Somente 20% dos brasileiros busca conversar com quem pensa muito diferente, aponta pesquisa

Não dá pra negar, as eleições presidenciais de 2018 firmaram um movimento que já vinha acontecendo há um bom par de anos: a polarização e os radicalismos criaram um abismo comunicacional entre nós. Brigamos com familiares, deletamos amigos, fizemos uma peneira nas pessoas que nos cercam. E por mais que, numa primeira olhada, isso pareça bom, a verdade é que também há um lado negativo nesses isolamentos ideológicos. Estamos presos em nossas bolhas.

Nas redes sociais, o fenômeno é bem óbvio: os algoritmos trabalham na criação de malhas ideológicas restritas e inacessíveis a quem pensa diferente. Como resultado, feeds filtrados de acordo com a visão de mundo particular de cada usuário. No ambiente digital, o encontro com ideais e ideias distintos dos nossos está numa decrescente exponencial. Buscamos aquilo que nos agrada e seguimos alimentando esse mecanismo que nos encarcera dentro de nós mesmos. Construímos muros cada vez mais altos e deixamos que, assim, nossa capacidade de dialogar com o outro se atrofie. Mas uma pesquisa recente, realizada pelo site PapodeHomem e Instituto Avon, mostra que há luz, ainda que por ora escassa, no fim do túnel — pelo menos quando os embates tratam de gênero.

Lançado no final de abril, no 6º Fórum Fale sem Medo — um dos principais eventos brasileiros para discutir a violência contra mulheres e meninas — o estudo ouviu mais de nove mil pessoas pelo Brasil. “Queríamos dar continuidade a uma conversa que começou em 2018, durante a campanha 21 dias de Ativismo, o #ComTrato, sobre as violências que não matam, mas matam mesmo assim, e que abordou como tratar com gentileza assuntos e temas importantes para a construção de relações saudáveis. Escolhemos esse tema porque entendemos que para para construir esse mundo é necessário senso de corresponsabilidade. A construção desse senso depende de valores e objetivos compartilhados entre as pessoas, que por sua vez só podem ser construídos por meio do diálogo”, afirma Mafoane Odara, coordenadora de projetos do Instituto Avon. Questionada se a escolha da temática poderia causar resistência do público, Odara explica: “Não estamos propondo diálogos e conversas forçadas, muito pelo contrário, estamos convidando as pessoas para viverem novas experiências na conversa com quem pensa diferente”.

Entre os achados apresentados durante o evento, o dado de que 70% dos entrevistados acredita que conversar com quem pensa muito diferente é algo positivo. “Mas, desse número, apenas 15% das pessoas está no perfil que chamamos ‘Construtoras de pontes’, que são indivíduos que buscam essas conversas com os diferentes, que lêem notícias com opiniões contrárias às suas e apoiam o diálogo. O restante não tem interesse em buscar ativamente esses diálogos ou não sabe como fazê-lo”, explica Guilherme Valadares, fundador do PapodeHomem. Entre os obstáculos estão a agressividade das conversas, apontada por 64% do público, seguida de radicalismo e falta de energia.

“Furar a bolha é estratégia”

A frase, dita pela filósofa Djamila Ribeiro em uma de suas entrevistas, é a folha de rosto do livro gratuito disponibilizado pela pesquisa — com versão para desktop e mobile. A ideia, com a publicação, é não só trazer dados e insights do estudo, mas também ferramentar as pessoas para que coloquem em prática diálogos mais benéficos: “Ele aprofunda os achados da pesquisa e oferece um guia de boas práticas e recomendações bastante específicas e sólidas de aprofundamento. Quem colocar em ação o que sugerimos por lá, com diligência e regularidade, com certeza pode se tornar um ativista da construção de pontes”, diz Valadares.

Os insights também se desdobraram em um minidocumentário, que pode ser assistido online, nos canais do YouTube do PapodeHomem e do Instituto Avon e que tem o objetivo de inspirar debates e rodas de conversa pelo País. No filme, o foco se expande para além de gênero e traz outras discussões importantes, como raça e política.

Em caráter coletivo, vale lembrar do momento político em que estamos inseridas e inseridos. Garantir que pensamentos divergentes coexistam é a pedra basilar de sistemas democráticos. Apesar de enfrentarmos cortes afrontosos em nosso direito de oposição e de exprimir valores dissidentes — vide promessa bolsonarista de acabar com o ativismo —, é urgente que sigamos na vigilância constante para que não tenhamos mais essa liberdade cerceada.

