Como é que as aves resistem à chuva e ao frio?

Com a chegada do Inverno muitas aves migram para África, mas outras permanecem nos locais onde nasceram, incluindo os pequenos passeriformes. João Eduardo Rabaça, da Universidade de Évora, explica como estas espécies fazem frente às temperaturas mais baixas.

O Inverno chegou e os dias ficam mais frios e chuvosos. Para os passeriformes, esta é uma altura “exigente”: “Noites longas e temperaturas baixas obrigam estas aves a encontrarem energia extra”, nota João Eduardo Rabaça, que é professor da Universidade de Évora e coordenador do LabOr – Laboratório de Ornitologia.

Estas pequenas aves dedicam-se a acumular “as reservas de gordura suficientes que lhes permitam sobreviver”, pelo que passam a maior parte do dia a comer. De acordo com o British Trust for Ornithology, os chapins-azuis (Cyanistes caeruleus) – que podemos observar em muitos espaços verdes, incluindo o Jardim Gulbenkian, em Lisboa – podem gastar cerca de 85% das horas de luz disponíveis num dia de Inverno em busca de alimento, refere este investigador.

Ao mesmo tempo, para os passeriformes em geral, o “revestimento plumoso permite a existência de bolsas de ar debaixo das penas, conferindo-lhes uma ajuda adicional para manterem o corpo quente.”

Algumas espécies começam a preparar-se para a estação mais rigorosa do ano logo no Outono, como acontece com o pardal-comum (Passer domesticus), exemplifica. “Cresce-lhes uma penugem por baixo da plumagem principal aumentando o peso do revestimento do corpo em 70%! E assim asseguram uma melhor proteção térmica.”

Mas há ainda outras estratégias pouco conhecidas. Quando estão em actividade, a temperatura corporal das aves é superior à dos humanos, pois “ronda os 41ºC, embora haja variações.” No entanto, para enfrentarem noites mais frias, em algumas espécies a temperatura corporal chega a baixar 10ºC ou mais ainda – um processo designado por torpor ou heterotermia diária, adianta o investigador. “Desta forma, as aves conseguem economizar energia. O caso mais impressionante é de uma espécie de beija-flor que ocorre nos Andes e que durante a noite pode atingir uma temperatura corporal de 3,26ºC!”, revela o coordenador do LabOr. “É um exemplo extremo, mas é também um extraordinário exemplo da capacidade de adaptação destes animais.”

Mais comum é a hipotermia regulada, que se traduz “numa redução da temperatura corporal mais modesta, normalmente à volta dos 5 a 6ºC.” Com este método, as aves precisam de muito menos energia para que o corpo regresse à temperatura “normal” quando chega a manhã.

Mas apesar de estar mais frio por estes dias, a verdade é que “o Inverno no sul da Europa e em particular no nosso país é bastante ameno quando comparado com a realidade do centro e norte da Europa, por exemplo”. Por essa razão – lembra o investigador, que é também autor do livro “As aves do Jardim Gulbenkian” – são inúmeras as aves que no final do Verão deixam as regiões setentrionais para migrarem rumo a sul, onde vão permanecer durante a estação fria. É o caso por exemplo do lugre (Spinus spinus) e do tordo-comum (Turdus philomelos).

*Por Ines Sequeira

………………………………………………………………………………..
*Fonte: wilder

Por que o ‘cheiro’ da chuva é tão bom?

Não é só alívio, após um longo período de seca, que faz com que o cheiro da chuva seja tão bom. Há também a química envolvida.

Bactérias, plantas e até trovoadas têm influência no aroma de ar limpo e terra molhada que a gente sente após uma tempestade.

Terra molhada

O nome “petrichor” foi cunhado por dois pesquisadores australianos em 1960. A palavra vem do grego “petros”, que significa “pedra”, e do termo “ichor”, que quer dizer “o fluido que passa pelas veias dos deuses”.

