O encontro mais íntimo não é o sexual, e sim despir-se emocionalmente

O encontro mais íntimo entre duas pessoas não é o sexual, mas sim despir-se emocionalmente. Uma troca que acontece quando o medo é vencido e nos entregamos ao outro do jeito que somos, em cada uma das nossas vertentes.

Isso não é fácil de alcançar. De fato, despir-se emocionalmente não é algo que se consiga rapidamente, muito menos com qualquer um. É preciso tempo, força e vontade de ouvir, sentir e abraçar emoções. Autoconhecimento e heteroconhecimento, isto é, o conhecimento de si mesmo e o da realidade do outro.

Visto assim, não parece à toa que o termo que as escrituras bíblicas usam para falar do amor sexual ou do estabelecimento da intimidade seja CONHECER. Este artigo trata de se conhecer e se despir em paixões, em sentimentos e em história emocional…

O ato de despir-se emocionalmente começa em si mesmo

O despir emocional começa por si próprio. Isto é, é muito importante se identificar com o que se sente e perceber como nos sentimos confortáveis ou desconfortáveis, o que pensamos e como podemos usar as nossas emoções a serviço dos nossos pensamentos.

Ouvir-se, conectar-se e conhecer a própria herança emocional, isto é, escanear o nosso corpo emocional, é imprescindível para liberar os próprios medos, conflitos, as próprias inseguranças, conquistas, os próprios aprendizados, etc.

Conhecer a nossa filosofia emocional, explorar as nossas vulnerabilidades permanentes, ser consciente do que é doloroso e deixar que isso flua, é imprescindível para poder contemplar a imagem que o nosso espelho emocional projeta ao tirarmos a vestimenta que nos “cobre”.

O autoconhecimento das nossas vulnerabilidades emocionais não faz que estas desapareçam, mas ter um conhecimento mais profundo sobre elas implica que cada vez que apareçam nas nossas vidas poderemos identificá-las e agir, impedindo-as de afogarem as nossas conexões emocionais.

A nossa herança emocional, a chave para se conectar

A nossa herança emocional exerce um forte impacto em nossa capacidade de nos conectarmos emocionalmente com os outros. É exatamente esta bagagem, esta pele, a que nos faz agir sobre as nossas sensações, sentimentos e emoções de uma determinada forma.

Estar exposto as próprias lembranças e a aquelas sensações que podem ser desagradáveis não é fácil, e muitas vezes nem sequer é visto como útil. Contudo, existem muitos motivos pelos quais recomenda-se tirar as vestimentas:

Se queremos ter relacionamentos mais significativos, é importante parar um pouco para olhar o passado e curar as feridas emocionais da nossa infância.

A fiação condutora que transporta as nossas mensagens emocionais precisa estar descoberta para que as nossas reações não nos dominem. Por exemplo, quando você diz “meu irmão me tira do sério”, você tem a sensação de que ele sabe exatamente onde pegar para afetar você.

Conhecer esses temas de reações emocionais e saber comunicá-las nos ajuda a regenerar os nossos pensamentos e o nosso estado de bem-estar geral.

Assim, quando fazemos um trabalho de autoconhecimento, o nosso diálogo interior pode conseguir mudar de “As pessoas são perigosas para mim” para “A forma como me trataram me fez mal, mas sou consciente e procuro que isso não me afete”.

Quando acessamos nossa herança emocional e compreendemos como os sentimentos do passado influenciam as experiências do presente, podemos ser mais ágeis na hora de estabelecer laços fortes e saudáveis de união com quem nos rodeia.

Ser conscientes dos filtros emocionais, dos abrigos e das couraças que vestimos contribui para nos tornar ágeis leitores e intérpretes tanto das tentativas de conexão dos outros como das nossas próprias.

O encontro mais íntimo é despir-se emocionalmente

 

Despir emocionalmente as pessoas muito marcadas pelo seu passado pode ser muito difícil, pois é necessário lidar com as couraças, com as roupas que a tornam inacessível, as desilusões que envolvem a pessoa, os medos das rejeição, do abandono, da solidão…

Para fazer isto é preciso ser inteligente, amar a pessoa e abrir os ouvidos, os olhos e a pele banindo os preconceitos e a atitude de julgamento. Isto é, uma escuta ativa emocional através de todos os sentidos sem “mas” nem vírgulas fora do lugar.

Para fazer isto, é preciso saber que um nu emocional não se consegue em qualquer tipo de ambiente, mas é preciso que se deem as condições ideais para gerar emoções, senti-las, manipulá-las, examiná-las e usá-las.

Os cenários emocionais ideais para despir-se emocionalmente são aqueles onde prima a escuta a partir do interior, a empatia e a inteligência emocional. Cenários nos quais se potencializa a comunicação e a compreensão com uma grande base de respeito e tolerância.

Somente assim poderemos criar um ambiente emocionalmente relaxado no qual realmente possa se dar o encontro íntimo, o despir dos medos, das inseguranças e da verdade emocional. Somente assim conseguiremos esses abraços que quebram os medos, que fecham os nossos olhos e que nos entregam 200% de corpo e alma.

 

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: resilienciamag

O verdadeiro patrimônio: um texto sobre o que realmente importa

Uma história que nos leva a entender o que realmente importa nessa vida!

Um jovem advogado foi indicado para inventariar os pertences de um senhor recém falecido. Segundo o relatório do seguro social, o idoso não tinha herdeiros ou parentes vivos. Suas posses eram muito simples. O apartamento alugado, um carro velho, móveis baratos e roupas puídas.

“Como alguém passa toda a vida e termina só com isso?”, pensou o advogado.

Anotou todos os dados e ia deixando a residência quando notou um porta-retratos sobre um criado mudo.

Na foto estava o velho morto. Ainda era jovem, sorridente, ao fundo, um mar muito verde e uma praia repleta de coqueiros.

À caneta escrito bem de leve no canto superior da imagem lia-se “sul da Tailândia”.

Surpreso, o advogado abriu a gaveta do criado e encontrou um álbum repleto de fotografias. Lá estava o senhor, em diversos momentos da vida, em fotos em todo canto do mundo.

Em um tango na Argentina, na frente do Muro de Berlim, em um tuk tuk no Vietnã, sobre um camelo com as pirâmides ao fundo, tomando vinho em frente ao Coliseu, entre muitas outras.

Na última página do álbum um mapa, quase todos os países do planeta marcados com um asterisco vermelho, indicando por onde o velho tinha passado.

Escrito à mão no meio do Oceano Pacífico uma pequena poesia:

“Não construí nada que me possam roubar.
Não há nada que eu possa perder.
Nada que eu possa tocar,
Nada que se possa vender.

Eu que decidi viajar,
Eu que escolhi conhecer,
Nada tenho a deixar
Porque aprendi a viver.”

Abraço!

*Por Pedro Schmaus

 

 

 

 

……………………………………………………
*Fonte: seuamigoguru

Estudo aponta como nos tornamos sábios

A sabedoria vem da forma com a qual lidamos com situações difíceis da vida. Esta é a conclusão de estudo da Universidade do Estado de Oregon (EUA). Para muitos, a situação difícil, como morte ou divórcio, causou uma crise na noção de entendimento de mundo, levantando questionamentos sobre o mundo ao seu redor.

Essas crises levam à construção de conhecimento e sabedoria, diz Carolyn Aldwin, diretora do centro de pesquisa sobre envelhecimento saudável da universidade de Oregon. “A expressão costumava ser “com a idade vem o conhecimento”, mas isso não é bem verdade. Geralmente a pessoa que precisa trabalhar em algumas questões depois de uma situação difícil é a que consegue alcançar nova sabedoria”, diz ela.

Os resultados deste trabalho acabam de ser publicados na revista Journals of Gerontology: Series B. A autora principal do artigo é Heidi Igarashi, que trabalhou nesta pesquisa como parte de sua dissertação do doutorado.

O objetivo da pesquisa é entender melhor como a sabedoria é desenvolvida no contexto de adversidades como a morte de um ente querido, divórcio, problema grave de saúde ou perda de emprego. Entender como as pessoas lidam com essas adversidades e ficam mais sábias traz mais informações sobre o envelhecimento saudável.

“O que estamos procurando saber é ‘quando coisas ruins acontecem, o que acontece?’. A situação pode ser uma catalizadora para outras mudanças que vêm depois”, diz Aldwin.

No estudo de revisão, foram analisadas 50 entrevistas com adultos com idades entre 56 a 91 anos que passaram por pelo menos uma situação difícil na vida. Os participantes foram orientados a identificar eventos particularmente desafiadores, descrever como eles reagiram e se a experiência ajudou a mudar a visão do mundo.

“Uma coisa que logo se destacou é que quando questionados quais eram essas situações difíceis ou desafiadoras, as pessoas tinham a resposta na ponta da língua. Tempos difíceis são usados pelas pessoas para se definir.”

Os pesquisadores observaram que há três formas de reagir a estas situações: aceitar a situação como algo que não pode ser mudado sem questioner o sentido da vida; usar a inteligência, auto-controle e capacidade de planejamento para resolver problemas relacionados à situação; ou refletir sobre o sentido da vida, adquirindo novos valores ou crenças.

A maioria dos participantes (32 pessoas) indicou que a situação difícil interferiu no sentido de vida que eles tinham e fez com que a pessoa refletisse sobre si mesmo, sobre crenças fundamentais e sobre o entendimento do mundo.

Análises mais profundas mostraram que o ambiente social da pessoa também ajudou a formatar as respostas ao evento difícil. Essas interações sociais incluem conseguir ajuda de outros durante tempos difíceis; apoio não-solicitado de amigos, familiares ou desconhecidos; comparar a reação dela com a reação de outros; procurar ajuda profissional; procurar ajuda de pessoas com experiências semelhantes; formar novas conexões; e aprender mais sobre a sociedade em geral.

Aqueles que receberam ajuda não-solicitada desenvolveram conhecimento sobre compaixão e humildade. Procurar outros com experiências semelhantes expôs os participantes a novas ideias e interações.

“Fez diferença se a rede de contatos do participante esperava que ele se ajustasse ao evento rapidamente e ‘voltasse à vida normal’, ou se ele era encorajado a crescer e mudar como um resultado do evento”, diz Igarashi.

Mas como conseguir o melhor apoio das pessoas ao seu redor? “Tipicamente o tipo de apoio social que você consegue é aquele pelo qual você pede e permite. Mas estar aberto aos recursos da sua rede ou procurar grupos de apoio pode ser útil”, diz Igarashi. [Science Daily]

*Por Juliana Blume

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Robô humanoide ensina Budismo em templo no Japão

O templo de Kodaiji em Kyoto, Japão, é a nova casa do robô humanoide Mindar que realiza palestras sobre os ensinamentos de Buda aos visitantes. Desenvolvido por um time de cientistas da Universidade de Osaka, a máquina foi moldada para representar uma versão futurista de Kannon, a deidade da compaixão, e é capaz manter contato visual e até responder perguntas. Mindar estará em exposição até o dia seis de maio.

O robô possui um metro e noventa e cinco centímetros de altura, tem seu corpo revestido com aço inoxidável e custou cerca de 90 mil dólares. O líder do time de criação de Mindar foi o professor Hiroshi Ishiguro, que é famoso por construir diversas máquinas humanóides no país como apresentadores de televisão e até crianças. Os trabalhos de Hiroshi sempre tentam imitar ao máximo a aparência humana; mas, Mindar é diferente e deixa bem clara a aparência robótica — uma mistura um pouco assustadora de Ghost in the Shell com Eu, Robô.

Tensho Goto, monge e chefe da administração do templo, afirmou em uma entrevista ao South China Morning Post que acredita na capacidade de Mindar em atrair pessoas para o Budismo: “Nós já temos várias esculturas, mas todas estão paradas. Nós queríamos algo que pudesse falar para ajudar as pessoas a criarem um vínculo maior”. Se você estiver curioso para saber como a androide funciona, a agência de notícias Kyodo News produziu um vídeo mostrando o trabalho de Mindar.

*Por Tadeu Antonio Mattos

 

……………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

5 falhas psicológicas que distorcem sua visão do mundo

Essa poderosa “máquina” de raciocínio localizada entre suas orelhas infelizmente não está livre de falhas e, embora diversos desses defeitos já sejam conhecidos pela ciência (como você lerá a seguir), é difícil contorná-los. Confira:

5. Você enxerga menos do que imagina

falhas psicológicas
A visão humana é impressionante, mas, acredite se quiser, é extremamente limitada no que diz respeito a foco: seus olhos só conseguem focalizar áreas pequenas, quando a luz refletida por elas atinge uma região específica da retina (a fóvea). O resto é um monte de borrões.

Apesar disso, a maioria das pessoas consegue ter uma boa ideia do que ocorre ao seu redor, graças à sua visão periférica. O segredo está na capacidade do cérebro de focar no que você observa diretamente e “adivinhar” o resto, com base em informações prévias – você reconhece uma garrafa d’água e uma cadeira mesmo que apareçam borradas, por exemplo.

Contudo, nem sempre o cérebro acerta, e o que você achou que fosse um cachorro na verdade era um arbusto, e o que você achou que era apenas uma sombra era um assaltante.

Outro problema com a visão humana é que nossa memória seletiva pode falhar – seu cérebro descarta informações relevantes por julgar que não precisaria mais delas. Isso pode acontecer, por exemplo, quando somos apresentados a alguém e, mesmo que a pessoa tenha acabado de dizer seu nome, nós esquecemos logo em seguida, achando que nunca mais vamos vê-la.

O vídeo abaixo mostra outro caso em que nossa visão é comprometida por causa de memória seletiva: um pesquisador se aproxima e pede informações a uma pessoa na rua; em seguida, troca de lugar com outro. Em metade dos casos, o participante (que não sabia da pesquisa) sequer notou a troca, e continuou a conversa como se nada tivesse acontecido.

Os olhos viram, mas o cérebro não guardou a informação.

4. Você é mais tendencioso do que imagina

Existem fenômenos conhecidos como “viéses cognitivos”, falhas que as pessoas cometem quando pensam sobre algo – e, para nosso azar, existem centenas deles.

Um exemplo é a “falácia do apostador“, que é a tendência de acreditar que eventos passados podem influenciar eventos futuros independentes – como achar que, depois de tirar “cara” cinco vezes seguidas no cara ou coroa, com certeza vai tirar “coroa” na próxima jogada.

Existe também o “viés de retrospecto”, que faz a pessoa acreditar que um evento passado aleatório era totalmente previsível (“Ah, eu SABIA que isso ia acontecer!”).

Outro viés é o “efeito da vítima identificável”: temos uma tendência maior a nos importar com crimes em que há poucas vítimas (cujo rosto podemos ver) do que com crimes em que há muitas vítimas (“sem rosto”).

3. Você cria muitos modelos simplistas

Fenômeno agravado pela obrigação social de “ter opinião sobre tudo”, o simplismo é um recurso que usamos com frequência para lidar com assuntos com os quais estamos pouco familiarizados.

Um exemplo clássico é o de acreditar que uma empresa está em péssima situação simplesmente porque o preço de suas ações caiu muito. Quem sabe “mais do que um pouco” sobre economia reconhece que a queda de ações não significa, necessariamente, que uma empresa está faturando pouco ou está a ponto de falir.

Atividade cerebral aumenta momentos antes da morte

Não é segredo que muitas pessoas opinem sobre acontecimentos sem realmente saber o que há por trás deles.

O pior é que isso não acontece apenas em relação a eventos: também podemos ser simplistas em relação a pessoas, pressupondo que elas tomaram determinadas atitudes por causa de traços de sua personalidade (ou, melhor, por causa de traços que acreditamos que elas tenham – egoísmo, preguiça, orgulho, prepotência, generosidade, humildade), e não por conta de fatores externos.

Pensamos, por exemplo, “ah, Fulano não me telefonou porque não se importa comigo” ao invés de “talvez Fulano não tenha me telefonado porque aconteceu algo com ele ou com a família dele”. “Beltrana está atrasada porque é preguiçosa e deve ter acordado tarde” ao invés de “Beltrana provavelmente está atrasada porque ficou ‘presa’ no trânsito”.

Quantas vezes você se surpreendeu com a atitude de alguém porque achava que ela era metida, egoísta ou algo do tipo? O problema não está em enxergar os defeitos alheios, mas em achar que toda uma personalidade pode ser resumida em poucas ações ou palavras.

2. Você não (necessariamente) aprende com seus erros

Em 2009, cientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts – EUA) monitoraram o cérebro de macacos durante uma série de desafios. Resultado: o aprendizado (medido pela formação ou pelo reforço de conexões entre neurônios) era mais intenso quando os animais eram bem-sucedidos, em comparação com os momentos em que falhavam. Por conta da semelhança entre o cérebro dos macacos e o nosso, é possível que esse fenômeno também ocorra com seres humanos.

No lugar de “aprendemos com os nossos erros”, talvez seja mais seguro dizer “aprendemos com nossas tentativas” (supondo, claro, que vamos evitar cometer os mesmos erros mais de uma vez).

1. Você tem excesso de autoconfiança

Certa vez, o célebre cientista Charles Darwin disse que “a ignorância gera confiança com mais frequência do que o conhecimento”. Esse fenômeno, conhecido no meio acadêmico como “efeito Dunning-Kruger”, faz com que uma pessoa, justamente por falta de conhecimento, acredite que é melhor numa atividade do que de fato é, e não note suas próprias falhas. É como não saber as regras de um jogo, mas acreditar que é um bom jogador.