No âmbito privado, no tête-à-tête do dia a dia, é importante ressaltar que conversar com quem pensa diferente — ainda mais em casos explícitos em que há preconceito ou desigualdade — não é tarefa fácil e nem para qualquer pessoa. Requer preparo, estofo emocional, paciência, habilidade de sustentar um campo em que a conversa flua com o mínimo de respeito. É uma competência, no entanto, que pode ser aprimorada por quem tem interesse e coragem. Mesmo que desafiadores, diálogos assim podem ser usados como ferramenta na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Longe de desvalidar iniciativas agressivas e necessárias de ativismo — que estão aí nas ruas garantindo conquistas históricas e também evitando que haja mais reduções nos direitos das minorias —, conversar é uma opção que corre em paralelo e que vez que outra também se encontra com a luta. Porque a construção coletiva requer enfrentamento e pé na porta, sim, mas também requer que nos comuniquemos — inclusive com quem não gostamos.

*Por Gabrielle Estevans

 

………………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

7 dicas para conversar com quem pensa muito diferente de você

Nesses dias eu li um artigo muito bom cuja temática nunca esteve tão atual: “Como conversar com quem pensa muito diferente de você?”, que você pode ler na íntegra clicando [aqui].

Nesse artigo produzido pelo site “Papo de Homem” eles compartilham também um minidocumentário sobre esse tema, além de um e-book gratuito que o aprofunda, por isso recomendo fortemente que você o leia.

No final do artigo fiquei um bom tempo refletindo sobre as “7 habilidades e atitudes que podemos treinar para aperfeiçoar nosso lado Construtor de Pontes” e quero ampliar um pouco mais a reflexão com você!

1) Desenvolver mais equilíbrio emocional

O equilíbrio emocional eu diria que é o ponto mais importante, talvez por isso mesmo tenha sido colocado em 1º lugar. Mas precisamos entender que não se desenvolve nada sem praticar. Até já escrevi em outros textos que a palavra desenvolver significa DES+ENVOLVER, ou seja, é deixar de se envolver com algo para passar a se envolver com outra coisa. Existe sempre um ciclo de ascensão: envolver – desenvolver – envolver. Não é interessante? Por exemplo: eu desenvolvo mais empatia a partir de experiência na qual eu me envolva com pessoas que me testem nesse sentido. E dessa forma vou me envolvendo com cada vez mais sabedoria e amorosidade nas novas experiências.

2) Nos comunicar de modo menos violento

Nessa hora não posso deixar de sugerir o maravilhoso livro “Comunicação Não Violenta” do Marshall Rosenberg. Esse livro deveria ser leitura obrigatória até mesmo nas escolas de Ensino Médio, porque o autor desenvolve um método quase infalível para se comunicar com eficiência com todas as pessoas, e isso é o que mais precisamos nesse tempo de tantas intolerâncias e violências.

Segundo esse autor, o grande segredo é desenvolvermos a sensibilidade para perceber quais são as necessidades de quem abordamos. Ao saber quais são podemos ajustar nossa forma de falar para que tanto ela quanto a gente mesmo consiga ter mais harmonia.

3) Cultivar empatia pelo outro

Empatia é a capacidade de ver pela perspectiva do outro, sairmos um pouco no nosso próprio mundo para entrar no mundo do outro. A melhor forma de cultivar a empatia é prestando atenção aos nossos preconceitos, às nossas premissas, às nossas verdades e convicções e questionarmos isso na gente!

O outro tem sua própria forma de enxergar a vida e a sociedade, não cabe a nós julgar o que é certo ou errado, justo ou injusto, digno ou indigno. Cabe a nós desenvolvermos mais sensibilidade para não se prender à uma visão maniqueísta de tudo! A empatia desenvolvida leva ao fim do maniqueísmo entranhado em nós e na sociedade.

4) Evitar posturas radicais

O radicalismo surge do que disse no ponto 3. Surge de acharmos que a nossa visão é “a certa” e a do outro é “a errada”. Como assim? Se mudarmos o foco da lente, como algumas pessoas brincam, é exatamente assim que o outro lado vê. Ele está “certos” e você “errado”.

É muito arriscado agir dessa maneira, porque o radicalismo é o caminho dos EXTREMOS, e isso tem sido uma das coisas que mais venho estudando nos últimos meses. Todos os extremos levam ao nosso próprio sofrimento e o da coletividade. O ideal é buscarmos o “caminho do meio”, tão lindamente ensinado por tantos mestres e professores, como Buda, Jesus, Confúcio, Aristóteles etc. Ainda voltarei a falar sobre esse assunto, pois há muito o que se aprofundar nele…

5) Pedir desculpas quando formos agressivos

Esse ponto é magnífico e vou confessar aqui uma coisa que tenho certeza que ajudará muita gente. Já me aconteceu de eu agir com agressividade em algumas ocasiões e me arrepender pedindo desculpas sinceras e convidando para conversar olho no olho e daí surgiram amizades muito verdadeiras sabe?