Essa fragrância que a gente sente quanto a chuva bate no solo é produzida por uma bactéria.

“Micróbios são abundantes no solo”, explica o professor Mark Buttner, diretor do departamento de microbiologia do John Innes Centre, na Inglaterra.

“Quando você diz que sente cheiro de terra molhada, na verdade está sentindo o cheiro de uma molécula sendo criada por um certo tipo de bactéria”, disse ele à BBC News.

Essa molécula é o “geosmin”, produzido pela bactéria Streptomyces. Presente na maioria dos solos saudáveis, essa bactéria também é usada para produzir alguns tipos de antibióticos.

Quando as gotas de água caem na terra, fazem com que o geosmin seja lançado no ar, tornando-o bem mais abundante do que antes da chuva.

“Vários animais são sensíveis a esse cheiro, mas os seres humanos são extremamente sensíveis a ele”, diz Buttner.

Os pesquisadores Isabem Bear e RG Thomas, que deram o nome de “petrichor” ao cheiro da chuva, descobriram que na década de 1960 ele já era “capturado” para ser vendido como uma essência chamada “matti ka attar”, em Uttar Pradesh, na Índia.

“É uma substância potente. Há algo de bem primitivo nesse cheiro”, afirma a perfumista Marina Barcenilla.

“Mesmo quando você o dilui, ainda é possível identificá-lo”, acrescenta.

Mas nós temos uma relação contraditória com o geosmin – ao mesmo tempo em que somos atraídos pelo aroma dele, muitos de nós tem aversão pelo gosto.

Embora não seja tóxico para seres humanos, pequenas quantidades podem fazer com que rejeitemos um copo de água ou de vinho que tenha sido “contaminado” pela substância.

“Não sabemos por que não gostamos de geosmin. Por algum motivo, associamos a algo ruim”, diz o professor Jeppe Lund Nielson, da Universidade de Aalborg, na Dinamarca.

Plantas

De acordo com Nielson, pesquisas sugerem que o geosmin pode estar relacionado ao “terpeno”- fonte do perfume de várias plantas.

E a chuva pode acentuar essas fragrâncias, diz o professor Philip Stevenson, pesquisador-chefe do Royal Botanic Gardens, em Londres.

“Normalmente, as químicas das plantas que têm cheiro bom são produzidas pelos ‘cabelos’ das folhas. As chuvas podem danificar as folhas e, com isso, soltar os componentes dela”, explica.

“A chuva também pode romper materiais secos das plantas, liberando substâncias químicas de forma similar a quando quebramos e esmagamos ervas. Com isso, o cheiro fica mais forte.”

Períodos de seca também podem reduzir o metabolismo das plantas. O retorno das chuvas pode desencadear uma aceleração, fazendo com que as plantas exalem um cheiro agradável.

Raios

As trovoadas também desempenham um papel relevante, ao criar um aroma de ozônio acentuado e limpo, em decorrência das descargas elétricas na atmosfera.

“Além dos raios, as trovoadas e chuvas ajudam a melhorar a qualidade do ar. A poeira, o aerossol e outras partículas são varridas pela chuva e pelos raios, limpando o ar”, explica a professora Maribeth Stolzenburg da Universidade do Mississippi, nos EUA.

*Por Mary Halton

 

 

 

……………………………………………………
*Fonte: bbc

Saiba quais os tipos de chuva mais comuns e como ocorrem

Parte do dia a dia de todas as pessoas e sociedades, a chuva é um fenômeno climático essencial para a sobrevivência da vida na Terra: quando está escassa, ela prejudica plantações e populações inteiras, e se vem em excesso pode causar transtornos como enchentes e desmoronamentos. Em algumas regiões, a chuva ácida causa muitos danos ao meio ambiente e prejudica atividades econômicas importantes.

