Meus destaques da última década

Já que hoje é o último dia do ano de 2019 e como também representa uma mudança de casa decimal com o final de uma decada, resolvi (sem pretensão alguma e de boas) fazer algumas escolhas e comentários numa pequena lista com vários ítens relevantes,
Somente coisas que de alguma formame  são importantes no meu dia a dia, leituras, filmes, pesquisas, motos, buscas e tal. Não se trata disso ou aquilo ser melhor do que tal coisa, é apenas uma listagem de coisas bacanas nesses últimos 10 anos. É um exercício bacana de se fazer, podes crer. A diferença é que vou deixar aqui expressa a minha listagem, mas você bem que também poderia fazer a sua!

 

>>> FILMES:

Então o começando pelo universo da telona, os filmes. Estabeleci selecionar 5 filmes que eu curti bastante. Isso é convenhamos, é difícil de escolher (no caso dos livros também), não me ative aqui a selecionar filmes ‘cabeça’ ou então cheios de premiações, mas sim filmes que GOSTEI. Simples assim. Então deixei minha memória correr solta, me guiar pela emoção mais do que pela razão e estatuetas de Oscar. Escolhi os seguintes:

. “A Vida Secreta de Walter Mitty” (2013)
Para mim, um dos melhores filmes dos últimos tempos! O roteiro começa quase que como uma comédia e aos poucos muda de tom. Chega a dar uma certa liçãozinha de vida… Cenas e locações incríveis, sem falar na ótima trilha sonora. Filmaço!

. “Questão de Tempo” (2013)
Filme que curti logo de cara. Muito bom.

. “Ondine” (2010)
Outro que assisti sem grandes expectativas, mas me pareceu incrível.

. “Relatos Selvagens” (2014)
Sensacional filme argentino que reúne seis incríveis histórias de vingança que fogem do controle. Difícil escolher qual a melhor. A da noiva, talvez a dos completos desconhecidos que discutem na estrada ou então a da cobrança do boleto/multa…?

 

. “O Grande Hotel Budapeste” (2015)
. “Moonrise Kingdom” (2012)
Driblei aqui, escolhi 2 filmes, ma so blog é meu, eu então posso fazer isso!
Não poderia jamais deixar de fora algum dos filmes de Wes Anderson, meu diretor de cinema preferido. Cada filme uma magia, desde os enquadramentos de tela matematicamente elaborados até as incríveis paletas de cores de cada um de seus filmes. Sem falar no elenco e os roteiros diferentões. Excelente sempre!

 

>>> LIVROS:

Também tentei fugir do óbvio, dos best sellers e afins. Novamente me deixei guiar pela emoção, do prazer que me foi tal leitura, da vontade de que o livro não acabe nunca, do inúmeros momentos de parar para pensar no que havia lido e no que isso tinha de relevância para mim. Sou um ávido leitor de biografias, ainda mais depois que as grandes bandas e artista de rock envelheceram e deixaram de fazerem novos bons ou melhores álbuns que os seus das décadas passadas. Assim escolhi  o que julguei serem 3 bons livros.

.”AC/DC – A biografia – 2014 (Mick Wall)
Desde que me conheço por gente, mesmo quando garoto, a primeira de rock de verdade que me causou um furor, me deixou louco, foi o AC/DC. Minha primeira grande paixão no universo do rock. Tempos depois, com seus LPs comprados, vários CDs e DVDs na estante com horas e horas de vôo, era necessário completar os dados, fatos e lacunas na história desses caras. eu tinha de saber melhor como tudo começou e demais fatos. É sabido de que o AC/DC é uma banda meio reclusa, avessa aos holofotes da fama e sem muitas informações. Esse livro ajudou bastante a tomar conhecimento das histórias do grupo, a gravação de cada álbum e muito mais. Hoje já não sou mais tão fan assim dos caras, tenho outras bandas na frente agora, mas foi importante ler esse livro e solucionar alguns dos seus mistérios. Em tempo – já havia lido duas outras bios deles e ambas achei uma bela merda. Muito chapa branca, muio incenso jogado prá mcima deles. Essa não! Essa é true, tanto para o bem como para o mal. Fica a dica!