Para piorar, o excesso de confiança também pode atingir pessoas que são muito boas no que fazem: com o passar do tempo, um médico ou um piloto de avião, por exemplo, podem abandonar certas medidas de cautela que adotavam quando eram menos experientes.

O melhor remédio para esse problema é a adoção de protocolos e checklists – um dos segredos por trás do baixo número de acidentes aéreos (centenas de detalhe são verificados antes, durante e após os voos, para evitar falhas). Pode ser chato (especialmente ao longo do tempo), mas é seguro. [Cracked]

*Por Guilherme de Souza

 

 

………………………………………………………….
*Fonte:  hypescience

Pessoas que se gabam de seu intelecto sabem menos do que pensam

Ninguém gosta de um sabichão. Além de ser chato, uma nova pesquisa agora nos dá mais um motivo para fazer cara feia para essas pessoas: elas literalmente não sabem tanto quanto pensam que sabem.

Liderado pela psicóloga Elizabeth J. Krumrei-Mancuso, da Universidade Pepperdine (EUA), o estudo mostrou que pessoas que são capazes de admitir que seus próprios conhecimentos e opiniões podem não estar corretos são, na verdade, mais bem informadas.

Humildade versus arrogância intelectual

A ideia da pesquisa era examinar o conceito de “humildade intelectual”, ou seja, saber aceitar falhas intelectuais de uma forma aberta e equilibrada.

O oposto de tal humildade é o excesso de confiança intelectual: ter certeza de que você está certo sobre as coisas.

Enquanto a confiança é boa, o excesso de confiança pode realmente ser um problema para o conhecimento que você tem certeza de que possui.

“A pesquisa demonstra que aqueles que acreditam que seu conhecimento é certo são susceptíveis de tirar conclusões definitivas incorretas de evidências ambíguas”, Krumrei-Mancuso e seus coautores explicam em um artigo. “Ou seja, os indivíduos tendem a distorcer as informações para se ajustarem às suas crenças epistemológicas, o que pode afetar sua interpretação da informação e aquisição de conhecimento”.

O lado “ruim” da humildade

Quando se trata de crenças, as pessoas tendem a apreciar aqueles que possuem mente aberta. Ao mesmo tempo, também podem ver esses indivíduos que não têm certeza sobre suas crenças como fracos, ou aqueles que mudam seu ponto de vista como instáveis ​​ou manipuladores.

A nova pesquisa foi motivada por um desejo de compreender o valor potencial dessa humildade intelectual. Será que nos beneficia ou nos atrapalha?
O estudo

Krumrei-Mancuso e sua equipe realizaram cinco experimentos separados envolvendo quase 1.200 participantes, projetados para examinar os vários elos entre a humildade intelectual e o aprendizado.

Os participantes foram questionados e classificados em uma escala de humildade intelectual desenvolvida pelos pesquisadores, que avaliou, entre outras coisas, atitudes excessivas de superioridade intelectual e abertura intelectual (como estar aberto a aprender com os outros).

Em última análise, os resultados mostraram que a humildade intelectual parece ter um efeito misto na capacidade das pessoas de adquirir conhecimento.

Ser intelectualmente humilde foi associado a melhores pontuações em um teste que avaliou o conhecimento geral, mas não parecia estar relacionado à capacidade cognitiva dos participantes.

 

Conhecimentos adquiridos

O fato de que a humildade intelectual estava ligada ao conhecimento geral, mas não à capacidade cognitiva, pode sugerir que essa humildade está associada à inteligência cristalizada (habilidades e conhecimentos aprendidos), mas não à inteligência fluida (capacidade de resolver problemas).

De qualquer forma, a humildade intelectual está associada a uma avaliação mais precisa do conhecimento geral de alguém – os menos humildes pensavam que sabiam mais do que realmente sabiam.

“Isto é, saber (e estar disposto a admitir) o que você não tem certeza pode ser o primeiro passo para buscar novos conhecimentos”, explicou Krumrei-Mancuso.

Possíveis desvantagens

A humildade intelectual também pode vir com alguns problemas. Em um dos estudos, o traço foi relacionado a ter uma média de notas mais baixa. Não está totalmente claro por que isso acontece, mas os pesquisadores supõem que a escolha dos participantes, que incluiu alunos formados “com louvores”, possa ter afetado os resultados de alguma forma.

Outra descoberta foi que pessoas intelectualmente humildes subestimaram sua capacidade cognitiva. Isso pode ser ruim para elas, que poderiam se beneficiar de acreditar mais em si.

No geral, os pesquisadores reconhecem que mais estudos precisam ser feitos para entender como a humildade intelectual afeta o conhecimento, a cognição e nossa capacidade de aprender coisas novas, mas esses dados iniciais já são importantes, uma vez que a humildade pode ter um efeito mais amplo sobre a sociedade como um todo.

“A humildade intelectual pode contribuir para os bens sociais de várias maneiras. Vai além das percepções das opiniões e das pessoas, o que tem implicações para as atitudes sociais e, possivelmente, para os comportamentos sociais. Isso pode ajudar muito as pessoas a tratarem os outros com civilidade e benevolência, mesmo diante de divergências persistentes”, argumentou Krumrei-Mancuso.

As descobertas do estudo foram relatadas em um artigo publicado na revista científica The Journal of Positive Psychology. [ScienceAlert]

*Por Natasha Romanzoti

 

……………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Seja inadequado, porque não se adequar a uma sociedade doente é uma virtude

A vida contemporânea cheia de regras e adestramento fez com que houvesse uma padronização completa das pessoas, de tal maneira que todos se comportam do mesmo modo, falam das mesmas coisas, se vestem mais ou menos do mesmo jeito, possuem as mesmas ambições, compartilham dos mesmos sonhos, etc.

Ou seja, as particularidades, as idiossincrasias, aquilo que os indivíduos possuem de único, inexistem diante de um mundo tão pragmático e controlado.

Vivemos engaiolados, tendo sempre que seguir o padrão, que se encaixar em normas pré-determinadas, como se fôssemos todos iguais. Sendo assim, a vida acaba se transformando em uma grande linha de produção, em que todos têm que fazer as mesmas coisas, ao mesmo tempo e no mesmo ritmo, de modo a tornar todos iguais, sem qualquer peculiaridade que possa definir um indivíduo de outro e, por conseguinte, torná-lo especial em relação aos demais.

Somos enjaulados em vidas superficiais e nos tornamos seres superficiais, totalmente desinteressantes, inclusive, para nós mesmos. Sempre conversamos sobre as mesmas coisas com quer que seja, ouvindo respostas programadas pelo padrão, o qual nos torna seres adequados à vida em sociedade.

Entretanto, para que serve uma adequação que transforma todos em um exército de pessoas completamente iguais e chatas, que procuram sucesso econômico, enquanto suas vidas mergulham em depressões?

Qual o sentido de adequar-se a uma sociedade que mata sonhos, porque eles simplesmente não se encaixam no padrão? Uma sociedade que prefere teatralizar a felicidade a permitir que cada um encontre as suas próprias felicidades. Uma sociedade que possui a obrigação de sorrir o tempo inteiro, porque não se pode jamais demonstrar fraqueza. Uma sociedade que retira a inteligência das perguntas, para que nos contentemos com respostas rasas. Então, por que se adequar?

Os nossos cobertores já estão ensopados com os nossos choros durante a madrugada. O choro silencioso para que ninguém saiba o quanto estamos sofrendo. Para manter a farsa de que estamos felizes. Para fazer com que mentiras soem como verdade, enquanto, na verdade, não temos sequer vontade de levantar das nossas camas.

O pior de tudo isso é que preferimos vidas de silencioso desespero a romper com as amarras que nos aprisionam e nos distanciam daquilo que grita dentro de nós, esperando aflitamente que o escutemos, a fim de que sejamos nós mesmos pelo menos uma vez na vida sem a preocupação de agradar aos outros.

Somos uma geração com medo de assumir as rédeas das próprias vidas. E, assim, temos permitido que outros sejam protagonistas destas. É preciso coragem para retomá-las e viver segundo aquilo que arde dentro de nós, mesmo que sejamos vistos como loucos, pois só assim conseguiremos sair das depressões que nos encontramos.

É preciso sacudir as gaiolas, já que, como diz Alain de Botton: “As pessoas só ficam realmente interessantes quando começam a sacudir as grades de suas gaiolas”. E, sobretudo, é preciso ser inadequado, porque não se adequar a uma sociedade doente é uma virtude.

*Por Erik Morais

 

…………………………………………………………….
*Fonte: contioutra

Quanto mais “fizer amor”, mais tempo irá viver, aponta estudo

Se você acha que fazer amor não bem a saúde, está completamente enganado. Trás vários benefícios a sua saúde segundo pesquisas mostram que além de melhorar seu humor você terá mais qualidade de vida. Agora um novo estudo aponta que quanto mais você fizer amor, mais tempo de vida você terá.

Como esse estudo foi feito?

Foi separado em duas partes: Na primeira, cerca de 918 homens de 45 a 59 anos foram entrevistados sobre seus ‘hábitos sexuais’. Se passou uma década e eles responderam novamente qual a frequência que faziam amor.

Os pesquisadores concluíram que os homens que faziam amor pelo menos duas vezes na semana tinham a taxa de mortalidade pela metade.

Já a segunda fase dos estudos contou com a presença das mulheres, foram 129 com a idade entre 20 e 50 anos. Todas responderam perguntas sobre como andava sua vidas amorosas e se estavam satisfeitas.

Depois de uma análise biológica, foi descoberto pelos cientistas que das 129 mulheres as que faziam mais amor tinham e tinham também uma vida satisfatória, tinham telômeros, que é um um tipo de capa que ajuda a proteger os cromossomos, fazendo com que elas tenham aumento na suas expectativas de vida.

Vamos as conclusões:

Os cientistas também afirmam que ‘fazer amor’, produz células que combatem as doenças e potencializa o nosso sistema imunológico. Ou seja, faça amor, de forma satisfatória, faz muito bem a saúde.

…………………………………………………………………
*Fonte: vidaemequilibrio

Os cérebros estão ocos. A empatia foi pro saco. A tolerância virou algo descartável

No tutorial de hoje vamos ensinar a construir relações com baixo limiar de tolerância. Você vai precisar de cola, barbante, cartolina, caneta e tesoura sem ponta. Recorte a cartolina em formato retangular e cole o barbante formando um cordão. Escreva em letras garrafais “RESPEITO É BOM E EU GOSTO”. Coloque no pescoço e use na rua, em casa e no trabalho focando exclusivamente no que você acredita merecer e ignorando quem à sua volta anseia pelo mesmo. Simples e prático: está pronto o mecanismo que tem nos tornado cada vez mais alheios ao outro, submersos em egocentrismo mimado.

Escutamos desde cedo que o nosso direito termina quando começa o do outro. Sempre achei essa máxima um tanto furada. Criança, pensava como havia sido relapsa a pessoa que elaborou tal teoria, sem ao menos nos deixar mapeadas as delimitações dessa suposta fronteira. Eu, por exemplo, achava que ao xingar meu irmão ele tinha o direito de replicar a injúria na mesma moeda. Ele, por sua vez, sentia-se credenciado a reagir com pontapés aos meus desaforos. “É desproporcional” eu gritava, pedindo socorro à minha mãe, que punia ambos nos tirando a TV. Meu irmão acreditava ter sido injustiçado, afinal quem começou merecia o pior castigo. Eu não me conformava com a equidade de tratamento dispensada a xingamentos e chutes. Minha mãe não tinha dúvidas de que estava certa. Três cabeças, três sentenças, e eu ainda procurando a demarcação desse limite que estipula até onde cada um pode ir.

Em uma sala pequena, entre pessoas da mesma família, com criação e valores semelhantes, eu já percebia a complexidade inerente ao convívio. Acomodar de maneira minimamente respeitosa nossas crenças, comportamentos e ideologias em uma sociedade multifacetada, portanto, não é tarefa das mais fáceis. Nós caminhamos desejando ser bons, mas tropeçamos em nossos próprios preconceitos. Falhamos no propósito de ser mais complacentes com aquilo que é estranho ao nosso mundo, mergulhados em ideais rígidos do que é certo ou errado. De repente nos vemos no meio de um fogo cruzado, munidos do desejo incontrolável de provar que temos razão, feridos pela fúria dos que tentam o mesmo do lado oposto.

A falta de maleabilidade com causas que destoam das nossas tem edificado muros entre nós — simbolicamente tão perigosos quanto aquele que criticamos do alto de nossa poltrona enquanto assistimos ao jornal. Alimentamos um misto de má vontade com ego inflado, de prepotência com apreço pelo confronto, de indisposição em ouvir com necessidade de falar e chegamos ao inevitável desfecho: culturas, vontades e histórias atropeladas pelo trator da intransigência. Porque olhar os outros com olhos menos severos dá trabalho. E, tragicamente, tripudiar muitas vezes dá prazer.

Eu não sei mensurar se machuca mais não ter a quimioterapia tratada com dignidade por conta de um turbante ou ver um símbolo de luta contra a subjugação do seu povo ser banalizado. Não sei dimensionar dor, categorizar discussões como quem coloca etiqueta em potes de plástico. Não sei se grafite é arte, se comprar cachorro é monstruosidade, se fui mais lesada pela direita ou pela esquerda. Se não há consenso sequer sobre se o vestido é azul e preto ou branco e dourado, como esperar um olhar linear sobre todas as subjetividades que nos cercam? Mas é preciso um pouco de disponibilidade em compreender as pessoas e toda a carga de vida que as acompanha. Enquanto insistirmos em pisotear aqueles que fogem dos padrões que sacramentamos como corretos, perdemos humanidade. A empatia respira por aparelhos. Mas é possível que se recupere.

*Por Larissa Bittar

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: revistabula

A direção de sua vida é marcada por seus valores, não por seus objetivos

Que impressão você gostaria de deixar quando tudo acabar? Às vezes bate
aquela sensação de que não temos o controle. Parece que somos um grande
ônibus seguindo as indicações dos passageiros que nos acompanham na
viagem. Acatamos decisões que as pessoas nos recomendam e acabamos por
tomar outra direção, bem diferente da que tomaríamos se seguíssemos a
intuição dos nossos valores.

A insegurança é uma bagagem que pesa demais, pesa no corpo e aprisiona o
espírito, arranca a liberdade, o gosto por ser livre. O inseguro quase nunca está
certo de suas decisões e se torna dependente de que outros as tomem por ele.
Nisso a vida vai passando, o tempo correndo veloz sem esperar por ninguém.
Porque o tempo não espera, a vida não estaciona a esperar que façamos
nossas escolhas com calma.

E é por saber que tudo está em movimento, que a vida corre a galope, que
optamos rápido pelo caminho que nos parece mais ideal aos nossos propósitos.
E nisso, independente do resultado, de alguma forma já estaremos perdendo
alguma coisa, porque toda escolha implica numa perda, mas nos daremos por
satisfeito se os ganhos superarem a perda. E isso é bom quando a decisão
partiu da gente, quando não nos orientamos apenas pelas vozes do senso
comum, quando não apenas seguimos as placas indicadoras deixadas por
outros.

Você é quem melhor sabe o que é melhor para você, mas a pressão que vem de
fora quer te fazer acreditar que não, que o caminho padrão traçado pela
sociedade é que é por onde você deve trilhar. Sair desse caminho, tentar uma
trilha alternativa, tem um preço que a maioria não está disposta a pagar. Você
está disposto a pagar? talvez esteja, talvez não; pode ser que se atraia mesmo
pelo convencional, por seguir no estouro da boiada ainda que tenha que
sacrificar seus valores.

Valores são direções de vida

Para começar, um valor não é um resultado em si mesmo, não é um objetivo; um
valor não se esgota, está sempre ali. Os valores definem as palavras que você
vai usar para moldar o argumento de sua vida: aceitação, persistência, ordem,
conformidade, imparcialidade ou intimidade. Uma longa lista composta de
direções que permite decidir quais metas são as que realmente importam.

Portanto, uma vida valiosa é o resultado de agir a serviço do que você realmente
valoriza. O problema é que muitas vezes não sabemos identificar quais são
esses valores e como eles se relacionam com nossas áreas vitais. São nove as
principais áreas que compõem a nossa vida: relações familiares, relações
íntimas ou de casal, relações sociais, trabalho, educação, lazer, espiritualidade,
cidadania e saúde.

“A maturidade é alcançada quando uma pessoa adia prazeres imediatos por
valores de longo prazo”

– Joshua Loth Liebman

Para cada área damos um nível de importância e em cada um agimos de forma
diferente para resolver os obstáculos que surgem. No entanto, o caso é que
muitas vezes as soluções que implementamos não coincidem com nossos
princípios. É por isso que fazemos coisas que nos arrependemos ou
bloqueamos ao tomar decisões. Tudo isso nos leva a nos sentirmos
sobrecarregados, exaustos ou perdidos.

Lamentos na hora errada

Bronnie Ware, uma enfermeira canadense, coletou ao longo de vários anos os
últimos arrependimentos de seus pacientes na unidade de cuidados paliativos.
Um artigo publicado mais tarde pela Harvard Business Review corroborou isso,
há cinco lamentos comuns que se repetem em pessoas que vão morrer:

• Eu gostaria de ter vivido uma vida fiel a mim mesmo e não o que os outros
queriam.

