Camada de ozônio está se recuperando

A recuperação da camada de ozônio acima da Antártica continua lenta e constante. Um sintoma claro desta recuperação é a mudança na circulação atmosférica registrada por pesquisadores da Universidade de Colorado Boulder e publicada na revista Nature.

Com a destruição da camada observada no século XX, padrões dos ventos de latitudes médias se alteraram no hemisfério sul, gradualmente se concentrando no Polo Sul. A célula de Hadley, circulação diretamente relacionada com os ventos alísios, às zonas tropicais úmidas e desertos subtropicais, estava ocupando uma área cada vez maior.

Alterações nesses fluxos influenciam o clima por alterar a temperatura atmosférica e as chuvas, o que pode causar mudanças na temperatura e na concentração salina do oceano.

A pesquisadora Antara Benerjee e sua equipe de pesquisadores constataram que essas duas tendências atmosféricas começaram a se reverter ligeiramente em 2000 e continuam até hoje. Esta reversão começou 12 anos após a aprovação do Protocolo de Montreal, que baniu a produção de substâncias que destroem a camada de ozônio.

Apesar de já termos ultrapassado o ponto de reversão há duas décadas, hoje observamos uma camada de ozônio equivalente aos níveis da década de 80. A regeneração completa da camada deve acontecer apenas em 2030 no hemisfério norte e em 2050 no hemisfério sul, sendo que o buraco da Antártica deve ser recuperar no final da década de 2060.

A regeneração da camada é lenta porque as substâncias destruidoras de ozônio têm vidas muito longas na atmosfera. [New Scientist]

*Por Juliana Blume

……………………………………………………………………………….
*Fonte:

Geladeira de argila ecológica atinge -8º Celsius e se tornou a melhor invenção da década

Depresa é uma empresa mexicana que visa em criar produtos que podem facilitar a vida de seus consumidores, principalmente aqueles mais ecológicos ou que possuem baixa renda, por isso desenvolveram a Ecoplanet, uma ‘geladeira’ feita com lama e pedra, 100% ecológica que chega a atingir -8º Celsius.

A marca tem como foco principal abranger aquelas famílias que moram em residências humildes onde não há eletricidade, para que assim os alimentos possam ser conservados por mais tempo.

A geladeira parece um jarro, visualmente falando e funciona com a física básica: uma mistura de cascalho, granzol, mármore, areia úmida e terra é depositada entre dois contêineres e colocada em meia sombra, assim os raios solares evaporam a água da areia úmida, removendo também o calor dos alimentos armazenados ali.

Desde 2015 os produtos da empresa podem ser encontrados no mercado e a boa notícia é que a Ecoplanet foi aceita pelos governos nos planos de desenvolvimento social, com objetivo de garantir uma melhor qualidade de vida para os menos favorecidos ou que moram em áreas rurais.

Os fabricantes distribuíram algumas dessas geladeiras ecológicas pelas cidades mais carentes do México, mas afirmam que a ajuda do governo é essencial para garantir a produção em massa do produto.

*Por Rafael Dávila

………………………………………………………………………
*Fonte: criatives

Newton descobriu Teoria da Gravidade durante quarentena em 1665

Em 1665, a Inglaterra vivia um momento complicado: a Grande Praga de Londres. Por isso, diversas universidades mandaram os alunos para casa, como a Trinity College, em Cambridge. Foi o caso do jovem Isaac Newton, que deve de voltar para Woolsthorpe Manor, propriedade na qual vivia a família.

Como relata o The Washington Post, por causa da doença, Newton teve de ficar mais de um ano longe da universidade – período que, mais tarde, seria chamado de “ano miraculoso”.

Ele seguiu com estudos de matemática e foi durante essa “quarentena” que ele decidiu sentar embaixo da árvore que o faria elaborar a Teoria da Gravidade, quando a maçã caiu na cabeça do matemático.

Newton só pode voltar aos estudos em 1667. Ele chegou a Cambridge com sua teoria escrita e, em dois anos, já era professor. Entre 1665 e 1666, um quarto da população de Londres morreu por causa da doença.

*Por Anita Efrain

………………………………………………………………………………………
*Fonte: yahoo

Filmes do pouso na Lua teriam sido impossíveis de falsificar. Aqui está o porquê.

Faz meio século desde o magnífico pouso na Apollo 11 na Lua, mas muitas pessoas ainda não acreditam que isso realmente aconteceu. As teorias de conspiração sobre o evento que datam da década de 1970 são de fato mais populares do que nunca. Uma teoria comum é que o diretor de cinema Stanley Kubrick ajudou a NASA a falsificar as imagens históricas de seus seis desembarques bem-sucedidos na Lua.

Mas seria realmente possível fazer isso com a tecnologia disponível na época? Segundo o cineasta Howard Berry , Chefe de Pós-Produção e Líder do Programa de Produção de Cinema e Televisão MA, Universidade de Hertfordshire, é impossível que sa imagens tenham sido falsificadas.

Aqui estão algumas das crenças e perguntas mais comuns – e por que elas não se sustentam.

 

1. “Os desembarques da lua foram filmados em um estúdio de TV.”

Existem duas maneiras diferentes de capturar imagens em movimento. Um é o filme, tiras reais de material fotográfico nas quais uma série de imagens é exposta. Outro é o vídeo, que é um método eletrônico de gravação em vários meios, como a movimentação de fita magnética. Com o vídeo, você também pode transmitir para um receptor de televisão. Um filme cinematográfico padrão grava imagens a 24 quadros por segundo, enquanto a transmissão de TV geralmente é de 25 ou 30 quadros, dependendo de onde você estiver no mundo.

Se concordarmos com a ideia de que os desembarques da lua foram gravados em um estúdio de TV, então esperamos que eles sejam vídeo de 30 quadros por segundo, que era o padrão de televisão na época. No entanto, sabemos que o vídeo do primeiro pouso na Lua foi gravado a dez quadros por segundo em SSTV (televisão Slow Scan) com uma câmera especial.

2. “Eles usaram a câmera especial Apollo em um estúdio e depois abrandaram a filmagem para dar a impressão de que havia menos gravidade.”

Algumas pessoas podem argumentar que, quando você olha para pessoas que se movem em câmera lenta, elas parecem estar em um ambiente de baixa gravidade. Retardar o filme requer mais quadros do que o normal, então você começa com uma câmera capaz de capturar mais quadros em um segundo do que em um normal – isso é chamado de overcranking ou captura-em-tempo-muito-lento. Quando isso é reproduzido na taxa de quadros normal, essa gravação é reproduzida por mais tempo. Se você não pode girar sua câmera, você pode gravar em uma taxa de quadros normal e pode artificialmente abrandar a filmagem, mas você precisa de uma maneira de armazenar os quadros e gerar novos quadros extras para retardá-lo.

No momento da transmissão, os gravadores de discos magnéticos capazes de armazenar filmagens em câmera lenta só podiam capturar 30 segundos no total, para uma reprodução de 90 segundos de vídeo em câmera lenta. Para capturar 143 minutos em câmera lenta, você precisaria gravar e armazenar 47 minutos de ação ao vivo, o que simplesmente não era possível.


3. “Eles poderiam ter um gravador de armazenamento avançado para criar filmagens em câmera lenta. Todo mundo sabe que a NASA recebe a tecnologia antes do público.

Bem, talvez eles tivessem um gravador de armazenamento extra secreto – mas um quase 3.000 vezes mais avançado? Duvidoso.


4. ‘Eles filmaram em filme e abrandaram a gravação. Você pode obter quantos filmes quiser para fazer isso. Então eles converteram o filme para ser exibido na TV.

Isso é um pouco de lógica, finalmente! Mas filmar em filme exigiria milhares de metros de rolo. Um rolo típico de filme de 35 mm – a 24 quadros por segundo – dura 11 minutos e tem 1.000 pés de comprimento. Se aplicarmos isso a um filme de 12 quadros por segundo (o mais próximo de dez que conseguiremos com o filme padrão) rodando por 143 minutos (esse é o tempo de duração da filmagem da Apollo 11), precisaríamos de seis e meio rolos.

Estes então precisariam ser colocados juntos. As junções de emenda, transferência de negativos e impressão – e potencialmente grãos, partículas de poeira, cabelos ou arranhões – instantaneamente cedem o jogo. Não há nenhum desses artefatos presentes, o que significa que não foi filmado em filme. Quando você leva em conta que os pousos subseqüentes da Apollo foram feitos a 30 quadros por segundo, então fingir seria três vezes mais difícil. Então a missão Apollo 11 teria sido a mais fácil.

5. Mas a bandeira está soprando ao vento e não há vento na lua. O vento é claramente de um ventilador dentro do estúdio. Ou foi filmado no deserto.

Não é. Depois que a bandeira é solta, ela se acomoda suavemente e, em seguida, não se move de forma alguma na filmagem restante. Além disso, quanto vento há dentro de um estúdio de TV?

Há vento no deserto, eu aceito isso. Mas em julho, o deserto também é muito quente e normalmente você pode ver ondas de calor presentes em imagens gravadas em lugares quentes. Não há ondas de calor nas imagens de pouso na lua, por isso não foi filmado no deserto. E a bandeira ainda não está se movendo de qualquer maneira.

MAIS SOBRE A LUA E ALÉM

Una-se a nós enquanto mergulhamos nos últimos 50 anos de exploração espacial e nos 50 anos que virão. Do primeiro passo histórico de Neil Armstrong na superfície lunar até os planos atuais de usar a Lua como plataforma de lançamento para Marte, ouça especialistas acadêmicos que dedicaram suas vidas a estudar as maravilhas do espaço.

……………………………………………………………………………………………………

‘A iluminação na filmagem claramente vem de um holofote. As sombras parecem estranhas.

Sim, é um holofote – um holofote a 150 milhões de km de distância. É chamado o sol. Olhe para as sombras na filmagem. Se a fonte de luz fosse um holofote próximo, as sombras se originariam de um ponto central. Mas como a fonte está tão distante, as sombras são paralelas na maioria dos lugares, em vez de divergirem de um único ponto. Dito isto, o sol não é a única fonte de iluminação – a luz também é refletida do solo. Isso pode fazer com que algumas sombras não apareçam paralelas. Isso também significa que podemos ver objetos que estão na sombra.

Bem, todos nós sabemos que Stanley Kubrick filmou isso.

Stanley Kubrick poderia ter sido solicitado a falsificar as aterrissagens lunares. Mas como ele era tão perfeccionista, ele teria insistido em filmar no local. E está bem documentado que ele não gostava de voar… Próximo?
“A Terra é plana. As imagens que vemos da Lua e do Sol, na verdade, são hologramas que são projetados no domo.”

Desisto.

*Por Felipe Sérvulo

…………………………………………………………………………………………….
*Fonte: misteriosdouniverso

 

Robô humanóide Atlas completa 10 anos, veja como foi sua evolução

De caixote com pernas a um impressionante ginasta, robô da Boston Dynamics passou por vários estágios documentados em vídeos no YouTube

Quem vê o robô Atlas, da Boston Dynamics, realizando movimentos de Parkour em um vídeo no YouTube aparentemente sem nenhum esforço não percebe, mas a versão atual da máquina é fruto de muitos anos de pesquisa e desenvolvimento.

Uma década atrás, Atlas não existia. Seu ancestral direto foi o Petman, que começou como uma esquisita “caixa” com pernas, que cambaleava enquanto tentava caminhar em uma esteira, preso por cabos de segurança.

Quatro anos depois, em 2014, Petman já tinha uma forma humanóide. Ele aparece em um vídeo vestido com um traje Hazmat (usado por equipes de resgate em locais contaminados por substâncias perigosas, sejam químicas ou biológicas), caminhando e se agachando. Um desavisado poderia até acreditar que se trata de uma pessoa dentro do traje, até o robô ser revelado aos 17 segundos do vídeo.

