essas histórias não são reais. Pelo menos, nos tempos atuais. Segundo Maurício Beltramelli, autor do livro Cervejas, Brejas & Birras, “a um custo baixo, qualquer indústria consegue purificar a água de sarjeta e dotá-la das características ideais para cada tipo de cerveja”.

Qual a importância da água na fabricação da cerveja?

No entanto, o fato de a mudança das características físico-químicas da água ser uma atividade corriqueira desde o início do século XX, isso não significa que a água não tenha um papel essencial na fabricação da cerveja. Afinal, entre 90% a 95% da cerveja são compostos por água.

E, dentro do mundo cervejeiro, o insumo hídrico é dividido em quatro tipos: mole, média, dura e super dura. Assim, as Pilsens, por exemplo, usam água mole em sua fabricação, enquanto as cervejas de estilo Munique são feitas com água dura, com grande teor de cálcio e magnésio.

Mas, se não é pela água, por que é que a cerveja é mais gostosa quando tomada perto do lugar onde é fabricada? A resposta aqui é simples: isso ocorre porque o deslocamento e as viagens afetam a qualidade da bebida. Alguns itens interferem no sabor final, como exposição à luz, lugar de armazenamento, o chacoalhar das garrafas e as alterações bruscas de temperatura.

E, quando ouvimos alguém dizer que “a melhor cerveja é a que se toma olhando a chaminé da fábrica”, a explicação é a idade da bebida, pois, ao contrário do vinho, quando mais nova a cerveja, melhor ela é.

*Por Jorge Marin
………………………………………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Consumo regular de café traz benefícios à saúde, afirmam cientistas

Acordar com o cheirinho do café passando, fazer uma pausa no meio do dia para uma xícara de café, se sentar para um café com pessoas queridas… O café faz parte do nosso dia a dia e normalmente é associado a bons momentos.

Mas esta bebida que é uma das preferidas no Brasil também está associada a benefícios para a saúde. Estudos recentes relacionam o consumo regular de café a diminuição de riscos de doenças e aumento do bem estar físico e mental.

Pesquisadores das Universidades de Southampton e Edimburgo, publicaram na BMC Public Health, um estudo que revela que beber qualquer de três a quatro xícaras de café por dia reduziu o risco de desenvolver e morrer de doença hepática crônica. E os benefícios aparecem com o consumo de diversos tipos de café.

Quase meio milhão de pessoas com níveis conhecidos de consumo de café foram examinados por meio de dados do UK Biobank. De todos os participantes incluídos no estudo, 78% (384.818) consumiam café moído ou instantâneo com cafeína ou descafeinado, enquanto 22% (109.767) não bebiam nenhum tipo de café. Durante o período do estudo, houve 3.600 casos de doença hepática crônica, incluindo 301 mortes.

Em comparação com os que não bebiam café, os que bebiam café tiveram um risco reduzido de cerca de 21% de desenvolver doença hepática crônica ou gordurosa e um risco reduzido de 49% de morte por doença hepática crônica.

O benefício máximo foi observado no grupo que bebeu café moído, que contém altos níveis dos ingredientes kahweol e cafestol, que se mostraram benéficos contra doenças crônicas do fígado em animais.

Durante muito tempo, o café esteve na lista de possíveis carcinógenos da Organização Mundial da Saúde. Apenas em 2016, a OMS o retirou da lista, mas, mesmo assim, em 2018, a Califórnia aprovou uma lei exigindo que os produtores de café coloquem rótulos de advertência de câncer em seus produtos.

No entanto, descobriu-se que o café realmente ajuda na prevenção de certos tipos de câncer, como o câncer de pele e de próstata.

A “descoberta” do café
Em um programa de história do rádio da BBC, historiadores detalham que o primeiro registro de uso e consumo de grãos de café veio do Iêmen, região que a maioria das pessoas não associa à planta. Segundo os historiadores, um pastor suspeitou dos grãos ao notar suas cabras comendo-o e exibindo hiperatividade.

Depois de consumir os grãos, ele escreveu conseguia ficar acordado a noite inteira orando – uma descoberta pela qual muitos estudantes universitários poderiam ter empatia.

Em alguns grãos de café podem ser encontrados cerca de mil componentes químicos diferentes, e os cientistas muitas vezes lutam para descobrir quais compostos são responsáveis ​​pelos muitos benefícios observados.


Café e saúde

Um estudo da Universidade de Harvard detalha que “há evidências consistentes de estudos epidemiológicos de que o maior consumo de cafeína está associado a um risco menor de desenvolver a doença de Parkinson – 24% por 300 mg de cafeína.

Uma meta análise com mais de 330 mil participantes também identificou a redução de 24% do risco de desenvolver depressão com o consumo de café. Mais uma vez, quanto maior o número de xícaras consumidas, menor o risco. A mesma lógica se aplica para outra análise de estudos que avaliou a relação entre o café e o risco de suicídio – 53% menor para aqueles que beberam 4 ou mais xícaras, 45% menor para aqueles que beberam 2-3 xícaras.

Também vem da Universidade de Harvard uma pesquisa que relatou evidências de que o café pode ajudar a prevenir diabetes tipo 2, alguns tipos de câncer, Alzheimer e até cálculos biliares.

Apesar do café estar associado à agitação e frequência cardíaca elevada, estudos com milhares de pessoas demonstraram repetidamente riscos mais baixos para várias doenças cardíacas e eventos como acidente vascular cerebral, geralmente com um limite inferior de 11% encontrado com café descafeinado e 25% para cafeinado.

Um estudo publicado pela Nature, em 2019, revelou que o café estimula um tipo de produção de gordura que neutraliza o tipo que leva à obesidade. Descobriu-se que as células in vitro têm estimulação imediata na produção de gordura marrom, um tipo de célula de gordura usada para gerar calor corporal em contraste com a gordura branca, que armazena calorias como energia.

Os resultados, de que o café estimula a produção de gordura marrom, foram replicados em humanos, levando os pesquisadores da Universidade de Nottingham a concluir que o café tem um papel no combate à epidemia de obesidade.

Com todos esses benefícios comprovados pela ciência, temos mais motivos para uma boa xícara de café. Mas é sempre bom lembrar sempre que os excessos podem trazem riscos e que é sempre importante consultar um profissional de saúde para saber os tipos de alimentos mais indicados para o nosso corpo.

*Por Natasha Olsen
…………………………………………………………………………………………
Fontre: ciclovivo

Propriedades e benefícios do vinho

O vinho é uma bebida proveniente da fermentação da uva, que há muito tempo, desde épocas mais antigas, demonstra em suas propriedades os benefícios que podem ser oferecidos à saúde. Pode parecer estranho ouvir que uma bebida alcoólica possa auxiliar a saúde, mas trabalhos científicos provaram que substâncias químicas oriundas da uva podem ser, sim, benéficas.

Do que é feito o vinho e quais são seus benefícios?

Considerada um alimento funcional, a uva possui compostos bioativos, como os polifenóis e compostos fenólicos, que são indicados em pesquisas como substâncias com função antioxidante, ou seja, previnem o envelhecimento das células, participam da prevenção de doenças, possuem propriedades anti-inflamatórias e ajudam na diminuição do colesterol LDL. Os principais polifenóis encontrados no vinho são a quercitina, a catequina e o resveratrol.

O resveratrol é o principal polifenol não flavonoide encontrado na bebida e tem ação antioxidante (diminuindo os radicais livres), anti-inflamatória, cardioprotetora, antidiabetes, anticancerígena, quimiopreventiva, neuroprotetora e protetora renal. Enfatizando seu poder cardioprotetor, o resveratrol diminui os níveis de lipídeos no sangue e a junção de plaquetas que poderiam bloquear as artérias.

Para compreender o que está ingerindo, há uma rápida comparação entre o vinho tinto e o vinho branco. O vinho tinto é feito com a casca e o suco da uva, e é na casca onde há maior concentração de flavonoides; no vinho branco, como é utilizada somente a polpa da fruta, a quantidade de flavonoides, ou seja, de resveratrol, é menor.

O vinho possui também:

Minerais: sódio, potássio (grande quantidade), cálcio, fósforo, magnésio, silício, ferro, manganês, zinco e cobre;
Vitaminas: quantidades bem pequenas de B1, B2, B5, B6 e B12;
Tanino: polifenol que age no sabor do vinho, na adstringência e na secura.

O vinho pode ajudar na prevenção de artrite (por ter poder anti-inflamatório), câncer (por ter ação antioxidante), diabetes (melhora a resposta insulínica nas células), dislipidemias e doenças coronárias (por conta do resveratrol e de outros polifenóis), doenças neurológicas (devido à alta quantidade de polifenóis encontrados no vinho tinto) e doenças resultantes de envelhecimento (problemas de visão e doenças nos ossos).

Qual a quantidade diária ser ingerida?

De acordo com a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), com base na Organização Mundial da Saúde, o consumo moderado diário de vinho tinto é de 90 ml para mulheres e 180ml para homens. Já no caso do vinho branco, 125 ml para mulheres e 250 ml para homens.

Como alerta, vale ressaltar que para usufruir dos bons efeitos do vinho, é necessário ter uma vida saudável (alimentação correta, exercícios físicos…). Todo tipo de bebida alcoólica deve ser consumida com moderação, de modo individualizado e com orientação médica. Quem têm alguma contraindicação ao álcool não deve ingerir essa bebida. Em momento algum incentivo o consumo de bebidas alcoólicas.

*Por Marcela Andrade

……………………………………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Café pode estimular ‘gordura boa’ e ajudar na perda de peso

Acostumados que estamos às notícias sobre os males que o consumo de gordura e café podem causar, algumas descobertas científicas recentes sobre o controle de peso podem surpreender: a primeira, que existe um tipo de gordura no corpo que, quanto mais, melhor; a segunda, que tomar café pode ser benéfico ao ajudar essa gordura a entrar em ação, contribuindo para a perda de peso – para alguns pesquisadores, uma aposta no combate à obesidade.

É o que indica um artigo de cientistas da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, publicado nesta semana no periódico Scientific Reports. O estudo analisou os efeitos de um copo de café na gordura marrom em humanos, um tipo de tecido descoberto recentemente em adultos e que, diferente da gordura mais famosa, a branca, é inversamente proporcional ao peso – ou seja, pessoas obesas tendem a apresentar menos gordura marrom no corpo e as mais magras, mais gordura deste tipo.