• Eu gostaria de não ter trabalhado tanto e ter tido mais tempo com meu parceiro
e minha família.

• Eu gostaria de ter tido a coragem de expressar meus sentimentos.

• Eu deveria ter contatado mais com meus amigos.

• Eu gostaria de ter me feito mais feliz.

As pessoas se arrependem de perder as rédeas de suas vidas, de terem
perdido tempo com seus entes queridos, não tendo se expressado para evitar
conflitos com os outros ou por medo. Somos pegos em um conformismo
medíocre. Nós enjaulamos nossa rotina e deixamos de lado o tempo e o esforço
que merecem o que realmente importa para nós.

A felicidade é uma escolha, o medo da mudança nos prende a hábitos que não
produzem satisfação. Passamos mais tempo fazendo os outros acreditarem que
somos mais felizes do que realmente somos.
Você escolhe aonde ir

Pense que a chave está em antecipar essa frustração, encontrar nossos valores
e estabelecer objetivos que deem sentido às viagens que escolhermos. Os
profissionais da psicologia ajudam as pessoas a passar da fala para a ação. O
primeiro passo é identificar seus valores e sua hierarquia com base no momento
vital em que você se encontra.

A partir daí, metas de curto e longo prazo são estabelecidas. Ou seja, os valores
formarão os pilares sobre os quais estaremos estabelecendo objetivos ao longo
do tempo. Objetivos que realmente nos dão sentido e com os quais teremos a
oportunidade de nos aperfeiçoar e nos sentirmos confortáveis.

Mais tarde, concretizaremos e planejamos esses objetivos em ações. Esta é a
parte que dá mais medo por causa das dificuldades que antecipamos. Fazer
mudanças nos causa insegurança e queremos fugir para evitar enfrentá-las. Da
psicologia trabalhamos ao longo do processo para superar obstáculos e
barreiras. Pense que não há bem-estar maior do que o alcançado por meio de
escolhas próprias.

“Abra seus braços para mudar, mas não deixe seus valores”

– Dalai Lama

 

………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Mais da metade dos brasileiros não consegue ficar 1 dia sequer sem celular

Que os celulares podem ser tornar um verdadeiro vício e a conectividade móvel nos torna “escravos” das telinhas, todo mundo sabe. Agora, uma pesquisa do Ibope vem para comprovar como estamos realmente à mercê desses dispositivos. Mais de 50% dos entrevistados dizem que não conseguem ficar um dia sequer longe dos aparelhos.

O levantamento foi feito via internet pelo Ibope Conecta, setor da firma que se dedica a analisar tendências de comportamento online, entre os dias 18 e 22 de outubro do ano passado, com 2 mil pessoas das classes A, B e C em todo o país.

Elas responderam à seguinte pergunta: “Por quanto tempo você consegue ficar sem usar seu smartphone?”. “Nem um dia” obteve 52%, seguido por “Um dia” (18%) e “Mais de um dia” (30%). Quem se enquadrou no primeiro grupo também detalhou quantas horas fica sem o aparelho. “Até 1 hora” teve 8%, “2 a 3 horas” 11%, “Até 6 horas” 11%, “Até 12 horas” 7% e “Momento nenhum” 15%.

Quando questionados sobre o impacto negativo dos celulares em suas vidas, pouco mais de 31% disseram que não há; e entre as áreas mais afetadas pelo uso intenso estão “A hora de dormir” (27%), “Relacionamento com pessoas” (23%) e “Distração em atividades diárias” (23%).

Segundo o estudo, os aparelhos também atrapalham “No trabalho” (16%), “No relacionamento com a família” (16%), “Quando estão dirigindo e recebem ligações ou mensagens” (12%), “A saúde” (9%), “O rendimento escolar” (8%) e “Vida sexual” (6%).

*Por Cláudio Yuge

 

 

…………………………………………………………………
*Fonte: tecmundo

Confirmado: tomar MATE faz as pessoas felizes

A erva-mate está na lista de “alimentos da felicidade”.

Você quer descobrir as razões? Aqui nós as compartilhamos:

Quando nos perguntamos … o que comer para ser feliz? A resposta é: aqueles alimentos saudáveis que, por seus componentes químicos, proporcionam bem-estar graças ao “hormônio da felicidade”. Os alimentos saudáveis liberam a serotonina, conhecida como o hormônio da felicidade e do prazer.

Bom humor é diretamente proporcional ao que consumimos. Alimentos ricos em antioxidantes e vitaminas são os elementos ideais em uma dieta para alcançar um bom humor todos os dias, dizem especialistas em Nutrição Gabriela Fretes e Fidel Zenteno.

A serotonina – conhecida como o hormônio da felicidade – está presente no chocolate, também nos cereais e no leite. Cereais contêm vitamina B1, que permite a aceleração e produção deste hormônio no cérebro, para que eles sejam ideais para ter um bom humor.

O chocolate, com 60% a 80%, é ideal para o excelente humor, pois contém antioxidantes, atrasa os danos às células e permite uma boa saúde. Este alimento dos deuses, é seguido pela proposta de grãos integrais com leite, preferencialmente frutas cítricas, vegetais crus, peixe, erva-mate e nozes, como amendoim, que são essenciais em uma dieta diária.

“Existem certos tipos de alimentos que possuem alguns nutrientes relacionados ao bom humor, como antioxidantes e citocinas vegetais; outros que são encontrados em frutas e legumes “, explicou Gabriela Fretes, formada em Nutrição.

A erva-mate é outra opção: Um tereré refrescante, seguido pela companhia de amigos, é o complemento ideal para a felicidade.

“A erva-mate e o guaraná são estimulantes do sistema nervoso, mantêm a pessoa acordada. E são antioxidantes que ajudam a um bom estado de saúde. Antioxidantes eliminam uma substância que temos no corpo; quais são os radicais livres que envelhecem as pessoas, e eliminando o estado de desânimo “, disse Zenteno.

Aí nós somamos a isso uma roda de amigos e uma conversa cheia de cumplicidade. O que poderia ser mais perfeito?

Lembre-se, porém, que uma dieta deve sempre ser equilibrada. Tenha em mente que consumir apenas alguns grupos de alimento não é suficiente para manter o bom humor. Também é necessário ter práticas saudáveis, como fazer exercícios, descansar e consumir bastante água.

***

Nota da Página: Nunca dispense a opinião de um profissional quando quiser mudar seus hábitos alimentares.

 

………………………………………………………………
*Fonte: psicologiadobrasil

Viajar produz mais felicidade do que se casar e ter filhos, diz estudo

Uma das subentendidas regras sociais que ditam o sucesso e felicidade, diz que para ser feliz é preciso criar família e filhos. Mas um estudo feito no Portal Booking mostrou que viajar produz mais felicidade do que se casar e ter filhos
Para muitos, o sonho da vida é viajar pelo mundo; para os outros, encontrar o amor da sua vida e ter filhos. Mas temos que informá-lo que um estudo no portal Booking garante que viajar produz mais felicidade do que se casar e formar uma família.

E então você escolheria casar, ter um filho ou viajar?

Booking realizou um levantamento rápido de 18 mil habitantes de diferentes países. A maioria dos participantes concordou que as lembranças de suas aventuras e o planejamento da próxima fuga trazem mais felicidade do que qualquer outra coisa.
Uma porcentagem maior que a média prefere viajar

55% dos participantes preferem ir em uma viagem do que se casar; 27% preferem encontrar seu parceiro sentimental e ter um emprego estável; finalmente, 18% dos participantes da pesquisa preferem ter um filho.
Viajar significa viver novas experiências e belos momentos

Esta pesquisa também descobriu que as pessoas preferem investir seu dinheiro em experiências em vez de itens materiais, de joias, carros, gadgets a uma casa. Talvez a ideia de se fixar possa assustar o jovem quer viver o seu momento.
Então, para planejar o próximo destino!

A felicidade é fomentada pela sede de conhecer e explorar novos lugares; Além disso, você sempre pode fazer isso com amigos, com um parceiro e até com crianças. Você realmente não tem que escolher entre um e outro. Mas se você está procurando por alegria e emoções, escolha um destino e imagine-se aproveitando suas próximas férias.

 

…………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Todo “hater” é infeliz, pois comentários de ódio são o resultado de frustrações pessoais.

A impressão que dá é que a humanidade está doente, porque a disponibilidade para odiar parece vencer de longe a bondade e o altruísmo. As pessoas odeiam políticos, artistas ou qualquer pessoa que faça um comentário contrário às suas convicções nem sempre tão certeiras. Então, é uma chuva de julgamentos generalizados por uma foto postada, de comentários depreciativos sobre o corpo e a alma de quem as pessoas nem sequer conhecem de verdade.

Expressar opinião nas redes sociais virou um “Deus nos acuda”. Parecem as antigas cruzadas onde as pessoas se matavam aleatoriamente engalfinhadas num sem sentido de vida. Então, precisamos de armaduras para protegermo-nos dos ataques insanos de quem a gente nunca viu na vida ou até do amiguinho que resolve destilar sua amargura opinando sobre aquilo que não faz a mínima ideia.

E essa onda de haters parece que aumenta cada vez mais. Alguns se escondem atrás do computador e distribuem um ódio pela internet que jamais seriam capazes de demonstrar ao vivo. Descarregam os rancores que guardam por seus familiares ou detratores, tentam escoar os desafetos que carregam e doem no peito, ou o desvalor quem têm de si mesmos.

Um hater certamente não deve estar satisfeito com seu trabalho ou talvez sua frustração seja na cama. Quem sabe sofra pelas qualidades que lhe faltam e agredir aos outros seja a única forma de se sentir vivo. Pode ser a postura de um mal-amado, abandonado, desprotegido, rejeitado, abusado, de um frustrado e até de um adicto. Agora, com certeza não é de alguém feliz. Porque funciona assim: odeia-se alguém porque existe algo dentro de si ou na vida que não admite-se odiar mais ainda.

A pessoa pode até discordar ou achar um absurdo um post, mas o que move alguém a comentar algo ofensivo e mal educado é a infelicidade que carregam consigo todos os dias. São as frustrações de uma vida medíocre que impulsionam um ser nem tão humano a usar o espaço de comentário nas redes sociais como uma faca.

Só que o ódio é paliativo, como uma substância química que aquieta um vício por um tempo, mas logo passa o efeito o corpo pede mais. Então, nossos ódios são liberados trazendo uma falsa sensação de plenitude, a qual esvai-se em cinco minutos e, então, o teclado do celular vira uma metralhadora de insultos, ironias e agressões desnecessárias que não constroem a felicidade de ninguém.

Porque as pessoas felizes, não estão na internet odiando e provocando brigas, elas estão correndo atrás de seus objetivos ou realizando seus sonhos. Estão amando seus parceiros, amigos e sua família porque são lovers em vez de haters. Estão fazendo sucesso, em vez de torcer pelo fracasso dos outros e agregam paz e amor, em vez de desarmonia e confusão porque inspiram luz e não escuridão.

Por isso, da próxima vez que você ler um comentário cheio de maldade na internet ou alguém lhe escrever algo com essa energia, lembre-se: Todo hater é infeliz…

Então, sorria e passe para o próximo. Afinal de contas, pessoas bem resolvidas, em vez de responderem aos haters simplesmente os ignoram porque preferem usar seu precioso tempo para ser feliz ao lado de quem sabe amar.

*Por Luciano Cazz

 

…………………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Não conte às pessoas mais do que elas precisam saber

Tem muita gente que deturpa a nossa fala. Tem muita gente torcendo contra nossas conquistas. Conte às pessoas, quando muito, o estritamente necessário.

Existem pessoas que são extrovertidas e bastante transparentes, pois não conseguem esconder o que sentem, de maneira nenhuma. A gente percebe pela expressão do rosto delas quando estão bem, quando estão felizes, ou quando estão tristes e chateadas. Algumas delas, inclusive, abrem-se e contam como se sentem a quem estiver por perto, pois sentem necessidade de compartilhar o que possuem dentro de si. Isso, porém, nem sempre é bom.

Colocar para fora o que engasga pode ser muito benéfico, uma vez que, à medida que expomos o que incomoda, é como se dividíssemos o peso, que sai um pouco de nossas costas. Além disso, o ouvinte enxerga aquilo tudo de fora, sendo capaz de analisar racionalmente, acalmando-nos. Muitas vezes, ao verbalizar nossos sentimentos, eles podem se tornar menos pesados, menos densos, à medida que vão saindo um pouco de dentro de nós.

Por outro lado, pode haver quem nunca fará bom uso do que souber a respeito de alguém. Algumas pessoas são incapazes de guardar segredo e, pior ainda, deturpam o que sabem e transmitem aquilo de uma forma negativa e descontextualizada, para simplesmente sujar a imagem do outro. Jamais teremos certeza absoluta sobre todo mundo, sobre as reais intenções de quem se aproxima de nós, pois é preciso muito tempo para conhecer minimamente alguém.

Alguns indivíduos perguntam sobre nossa com o mero intuito de obter munição a ser usada de forma distorcida e cruel. Da mesma forma, há quem não queira nem pensar em ajudar, apenas tem curiosidade, apenas é enxerido e vive se metendo onde não é chamado. O mundo anda por demais superficial e materialista, portanto, nossos sentimentos devem ser preservados e não expostos a qualquer um.

Temos, pois, que tomar muito cuidado com nossos sentimentos, porque eles são preciosos, são tesouros, que não merecem ser violados pela maldade e pela falsidade de quem não sabe fazer nada mais do que destruir tudo o que toca. E tem muita gente torcendo contra nossas conquistas. Não conte às pessoas mais do que elas precisam saber. Na verdade, a maioria delas não tem que saber nada sobre nós.

*Por Marcel Camargo

……………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Metade dos seus amigos não te considera tão amigo assim

Você já parou para contar quantos amigos possui? Não, não falo de amigos das redes sociais ou seguidores no Instagram. Amigos, aqueles com quem você tem longas conversas ou sai para beber uma cerveja nos fins de semana.

Contou? Pois agora reduza essa quantidade pela metade: esse é o número mais preciso de amigos que você realmente tem. Pelo menos é isso que uma pesquisa de psicologia social publicada na revista PLoS One quer provar: metade das pessoas que consideramos amigos não pensa da mesma forma.

Quantos amigos você realmente tem?

Os autores do estudo realizaram a pesquisa com 84 estudantes de uma mesma sala e pediram para que eles avaliassem os seus colegas. A escala era simples: eles deveriam pontuar cada pessoa com uma nota de 0 a 5, sendo “0” correspondente a “eu não conheço esta pessoa” e “5” a “este é um dos meus melhores amigos” – 3 era a pontuação mínima para caracterizar uma amizade. Além disso, eles também deveriam adivinhar como os seus colegas iriam avaliá-los.

O resultado foi alarmante: apenas 53% das amizades eram recíprocas! Os pesquisadores acreditam que esse baixo número se deve à dificuldade que temos em pensar como as pessoas nos enxergam. É chato, mas você pode achar que é um dos melhores amigos de alguém enquanto ela pensa bem diferente.

Se você acha que o grupo de análise foi muito pequeno para tais conclusões, saiba que a equipe foi ainda mais longe e examinou testes anteriores envolvendo 3,1 mil pessoas – para a nossa tristeza, os resultados foram bem parecidos.

Por isso, se você gosta de alguém e anda deixando a amizade meio de lado, é melhor aproveitar esse toque para convidá-lo para sair no próximo fim de semana.

*Por Camila Galvão

…………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Quando a ignorância critica, a sabedoria observa e sorri

Orson Welles disse que “muitas pessoas são educadas demais para falar com a
boca cheia, mas não se preocupam em fazê-lo com a cabeça vazia”. O diretor
americano não foi o primeiro a se referir à ignorância e seus ataques.

O escritor espanhol Baltasar Gracián havia dito ” o primeiro passo da ignorância é
presumir saber ” e Antonio Machado afirmou que ” tudo o que é ignorado é
desprezado “. A ignorância não é uma doença, mas podemos classificá-la como tal
porque seus efeitos são tão incapacitantes que impedem a pessoa de crescer
enriquecendo-se com novas perspectivas. A armadilha da ignorância é que ela
envolve a pessoa em uma gaiola de ouro, na qual ele está tão confortável que nem
percebe que está prisioneiro da rigidez de seu pensamento.

Como são pessoas ignorantes?

Ignorância não é propriedade exclusiva de pessoas que não tiveram acesso à
educação. De fato, podemos encontrar pessoas que não têm estudos, mas são
profundamente sábias e de mente aberta, assim como podemos encontrar
professores e cientistas que são profundamente ignorantes.

O filósofo inglês Karl Popper explica o porquê: “a ignorância não é a ausência de
conhecimento, mas a recusa em adquiri-lo “. Isto é, a ignorância implica abraçar um
pensamento rígido, idéias preconcebidas e rejeitar o resto. Esse modo de entender
a ignorância é um sinal de alerta que nos diz para permanecermos vigilantes
porque todos e cada um de nós podem adotar atitudes ignorantes.

Ignorância é rejeitar argumentos ou idéias das quais não sabemos nada ou sobre
as quais não temos dados para chegar a conclusões lógicas. Nesse caso, em vez
de nos esforçarmos para captar e compreender todo o quadro, preferimos nos
apegar ao pequeno fio de “verdade” que achamos que temos. Entrincheirados
nessa posição, não apenas atacamos os outros, mas também semeamos as
sementes da intolerância, já que a ignorância sempre rejeita o que é diferente, o
que não compreende.