. “Rita Lee uma Autobiografia” – 2016 (Rita Lee)
Também pelo fato de ter muita curiosidades por essa incrível mulher, sem dúvida a rainha do rock nacional. Uma história de vida prá lá de interessante, precursora já do tempo de “Mutantes”, depois de Tutti Frutti e depois na sua prolífica carreira solo. *(Sim, sou fanzaço de sua fase no Tuti Fruti – uma espécie de Black Crowes brasileiro, pode-se dizer). Livro muito bem escrito e foi um daqueles que me deixou triste depois que terminou a leitura, queria mais… Salve Rita!!!

. “Here,m there, and Everywhere – Minha Vida Gravando os Beatles”
2013 (Geoff Emerick)
Os bastidores do universo das gravações dos Beatles descrito pelo jovem e novato engenheiro de som, contratado pela gravadora da banda. O tempo passa e Geoff se aprofunda ainda mais em relatar as suas experiências diárias de estúdio com a banda. Um relato bem detalhado.

 

 

 

 


>>> MÚSICA:

Aqui ao invés de selecionar apenas músicas, resolvi escolher 10 artistas com os quais  eu de verdade me impressionei nos últimos anos. E oklha que a música anda tão babaca, caidona e sem graça, que foi um alento para mim descobrir essas bandas e estar acompanhando as suas trajetória desde então.

. Gary Clark Jr.

. The Blackbarry Smoke

. Markus King

. Larking Poe

. Jared Nichols

. Rival Sons

. Chris Stapleton

. Tyler Bryant & The Shakedown

. The Record Company

. The Sheepdogs

>>> MOTOS:

Em termos de moto off road, que é uma de minhas paixões declaradas aqui no blog, resolvi escolher a moto que eu mais curti nessa década. Essa foi uma das escolhas mais fáceis, eu que sou um grande fan e defensor das motos de motocross da Yamaha (sim, a cor padrão azul ajuda), na verdade agora tive de dar o braço à torcer. A moto que mais me empolgou realmente foi a Suzuki 450 do piloto Ken Roczen, no título do AMA Motocross de 2016. Uma moto incrível e linda! Ele que já havia ganho um título anteriormente com a poderosa KTM, mudou de equipe e veio rachando tendo de mostrar serviço na época. É um excelente piloto, hoje no time Honda e continua sendo um dos meus top 5 dos pilotos preferidos também.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Outro destaque que merece reconhecimento no off road mundial é o garoto Enzo Lopes, que é daqui da cidade vizinha de Lajeado. O cara já correu dois anos seguidos pela equipe JGR Suzuki no AMA motocross (2017-18) e esse ano, de contrato novo na categoria 250cc, vai de Yamaha. Não é nada fácil de se chegar nesse nível de pilotagam e ainda mais participar e competir em igualdade com esses gringos nos EUA – motocross lá é coisa séria! E o multi-campeão Enzo segue firme e forte na sua carreira de piloto profissional. Boa sorte garoto em 2020!

 

 

 

 

 

 

Quanto ao assunto de moto velocidade e o famoso campeonato da Moto GP, bem daí a coisa fica mais fácil ainda de escolher. Sou fan de carteirinha do grande Valentino Rossi e mais ainda quando pilota uma azulzinha da Yamaha. A moto dele que eu mais curti foi a de quanto os pilotos adversários espanhóis se reuniram e fizeram tipo um complô contra ele no ano de 2015, quando lhe tiraram a chance de conquistar mais um título do mundial na categoria principal. Uma puta sacanagem!

*Ver matéria [ AQUI ]

 

 

 

 

 

 

E continuando o tema motos, agora então a escolha do que seria a minha moto preferida dentre todas (sonho de consumo) dessa década. É uma escolha bem simples, bastante humilde até eu diria, mas ficaria com certeza com uma Triumph Bonneville T100 com toda certeza! Moto ágil, de bom tamanho, fácil pilotagem, motor potente e de boa cilindrada, não é gritona e além do tudo é muito bonita – tudo por causa de seu estilo clássico total. Enfim, uma moto de homem! Vai em qualquer lugar, encara qualquer coisa. E não, eu não curto motos esportivas e muito menos big trails. Não precisa ser uma coisa super high-tech para ser boa.