Também diferente da gordura branca, que armazena energia, a marrom queima calorias. Enquanto a branca está em todo o corpo, como na barriga e abaixo da pele, a marrom está em camadas mais profundas, na região do pescoço e do coração.

Outra característica dessa gordura recentemente confirmada em adultos é seu papel fundamental no controle da temperatura do corpo, esquentando-o e aumentando a atividade no frio – tanto que, há até pouco tempo, o comum era mostrar sua presença em mamíferos que hibernam e em bebês.

“Era apontado o papel da gordura marrom na termorregulação no corpo dos bebês, que precisam se adaptar a temperaturas diferentes do ambiente intrauterino”, explica José Carlos de Lima Júnior, médico e pesquisador de pós-doutorado em biologia vascular na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Mas, nos últimos dez anos, a gordura marrom ganhou muito destaque depois que pelo menos três grupos de pesquisa descreveram que ela existe em adultos”.

“Ela se tornou então o ‘Santo Graal’ na busca por tratamentos para obesidade”, diz Lima Júnior, pesquisador no Centro de Pesquisa de Obesidade da Unicamp, que já divulgou trabalhos importantes acerca da gordura marrom.
Representação do tecido adiposo

Mas, segundo o pesquisador, a possibilidade de um medicamento que mire a gordura marrom para tratar a obesidade ainda é distante e até frustrada – até agora, pareceu difícil contornar efeitos colaterais importantes, como o aumento da frequência cardíaca.

É aí que entram os cientistas de Nottingham.

Pimenta e café

Os autores da pesquisa publicada na Scientific Reports testaram o papel da cafeína em duas frentes: em uma, colocando uma dose em contato com células in vitro; em outra, deram para nove voluntários saudáveis um sachê de 1,8g de café instantâneo dissolvido em 200ml de água e depois observaram alterações corporais através de exames de imagens.

As células mostraram atividade metabólica aumentada, como no consumo de oxigênio e abundância de proteínas. Nos indivíduos, a região do pescoço teve aumento de temperatura, o que segundo os autores indica também mais atividade em uma região que coincide com a presença da gordura marrom.

“Juntos, esses resultados demonstram que a cafeína pode estimular as funções da gordura marrom (…) e que esta tem o potencial de ser utilizada terapeuticamente em humanos adultos”, diz um trecho do artigo.

Os autores dizem ainda que, na literatura, já houve diversos trabalhos que associaram o consumo de cafeína à perda de peso, mas nenhum analisou especificamente este papel na gordura marrom.

“Este é o primeiro estudo a determinar que os efeitos estimulatórios da cafeína (…) observados in vitro podem ser traduzidos em humanos adultos após a ingestão de uma dose de café comumente consumida”.

Lima Júnior diz que muitos pesquisadores têm apostado no papel que os alimentos e alguns compostos naturais podem ter para estimular a gordura marrom, apesar de ser incerto ainda o alcance real da dieta – por exemplo: O quanto de café precisaria ser ingerido para que isso de fato tivesse impacto no tratamento da obesidade?

De todo modo, ele lembra que pesquisadores americanos já demonstraram os impactos positivos da pimenta no aumento da atividade da gordura marrom.

“Mas o principal estímulo (à gordura marrom) é o frio. Tanto é que, inicialmente, ela foi descrita em trabalhadores que atuam em áreas externas de países escandinavos. Eles tinham maior volume desse tecido no pescoço”, menciona o brasileiro, apontando que um clima tropical como o nosso pode limitar a ação deste tecido na perda de peso.

O pesquisador explica ainda que, em geral, pessoas mais velhas e diabéticos apresentam menor quantidade de gordura marrom.

E, se a gordura marrom foi o “Santo Graal” há alguns anos, agora parece que existe também uma “menina dos olhos” – a gordura bege, que parece ter origem como uma célula branca mas ser capaz de transformar-se em marrom.

“As células de gordura bege estão presentes em todo corpo, e em quantidade cerca de dez vezes maior que a marrom. Ela parece ser capaz de se modificar entre a branca e a marrom”, aponta.

*Por Mariana Alvim

…………………………………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

Álcool danifica o cérebro na adolescência e não é só isso

Se nós confiarmos apenas nas propagandas parece que o álcool de uma cerveja, uma taça de vinho ou de algum destilado serve apenas para unir as pessoas e deixá-las alegres. Beba com responsabilidade, os anúncios dizem rapidamente, sem nunca explicar o custo que o uso frequente ou excessivo de álcool causa, particularmente em certos estágios da vida. O álcool não nos embriaga, ou prejudica apenas nosso julgamento e nosso fígado: ele pode ter muitos outros efeitos péssimos em nossos corpos, incluindo no cérebro, de acordo com a Dra. Claire McCarthy da Harvard Health Publishing.

Em um editorial recente no BMJ, cientistas apontaram que há três períodos na vida em que o cérebro passa por grandes mudanças e é particularmente vulnerável aos efeitos do álcool. Dois desses períodos estão no início e no fim da vida. Quando as gestantes bebem álcool, ele pode danificar o cérebro em desenvolvimento do feto, levando a problemas físicos, deficiências de aprendizagem e problemas comportamentais. Quando pessoas com mais de 65 anos bebem álcool, pode piorar a redução na função cerebral que acontecem durante o envelhecimento.

O terceiro período é a adolescência. Durante esses anos de transição entre a infância e a idade adulta, o cérebro cresce e muda de muitas maneiras importantes que são cruciais para que essa transição seja bem sucedida. Quando adolescentes e jovens adultos bebem álcool, ele pode interferir com esse processo de desenvolvimento cerebral de maneiras que afetam o resto de suas vidas.

Uso de álcool em adolescentes e jovens adultos

De acordo com a CISA, o uso de álcool por jovens sobe no Brasil, na contramão do resto do mundo. Um a cada 5 jovens brasileiros entre 15 e 19 anos beberam no último ano e um a cada 4 daqueles em idade escolar já estiveram bêbados.

Isso é um monte de jovens que podem estar deformando seus cérebros — e suas vidas — para sempre.

Aqui está o que os pais de adolescentes podem e devem fazer:

Fale com seus adolescentes sobre álcool e seus efeitos, todos eles. Certifique-se que eles saibam dos fatos.
Tenha regras rígidas sobre o uso de álcool, e consequências se essas regras forem quebradas. Sim, é normal que os adolescentes experimentem, mas se você tolera que ou ela ele vá a festas com álcool, bebedeira ou dirigir enquanto bebe, isso pode literalmente destruir a vida do seu filho — ou acabar com ela.
Conheça os pais dos amigos do seu adolescente, e trabalhe para ter uma responsabilidade compartilhada e comunitária para manter todos seguros.

Dar um bom exemplo. Beba com responsabilidade, assim como esses anúncios incentivam.

Para obter mais conselhos sobre como falar com seu adolescente e estratégias para prevenir o uso e abuso de álcool leia os conselhos deste psiquiatra.

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Os reais benefícios de consumir cafeína regularmente

A cafeína faz parte da vida cotidiana moderna ao redor do mundo. Sua principal fonte é, claro, o café, mas alimentos como chocolates, chás e bebidas energéticas também possuem quantidades significativas dessa molécula. Nesse sentido, por muito tempo especialistas consideraram a cafeína como uma molécula que acabava prejudicando a saúde se consumida frequentemente. Contudo, não é isso que estudos recentes vêm demonstrando.

Inúmeras pesquisas demonstraram que o consumo regular de cafeína, principalmente pelo café ou chás, pode trazer muito mais vantages do que riscos para a saúde de uma pessoa. Para falar brevemente, estudos mostraram que esse consumo pode reduzir o risco de suicídio em até 45% e de doenças neurodegenerativas em até 60%. Ainda há efeitos colaterais pelo consumo em excesso, mas primeiro é preciso entender o que a cafeína faz no seu corpo.

O que é a cafeína e como ela funciona

Falando quimicamente, a cafeína é composta por 8 átomos de carbono, 10 de hidrogênio, 4 de nitrogênio e 2 de oxigênio. É possível encontrar esse composto principalmente em plantas, como a erva-mate, o cacau e o próprio cafeeiro. Em geral, essas plantas produzem a molécula para evitar infestações de lagartas e outras pragas. Contudo, há registros de que os humanos começaram a consumir frutos de café há mais ou menos 1.500 anos, na Etiópia – de onde a planta é nativa.

Basicamente o que a cafeína faz no organismo é competir com a adenosina. Essa última é um neuromodulador que quando ativo faz com que haja a sensação de sono e cansaço no nosso corpo. Para isso a adenosina precisa se ligar a receptores no cérebro, e assim você fica com sono. A cafeína, por sua vez se liga nos mesmos receptores da adenosina, evitando que ela faça seu papel de causar sono e cansaço. Ao longo de vários dias, contudo, o cérebro cria novos receptores e a adenosina pode se ligar novamente. Nesse ponto, é preciso consumir uma quantidade maior de cafeína para ter o mesmo efeito.

Um estudo de 2008 também mostrou que o consumo de cafeína pode aumentar a produção de adrenalina no corpo, bem como dopamina e noradrenalina.

*Por Mateus Marchetto

………………………………………………………..
*Fonte: SoCientífica

Uísque Johnnie Walker vendido em garrafa de papel? Sim!

Já vimos aqui no blog estátuas feitas com papel, assim como camas, fliperamas e até uma igreja construída com o material. Porém, se alguém ainda tinha alguma dúvida do quão especial é o nosso adorado papel, é bem capaz de se render agora. Isso porque a fabricante de bebidas Diageo anunciou que lançará, no começo de 2021, uma edição limitada do famoso uísque Johnnie Walker em uma garrafa de papel. Ela virá no lugar da conhecida versão de vidro e, de acordo com a marca, será a primeira garrafa de destilados à base de papel e sem plástico do mundo.