Ignorância emocional

Não é uma ignorância que faz ainda mais danos: a ignorância emocional das
pessoas mais próximas que julgam e criticam-nos sem ter andado em nossos
sapatos ou saber todos os detalhes da situação de uma visão parcial da realidade.

Há uma ignorância que causa ainda mais danos: a ignorância emocional das pessoas mais próximas a nós que nos julgam e criticam sem ter andado com nossos sapatos ou nem conhece todos os detalhes da situação, a partir de uma visão parcial da realidade.

Essas pessoas não são capazes de se colocar no lugar do outro e nem sequer
tentam conhecer sua história, necessidades e ilusões para entender o porquê de
seu comportamento. Essa ignorância dói muito mais e deixa feridas emocionais
profundas, já que normalmente a opinião dessas pessoas é geralmente importante.

Em face da ignorância, é melhor agir com cautela

Um estudo muito interessante de PsychTests analisou como 3.600 pessoas
responderam a críticas. Esses psicólogos descobriram que 70% admitem que se
sentem magoados quando recebem uma crítica e 20% a rejeitam com raiva.
Apenas 10% das pessoas refletem sobre críticas e deixam ir quando não
contribuem com nada.

Também foi apreciado que as mulheres são duas vezes mais propensas a aceitar
as críticas como algo pessoal e a assumi-las como uma demonstração de que elas
não são capazes de fazer algo certo. Pelo contrário, os homens tendem a pensar
que a crítica está errada e a responder agressivamente.

No entanto, o mais interessante é que as pessoas que adotam uma atitude
defensiva em relação às críticas são também aquelas que se sentem menos
felizes, têm baixa auto-estima e apresentam um desempenho pior no trabalho.

Aparentemente, quando as pessoas têm baixa auto-estima, elas bloqueiam a parte
construtiva da crítica e se concentram apenas nos aspectos negativos. Por outro
lado, aqueles que se defendem das críticas muitas vezes sentem que estão
perdendo o controle, o que afeta ainda mais sua autoconfiança.

Portanto, quando a crítica vem da ignorância, a coisa mais sábia é responder com
calma.

Para palavras tolas, ouvidos inteligentes

Como a crítica ignorante pode causar muitos danos, é essencial não cair no seu
jogo. As palavras nocivas, as críticas maliciosas e as opiniões infundadas não
devem encontrar um terreno fértil em nossa mente. Devemos lembrar que ninguém
pode nos prejudicar sem o nosso consentimento. Portanto, o melhor é não dar
crédito a eles.

O problema das pessoas ignorantes é que elas não estão abertas para ouvir outras
opiniões, portanto, qualquer tentativa de se defender ou fazê-las cair em seus
sentidos é muitas vezes deixada de lado. Isso nos fará desperdiçar energia
inutilmente e é provável que no final ficaremos com raiva. É por isso que é quase
sempre melhor aprender a ignorá-los.

O sábio sabe que batalhas valem a pena lutar, ele não desperdiça sua energia. Ele
também está ciente de que a crítica muitas vezes diz mais sobre quem critica do
que sobre quem é criticado, então ele assume uma atitude desinteressada, valoriza
a verdade que a opinião contém e, se considerar irrelevante e prejudicial, não
permite que isso o afete.

E quando é necessário responder à ignorância, as pessoas sábias fazem isso com
firmeza e respeito. A melhor maneira de superar a ignorância é provar a ele que ele
não tem poder sobre nós.

…………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

A vida não precisa ser só trabalhar, pagar contas e morrer

Somos muito cobrados o tempo todo. O TEMPO TODO.

Tem que ir bem na prova, tem que passar de ano, tem que entrar numa faculdade boa, tem que fazer um curso renomado, arranjar um bom emprego, ter um bom currículo, ganhar mais que os seus amigos.

Eu, pessoalmente, nunca entendi essa pressão toda em arranjar um bom emprego aos 20 e tantos anos de idade. É ensinado que sucesso na vida é ter um cargo alto, numa empresa reconhecida, com vários subordinados. Crescemos acreditando fielmente nisso.

E daí, se você vai se tornar uma pessoa depressiva, mega competitiva e materialista? Se você tá ganhando dinheiro é isso que importa, né?

Não!

A vida não deveria ser só estudar, trabalhar, ganhar dinheiro e morrer.

Não nascemos neste mundo maravilhoso, cheio de lugar diferente, pessoas singulares, comidas exóticas, para viver num escritório, todos os dias das 9h às 18h.

Eu, por exemplo, me considero uma pessoa muito bem sucedida. Nunca trabalhei em multinacional, pedi demissão de todas as empresas em que entrei e nunca ganhei nenhum salário de dar inveja. Mas me considero muito melhor sucedida do que todos os meus amigos de terno e gravata que recebem mais de 5 salários mínimos por mês. Já pulei de paraquedas, dei aula de inglês para monges no interior da Índia, fui para países que a maioria das pessoas nunca nem ouviu falar, faço trabalho voluntário, mochilei completamente sozinha sem direção, morei em vários países, fui roubada e fiquei sem dinheiro nenhum em outro continente sem ninguém pra me ajudar. Isso não conta como experiência? Isso não deveria ser perguntado em entrevistas de emprego?

Vocês não são os currículos de vocês. Vocês não são as empresas multinacionais que trabalham. Vocês não são o salário que ganham. Vocês são o que vivem. As pessoas que vocês conhecem. Os livros que vocês lêem. Os lugares que vocês vão. As experiências que vocês têm.

Gente, vá trabalhar como garçonete, juntar dinheiro e viajar o mundo. Vá fazer trabalho voluntário. Escrever um livro, mesmo que não seja publicado. Lute por uma causa que você acredite, mesmo com o mundo inteiro te achando louca por isso (nessa eu sou profissional). Plante uma árvore, sei lá…

Louco é quem, aos 20 e tantos anos, está preso no trânsito indo trabalhar. Vendo as mesmas pessoas. De frente para o mesmo computador.

Essa busca toda por sucesso profissional é para que? Você realmente precisa de todo esse dinheiro que você está ganhando?

O que vai te acrescentar na vida uns zeros a mais na conta do banco?

Você se acha uma pessoa superior por ter estudado na GV, ou na Insper? Por trabalhar no Itaú?

E, a não ser que vocês tenham que ajudar financeiramente em casa, não digam que o problema é dinheiro. Como eu já falei em um outro texto, passei dois meses mochilando pela Ásia com o salário que eu ganhei em um ano de estágio. E ainda sobrou. Não precisamos de todos esses excessos que “achamos” que precisamos.

Chegamos aos 60 anos. Ricos. Morando no Jardins. Com um apartamento de 300m². Com faxineira todos os dias para lavar nossa louça e estender nossas camas. Com o carro do ano. Com filhos nas aulas de inglês, alemão e espanhol. Achando que todo o nosso propósito na vida foi alcançado.

Mas chegamos infelizes. Depressivos.

Realização para mim não é dinheiro. Realização são histórias para contar. Realização é sentar num bar com amigos e beber uma breja gelada, sem me preocupar no trabalho que eu deixei de fazer hoje porque eu estava sobrecarregado e não sobrou tempo.

Corra atrás do que faz o coração vibrar. Somos muito novos para preocuparmos com aposentadoria e hipoteca. Caixão não tem gaveta, o que ganharem em vida não será levado depois que morrerem.

O que se leva dessa vida é a vida que se leva.

*Por Amanda Areias

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: pensadoranonimo

Cães veem os donos como se fossem seus pais

Que lindo. E como você é o pai seu cachorro age como se fosse uma criança.

Numa pesquisa liderada pela veterinária Lisa Horn, da Universidade de Viena, na Áustria. Ela os separou em três grupos: um terço ficaria sem o dono, enquanto os outros estariam acompanhados por eles – só que parte dos donos deveria se manter em silêncio, e outra parte deveria encorajar os cães a fazer as atividades. E tudo o que os bichinhos precisavam fazer era interagir com alguns brinquedos. Em troca, ganhariam comida.

Os cães que estavam com os donos passavam muito mais tempo brincando. Enquanto os outros nem a comida servia para motiva-los.

A pesquisadora refez o teste, mas dessa vez os donos foram substituídos por pessoas desconhecidas. Nenhum dos cães mostrou muito interesse pelos brinquedos.

De acordo com Lisa Horn, os testes são suficientes para provar a existência da “área de segurança”. Ou seja, os cães se sentem mais seguros, confiantes e confortáveis na presença dos donos. Sem eles, tudo parece mais perigoso – e sem graça.

E é exatamente o que acontece na relação entre pais e filhos pequenos. “Esta é a primeira evidência da similaridade entre o ‘efeito de base segura’ encontrado na relação dono-cachorro e na criança-pai”, diz a pesquisa.

Quem tem um bichinho é fácil perceber isso. Muitas vezes ja dissemos por ai que nosso cãozinho age sempre como se fosse uma criança.

…………………………………………………………….
*Fonte: resilienciamag

Experimento vai pagar alguém para não fazer nada pro resto da vida, na Suécia

Tudo começou quando o governo de Gotemburgo lançou uma competição internacional para atrair artistas dispostos a contribuir com ideias de design para a estação de trem Korsvagen, oferecendo um prêmio de 7 milhões de coroas suecas (quase 3 milhões de reais) ao vencedor. Porém, ao invés de apresentar ideias de design, a dupla de artistas suecos Simon Goldin e Jakob Senneby sugeriu que o dinheiro do prêmio fosse usado para pagar o salário de um trabalhador, sem que ele fizesse praticamente nada o dia todo.

Apelidado de Eternal Employement, este é um projeto de arte pra lá de conceitual, 100% financiado pelo governo sueco, que pagará um salário mensal de cerca de 8 mil reais, mais aumentos anuais, benefícios, tempo de férias e um fundo de pensão garantido. O sortudo selecionado poderá ficar neste emprego até o final de sua vida, a não ser que canse de receber bem sem fazer nada ou tenha outros projetos.

O ‘trabalho’ consistirá em ligar um conjunto de luzes fluorescentes sobre a plataforma de embarque. Depois disso, a pessoa fica livre para fazer o que quiser, ou nada, contanto que retorne à estação para desligar e desligar as luzes quando o turno acabar. O funcionário não precisará ficar na estação de trem durante o horário de trabalho e poderá sair ou ser substituído por outra pessoa sempre que quiser. A má notícia é que a vaga dos sonhos ainda não está disponível, já que a estação ainda está sendo construída. Portanto, a posição só estará disponível em 2026, após a inauguração da mesma. Até lá, muito trabalho, meus amigos!

 

 

 

 

 

………………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

A Noruega tem um esquema insanamente eficaz que recicla 97% das garrafas plásticas utilizadas no país

Quando se trata de reciclagem de resíduos plásticos, a Noruega está à frente do mundo todo: a nação escandinava criou um esquema que a permite reciclar 97% de todas as suas garrafas plásticas, com menos de 1% acabando no meio ambiente.

Além disso, 92% das garrafas recicladas produzem material de alta qualidade e podem ser utilizadas novamente como embalagens de bebidas.

Em alguns casos, o sistema já reutilizou o mesmo material mais de 50 vezes.

Infinitum

Por meio de uma organização chamada Infinitum, a Noruega criou uma das formas mais eficientes e ambientalmente corretas de reciclar garrafas plásticas.

Essa é uma conquista notável, especialmente considerando que o resto do mundo vai na contramão: em todo o globo, 91% do plástico produzido não é reciclado e 8 milhões de toneladas acabam no oceano anualmente.

A título de comparação, os EUA possuem uma taxa de reciclagem de cerca de 30%, enquanto o Reino Unido tem uma entre 20 e 45%.

Então, o que a Noruega está fazendo diferente?

 

 

 

 

 

Recicle e ganhe

Para simplificar, a nação deu à reciclagem um valor que ela não tem na maioria dos lugares.

Hoje em dia, é geralmente mais barato criar plástico novo do que reciclar plástico velho. Sem um incentivo financeiro, empresas e consumidores não costumam se preocupar em fazer a coisa certa pelo meio ambiente.

O modelo da Noruega é baseado em um esquema de empréstimos: quando um consumidor compra uma garrafa de plástico, uma pequena taxa adicional equivalente a cerca de 13 a 30 centavos de dólar é cobrada.

Esta taxa pode então ser resgatada de várias maneiras. Os consumidores podem levar sua garrafa a uma “máquina de retorno automática”, que devolve dinheiro depois de escanear o código de barras da embalagem depositada. Também podem devolvê-la a várias pequenas lojas e postos de gasolina em troca de dinheiro ou crédito.

Os donos de lojas também recebem uma pequena taxa por cada garrafa que reciclam, e alguns argumentam que isso aumentou seus negócios.

“Queremos chegar ao ponto em que as pessoas percebam que estão comprando o produto, mas apenas tomando emprestada a embalagem”, disse Kjell Olav Maldum, diretor executivo da Infinitum, ao The Guardian.

Imposto

Ao mesmo tempo, o país também impôs uma taxa ambiental aos produtores de plástico, que pode ser reduzida com melhorias na reciclagem.

Se a reciclagem estiver acima de 95% em todo o país, então todos os produtores são isentos do imposto.

França é o primeiro país a proibir copos, talheres e pratos de plástico

Embora essa possa soar como uma meta difícil de ser alcançada, já foi pelos últimos sete anos.

Mirem-se no exemplo da Noruega

Desde o advento deste esquema único, a Infinitum tem sido visitada por representantes de muitos países, incluindo a Escócia, Índia, China e Austrália, todos interessados em seguir o exemplo da nação.

A Alemanha e a Lituânia são alguns dos únicos países que podem competir com a Noruega, e ambos usam sistemas semelhantes.

No entanto, mesmo na Noruega, ainda há espaço para progresso. Este ano, a Infinitum estima que 150 mil garrafas não serão devolvidas e, se tivessem sido, teriam economizado energia suficiente para alimentar 5,6 mil residências no ano.

Quando posto nesses números, parece uma ótima razão para reciclar, não? [ScienceAlert]

*Por Natasha Romanzoti

……………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Inveja: tendência a perceber com desprazer o bem dos outros

Voltando ao tempo dos gregos antigos, inúmeros filósofos têm contemplado a natureza da inveja, ou o que Immanuel Kant descreveu como a “tendência a perceber com desprazer o bem dos outros”. (Immanuel Kant)

Aqueles que escreveram sobre a inveja, seja Aristóteles, Tomás de Aquino, Adam Smith, Schopenhauer ou Nietzsche, chegaram a uma conclusão semelhante – a inveja é um estado de espírito destrutivo e doente que prejudica não apenas o invejoso, mas aqueles a quem inveja. direcionado para a sociedade como um todo.

Mas hoje o vício pessoal da inveja foi transformado em virtude pelos políticos. Ao manipular a tendência humana à inveja, os políticos tropeçaram em um meio muito eficaz de ganhar poder e controle sobre populações desprevenidas. Neste artigo, examinaremos esse fenômeno enquanto analisamos a natureza da inveja em geral, como as tentativas de impor a uniformidade só exacerbam ironicamente a inveja e como os aflitos de inveja devem, para seu próprio bem-estar, se livrar dela .

A inveja é uma emoção dirigida, em outras palavras, pressupõe a coexistência de duas ou mais pessoas – o invejoso que experimenta a emoção e o invejado que é o alvo da emoção. Uma boa definição de inveja é encontrado no dicionário alemão do século de Grimm:

“A inveja expressa aquele estado de espírito vingativo e interiormente atormentador, o desprazer com que se percebe a prosperidade e as vantagens dos outros, inveja-os dessas coisas e, além disso, deseja que alguém seja capaz de destruir ou possuir a si mesmo.” (Grimm’s German Dictionary )

Um equívoco comum é confundir inveja com indignação. Na obra Retórica de Aristóteles, ele enfatiza a diferença entre os dois conceitos que escrevem:

“A pessoa indignada sente raiva da prosperidade daqueles que não a merecem e da inveja de todos.” (Retórica, Aristóteles)

Ou como ele coloca de maneira mais simples:

“A indignação é sentida no bem-estar das pessoas más, enquanto a inveja é da felicidade das boas.” (Retórica, Aristóteles)

Em contraste com a inveja, a indignação não é vice-versa, pois está enraizada em um desejo de justiça. A inveja, por outro lado, como observou Schopenhauer, está enraizada na

“A inevitável comparação entre a nossa própria situação e a dos outros” (Ensaios e Aforismos, Arthur Schopenhauer)

Quando comparado a outros desperta a consciência de nossas inferioridades – seja em termos de riqueza, posses, características mentais ou físicas – isso pode gerar inveja se acreditarmos que o que nos falta em comparação a outros explica nossa relativa infelicidade.

Indivíduos tomados pela inveja vêem aqueles superiores a eles como inimigos. Em vez de se concentrar em melhorar a si mesmos, os invejosos acreditam que seu caminho para a felicidade está ligado ao destino daqueles que invejam. Em outras palavras, eles acreditam que de alguma forma a felicidade deles será aumentada se eles puderem puxar os outros para baixo.

O desejo de ver outros derrubados não alimenta uma sociedade próspera, mas impede o progresso social. Aqueles que são devorados pela inveja provavelmente não se tornarão os grandes inventores, artistas, escritores, empreendedores ou cientistas que ajudam a promover uma sociedade. Pelo contrário, eles desprezam indivíduos de grande talento, pois sua existência apenas torna mais óbvias as inferioridades da inveja.