Alguns dos meus melhores amigos hoje foram pessoas que lá atrás eu tive bate-bocas feios e o pedido de desculpas fortaleceu a amizade. Agora reforço algo de suma importância. Pedir desculpas requer uma atitude de humildade, de se reconhecer falho e ainda um ser alguém que precisa de muita melhoria pessoal.

6) Estudar e melhorar nossos argumentos

O estudo é um dos melhores caminhos para desenvolvermos consciência e sabedoria. Percebo isso na minha própria vida. Indiretamente, parte do que estou escrevendo aqui foi inspirado num livro que estou lendo agora que se chama “Ética à Nicômaco”, de Aristóteles. Uau! Eu me surpreendo ao perceber a atualidade dos seus escritos. Ele viveu há cerca de 2300 anos e esse livro parece que foi escrito ontem.

Quer ter argumentos melhores? Leia grandes obras e grandes autores, leia os clássicos como obras de Machado de Assis ou Guimarães Rosa entre outros. Garanto que você só crescerá com essa experiência.

7) Não ter vergonha de admitir que não sabemos algo e fazer perguntas

Esse ponto novamente nos remete à humildade. É um belo traço de humildade dizer “Não sei”. Inclusive essa é uma das coisas que me orgulha no exercício do Magistério. Sempre que dou aulas e algum aluno me pergunta algo que ainda não sei, simplesmente digo, “Me desculpe, não sei responder a isso no momento, mas vou estudar e na próxima aula eu respondo com certeza…”.

Muitos professores, por arrogância, tentam enrolar uma resposta para tentarem se passar por sábios ou conhecedores, mas é exatamente o contrário. Ser sábio é estudar para conhecer a fundo e ter firmeza na hora de responder!

*Por Isaias Costa

 

……………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Tomar café com um amigo: uma das melhores terapias do mundo!

Não há quem possa manter um mínimo de equilíbrio sem ter ao menos uma pessoa com quem dividir momentos de descontração e divertimentos, como um cafezinho ou uma cervejinha, para espairecer e se esquecer, por breves momentos que sejam, do montante de dissabores que fazem parte da vida.

É cada vez mais difícil alguém conseguir ter algum tempinho de sobra ao longo do dia. Tudo é tão corrido, tão urgente, que as pessoas não mais têm tempo para desfrutar de um passatempo, de uma amizade, para não fazer absolutamente nada, apenas descansar. Trabalha-se mais, acumula-se serviço, enquanto os relacionamentos humanos se esvaziam cada vez mais.

Ninguém aguenta, por muito tempo, passar as horas tão somente num pique atarefado e comprometido com responsabilidades que não trazem algum sossego. Por mais que se goste de trabalhar, o corpo e a mente precisam de descanso, de um intervalo em que se consiga tirar um pouco de peso dos ombros. E nada melhor do que um amigo verdadeiro para ajudar essa vida a se tornar menos densa e pesada.

Não há quem possa manter um mínimo de equilíbrio sem ter ao menos uma pessoa com quem dividir momentos de descontração e divertimentos, mesmo que simples, como um cafezinho ou uma cervejinha, para espairecer e se esquecer, por breves momentos que sejam, do montante de dissabores que fazem parte da vida. Rir com verdade, conversar sobre amenidades, lembrar-se de momentos especiais, tudo isso alivia a carga massacrante que o cotidiano nos obriga a enfrentar.

Amigos não devem servir somente para consolar e ouvir nossas agruras, mas também podem ser ótimas companhias para as ocasiões em que dividimos amenidades frugais, sem nada de sério pairando sobre a conversa, apenas sorvendo aquele ócio que recarrega nossas baterias e nossas energias. Amigos nos ajudam nos momentos de escuridão, mas também nos alegram quando precisamos apenas estar com alguém para dividir café e risadas.

Não podemos deixar de lado a necessidade de desfrutar momentos de lazer, junto a pessoas boas e verdadeiras, para que não sucumbamos diante dos inúmeros problemas que lotam nossa vida de entraves. Nosso emocional precisa de refresco e serão as pessoas que nos amam sem ressalvas os calmantes especiais que tornarão nossos passos mais seguros. Nada como um café com a pessoa certa.

*Por: Marcel Camargo

…………………………………………………………
*Fonte: revistapazes