Tipos de chuva

A chuva é formada a partir da evaporação da água pelo aquecimento solar. Este vapor d’água carrega as nuvens e, ao atingir altitudes mais elevadas ou encontrar-se com as massas frias de ar, ele é condensado e precipitado em forma de água, ou seja: chuva.

Os principais tipos de chuvas são: orográficas, ciclônicas e convectivas. Conheça cada uma delas a seguir:

Chuva orográfica

A chuva orográfica, ou chuva de relevo, ocorre quando massas de ar úmido esbarram em obstáculos naturais como montanhas e serras. Ao subir, a mudança de temperatura provoca a condensação do vapor de água, que se precipita em forma de chuva de pouca intensidade, mas por um período mais prolongado. A chuva orográfica é típica de regiões costeiras, em estados do Sudeste como São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. No agreste pernambucano também ocorrem chuvas de relevo.

Chuva ciclônica

Chuvas ciclônicas, também denominadas como chuvas frontais, acontecem quando duas massas de ar, fria e quente, encontram-se. A massa de ar quente — que é mais leve — sobe, provocando a condensação do vapor de água. A intensidade desse tipo de chuva varia de baixa a moderada, mas é uma chuva contínua, que atinge áreas extensas. Essas chuvas são comuns nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, no período do inverno.

Chuva convectiva

A movimentação de massas de ar quente provoca a chamada chuva convectiva, caracterizada por ser de curta duração e muito intensa, geralmente não afetando uma área muito ampla. A chuva de convecção é típica do verão. As temperaturas elevadas provocam a rápida evaporação das águas, formando nuvens carregadas de umidade que ganham altitude e, ao se condensar, o vapor de água cai em forma de chuvas de verão.

Chuva ácida

A chuva ácida é típica de centros urbanos com alta concentração de poluentes na atmosfera. Ela é responsável por causar diversos prejuízos ao meio ambiente, além de danos a áreas agrícolas.

O que é índice pluviométrico?

Este indicador mede a quantidade de chuvas em milímetros. Para isso, meteorologistas delimitam uma área e quantificam a chuva recebida pelo local durante o ano todo. Dessa forma, é possível estimar a quantidade de chuva esperada em cada mês do ano. O índice, porém, é variável. Isso porque em determinadas épocas pode chover, em um único dia, a quantidade de chuva esperada para o mês todo.

Vale destacar que a chuva pode ser um importante recurso para populações e regiões que sofrem com escassez de água. A água da chuva não é potável para ser bebida, mas é possível captar a água da chuva para ser usada em descargas e durante a faxina, de modo a poupar a água potável usada para cozinhar e beber.

……………………………………………………….
*Fonte: pensamentoverde

Aplicativo avisa se vai chover no local onde você está

Com a chegada do verão inicia-se também a temporada de chuvas na região Sudeste. A diferença é que este ano o aplicativo SOS Chuva poderá informar à população sobre a possibilidade de chuva ou de tempestade na localização exata onde a pessoa está.

É a chamada previsão imediata que, diferente da previsão do tempo convencional, consegue informar a incidência de chuva, granizo ou tempestade com precisão de 1 quilômetro e antecedência de 30 minutos a 6 horas. Desde outubro, o aplicativo SOS Chuva pode ser baixado gratuitamente em smartphones e já conta com mais de 60 mil usuários.

A ferramenta foi desenvolvida por cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em colaboração com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) e o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, os dois últimos da Universidade de São Paulo (USP).

“A previsão de tempo que ouvimos no jornal é uma previsão que está, de certa forma, bem estabelecida. Sua teoria foi desenvolvida nos anos 1950. Já a previsão imediata é um desafio novo, com funções, equipamentos e modelagens matemáticas completamente diferentes. Até porque é diferente dizer que amanhã vai chover ou falar que daqui a duas horas vai chover no ponto exato onde você está”, disse Luiz Augusto Toledo Machado, pesquisador do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe) e coordenador do projeto.