Para fazer a garrafa, a Diageo fez parceria com a empresa de gerenciamento de risco Pilot Lite para criar uma nova companhia de embalagens, a Pulpex Limited. A ideia é garantir que a tecnologia possa ser usada em todas as áreas da vida, segundo a fabricante. A garrafa de papel usada na versão limitada do Johnnie Walker foi projetada para ser escalável e totalmente reciclável, ao mesmo tempo que fornece uma alternativa potencial ao uso de garrafas de vidro. Indo pelo mesmo caminho, outras grandes fabricantes de bebidas, como a Unilever e a PepsiCo, também anunciaram suas próprias garrafas de papel já em 2021.

Ainda de acordo com a Diageo, as garrafas serão feitas pressurizando polpa de madeira reciclável em moldes que serão curados em fornos de microondas. Além disso, elas serão pulverizadas internamente com revestimentos projetados para não interagir com as bebidas que irão conter, nesse caso, o famoso uísque Johnnie Walker. Para isso, utilizará um procedimento diferente do usual. Muitas caixas de papelão possuem um revestimento de plástico para evitar vazamentos das bebidas. A Diageo, porém, afirmou que sua nova garrafa não irá utilizar esse material, sendo totalmente feita apenas com papel.

Além disso, a Diageo, que também fabrica a vodca Smirnoff, afirma que já usa menos de 5% de plástico em todas as suas embalagens. As novas garrafas, entretanto, apoiam ainda mais a ênfase da empresa em inovação e sustentabilidade. Tanto que está promovendo a nova embalagem como parte da identidade da marca Johnnie Walker, já que a bebida é um destilado envelhecido em madeira, em barris de carvalho. Segundo a empresa, o momento é adequado para isso, pois a marca Johnnie Walker, ao longo de 200 anos de existência, também é conhecida por inovar. Mais uma vitória do papel.

……………………………………………………………………………………
*Fonte: adoropapel

Beber uma taça de vinho por dia é capaz de ‘limpar a mente’, aponta estudo

A moderação parece ser mesmo a chave para a maioria das coisas da vida – inclusive aquelas que supostamente nos fazem mal. Pesquisas recentes concluíram algo que deixou até mesmo os cientistas impactados: ingerir um pouco de álcool pode fazer bem para o combate ao Alzheimer e outros tipos de demência – que quem não bebe nada corre mais riscos de desenvolver tais males do que quem bebe um pouco.

O impressionante resultado se deu por conta do sistema glinfático, uma espécie de sistema de autolimpeza do cérebro, que remove toxinas e ajuda a combater as doenças citadas. O primeiro resultado da pesquisa já era esperado, e sublinha a importância do sono: além de fixar o que aprendemos e melhorar todo o funcionamento do corpo, é durante um bom sono que o sistema glinfático “limpa” o nosso cérebro.

Acontece que a pesquisa também apontou indícios de que o consumo de quantidades baixas de álcool também aumentam as atividades desse sistema. Não adianta, no entanto, encher a cara diariamente para prevenir qualquer demência: segundo as pesquisas, realizadas somente com ratos, a ingestão benéfica equivale a uma taça diária de vinho, capaz de aumentar o funcionamento do sistema glinfático em até 40%.

…………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

Fatores que influenciam o sabor, o aroma e a aparência da cerveja

A cevada, o lúpulo, a levedura e a água são os ingredientes que fazem a cerveja do jeitinho que nós conhecemos e tanto gostamos.

No entanto, apesar de serem poucos ingredientes, eles possuem diversas variações das quais acabam sendo responsáveis por influenciar diretamente no sabor, no aroma e na aparência da cerveja.

Isso é possível não só pela variedade dos grãos usados na produção da bebida, como também pela maneira em que eles são acrescentados nesse processo.

Para que a cerveja seja de qualidade, é muito importante que os ingredientes usados na produção também tenham uma boa procedência e sejam plantados e colhidos de forma correta.

Existem outros aspectos que também são alterados por conta dos ingredientes, dentre eles estão a densidade da bebida, o teor alcoólico e a sensação que ela causa na boca. A amargura e o azedume são diretamente afetados pelo tipo de metodologia usada durante o processamento da cerveja.

Ou seja, a cerveja deve passar por um processo de fabricação totalmente correto sem nenhum tipo de intereferência, pois isso poderá resultar em influencias nas características da bebida.

E você? Já conhece os fatores que fazem da sua cerveja favorita tão especial?

*Por Barbara Bozzi

………………………………………………………..
*Fonte:

Apenas sentir o cheiro de café já diminui o estresse, revelam pesquisadores

Que o café é uma das bebidas mais apreciadas e consumidas no mundo todo mundo sabe. Tanto que poderia facilmente ser considerado a oitava maravilha do mundo.

É uma delícia que vai além do sabor, o café é um estimulante que nos revigora, nos deperta e nos faz ficar mais concentrados. Há ainda quem se anime de manhã apenas em sentir o cheiro do café sendo preparado.

Mas sabia que apenas sentir o cheiro do café pode trazer benefícios para pessoas estressadas?

Foi o que descobriu pesquisadores da universidade coreana Seoul National University. O estudo publicado no Journal of Agriculture and Food Chemistry provou que apenas cheirar o grão de café torrado pode despertar genes que diminuem o estresse.

A equipe investigou os cérebros de ratos induzidos ao estresse causado pela falta de sono e depois avaliou os efeitos realizando análises genéticas e de proteínas no tecido cerebral.

Descobriram que esses ratos expostos ao delicioso aroma do café tiveram mudanças nas proteínas cerebrais relacionadas ao estresse e também ativou uma proteína conhecida por ter uma função antioxidante.

Concluindo, o aroma do café altera perfis de proteínas que tem função antioxidantes ou anti-stress. Este estudo é o primeiro passo para entender os efeitos do aroma do café.

Um bom dia começa com um bom café! As manhãs podem ser muito mais relaxantes já que o estresse pode diminuir só de sentir o cheiro do café!

*Por Marcia Lourenço

…………………………………………………………………………..
*Fonte: ideiasnutritivas

Caipirinha foi inventada no Brasil durante epidemia de Gripe Espanhola

Em 1918, a pandemia da Gripe Espanhola levava pânico ao mundo. No Brasil, em meio à demora das autoridades para reagir ao surto e tomar providências, algumas pessoas passaram a oferecer suas próprias receitas caseiras contra a doença.

Como lembrado em tempos de Coronavírus, uma dessas receitas ficou bem popular e incluía limão, mel, alho e um pouco de álcool. Reconheceu algo aí? Isso acabou servindo de base para a criação da caipirinha, que viria a se tornar o drink mais popular do Brasil.

Pelo menos é o que uma das inúmeras histórias sobre a origem do drink conta, incluindo uma forte versão do IBRAC, Instituto Brasileiro da Cachaça. Após o “remédio”, versões da bebida começaram a surgir sem o alho e sem o mel, substituído por açúcar já que a cultura canavieira era forte no Brasil.
Origem da Caipirinha

Outras versões da história citam a mistura como uma bebida típica do interior do país (justificando, portanto, o nome “caipirinha”) e, ainda com relação ao nome, existem teorias que falam que a mistura de álcool foi uma ideia do povo interiorano para “facilitar” o uso de limão para curar gripes comuns, prática bem popular na época.

Moradores de Paraty, no Rio de Janeiro, defendem que a caipirinha nasceu por ali com marinheiros misturando cachaça e limão como forma de evitar o escorbuto, causado pela deficiência de Vitamina C.

Já outros historiadores afirmam que foram os fazendeiros paulistanos da região de Piracicaba que inventaram a caipirinha como forma de usar a cana de açúcar, seu principal produto, como substituto do uísque e de vinhos importados.

De toda forma, uma coisa é certa: pelo menos na pandemia atual podemos beber uma versão mais refinada desse icônico drink 100% brasileiro. Saúde!

*Por Felipe Ernani

……………………………………………………………………………….
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Tomar vinho tinto e comer chocolate pode atrasar o envelhecimento

Apreciar um bom vinho e comer um chocolate preto faz bem para sua saúde.
Um estudo que foi feito no Reino Unido, descobriu que um produto químico semelhante ao resveratrol retarda o envelhecimento do corpo humano.

Não é segredo pra ninguém que tomar vinho e comer chocolate é benéfico para nós. Pois já existem muitos estudos que confirmam isso.
Mas nessa pesquisa, foi comprovado que os dois juntos podem contribuir com que as pessoas “vivam mais”.

O resveratrol é classificado como um fitoestrogênico, que é capaz de interagir bem com os receptores de estrogênio no corpo.

Nesse estudo foi utilizado resultados de outras pesquisas já realizadas na universidade, indicando que, á medida que vamos envelhecendo, os chamados fatores de junção, que são tipos de proteínas, ficam inativos.

Com a adição de “resverogues” ao envelhecimento das células humanas as reativou.

Além das células parecerem mais jovens, isso fez com que as antigas células se dividissem novamente.

…………………………………………………………………………….
*Fonte: universointeressante

Vinho Azul: Vinícola lança uma versão natural (sem corante e sem açúcar)

Uma nova moda que está invadindo o universo dos vinhos é o VINHO AZUL.

Algumas marcas já lançaram versões de vinhos azuis, mas que na verdade são “coquetéis” feitos com vinho branco, outros ingredientes e corante azul.

No entanto existe uma vinícola espanhola que conseguiu fazer um vinho azul, completamente natural (sem adição de corantes e açúcares), a Gik Live!.

Foram 2 anos de estudos e testes para chegar em um vinho com a coloração azulada. Isso ocorre através de processos tecnológicos de pigmentação do vinho, usando uvas tintas e brancas.

A tecnologia que permite criar essa cor azul, de forma natural no vinho, foi desenvolvida pela equipe de pesquisa e desenvolvimento da vinícola em colaboração com a Universidade do país basco e outras instituições de tecnologia de alimentos da região basca (Espanha) e da França.

Além de conseguir produzir um vinho azul sem uso de corantes, a vinícola também optou por fugir da adição de açúcar (o que é comum em outras versões de vinhos azuis fakes). Segundo eles, tanto para evitar que a bebida fique doce (trazendo uma experiência mais significativa para quem já aprecia vinhos finos) quanto para não engordar seus clientes.

O preço sugerido da garrafa de Vinho Azul da Gik Live! é €12,00.