A natureza destrutiva da inveja tem feito o uso de instituições e práticas para inibir seu impacto extremamente comum ao longo da história. Como Helmut Schoeck afirma em seu livro Envy: A Theory of Social Behavior

“… nenhuma sociedade pode existir na qual a inveja é elevada ao status de uma virtude normativa … Mesmo a superstição de sociedades simples, vê a inveja como uma doença, o homem invejoso como perigosamente doente – um câncer do qual o indivíduo e o grupo deve ser protegido – mas nunca como um caso normal de comportamento e empreendimento humano. Em nenhum lugar, com pouquíssimas exceções, encontramos a crença de que a sociedade deve se adaptar ao homem invejoso, mas sempre deve procurar proteger-se contra ele. ”(Inveja: Uma Teoria do Comportamento Social, Helmut Schoeck)

Mas, desconcertantemente, uma perversão perigosa parece estar ocorrendo no mundo moderno. Em vez de confiar em práticas e instituições para inibir os efeitos da inveja, Gonzalo Fernández de la Mora, em seu livro Igualitarian Envy, adverte que as sociedades ocidentais estão sendo moldadas por políticos que estão alimentando as chamas da inveja com o propósito de ganhar poder e controle. .

Este é um fenômeno relativamente recente, que remonta ao final do século 19 e ao surgimento das tecnologias de comunicação de massa. Antes do surgimento dessas tecnologias, a inveja era direcionada, quase exclusivamente, para os membros da própria comunidade. Alguém que vive na Europa no século 17, por exemplo, dificilmente invejaria as riquezas de um imperador de uma terra distante, como condição para o surgimento da inveja a observação da felicidade de outra. No entanto, a ascensão da mídia de massa mudou essa situação. Agora podemos observar intimamente a vida de pessoas com quem não temos contato pessoal e, assim, fazer julgamentos sobre sua felicidade. de La Mora explica o significado desta situação, afirmando:

“As pessoas contemporâneas estão sujeitas a um fornecimento maciço de informações através da mídia de massa; consequentemente, as pessoas podem ter opiniões sobre a felicidade daqueles que nunca conheceram ou grupos de pessoas às quais não pertencem; e, como resultado desses sentimentos, eles podem invejar. Essa possibilidade torna-se uma probabilidade se, como é habitual nos meios de comunicação, a informação é distribuída já “focalizada” por uma seleção parcial, uma edição intencional, mistificadora ou simplesmente um preconceito que, no nosso caso, é direcionado para ressaltar as diferenças. entre os indivíduos. . . Ninguém inveja esta ou aquela pessoa, mas uma abstração, como “os ricos” ou “os elitistas”. ”(Gonzalo Fernández de la Mora, Inveja Igualitária)

Ao promover e apelar para essa inveja, os demagogos podem desencadear conflitos e tornar potenciais vítimas fora de todos nós – pois quem não se achará inferior a um grupo idealizado de pessoas. Mas aqueles que invejam dessa forma coletiva, e especialmente aqueles que a promovem, nunca admitirão seus verdadeiros motivos, ao contrário do que afirma La Mora em uma passagem extremamente relevante para os dias modernos:

“Um disfarce contemporâneo da inveja coletiva é o que é chamado de“ justiça social ”. Como essa argumentação ideológica… é executada? Estabelece-se um postulado fundamental de que, quanto mais justa a sociedade, mais iguais seus membros são em oportunidades, posição e riqueza; e imediatamente fica estabelecido que o partido lutará sem descanso para alcançar tal “justiça”. ”(Gonzalo Fernández de la Mora, Egalitarian Envy)

Mas a justiça social, ou a tentativa de nos tornar mais iguais usando a força do Estado, não trará uma sociedade menos propensa à inveja. De fato, à medida que essa uniformidade antinatural é imposta a uma sociedade, novas fontes de inveja surgirão e serão muito mais perniciosas. Por exemplo, se de alguma forma todos fossem feitos iguais em termos de riqueza material, isso não livraria o mundo da inveja. Pelo contrário, isso só significaria que aqueles propensos à inveja iriam direcionar sua atenção para outras formas de desigualdade, como as desigualdades nas características físicas e mentais. Schopenhauer alertou sobre esse tipo de inveja, escrevendo que a inveja

“Dirigido contra as qualidades pessoais é o mais insaciável e venenoso, porque o invejoso fica sem esperança; é também o tipo mais baixo de inveja, pois odeia o que deveria amar e respeitar. ”(Arthur Schopenhauer)

Além de trazer à tona formas mais perigosas de inveja, as sociedades que são vítimas do apelo demagógico por mais igualdade, ironicamente, vêem o crescimento da forma mais insidiosa de desigualdade possível – uma vasta desigualdade de poder entre a elite dominante e o resto da população. Para cumprir sua promessa de trazer cada vez mais justiça ao mundo e cada vez mais igualdade, os governos devem ter poderes imensos para refazer a sociedade.

Mas com tudo isso dito, podemos escolher não sermos vítimas desse estratagema político. Em vez de ver nossas inadequações como razões para derrubar os outros, podemos escolher reações mais construtivas, como emulação e auto-aperfeiçoamento. A emulação ocorre quando o reconhecimento de suas inferioridades os leva a ver o superior não como inimigos, mas exemplos para aprender e figuras de motivação. Em vez do desejo de nivelar tudo, a emulação leva a pessoa a elevar-se ao nível dos melhores, ou mesmo a superar aqueles que uma vez procuraram. Kierkegaard observou que “a inveja é uma admiração oculta” e, portanto, a emulação pode ser vista como a reação positiva ao que leva os indivíduos mais fracos à inveja.

Reagir às inferioridades da pessoa com o desejo de melhorar a si mesmo não é apenas bom para o indivíduo, mas para a sociedade como um todo. Isso significa que mais pessoas se concentrarão na criação do novo e do melhor, em vez de na destruição de outros. Mas, por outro lado, se a nossa sociedade continua a percorrer um caminho conduzido pela inveja que alimenta a retórica dos demagogos, chegaremos a um ponto, segundo Nietzsche, em que as pessoas ficarão tão ressentidas com outras que até mesmo o feliz entre nós começará a questionar se tem direito a sua felicidade:

Todas essas pessoas ressentidas são fisiologicamente distorcidas e alimentam o verme da inveja em seu intimo, em muitos casos não se contentando apenas em deturpar a imagem do seu invejado, mas planejando derrubá-lo e destitui-lo da posição vista e entendida como superior. Como disse Nietzsche: “É uma pena ser feliz! Há muita miséria!” (Sobre a Genealogia da Moralidade, Nietzsche)

*Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) The Psychology of Envy and Social Justice

 

………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Plástico nos oceanos pode superar os peixes até 2050

O plástico representa hoje uma grande ameaça para os oceanos. Material onipresente na vida moderna, um novo relatório afirma que, se as tendências atuais continuarem, até 2050 o lixo plástico nos oceanos vai superar em número os peixes.

O relatório foi feito pela Fundação Ellen MacArthur e divulgado no Fórum Econômico Mundial realizado em Davos, na Suíça, recentemente.

Toneladas nocivas

95% das embalagens de plástico são “perdidas” todos os anos após uso único, custando cerca de US$ 80 a 120 milhões para a economia mundial. Enquanto apenas 5% é reciclada de forma eficaz, em torno de 40% é enterrada em aterros sanitários, e um terço de todo plástico produzido a cada ano vai parar nos oceanos.

Isso é equivalente a despejar o conteúdo de um caminhão de lixo a cada minuto no ambiente marinho.

Desde 1964, a produção de plástico aumentou em um fator de 20, e atualmente está em cerca de 311 milhões de toneladas por ano. O relatório estima que este número dobre nos próximos 20 anos, e quadruplique até 2050, conforme as nações em desenvolvimento passem a consumir mais plástico.

O lixo que hoje vai parar nos mares já causa impactos nocivos na vida selvagem. Por exemplo, plásticos são frequentemente encontrados nos estômagos de aves marinhas, sacolas são comumente ingeridas por tartarugas e focas, e microplástico que não podemos sequer ver é constantemente ingerido pelos peixes que, em seguida, nós consumimos.

Revisão completa

As desvantagens do plástico não se concentram apenas na quantidade de lixo que acaba nos oceanos. Outro grande problema é o uso de combustíveis fósseis necessários para criar o material.

Atualmente, a produção de plásticos utiliza cerca de 6% do consumo mundial de petróleo – em 2050, esse número pode subir 20%.

O relatório pede uma revisão completa da forma como nós fabricamos plásticos e, em seguida, como lidamos com as montanhas de lixo que o material produz.

Esperança ambiental: fungo amazônico que come plástico pode solucionar problemas de lixo

“Este relatório demonstra a importância de desencadear uma revolução no ecossistema industrial e é um primeiro passo para mostrar como transformar a maneira que os plásticos se movem através de nossa economia”, explicou Dominic Waughray no Fórum Econômico Mundial. “Para passar de uma visão para a ação em larga escala, é claro que ninguém pode trabalhar sozinho. O público, o setor privado e a sociedade civil todos precisam se mobilizar para capturar a oportunidade de uma nova economia circular de plásticos”.

Economia circular

Esse é o conceito o qual a Fundação Ellen MacArthur defende. De acordo com seu website, o modelo econômico “extrair, transformar, descartar” da atualidade depende de grandes quantidades de materiais de baixo custo e fácil acesso, além de energia, mas está atingindo seus limites físicos.

A economia circular é uma alternativa atraente e viável que as empresas já começaram a explorar: uma economia regenerativa e restaurativa, cujo objetivo é manter produtos, componentes e materiais em seu mais alto nível de utilidade e valor o tempo todo.

Hoje, nos EUA, o preço do petróleo está tão baixo que significa que a reciclagem de plásticos sai muito mais cara do que fabricar novos produtos. A Fundação acredita que parte da solução é repensar a forma como usamos plásticos, reduzindo a sua utilização em embalagens, por exemplo. Os fabricantes poderiam ajudar através da produção de artigos de plástico que possam ser reutilizados. [IFLS, FEM]

*Por Natasha Romanzoti

 

……………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

A ignorância motivada: não nascemos ignorantes, aprendemos a ser ignorantes

Nós sempre pensamos que ignorar é um verbo passivo. Ignorância é a falta de conhecimento, um estado de desinformação ou falta de compreensão. Portanto, qualificamos uma pessoa como “ignorante” quando ela não sabe ou não entende alguma coisa.

Esse caráter passivo implica que, de certa forma, essa pessoa não é responsável por sua ignorância, ele simplesmente carrega consigo aquela “falta”. É curioso, no entanto, que não se aplique a qualificação de ignorantes às crianças, mesmo que elas geralmente não dominem o mesmo conhecimento dos adultos.

Isso significa que a ignorância começa com um pressuposto: algo que devemos saber, mas não sabemos, um caminho pelo qual deveríamos ter percorrido, mas não o fizemos. Então a ignorância abandona seu significado passivo para ter um significado ativo que implica não reconhecer algo ou agir como se não fosse conhecido. Nós caímos no que é conhecido como “ignorância motivada”.

O que é ignorância motivada?

A ignorância motivada é quando escolhemos, mais ou menos conscientemente, não saber mais, não nos aprofundar, não entender. Essa ignorância é terrivelmente perigosa porque tende a levar a posições extremas e reduz nossa capacidade de continuar crescendo e amadurecendo. Quando decidimos ser ignorantes, alguém decidirá em nosso lugar. Nós nos tornamos manipuláveis.

Goethe já havia dito: “não há nada mais terrível que a ignorância ativa”. O filósofo Karl Popper pensava o mesmo: “A verdadeira ignorância não é a ausência de conhecimento, mas a recusa em adquiri-lo”.

Essa ignorância motivada pode ocorrer em todas as áreas de nossas vidas. Algumas pessoas começam a se sentir mal, mas ao invés de ir ao médico para receber um diagnóstico, elas preferem se refugiar na ignorância assumindo que está tudo bem. Outras pessoas suspeitam que seu parceiro é infiel, mas, em vez de esclarecer suas dúvidas, escolhem permanecer ignorantes. O mesmo acontece no nível político ou social: quando já temos uma ideia formada, optamos por não escutar ou valorizar os argumentos contrários.

Por que escolhemos a ignorância motivada?

Um experimento realizado na Universidade de Winnipeg e na Universidade de Illinois mostrou quão forte e irracional nossa tendência para a ignorância motivada pode ser. Esses psicólogos recrutaram 200 pessoas e deram a elas duas opções: ler e responder perguntas sobre uma opinião (casamento gay) com as quais concordavam ou ler um ponto de vista oposto.

Aqueles que decidiram ler a opinião com a qual concordaram ganhariam $ 7; mas se eles escolhessem a opinião contrária, ganhariam 10 dólares. Surpreendentemente, 63% das pessoas preferiram ler a opinião com a qual concordaram, rejeitando a possibilidade de ganhar mais dinheiro.

Nesse caso, escolhemos ser ignorantes para evitar a dissonância cognitiva. Nós desenvolvemos uma concepção do mundo que manipula nossas idéias e crenças, e tememos que opiniões contrárias possam desestabilizar aquele castelo de cartas. É por isso que preferimos ignorar tudo o que não corresponde à nossa visão. E isso significa que, no fundo, a ignorância motivada é uma expressão de medo.
Como nós instilamos esse medo?

“O medo da nossa ignorância é uma sensação de que fomos sistematicamente inculcados durante o período escolar. É sobre a sensação de que não sabemos algo que muitos conhecem, por isso é melhor ficar quieto e se acomodar ”, disse o filólogo Igor Sibaldi.

Na escola, a ignorância é revestida com um halo negativo. Começa a apontar o dedo para o ignorante. E isso gera um paradoxo porque, para superar a ignorância, devemos primeiro reconhecê-la, mas não podemos reconhecê-la por medo de ser rotulado como ignorante. O escritor Baltasar Gracian disse que “o primeiro passo da ignorância é presumir saber”.

Livrar-se da ignorância não é realmente difícil, basta informar-se, “mas esse comportamento é impossível para a grande maioria das pessoas porque o hábito de se sentir ignorante se tornou algo mais forte do que o desejo de aprender”, segundo Sibaldi.

A ignorância se torna uma zona de conforto em que nos sentimos muito à vontade para sair. Ou talvez nem nos sintamos tão confortáveis, mas o medo do que está fora, tudo o que desafia nossas crenças, é tão forte que nos mantém paralisados naquela zona de conforto. Assim escolhemos a ignorância.

Escolha saber

O ignorante não é aquele que não conhece, mas aquele que não quer saber. Portanto, o primeiro passo para expulsar a ignorância é desenvolver uma mentalidade de crescimento, uma mente aberta que nos permita explorar o maior número de possibilidades.

Não podemos nos livrar de nossos estereótipos e crenças da noite para o dia, mas podemos questioná-los e olhar além do que sempre consideramos garantido. Deveria nos deixar mais receosos de morrer todos os dias em uma zona de conforto que se estreitará mais e mais do que sair para descobrir o mundo, por mais diferente ou incerta que seja.

 

…………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

50% das mulheres possuem um “homem reserva” como “plano B” – diz estudo estatístico

Um estudo realizado na Inglaterra pela empresa de pesquisa de mercado online, One Poll, descobriu que 50% das mulheres comprometidas mantêm um “homem de reserva”, como uma forma de “plano B”, caso a relação não dê certo. Entre os candidatos prováveis estavam velhos amigos, ex-namorados/maridos, colegas de trabalho ou parceiros de academia.

Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, a pesquisa contou com a participação de 1.000 mulheres. 50% das mulheres que participaram admitiram ter um “plano B”, cerca de 10% disseram que já juraram amor eterno aos “reservas”, enquanto 20% disseram que largariam tudo (marido, namorado) no momento que eles chamassem.

Verificou-se ainda que as mulheres casadas são mais propensas a ter um reserva do que as que estão apenas namorando. Inacreditavelmente, 12% chegaram a admitir que seus sentimentos eram mais fortes para o “Plano B” do que o atual “plano A”, e 7 entre 10 admitiram que atualmente estão em contato com o reserva – diariamente.

Mais curioso do que isso só o fato de que 1 em cada 4 mulheres admitiu que o parceiro atual conhece o reserva, enquanto 1 em cada 5 afirmou, surpreendentemente, que o reserva era amigo do companheiro.

A boa notícia para os homens, no entanto, é que 1 em cada 3 disseram “duvidar” que algo realmente sério acontecesse para ficarem com o reserva. Enquanto cerca da metade tinha uma abordagem que usava o ditado “nunca diga nunca”, mas 1 em cada 6 disseram “considerar seriamente a possibilidade de troca”.

Segundo um porta-voz da OnePoll, uma pesquisa estabelecer que 50% das mulheres nos relacionamentos têm um “Plano B” é um sinal preocupante.

“Esta notícia pode fazer com que alguns homens em relacionamentos pensem duas vezes antes de ter preguiça em levar o lixo para fora de casa ou optar por passar ficar no bar ao invés de passar uma noite agradável com sua parceira”, alertou e aconselhou Kevin Smith.