Com apoio da FAPESP, o Projeto Temático SOS Chuva, iniciado em 2016, vai desenvolver mais dois aplicativos, um voltado para a agricultura e outro para a Defesa Civil. Os pesquisadores pretendem também aumentar a compreensão da dinâmica das nuvens e melhorar modelos matemáticos usados na previsão climática.

“É um projeto que tem o aspecto científico de melhorar modelos de previsão imediata e também outro aspecto associado à extensão, que é o desenvolvimento do aplicativo e de sistemas de alerta mais sofisticados para a Defesa Civil e para a agricultura”, disse Machado.

Em novembro, a equipe do projeto fez um treinamento para técnicos da Defesa Civil da região de Campinas (SP) e para profissionais do CPTEC que atuam nas regiões do Vale do Paraíba e no Litoral Norte do Estado de São Paulo. O objetivo é que os centros regionais de meteorologia possam fazer a previsão imediata. A iniciativa é inédita no país.

“Estamos desenvolvendo também um aplicativo voltado para o técnico, para que ele possa fazer a previsão imediata e divulgar os alertas com base nos nossos modelos matemáticos. Isso porque, dado o grande detalhamento, a previsão imediata deve ser feita regionalmente. Por isso, estamos desenvolvendo a ferramenta e os modelos matemáticos para que, no futuro, a previsão imediata seja feita nos centros regionais de meteorologia”, disse.

Agrometeorologia de precisão

O grupo formado por pesquisadores do CPTEC/Inpe e da Esalq também está desenvolvendo um terceiro aplicativo, dedicado ao produtor rural.

“O aplicativo de cunho agrícola, além de mostrar onde exatamente está chovendo, também armazenará informações pluviométricas por um período, para que o agricultor possa acompanhar e identificar possíveis variações de produtividade”, disse Felipe Pilau, do Departamento de Engenharia de Biossistemas da Esalq, responsável pela parte agrícola do projeto.

Pilau afirma que com essa ferramenta será possível estipular estratégias para a chamada agrometeorologia de precisão. O termo junta a agricultura de precisão – que analisa a variabilidade da produção a partir de fatores como fertilidade do solo e recursos hídricos – com a parte meteorológica.

“Ao incluir a parte meteorológica na agricultura de precisão, é possível enxergar onde chove mais e se essa variabilidade vai afetar a produtividade agrícola. Até então, a parte meteorológica estava esquecida na agricultura de precisão”, disse Pilau.

Para fazer a previsão imediata, seja para o usuário comum, o agricultor ou para a Defesa Civil, o projeto conta com um radar meteorológico de dupla polarização – adquirido com apoio da FAPESP e instalado no Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura da Universidade Estadual de Campinas (Cepagri-Unicamp).

A previsão do tempo convencional necessita de dados obtidos a partir de imagens de satélite, estações meteorológicas e também da interpolação desses dados. Já para obter os dados com precisão de 1 quilômetro de distância, o radar de dupla polarização trabalha com a emissão e reflexão de comprimentos de onda.

Ao emitir um feixe de energia, ele obtém a refletividade, uma medida da reflexão do feixe emitido pelo radar ao se chocar com um obstáculo, como uma gota de nuvem, por exemplo. O sinal então retorna para o radar e, dessa forma, é possível mapear o local exato onde vai chover.

Para fazer a previsão imediata de todo o Estado de São Paulo, o projeto SOS Chuva conta ainda com as informações de outros quatro radares instalados em Bauru, Presidente Prudente, São Paulo e no Rio de Janeiro.

Com a ajuda do radar de dupla polarização, os pesquisadores conseguem ter uma visão tridimensional da nuvem e acompanhar a velocidade com que ela se propaga. Assim é possível analisar outros parâmetros, como acúmulo de cristais de gelo dentro da nuvem ou os chamados intrarraios, raios dentro da nuvem que são indicativos da ocorrência de granizo.