…………………………………………………………..
*Fonte: euamovinhos

Leite faz mal para a saúde?

Na última década, o leite tornou-se um pouco controverso. Algumas pessoas dizem que é um alimento necessário e nutritivo, vital para ossos saudáveis, mas outros dizem que pode causar câncer e levar a uma morte precoce.

Então quem está certo? E por que estamos bebendo ainda nos dias de hoje? O pessoal da Kurzgesagt – In a Nutshell foi pesquisar e trouxeram um bocado de informação relevante – e as respostas para suas perguntas.

*Por Julio Moraes

…………………………………………………………………….
*Fonte: updateordie

Vinho mata até 99% das bactérias que causam infecção de garganta

Eis mais um bom motivo para tomar uma taça de vinho!

Um estudo da Universidade de Pavia, na Itália, publicado no “Journal of Agricultural e Food Chemistry” concluiu que um dos componentes do vinho tem a capacidade de matar até 99% das bactérias que causam infecções de garganta e que dão origem às cáries.

Esse componente anti-bacteriano foi encontrado tanto no vinho tinto quanto no branco.

“Concluímos que este efeito age contra os estreptococos orais patogênicos e também é ativo na prevenção de cárie e patologias do trato respiratório superior”, afirmou Maria Daglia, uma das pesquisadoras.

“Diversos estudos mostram que o consumo moderado da bebida é benéfico para a saúde humana, como proteção contra doenças do coração e até câncer”, completou.

Agora você já tem mais um motivo pra tomar uma taça de vinho!

……………………………………………………………….
*Fonte: euamovinhos

Cerveja é tão boa para o intestino quanto probióticos, diz pesquisa

Professor holandês afirma que a bebida pode ser saudável para saúde intestinal

Pode haver uma maneira mais agradável de melhorar a sua saúde intestinal do que tomar Activia. Segundo um professor da Universidade de Amsterdã, as cervejas fortes podem ser “muito, muito saudáveis” para a saúde intestinal quando consumidas com moderação.

Eric Classen apresentou sua pesquisa em uma conferência organizada pela Yakult. O estudo revelou que cervejas belgas mais fortes, como Hoegaarden, Westmalle Trip e Echt Kriekenbier têm mais probióticos em relação às mais fracas. A grande diferença está no processo de fermentação.

Enquanto a maioria das cervejas é fermentada apenas uma vez, as que passam pelo processo de fermentação por duas vezes possuem mais quantidade de um tipo específico de levedura probiótica, que mata bactérias causadoras de doenças intestinais. Probióticos regulares são mais comumente ligados a um trato digestivo saudável e aumentam o suporte do sistema imunológico.

Classen concluiu que “se você beber apenas uma dessas cervejas todos os dias, seria muito bom para você”. Entretanto, há ressalvas, beber em excesso pode danificar as bactérias saudáveis do intestino.

Embora essa possa ser uma maneira atrativa de melhorar a saúde digestiva, não é toda a comunidade científica que concorda com os benefícios dos probióticos. No ano passado, um estudo revelou que eles podem trazer “potenciais efeitos colaterais adversos”.

*Por Guilherme Preta

……………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Qual a diferença entre cerveja e chope?

Quase nenhuma. De acordo com Estacio Rodrigues, do Instituto da Cerveja, “eles podem ser o mesmo produto. Mas a cerveja, geralmente envasada em latas ou garrafas, passa pelo processo de pasteurização [aquecimento e resfriamento extremos e rápidos para matar micro-organismos], o que aumenta seu prazo de validade”.

Já o chope é servido sob pressão diretamente de barris, e é feito para ser tomado fresco. Em outros países não existe a palavra “chope”: há apenas dois tipos de cerveja, on tap, servida em uma torneira sob pressão direto no copo, e a de garrafa, envasada na fábrica – a bebida que nós chamamos simplesmente de cerveja.

*Por Bruno Vaiano

…………………………………………………………
*Fonte: superabril

Manual: como fazer o café perfeito?

Você é daqueles que não passa um dia sem um cafezinho? Seguindo algumas dicas, é possível deixá-lo ainda melhor – sem gastar tanto assim.

1 – Leia o rótulo
Tire o escorpião do bolso: café de baixa acidez, 100% arábica (um tipo de grão), é a melhor pedida, apesar do preço. Dê preferência a embalagens com a data de fabricação recente.

2 – Pode vir quente…
Opte por água filtrada ou mineral, e não tenha medo de fervê-la. Para extrair o melhor do pó, a água deve estar entre 92°C e 96°C. Não tem termômetro? Aqueça até borbulhar, apague o fogo e espere 30 segundos.

3 – Proporções de café e água
O café do Brasil é mais forte que o da Europa ou dos EUA. Se quiser testar um café mais fraco, basta alterar as proporções ou optar por um pó clarinho, que foi menos torrado.

 

 

 

 

 

4 – Sabor na medida
Para adoçar, o açúcar refinado é o que menos interfere. Não use filtros de pano – eles acumulam impurezas. Quer café forte? Use a menor xícara possível. Faz diferença: as maiores deixam escapar o sabor e a temperatura.

5 – Teste outros jeitos
Experimente diferentes cafeteiras (coador, elétrica, italiana, francesa, etc.) até encontrar o sabor ideal para você. Ter um moedor de café caseiro é uma exigência exótica, mas ajuda.

_ _ _ _ _ _

Dicas de ouro (preto)

Banho é bom
Jogue um pouco de água no filtro antes de colocar o café, para evitar que o papel interfira no sabor.

Mexa o pó no filtro
Depois de despejar a água no coador, agite suavemente com uma colher para maximizar a extração de sabores.

Compre pouco
Não armazene café por muito tempo e guarde o pó na embalagem. O contato com o ar deteriora o produto.

*Por Rafael Battaglia

……………………………………………………………………..
*Fonte: superineteressante

Como a cerveja criou as civilizações

Até cerca de 12 mil anos atrás, os seres humanos viviam basicamente de frutas que caíam e dos bichos que caçavam. Por isso, eram chamados de caçadores-coletores. Isso mudou quando eles começaram a domesticar as primeiras plantas e criaram a agricultura. Ao manipular a natureza, não precisavam mais andar para cima e para baixo o tempo inteiro à procura de comida. Podiam se estabelecer, e nesses assentamentos surgiram as cidades. Com mais tempo livre, desenvolveram linguagens, ferramentas e tudo mais que evoluiria até hoje. Foi a chamada Revolução do Neolítico.

A evolução das religiões também seria uma consequência, já que quem não podia parar quieto em um lugar para viver não se daria o luxo de erguer um templo para chamar de seu. Mas um sítio arqueológico no sul da Turquia, perto da fronteira com a Síria, está questionando isso. Descoberto há duas décadas, Göbekli Tepe é um dos mais antigos templos de que se tem notícia, com pilares e altares de 11.600 anos. Em um cantinho desse templo, os arqueólogos acharam recipientes com resíduos microscópicos de gazelas e auroques, além de oxalato, um composto químico que indica a mistura de grãos e água. Em outras palavras, carne e cerveja, um belo de um churrasco em que esse álcool pré-histórico serviria para lubrificar o contato das pessoas com o plano espiritual (como outras bebidas e drogas fizeram e fazem em outras culturas).

 

 

 

 

 

Göbekli Tepe, Turquia (Divulgação/Divulgação)

Além disso, segundo os cientistas, a festança teria motivos pragmáticos: motivar a própria construção do templo. Os caçadores-coletores labutavam para trabalhar essas pedras de até 16 toneladas e seriam recompensados com a comilança – da mesma forma que você ajuda um amigo a pintar a casa dele e é pago em cerveja. Göbekli Tepe, concluíram os estudiosos, levou as pessoas a se estabelecerem na região para se congregar mais vezes (e aumentar o templo, consequentemente). Ou seja, a religião teria sido um dos motivadores para homens e mulheres se assentarem, e não uma consequência desse novo estilo de vida.

A segunda suspeita que o sítio sustenta é que não foi o pão que liderou a Revolução da Agricultura. Mas a cerveja. Uma das evidências mais antigas de grãos domesticados, um trigo chamado einkorn, foi encontrada a poucos quilômetros de Göbekli Tepe. Não há nada conclusivo, até porque o oxalato não garante que houve fermentação dos grãos (o que indicaria a produção de cerveja). Mas é bem possível. Por volta de 7.000 a.C., em Jiahu, na China, havia bebidas fermentadas de arroz, frutas e mel. Na mesma época, os habitantes da região passaram da fase caçador-coletor para a fazendeiro. Isso reforça a teoria da cerveja ser anterior ao pão, algo que começou a ser discutido já nos anos 1950. Se diferentes povos em lugares distantes uns dos outros têm experiências semelhantes, é porque, provavelmente, tem algo a mais nessa história. Pesquisas no México mostraram que o antepassado do milho usado lá servia muito bem para fazer cerveja, mas não para pão ou outras comidas.

Os humanos já conheciam o álcool obtido da fermentação natural. A chicha de batata, na América do Sul, e o vinho de palma, na África e na Ásia, têm cerca de 15 mil anos. Ao aprofundar esse conhecimento de produção de bebidas, e de como ela poderia deixar a vida menos difícil, faz sentido acreditar que a cerveja é tão antiga assim. O que seria mais útil para o florescimento das artes e das religiões? Pão? Acho que não.

“Primeiro a gente bebe, depois a gente vê”, teriam pensado nossos ancestrais. E aí a cerveja nos fez humanos.

*Por Felipe van Deursen

 

………………………………………………………………….
*Fonte: superinteressante

Benefícios do vinho tinto para o coração, corpo e mente

Você já ouviu falar do paradoxo francês? É um fenômeno bem pesquisado que se refere a pessoas que vivem em certas partes da França, onde o vinho tinto é comumente consumido durante as refeições e tem menos casos de morte por doença coronariana, embora essas pessoas tenham um estilo de vida considerado que tem riscos maiores do que aqueles que vivem nos Estados Unidos e outros países desenvolvidos. Estudos mostram que esse fenômeno pode ser devido aos muitos benefícios cardioprotetores do vinho tinto.