Atlas aparece pela primeira vez no mesmo ano, em um vídeo onde percorre um terreno irregular e se equilibra em uma perna só, enquanto é atingido por um peso de 20 kg. Sua aparência é menos humanóide que a de Petman, mas seus sistemas são mais avançados.

Hoje, Atlas é capaz de correr, saltar sobre obstáculos, subir escadas em alta velocidade e dar cambalhotas e piruetas como um ginasta humano. Tudo isso sem nenhum tipo de cabo ou apoio.

As proezas do robô são tão impressionantes que inspiraram até vídeos de paródia como os da “Bosstown Dynamics”, onde ele se rebela contra os maus-tratos de seus criadores.

Ao contrário de Spot, o “cão-robô” da Boston Dynamics, Atlas ainda é um protótipo, e não um produto comercial. Segundo a empresa, ele está sendo criado para atuar em missões de busca e resgate, mas seu desenvolvimento contou com investimento da Darpa, a agência de pesquisas avançadas do Departamento de Defesa dos EUA.

*Por Rafael Rigues

 

…………………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Conheça o plano de Elon Musk para a corrida espacial do século 21

Elon Musk não tenta esconder que um dos seus principais objetivos é colonizar Marte. E é com essa missão que a SpaceX vem trabalhando nas últimas 2 décadas. A empresa teve um crescimento importante no desenvolvimento de sistemas aeroespaciais, sendo uma das clientes da NASA. Em uma recente entrevista ao Ars Technica, o CEO conversou sobre seu ambicioso projeto de levar pessoas a Marte.

Porém, antes de pousar em outro planeta, a SpaceX precisa aprimorar ainda mais suas próprias naves, e, para o empreendedor, só existe um caminho para isso acontecer: realizar muitos testes. Por isso, é tão importante, antes de pensar em pousar no planeta vermelho, conseguir produzir naves com mais rapidez.

“Uma alta taxa de produção resolve muitos problemas”, disse ele. “Se você tem uma alta taxa de produção, tem uma alta taxa de iteração. Para praticamente qualquer tecnologia, o progresso é uma função de quantas repetições você possui e quanto progresso você faz entre cada repetição. Se você tem uma alta taxa de produção, possui várias repetições”, acrescentou.

E o quão alta deve ser essa taxa de produção? De acordo com o Musk, o objetivo é conseguir construir 1 nave por semana até o final de 2020. Recentemente, a SpaceX contratou mais de 200 novos funcionários, dobrando a força de trabalho, com o objetivo de acelerar esse processo. Atualmente, a empresa conta com 2 tendas do tamanho de 1 campo de futebol americano para tornar esse processo mais rápido; uma 3.ª tenda já está sendo levantada (veja o local no vídeo abaixo).

“É realmente uma loucura, eu concordo”, disse Musk. “Os paradigmas espaciais convencionais não se aplicam ao que estamos fazendo aqui. Estamos tentando construir uma frota massiva para tornar Marte habitável, para tornar a vida multiplanetária. Acho que precisamos, provavelmente, da ordem de mil naves, e cada uma dessas naves teria mais carga útil do que o Saturn V — e seria reutilizável”, ele afirmou.

Vale lembrar que a empresa ainda está em fase inicial do desenvolvimento de um foguete completo, capaz de fazer uma viagem até Marte. As naves que se pretende desenvolver semanalmente são apenas o estágio superior do foguete Super Heavy da SpaceX. No entanto, por ser esse o estágio que entrará em órbita e levará os astronautas, conseguir uma nave por semana é um progresso enorme.

No fim de fevereiro, o primeiro desses foguetes enfrentou seu primeiro teste. O objetivo não era colocá-lo em órbita (e ele não havia sido construído em 1 semana), mesmo assim o protótipo do Starship SN1 implodiu devido a problemas de pressão. Agora, os modelos SN2 e SN3 já estão em desenvolvimento, com Musk incentivando seus engenheiros a produzirem em menor tempo e com mais qualidade. Os planos agora se resumem a fazer mais testes para voar em uma missão orbital, com a SN5 ou a SN6, antes do final de 2020.

Uma vida multiplanetária

Tudo isso, para Elon, é o primeiro passo da humanidade em sentido à exploração de novos planetas para habitar. E tudo começa com Marte. Para ele, é necessário pensar em como atingir essa meta, criando cidades autossustentáveis no planeta vermelho. Por isso, enquanto as cidades marcianas dependerem da Terra por qualquer motivo, a vida em Marte não será uma realidade para a humanidade.

“O ponto em que se diz que o objetivo é tornar a vida multiplanetária significa que precisamos ter uma cidade autossustentável em Marte”, disse o CEO. “Essa cidade tem que sobreviver se as naves de reabastecimento deixarem de vir da Terra por qualquer motivo. Não importa o porquê. Se essas naves de reabastecimento pararem de chegar, a cidade morre ou não? Para criar algo autossustentável, você não pode perder nada, você deve ter todos os ingredientes. Não pode ser ‘bem, esse lugar é autossustentável, exceto por uma coisinha que não temos’”.

O empresário reconhece que ainda estamos muito longe de atingir esse ponto. Entretanto, se ele conseguir ver os primeiros passos já considerará isso uma vitória.

“Provavelmente, estarei morto, há muito tempo, antes que Marte se torne autossustentável, mas gostaria de pelo menos estar por aqui para ver várias das minhas naves desembarcando lá”, concluiu Musk.

*Por Robinson Samulak Alves

……………………………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

A primeira vida alienígena que encontrarmos provavelmente será inteligente. Saiba por que

Segundo cientistas do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), é mais provável que encontremos evidências de vida extraterrestre inteligente antes de encontrarmos microrganismos aliens, por exemplo.

Por quê?

Vida simples x vida inteligente

Se você costuma ler notícias sobre a busca científica por vida alienígena, deve saber que os pesquisadores andam apostando suas fichas em descobrir alguma bactéria microscópica no solo de Marte, ou então algum organismo muito simples nos mares da lua Europa, de Júpiter.

Enquanto podemos assumir, intuitivamente, que formas simples de vida são mais abundantes no universo e é tal tipo de organismo alienígena que encontraremos primeiro, os cientistas explicam que nossa busca por essas formas de vida é muito limitada.

O problema é que a tecnologia que temos disponível hoje (bem como a que teremos em um futuro próximo) não nos permite olhar (ou vasculhar) muito longe no sistema solar, menos ainda em sistemas de estrelas próximas.

“Existem dois cavalos na corrida para encontrar vida além da Terra. O primeiro é a busca por assinaturas químicas em planetas e o segundo é a busca por inteligência extraterrestre. A vida inteligente tem vantagem, pois pode ser detectada em toda a galáxia”, disse Andrew Siemion, da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA), na conferência Association for the Advancement of Science em Seattle.

Assinaturas tecnológicas

Outra questão sobre a busca por vida alienígena é que assinaturas químicas encontradas em outros planetas podem ser ambíguas. Como poderemos ter certeza se o metano ou produtos químicos similares que detectarmos em outros planetas são realmente produzidos por seres vivos?

Assinaturas tecnológicas, por outro lado, são mais claras. Estas seriam evidências de tecnologia ou vida inteligente extraterrestes enviadas pelo cosmos através de ondas de rádio, pulsos de laser e outras formas de radiação eletromagnética.

Os cientistas do SETI, por exemplo, se concentram em tentar detectar tais sinais que não poderiam ser criados pela natureza, bem como outros vestígios de tecnologia alienígena.

E, enquanto ainda não obtiveram sucesso, Siemion é otimista com relação ao futuro, especialmente porque nossa capacidade de detecção deve ser três ordens de magnitude maior até a próxima década.

“Vimos uma explosão dramática no número de observatórios, no número de cientistas que estão trabalhando neste campo”, afirmou.

Apesar disso…

Apesar das apostas de Siemion, os pesquisadores podem de fato acabar encontrando vida alienígena simples no nosso sistema solar primeiro.

Se isso acontecer, os cientistas precisarão refletir sobre o que isso significa para o medo humano de estarmos “sozinhos” no universo: a descoberta pode muito bem apontar para uma conjetura na qual a vida no cosmos é de fato abundante, só que raramente sobrevive por tempo suficiente para evoluir inteligência ou desenvolver a capacidade de ir além de seu próprio mundo. [Forbes]

*Por Natash Romanzoti

…………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Cientistas estão projetando uma Internet Quântica

Os primeiros dados transmitidos pela Arpanet, precursora da Internet, passaram de um computador da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA, na sigla em inglês), para outro no Instituto de Pesquisa Stanford (SRI, na sigla em inglês), em Palo Alto, em 29 de outubro de 1969.

Naquela noite, a equipe da UCLA telefonou para a equipe do SRI e começou a digitar “LOGIN”.

“Digitamos o L e perguntamos: ‘você conseguiu o L?’”, lembrou o cientista da computação da UCLA, Leonard Kleinrock. “‘Sim!’, respondeu a equipe do SRI. Digitamos o O e perguntamos: ‘você recebeu o O?’ e, novamente, responderam que sim. Digitamos o G e perguntamos: ‘você conseguiu o G?’ Batida! O host do SRI caiu. Assim foi a primeira mensagem que causou a revolução que agora chamamos de Internet.”

A capacidade das redes de transmitir dados — bem como sua tendência a travar, ou se comportar de maneira imprevisível — sempre fascinou Stephanie Wehner. “Em um único computador, as coisas vão acontecer de forma agradável e sequencial”, disse Wehner, física e cientista da computação da Universidade de Tecnologia de Delft. “Em uma rede, muitas coisas inesperadas podem acontecer.”

Isso é verdade em dois sentidos: os programas nos computadores conectados interferem entre si, com efeitos surpreendentes. E os usuários das redes são criativos. Com a internet, observou Wehner, inicialmente “as pessoas pensavam que a usaríamos para enviar alguns arquivos”.

Wehner ficou online pela primeira vez em 1992 e na época já era uma hábil programadora de computadores. Ela logo se tornou uma hacker nessa incipiente Internet. Aos 20 anos, ela conseguiu um emprego como “hacker do bem”, eliminando vulnerabilidades de rede em nome de um provedor de Internet. Então ela ficou entediada com hackers e buscou uma compreensão mais profunda da transmissão de informações e redes.

Wehner é agora uma das líderes intelectuais do esforço para criar um novo tipo de Internet a partir do zero. Ela está trabalhando para projetar a “Internet quântica”, uma rede que transmitirá, em vez de bits clássicos com valores de 0 ou 1, bits quânticos nos quais ambas as possibilidades, 0 e 1, coexistem.

Esses “qubits” podem ser feitos de fótons que estão em uma combinação de duas polarizações diferentes. A capacidade de enviar qubits de um lugar para outro através de cabos de fibra óptica pode não transformar a sociedade tão completamente quanto a Internet clássica, mas mais uma vez revolucionaria muitos aspectos da ciência e da cultura, da segurança à computação e à astronomia.

Wehner é a coordenadora da Quantum Internet Alliance, uma iniciativa da União Europeia para construir uma rede de transmissão de informações quânticas em todo o continente. Em um artigo publicado na Science, ela e dois coautores estabeleceram um plano de seis estágios para a realização da Internet quântica, onde cada estágio de desenvolvimento suportará novos algoritmos e aplicativos.
Publicidade

O primeiro estágio já está em andamento, com a construção de uma rede quântica de demonstração que conectará quatro cidades na Holanda — uma espécie de análogo da Arpanet.

Tracy Northup, membro da Quantum Internet Alliance da Universidade de Innsbruck, elogiou “a amplitude da visão de Stephanie e seu compromisso com a construção do tipo de estruturas em larga escala que farão isso acontecer”.

Depois de hacker, Wehner foi para a Holanda estudar ciência da computação e física. Ela ouviu o teórico da informação quântica John Preskill fazer uma palestra em Leiden descrevendo as vantagens dos bits quânticos para a comunicação. Alguns anos mais tarde, depois de obter seu doutorado, deixou para trás os bits clássicos e ingressou no grupo de Preskill no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) já com o pós-doutorado.