 

Por que as pessoas ficam emotivas quando bebem?

Bebidas alcoólicas têm o poder bizarro de alterar a nossa forma de pensar e de agir. Se sóbrios somos contidos, quando bebemos acabamos, muitas vezes, dizendo coisas que não gostaríamos de dizer sem pensar bem e, claro, demonstrando alguns sentimentalismos estranhos.

Quem bebe e às vezes passa dos limites certamente já acabou sendo o sentimental do grupo, expressando afeto em demasia, abraçando pessoas, acenando para estranhos e até mesmo chorando compulsivamente.

A culpa disso tudo é do processo de digestão do álcool: ele chega ao estômago, uma parte dele é absorvida pelo sangue, e a outra parte é enviada para o intestino delgado. Depois, esse álcool todo é processado pelo fígado, antes de ser excretado – durante esse processo, no entanto, uma parte dele é capaz de atravessar a barreira hematoencefálica, ou seja: entra direto no cérebro por meio da circulação de sangue – e é aí que a gente começa a mudar o comportamento.

Bebedeira

O álcool atua de forma a retardar as atividades no sistema nervoso central, que é responsável pela função motora, pelos pensamentos e pelo controle das emoções – é por causa disso que o álcool é considerado um depressor.

Quando se instala no cérebro, o álcool acaba ficando na região do córtex, a matéria cinzenta que processa informações sensoriais e pensamentos. Ali, o álcool atrapalha o funcionamento da região, bagunçando os neurotransmissores e nos fazendo agir de maneira estranha.

O que vai embora primeiramente é a inibição e o pudor, por isso tendemos a nos sentir corajosos quando bebemos. Depois, ficamos falantes e não conseguimos pensar nas consequências do que estamos dizendo.

Quando atingimos esse ponto, tendemos a consumir ainda mais bebidas, mesmo que o mais inteligente fosse parar de beber. Com mais álcool entrando, nosso sistema límbico, responsável pelas emoções, é afetado também, e aí estamos oficialmente bêbados e potencialmente fadados a algum vexame de cunho sentimental.

Vexame na certa

As bebidas alcoólicas interrompem os sinais elétricos entre as sinapses do cérebro, então ficamos sem condições de interpretar informações de modo correto. Por isso, tendemos a reagir emocionalmente de modo exagerado, o que pode nos fazer brigar com pessoas, demonstrar afeto de maneira inadequada, e por aí vai.

Essa região do sistema límbico também é responsável por nos ajudar a criar novas memórias, e como ela é afetada quando bebemos, é bem provável que, no dia seguinte, a boa e velha amnésia alcoólica se faça presente. Quando estamos bêbados, tendemos a ser uma versão exagerada de nós mesmos, por isso os dramáticos viram emotivos, e as pessoas felizes geralmente ficam bobas.

Independente de qual for o seu perfil de personalidade, é sempre bom frisar que beber demais é arriscado de diversas maneiras. Quando você sentir que está ficando alterado, pare de beber e tome água – lembrando também que mesmo se você consumir apenas uma dose de qualquer bebida não deve, em hipótese alguma, voltar para casa dirigindo.

*Por Daiana Geremias

 

…………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Para enlouquecer com saúde