Aproveitar os benefícios do vinho tinto para a saúde não é uma prática nova. Uma pesquisa na Universidade de Harvard encontrou um frasco no túmulo do Rei Escorpião I, que remonta a 3150 aC, que contém vestígios de vinho junto com resíduos de ervas.

Com base nas descobertas, os pesquisadores testemunham a grande antiguidade dos vinhos de ervas egípcias como remédio e sua importância nos faraós durante a unificação inicial do país. Esses vinhos continham ervas dissolvidas, como bálsamo, hortelã, sálvia, tomilho, bagas de zimbro, mel e incenso, e eram consumidas para tratar vários problemas de saúde, desde problemas digestivos até herpes.

Além do conhecimento dos nossos antepassados, que usavam o vinho para tratar doenças e enfermidades, milhares de estudos publicados ao longo de várias décadas provaram que o vinho tinto, quando consumido com moderação, pode ter um efeito positivo na saúde do seu coração, melhorar a função cognitiva, reduzir o estresse oxidativo e até mesmo normalizar os níveis de açúcar no sangue.

Quando consumido em pequenas quantidades, o vinho tinto pode ser considerado um superalimento que fornece poderosos antioxidantes que curam o corpo a um nível celular, como a quercetina e o resveratrol. É por isso que os benefícios do vinho tinto são tão abundantes quando você consome com moderação.

Os 6 principais benefícios do vinho tinto

1. Aumenta a saúde do coração
Compostos ativos no vinho tinto, incluindo polifenóis, resveratrol e quercetina, provaram ter propriedades cardioprotetoras. Numerosos estudos transversais, observacionais e controlados mostram que beber quantidades moderadas de vinho tinto tem efeitos benéficos em muitos aspectos diferentes relacionados à doença cardiovascular.

Pesquisas mostram que os nutrientes antioxidantes do vinho tinto podem retardar a progressão da aterosclerose, um tipo de arteriosclerose que ocorre quando há acúmulo de gorduras, colesterol e placa nas paredes das artérias.

Um estudo, publicado no International Journal of Molecule Medicine, descobriu que a ingestão moderada de álcool, especialmente vinho tinto, diminuiu a mortalidade cardíaca devido à aterosclerose, mas pessoas que não beberam vinho tinto e pessoas que bebiam em demasiado estavam em maior risco de mortalidade cardíaca.

Há também muitas evidências que apoiam o papel benéfico do resveratrol, que protege as células cardíacas do dano tecidual após um acidente vascular cerebral, inibe o acúmulo de plaquetas e diminui o acúmulo de triglicérides e colesterol. O resveratrol também demonstrou relaxar as artérias coronárias, tornando-se, pelo menos parcialmente, responsável pelos benefícios do vinho tinto associados à doença cardiovascular.

A quercetina, um dos flavonoides mais importantes presentes no vinho tinto, também provou promover a saúde do coração, regulando os níveis de pressão arterial, reduzindo a inflamação e prevenindo o estresse oxidativo.

2. Melhora o Colesterol
De acordo com um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition, o consumo de vinho foi associado a um aumento significativo do colesterol HDL, com os participantes vendo seus níveis melhorarem em 11% a 16%.

Outro estudo, conduzido na Universidade Curtin, na Austrália, descobriu que o consumo regular de vinho tinto reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares ao diminuir os níveis de colesterol LDL em mulheres na pós-menopausa em 8% e aumentar os níveis de colesterol HDL em 17%.

3. Combate os danos dos radicais livres
A acumulação de radicais livres desempenha um papel importante no desenvolvimento de doenças crônicas e degenerativas, incluindo câncer, doenças auto-imunes, artrite reumatoide, doenças cardiovasculares e doenças neurodegenerativas. Os antioxidantes presentes no vinho tinto ajudam a neutralizar o estresse oxidativo ao agir como sequestradores de radicais livres que previnem e reparam os danos causados pela oxidação. Antioxidantes aumentam as defesas imunológicas do corpo e diminuem o risco de desenvolver várias condições de saúde graves.

Devido à sua capacidade de combater os danos dos radicais livres, o resveratrol encontrado no vinho tinto tem a capacidade de bloquear o processo de várias etapas da carcinogênese, incluindo os vários estágios de iniciação, promoção e progressão do tumor. O resveratrol está envolvido na regulação negativa das respostas inflamatórias do corpo.

4. Ajuda a gerenciar o diabetes
Pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst descobriram que o vinho tinto pode retardar a passagem da glicose através do intestino delgado e, eventualmente, para a corrente sanguínea, ajudando a prevenir o aumento dos níveis de açúcar no sangue experimentado por pacientes com diabetes tipo 2. Esta pesquisa prova que, devido aos benefícios do vinho tinto, ele pode realmente fazer parte de um plano de dieta para diabéticos quando consumido com moderação.

Ambos os vinhos tintos e brancos foram testados para determinar quão bem eles poderiam inibir a atividade de uma enzima que é responsável por desencadear a absorção de glicose. Os pesquisadores descobriram que o vinho tinto era o vencedor, inibindo as enzimas em quase 100%, enquanto os valores para o vinho branco eram de cerca de 20%. A eficácia do vinho tinto foi tão significativa porque contém cerca de dez vezes mais polifenóis (um tipo de antioxidante) do que o vinho branco.

Além desses achados, o estudo encontrou outro benefício para o vinho tinto, que é o de não ter efeito sobre uma enzima pancreática que decompõe o amido e é necessária para evitar os efeitos colaterais dos medicamentos para o açúcar no sangue.

5. Combate Obesidade e Ganho de Peso
Um estudo realizado na Purdue University descobriu que o vinho tinto pode ajudar a combater a obesidade. Isto é devido a um composto encontrado em uvas e outras frutas (como mirtilos e maracujá) chamado piceatannol, que tem uma estrutura química semelhante ao resveratrol. Segundo os pesquisadores, piceatannol bloqueia a capacidade de uma célula adiposa imatura de se desenvolver e crescer. Verificou-se também que altera o tempo de expressão dos genes, funções dos genes e funções da insulina durante o processo metabólico das células adiposas.

Quando o piceatannol está presente, há uma inibição completa da adipogênese, o processo de desenvolvimento celular. O Piceatannol é tão eficaz no combate à obesidade e ao ganho de peso porque é capaz de destruir as células adiposas no início do processo de desenvolvimento celular, prevenindo assim o acúmulo de células adiposas e, mais tarde, o ganho de massa corporal. Ele faz isso ligando-se a receptores de insulina encontrados em células adiposas e bloqueando a capacidade da insulina de controlar os ciclos celulares. Também bloqueia a atividade da insulina para ativar genes que são importantes nos últimos estágios da formação de gordura.

6. Pode ajudar a prevenir a doença de Alzheimer
Pesquisas indicam que as pessoas que comem uma dieta mediterrânea, composta de vinho tinto, vegetais, legumes, frutas, peixe e azeite, têm um risco 28 por cento menor de desenvolver transtorno cognitivo leve e um risco 48 por cento menor de progressão do comprometimento cognitivo leve para Doença de Alzheimer.

Há ainda mais pesquisas sobre o vinho tinto especificamente como medida preventiva e tratamento natural para o Alzheimer. De acordo com uma pesquisa publicada no Frontiers in Aging and Neuroscience, o resveratrol pode controlar as principais características da doença de Alzheimer e retardar a progressão da demência. Isso se deve à capacidade do resveratrol de reduzir o estresse oxidativo e a inflamação e trabalhar como neuroprotetor.

Ingredientes que tornam o vinho tinto benéfico

O vinho tinto é carregado com antioxidantes, especialmente flavonóides como quercetina e resveratrol. Esses antioxidantes impulsionam muitos dos processos do corpo, mas são particularmente reverenciados por melhorar a saúde do coração. Os bioflavonóides são uma grande família de compostos polifenólicos que desempenham funções-chave nas plantas, como combater as tensões ambientais e modular o crescimento celular. Um dos flavonóides mais conhecidos que está presente no vinho tinto é a quercetina.

A quercetina é um dos antioxidantes mais abundantes na dieta humana, e desempenha um papel importante na luta contra os danos dos radicais livres, os efeitos do envelhecimento e da inflamação. Pesquisas mostram que a quercetina pode ajudar a administrar uma série de condições inflamatórias de saúde, incluindo:

• Infecções
• Fadiga crônica
• Distúrbios autoimunes
• Artrite
• Alergias
• Problemas nos vasos sanguíneos
• Comprometimento cognitivo
• Distúrbios relacionados aos olhos
• Colesterol alto
• Doenças cardíacas
• Doenças de pele
• Câncer
• Úlceras estomacais
• Aterosclerose
• Diabetes
• Gota

A presença de quercetina é pelo menos parcialmente responsável pelos benefícios do vinho tinto. Outros flavonóides encontrados no vinho tinto são procianidinas, que também estão presentes em quantidades elevadas no chocolate e maçãs. Pesquisas mostram que as procianidinas têm uma potente atividade antioxidante e a capacidade de estimular a função imunológica.

O resveratrol é outro antioxidante bioflavonoide polifônico encontrado no vinho tinto. É classificado como um fitoestrógeno porque interage com os receptores de estrogênio de maneira positiva. Acredita-se que seja um dos polifenóis mais potentes e protetores mais fortes contra os danos dos radicais livres, declínio cognitivo, obesidade e doenças cardiovasculares. As plantas realmente produzem resveratrol em parte como um mecanismo de proteção e resposta a estressores em seus ambientes, como infecções por radiação, ferimentos e fungos.

O vinho tinto é provavelmente a fonte mais conhecida de resveratrol devido ao processo de fermentação que transforma o suco de uva em álcool. Quando o vinho tinto é produzido, as sementes de uva e as peles fermentam nos sucos da uva, o que tem um efeito positivo nos níveis e na disponibilidade do resveratrol.

É importante ter em mente que mais vinho não significa maiores benefícios para a saúde. Apesar das propriedades saudáveis do vinho tinto, o próprio álcool é, na verdade, uma neurotoxina, o que significa que pode envenenar o cérebro e afetar o fígado, entre outros sistemas corporais. Dito isto, é melhor beber pequenas quantidades de vinho de vez em quando. Não exceda cinco copos por semana e não mais do que dois em um dia. Esta é a melhor maneira de obter os benefícios do vinho tinto sem contrapor-se ao consumo excessivo de álcool.