Na Caltech, além de provar vários teoremas notáveis ​​sobre informações quânticas, criptografia quântica e a natureza da própria mecânica quântica, Wehner emergiu como “uma líder natural”, disse Preskill, que “costumava ser a cola que unia as pessoas”, depois de um cargo de professora em Cingapura, ela se mudou para Delft, onde começou a colaborar com experimentalistas para estabelecer as bases para a internet quântica.

Os pesquisadores não pretendem substituir a internet que temos hoje, mas sim adicionar funcionalidades novas e especiais. Existem todos os tipos de aplicações de redes quânticas que serão descobertas no futuro. [Quanta Magazine].

*Por Giovane Almeida

…………………………………………………………………..
*Fonte: ciencianautas

NASA abre processo seletivo para classe de astronautas

Já pensou curtir uma temporada no espaço estando próximo da superfície da Lua e trabalhar na Estação Espacial Internacional? Agora é a chance de ir atrás desse sonho! A NASA abriu, oficialmente, vagas para a classe de astronautas de 2021, e o período de inscrições, que se iniciou ontem (3), estará aberto até o dia 31 de março, podendo ser realizada a matrícula no site USA Jobs.

A seleção faz parte de um dos meios de facilitar a operação do Programa Artemis, que busca levar astronautas à superfície lunar e lá realizar pousos até 2024. Além disso, há a missão Mars Recover, prevista para 2030, a qual coletará amostras do solo marciano para ser estudadas na Estação Espacial.

“Desde os anos 1760, a NASA selecionou 350 pessoas a fim de treiná-las como astronautas para suas crescentes missões desafiadoras de exploração espacial. Com 48 astronautas no corpo ativo, mais serão necessários para tripular espaçonaves com múltiplos destinos e impulsionar a exploração como parte das missões Artemis e além”, declarou a agência em comunicado oficial.

Teste para astronauta

É importante reforçar que o processo seletivo para trabalhar na agência espacial é um dos mais difíceis conhecidos atualmente, com milhares de aplicações, mas apenas uma dezena de selecionados. Caso seja necessário, utilize como referência a última seleção: houve 18,3 mil inscrições e apenas 12 indivíduos foram escolhidos para integrar o time. Dessa forma, pode-se estimar que, nessa atual oferta, de 8 a 12 candidatos serão aprovados pela agência.

Infelizmente, alguns brasileiros só vão ler a matéria até aqui, já que, para participar do processo, a cidadania americana ou a dupla cidadania (com a americana devidamente inclusa) é um requisito obrigatório para a participação nos testes. Além disso, é exigido um nível de mestrado em algum campo STEM, incluindo Engenharia, Ciências Biológicas, Física, Ciências da Computação e Matemática.

Para quem não tiver mestrado, mas tiver um mínimo de 2 anos de doutorado em campos STEM, doutorado completo em Medicina ou curso de piloto de testes reconhecido nacionalmente, ainda há chances de integrar a equipe de astronautas da NASA. Porém, não para por aí, já que é necessário 2 anos de experiência na área de atuação ou mil horas de voo como piloto de avião a jato, além do longo processo de entrevistas, exames e treinamentos.

*Por Andre Luis Dias Custodio

…………………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Stephen Hawking: Ganância e estupidez são o que acabará com a raça humana

O físico e cosmólogo de renome mundial, Stephen Hawking (1942-2018) deixou para trás uma trilha de citações famosas, palavras sábias e ditados inspiradores antes de sua morte.

Em 2016, durante uma entrevista com Larry King, do programa de entrevistas Larry King Now , Hawking disse que a humanidade sempre foi seu maior problema. Estamos conscientemente nos aproximando demais de um momento em que as mudanças climáticas seriam irreversíveis e, infelizmente, não há avanços à vista.

“Certamente não nos tornamos menos gananciosos ou menos estúpidos”, disse Hawking. “ Seis anos atrás eu estava preocupado com poluição e superlotação. Isso piorou desde então. A população cresceu meio bilhão desde a nossa última reunião [seis anos antes], sem fim à vista. Nesse ritmo, serão onze bilhões até 2100.

Em outra entrevista à BBC , Hawking disse: “Estamos perto do ponto crítico em que o aquecimento global se torna irreversível. A ação de Trump poderia levar a Terra à beira do abismo, para se tornar como Vênus, com uma temperatura de duzentos e cinquenta graus e chovendo ácido sulfúrico. ”…

“A mudança climática é um dos grandes perigos que enfrentamos e podemos evitar se agirmos agora.”

Realocação interplanetária como a única solução plausível

Embora ainda possa haver uma chance de salvar a Terra, Hawking estava convencido de que a humanidade nunca veria razões para tomar ações sólidas, unidas e bem direcionadas. Nas suas palavras, “[…] a evolução incorporou ganância e agressão ao genoma humano. Não há sinal de diminuição de conflitos, e o desenvolvimento de tecnologia militarizada e armas de destruição em massa pode tornar isso desastroso. ”

A única maneira de preservar nossa espécie seria garantir algum tipo de planeta reserva por um tempo em que a Terra se tornasse completamente habitável.

“A melhor esperança para a sobrevivência da raça humana pode ser colônias independentes no espaço.”

Sobre poluição e abuso de IA

Hawking mencionou que a poluição do ar estava ficando rapidamente fora de controle, pois a curva de crescimento havia subido constantemente nos últimos cinco anos.

” A poluição do ar aumentou nos últimos cinco anos” , disse ele. ” Mais de 80% dos habitantes das áreas urbanas estão expostos a níveis inseguros de poluição do ar”.

A poluição do ar é o maior contribuinte para o clima. Hoje, a principal causa da poluição do ar é a combustão de combustíveis fósseis, um subproduto da industrialização e, como a humanidade a governou, não há como voltar atrás dos avanços da era moderna.

Hawking também discutiu a inteligência artificial com King, afirmando que os governos mundiais estão se envolvendo perigosamente em ” uma corrida armamentista da IA”.

“Pode ser difícil parar uma IA desonesta ” , disse o físico. ” Precisamos garantir que a IA seja projetada eticamente com as salvaguardas em vigor”.

A inteligência artificial tem muitos benefícios, mas quando usada para cumprir a agenda errada, pode se tornar uma ferramenta de invasão e destruição em massa.

De acordo com a pesquisadora Kate Crawford em 2017, “Assim como estamos vendo uma função de etapa aumentar na disseminação da IA, algo mais está acontecendo: a ascensão do ultra-nacionalismo, autoritarismo de direita e fascismo “, disse ela ao The Guardian

Stephen Hawking (QI-162 estimado) era mais conhecido por suas contribuições aos campos da cosmologia, relatividade geral e gravidade quântica, especialmente no contexto de buracos negros . O cientista formado em Cambridge e Oxford foi diagnosticado com uma forma de progressão lenta da esclerose lateral amiotrófica ou da doença de Lou Gehrig, uma doença da motoneurona que o deixou paralisado por grande parte de sua vida.

Ele causou um impacto permanente no mundo da ciência e da física, deixando inúmeros livros de autoria e citações inspiradoras em seu nome.

……………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Citroën lança carro elétrico compacto que custa apenas R$ 100 por mês

Com velocidade máxima de 45 km/h, veículo é ideal para pequenos deslocamentos dentro das cidades

Prometendo oferecer “mobilidade 100% elétrica para todos”, a Citroën está lançando na Europa o Ami, um veículo elétrico urbano compacto e de baixo custo, que pode ser dirigido por qualquer um acima de 14 anos (na França) mesmo sem carteira de motorista.

O Ami é um “carrinho” de 2 lugares, com apenas 2,4 metros de comprimento, equipado com uma bateria de 5,5 kWh. A autonomia é de até 70 km com uma carga, viajando a até 45 km/h. Não, não é um carro para os amantes da velocidade, ou mesmo para a estrada, mas sim para pequenos deslocamentos dentro das cidades. Ou seja, para ir e voltar do trabalho, ao shopping center, ao supermercado, etc.

Segundo a Citroën, a recarga completa da bateria pode ser feita em três horas em qualquer tomada de 220 volts, sem necessidade de um carregador especial. O interior do veículo é fechado e aquecido, e segundo a fabricante “muito iluminado e confortável”. A aparência pode ser customizada com pacotes de acessórios para mudar a cor do carro.

Mas o principal destaque do Ami é o preço: na França será possível adquirir um por apenas 19,99 Euros mensais (cerca de R$ 98), mediante o pagamento de uma entrada de 2.644 Euros (cerca de R$ 13 mil). O governo francês oferece uma dedução de 900 Euros (cerca de R$ 4.400) pelo fato de ser elétrico, o que leva o total a 1.744 Euros ou R$ 8.600 . O veículo também estará disponível para locação, com preço de 0,26 Euro (cerca de R$ 1,30) o minuto, através da locadora Free2Move.

O Citroën Ami poderá ser comprado “100% online”, como entrega na casa do comprador, e também estará disponível em lojas como a Fnac e Darty. A montadora começará a aceitar pedidos em 30 de março, com previsão de entrega das primeiras unidades na França em junho.

*Por Rafael Rigues

…………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Espanhol inventa motor de dois tempos que promete mudar o setor automotivo

Um engenheiro de Granada (não a explosiva, mas da cidade espanhola), inventou um novo tipo de motor a combustão que promete mudar tudo o que entendemos sobre eficiência energética

Se você acha que os motores a combustão interna estão com os seus dias contados, é bom colocar o pé no freio e prestar atenção neste invento.

O engenheiro mecânico Juan Garrido Requena, através de sua empresa INNengine, apresentou um novo conceito de motor dois tempos, mas com tamanho compacto, baixas emissões, alto desempenho e arquitetura diferenciada. Segundo o inventor, o motor promete potências equivalentes aos 2.0 L comuns, mas com um quarto dessa capacidade volumétrica, 25% do seu tamanho e ainda com quase nenhuma vibração.

Segundo entrevista publicada pelo site Motor.es, Juan Garrido já trabalha no desenvolvimento do conceito há uma década e construiu o seu protótipo para fazer os primeiros testes em um Mazda MX-5.

Até aqui, o dois-tempos tem apresentado resultados tão satisfatórios e promissores que, segundo a matéria, até a Fórmula 1 cogita a utilização do conceito em um futuro.

Uma prova de que o conceito está sendo bem aceito é que a gigante de energia saudita Aramco está de olho na invenção, pois estima-se que, se produzida em série, poderia resolver vários problemas do mercado e dar sobrevida aos motores à combustão.

Vantagens

Para entender o que este invento impactaria a nível mundial, precisamos colocar alguns números na mesa: praticamente todos os 100 milhões de carros produzidos anualmente no mundo têm motores de combustão interna, exceção feita apenas aos modelos elétricos. Além disso, motores de combustão interna ainda são aplicados em motocicletas, geradores elétricos, cortadores de grama, barco a motor, moto-serras e ferramentas de vários tipos.

Com o avanço da eletrificação, muitos países já sinalizaram com a abolição dos veículos movidos à combustão em um futuro próximo sob a alegação da diminuição da emissão de poluentes na atmosfera. Já com o novo motor dois tempos, os veículos à combustão podem ganhar uma sobrevida e a hibridização parece ser o caminho mais eficiente de curto a médio prazo, deixando os elétricos para aplicações mais seletivas até que as cidades estejam melhores preparadas para recebê-los.

Características

O motor Granadino pesa apenas 35 kg e, segundo o inventor, gera potência equivalente ao de capacidade cúbica quatro vezes maior e que pesa cerca de 150 quilos. Downsizing que fala, né?

Ele também não tem bielas, virabrequim ou cabeçote com válvulas. Os pistões são contrapostos e são montados sempre em pares e a energia rotativa é gerada através de uma curva cinemática.