“Com o radar de dupla polarização conseguimos saber, por exemplo, quais os cristais de gelo que têm dentro da nuvem e a partir disso fazer cálculos e previsões”, disse Machado.

O pesquisador explica que ao acompanhar a nuvem é possível saber como esses diferentes cristais aumentam e diminuem, indicando a previsão de severidade ou formação de tornados. “Conseguimos também informações a partir do vento, se ele está formando uma circulação fechada, se há descarga elétrica. Tudo isso somado nos ajuda a fazer previsões”, disse.

Entendendo eventos extremos

A experiência dos pesquisadores do SOS Chuva em desenvolver modelos e cálculos matemáticos para a previsão imediata será usada em um novo projeto de colaboração com colegas argentinos, chilenos e norte-americanos.

“Continuaremos a coletar dados em Campinas e a melhorar nossos modelos até agosto de 2018. Depois disso, vamos levar nossa instrumentação para São Borja, no Rio Grande do Sul, para uma nova campanha de medidas de colaboração internacional”, disse Machado.

O pesquisador explica que a região a ser estudada é onde ocorrem as maiores tempestades do planeta. O fenômeno no Sul do Brasil, conhecido como Complexos Convectivos de Média Escala, ocorre em resposta a uma relação entre a região amazônica e a Cordilheira dos Andes.

“A umidade da Amazônia se propaga, encontra os Andes e se canaliza, trazendo a umidade para o Sul. É esse canal de umidade que começa a formar esses sistemas intensos de nuvens na Argentina. A baixa pressão acelera esse fluxo de umidade que vem da Amazônia e forma tempestades muito grandes.”

O projeto nomeado RELAMPAGO é financiado pela National Science Foundation (NSF) e conta com a cooperação da agência espacial Nasa e da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), nos Estados Unidos, do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (Conicet) da Argentina, da Comisión Nacional de Investigación Científica y Tecnológica (Conicyt) do Chile, da FAPESP e do Inpe.

“Será um experimento muito grande e o SOS Chuva participará desse esforço que é entender as tempestades severas que entram no Brasil, inclusive com possibilidade de formação de tornados”, disse Machado.

O aplicativo SOS Chuva pode ser baixado na App Store (iOS) e na Google Play Store (Android). Mais informações: http://soschuva.cptec.inpe.br/soschuva.

………………………………………………………………..
*Fonte: revistapegn

Tentando escapar da chuva, mas não deu

Durante a semana a previsão marcava chuva para sábado e como tal, não foi nenhuma surpresa o dia estar cinza hoje. Mais uma vez sozinho na estrada, sai para os lados de Santa Cruz do Sul (287), quando a ideia de roteiro era ir até Pantano Grande. Claro que já no meio do caminho começaram os pingos de chuva, leve no começo mas depois a coisa ficou mais forte.

Ok, quem está na chuva é para se molhar. Segui até Santa Cruz do Sul, uma volta passando pelo trevo da Unisc, entro na cidade e a chuva para. Cruzo pela parte baixa e depois subo de volta pelo Grasel. Claro que a chuva está de volta outra vez mas daí já nem importa mais – mudança de planos, caminho de casa baby. As roupas molhadas me deixaram com frio (calça), então o melhor era não forçar uma gripe ou resfriado seguindo e frente. Já de volta em casa, um rápido banho quente e tudo resolvido. Mesmo que não tenha andado tanto quanto gostaria, valeu. Moto suja mas o coração satisfeito com mais essa breve aventura em duas rodas.

Keep on rock. Valeu!