……………………………………………………………………….
*Fonte: revistasaberesaude

Se você bebe para esquecer, está perdendo tempo: O álcool reforça as lembranças ruins

O famoso “beber para esquecer” pode ter se tornado página virada. Embora seja verdade que uma boa bebedeira pode levar a pessoa a não se lembrar de tudo o que fez no dia seguinte, as coisas ruins (exatamente as que queremos apagar da memória) podem se agarrar ao nosso cérebro de modo mais ferrenho do que se não bebêssemos.

É isso que revela um estudo publicado pela revista Translational Psychiatry, elaborado por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, de Baltimore (EUA). Dividiram ratos de laboratório em dois grupos: um bebeu água durante duas horas, e ao outro foi dada grande quantidade de álcool no mesmo intervalo de tempo. Posteriormente, ambos grupos foram submetidos a um som determinado, seguido por uma descarga elétrica. No dia seguinte, os roedores escutaram o mesmo som, mas dessa vez sem que fosse seguido pelo choque. Os resultados mostraram que os ratos que haviam sido embriagados tinham mais medo (lembravam melhor da descarga) que aqueles que tinham bebido água.

A conclusão do trabalho é que o álcool perpetua a sensação de medo: a extinção dessa recordação exige receptores do neurotransmissor glutamato (substância relacionada à memória), e quando os compostos do álcool se unem a esses receptores, interferem nas sinapses (comunicação neuronal), levando a que os animais que beberam álcool “não se acostumem ao estímulo e não esqueçam a experiência prévia ruim”, explica o neurologista Pablo Irima, diretor da Sociedade Espanhola de Neurologia.

Tal neurotransmissor (envolvido na eliminação da recordação) não se dá bem com a bebida. “O glutamato produz rejeição ao álcool. Costuma-se usá-lo no hospital para que os pacientes parem de beber”, diz o psiquiatra e presidente da Sociedade Espanhola de Psiquiatria, Julio Bobes.

Distrai, mas não apaga os traumas

Que o álcool nos faz recordar as coisas mais facilmente é algo que tinha sido evidenciado por um estudo da Universidade do Texas (EUA) em 2011. De acordo com essa pesquisa, tomar uma dose ativa certas regiões do cérebro relacionadas exatamente ao aprendizado e à memória.

Mesmo assim, a ideia de que beber é uma boa forma de afastar as más recordações é tão difundida que até esse estudo afirma que a maioria das pessoas afetadas por diversos traumas (entre 60% e 80%) ingere álcool compulsivamente. “Muitos pacientes com estresse pós-traumático se embebedam com a finalidade de fugir da situação, esquecer ou dormir com mais facilidade”, acrescenta Irima. E os pesquisadores concluem: “Se os efeitos do álcool nas lembranças desagradáveis forem semelhantes nos humanos, nosso trabalho pode ajudar a entender melhor como funcionam essas memórias e como focar melhor as terapias em pessoas que apresentam estresse pós-traumático”.

*Por Elena Gomez

………………………………………………………………
*Fonte: elpais-brasil

Por que as pessoas ficam emotivas quando bebem?

Bebidas alcoólicas têm o poder bizarro de alterar a nossa forma de pensar e de agir. Se sóbrios somos contidos, quando bebemos acabamos, muitas vezes, dizendo coisas que não gostaríamos de dizer sem pensar bem e, claro, demonstrando alguns sentimentalismos estranhos.

Quem bebe e às vezes passa dos limites certamente já acabou sendo o sentimental do grupo, expressando afeto em demasia, abraçando pessoas, acenando para estranhos e até mesmo chorando compulsivamente.

A culpa disso tudo é do processo de digestão do álcool: ele chega ao estômago, uma parte dele é absorvida pelo sangue, e a outra parte é enviada para o intestino delgado. Depois, esse álcool todo é processado pelo fígado, antes de ser excretado – durante esse processo, no entanto, uma parte dele é capaz de atravessar a barreira hematoencefálica, ou seja: entra direto no cérebro por meio da circulação de sangue – e é aí que a gente começa a mudar o comportamento.

Bebedeira

O álcool atua de forma a retardar as atividades no sistema nervoso central, que é responsável pela função motora, pelos pensamentos e pelo controle das emoções – é por causa disso que o álcool é considerado um depressor.

Quando se instala no cérebro, o álcool acaba ficando na região do córtex, a matéria cinzenta que processa informações sensoriais e pensamentos. Ali, o álcool atrapalha o funcionamento da região, bagunçando os neurotransmissores e nos fazendo agir de maneira estranha.

O que vai embora primeiramente é a inibição e o pudor, por isso tendemos a nos sentir corajosos quando bebemos. Depois, ficamos falantes e não conseguimos pensar nas consequências do que estamos dizendo.

Quando atingimos esse ponto, tendemos a consumir ainda mais bebidas, mesmo que o mais inteligente fosse parar de beber. Com mais álcool entrando, nosso sistema límbico, responsável pelas emoções, é afetado também, e aí estamos oficialmente bêbados e potencialmente fadados a algum vexame de cunho sentimental.

Vexame na certa

As bebidas alcoólicas interrompem os sinais elétricos entre as sinapses do cérebro, então ficamos sem condições de interpretar informações de modo correto. Por isso, tendemos a reagir emocionalmente de modo exagerado, o que pode nos fazer brigar com pessoas, demonstrar afeto de maneira inadequada, e por aí vai.

Essa região do sistema límbico também é responsável por nos ajudar a criar novas memórias, e como ela é afetada quando bebemos, é bem provável que, no dia seguinte, a boa e velha amnésia alcoólica se faça presente. Quando estamos bêbados, tendemos a ser uma versão exagerada de nós mesmos, por isso os dramáticos viram emotivos, e as pessoas felizes geralmente ficam bobas.

Independente de qual for o seu perfil de personalidade, é sempre bom frisar que beber demais é arriscado de diversas maneiras. Quando você sentir que está ficando alterado, pare de beber e tome água – lembrando também que mesmo se você consumir apenas uma dose de qualquer bebida não deve, em hipótese alguma, voltar para casa dirigindo.

*Por Daiana Geremias

 

…………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Novo tipo de álcool promete bebedeiras sem ressaca e sem afetar o fígado

Sair para beber com os amigos é sempre sinônimo de boas conversas, porém quando exageramos na dose, sentimos os efeitos indesejados da ressaca no dia seguinte. Principalmente depois dos 30, quando a cada bebedeira você promete mais uma vez que nunca mais irá colocar uma gota de álcool na boca. Entretanto, talvez este problema esteja prestes a ser erradicado, já que uma equipe está produzindo um álcool sintético que não dá ressaca e, nem afeta o fígado.

A promessa é de que o Alcarelle esteja disponível no mercado em 5 anos. A partir da molécula alcosynth, ele imita os elementos encontrados no álcool – sociabilidade, relaxamento e diversão – menos os efeitos prejudiciais à saúde, já que estará livres de elementos tóxicos, que são prejudiciais ao fígado.

A equipe, conduzida por David Nutt, afirmou que mais testes serão necessários até que o álcool sintético seja considerado seguro para ingestão. Você teria coragem de tomar um drinque feito em laboratório?

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Beber cerveja faz mais bem à saúde do que beber leite, diz estudo

Em um estudo, depois de examinar 200.000 mulheres que bebiam cerveja normalmente, descobriram que o risco de osteoporose era muito menor do que a média.

A cerveja parece ter sido feita para as mulheres, já que ajuda ainda mais do que leite ou cálcio em pílulas, de acordo com um estudo do Centro Nacional de Avaliação de Risco de Osteoporose publicado no site muhimu.

De acordo com um estudo, a cerveja é mais saudável e mais eficiente do que o leite, se quisermos prevenir a osteoporose.

Estudo começa as investigações:

Todos sabemos que, à medida que envelhecemos, é normal que a densidade óssea seja afetada, no entanto, um estudo indicou que consumir cerveja poderia ajudar a prevenir a osteoporose com mais eficiência do que o beber leite.
A cerveja tem mais benefícios que o leite:

A cerveja tem muitos outros benefícios para a saúde; como ajudar na recuperação física após um forte treinamento físico.

Há anos também ouvimos que, para evitar os sintomas de uma ressaca, o ideal é tomar uma cerveja gelada.

Início da pesquisa:

O estudo foi realizado em 200.000 mulheres, que mostraram que aquelas que bebiam cerveja tinham menos risco de osteoporose.

O que indica que se você é uma mulher e bebe um copo de cerveja regularmente, é menos provável que você tenha problemas ósseos durante sua vida.

Tem seu lado negativo

Outra pesquisa realizada pelo New England Journal of Medicine, que analisou 12.00 mulheres idosas, indicou que aquelas que normalmente bebiam um copo de cerveja por dia, tinham menos capacidade cognitiva em comparação com aquelas que não bebiam.

O que é o lúpulo?

O lúpulo é um ingrediente essencial para a fabricação de cerveja. Ele é da família do cânhamo e dos canabinóides. Ele atua como um substituto natural do hormônio, o que poderia reduzir as síndromes pré-menopáusicas.

Antigamente, usavam-no por seus efeitos sedativos e anti-sépticos, valorizando sua ação contra bactérias.

Também, na Europa, por suas propriedades antioxidantes e antidepressivas. Devido aos seus componentes psicoativos por ser uma planta canabinóide.

Claro que você não deve beber demais! Vale ressaltar que para obter esses benefícios, a recomendação é – entre um copo por dia – sem abusar da álcool, que não é bom para suas funções cognitivas.

 

………………………………………………………………….
*Fonte: pensadoranonimo

Pessoas que bebem café sem açúcar são más, diz estudo

Se você é um amante de alimentos e bebidas com um gosto amargo, como chocolate amargo e café sem açúcar, você pode ter uma alma cheia de maldade, sinais de psicopatia ou sadismo, e nós não dizemos isso … um estudo diz isso.

Segundo pesquisa publicada na revista Appetite, a preferência por sabores amargos está relacionada a traços de personalidade malévolos.

Pesquisadores da Universidade de Innsbruck, na Áustria, dizem que pessoas que preferem café sem edulcorantes, água mineral, rabanetes e chocolate amargo tendem a ser malévolos.