Um dos mistérios de seu desempenho é que, ao eliminar todas essas partes, quase três quartos, o atrito é bastante reduzido, a manutenção é menor, a possibilidade de avarias diminui e as forças não se dissipam e se perdem. Por outro lado, um motor de quatro tempos fornece sua energia a cada duas voltas do motor, o motor de dois tempos comum faz isso a cada ciclo, enquanto essa nova arquitetura oferece dois ‘pulsos de energia’ a cada volta.

Apesar de ser capaz de mover um veículo sozinho, o inventor diz que a ideia principal é utilizar o novo motor como um gerador para motores elétricos, usando este segundo como tração para o carro.

Segundo Garrido, várias marcas já se interessaram por esse mecanismo, chamado “1Stroke Internal Combustion Engine (1S ICE)” e não apenas carros, mas também para uso em aviões e drones. O mecanismo já foi apresentado no Salão Automóvel de Genebra, e obteve a patente para a Índia, China, Estados Unidos, Europa, Coréia e Japão.

O cérebro da ideia promete mais para o futuro com uma maior evolução de sua invenção, e revela que grande parte dos gases de escape não passa de energia dissipada que pode ser recuperada. “Isso vai revolucionar tudo”, finaliza Garrido.

*Por Fernando Naccari

………………………………………………………………….
*Fonte: naccar

Dispositivo gera eletricidade a partir do “ar”

Pesquisadores da Universidade de Massachusetts em Amherst nos Estados Unidos, desenvolveram um dispositivo chamado de “Air-gen” que pode gerar eletricidade usando basicamente nada.

A tecnologia é baseada no fenômeno natural de uma bactéria capaz de criar eletricidade com nada além da presença de ar no meio em que a mesma se encontra.

“Estamos literalmente produzindo eletricidade do nada. O Air-gen gera energia limpa 24 horas por dia, 7 dias por semana”, disse o engenheiro eletricista Jun Yao.

Geobacter sulfurreducens

A bactéria, chamada de Geobacter sulfurreducens, foi descoberta décadas atrás nas margens do rio Potomac, nos Estados Unidos. Os cientistas logo notaram que ela tinha a habilidade de produzir magnetita na ausência de oxigênio.

No entanto, mais tarde, descobriram que o organismo notável também podia produzir outras coisas, como nanofios que conduziam eletricidade.

E é graças a esses nanofios de proteínas eletricamente condutivos da G. sulfurreducens que os pesquisadores conseguiram criar seu gerador movido a ar.

Mas como funciona?

O Air-gen consiste em um filme fino de nanofios com apenas 7 micrômetros de espessura, posicionado entre dois eletrodos e exposto ao ar.

Devido à exposição ao ar, o filme é capaz de adsorver – sim, com “d”, adsorver significa a adesão de moléculas de um fluido a uma superfície sólida – vapor de água a partir da atmosfera, o que por sua vez permite que o dispositivo gere uma corrente elétrica contínua entre os dois eletrodos.

A carga é criada pela umidade atmosférica. De acordo com os pesquisadores, a manutenção do gradiente de umidade, que é fundamentalmente diferente de qualquer coisa vista em sistemas anteriores, explica a saída contínua de tensão do dispositivo de nanofios.

“Descobri que a exposição à umidade atmosférica era essencial e que os nanofios de proteínas absorviam água, produzindo um gradiente de voltagem no dispositivo”, explicou o engenheiro Yao.

Quais são suas aplicações?

Em estudos anteriores, pesquisadores geraram energia hidrovoltaica usando outros tipos de nanomateriais como por exemplo o grafeno, mas estas tentativas produziram apenas rajadas curtas de eletricidade, algo por alguns segundos.

Já o Air-gen produz uma tensão sustentada de cerca de 0,5 volts, com uma densidade de corrente de cerca de 17 microamperes por centímetro quadrado.

Não é muito, mas diversos dispositivos conectados poderiam gerar energia suficiente para carregar coisas como celulares e outros eletrônicos, necessitando de nada além de umidade ambiente – e isso até mesmo em regiões secas como por exemplo no deserto do Saara.

“O objetivo é criar sistemas em larga escala. Quando chegarmos a uma escala industrial para a produção de nanofios, espero que possamos fazer grandes sistemas que darão uma grande contribuição à produção sustentável de energia”, afirmou Yao, acrescentando que futuros esforços poderiam usar a tecnologia para alimentar casas via nanofios incorporados na pintura de paredes.

Por enquanto, uma das limitações da tecnologia é a quantidade de nanofios que a G. sulfurreducens é capaz de produzir.

Os cientistas já estão trabalhando esta questão. O microbiologista Derek Lovely, que identificou a bactéria pela primeira vez nos anos 1980, está conduzindo uma pesquisa na qual modifica geneticamente organismos como o E. coli para desempenhar a mesma tarefa mas de forma massiva.

“Transformamos o E. coli em uma fábrica de nanofios de proteínas. Com este novo processo escalável, o fornecimento de nanofios não será mais um gargalo para o desenvolvimento dessas aplicações”, afirma o microbiologista Lovley.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

Conheça a moto elétrica com performance equivalente a um avião a jato

Novidade da Zero Motorcycles possui motor com 110 cavalos de potência que garantem uma velocidade máxima de 200 km/h

A empresa californiana Zero Motorcycles anunciou uma nova motocicleta totalmente elétrica e de longo alcance. Para se ter ideia do que a máquina é capaz de fazer, a fabricante compara a experiência de pilotagem do lançamento a um avião a jato.

O modelo SR/S, é uma evolução de um projeto anterior da marca, lançado no ano passado, a SR/F. A motocicleta possui um motor elétrico aprimorado que possui 110 cavalos de potência que garantem uma velocidade máxima de 200 km/h.

Sua bateria conta com suporte a um sistema opcional de carregamento rápido de 12kW. Com isso, é possível que ela vá de 0% a 95% em cerca de uma hora. Pelo método tradicional, é possível carregá-la completamente em quatro horas.

Com uma carga completa, a autonomia da moto chega a 260 quilômetros na cidade e 130 quilômetros em rodovias. É possível, ainda, aumentar a distância percorrida adquirindo o Power Tank, um sistema que estende a duração da bateria para até 323 quilômetros na rua e 165 quilômetros em rodovias.

Assim como os carros mais modernos, a motocicleta conta com uma tela digital, aplicativo para smartphone e sistema de conectividade que permite atualizações sem fio e coleta de estatísticas de pilotagem em tempo real.

A SR/S está disponível a partir de US$ 19.995 (cerca de R$ 89 mil em conversão direta). O upgrade de bateria chega no começo de março, e vai custar US$ 2.895 (aproximadamente R$ 13 mil em conversão direta).

>> https://www.zeromotorcycles.com/

*Por Luiz Nogueira

……………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Estudo revela que ferrugem bloqueia radiação cósmica

A ferrugem bloqueia radiação cósmica, de acordo com um estudo recente realizado por cientistas. Para quem não sabe, a radiação cósmica é o tipo de radiação que bombardeia astronautas e seus equipamentos no momento em que eles saem da atmosfera da Terra.

Proteger os astronautas é um elemento crucial para realizar missões no espaço, especialmente se quiserem enviar alguém para Marte ou além disso. Com a tecnologia atual, a proteção que há disponível não é suficiente. Ou ficaria extremamente caro e pesado para criar um escudo realmente efetivo contra a radiação.

Metal oxidado, porém, especialmente o óxido de gadolínio (III), bloqueia mais radiação do que qualquer outra coisa, de acordo com uma pesquisa publicada no mês passado na revista Radiation Physics and Chemistry.

O estudo, um esforço conjunto da Lockheed Martin e da Universidade Estadual da Carolina do Norte, poderia oferecer aos engenheiros uma nova ferramenta para manter os tripulantes em segurança durante longas incursões no espaço.

A ideia de usar ferrugem diminuiria o peso usado para criar este “escudo protetor”.

“Nossa abordagem pode ser usada para manter o mesmo nível de proteção contra radiação e reduzir o peso em 30% ou mais, ou você pode manter o mesmo peso e melhorar a proteção em 30% ou mais – em comparação com as técnicas de proteção mais amplamente usadas” disse o engenheiro nuclear do Estado da Carolina do Norte, Rob Hayes, em um comunicado à imprensa. “De qualquer forma, nossa abordagem reduz o volume de espaço ocupado pela blindagem.”

……………………………………………………………
*Fonte: geekness

Os átomos e as limitações humanas

Muito já se foi questionado sobre quais são os blocos fundamentais da matéria no decorrer da história humana. Essa jornada se iniciou na Grécia antiga, com filósofos como Demócrito e Leucipo. Eles, e outros filósofos do pensamento atomista, trouxeram à tona um novo conceito sobre a natureza da realidade: se começarmos a dividir a matéria em pedaços menores, chegaremos a um componente que não pode ser dividido, e esse componente eles denominaram átomo. E o mundo, segundo eles, era formado por átomos e espaço vazio. Claro, na época, não se tinha nenhuma evidência concreta para a existência desses inusitados componentes da realidade. Tudo que se podia fazer era especular, uma vez que as ferramentas necessárias para a compreensão da natureza ainda não estavam disponíveis para o ser humano nesse período. Mas, se pararmos para pensar, tal jornada — que começou, justamente, na Grécia antiga — foi a fundação para o que chamamos hoje de ciência. E, com o passar do tempo nós começamos a desenvolver métodos e ferramentas para desvendar os mistérios do mundo físico, entendendo cada vez mais o seu funcionamento.

Muito tempo se passou desde os átomos dos gregos e os nossos. Diferente dos primeiros, hoje conseguimos provar que eles realmente existem. E, além disso, descobrimos que eles não são tão indivisíveis quanto os atomistas pensavam. Sabemos hoje que os átomos são compostos por um núcleo, que contém prótons — partículas de carga elétrica positiva — e nêutrons — partículas que não possuem carga elétrica, como o nome sugere. Em volta do núcleo estão os elétrons, partículas muito menores que as citadas anteriormente e que possuem carga elétrica negativa. Mas, não para por aí: os prótons e os nêutrons são formados por componentes ainda menores, os quais são denominados quarks. Claro que tudo isso é muito mais complexo do que eu faço parecer. Porém, o importante é compreender que utilizando o método científico foi possível enxergar o que não se via antes. Conseguimos, através desses métodos, ampliar o escopo de nossa compreensão, indo do incompreensivelmente gigante — galáxias e o próprio universo — até o indescritivelmente pequeno – átomos, elétrons e quarks.

Assim como todos os outros aspectos da realidade estudados por nós, seres humanos, os componentes atômicos são apenas modelos que criamos para explicar como esse atributo da natureza funciona. E esse modelo tem funcionado extraordinariamente bem para esse propósito. O fato de não conseguirmos enxergar os átomos com nossos próprios olhos não diminui nenhum pouco a existência destes (é só lembrar do espectro eletromagnético como exemplo). A sociedade tecnológica em que vivemos hoje só se tornou possível através da compreensão de como os átomos funcionam e interagem no mundo do pequeno. Desde a eletricidade e a radioatividade até medicamentos e tratamento de doenças, sem tal modelo, nunca teríamos nem mesmo sonhado com as tecnologias criadas através dos átomos. Entretanto, sabemos que o nosso conhecimento, por mais eficaz e realista que pareça ser, pode não ser toda a imagem do quebra-cabeça da realidade. A história do pensamento humano é prova disso. Houve um tempo que pensávamos ser o centro do Universo, que relâmpagos eram sinais da ira dos deuses e que os seres vivos eram imutáveis. No final, descobrimos respostas ao mesmo tempo mais simples e mais explicativas para tais eventos. Quem sabe, um dia, descobriremos que os átomos são apenas uma peça em um enorme e mais amplo quebra-cabeça e que o que conseguimos medir e interpretar como sendo um átomo, um próton, nêutron ou elétron é, de fato, apenas uma simples fagulha do que realmente existe ao nosso redor. A nossa imaginação nem se compara com o que a natureza é, realmente, capaz de fazer. Só é importante sabermos diferenciar hipóteses da realidade. Especular é saudável, mas só quando não perdemos de vista o objetivo principal: desvendar como a natureza funciona.