*Algumas img da empreitada de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Está chovendo, e agora? – ( ANDAR DE MOTO NA CHUVA )

Ih, está chovendo. E agora? Não desista! Pilotar na chuva pode parecer um pouco complicado, fique atento as nossas dicas para ter mais segurança em dias chuvosos. Não hesite, pode sair de motocicleta sim, mas não esqueça que os riscos de acidente aumentam. Dica 1 Antes de sair de casa: capacete, viseira limpa e roupas […]

 

Ih, está chovendo. E agora? Não desista! Pilotar na chuva pode parecer um pouco complicado, fique atento as nossas dicas para ter mais segurança em dias chuvosos. Não hesite, pode sair de motocicleta sim, mas não esqueça que os riscos de acidente aumentam.

Dica 1
Antes de sair de casa: capacete, viseira limpa e roupas impermeáveis! Nunca se esqueça de guardar uma roupa impermeável na sua motocicleta, afinal, o tempo é inconstante e muda a qualquer momento. Equipamentos adequados são importantes, em dias de chuva se tornam ainda mais!

Dica 2
O melhor piso é o de concreto! Mas cada moto se comporta diferente em cada lugar, o asfalto recente pode ser tão escorregadio quanto paralelepípedo. Se possível, conheça seu trajeto e sua moto! Além de escorregadio, fica mais fácil prever lugares onde se deve ter mais cautela.

Dica 3
Quando a pista estiver molhada, não faça movimentos bruscos e repentinos. A baixa aderência implica jamais acionar bruscamente os freios, câmbio e acelerador. A visibilidade da estrada diminui, por isso, tome cuidado com bueiros, principalmente em curvas.

Dica 4
Para qualquer veículo é importante estar atento ao trânsito. Em dias chuvosos, a visão dos motoristas é limitada, portanto, os motociclistas devem ter atenção redobrada. Além disso, outra questão da visibilidade é a pista, o perigo é agravado devido irregularidades.

Dica 5
Preveja seus movimentos e fique atento! A velocidade controlada é aliada, principalmente na hora de frear! A aderência está comprometida e se existir alguma irregularidade na pista, você não irá conseguir parar a tempo!

 

Leu as dicas? Curtiu? Andar de moto é algo único, prazeroso e feliz, mas não se esqueça, a aventura sempre deve ser guiada pela segurança. Aproveite o ensinamento que cada quilômetro rodado pode trazer.

 

……………………………………………………………….
*Fonte: magnetrom

Sábado de chuva

Conversando com os amigos sobre o final de semana, já sabia que seria ruim para o lance de andar de moto por causa da previsão de chuva. Hoje pela manhã o céu estava estranho mas não com aquela cara de que choveria logo, então já me agilizei para o caso de ainda dar um role de moto, mesmo que não muito longe. é o vício, sabe como é!

Depois do almoço já comecei a dar um jeito nas coisas, arruma aqui, arruma ali, pega as luvas, capacete e pimba! Olho para fora da janela e pingos de chuva. Putz! Zebrou a empreitada, pensei. Não vou sair de casa de moto “já com chuva”. Desisti. Hoje o Luiz Carolos iria junto, havia me ligado, então avisei ele de que não iria mais. Ele também achou justo. Fica para outra hora.

Desisti, dei um tempo e o chuvisqueiro foi diminuindo aos poucos e parou. Daí passou mais um tempo, tipo uma hora e nada. Nah!!! Foda-se. Vou pegar a estrada. Me ajeitei rapidamente, sabia que a janela de tempo bom seria curta entre essa pausa e a próxima chuva, precisava tomar logo as providências de me equipar e rapidamente já estava abrindo a garagem e saindo com a Bros (ela já estava bem suja, então se chovesse não seria muita mão de obra).

Fui em direção à Lajeado, mas antes mesmo de sair do trevo da cidade a chuva recomeçou e depois então só foi ficando cada vez mais forte. Simifudi. Agora que estou na chuva, azar. Segue o baile.