A investigação consistiu em entrevistar 500 pessoas, mulheres e homens de 35 anos em média, para conhecer suas preferências alimentares.

Em seguida, eles receberam quatro questionários nos quais analisaram sua personalidade e seus níveis de agressão. No final, foi confirmado que aqueles que amavam os sabores doces eram mais agradáveis ​​do que aqueles que preferiam os sabores amargos.

Então, um segundo estudo, com 450 entrevistados, confirmou a misteriosa associação de amargura com o mal.

A relação entre a psicopatia e a busca por alimentos amargos é, segundo os cientistas, que os alimentos amargos podem ser perigosos, e um psicopata pode ter prazer em comer algo que é perigoso.

“Comer alimentos amargos pode ser comparado a uma montanha-russa, onde as pessoas gostam de coisas que causam medo” , explicou Christina Sagioglou, autor do estudo.

 

………………………………………………………….
*Fonte: pensadoranonimo

Mosquitos: beber cerveja aumenta o número de picadas

Alguns especialistas alertam que cerveja pode aumentar o número de picadas dos insetos e, com isso, a chance de infecção pelos vírus da dengue, zika, chikungunya e malária. Veja como se proteger.

O Brasil é um dos países que mais bebem cerveja no mundo, com um consumo de cerca de 70 litros por ano por pessoa. O que é certo é que no verão se toma mais, porque para muita gente a estação mais quente do ano “pede” uma gelada. Mas é preciso ter cuidado. Alguns especialistas alertam que esta bebida, principalmente em excesso, pode aumentar a chance de infecção pelos vírus da dengue, zika, chikungunya e malária.

O professor titular do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (MIP) do Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Carlos Brisola Marcondes, cita dois estudos, um realizado no Japão e outro em Burquina Faso, que verificaram que a ingestão de cerveja atrai mais mosquitos para o bebedor.

Ou seja, a bebida aumenta o número de picadas dos insetos hematófagos transmissores de doenças em quem a consome, e, consequentemente o risco da doença.

Na pesquisa japonesa, foi testada uma dose de 350 ml de cerveja feita de cevada, para a atração do Aedes albopictus, parente próximo do Aedes aegypti. Em Burquina Faso, os pesquisadores deram aos participantes uma quantidade não informada de uma feita com sorgo (4% de álcool), localmente chamada de dolo, para verificar o resultado sobre a espécie Anopheles gambiae, transmissor da malária.

“Em ambos os estudos, se notou um aumento significativo na atração dos insetos”, conta Marcondes. “Além disso, no segundo trabalho, verificou-se também o estímulo ao voo dos mosquitos. Este efeito foi atribuído à dispersão do álcool pelo organismo com presença de etanol no suor.”

De acordo com ele, no estudo feito no Japão houve variações na temperatura corporal do bebedor, dependentes da sua tolerância ao álcool.

“Em Burquina Faso, no entanto, se observou que a redução de temperatura corporal e a quantidade de gás carbônico (CO2) exalado (esta última não influenciada pela cerveja) não tiveram efeito significativo sobre a atração”, informa Marcondes.

“Os autores supuseram que com a cerveja haveria maior produção de cairomônios (as substâncias voláteis emanadas dos bebedores), que atrairia mais mosquitos.”

O que atrai mosquitos

Esses cairomônios e o álcool não são as únicas substâncias que aumentam o número de picadas. “Há várias que atraem mosquitos, sendo as mais conhecidas o gás carbônico e o ácido láctico (liberado no suor), e certamente há outras que ocorrem naturalmente no corpo que os repelem.”, diz Marcondes.

“Para algumas espécies, crianças são mais atraentes que adultos e negros mais que brancos, mas para outras é o contrário. Isto é um campo de grande importância a ser explorado por mais pesquisas científicas.”

O médico sanitarista Rodolpho, Telarolli Júnior, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas do campus de Araraquara, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), enumera outros exemplos.

“Alguns estudos demonstram (mas isso não é unânime) que os mosquitos são atraídos por indivíduos cuja respiração contenha maiores teores de gás carbônico, como é o caso daqueles que acabaram de fazer exercícios físicos e estão com o metabolismo mais acelerado”, explica. “O mesmo valeria para as gestantes, que apresentam condição semelhante durante toda a gravidez, bem como os indivíduos com sobrepeso ou obesidade.”

De acordo ele, os insetos hematófagos teriam maior atração pelas pessoas e pelas áreas do corpo humano com maior temperatura. “É o caso dos indivíduos com febre, como os portadores de doenças transmissíveis, como a dengue, por exemplo”, diz Telarolli.

Segundo ele, por motivos ainda ignorados, alguns estudos demonstram que há espécies que têm preferência em picar indivíduos com tipo O de sangue, em detrimento daqueles com outros tipos (A, B e AB). “Outras pesquisas têm demonstrado que o uso de roupas escuras é um fator que pode atrair mais os mosquitos”, revela Telarolli.

“Então, em áreas de grande infestação por esses insetos, é prudente usar roupas de cor clara e os portadores de sangue tipo O devem redobrar os cuidados.”

O que se pode concluir, segundo Marcondes, é que a pele e o ar expirado exalam substâncias que influenciam a preferência de mosquitos, diferenciando os indivíduos e levando os insetos a ter preferência por crianças, diferente da que têm por adultos.

“Há também variações entre raças”, diz. “Mas a ecologia química da atração deles é um assunto difícil e ainda pouco compreendido. A hematofagia (ingestão de sangue) desses animais depende de fatores complexos, envolvendo olfato e visão, esta última principalmente em espécies diurnas, como a mosca tsé-tsé, da doença do sono, e o nosso bem conhecido Aedes aegypti.”

Como se proteger de picadas de mosquito

Algumas medidas simples ajudam a se proteger das picadas dos insetos, como usar repelente, manter telas em casa, evitar ir a lugares onde mosquitos circulam, como áreas próximas a cursos d’água ou jardins — Foto: Ministério da Saúde (via BBC) Algumas medidas simples ajudam a se proteger das picadas dos insetos, como usar repelente, manter telas em casa, evitar ir a lugares onde mosquitos circulam, como áreas próximas a cursos d’água ou jardins — Foto: Ministério da Saúde (via BBC)

Algumas medidas simples ajudam a se proteger das picadas dos insetos, como usar repelente, manter telas em casa, evitar ir a lugares onde mosquitos circulam, como áreas próximas a cursos d’água ou jardins — Foto: Ministério da Saúde (via BBC)

Para ele, deveriam ser feitos estudos com outras bebidas, além da cerveja, para verificar se é o álcool que afeta os mosquitos ou algo característico dela. “Seria também muito importante desenvolver testes no Brasil, com insetos de vários grupos, como borrachudos, flebotomíneos (moscas transmissoras de leishmaniose), maruins, e bebidas nacionalmente bastante consumidas, como a cachaça”, defende.

“Com poucos trabalhos sobre o assunto, é uma área aberta para pesquisas, que tem grande importância sanitária.”

Outro fator não estudado para aumentar a quantidade de picadas é a provável redução da capacidade de defesa contra as picadas das pessoas que beberam em excesso. “Pele de bêbado não tem dono”, brinca Marcondes. “Portanto, cuidado com a bebida, especialmente em grande quantidade, pois pode aumentar a chance de ser infectado com malária, dengue e outras doenças transmitidas por mosquitos.”

Daí a importância de novos estudos. Ainda mais quando se sabe que um dos principais determinantes da transmissão de doenças originadas de insetos vetores é a frequência de picadas. “Desta forma, os fatores que influenciam a quantidade delas são de importância epidemiológica”, diz Marcondes.

“Assim, por exemplo, o controle de malária é mais eficiente se tiver como alvo principalmente os indivíduos que têm a preferências dos mosquitos. As gestantes estão entre essas pessoas que mais os atraem,”

Enquanto novas pesquisas não são realizadas, algumas medidas simples ajudam a se proteger das picadas dos insetos. “Evitar frequentar lugares onde os mosquitos circulam, como regiões próximas a cursos d’água ou jardins ou outras áreas infestadas pelos insetos é uma delas”, diz Telarolli.

“Não usar roupas escuras quando for necessário ir até esses locais; utilizar repelentes, que devem ser aplicados sobre as roupas e não diretamente sobre a pele; manter a casa com telas, quando viver em áreas infestadas; e quando tiver ingerido bebidas alcoólicas ou no caso das gestantes redobrar os cuidados com os mosquitos são outras medidas que devem ser tomadas.”

………………………………………………………….
*Fonte: g1

Keith Richards revela que parou de beber: ‘Era a hora de sair’

Os Rolling Stones começam a última parte da turnê No Filter em abril de 2019 e para o guitarrista Keith Richards, todo o giro da banda, iniciado ainda em 2017, tem sido inédito.

O músico inglês revelou, em entrevista à Rolling Stone EUA, que tem deixou de ingerir bebidas alcoólicas.

“Já faz um ano”, contou o músico. “Eu parei. Me cansei disso.” Mas, ele admite que, às vezes, ainda bebe “uma taça de vinho, ou uma cerveja”.

É um grande passo para alguém cujo hedonismo era uma parte fundamental do mito construído a sua volta. “Era a hora de sair”, confessa. “Assim como todas as outras coisas”, conta.

Foi uma correção na vida de Keith Richards? “Você pode chamar assim, sim”, contou rindo. “Mas eu não noto nenhuma diferença grande – exceto pelo fato de eu não beber. Não estava me sentindo [certo]. Eu fiz isso. Não queria mais.”

O Stone Ronnie Wood, sóbrio desde 2010, após décadas de problemas de abuso de substâncias, ficou muito feliz com a notícia e percebe grandes mudanças no amigo.

“É um prazer trabalhar com ele assim”, diz Wood. “É muito mais suave. Ele está aberto a mais ideias, enquanto antes eu lidava com ele pensando: ‘ele vai me mandar à merda por dizer isso’. Agora, ele vai dizer ‘legal, cara’.”

“Isso não estava mais funcionando”, explicou Ronnie Wood sobre Richards e bebida.