Vaiar o morto. Contar piadas às carpideiras. Ser convidado, com energia, a se retirar do recinto. Sair de cabeça em pé, levando uma flor entre os dentes. Dizer toda a verdade que lhe vier à telha. Morder a imprópria língua. Envenenar as palavras com doses letais de franqueza. Ser um desanimador de festas infantis. Riscar-se de uma lista de convidados. Pular de uma ponte e sair voando. Contribuir com o futuro do planeta, clamando pela boa pontaria do meteoro. Contentar-se com dois pares de calçados. Economizar água-que-passarinho-não-bebe. Urinar pelos canteiros de casa. Escandalizar a vizinhança com sua nudez domiciliar, o seu território livre. Entrar na pauta da próxima assembleia do condomínio. Passar dias sem tomar banho. Malhar os neurônios com livros de filosofia. Ser, com orgulho, o garoto mais impopular da escola. Escalar o Monte de Vênus sem usar as mãos. Lamber. Lamber. Lamber. Ser parceiro íntimo dos micróbios. Reconhecer-se como um reles microrganismo no âmbito universal e, apesar disso, ir além, exagerar, pular corguinhos com a sua cadeira de rodas. Nadar contra a correnteza. Torcer pelo jacaré num filme de Tarzan. Sacanear, fazer amor consigo mesmo, gozar na boca da noite. Rastejar a esmo numa guerra hercúlea contra a hipocrisia. Desligar o cérebro pelos caminhos de Compostela. Tomar sopa com outros homens miseráveis. Tocar para o sul, apesar do frio. Desnortear-se, apesar de um norte. Abolir o uso da bússola e dos relógios de pulso. Matar o tempo por asfixia das horas. Orar para os deuses do rock. Nunca ter escutado o hit mais tocado nas rádios, de acordo com a lista da Billboard. Usar as pedras do caminho para espatifar os telhados de vidro. Rimar amor com dor e com os cubos de gelo na caixinha de isopor. Tomar um uísque nas piores e nas melhores horas do dia. Assinar a profissão poeta na sua carteira de trabalho. Relaxar sem ser frouxo. Embriagar-se sem ser alcoólatra. Perder a ternura, endurecer. Apaixonar-se por uma completa desconhecida que parece ser a mulher dos seus sonhos. Preferir os pesadelos só por causa das altas doses de adrenalina. Doar sangue para um facínora sanguinário. Temperar a vida com o sargaço dos mares revoltosos. Cegar o ódio. Cagar no mato. Seguir uma nuvem de moscas pelas merdas do caminho. Apostar no azarão. Deixar-se cavalgar por uma potra louca-varrida com gosto de amanhã-logo-cedo-tem-mais. Faltar às passeatas. Marchar contra a multidão. Saquear uma biblioteca. Ser preso por uma policial à paisana e a atado à cama com meias de seda bacana. Ensimesmar. Cair em desgraça com elegância. Levantar a moral da tropa desnudando-se, desfilando a gostosa bunda da verdade para que todos toquem nela. Delatar aquele cara no espelho, se ele tiver culpa no cartório. Vestir-se rigorosamente fora da moda. Comer gordura trans. Comer uma gordinha trans. Transformar-se. Transtornar-se. Endeusar-se, amar a si próprio acima de todas as coisas e o resto que se Jack Daniel’s. No final das contas, se nada der certo e este contrato antissocial firmado consigo mesmo fracassar, então, terá valido a pena.

*Por Eberth Vêncio

……………………………………………………………
*Fonte: revistabula

O hábito de reclamar só piora a sua vida

Tem coisas que você não gosta, mas precisa fazer de qualquer jeito

Tenho feito um experimento pessoal nos últimos dias. Não é nada científico ou metódico, apenas um processo para me ajudar a criar mais consciência sobre como minha mente e meus impulsos funcionam e criei uma página simples no Facebook para compartilhar minhas impressões. Este texto é fruto desse processo de observação.

Meu objetivo é passar 21 dias sem reclamar, policiando meus impulsos, buscando entender melhor de onde surge essa vontade e quais os efeitos (sejam positivos ou negativos) que esse hábito pode gerar.

A válvula de escape

Quando nos encontramos numa situação desconfortável, nosso impulso natural é buscar algo para criticar, quebrando o gelo e criando um meio comum, onde as pessoas se conectam por um sentimento que ambos podem identificar.

Quando estamos presos no elevador com algum estranho e surge aquele silêncio constrangedor, é comum alguém emitir um sutil comentário. Pode ser sobre como está calor no dia, como o trânsito estava horrível ou como está cada vez mais difícil estacionar perto do centro. Em conversas com amigos e familiares, a reclamação também surge como assunto integrador, seja quando falamos sobre trabalho, futebol ou a presidente da república.