Fui em frente até Lajeado. Isso tudo seria um role normal, talvez teria feito essa volta e tale nem estaria agora escrevendo, comentando ou postando aqui algum foto se não fosse o que aconteceu. Geralmente em meus roles (toc!…toc!…toc!… 3x na madeira), sozinho ou com os amigos, não acontece nada de mais, nem pneu furado, mas hoje quando estava chegando perto de Lajeado e rolando uma baita chuvarada a moto resolve simplesmente perder rotação do nada. Não desligou o motor mas perdeu força, eu acelerava e ele nada. Encostei, dei uma rápida conferida e não percebi nada de anormal. Beleza, agora eu estava praticamente todo encharcado. A diversão não é completa se a gente não se atola. Então tá.

Não era falta de gasolina, nem bateria, não é uma moto carburada (é injetada), poderia ser a vela – olhei, me pareceu tudo seco e OK. Depois de um tempo liguei novamente e morreu outra vez. E a chuvarada rolando. Mais um tempo e liguei novamente, senti que agora ela estava normal. Bem, aproveitei a oportunidade e segui até o primeiro posto que encontrei. O bem da entrada de Lajeado, o que fica ao lado da rodoviária da cidade.

Parei a moto debaixo da aba do posto, desci, dei uma olhada novamente e nisso já veio o frentista que prontamente resolveu me ajudar. Expliquei o que havia acontecido e ele então me disse que teve uma moto igual a minha Honda Bros e que já imaginava o que tinha acontecido. A explicação é de que a água (no caso pq estava rodando na chuva), desce pelo cabo da vela e penetra na borracha do topo do cachimbo, então ele tirou o cachimbo da vela da moto, passou um ar no compressor da borracharia para secá-lo bem e o recolocamos. Ok! Já estava tudo certo novamente! Thanks man!

Assim a coisa segue em frente na “brothagem” da vida nesse universo de motos, carros e estrada. Quando se está numa situação ruim, sempre tem alguém que pode nos ajudar. Mais uma vez o meu muito obrigado ao auxílio do frentista.

A volta foi tranquila, não falhou mais, passamos uma fita isolante bem apertada nessa área da junção do cachimbo com o cabo da vela e pimba! Agora pode chover canivete que vai rolar…rsrsrsr.  O interessante é que não foi a primeira vez que andei com essa moto na chuva. E digo chuva mesmo. Chuva forte e por muito mais tempo sem parar, nunca apresentou problema algum. Talvez com o passar do tempo a tal borracha fique ressecada e facilite de isso acontecer (passar a água). Enfim. Feitoria. \m/

Mais um sábado de história para a caderneta rasurada da vida. Blz!

 

*Fotos da chalaça:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como pilotar a moto em situações de risco

Não é sempre que temos um asfalto liso, seco, com boa visualização e seguro para pilotar. Dirigir a moto em situações de risco é um desafio, e existem diversas condições que podem prejudicar o piloto na direção.

Veja aqui algumas das piores situações para pilotagem e entenda que atitudes tomar para não causar acidentes.

 

Chuva

A chuva é o maior inconveniente nas viagens de moto. Se ela começar à noite, a orientação é não seguir viagem, a não ser que você conheça a estrada, ela seja plenamente segura, você esteja bem protegido e falte pouco para o local de destino. Do contrário, procure um lugar para dormir e continue a viagem pela manhã.

Veículos trafegando em sentido contrário, com o pára-brisa molhado, são o melhor aviso de que há chuva à frente. Com este sinal, você deve se preparar para enfrentá-la. Vista uma capa de chuva da sua medida ou roupa impermeável antes que ela chegue até você.

Assim que a chuva começar, pare e espere que ela molhe a pista, lavando todos os detritos de óleo e areia que possam existir. Sob a chuva, reduza a velocidade e passe a frear com maior sensibilidade e menos potência. Se pressentir o início de travamento de uma das rodas, alivie o freio, voltando a acioná-lo até concluir a manobra.