É sempre importante fazermos perguntas como “até onde podemos ir?” e “qual o limite de nossa compreensão?”. E, de fato, só existe uma forma de descobrirmos as respostas a essas perguntas. Devemos extrapolar ainda mais as fronteiras do nosso conhecimento. Aumentar ainda mais, como já disse o físico Marcelo Gleiser, no livro “A Ilha do Conhecimento Humano”. O oceano do desconhecido pode ser grande — até mesmo infinito. E sabemos que toda nova descoberta suscita novas perguntas. Porém, obter respostas a perguntas desafiantes faz parte de uma das nossas maiores qualidades como espécie: a curiosidade. Vamos ver até onde ela nos leva.

*Por Weslley Victor

………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

Mistério de como o estresse torna os cabelos brancos é desvendado

Uma equipe formada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Harvard, nos EUA, descobriram o mecanismo que faz com que os cabelos se tornem brancos quando somos expostos a situações de muito estresse. O time também concluiu que, uma vez os fios mudam de cor, o processo é irreversível – o que representa uma má notícia para os grisalhos inconformados de plantão. Mas, mais importante que os dramas capilares, o estudo pôs em evidência que os efeitos do estresse podem ser bem mais abrangentes do que se pensa.

Mudando de cor

Faz parte do processo natural de envelhecimento da maioria de nós padecer com fios brancos, e o mais normal é que os cabelos comecem a branquear por volta dos 30 anos – embora não seja raro ver pessoas começando a ficar grisalhas muito antes que isso, especialmente quando a genética não ajuda! No entanto, o estresse também é um fator que causa o efeito nas madeixas e, conforme observaram os pesquisadores em seus experimentos, o processo pode se dar em poucas semanas.

Quando iniciaram os testes – com ratinhos de laboratório de pelagem preta –, os cientistas suspeitavam que a perda de cor dos fios poderia ter a ver com uma resposta imunológica em que o próprio organismo passaria a atacar os melanócitos, células responsáveis por produzir a melanina e, portanto, “dar” cor à nossa pele e cabelos. Contudo, depois de desativar as defesas dos ratinhos e ver que eles continuavam a ficar brancos quando expostos ao estresse (estimulado através da dor, pobrezinhos!), os pesquisadores descartaram essa opção e focaram a sua atenção no cortisol, ou seja, no hormônio liberado quando somos submetidos a essas situações.

Então, os cientistas removeram as glândulas dos roedores responsáveis por produzir e liberar o cortisol e, mesmo assim, as criaturas seguiam ficando brancas. Por fim, o time voltou a sua atenção para o sistema nervoso simpático – responsável por ativar a resposta de “fuga e luta” no organismo, e que também é acionado pelo estresse.

Deu branco!

Quando esse sistema é ativado, ocorre a liberação de noradrenalina pelo corpo, um neurotransmissor que atua nos tornando mais alertas e preparados para reagir a situações inesperadas e potencialmente perigosas. Só que, quando essa resposta é posta em ação, os nervos simpáticos – que se ramificam até os folículos pilosos – são estimulados, e a noradrenalina chega até eles.

Pois nos folículos pilosos se concentram as células-tronco dos melanócitos, que vão repondo as células que dão cor aos cabelos conforme elas vão morrendo, e os pesquisadores descobriram que a noradrenalina acelera a deterioração das células-tronco, destruindo o “estoque” de melanócitos. Todo esse processo pode acontecer em uma questão de poucos dias e, uma vez o dano é causado, ele não pode ser mais revertido – e não adianta arrancar os cabelos brancos!

A equipe também descobriu que, ao administrar medicamentos para hipertensão aos ratinhos, o efeito sobre os fios podia ser bloqueado. Além disso, os cientistas conseguiram identificar qual era a proteína responsável por danificar as células-tronco devido ao estresse – a quinasa dependente de ciclina ou CDK – e, da mesma forma que o uso de anti-hipertensivos, a supressão dessa proteína evitou que os ratinhos se tornassem brancos.

O estudo basicamente confirma que o estresse pode afetar a cor dos cabelos e também da pele, além de poder impactar outros tecidos e órgãos de forma negativa. Mas, mais que desapontar grisalhos que querem aposentar tintas e colorações para os cabelos, a pesquisa deixa claro que ainda temos muito o que descobrir sobre os efeitos do estresse no organismo.

*Por Maria Tamanini

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: tecmundo

 

Cientistas demonstram comunicação direta cérebro a cérebro em humanos

Uma nova pesquisa da Universidade de Washington e da Universidade Carnegie Mellon (EUA) desenvolveu uma tecnologia que substitui a linguagem como forma de comunicação, ligando diretamente os cérebros de três pessoas.

A atividade elétrica do cérebro de duas delas serviu como sinal para uma terceira completar uma tarefa, sem que elas tivessem contato umas com as outras.

“Internet de cérebros”

Esse não é o primeiro estudo que testa a comunicação direta entre cérebros.

Um dos pesquisadores líderes desse campo, Miguel Nicolelis, por exemplo, conduziu um experimento que ligou o cérebro de vários ratos criando uma rede ou um “computador orgânico” complexo. Os roedores tinham atividade cerebral sincronizada e se saíam melhor em tarefas do que animais individuais.

Será que o mesmo pode ser feito com seres humanos, ou seja, uma rede de cérebros conectados que funcionam como um supercomputador biológico?

O estudo

No novo estudo, três seres humanos em salas separadas colaboraram uns com os outros em jogo do tipo Tetris, no qual deveriam orientar os blocos para encaixá-los. Dois indivíduos agiam como “enviadores” de sinais (estes podiam ver o jogo), e um como “recebedor” (este só tinha que escolher a orientação).

Os “enviadores” estavam conectados à eletroencefalogramas (EEGs). Para passar a mensagem ao “recebedor” sobre a orientação do bloco, focavam em um flash de luz a determinada frequência. As diferenças nas frequências causavam diferentes respostas cerebrais.

Um pulso magnético era enviado ao “recebedor” usando estimulação magnética transcraniana (EMT). Dependendo do sinal, ele virava ou não o bloco. A partir desse momento, todos viam o resultado do jogo, o que deixava os “enviadores” saberem se o “recebedor” fez o movimento certo, medindo assim a eficácia da comunicação. O trio podia em seguida podia tentar melhorar sua performance.

Para aumentar o desafio, os pesquisadores às vezes adicionavam alguma “interferência” ao sinal enviado pelos “enviadores”. Nesse caso, os “recebedores” ficavam confusos com as informações ambíguas. Rapidamente, no entanto, eles aprendiam a identificar e seguir as instruções mais confiáveis.

Ao todo, cinco grupos de indivíduos foram testados na rede chamada de “BrainNet,” e tiveram mais de 80% de eficácia em completar a tarefa.

Avanços

Esse é o primeiro estudo no qual os cérebros de vários indivíduos foram conectados diretamente de uma forma não invasiva. A quantidade de pessoas que podem ser “ligadas cerebralmente” dessa forma é ilimitada.

Apesar disso, a informação sendo compartilhada era muito simples: uma instrução do tipo “fazer ou não fazer”, ou seja, “sim ou não”.

Ao mesmo tempo, outras interfaces cérebro-cérebro mais invasivas estão sendo desenvolvidas, como uma patrocinada pelo bilionário do mundo tecnológico Elon Musk, contendo um implante com 3.000 eletrodos, e outra financiada pela DARPA (a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA), uma tecnologia capaz de acionar um milhão de células neurais simultaneamente.

Questões éticas

Apesar deste estudo ser menos invasivo que outros como o da DARPA, também levanta preocupantes questões éticas.

Por exemplo, poderia uma interface ou rede cerebral deste tipo ser usada para coagir uma pessoa a fazer algo que não queira, invadindo o seu senso de agência? Poderia ser usada para extrair informações confidenciais, invadindo a privacidade do indivíduo? De forma geral, poderia atrapalhar o senso pessoal (senso do “eu”) de um ser humano?

Uma das nuances da linguagem humana é que aquilo que não é dito é frequentemente mais importante do que aquilo que é dito. Se tais redes se tornarem comuns e permitirem toda uma “abertura” descontrolada de pensamentos e trocas de informações, talvez os benefícios se mostrem menores do que os prejuízos: é o nosso senso de autonomia individual que pode estar jogo.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Nature. [ScientificAmerican]

*Por Natasha Romanzoti

……………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Vídeo mostra como seria a Terra se toda a água desaparecesse

Vista do espaço, a Terra é um pálido ponto azul graças aos oceanos e mares que cobrem 71% de sua superfície. Mas como seria a Terra se toda a água desaparecesse?

Foi isso que James O’Donoghue, da Agência Espacial do Japão (JAXA), se perguntou. Entusiasmado, James criou uma simulação e a divulgou nas redes sociais.

De acordo com o cientista, a motivação surgiu após assistir um vídeo da NASA de 2008 com o mesmo intuito. Entretanto, a nova simulação é muito mais precisa, pois o pesquisador utilizou dados de novos estudos para tornar o vídeo ainda mais fiel à realidade.

“Fiquei muito surpreso com o aparecimento imediato de pontes terrestres, por exemplo”, disse James ao IFLScience. “Durante a última era glacial, a Grã-Bretanha e a Europa estavam ligadas, a Rússia e o Alasca, e a região entre a Ásia e a Austrália estava amplamente conectada”, explicou ele.

De acordo com o pesquisador, isso é importante porque “essas pontes permitiram que os humanos migrassem sem barcos, então este mapa explica bastante como era possível uma grande quantidade de migração humana naquela época. Em outras palavras, é uma lição de pré-história”.

*Por Giovane Almeida

………………………………………………………………..
*Fonte: ciencianautas

Primeira ida ao espaço de 2020 tem equipe 100% feminina

A primeira viagem ao espaço de 2020 é também a segunda da história a ser conduzida inteiramente por uma equipe feminina – e esperamos ver muito mais! As astronautas pioneiras, Jessica Meir e Christina Koch, foram “lá pra cima” para substituir as baterias de matrizes solares da International Space Station e a NASA exibiu toda a missão ao vivo.

De acordo com a NASA, Meir e Koch substituíram a níquel-hidrogênio que geravam energia para a instalação para baterias de iões de lítio.

Na primeira meia hora de caminhada espacial, a câmera e o sistema luz ligados ao capacete de Koch acabaram escapando e dificultando as imagens para os espectadores, assim como a visualização da dupla na atividade técnica que estavam fazendo. Em uma breve conversa com o sistema de comando da agência espacial norte-americana, elas decidiram continuar trabalhando no escuro e concluíram a missão com maestria.

Se a troca de bateria funcionar como planejado nos próximos dias de monitoramento, a NASA vai enviar os astronautas Andrew Morgan e Luca Parmitano, da Agência Espacial Européia, para finalizar a instalação do Alpha Magnetic Spectrometer’s (AMS) um novo dispositivo de resfriamento para as matrizes lá no alto.

Esta foi a segunda viagem especial de Meir e a quinta de Koch. A segunda das duas juntas. A dupla fez história em outubro de 2019, ao completar a primeira missão da NASA completamente conduzida por mulheres – isso depois de um cancelamento em março por falta de trajes espaciais adequados para corpos femininos.

*Por Karol Gomes

…………………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

13 luas cheias, incluindo duas superluas, iluminarão o céu em 2020. Um espetáculo astronômico!

Se você é uma pessoa fascinada por astronomia, certamente adora observar a Lua e também tem o conhecimento do que são as superluas.

Esses fenômenos tão legais de serem observados acontecem quando a Lua está em sua maior proximidade com a Terra, estado conhecido como perigeu. Nesse momento, ela pode se apresentar aproximadamente 15% maior e com cerca de 30% a mais de luminosidade.

Em 2019, tivemos três superluas que encantaram muito os fiéis observadores do céu, mas eles não ficarão desapontados pois, das 13 luas cheias que acontecerão neste ano de 2020, duas serão superluas. Verdadeiros espetáculos acontecerão no céu de 2020 para todos nós.