No geral, o impulso parece vir como uma válvula de escape, uma forma de aliviar algo que nos incomoda. Mas o mundo é um lugar hostil, somos expostos diariamente a situações que nos deixa incomodados. Assim, não demora muito para criarmos uma compulsão. Sempre que existir a chance, vamos expressar alguma insatisfação, mesmo que não seja verdadeira.

Utilizamos reclamações como um sistema de fuga.

Pense um pouco, todas as vezes que você disse “nossa, estou tão cansado” era verdade ou foi uma reclamação vazia?

As duas formas de pensar

No livro “Rápido e Devagar”, Daniel Kahneman explica de forma bem sucinta como nossos sistemas cognitivos funcionam. Quando você ler “2+2” neste texto, tenho certeza que não vai parar para pensar, sei que a resposta surgiu na mente, sem esforço algum. Este é seu Sistema 1, de onde saem nossas informações automatizadas, o conhecimento que temos condicionado ao longo dos anos. Quando eu pergunto quanto é 38×40, no entanto, você vai precisar pensar um pouco até encontrar uma resposta. Este é o Sistema 2, capaz de fazer conexões mais complexas e pensar logicamente, mas é comparativamente mais devagar, exige certo esforço.

Segundo Kahneman, a repetição lógica do Sistema 2 gera a automatização do Sistema 1. Quando repetimos uma informação em nosso sistema lógico, ele tende a se acostumar e transferir essa automatização para o Sistema 1, condicionando o processo.

É assim que funcionamos com estudos, treinos e outras formas de aprendizado. Repetimos toda parte complicada até passarmos a não pensar muito sobre o que estamos fazendo.

Um exemplo simples disso foi quando aprendi a montar cubo mágico. O começo foi bem moroso, estudando o método, pensando bastante em cada uma das etapas e movendo as partes cuidadosamente. Depois de alguns anos, esse conhecimento foi automatizado. Hoje em dia eu não penso mais para solucionar o quebra-cabeça, é uma ação inteiramente instintiva para mim.

Quando alguém me pede para explicar como resolvo determinada etapa, não sei dizer como faço. Preciso repetir o movimento na menor velocidade possível e ir escrevendo a sequência num papel para tentar entender o que eu mesmo estou fazendo. E acabo errando quando preciso executar a tarefa desse jeito.

Ficamos ancorados na reclamação

Nosso processo inicial de reclamação é Sistema 2. Algo realmente nos afeta, pensamos sobre aquilo e conseguimos tirar algumas conclusões, positivas ou não. O ponto que pude observar durante meu experimento, é que dificilmente paramos de reclamar depois da primeira vez. Repetimos diversas vezes, tanto em dialogo interno quanto para outras pessoas. Fazemos isso sempre que temos oportunidade, condicionando essa reclamação no Sistema 1, quando não pensamos mais sobre a situação e simplesmente reclamamos sobre de forma vazia.

Podemos notar que isso é verdadeiro em vários aspectos, basta observar a frequência que reclamamos de situações que não fazem a mínima diferença e, como disse anteriormente, que muitas vezes nem paramos para pensar se são realmente verdadeiras.

Até o momento, se não fosse o fato de ser desagradável estar próximo de pessoas que reclamam muito, o problema não parece tão sério assim.

No entanto, Kahneman também explica um curioso efeito cognitivo, o que ele chama de Priming Effect.

Em um dos experimentos, os pesquisadores pediram para que pessoas ouvissem uma gravação sob o pretexto de testar a qualidade dos headphones. Um grupo deveria escutar acenando positivamente com a cabeça, para cima e para baixo. O outro escutaria o mesmo áudio fazendo um gesto de negação, girando a cabeça de um lado para o outro. A mensagem que ambos os grupos ouviram era uma gravação de rádio. O grupo que ouviu fazendo sinal de “sim” com a cabeça foi mais propenso a aceitar a mensagem transmitida no áudio do que o grupo que fez sinal o de “não”.