*Por Merelyn Cerqueira

 

 

……………………………………………………………………
*Fonte: jornnalciencia

A dopamina que suas músicas favoritas liberam

Sabe aquela sensação boa que você sente ao dar play nas suas músicas favoritas? Aquelas que fazem seu dia melhor e te fazem sorrir. A ciência explica que se trata de aumento dos níveis de dopamina no cérebro.

Um estudo conduzido pela Universidade de Lyon, na França, indica que ouvir as músicas que gostamos estimula a produção de dopamina.

A dopamina é um neurotransmissor que desempenha um papel importante em nossa função cognitiva, emocional e comportamental.

“Na vida cotidiana, os humanos buscam regularmente a participação em experiências altamente complexas e prazerosas, como ouvir música, cantar ou tocar, que não parecem ter nenhuma vantagem específica de sobrevivência. Compreender como o cérebro traduz uma sequência estruturada de sons, como a música, em uma experiência agradável e gratificante é, portanto, uma questão desafiadora e fascinante”, explica autora do estudo Laura Ferreri, professora de psicologia cognitiva na Universidade de Lyon.

No estudo, os pesquisadores manipularam a transmissão de dopamina através de farmacológicos em 27 voluntários enquanto ouviam música.

Os participantes foram divididos em três grupos. Com intervalo de uma semana, cada um recebeu via oral, levedopa (estimulante de dopamina), risperidona (inibidor de dopamina) e placebo (grupo de controle).

Ao avaliar os resultados, os pesquisadores registraram um aumento de produção do hormônio em voluntários que receberam o estimulante, enquanto quem recebeu o inibidor encontrou limitações em apreciar músicas.

“É importante ressaltar que não estávamos procurando por uma pílula mágica capaz de aumentar os sentimentos de prazer enquanto ouvíamos música. Estávamos interessados ​​em encontrar os mecanismos neuroquímicos que sustentam o prazer evocado pela música, e usamos uma abordagem farmacológica para tratar essa questão”, acrescentou Ferreri.

Ou seja, o estudo não indica que dopamina induzida através de farmacológicos pode aumentar seu prazer musical. Mas as músicas que você ama são capazes de produzi-la naturalmente.

Essa é também a explicação porque ouvimos repetidas vezes as músicas que gostamos, e até mesmo um dos benefícios que tocar instrumentos musicais proporcionam.

*Por Raquel Rapini

 

………………………………………………………………..
*Fonte: geekness

Transformamos pobres em consumidores e não em cidadãos – diz Mujica

Em entrevista à BBC News Brasil, o ex-presidente do Uruguai José Mujica reforça uma admissão de culpa sobre o que considera ter sido uma falha dos governos de esquerda na América Latina.

“Conseguimos, até certo ponto, ajudar essa gente (pobres) a se tornar bons consumidores. Mas não conseguimos transformá-los em cidadãos”, diz ele em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Mujica estava na cidade por causa de dois filmes que retratam momentos de sua vida: o longa de ficção A Noite de 12 Anos, do uruguaio Álvaro Brechner, e o documentário El Pepe,Una Vida Suprema, do sérvio Emir Kusturica.

O primeiro, pré-selecionado pelo Uruguai na disputa por uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro, acompanha a militância do ex-presidente e de companheiros nos anos 1970 na guerrilha urbana Tupamaros. O segundo foca em sua vida pessoal e em suas ideias. As filmagens de Emir Kusturica começaram em 2014, durante os últimos dias de sua presidência.

Questionado sobre sua opinião em relação ao novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Mujica diz acreditar que “talvez as promessas sejam piores do que a realidade” e aventa dificuldades no governo do capitão reformado.

“O ministro da economia, superfavorável a um mercado aberto, superliberal, vai ter que lidar com a burguesia de São Paulo, a mais protecionista que existe na América Latina. Como se resolve uma contradição dessas?”, pergunta.

Mujica também falou sobre crise migratória, legalização das drogas e expansão da direita na América Latina.

Confira os principais trechos.

Transporte público: Estudo de Oxford mostra que obras da Copa e Olimpíada beneficiaram mais ricos que pobres
Com teto de gastos estourado, Judiciário autoriza recriação de auxílio-moradia para juízes

BBC News Brasil – Como o Sr. avalia a expansão da direita na América Latina? A esquerda falhou? Como?

José Mujica – Temos muita gente com fome, sem abrigo ou com casas miseráveis, e conseguimos, até certo ponto, ajudar essa gente a se tornar bons consumidores. Mas não conseguimos transformá-los em cidadãos – os processos são lentos demais, é mais fácil resolver de imediato o problema da (falta de) comida, porque é algo que fala de imediato à nossa consciência. Mas não conseguimos cortar a imensa dependência que temos deste mundo atual que se expande cada vez mais. Queremos consumir como o primeiro mundo enquanto ainda não resolvemos nossos problemas mais básicos. Isso resulta na criação de condições brutais de vida.

O mundo desenvolvido começou a caminhar 200 anos antes de nós, fez muitíssimos sacrifícios, pagos pelo povo, os únicos que trabalhavam 12, 14 horas por dia, e assim se capitalizaram. E no mundo colonial… tudo isso, não é? Nós chegamos tarde, corremos atrás, mas nem tudo está perdido. Não creio que a extrema-direita possa fazer mais além de concentrar ainda mais a riqueza. E, por infelicidade, teremos que aprender a ser mais pacientes, e continuar trabalhando. Os termos “esquerda” e “direita” são muito modernos, mas as faces do conservadorismo e da solidariedade são tão antigas quando a existência dos humanos sobre a Terra. Seguiremos em frente.

BBC News Brasil – E o Brasil acaba de eleger Jair Bolsonaro, considerado como representante dessa onda de direita…

Mujica – Creio que o povo brasileiro encontrará um caminho para resistir, em parte, e preservar o que tem de melhor em si. Talvez as promessas sejam piores do que a realidade. Não sei como (o futuro governo) poderá resolver contradições como esta: colocar um ministro da economia, superfavorável a um mercado aberto, superliberal, que vai ter que lidar com a burguesia de São Paulo, a mais protecionista que existe na América Latina. Como se resolve uma contradição dessas? Não sei. Uma coisa são as palavras, outras são os fatos.

BBC News Brasil – Como o Sr. avalia a atual situação de imigração nos Estados Unidos, especialmente diante das ondas de caravanas de imigrantes da América Central?

Mujica – Quando acabou a Primeira Guerra Mundial, as condições que foram impostas aos perdedores foram tão severas que o jovem (economista britânico John Maynard) Keynes disse “isso é horrível, vai nos levar a um desastre!”. E assim se deu. Mas depois da Segunda Guerra Mundial ficou bem claro (para os Estados Unidos) que a única solução possível era o Plano Marshall – era preciso levantar a Europa. Por quê? Porque estavam com medo, assustados, porque ali ao lado morava o urso soviético.

Para resolver a questão da imigração, os Estados Unidos têm que ajudar a levantar a América Central. Essa é a grande resposta. O oposto disso é gastar uma fortuna na fronteira dizendo “não”, quando na verdade eles precisam dizer “sim”. Quem vai limpar a casa dos ricos? Quem vai trabalhar o solo? Quem vai desentupir os canos? Por favor! Por isso me parece dramaticamente ridículo o que está se passando.

BBC News Brasil – Para muitas pessoas, especialmente os jovens, o Sr. ficou conhecido como a pessoa que legalizou a maconha no Uruguai. E agora a Califórnia legalizou a maconha, e muitos outros Estados americanos fizeram o mesmo. Qual foi o resultado desse experimento em seu país?

Mujica – A realidade (das drogas) é muito mais profunda. Há 80 anos, combate-se o narcotráfico e mal conseguimos arranhar sua superfície. Reconhecemos que, para mudar esse quadro, não podemos continuar fazendo sempre o mesmo. Temos dois problemas: a praga da dependência das drogas e a praga do narcotráfico. Se começarmos a regular o uso da droga, eliminamos o narcotráfico. Mas nos resta o problema médico – mas identificando e conhecendo o consumidor, podemos atendê-lo a tempo. As pessoas às vezes se esquecem de como eram quando jovens. Quanto mais se proíbe um jovem, mais ele quer fazer as coisas. Eu creio que as drogas são uma praga, mas proibir é como dizer às pessoas “experimente!”. Não há bicho mais estúpido que o ser humano, o único capaz de fazer mal a si mesmo.

BBC News Brasil – Agora que o Sr. não é mais presidente, como vê o que está sendo feito no Uruguai?

Mujica – O atual presidente (Tabaré Vázquez) é um velho amigo meu, está fazendo o que pode. Nós não temos uma varinha mágica ou um antídoto universal, somos parte deste mundo. O que as repúblicas modernas devem estar fazendo é gritar contra os remanescentes do feudalismo e das monarquias divinas, dizendo que somos todos iguais. Não se deve lutar pela maioria do voto se você não partilha das aspirações e frustrações da maioria. Em outras palavras, para ser bem claro – eu acredito que governantes devem viver como pessoas comuns. Eles deveriam abandonar os resquícios do feudalismo, os tapetes vermelhos, as fanfarras, a corte de bajuladores. Temos que voltar às fontes do republicanismo. Mas é muito difícil.

BBC News Brasil – O Sr. se tornou uma figura quase mítica tanto na América Latina quanto na Europa. Tem algum receio de que, com o tempo, suas palavras sejam distorcidas ou mal compreendidas?

Mujica – Isso certamente vai acontecer. Certamente. Como dizia o poeta Luis de Góngora, “fazer poesia é dizer uma coisa por outra”. Para satisfazer as necessidades jornalísticas, para ter uma boa manchete, as pessoas tiram palavras de seu contexto. Isso é inevitável. Mas eu durmo bem à noite. Vivo na mesma casa há 34 anos, mais ou menos. Fui ministro, senador, presidente, e nada disso me subiu à cabeça. Sou um homem humilde, como a maioria das pessoas do meu país, e é assim que quero morrer. O resto eu acho divertido. Deixe que eles se divirtam. No fim das contas, comparados com o universo, somos todos menores do que as formigas.

*Por Ana Maria Bahiana

 

……………………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

Você sabia? Essa é a razão pela qual temos medo do escuro

Crianças em geral têm muitos medos estranhos e específicos. As razões pelas quais alguém acabará desenvolvendo um medo durante a infância são diversas e complicadas – muitas coisas podem influenciar se uma criança se assusta com cães ou chora com o som do trovão, etc.

Todavia, há um medo que a maioria das pessoas experimenta em certo ponto da vida: o medo do escuro. E, ao contrário da maioria dos medos de infância, é algo de que muitas pessoas nunca deixam de ter.

Crianças são praticamente “programadas” para terem medo do escuro

Alguns medos são adquiridos com base em experiências de vida específicas; outros são mais universais e inatos. O medo da escuridão, que em formas extremas é conhecido como nictofobia ou aclaofobia, cai nessa última categoria. A razão: não é a escuridão em si que é assustadora. É o medo do que a escuridão mascara. O escuro nos deixa vulneráveis ​​e expostos, incapazes de detectar quaisquer ameaças que possam estar à espreita nas proximidades. Durante grande parte da história humana, a escuridão significava perigo e temê-la significava tomar precauções para permanecer seguro. Evolutivamente, isso foi uma grande vantagem.

Mas esse não é mais o caso – não há muito a temer quando passamos a noite em segurança em nossas camas – mas a escuridão, no entanto, manteve seu lugar em nossa psique como uma manifestação do aterrorizante desconhecido. O psicólogo Thomas Ollendick, diretor do Centro de Estudos Infantis da Virginia Tech University, disse à Live Science que esse medo na infância vem do medo do “inesperado”: ​​“Crianças acreditam em tudo que é possível imaginar”, disse ele. “Que no escuro, ladrões podem aparecer ou que elas podem ser sequestradas, ou alguém pode vir e levar seus brinquedos embora”. Nossos cérebros, em outras palavras, associaram a escuridão com o lado assustador das ilimitadas possibilidades.

É um medo preocupantemente comum entre os adultos também

À medida que envelhecem, as pessoas geralmente aprendem a desconsiderar esse vínculo na vida cotidiana. A escuridão pode elevar o fator assustador de uma nova situação, mas a maioria de nós acaba se tornando confortável o suficiente para apagar as luzes em suas próprias casas durante a noite. Mas nem todos: em uma pesquisa do Reino Unido em 2012, quase 40% dos entrevistados disseram que tinham medo de andar pela casa com as luzes apagadas. De fato, 10% disseram que nem sairiam da cama para usar o banheiro no meio da noite. E em um pequeno estudo, cerca de metade dos participantes que possuem problemas para dormir também admitiram ter medo do escuro, em comparação com apenas um quarto que consegue dormir bem, sugerindo que, em alguns casos, o medo pode ser potente o suficiente para causar insônia crônica.

Muito mais comum do que pensávamos ser

Mas a conexão com maus hábitos de sono também torna fácil confundir medo do escuro com outros medos ou uma forma de ansiedade mais geral. “Um indivíduo pode não conseguir adormecer quando está escuro e sua mente começa a vagar”, disse a autora do estudo, Colleen Carney, professora de psicologia da Ryerson University. “Eles pensam: ‘E se alguém invadisse minha casa?’ Ao invés de perceber que essas associações podem indicar um medo do escuro, eles pulam um passo e presumem que têm medo de ladrões”; Como outras fobias, Carney acrescentou, um intenso medo do escuro pode ser tratado através de terapia de exposição; a chave em primeiro lugar é reconhecê-lo.

O problema é que o gatilho é tão incrivelmente comum – e ao contrário do medo de cães, aranhas ou de pessoas se aproximando, é um medo quase impossível de conter: uma vez que as luzes se apagam, o medo se constrói e se espalha, se manifestando como um pavor ou fobia do que pode estar no quarto ou qualquer outra coisa que sua imaginação possa inventar.

*Por Luciana Calogeras

 

 

………………………………………………………………..
*Fonte: misteriosdomundo

Elimine de sua vida o hábito de reclamar. É a gratidão que vai transformar a sua vida!

A gratidão é uma das mais poderosas ferramentas para elevar a vibração que você pode praticar.
Viver lamentando da vida e reclamando das pessoas e situações a sua volta não vai ajudar em nada.

 

Quem vive lamentando está gerando uma energia contrária ao sucesso e à felicidade.

Ser grato pode ser uma ferramenta poderosa para transformar a sua vida.
Somos um corpo energético, cada molécula do corpo humano na verdade é uma vibração de energia. O átomo quando muda o seu estado, está absorvendo e emitindo frequências eletromagnéticas. Hoje já se sabe que diferentes estados de emoção, percepção e sentimentos resultam em diferentes frequências eletromagnéticas.

Reclamar da vida e dos outros, causa insatisfação geral e cria um campo magnético na mesma frequência, atraindo pessoas e situações que trazem mais insatisfação e desconforto. Assim trabalha o universo, pois traz em retorno aquilo que emitimos.

Elimine de sua vida o hábito de olhar o lado ruim das pessoas e das situações. É possível que, hoje, você veja seus obstáculos e tenha se tornado um especialista em reclamar e não em agradecer. Por isso, não consegue deixar de falar da crise financeira, das pessoas que o machucam e das frustrações da vida.

Ser grato auxilia a reduzir o estresse, a ansiedade e a depressão. Ameniza as situações adversas, deixando-as mais leves, além de provocar o sentimento de valor ao que se tem, e menos frustração pelo que não tem.

Quando nos concentramos no que nos falta, nós criamos bloqueios e limitações. Ficamos aprisionados pela vibração da nossa energia negativa. Como resultado, nós atraímos o que pensamos, o que neste caso é a negatividade.

Comece a observar as pequenas coisas a sua volta, muitas delas são fundamentais para sua sobrevivência. O ar que você respira, a água, o sol, a chuva, o dia, a noite, etc. Você já agradeceu por isso hoje? Não fique esperando acontecimentos espetaculares para sentir gratidão, seja grato pelas pequenas coisas do seu dia a dia.

A gratidão torna a vida mais alegre, agradável e gloriosa. E ela precisa ser cultivada e expressa, mesmo em situações aparentemente desfavoráveis.
Mesmo que a nossa volta pareçam existir milhares de motivos para reclamações, devemos olhar por outro foco e assim encontrar motivos para ser gratos.

A gratidão é uma das mais poderosas ferramentas para elevar a vibração que você pode praticar. Um exercício fundamental para o seu crescimento é ser grato por pessoas e situações em sua vida que o tiram do sério e o irritam. Descubra por que irritam tanto. Considere a possibilidade de que eles podem estar agindo como um espelho para mostrar aspectos de si mesmo que precisa mudar.

O que nós precisamos saber é que todos temos potencial, inteligência, energia e capacidade para sermos felizes. Mas precisamos dar os comandos corretos para nossa mente, para que ela possa acionar nossos talentos mais apropriados em cada situação, tornando-nos o mais eficientes, mais plenos, mais inteiros em cada um dos projetos a que nos propusermos realizar.

Um dos principais ingredientes da felicidade é sermos grato por tudo aquilo que temos e pelas pessoas que enriquecem as nossas vidas.
SOU GRATO!

 

……………………………………………………………………
*Fonte: osegredo

Saiba como fazer um detox diário da tecnologia

A Apple lançou um recurso permitindo que usuários saibam quantos minutos gastam em seus dispositivos.

Para quem já testou o serviço, a reação não costuma ser das melhores, pois em geral passamos, sem perceber, muito tempo em computadores, tablets e smartphones.