Superluas de 2020

As duas superluas de 2020 acontecerão em março e abril.

A de março terá o nome de Worm Moon e ficará 100% cheia em 9 de março – Lua no perigeu, em 10 de março –, e a superlua Pink Moon ficará 100% cheia em 7 de abril, sendo esta a maior do ano.

13 luas cheias, em 2020

A primeira lua cheia de 2020, chamada Wolf Moon, aconteceu em 10 de janeiro. Teremos uma Lua para cada mês, com exceção de outubro, quando teremos uma lua cheia dia 1º e dia 31. Esta última será conhecida como lua cheia de Halloween, um evento extremamente raro.

Brian Lada, meteorologista da empresa americana de previsão AccuWeather, explicou que a Lua Azul ocorre a cada dois ou três anos, e que, no Halloween, é mais rara ainda. “Embora as luas azuis ocorram uma vez a cada dois ou três anos, elas são ainda mais raras no Halloween. Depois da Lua Azul, em 31 de outubro de 2020, o doce ou a travessura deve esperar até 2039 para ver a próxima Lua Azul no Halloween”, explicou Brian.

A lua cheia rara de Halloween também será considerada Lua Azul, já que será a segunda lua cheia no mesmo mês.

Lua Azul rara de Halloween, em 2020

Sempre que duas luas cheias aparecem no mesmo mês (evento que acontece, em média, a cada dois anos e meio ou três anos), a segunda é chamada de Lua Azul.

A lua cheia, no Halloween, ocorre apenas aproximadamente uma vez a cada 19 anos. Calculando-se as luas completas, usando-se o horário médio de Greenwich, essas luas devem acontecer apenas três ou quatro vezes por século. Assim, seremos realmente abençoados com esse grande fenômeno astronômico em nossa geração.

Abaixo estão as datas de todas as luas de 2020 com a hora do Leste nos Estados Unidos. Confira o fuso horário e se prepare para absorver todas as energias positivas que elas trarão para a sua vida:

– 10 de janeiro, às 14h21 – Luna del Lobo

– 9 de fevereiro, às 2h33 – Snow Moon

– 9 de março, às 13h47 – Worm Moon (superlua)

– 7 de abril, às 22h35 – Luna Rosada (superlua)

– 7 a 6 de maio, 45h – Luna de las Flores

– 5 de junho, às 15h12 – Moon Moon

– 5 de julho, às 12h44 – Lua do Cervo

– 3 de agosto, às 11h58 – Lua de Esturjão

– 2 de setembro, às 13h22 – Luna de Maíz

– 1º de outubro, às 17h05 – Crop Moon

– 31 de outubro, às 10h49 – Luna Azul

– 30 de novembro, às 4h29 – Luna del Castor

– 29 de dezembro, às 22h28 – Lua Fria

Sabemos que as luas possuem energias poderosas, que influenciam diretamente nossa vida. Então se prepare para um ano intenso!

*Por Luiza Fletcher

Lua cheia

……………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Estas duas estrelas em colisão vão brilhar mais do que todas as estrelas do céu

Um novo estudo da Universidade Estadual de Louisiana (EUA) descobriu um par de estrelas em rota de colisão tão brilhantes que, quando o evento final ocorrer, deve ofuscar todas as outras estrelas do céu.

V Sagittae

O par é chamado de V Sagittae e fica na constelação de Sagitta. Uma das estrelas do sistema binário é uma anã branca, enquanto a outra é quatro vezes mais massiva. Enquanto circulam em órbita juntas, o plasma da estrela maior é transferido para a anã branca.

Os pesquisadores analisaram imagens das estrelas desde 1890, notando que elas vêm ficando cada vez mais brilhantes – pelo menos dez vezes mais intensas ao longo do último século.

Neste século, devem ficar tão brilhantes que se tornarão visíveis a olho nu.

Explosão

Os cientistas criaram modelos do par, descobrindo que as estrelas estão se aproximando cada vez mais. Segundo os cálculos da simulação, elas devem colidir em 2083.

Durante as semanas finais desse evento, a estrela maior será totalmente sugada pela anã branca, e elas se fundirão em um único objeto.

A explosão resultante dessa junção será poderosa e provavelmente ofuscará todas as outras estrelas no céu. De acordo com os cientistas, será pelo menos tão brilhante quanto Sirius, a estrela mais brilhante do céu, e talvez tão brilhante quanto Vênus.

“O destino de V Sagittae é inevitável. Marque no seu calendário”, disse Bradley Schaefer, da Universidade Estadual da Louisiana, em uma entrevista coletiva.

O brilho dessa junção deve durar no céu noturno por cerca de um mês. “Não tivemos [uma explosão temporária de luz] no céu tão brilhante desde a Supernova de Kepler em 1604”, afirmou Schaeffer.

A descoberta foi apresentada em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana em 6 de janeiro em Honolulu, Havaí, nos EUA. [NewScientist]

*Por Natasha Romanzoti

…………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Lynn Margulis: as bactérias que vivem dentro de nós

Muito antes de surgir o primeiro animal, toda a vida na Terra era microscópica e unicelular. Consistia em bactérias, essencialmente. Bactérias na água, na superfície e no subsolo, experimentando uma miríade de truques bioquímicos para sobreviver.

Foi lá que uma bacteriazinha teve uma sacada digna de Elon Musk: usar os fótons que chegavam do Sol, combinados com o gás carbônico abundante disponível na atmosfera, para produzir açúcar (isto é, comida). O nome desse processo é fotossíntese, e ele foi ridiculamente bem-sucedido. Afinal, permitia à dita cuja viver de luz, como um bom hippie.

Só tinha um problema: a tal da fotossíntese liberava pelo escapamento um gás raro na Terra daquela época – e muito tóxico. O nome dele é oxigênio. Boa parte do ferro diluído na água dos oceanos enferrujou e se precipitou no leito – dando origem às jazidas do metal que hoje são exploradas por empresas como a Vale. Vários micróbios não conseguiram lidar com a novidade e morreram sufocados, em um dos grandes eventos de extinção da história da Terra.

Outros, porém, deram um jeito de se aproveitar do oxigênio para gerar a própria energia, usando um processo inovador chamado respiração. As primeiras bactérias que respiravam eram exceção, e não regra. Uma exceção muito eficaz.

O melhor, porém, estava por vir. Um belo dia, uma bactéria com fome, que não sabia respirar oxigênio, engoliu uma outra bactéria, menor, do tipo que sabia respirar oxigênio. Ela teve uma indigestão e, por qualquer motivo, não conseguiu digeri-la. Milagrosamente, a bactéria engolida não só continuou respirando como começou a se multiplicar lá dentro. Se tornou uma usina de processamento de oxigênio instalada no “estômago” da bactéria maior, que fornecia muita energia. Era uma revolução tecnológica.

Essa dupla inusitada de bactérias conseguiu fazer coisas que nenhuma bactéria sozinha conseguiria. Por exemplo, dar origem a seres multicelulares como você, caro humano leitor. Hoje essas bactérias engolidas continuam dentro das nossas células, respirando para nós. Elas se chamam “mitocôndrias”. As bactérias que faziam fotossíntese também foram engolidas eventualmente, e de maneira análoga se tornaram os cloroplastos das células vegetais.

A teoria de que as mitocôndrias são ex-bactérias engolidas se tornou consenso científico graças ao trabalho da bióloga Lynn Margulis. Não sem esforço: o artigo de 1967 em que ela apresentou a ideia foi rejeitado por 15 periódicos científicos (ela chegou a receber, por escrito: “seu trabalho é um lixo, não tente de novo”). Os 15 periódicos estão arrependidos até hoje.

No início da carreira, Lynn carregava a pecha de ter sido esposa de Carl Sagan – um lembrete desconfortável de que mulheres são mais lembradas por seus maridos que por suas realizações. Depois, se tornou uma voz independente e potente. Em parceria com o filho Dorion Sagan, escreveu numerosos livros sobre a evolução da perspectiva microscópica. Foi uma darwinista apaixonada, que criticou com precisão cirúrgica a aplicabilidade do arcabouço teórico do naturalista aos seres vivos pequenos.

Na década de 1980, os trabalhos de Lynn com as mitocôndrias e de Carl Woese com o domínio das arqueias – um tipo de bactéria até então desconhecido, que geneticamente é tão diferente das bactérias comuns quanto nós somos – inauguraram uma nova era no estudo da história da Terra.

Até a década de 1950, os paleontólogos dominavam a área, e o foco estava todo sobre os animais macroscópicos, que geravam fósseis. Dali em diante, a perspectiva da genética e da microbiologia entraram em cena, e a ideia prepotente de que o ser humano é o ápice da evolução caiu por terra de vez. O mundo é das bactérias – e nós só vivemos aqui porque elas deixam.

*Por Bruno Vaiano

…………………………………………………………………
*Fonte: superabril

Planeta precisa de 1,2 trilhão de novas árvores para conter o aquecimento, diz estudo

Além de preservar as florestas que já existem, a melhor solução para reduzir drasticamente o excesso de dióxido de carbono na atmosfera e conter o aquecimento global é plantar árvores. Em todos os espaços possíveis do planeta que não são ocupados nem por zonas urbanas, nem destinados a agropecuária.

Isso significaria plantar 1,2 trilhão de novas mudas, um número quatro vezes maior do que a totalidade de árvores que vivem na floresta amazônica. Calcula-se que existam no planeta hoje cerca de 3 trilhões de árvores.

O plantio massivo de árvores em locais subutilizados é o principal ponto defendido por estudo que sai na edição desta sexta-feira (5/7) da revista Science. “Seguramente podemos afirmar que o reflorestamento é a solução mais poderosa se quisermos alcançar o limite de 1,5 grau [de aquecimento global]”, afirma à BBC News Brasil o cientista britânico e ecólogo Thomas Crowther, professor do departamento de Ciências do Meio Ambiente do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, e um dos autores do trabalho acadêmico.

O limite a que ele se refere é a preocupação central do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), da Organização das Nações Unidas, cujo relatório foi lançado ano passado: limitar o aumento do aquecimento global em 1,5 grau Celsius até 2050.

Para conseguir tal meta, Crowther defende uma campanha global – envolvendo governos, organizações e pessoas físicas. Afinal, o plantio deveria ocorrer em todos os espaços relativamente ociosos, independentemente de quem seja o dono do local. “São regiões degradadas em todo o mundo, onde humanos removeram as florestas e hoje são áreas que não estão sendo usadas para outros fins”, comenta ele. “No entanto, não sabemos sobre a propriedade da terra de todas essas regiões. Identificar como incentivar as pessoas a restaurar esses ecossistemas é a chave para o reflorestamento global.”

Este é o primeiro estudo já realizado que demonstra quantas árvores adicionais o planeta pode suportar, onde elas poderiam ser plantadas e quanto de carbono elas conseguiriam absorver. Se todo esse reflorestamento for feito, os níveis de carbono na atmosfera poderiam cair em 25% – ou seja, retornar a padrões do início do século 20.

Desde o início da atividade industrial, a humanidade produziu um excedente de carbono na atmosfera de 300 bilhões de toneladas de carbono. De acordo com os pesquisadores, caso esse montante de árvores seja plantado, quando atingirem a maturidade conseguirão absorver 205 bilhões de toneladas de carbono. “Os 300 bilhões de toneladas extra de carbono na atmosfera existentes hoje são devidos à atividade humana”, diz o cientista. “O reflorestamento reduziria dois terços disso. Contudo, há um total de 800 bilhões de toneladas carbono na atmosfera, 500 bilhões das quais naturais.”

80 mil fotos de satélite

Para realizar o estudo, o grupo de pesquisadores utilizou um conjunto de dados global de observações de florestas e o software de mapeamento do Google Earth Engine. Foram analisadas todas as coberturas de árvores em áreas florestais da terra, de florestas equatoriais até a tundra do Ártico. No total, 80 mil fotografias de satélite de alta resolução passaram pelo crivo dos cientistas. Com as imagens, a cobertura natural de cada ecossistema pôde ser somada.