Consigo observar o Priming Effect atuando claramente quando reclamamos.

Imagine-se frequentando uma academia. Sabemos que não curte treinar, acha o ambiente ruim e as pessoas que estão lá não combinam com o seu universo habitual. Você passa a reclamar disso com bastante frequência, sempre que te perguntam sobre a academia, seu feedback é acompanhado de alguma reclamação ou observação negativa. Não é difícil que, em bem pouco tempo, sua disposição em frequentar uma academia desapareça, dado que seu gatilho associativo é sempre ruim.

Minha esposa frequentou a academia comigo durante um ano, sem falhas. Depois de um tempo passamos a comentar sobre alguns problemas que observávamos e posturas que achávamos nocivas nesse meio, o que até gerou um texto sobre o assunto. Depois de bem pouco tempo ela desistiu completamente de frequentar a academia.

Não é como se ela gostasse antes, mas agora, a reclamação causou efeito muito forte. Sair de casa para treinar conflitava com o sistema automático dela, que instintivamente entendia aquele estímulo como algo incrivelmente ruim.

Tem coisas que você não gosta, mas precisa fazer de qualquer jeito

Dentro dessa ideia toda, é muito fácil identificar situações onde reclamamos bastante, ao ponto onde ficamos ancorados totalmente nos aspectos negativos, resultando numa enorme dificuldade de inciar qualquer ação.

Quando eu decido começar uma dieta, eu sei que o processo é difícil. Penso que gostaria mesmo era de comer aquele hambúrguer da esquina, reclamo que alface e tomate não tem gosto de nada, que ninguém pode gostar daquilo de verdade. Ao mesmo tempo que me ligo em perfis do instagram que mostram orgias gastronômicas cobertas de bacon, cervejas artesanais e gente cozinhando comida com cara de desejo. É bem fácil, agora, entender que nosso sistema cognitivo exigirá um extremo esforço para nos manter na linha. Minha dieta vai por água abaixo.

Quando eu evito uma reclamação, o pensamento negativo que surgiu vai embora mais rápido, diferentemente de quando eu me expresso verbalmente.

Conversando com alguns amigos da universidade, vi que o sentimento de que existe algo errado nas aulas gera o impulso de contestar a situação. Esse movimento não desaparece quando precisamos finalmente estudar para a matéria, e acaba resultando numa resistência ao estudo. É como se estudar estivesse errado, é como se todo aquele esforço fosse fruto do erro de outra pessoa.

O curioso de não poder reclamar é que me tornei mais propenso a tomar uma atitude quando me deparo com situações ruins. Quando não reclamamos, a emoção negativa não tem vazão, fica uma certa tensão. Resta apenas nos mover para resolver ou ir para bem longe, onde o problema não é capaz de nos alcançar.

Mesmo que o professor seja ruim e o método esteja confuso, preciso estudar para passar. Não tem mágica. Posso odiar ir à academia, mas se eu não for, vou engordar, minha saúde vai piorar e vou sofrer todos os problemas relacionados. Dieta pode ser chato, mas se você não comer direito, sua saúde será comprometida, gostando ou não. Observando como um simples hábito afeta nossa mente e nos deixa menos propensos a agir, podemos entender que reclamar não é – muitas vezes – o melhor caminho. Que podemos identificar algo como ruim, mas mastigar este problema dia após o outro não fará as coisas mudarem.

Nosso país passa por uma crise complicada, nossa economia está indo de mal a pior, nossa vida pessoal é coberta de contratempos e dificuldades. Temos motivos para reclamar de praticamente todos os aspectos possíveis. Só que simplesmente reclamar não vai fazer as contas sumirem, nosso aluguel ainda precisa ser pago, ainda precisamos cuidar da nossa saúde, precisamos ler, estudar e fazer o amanhã acontecer.

Falar sobre todas essas coisas pode nos aliviar, mas aos poucos, esquecemos algo bem importante, que precisamos nos virar em meio ao caos, independente de quais são os contratempos.

………………………………………………………………………..
*Fonte: papodehomem/Alberto Brandão