Independente do susto que você levar na moto, não o transmita para o guidão a ponto de apertar o freio dianteiro, pois é uma forma bastante simples de causar um acidente grave. Os principais cuidados com relação à pista molhada são manter a distância de frenagem segura do veículo da frente (costuma ser até 50% maior em pista molhada) e se antecipar a situações de risco.

A água e os detritos lançados pelos pneus dos outros veículos podem sujar a viseira do capacete. Tenha sempre pedaços de papel absorvente ou papel higiênico para limpar sua viseira nestas situações. Se está carregando bagagens, esteja preparado para cobrí-las ou coloque seus itens internos dentro de sacos plásticos antes de acomodá-los na bolsa ou alforje.

 

Noite

Tudo fica mais difícil em viagens ou passeios à noite, desde um abastecimento até um socorro mecânico. A atenção deve ser redobrada e nem sempre é possível enxergar armadilhas, como buracos e manchas de óleo na pista.

Nunca saia à noite sem que farol, piscas e lanternas estejam em perfeitas condições. O farol deve ser regulado caso você esteja com garupa e bagagem, pois com mais peso, a moto fica mais baixa e o facho de luz sai do ajuste ideal.

Procure ter a viseira do capacete em perfeitas condições. Viseira suja e muito riscada acaba criando distorções e reflexos inconvenientes com a luz vinda dos outros veículos. Isso limita a capacidade de visão.

Em viagens, procure fazer as paradas para descanso em postos de gasolina ou outros lugares seguros e bem iluminados. Evite ao máximo paradas nos acostamentos das estradas.

Se for inevitável, procure se afastar o máximo possível da pista. Para ser visto pelos demais veículos, mantenha a lanterna ligada e os pisca-piscas sinalizando alerta.

 

Frio

O frio pode se tornar um grave problema se for preciso enfrentá-lo por horas seguidas ou em condições extremas. A baixa temperatura pode causar a hipotermia em mãos e pés, o congelamento desses pontos, com perda da sensibilidade e da movimentação, o que pode causar graves riscos.

Para se proteger, o ideal é usar luvas de couro ou luvas de tecidos impermeabilizantes. Nos pés, é necessário vestir meias e, algumas vezes, utilizar uma proteção com plástico por dentro da bota para evitar a umidade.

Em cima da moto, a temperatura sentida pode chegar a até cinco graus centígrados menor do que a temperatura ambiente. Por isso, agasalhe-se de acordo com essa diferença de temperatura. A respiração no frio também pode causar o embaçamento da viseira. Nesse caso, a dica é respirar pela boca, direcionando o ar para a parte inferior do capacete.

……………………………..
*Fonte: malucosporcustom

motochuva

Existe algum lugar em que chove o ano inteiro?

No Saara chove muito pouco. Mas, quando chove, é para valer, explica Maria Assunção Dias, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Meteorologia. Na região central do Saara, a média anual de chuva é de 50 a 200 mm, muito menos que em São Paulo (mais de 1.600 mm) ou em Timbó (1.400 a 2.000 mm). Regiões desérticas têm as cidades mais secas e municípios próximos a florestas equatoriais e tropicais são os mais chuvosos. Calçoene (AP) é tida como campeã do Brasil, com 4.100 mm por ano. Bem menos que o top 5 mundo.

LUGARES MAIS SECOS*

1. Vales Secos de McMurdo, Antártida: Zero, necas de pitibiriba
2. Arica, Chile: 0,761 mm
3. Al-Kufrah, Líbia: 0,860 mm
4. Aswan, Egito: 0,861 mm
5. Luxor, Egito: 0,862 mm

 

LUGARES MAIS CHUVOSOS*

1. Mawsynram, Índia: 11.871 mm
2. Cherrapunji, Índia: 11.777 mm
3. Waialeale, Havaí (EUA): 11.455 mm
4. Debundscha, Camarões: 10.328 mm
5. Quibdó, Colômbia: 8.989 mm

* Em quantidade de chuva por ano

……….

*Fonte: superinteressante

chovechuva9090