Por meio de inteligência artificial, dez variáveis de solo e clima ajudaram a determinar o potencial de arborização de cada ecossistema, considerando as condições ambientais atuais e priorizando áreas com atividade humana mínima. Por fim, modelos climáticos que projetam as mudanças do planeta até 2050 foram implementados no software, para que o resultado fosse o mais próximo do real.

Atualmente existem 5,5 bilhões de hectares de floresta no planeta – segundo a definição da ONU, ou seja, terras com pelo menos 10% de cobertura arbórea e sem atividade humana. Isso significa 2,8 bilhões de hectares com cobertura de dossel de árvores.

O estudo concluiu que há ainda um total de 1,8 bilhão de hectares de terra no planeta em áreas com baixíssima atividade humana que poderiam ser transformadas em florestas. Nesse espaço, poderiam ser plantadas 1,2 trilhão de mudas. “À medida que essas árvores amadurecem e aumentam, o número de espécimes cai. Quando chegamos às florestas maduras, as árvores realmente enormes armazenam maior quantidade de carbono e suportam grande quantidade de biodiversidade”, completa Crowther. Isso renderia 900 milhões de hectares de copas de árvores a mais – uma área do tamanho dos Estados Unidos.

As medidas são urgentes. “Todos nós sabíamos que a restauração de florestas poderia contribuiu para o clima, mas não tínhamos ainda conhecimento científico para mensurar o impacto disso. Nosso estudo mostra claramente que o reflorestamento é a melhor solução, com provas concretas que justificam o investimento”, afirma o britânico. “Se agirmos agora. Pois serão necessárias décadas para que novas florestas amadureçam e alcancem seu potencial. Ao mesmo tempo, é vital que protejamos as florestas que existem hoje e busquemos outras soluções climáticas a fim de reduzir as perigosas alterações climáticas.”

“Nosso estudo fornece uma referência para um plano de ação global, mostrando onde novas florestas podem ser restauradas. A ação é urgente. Os governos devem incorporar agora isso em suas estratégias para combater as alterações climáticas”, adverte o geógrafo e ecólogo Jean-François Bastin.

A pedido da reportagem, Bastin estimou quanto tempo seria necessário para que esse reflorestamento maciço começasse a implicar no freio ao aquecimento global: 18 anos. “Então, isso de fato ajudaria a retardar o problema, mas o mesmo tempo precisamos mudar consideravelmente nosso jeito de viver no planeta a fim de conseguir neutralizar nossas emissões de carbono”, acrescenta ele.

Segundo os pesquisadores, mais da metade do potencial terrestre de reflorestamento está concentrada em seis países, nesta ordem: Rússia, com 151 milhões de hectares disponíveis; Estados Unidos (103 milhões); Canadá (78 milhões); Austrália (58 milhões), Brasil (50 milhões) e China (40 milhões).

O trabalho também mostrou o impacto que as mudanças climáticas devem ter na configuração das florestas existentes. Com o aquecimento global, é provável que haja um aumento na área de florestas boreais em regiões como a Sibéria. Contudo, a média de cobertura de árvores nesse tipo de ecossistema é de apenas 30% a 40%. No caso de florestas tropicais, que normalmente têm de 90% a 100% de cobertura de árvores, as alterações climáticas têm trazido efeitos devastadores.

Repercussão

O estudo foi bem-recebido por especialistas ambientais que tiveram acesso prévio ao material. “Finalmente, uma avaliação precisa do quanto de terra podemos e devemos cobrir com árvores, sem interferir na produção de alimentos ou espaços de habitação humana”, pontua a diplomata Christiana Figueres, ex-secretária executiva da Convenção do Clima da ONU. “É um modelo para governos e para o setor privado.”

“Agora temos evidências definitivas da áreas de terra potencial para o reflorestamento, onde elas poderiam existir e quanto carbono poderiam armazenar”, avalia o engenheiro civil René Castro, especialista em desenvolvimento sustentável e diretor-geral do Departamento de Clima, Biodiversidade, Terra e Água da FAO, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

“As florestas são um dos nossos maiores aliados no combate às mudanças climáticas, com resultados mensuráveis. O desmatamento não apenas contribui para uma perda alarmante da biodiversidade, mas limita nossa capacidade de armazenar carbono”, completa ele.

O ambientalista Will Baldwin-Cantello, conselheiro-chefe para florestas da organização WWF (World Wide Fund for Nature), enfatiza o papel das florestas “contra a mudança climática”. “Sem elas, perderemos a luta para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau”, diz. “Por isso é crucial atuarmos para restaurar as florestas enquanto reduzimos drasticamente as emissões globais de carbono.”

Para ele, “o desafio é entender como podemos acelerar essa implementação”, que requer “níveis sem precedentes de cooperação em níveis global e local”.

“Só falta vontade política de lutar pelo nosso mundo”, conclui.
Plante você mesmo

Crowther enfatiza que todos podem contribuir para esse processo. “Embora ações de governos sejam essenciais para aproveitar ao máximo a oportunidade, estamos diante de uma solução climática na qual todos podemos nos envolver e causar um impacto tangível”, defende. “Você pode cultivar árvores, doar para organizações de reflorestamento ou ao menos investir seu dinheiro com responsabilidade em empresas que tomam medidas quanto à mudança climática.”

No site Crowther Lab, há uma ferramenta que permite que o usuário olhe para qualquer ponto da Terra e identifique áreas passíveis de reflorestamento.

“Defendemos que qualquer um pode se envolver. Mas, para fazer isso de maneira correta, é preciso entender as condições do solo e os tipos de árvores que podem existir em cada região”, comenta o cientista. “Por isso, desenvolvemos uma ferramenta de mapeamento, disponível em nosso site, onde qualquer pessoa pode ampliar sua área e se informar sobre que tipos de árvores plantar e quanto carbono elas podem capturar. Tais informações ecológicas são fundamentais. Vamos fazer o reflorestamento global de forma eficaz.”

O Crowther Lab também traz listas de organizações comprometidas com o reflorestamento e apoia a criação de uma coalização global para tornar os esforços mais eficientes.

*Por Edison Veiga

…………………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

Cientistas criam filme plástico flexível que repele todas as formas de bactérias

Bactérias nocivas podem criar todo tipo de situações desconfortáveis e perigosas. No entanto, uma equipe de cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, criou um revestimento antiaderente repelente que pode manter essas bactérias afastadas.

Apresentado na forma de um invólucro plástico flexível, impede a transferência de bactérias resistentes a antibióticos de superfícies e pessoas.

Isso será especialmente útil em hospitais, mas também pode ser usado em cozinhas em residências.

Como funciona o envoltório?

Inspirando-se na própria natureza, os cientistas tomaram a folha de lótus repelente de água como exemplo para o seu envoltório plástico. Sua superfície funciona através de uma mistura de engenharia de superfície em escala nanométrica e química.

A maneira como uma folha de lótus repele líquidos é através de sua superfície enrugada, que exclui todas as partículas externas. Por exemplo, se água ou sangue cair na superfície, ela simplesmente ricocheteia. Seria o mesmo para as bactérias do plástico recriado.

Além disso, os cientistas adicionaram produtos químicos à camada superficial que melhoram ainda mais suas propriedades repelentes de bactérias. O resultado final? Um material flexível, durável e barato que impede a propagação prejudicial de bactérias.

O material pode ser comparado a um invólucro plástico, “que pode ser aplicado a todo tipo de coisa”, como disse Leyla Soleyman, engenheira chefe e pesquisadora do estudo.

O invólucro plástico pode ser encolhido em maçanetas, trilhos, suportes para soro e outras superfícies amigáveis às bactérias. Além disso, pode ser usado para embalagens de alimentos, impedindo a transferência de bactérias nocivas, como Escherichia Coli e Salmonella, de frango cru.

O co-autor do estudo, Tohid Didar, disse: “Podemos ver essa tecnologia sendo usada em todos os tipos de ambientes institucionais e domésticos. Como o mundo enfrenta a crise de resistência antimicrobiana, esperamos que ela se torne uma parte importante do caixa de ferramentas antibacteriana”.

Tudo o que resta aos pesquisadores agora é encontrar um parceiro comercial para desenvolver aplicativos comerciais para o envoltório.

Suas descobertas foram publicadas na revista ACS Nano.

 

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Paradoxo do tempo via universos paralelos é matematicamente possível, dizem cientistas

Vamos ignorar o “porquê”, mas se você voltasse no tempo para matar seus avós, você nunca teria nascido. O que significa que não existiria ninguém para matar seus avós.

Esses tipos de paradoxos do tempo de quebrar o cérebro têm nos intrigado para sempre, inspirando histórias que vão de “De volta ao futuro” ao seriado “Dark”.

Até discutimos isso de forma mais embasada na matéria “Dark e o Paradoxo de Bootstrap”.

Agora, a New Scientist relata que os físicos Barak Shoshany e Jacob Hauser, do Perimeter Institute, no Canadá, encontraram uma solução aparente para esses tipos de paradoxos que exigem um número muito grande – mas não necessariamente infinito – de universos paralelos.

O artigo de pesquisa deles descreve um modelo no qual uma pessoa poderia viajar teoricamente de uma linha do tempo para outra, atravessando um buraco no espaço-tempo, ou buraco de minhoca, de uma maneira que eles afirmam ser “matematicamente possível”.

“A abordagem de universos paralelos que sugerimos diz que existem universos paralelos diferentes em que as coisas são praticamente as mesmas e cada um deles é matematicamente uma variedade de espaço-tempo separada”, disse Shoshany à New Scientist. “Você poderia vagar entre essas variedades quando viaja de volta no tempo.”

Várias linhas do tempo permitiriam que você viajasse para uma linha do tempo diferente e matasse seus avós sem causar um paradoxo. Mas o número de linhas do tempo não precisa ser infinito para que isso funcione, calcularam os pesquisadores.

O modelo tem uma grande desvantagem, pelo menos para fins narrativos: viajar no tempo não fará nenhum bem para sua própria linha do tempo.

“O que significa viajar no tempo aqui é entrar entre essas histórias – isso é ainda mais esquisito”, disse à New Scientist o especialista em matéria de astrofísica e matéria escura Geraint Lewis, da Universidade de Sydney, que não participou da pesquisa. “Em algum nível, nem parece mais uma viagem no tempo, porque qual é o sentido de voltar e matar Hitler se a Segunda Guerra Mundial ainda ocorreu no universo de onde você existe?”

*Por Flávio Croffi

…………………………………………………………………..
*Fonte:

Cientistas criam filme plástico flexível que repele todas as formas de bactérias

Bactérias nocivas podem criar todo tipo de situações desconfortáveis e perigosas. No entanto, uma equipe de cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, criou um revestimento antiaderente repelente que pode manter essas bactérias afastadas.

Apresentado na forma de um invólucro plástico flexível, impede a transferência de bactérias resistentes a antibióticos de superfícies e pessoas.

Isso será especialmente útil em hospitais, mas também pode ser usado em cozinhas em residências.

Como funciona o envoltório?

Inspirando-se na própria natureza, os cientistas tomaram a folha de lótus repelente de água como exemplo para o seu envoltório plástico. Sua superfície funciona através de uma mistura de engenharia de superfície em escala nanométrica e química.

A maneira como uma folha de lótus repele líquidos é através de sua superfície enrugada, que exclui todas as partículas externas. Por exemplo, se água ou sangue cair na superfície, ela simplesmente ricocheteia. Seria o mesmo para as bactérias do plástico recriado.

Além disso, os cientistas adicionaram produtos químicos à camada superficial que melhoram ainda mais suas propriedades repelentes de bactérias. O resultado final? Um material flexível, durável e barato que impede a propagação prejudicial de bactérias.

O material pode ser comparado a um invólucro plástico, “que pode ser aplicado a todo tipo de coisa”, como disse Leyla Soleyman, engenheira chefe e pesquisadora do estudo.