“Eu acho que o Keith que costumávamos conhecer e amar tinha um ponto no qual, se ele bebesse mais um, ele extrapolava e se tornava desagradável. Esse ponto chegava cada vez mais cedo, e ele percebeu isso.”

Richards disse que percebeu uma diferença no palco durante os primeiros shows da banda em 2018: “É interessante tocar sóbrio”.

“Estamos em nossos setenta anos, mas ainda estamos agitando como se tivéssemos 40 anos, sabe?”, acrescentou Woods.

…………………………………………………………………..
*Fonte: revistarollingstone

Quanto mais café você toma, mais você vive, de acordo com estudo

O café é um de nossos grandes companheiros no dia a dia. Presente em nossa cultura há mais de dois séculos, a bebida tradicional está presente em praticamente todas as mesas do país, seja no café da manhã, no lanche da tarde, para alguns até mesmo à noite.

Muitas pessoas se consideram viciadas em café e precisam tomar pelo menos uma xícara por dia, para manterem a disposição ou apenas para sentirem o sabor único da bebida. Se você é uma delas, um novo estudo tem uma ótima notícia para te dar!

Uma pesquisa em parceria realizada na Inglaterra, que reuniu o Instituto Nacional do Câncer, Instituto Nacional de Saúde e da Escola de Medicina Feinberg provou que nosso consumo de café pode influenciar diretamente em nossa longevidade, e que quanto mais café tomamos, mais tempo vivemos.

Sobre o estudo

O objetivo da pesquisa era verificar se o café realmente aumenta o risco de mortalidade, quando consumido em ingestão pesada, em especial aqueles que contam com polimorfismos genéticos comuns que prejudicam o metabolismo da cafeína.

Depois de um estudo realizado com mais de meio milhão de pessoas, os resultados mostraram associações inversas entre consumo de café mortalidade, entre participantes que bebiam de 1 a 8 ou mais xícaras por dia.

Conclusões

As conclusões do estudo mostram que, além de viverem mais, os consumidores regulares de café tendem a ter uma vida mais longa do que aqueles que o consomem moderadamente.

No entanto, o resultado é visto como uma correlação, e não uma conexão causal. Isso quer dizer que não é totalmente comprovado que o café seja, de fato, o responsável pela longevidade, mas que esse hábito, em conjunto com outros, são essenciais para uma vida mais saudável e longa.

Outros benefícios do café já são conhecidos por nós: redução de condições de saúde como depressão, Parkinson, câncer, diabete tipo 2, estresse e também o rejuvenescimento das células.

É possível que o café possa estar associado a um período de vida mais longo, mas para que a hipótese seja totalmente confirmada, serão necessárias mais pesquisas aprofundadas.

É muito importante que a bebida, ainda que consumida diariamente, seja feita com moderação e sempre colocando o bem-estar em primeiro lugar. Também é válido relembrar que o café não é recomendado para gestantes, e que quando se acrescentam complementos, a bebida pode perder as suas vantagens.

*Por Luiza Fletcher

…………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Cerveja pode ficar bem mais cara devido às alterações climáticas

As mudanças climáticas não só causam o aumento do nível do mar, furacões mais fortes e incêndios florestais mais intensos, mas também podem aumentar o preço global da cerveja.

Segundo um estudo conduzido pelas universidades americanas UCI(Universidade da Califórnia) e UEA(Universidade de East Anglia) e publicado na revista científica Nature, as secas e as ondas de calor cada vez mais intensas podem causar quebras acentuadas na produção de cevada – um dos principais ingredientes da cerveja.

A pesquisa prevê que as mudanças climáticas podem afetar de forma severa o fornecimento global de cerveja. Além disso, os modelos econômicos utilizados no estudo apontam também para uma forte possibilidade de os preços aumentarem em vários países face à quebra na produção.

Para o estudo, pesquisadores de Reino Unido, China, México e Estados Unidos identificaram eventos climáticos extremos e projetaram os impactos na produção de cevada em 34 regiões do mundo.

“É a primeira vez que isso é feito”, disse à DW o coordenador do estudo e principal autor do Reino Unido, Dabo Guan, que é professor de economia da mudança climática na UEA. “Nosso objetivo era alertar as pessoas nos países ocidentais desenvolvidos de que a vida privada delas será seriamente afetada pelas mudanças climáticas. Talvez elas não venham a sofrer com a fome causada pela mudança climática da mesma forma que nos países em desenvolvimento, mas sua qualidade de vida será seriamente prejudicada”, afirmou o especialista.

“Com o aumento de eventos climáticos extremos, itens de luxo começarão a ficar muito caros ou mesmo indisponíveis”, frisou Guan. “É claro que isso não mata. Mas a qualidade de vida das pessoas será seriamente comprometida, e a estabilidade social ficará ameaçada. E talvez isso sirva de alerta para que as pessoas façam alguma coisa a respeito da mudança climática agora. A mudança climática é responsabilidade de todos. Precisamos agir juntos para combater o aquecimento global.”

*Por Any Karolyne Galdino

…………………………………………………………………
*Font: engenhariae

6 curiosidades legais sobre café

1 — Café é viciante, mas a cafeína não é
Pega um cafezinho lá e volta aqui que a gente explica como é que isso é possível. Um estudo feito para descobrir os níveis de vício da bebida sagrada revelou que as pessoas realmente têm a necessidade de tomar café, e em um experimento que durou 12 dias, os participantes tiveram efeitos ruins quando pararam subitamente de tomar café. No entanto, quando eles foram orientados a tomar café descafeinado, ficou tudo bem, numa boa. Ou seja: o vício aqui está na bebida mesmo e não na cafeína em si.

2 — A maior caneca do mundo suporta mais de 6 L de café
De acordo com o Mugs.coffee, a maior caneca de café, feita de cerâmica e comercialmente vendida no mundo, tem a capacidade de aguentar pouco mais de seis litros da bebida. Já pensou o tamanho da sede?

3 — A torragem do café é feita há cerca de mil anos
Arqueólogos descobriram recentemente, em Dubai, grãos de café que datam do início do século 12, mas há evidências de que os grãos eram trazidos do Iemen, o que faz com que a idade dos grãos ganhe ainda mais 100 anos.

4 — Não é possível passar café no espaço
Má notícia para os astronautas, não é mesmo? A culpa, como você já deve imaginar, é da falta de gravidade, e por isso, quando os astronautas querem tomar café, eles precisam recorrer a uma bebida liofilizada que não é das melhores. Para a felicidade de todos, um grupo de engenheiros desenvolveu recentemente um sistema de cápsulas que funciona em gravidade zero, o que, definitivamente, é uma grande conquista.

5 — Cães podem beber café, mas gatos não
A verdade é que a cafeína em excesso pode ser fatal para cachorros, por isso o ideal é evitar, ainda que um cachorro médio possa tomar 100 ml da bebida sem passar mal. Agora em relação aos gatos a coisa não é nada boa, já que eles são muito mais sensíveis à cafeína e podem ter sérios problemas no sistema nervoso se consumirem café. Na dúvida, em ambos os casos, ofereça água ao seu bichinho de estimação.

6 — Sobre os cafés mais caros do mundo
O Kopi Luwak, um café que é fermentado no intestino de fuinhas e que por isso tem suas características químicas alteradas, custa bem caro, cerca de US$ 500 a embalagem de meio quilo. Ainda assim, esse não parece ser o café mais caro: o preço vai para as alturas quando o que está à venda é o café fermentado na saliva de macaco, o que dá ao grão um gostinho único de baunilha, e custa US$ 600 cada 500 gramas do produto. Você teria coragem de experimentar?

………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Café requentado faz mal?

Apesar de ser um prática bem comum de algumas pessoas, requentar o café não é nada recomendado. Seja qual for o método de preparo – coado, espresso, prensado ou filtrado – o café requentado pode trazer uma série de malefícios à saúde, como azia, dor de cabeça, enjoo e dor de estômago. Isso sem contar aquele sabor amargo que fica na boca o resto do dia.

Segundo os especialistas italianos, requentar café no microondas ou deixá-lo na ‘chapa’ da cafeteira destrói qualquer aroma desde que se preparou o café pela primeira vez. E como o aroma do café é responsável por tudo que lhe dá sabor, romper os aromas significa romper o sabor. Isso porque, quando esquentamos novamente o café já feito, ocorre a degradação das substâncias (óleos, cafeína etc.) que dão sabor e aroma à bebida, deixando então aquele gosto ruim de queimado.

Também é comum que o café seja colocado em garrafas térmicas. Mas, se por um lado a garrafa mantém o líquido aquecido por um bom tempo, por outro também é preciso lembrar o processo acelerado de oxidação do café – sobretudo se o café já estiver adoçado. Portanto, guardar pra mais tarde o que sobrou do café quentinho que você bebeu de manhã ou então tomar café requentado não vale a pena!

Esse conselho tem como fundamento o fato de que os processos de oxidação do café duplicam de velocidade a cada 10°C acima da temperatura ambiente, que gira em torno de 25°C. Dessa forma, dentro da garrafa, a cerca de 50°C, a oxidação do café vai acontecer cerca de duas vezes mais rápido.

Além disso, uma vez preparado, o café começa seu processo de oxidação após 20 minutos. Guardado na garrafa térmica, estima-se que o café estará oxidado em cerca de uma hora. O processo de oxidação, sobretudo na presença de açúcar, destrói os compostos responsáveis pelo sabor típico do café fresquinho, além do seu aroma característico. A consequência é que queda da qualidade da bebida sob influência dessa reação química com perda de aroma e alteração no sabor. Assim, você até pode usar a garrafa térmica, mas que seja por poucos minutos após o preparo.

Agora tomar café requentado, nem pensar. Até porque, café bom é café preparado na hora. Para aproveitar todos os benefícios que o café traz a saúde, é preciso:

– usar grãos de boa qualidade;
– utilizar sempre café o mais fresco possível;
– manter o pó ou o grão bem armazenado;
– preparar de forma correta, independente do método de extração utilizado;
– beber assim que terminar de preparar.

Como diz um ditado popular: “Café cru tem anos de vida. Café torrado, em grãos, algumas semanas. Café moído, no máximo horas. Depois de passado, o café é pra ser servido no mesmo instante”.

 

………………………………………………………..
*Fonte: brasitaliacafe