E não é novidade que a tecnologia pode nos tornar menos produtivos. É aí que o detox dela no próprio trabalho pode ajudar – mesmo que por apenas uma hora diária.

Detox

Estudos mostram os efeitos negativos que as obsessões tecnológicas podem ter sobre a saúde, felicidade e produtividade: as telas tensionam nossos olhos; a cultura de mensagens de trabalho 24/7 nos deixa deprimidos e estressados; a internet ataca nossas tendências mais obsessivas e viciantes.

Em 2012, pesquisadores americanos analisaram o impacto do email, talvez a distração tecnológica mais perniciosa e odiada do ambiente de trabalho do século 21. Eles colocaram monitores cardíacos em funcionários de escritório e descobriram que aqueles que acessavam o email constantemente, alternando entre várias janelas e aplicativos do navegador, tiveram níveis cardíacos mais altos e mais estresse.

É claro que não há como sair completamente da rede. Deixar de checar o email no trabalho, desaparecer da mídia social ou jogar seu telefone em um banheiro metafórico é “abdicar da responsabilidade de navegar pelo mundo em que vivemos”, diz Pamela Rutledge, psicóloga especializada em mídia.
Direito de imagem Farknot Architect / Alamy Stock Photo
Image caption A troca constante entre dispositivos, atividades e janelas do navegador gera ansiedade e cria distrações

Em vez disso, trata-se de aprender a pegar atalhos ao longo do dia; ser mais consciente e liberar tempo para que a tecnologia seja tratada apenas como mais uma tarefa.

Multitarefa é uma ilusão

Encontrar uma hora livre da tecnologia no trabalho não é se esconder no armário de vassouras, meditar em uma sala silenciosa ou trancar seu iPhone em uma gaveta. O truque é parar de tentar executar várias tarefas ao mesmo tempo – principalmente entre dispositivos e aplicativos.

“Neurocientistas mostraram claramente que o cérebro humano não é projetado para multitarefas, mas sim uma tarefa em série”, diz Sandra Sgoutas-Emch, professora de psicologia da Universidade de San Diego.

Seu cérebro precisa de tempo para recuperar o atraso e refocar cada nova tarefa. E estudos mostram que o foco em uma tarefa de cada vez permite que sua atenção seja mantida e que a tarefa seja feita com mais eficiência e rapidez. Fazer um curto detox da tecnologia diariamente ajuda seu cérebro a fazer isso, afirma Sgoutas-Emch.

O tempo é engolido pelas pequenas interações tecnológicas que se infiltram em todas as horas de trabalho. E a constante troca entre dispositivos, atividades e janelas do navegador cria ansiedade e distrações.

“O aumento do volume de interações nos leva a alternar as tarefas com mais frequência”, diz Matthias Holweg, professor de gerenciamento de operações da Saïd Business School, da Universidade de Oxford. “Toda vez que trocamos de uma tarefa para outra, perdemos o tempo de configuração, portanto, ficamos menos produtivos no geral”.

Sem um pequeno hiato tecnológico, é difícil quebrar esse ciclo. “Nossos cérebros anseiam por recompensas instantâneas: verificar WhatsApp, Facebook ou email a cada 10 minutos. Mas isso é contrário ao trabalho produtivo, infelizmente”, afirma.

Como fazer isso

Especialistas sugerem uma série de estratégias. Separar uma hora por dia no trabalho que o afaste da rede digital é simplesmente uma questão de planejamento inteligente.

Quase todos os especialistas entrevistados para esta reportagem recomendam verificar seu email apenas em determinados períodos do dia. Isso significa desativar as notificações que aparecem no canto na tela. O ideal é escolher duas ou três vezes por dia em que você abre sua caixa de entrada.

Você pode aplicar a mesma estratégia a outras distrações digitais, como mídias sociais ou o uso de smartphones. E você também pode planejar intervalos curtos onde você não está interagindo com nenhuma tecnologia.

“Agende horários durante o dia para dar um passeio lá fora e deixe seu telefone na mesa”, diz Sgoutas-Emch. “Se o tempo estiver ruim, ande pelo prédio e fale com os colegas. Faça um almoço de verdade”.

A tecnologia não é o problema – per se

Nem todo trabalho envolve sentar-se na frente de um computador ou estar amarrado a um smartphone, e nem todo mundo tem um tipo de personalidade que o grude na rede. Além disso, passar uma hora desconectado não resolve problemas mais graves que causam o mau hábito.

Mas tentar cortar tudo de uma vez – como fazem alguns executivos do Vale do Silício ou gurus da tecnologia – pode trazer mais prejuízos do que benefícios.

“Se uma pessoa tem o hábito de fumar e fica longe do cigarro por um tempo, isso cria tensão”, diz Gloria Mark, professora de informática na Universidade da Califórnia, que liderou o estudo sobre email em 2012.

Dependendo do seu trabalho, eliminar (ou mesmo reduzir significativamente) a tecnologia também pode ser irreal. Mas Mark acha que as organizações têm a responsabilidade de garantir que os funcionários não se tornem escravos tecnológicos.

“Por exemplo, liberando emails em determinados momentos durante o dia”, afirma. “O envio de emails em lote pode ajudar, porque muda as expectativas”.

Em vez de os funcionários serem bombardeados com mensagens distrativas que os tornam mais estressados e menos eficientes, o email se tornaria apenas mais uma tarefa. E os trabalhadores chegariam lá quando fizesse mais sentido, em vez de se sentirem pressionados a responder imediatamente.

Esse é um tópico que já foi explorado: em 2017, a França tornou lei que os funcionários pudessem ignorar o email comercial fora do horário de trabalho, e a cidade de Nova York discutiu um projeto similar no ano passado. A Volkswagen parou de enviar os emails fora do horário comercial para os funcionários em 2012.

Embora não haja escape total da tecnologia para muitos de nós, o poder de uma hora distante da tecnologia não é subestimado. Podemos encontrar esse tempo extra através de um cronograma mais inteligente e usando ferramentas digitais de maneira diferente. Caso contrário, diz Rutledge, essa tecnologia acaba sendo mais problemática do que valendo a pena.

“Ter que redirecionar sua atenção continuamente é mais cognitivamente cansativo do que a coisa que você precisa fazer”, resume.

*Por Bryan Lufkin

 

………………………………………………………..
*Fonte: bbc brasil

Não há nada mais perigoso do que uma pessoa cruel, convencida de que é uma boa pessoa

O autoconhecimento é uma das coisas mais importantes a que devemos aspirar como seres em desenvolvimento, é o que nos permite saber quais são os nossos pontos fortes e quais são as nossas oportunidades de melhoria, permite-nos adquirir as ferramentas necessárias para interagir adequado ao nosso ambiente e nos dá a oportunidade de trabalhar por uma melhor versão de nós mesmos no curso de nossas vidas.

Muitas vezes acontece que as virtudes ou defeitos são evidentes para o mundo inteiro, menos para aqueles que os carregam. Quando falamos das virtudes, a ignorância não gera nenhum tipo de dano colateral, você só sentirá o benefício da boa ação e, ao longo de sua vida, coletará o fruto daquilo que é semeado através dessas virtudes.

No entanto, quando uma pessoa é especificamente cruel, mas ignora que seja, não se assume como tal ou simplesmente se sente uma boa pessoa em equilíbrio, pode gerar muitos problemas para os que a rodeiam, pois agirá com o seu lado ruim, sem medir as conseqüências e justificando ações, sob o pretexto de benefício e bondade para com os outros.

Pessoas cruéis geralmente manifestam esse modo de ser em relação a pessoas que percebem mais fracas ou desamparadas, geralmente a crueldade é acompanhada por um sentimento de superioridade, mais ou melhor do que as pessoas à sua volta, uma necessidade imperiosa de impor sua vontade.

Aqueles que possuem estas características podem achar que estão fazendo um favor àqueles que cruzam seu caminho, mas podem desmoralizar a vida de muitos, são especialistas em desmotivar, extinguir sonhos, ferir e encher corações de desespero
Crueldade, como qualquer outro vício, não requer nenhum motivo para ser praticado.

As vítimas que são mais afetadas por esse tipo de pessoa, paradoxalmente, são aquelas com quem têm um vínculo emocional mais forte, seja de pais para filhos, como um casal ou de qualquer tipo que exija um relacionamento próximo, embora suas doses de crueldade possam ser deixadas a seu critério e com a plena convicção de que estão fazendo o bem em todos os lugares.

Esses tipos de pessoas podem até ver e, pior ainda, sentir suas vítimas como vitimizadoras, tendo uma capacidade extrema de se livrar da responsabilidade e culpar os outros. É importante, como em qualquer tipo de maus-tratos, preservar a integridade da vítima, tentando marcar a distância e colocando em evidência aqueles que maltratam seu comportamento dessa maneira, a fim de colaborar com o que é para ela em seu campo cego.

 

……………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

Preguiça de levantar da cama é sinal de inteligência, diz estudo

Quando o celular desperta você levanta da cama no mesmo momento ou você é do time de adia a hora de levantar por mais cinco, dez, ou até quinze minutos?

Se a segunda opção representa você, fique sabendo que, ao invés de se sentir preguiçoso, você pode se considerar uma pessoa mais inteligente que os demais. Dá para acreditar nisso?

De acordo com um estudo inglês, desenvolvido pelos psicólogos Satoshi Kanazawa e Kaja Perina, quem tem preguiça de levantar da cama pode ser considerada uma pessoa mais inteligente, criativa e feliz.

Isso porque reconhecer a necessidade de dormir mais e, assim apertar o botão de soneca, demonstra sua capacidade de resolução de problemas e sua independência.

Preguiça de levantar da cama x prosperidade

Conforme os estudiosos, aqueles que sentem preguiça de levantar da cama também costumam ser mais bem sucedidos. Durante o estudo, eles analisaram a situação econômica e o padrão de sono de 1.229 pessoas e registraram que aqueles que dormiam depois das 23h e acordavam após as 8h ganhavam mais dinheiro e tinham um estilo de vida mais feliz.

Pode confessar, nesse momento você está lembrando de tudo o que sua mãe já disse a você sobre “Deus ajuda a quem cedo madruga” e coisas do tipo. É ou não é?

Durma com moderação

Mas, como alertam os cientistas, existe um limite para essa indisposição. Enquanto ter preguiça de levantar da cama é sinal de evolução, dormir demais não é nada bom. O estudo revelou ainda que pessoas que dormem mais de 12 horas por noite tendem a morrer mais cedo.

 

 

……………………………………………………………..
*Fonte: fasdapsicanalise

Este exercício pode acabar com a sua insônia em 1 minuto

Para a maioria das pessoas, dormir é uma dádiva, uma alegria, um alívio. Para outras, no entanto, deitar a cabeça no travesseiro é o começo de uma longa luta para pegar no sono. Quem não tem problemas de insônia geralmente acredita que quem não consegue dormir não se cansa ou não sente sono, mas não é bem assim. A verdade é que dormir, ao contrário do que se possa imaginar, não é uma tarefa tão fácil.

O Mother Nature Network abordou essa questão e nos deixou com uma pergunta interessante: será que existe uma cura para a insônia? Até existem alguns truques para quando o sono resolve ir embora, assim como há uma série de alimentos que devemos evitar consumir antes de ir para cama e dicas sobre o que vestir para dormir bem – spoiler: nada!

O fato é que dormir pouco é um péssimo negócio para a nossa saúde, e isso é visível no dia seguinte a uma noite mal dormida: cansaço, irritação, falta de energia, dificuldades de concentração e por aí vai. Já é comprovado, inclusive, que genes importantes são “desligados” em pessoas que dormem pouco – bizarro, né? E há quem diga que a culpa da insônia é da Lua. E aí você se pergunta: tá, mas tem como resolver o problema? Talvez sim.

A “cura”

Como insônia é um problema extremamente comum, muitos são os esforços dos pesquisadores para um dia, quem sabe, chegarmos a alguma espécie de cura. O Dr. Andrew Weil, que estuda insônia há muito tempo em Harvard, acredita que o que pode fazer a diferença nesse sentido são alguns exercícios de respiração.

Ele sabe que a respiração é ingrediente fundamental em atividades de meditação e yoga, que são duas conhecidas por seu poder de relaxamento corporal e mental. A verdade é que respirar profundamente melhora a oxigenação do nosso corpo, o que é ótimo para diminuir os níveis de estresse e, assim, cair no sono.

O Dr. Jose Colon, que também é expert em insônia, explica que quando enchemos os pulmões de ar, nosso coração bate mais rápido; e quando esvaziamos os pulmões, o ritmo cardíaco desacelera. Ao que tudo indica, explorar esses fatores pode garantir uma noite de algumas horas bem dormidas.

A receita

O exercício de respiração que você vai conhecer agora é chamado também de 4-7-8 ou, ainda, Respiração Relaxante. A promessa é ambiciosa: depois de realizar a série a seguir, é possível que você pegue no sono em mais ou menos um minuto. Preste atenção e boa sorte:

. Deixe a ponta da língua encostada à parte da gengiva que fica logo acima dos seus dentes da frente (no caso, do lado de trás dos dentes, em direção ao céu da boca) e a mantenha lá enquanto realiza o exercício;
. Esvazie seus pulmões completamente, exalando o ar pela boca até sentir que não há mais nada;
. Feche a boca e respire pelo nariz enquanto conta até quatro;
. Segure a respiração e conte até sete;
. Exale o ar completamente pela boca enquanto conta até oito;
. Repita esse ciclo mais três vezes e bons sonhos.

A etapa mais importante do processo é a de segurar a respiração por sete segundos – é esse o tempo necessário para que seu corpo receba mais oxigênio e comece a ficar relaxado o suficiente para deixar você prestes a cair no sono.

De acordo com Dr. Murray Grossman, quando o tempo de expiração é mais longo do que o de inspiração, que é o que acontece no exercício, nosso cérebro recebe a mensagem de que não há ameaças ou fatores estressantes por perto e, adivinha: isso faz nosso corpo querer dormir.

O exercício é bom também por outros motivos além da oxigenação – quando nos mantemos focados e começamos a contar, nossa mente também fica relaxada: nesse momento, só pensamos nos números, e não no aluguel que vai vencer ou na bronca que levamos do chefe.

Grossman recomenda que pessoas hipertensas também realizem esse exercício de respiração, já que o relaxamento corporal também diminui a pressão arterial. Para pessoas muito estressadas, o médico recomenda que o exercício seja feito até 10 vezes por dia – segundo ele, isso vai reduzir a quantidade de hormônios do estresse.

Os médicos que estudam essa técnica de respiração preferem não dizer que ela é uma cura para a insônia, justamente porque talvez ela não funcione para todas as pessoas. Ainda assim, os resultados são bastante positivos, e você pode testar em casa sem grandes dificuldades.

Alguns casos de insônia merecem tratamentos mais rigorosos, pois podem ser apenas um sintoma de algum tipo de distúrbio do sono – por isso, quando nada parece fazer efeito, o ideal é procurar ajuda médica. Se por acaso você resolver testar a regra do 4-7-8-, depois nos conte se deu certo.

*Por Daiana Geremias

 

…………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Você é um acumulador digital?

Eu tenho uma confissão a fazer: há 20.577 e-mails não lidos na minha caixa de entrada, 31.803 fotos no meu telefone e 18 abas de navegador abertas atualmente no meu laptop. Minha vida está repleta de “tralha digital” – e não tenho ideia do que fazer com tudo isso.

Com a capacidade de memória dos dispositivos aumentando a cada atualização e planos de armazenamento em nuvem que custam uma ninharia, pode não parecer um problema guardar milhares de e-mails, fotos, documentos e vários outros arquivos.

Mas pesquisas recentes sobre acumulação digital – relutância em desapegar da tralha que acumulamos digitalmente na vida pessoal e profissional – sugerem que esse hábito pode nos fazer sentir tão estressados e sobrecarregados quanto o acúmulo de objetos materiais.

Isso sem mencionar os problemas de segurança cibernética que pode causar a indivíduos e empresas, além da dificuldade de encontrar aquele e-mail que você tanto precisa em meio ao caos.

O termo acumulação digital foi usado pela primeira vez em 2015 em um artigo sobre um holandês que tirou milhares de fotos digitais por dia e passou horas processando as imagens.

“Ele nunca usou ou olhou as fotos que salvou, mas estava convencido de que elas seriam úteis no futuro”, escreveram os autores.

Ao definir a acumulação digital como o “acúmulo de arquivos digitais a ponto de perder a perspectiva, o que acaba resultando em estresse e desorganização”, os autores sugerem que ela pode ser um subtipo do distúrbio da acumulação compulsiva – algo que até 2013 era considerado um sintoma do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

Nick Neave, diretor de um grupo de pesquisa na Universidade de Northumbria, no Reino Unido, identificou questões que ele observava na acumulação de objetos físicos sendo reproduzidas no ambiente digital.

“Quando você pergunta a acumuladores: ‘Por que você acha difícil se livrar das coisas?’, uma das primeiras justificativas é: ‘Pode ser útil no futuro’. E é exatamente o mesmo tipo de argumento que as pessoas usam para falar sobre seus e-mails no trabalho”, explica.

Em estudo publicado no ano passado, Neave e seus colegas perguntaram a 45 pessoas como elas gerenciavam e-mails, fotos e outros arquivos. Entre as razões mencionadas para não desapegar dos itens digitais, estavam: pura preguiça, acreditar que algo poderia ser útil mais adiante, ansiedade em relação à ideia de deletar qualquer coisa e até mesmo querer estocar “munição” contra alguém.