O invólucro plástico pode ser encolhido em maçanetas, trilhos, suportes para soro e outras superfícies amigáveis às bactérias. Além disso, pode ser usado para embalagens de alimentos, impedindo a transferência de bactérias nocivas, como Escherichia Coli e Salmonella, de frango cru.

O co-autor do estudo, Tohid Didar, disse: “Podemos ver essa tecnologia sendo usada em todos os tipos de ambientes institucionais e domésticos. Como o mundo enfrenta a crise de resistência antimicrobiana, esperamos que ela se torne uma parte importante do caixa de ferramentas antibacteriana”.

Tudo o que resta aos pesquisadores agora é encontrar um parceiro comercial para desenvolver aplicativos comerciais para o envoltório.

*Por: Ademilson Ramos

…………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Livro gratuito da Nasa traz belas imagens da Terra à noite

Earth at Night também tem muita informação sobre os instrumentos disponíveis aos cientistas, como são usados e sua evolução.

Por muitos anos, as imagens de satélite da Terra à noite serviram como uma ferramenta fundamental de pesquisa, além de estimular a curiosidade do público. Essas imagens mostram como os seres humanos iluminaram e moldaram o planeta de maneiras profundas desde a invenção da lâmpada, há 140 anos.

O contraste entre as luzes e as trevas conta histórias sobre o nosso planeta, que são apresentadas no e-Book Earth at Night (Terra à Noite), desenvolvido pela Nasa e disponível gratuitamente.

Além de mostrar como os seres humanos e os fenômenos naturais iluminam a escuridão, o livro também mostra como e porque os cientistas observam as luzes noturnas da Terra há mais de quatro décadas, usando seus próprios olhos e instrumentos espaciais. Os leitores irão compreender a evolução na tecnologia de imagem, e como fenômenos como erupções vulcânicas, tempestades e incêndios florestais podem ser facilmente identificados.

Earth at Night tem 200 páginas, e está disponível em versões para o Kindle (formato MOBI), outros e-readers (EPUB) e PDF.

*Por Rafael Rigues

………………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Cidade na Alemanha consome 100% de energia renovável por uma hora ao se desconectar da rede elétrica

As luzes cintilantes de Natal continuavam brilhando intensamente, e nenhuma lâmpada tremeluzia quando a cidade de Bordesholm, na Alemanha, trocou sua fonte de energia por energia renovável.

Na semana passada, os 7.500 habitantes de Bordesholm se tornaram os primeiros residentes em toda a Alemanha a serem 100% renováveis por uma hora inteira. Eles foram completamente desconectados da rede elétrica.

Após a hora, a cidade foi reconectada e nenhuma pessoa poderia ter notado.

Quão fácil é mudar apenas para energia renovável?

A fonte de alimentação em Bordesholm foi habilitada por um sistema de armazenamento de 10 MW e pelos inversores de bateria Sunny Central Storage fabricados pela SMA Solar Technology AG (SMA).

O sistema de bateria ajuda a estabilizar a fonte de alimentação e integrar a energia renovável, mas é claro, também fornece uma redução nas emissões de carbono. Além disso, foi projetado para fazer parte de uma “rede local independente” com recursos completos de ilhamento. Esse desenho é útil quando ocorrem falhas de energia, além de ajudar a ativar a rede local em operação.

“Este teste bem-sucedido é um marco importante na transição energética”, disse Boris Wolff, vice-presidente executivo de soluções de armazenamento e larga escala da unidade de negócios da SMA.

“Demonstrou que as energias renováveis podem fornecer energia sem afetar a estabilidade do sistema. De fato, nossos inversores de bateria Sunny Central Storage e o SMA Hybrid Controller fornecem à rede da ilha uma estabilidade e qualidade de energia ainda maiores do que a rede elétrica”, continuou Wolff.

O fato de ninguém notar a mudança da rede elétrica para energia renovável e vice-versa foi um feito em si.

O fornecedor local de energia, o diretor administrativo da Versorgungsbetriebe Bordesholm (VBB), Frank Gunther, disse que o teste foi uma “demonstração impressionante de como já é possível e economicamente rentável expandir sistematicamente as energias renováveis, juntamente com as capacidades de armazenamento necessárias, sem comprometer a confiabilidade do fornecimento”.

É uma demonstração fantástica, pois mostra que as energias renováveis podem ser usadas para fornecer energia a cidades inteiras de cada vez.

“A desconexão, a operação da rede de ilhas e a ressincronização com a rede de concessionárias ficaram sem problemas. O sistema de armazenamento supria toda a demanda de eletricidade da cidade, que poderia ser suprida exclusivamente a partir de energias renováveis”, disse o engenheiro de desenvolvimento de sistemas da SMA, Paul Robert Stankat.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Vídeo impressionante mostra como a lua está se afastando da Terra

A Lua está se afastando da Terra, lentamente, processo que teve início há bilhões de anos, quando o satélite natural foi formado.

Para explicar melhor esse fenômeno, o cientista James O’Donoghue, da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (AXA), criou um vídeo no qual é possível ver como o afastamento tem acontecido ao longo dos anos.

Conforme a hipótese do grande impacto, a formação da Lua se deu há 4,5 bilhões de anos, com a colisão entre a Terra e um objeto espacial denominado Theia, cujas dimensões seriam semelhantes às de Marte.

A partir daí, pedaços da crosta terrestre cobertos de magma foram lançados à nossa órbita, dando origem à Lua.

Nessa época, o satélite natural estava bem mais próximo do nosso planeta — cerca de 16 vezes mais perto do que a distância atual — mas com o passar do tempo ele se afastou milhares de quilômetros em relação à posição original, devido às interações entre ambos e também a impactos de meteoritos.
Veja o vídeo

Inicialmente, O’Donoghue pretendia apresentar uma imagem precisa da criação da Lua, como ele contou ao Business Insider. No entanto, ele se empolgou e criou uma animação que mostra toda a história, resumida em menos de 30 segundos.

O vídeo começa mostrando a posição atual da Lua e a seguir faz uma viagem no tempo, voltando ao momento da formação do satélite. Também é possível acompanhar a distância dela em relação à Terra, seu tamanho aparente e a velocidade do seu afastamento ao longo de bilhões de anos.

Como é medida a distância da Terra à Lua?

A Lua se distancia da Terra cerca de 3,8 centímetros a cada ano, atualmente, mas esse movimento nem sempre é constante.

*Por Davson Filipe

 

………………………………………………………………………..
*Fonte: realidadesimulada

Inteligência Artificial descobriu por si mesma que a Terra orbita o Sol

Assim como aconteceu com os astrônomos da antiguidade, que percorreram um longo caminho dedutivo até compreender que a Terra girava em torno do Sol, e não que tudo girava em torno dela, uma inteligência artificial também chegou a essa conclusão.

Da mesma forma que ocorreu com os humanos, essa tecnologia se baseou na observação do movimento retrógrado de Marte para concluir que o mundo se move em elipse.

Segundo um artigo da revista acadêmica Physical Review Letters, a inteligência artificial conseguiu verificar que a Terra gira em torno do Sol, partindo de uma informação fornecida pelos programadores, que a ensinaram como se movem Marte e o Sol no firmamento terrestre.

Para isso, a equipe do físico Renato Renner, do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (ETH), projetou um algoritmo capaz de destilar grandes conjuntos de dados em algumas fórmulas básicas, imitando a maneira como os físicos apresentam suas fórmulas.

Assim, eles projetaram um novo tipo de rede neural inspirado na estrutura do cérebro. Durante séculos, astrônomos pensavam que a Terra estava no centro do Universo e explicavam o movimento de Marte sugerindo que os planetas se movessem em pequenos círculos na esfera celeste.

Mas, nos anos 1500, Nicolau Copérnico descobriu que os movimentos poderiam ser previstos com um sistema mais simples se a Terra e os planetas estivessem orbitando o Sol.

Usando os dados fornecidos por seus criadores, a inteligência artificial foi capaz de desenvolver fórmulas ao estilo de Copérnico e redescobriu por conta própria a trajetória de Marte.

Essa conquista irá ajudar os pesquisadores a criar um sistema capaz de individualizar padrões dentro de gigantescas quantidades de dados aleatórios.

A partir dessa iniciativa, Renner e sua equipe pretendem desenvolver tecnologias de machine learning (aprendizagem de máquina) que possam ajudar os físicos a resolver aparentes contradições na mecânica quântica.

*Por Davison Filipe

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: realidadesimulada

Palha de café substitui plástico em peças automotivas

A Ford e o McDonald’s firmaram uma parceria para aproveitar a palha de café – casca seca do grão que sobra no processo de torrefação – na fabricação de peças de automóveis, nos Estados Unidos. O projeto pode dar novo destino a boa parte das milhares de toneladas de palha de café que são geradas por ano, normalmente usadas como adubo ou carvão.

As empresas descobriram que a palha de café tem propriedades capazes de reforçar certos tipos de peças, criando um material durável. Quando é aquecida a altas temperaturas sob baixo oxigênio e misturada com plástico e outros aditivos, ela dá origem a um granulado que pode ser moldado em vários formatos.

Os componentes feitos com esse composto são cerca de 20% mais leves e consomem até 25% menos energia no processo de moldagem. A sua resistência ao calor também é sensivelmente melhor que a do material usado atualmente, favorecendo a aplicação em peças como carcaças de faróis e outros componentes no compartimento do motor.

A parceria da Ford com o McDonald’s é um exemplo das abordagens inovadoras das empresas para o gerenciamento do produto e do meio ambiente. O projeto envolve também a Varroc Lighting Systems, fornecedora de faróis, e a Competitive Green Technologies, processadora da palha de café.

“Este é um exemplo de avanço na economia de circuito fechado, onde diferentes indústrias trabalham juntas e trocam materiais que de outra forma seriam descartados”, explica Debbie Mielewski, líder técnica do time de sustentabilidade e pesquisa de novos materiais da Ford.

Debbie garante que o novo material com palha de café é melhor que o material usado anteriormente – mais sustentável e com uma qualidade superior. Para conhecer melhor este novo material e suas possibilidades, clique aqui.

Materiais sustentáveis

Veja abaixo outras substituições de plásticos à base de petróleo por materiais biológicos e subprodutos agrícolas já realizadas pela montadora:

2007 – Espuma à base de soja em bancos e forros;

2008 – Garrafas plásticas recicladas em tapetes, caixas de roda e tecidos;

2009 – Palha de trigo em porta-objetos e porta-copos;

2010 – Algodão reciclado de roupas em forro acústico de portas e porta-malas;

2011 – Pneus reciclados em vedações e juntas; dente-de-leão em tapetes, porta-copos e peças internas de acabamento;

2012 – Papel moeda reciclado em porta-objetos e planta kenaf em forro de portas;

2013 – Casca de arroz em chicotes elétricos;

2014 – Casca de tomate em suportes de fiação e porta-objetos;

2015 – Casca de celulose em aplicações no compartimento do motor;

2016 – Fibra de agave em porta-copos e porta-objetos;

2017 – CO2 capturado para produção de espumas e enchimentos;

2018 – Bambu em compostos plásticos de peças internas e no compartimento do motor.

……………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Como seria o céu se pudéssemos ver todos os satélites que estão em órbita?

Já pensei TANTAS vezes nisso… “Como seria o céu se pudéssemos, de fato, ver todos os satélites que estão em órbita?”

São mais de dez mil satélites em órbita, mas apenas os maiores e mais próximos à Terra são visíveis logo após o pôr do Sol. Neste vídeo, Scott Manley pegou dados dos satélites e criou um timelapse/vídeo da visão do céu noturno na América do Norte e toda a movimentação orbital.

Background Music is Spatial Harvest by Kevin Macleod.
Satellite data from:

https://www.space-track.org/
https://celestrak.com
https://prismnet.com/~mmccants


*Por Gustavo Giglio

………………………………………………………………………….
*Fonte: updateordie