A equipe usou essas respostas para desenvolver um questionário capaz de avaliar o comportamento de acumuladores digitais no ambiente corporativo – a enquete foi respondida por 203 pessoas que usam computador no trabalho. O resultado sugere que o e-mail é uma questão: a caixa de entrada dos participantes tinha em média 102 e-mails não lidos e 331 lidos.

As justificativas mais comuns que as pessoas deram para não excluir as mensagens foram: poderiam ser úteis, continham informações necessárias para o trabalho ou eram evidência de que algo havia sido feito – todas razões perfeitamente válidas, mas que contribuem para armazenar centenas de e-mails que você provavelmente nunca vai ler novamente.

“As pessoas estão muito cientes de que isso é um problema, mas são prejudicadas pela forma como as organizações normalmente fazem as coisas”, diz Neave. “Elas recebem essa enxurrada de e-mails, não ousam se livrar deles e as coisas se acumulam.”

Ele adverte que a pesquisa é incipiente e ainda não se sabe o suficiente para dizer o que é “normal” e o que não é.

Como identificar então se você tem um problema de acumulação digital?

Pense na última semana e tente se lembrar de uma ocasião em que você teve dificuldade de encontrar um arquivo digital no telefone ou no computador – talvez o endereço de alguém em uma troca de e-mail ou a foto de um prato de comida que você postou no Instagram.

Quando começou a explorar o conceito da acumulação digital, Darshana Sedera, professor associado da Monash University, na Austrália, fez essa pergunta a várias pessoas. Ele descobriu que quase todo mundo conseguia se lembrar de um episódio em que precisou se esforçar para encontrar algo.

Em artigo apresentado em dezembro de 2018, Sedera e Sachithra Lokuge perguntaram a 846 pessoas sobre seus hábitos de acumulação digital, assim como o nível de estresse que sentiam. Os pesquisadores observaram uma ligação entre o hábito de acumulação digital e o nível de estresse dos participantes.

Segundo Sedera, o distúrbio da acumulação tradicional pode dificultar a tomada de decisão por parte das pessoas e revelar problemas emocionais como tristeza e ansiedade.

“Na verdade, descobrimos que no ambiente digital, inadvertidamente ou conscientemente, todos nós estamos entrando nesse estado estressante.”

Jo Ann Oravec, professora de tecnologia da informação e educação empresarial na Universidade de Wisconsin-Whitewater, nos EUA, diz que o acúmulo não se refere necessariamente à quantidade de informação que cada um armazena. Mas, sim, se temos um “senso de controle sustentado empiricamente” sobre esses dados. Se temos, não se trata de acumulação.

Mas ela argumenta que, como começamos a acumular mais dados, cada vez mais gente vai perder esse controle.

“Meus alunos descrevem como uma náusea, um sentimento de desequilíbrio, quando eles começam a olhar os milhares de fotos que têm”, diz ela.

O nível de “tralha” digital que levará as pessoas a se sentirem sobrecarregadas vai variar de acordo com cada indivíduo, explica Neave.

“Se chegar ao ponto em que você fica oprimido com os dados que acumula, que não consegue encontrar algo, que as coisas estão se perdendo… isso pode indicar que há algum tipo de problema”.

Mas, antes de tudo, por que estamos todos em meio a esse caos? De acordo com Oravec, plataformas como o Google Drive são uma “tentação” ao acúmulo, uma vez que facilitam guardar arquivos e quase nunca nos estimulam a fazer uma revisão dos mesmos.

“A sensação de que algo é recuperável apenas se for armazenado em algum lugar oferece uma falsa sensação de segurança.”

E há muito espaço de armazenamento disponível. No estudo de Sedera sobre acumuladores digitais, os participantes informaram que tinham acesso em média a 3,7 terabytes.

Alguns especialistas acreditam que, por terem estimulado esse comportamento, as empresas de tecnologia devem ajudar a corrigir nossas “tendências acumuladoras”.

Na opinião de Sedera, em breve haverá maneiras de indexação e curadoria de dados independentes da plataforma, semelhante à forma como os contatos do seu telefone são sincronizados entre os aplicativos.

Oravec concorda que as empresas de tecnologia podem – e devem – repensar como incentivam alguns hábitos de acumulação. Mas ela também gostaria de ver os indivíduos assumirem mais responsabilidade na curadoria de seus próprios itens digitais, colocando o arquivamento na lista de tarefas necessárias, como ir ao dentista.

Essa curadoria não precisa ser tão temida como um canal ou uma extração, e pode até ser considerada um investimento na nossa própria identidade para a posteridade.

Oravec conta que sua tia, que faleceu recentemente aos 100 anos, montou cuidadosamente seis álbuns de fotos que retratam toda sua vida.

“Ela selecionou essas fotos das muitas que tirou durante as férias ou reuniões de família e organizou, esculpindo um forte senso de identidade nesse processo”, diz ela.

Em vez de nos censurarmos por ter muitos e-mails não lidos ou por tirar selfies demais, talvez seja melhor reservarmos um tempo para recuperar o controle do nosso caos digital – e organizar um álbum de fotos de cada vez.

*Por Kelly Oakes

 

 

……………………………………………………………..
*Fonte: bbc  brasil

Bons amigos são a cura para nossa alma

Com certeza você já ouviu o jargão “Quem tem um amigo tem um tesouro”, e essa é uma afirmação 100% verdadeira. É certo que à medida em que avançamos em nossa vida, há pessoas que vão e pessoas que vêm, mas os bons amigos estarão perto de você sem se importar com as circunstâncias da vida, e de um modo ou de outro sempre estarão ao seu lado.

No entanto, mesmo que você tenha bons amigos, isso não significa que novas pessoas não possam entrar na sua vida, muito pelo contrário. Se você deixar pessoas entrarem em sua vida, a qualquer momento poderá se beneficiar de tudo que as amizades proporcionam. Até mesmo amizades rápidas (quando está viajando, por exemplo) podem acrescentar muito e ajudar a crescer internamente.

Se não regarmos as amizades, elas morrem

A realidade das amizades é que perdemos amigos com o passar dos anos porque nos limitamos a seguir nossas vidas sem cultivar as amizades. Mas os amigos de verdade sempre estarão ao seu lado de qualquer modo, e você também terá a oportunidade de fazer novas amizades se estiver aberto a isso.

Em algumas ocasiões, podemos perder os amigos mais próximos porque eles, ou nós mesmos, mudamos de trabalho, mudamos de cidade, porque estamos muito ocupados para oferecer a eles nosso tempo ou simplesmente porque manter contato parece muito complicado em alguns casos.

“As boas fontes se mostram nas grandes secas; os bons amigos, nas épocas difíceis.”
-Provérbio chinês-

A amizade é como uma planta, precisa ser regada e receber amor todos os dias

A amizade é como o amor: pode ser comparada com uma planta que tem suas necessidades; se não é regada todos os dias, por exemplo, não cresce e floresce, seca pouco a pouco, murcha e acaba morrendo. As amizades devem ser cuidadas como as plantas, devem ser regadas todos os dias para que floresçam bonitas e cresçam com raízes fortes.

Embora a interação social ao vivo ainda seja a mais efetiva, a realidade é que com as novas formas de comunicação não há desculpa para não estar em contato com as pessoas que mais gostamos. Além disso, é necessário construir relações e vínculos saudáveis como uma forma de seguir crescendo tanto pessoal quanto socialmente, porque os bons amigos oferecem benefícios que duram para sempre.

“A única maneira de possuir um amigo é ser um.”
-Ralph W. Emerson-

Amigos fazem com que a vida dure mais

Ter amigos que trazem felicidade ao dia a dia podem fazer com que sua vida dure mais. Suas amizades farão você se sentir querido, ver que você é importante em seu mundo, em uma pequena sociedade, e além disso terá alguém que se preocupa com você, com seu bem-estar físico e emocional.

Um verdadeiro amigo falará as coisas que realmente pensa, falará quando algo não parecer bem pensando no seu bem-estar e na sua felicidade, será seu conselheiro. Além disso, bons amigos poderão ajudar você a se sentir mais saudável, a ter uma vida melhor e se sentir de uma forma diferente ao compartilhar amor com os outros.

Os amigos são bons para o coração e para a mente

Seus amigos poderão fazer com que você se sinta muito mais feliz no dia a dia, até mesmo nos dias em que não tem vontade de nada. Nos dias cinza, seus amigos serão como raios de luz. Eles serão um ponto de apoio muito importante nos momentos difíceis, como quando estamos muito estressados ou desanimados.

“Cada um mostra como é pelos amigos que tem.”
-Baltasar Gracian-

Os amigos felizes e otimistas são os melhores

Se você se rodear de amigos felizes e otimistas, estará aumentando sua felicidade quase sem se dar conta. Pelo contrário, se decidir ter amigos tóxicos ou infelizes, seguramente será menos feliz do que merece e sofrerá problemas com alguns deles. Por isso é tão importante ter relações saudáveis com todas as amizades.

Os bons amigos lhe trarão segurança emocional e poderão melhorar seu senso de pertencimento e propósito. Como um bando de aves que voam juntas, você se sentirá em uma família de amigos, voando por si mesmo mas rodeado por pessoas que lhe acompanharão na longa viagem da vida com as mesmas idéias de visões de mundo.

“A amizade perfeita é a de boas pessoas e daqueles que se assemelham pelas mesmas virtudes. Pessoas que se desejam mutuamente o bem no mesmo sentido.”
-Aristóteles-

Trate seus amigos como gostaria de ser tratado

A forma mais fácil de ser um bom amigo é tratar os outros como gostaria de ser tratado. Seria excelente tratar suas amizades como você trataria a si mesmo, e lembre-se sempre de algo importante: nunca é tarde para agir dessa forma. Os verdadeiros amigos saberão o quanto você vale e como você é importante.

 

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: resilienciamag

Seria a astrologia a religião da nossa geração?

O aumento pela procura de recursos místicos mostra que os jovens trocaram os dogmas religiosos por essa “auto-investigação”.

Você já deve ter entrado em uma conversa com millennials em que, muito antes de perguntarem quantos anos você tem ou o que faz da vida, soltaram “qual o seu signo?”. Não é exagero dizer que há quem não comece o mês sem ler o que Susan Miller – uma das astrólogas mais famosas do mundo – tem a dizer.

Quando avaliamos a evolução das buscas pelo termo “horóscopo” no Google nos últimos cinco anos, percebemos que houve um crescimento do interesse pelas previsões ditadas pelo nosso mapa astral. Seria a astrologia, então, a religião da nossa geração?

Aparentemente, há alguns fatores que explicam o porquê da nossa busca pelo tema.

De acordo com um estudo conduzido em 1982 pelo psicólogo Graham Tyson, pessoas que consultam a astrologia o fazem como uma resposta a momentos de estresse.

Se levarmos em consideração que um estudo da Associação Americana de Psicologia de 2014 aponta que os millennials são a geração mais estressada, talvez faça sentido a nossa busca por algumas respostas que ajudem a acalmar os ânimos.

Para Thais Leão, astróloga que atua com desenvolvimento de pessoas e participa de grupos de estudo de antropologia e psicanálise com profissionais e docentes da área, cresce entre a nossa geração uma busca por autoconhecimento e a astrologia tem uma ferramenta para esse entendimento de si. “Auto-observação. Auto-investigação. Trata-se de entender cada vez mais o poder de observar e criar consciência sobre si e sobre o mundo que nos permeia, do qual fazemos parte”, ela avalia.

E essa tendência, que é global, tem alguns traços tropicais. Rebeca de Moraes, sócia-fundadora e diretora da Soledad, uma consultoria de tendências com um olhar para o contexto brasileiro, aponta que uma das tendências para os próximos três anos é recorrer a outras formas de espiritualidade: como astrologia, tarot e o poder dos cristais.

De acordo com um estudo realizado pela empresa, seria resultado da saída de um lugar de muita racionalização, que é uma vida vigiada – cheia de algoritmos, aplicativo para trabalhar, para dormir e até para fazer yoga – em direção ao humanismo. E há algumas particularidades do contexto brasileiro. “A gente vive um momento de muita incerteza e insegurança: acabamos de passar por um ano com Copa do Mundo, eleições. São coisas que mexem com os sentimentos das pessoas. E a gente terminou o ano sem saber se teria emprego, sem saber se teria aposentadoria”, pontua Rebeca. “Quando a gente pensa em misticismo, é um momento de volta do ‘eu’. Toda essa incerteza resulta em uma geração que começa a questionar aquilo que tínhamos como certo, como padrão: casamento, governos, mídia.” Para ela, diante disso, passamos a buscar as respostas dentro de nós.

E a nossa geração tem algumas características que nos tornam mais suscetíveis a isso. Diferente de outros momentos em que a espiritualidade foi pautada nas religiões tradicionais, atualmente, a busca é por saberes menos dogmáticos.

Rebeca considera que os millennials são uma geração muito propícia a lidar com verdades que são voláteis. E também que aprenderam a ser mais auto suficientes em relação à apreensão de conhecimento. “Eles pararam de se prender a dogmas, eles constroem as suas crenças e espiritualidade. Há outros tipos de conhecimento que chegam até você ou que você mesmo pode buscar e que não precisam passar por religiões ou formas de espiritualidade tradicionais. Outro ponto é que essas formas mais místicas de espiritualidade os ajudam a perceber que as pessoas mudam o tempo todo e isso é natural. Os dogmas estão menos abertos a isso”, ela diz.

Susan Miller, Madama Br00na, Astrolink. A internet também tem um papel importante na popularização desses outros modos de espiritualidade, pois ajudou a aprofundar os conhecimentos e a curiosidade sobre astrologia. E os memes fazem parte desse pacote. Eles são o canal para gerar identificação. Quando alguém fala, por exemplo, que é de gêmeos, de algum modo essa pessoa já está dizendo algo sobre a sua personalidade.

E isso é só o primeiro passo. De acordo com as descobertas do estudo realizado pela Soledad, “signo e ascendente viraram pouco. Agora, o básico é saber que Mercúrio está retrógrado em aquário. Com mais informação e a leveza dos memes, astrologia saiu da última página das revistas e ganhou status de assunto quente de millennial”.

No final do dia, diante de tantas incertezas, tudo o que a gente quer é que alguém nos diga que vai ficar tudo bem.

*Por Nathalia Rocha

 

…………………………………………………………………
*Fonte: vice

Às vezes, temos que nos fingir de bobos para ver até onde chega a falsidade alheia…

Muitas vezes, teremos que nos fingir de bobos mesmo, como se nada percebêssemos, como se não soubéssemos das más intenções da falsidade que se aproxima. Iniciar embates com quem mente o tempo todo é inútil.

Certas pessoas subestimam a nossa inteligência, agindo como se não fôssemos capazes de perceber o quanto estão sendo maldosas, o quanto são fingidas, o quanto não são nossas amigas de fato. Teremos que conviver com quem não gostaríamos, em algumas situações que nos forçarão a isso, porém, caberá a nós não sermos sugados para dentro de suas tempestades.

Em todos os setores da vida, existirão indivíduos que não gostam de ninguém, tampouco de si mesmos, que vivem insatisfeitos com tudo, de olho nas vidas alheias, para envenenar tudo o que tocarem com sua maledicência, com a maldade que domina seus corações. Eles são infelizes e pretendem disseminar sua infelicidade, pois não suportam ver ninguém alegre – a luz lhes ofusca os olhos.

Infelizmente, a vida real é recheada de vilões, tais como aqueles das novelas, filmes e livros, e nos depararemos com eles, uma hora ou outra. Teremos que nos manter equilibrados e fortes, pois a miséria emocional costuma contagiar ambientes e pessoas, ou seja, quanto mais seguros estivermos quanto a tudo o que nos faz felizes e ao que somos de fato, nada nos distanciará de nossa essência.

Muitas vezes, teremos que nos fingir de bobos mesmo, como se nada percebêssemos, como se não soubéssemos das más intenções da falsidade que se aproxima. Precisaremos ouvir as fofocas, assistir às dissimulações, fingindo acreditarmos nas fantasias maldosas do colega. Iniciar embates com quem mente o tempo todo é inútil, pois ele está acostumado a sustentar inverdades e não largará mão disso. Provavelmente, nós é que esgotaremos nossas forças inutilmente.

O melhor que temos a fazer, nesses casos, é manter o nosso equilíbrio, exercitando a calma e a paciência, observando, como meros espectadores, ao desenrolar dos fatos. Mais cedo ou mais tarde, sem dúvidas, tudo se esclarece, pois, a verdade vem à tona, sempre, ninguém foge às consequências do que se faz, do que se é. E então a pessoa sucumbirá ao peso de toda maldade que plantou em seus jardins.

Às vezes, até seremos nós que desmascaremos quem finge e dissimula, sim, pois poderemos estar sendo alvo direto dessa maldade. Mesmo assim, a paciência é que determinará o momento certo de agir. O exercício da tolerância, da calma e da paciência, como se vê, será essencial para que sobrevivamos com saúde a tudo de desagradável que encontraremos pela frente.

Assim é que poderemos sempre, ao final do dia, voltar e nos fortalecer junto a quem nos ama de verdade, sem fingimento. É isso que faz a vida valer a pena.

*Por Marcel Camargo

 

…………………………………………………………..
*Fonte: