Não é só o FaceApp, milhares de aplicativos espionam o usuário mesmo sem permissão

O caso do FaceApp, aplicativo que usa inteligência artificial para envelhecer um rosto de forma realista, fez todos os olhares se voltarem para um aspecto comum, que poucos usuários notam. Ao instalá-lo, surge o aviso de que todos os nossos dados serão utilizados e inclusive cedidos terceiros, sem nenhum controle. O alerta é dado num processo que poucos usuários leem, ou que aceitam sem pensar nas consequências. Mas alguns programas para celulares podem não necessitar nem sequer do consentimento explícito. Milhares de aplicativos burlam as limitações e espionam, mesmo sem receberem autorização do dono do celular.

Afinal, para que a lanterna do aparelho precisa ter acesso à localização de um usuário? E um aplicativo de retoque fotográfico ao microfone? Ou um gravador aos seus contatos? Em princípio, esses aplicativos não precisam de permissões desse tipo para funcionar. Quando agem assim, costuma ser para procurar um bem extremamente valioso: os dados. Os usuários podem dar ou negar diferentes permissões aos aplicativos para que acessem sua localização, os contatos e os arquivos armazenados no telefone. Mas uma pesquisa de uma equipe de especialistas em segurança cibernética revelou que até 12.923 apps encontraram a forma de continuar recolhendo informação privada apesar de as autorizações terem sido explicitamente negadas.

Esse estudo expõe a dificuldade dos usuários em proteger sua privacidade. Pesquisadores do Instituto Internacional de Ciências Computacionais (ICSI) em Berkeley, do IMDEA Networks Institute de Madri, da Universidade de Calgary (Canadá) e da empresa AppCensus analisaram um total de 88.000 aplicativos da Play Store e observaram que milhares deles acessam informações como localização ou dados do aparelho no qual o usuário tinha previamente recusado essas autorizações.

Os especialistas ainda não divulgaram a lista completa de aplicativos que realizam essas práticas. Mas, segundo a pesquisa, encontram-se entre elas a aplicativo do parque Disney de Hong Kong, o navegador da Samsung e o buscador chinês Baidu. O número de usuários potenciais afetados por essas descobertas é de “centenas de milhões”.

Borja Adsuara, advogado especialista em direito digital, afirma que se trata de “uma infração muito grave”, porque o sistema operacional Android exige que os apps peçam o acesso consentido a esses dados através de permissões, e o usuário lhes diz expressamente que não. O consentimento, explica, funciona de forma muito parecida tanto na intimidade física como na não física – os dados pessoais. “É como no caso de um estupro em que a vítima diz expressamente que não”, compara.

Narseo Vallina-Rodríguez, coautor do estudo, diz que “não está claro se haverá correções ou atualizações para os bilhões de usuários Android que atualmente utilizam versões do sistema operacional com essas vulnerabilidades”. O Google não especificou a este jornal se cogita retirar do mercado ou tomar alguma medida contra os aplicativos que, segundo o estudo, acessam os dados dos usuários sem a permissão pertinente. No entanto, assegurou que o problema será resolvido com o Android Q, a próxima versão de seu sistema operacional. A companhia pretende lançar nos próximos meses seis versões beta do Android Q, até oferecer a versão final durante o terceiro trimestre do ano.

Como os aplicativos acessam a informação privada do usuário sem as permissões necessárias? Eles burlam os mecanismos de controle do sistema operacional mediante os chamados side channels (canais paralelos) e covert channels (canais encobertos). Vallina faz a seguinte comparação: “Para entrar em uma casa, [o dado do usuário] pode passar pela porta com a chave que o dono lhe deu [a permissão], mas também pode entrar sem o consentimento do proprietário, aproveitando-se de uma vulnerabilidade da porta [um side channel] ou com a ajuda de alguém que já está dentro [covert channel]”.

Não é só o FaceApp, milhares de aplicativos espionam o usuário mesmo sem permissão

“Você pode abrir uma porta com uma chave, mas também pode encontrar a forma de fazê-lo sem ter essa chave”, prossegue o especialista. O mesmo ocorre ao tentar acessar a geolocalização de um aparelho. Ele pode não ter acesso ao GPS, mas mesmo assim encontrar o modo de acessar a informação de posicionamento do usuário.

Metadados

Uma forma de fazer isso é através dos metadados que estão integrados às fotos tiradas pelo dono do smartphone, segundo Vallina. “Por definição, cada foto tirada por um usuário Android contém metadados como a posição e a hora. Vários apps acessam a posição histórica do usuário pedindo a permissão para ler o cartão de memória, porque é lá onde estão armazenadas as fotos, sem ter que pedir acesso ao GPS”, explica. É o caso do Shutterfly, um aplicativo de edição de fotografia. Os pesquisadores comprovaram que ele reunia informação de coordenadas do GPS a partir das imagens dos usuários, mesmo que estes tivessem negado a permissão para acessar a sua localização.

Também é possível acessar a geolocalização através do ponto de acesso wi-fi com o endereço MAC do router, um identificador atribuído pelo fabricante que pode ser correlacionado com bases de dados existentes e averiguar a posição do usuário “com uma resolução bastante precisa”.

Para que o aplicativo possa acessar essa informação, existe uma permissão que o usuário deve ativar em seu smartphone, chamado “informação da conexão wi-fi”, conforme ensina Vallina. Mas há apps que conseguem obter esses dados sem que a permissão esteja ativada. Para isso, extraem a direção MAC do router, que o aparelho obtém mediante o protocolo ARP (Address Resolution Protocol), que serve por sua vez para conectar e descobrir os dispositivos que estão em uma rede local. Ou seja, os aplicativos podem acessar uma pasta que expõe a informação MAC do ponto de acesso wi-fi: “Se você sem nenhum tipo de licença lê essa pasta que o sistema operacional expõe, pode saber a geolocalização de forma totalmente opaca para o usuário”.
Bibliotecas de terceiros

Muitos desses vazamentos de dados ou abusos à privacidade do usuário são feitos através de bibliotecas, que são serviços ou miniprogramas de terceiros incluídos no código dos aplicativos. Essas bibliotecas são executadas com os mesmos privilégios que o app em que se encontram. Em muitas ocasiões, o usuário nem está consciente de sua existência. “Muitos desses serviços têm um modelo de negócio que está baseado na obtenção e processamento dos dados pessoais”, diz o pesquisador.
Não é só o FaceApp, milhares de aplicativos espionam o usuário mesmo sem permissão

Por exemplo, aplicativos como a da Disney de Hong Kong utilizam o serviço de mapas da companhia chinesa Baidu. Assim, podem acessar, sem necessidade de qualquer permissão, informações como o IMEI e outros identificadores que as bibliotecas do buscador chinês armazenam no cartão SD. Os aplicativos de saúde e navegação da Samsung, que estão instalados em mais de 500 milhões de aparelhos, também utilizaram este tipo de bibliotecas para seu funcionamento. “A própria biblioteca explora essas vulnerabilidades a fim de acessar esses dados para seus próprios fins. Não está claro se depois o desenvolvedor do app acessa os dados através da biblioteca”, explica.

Vallina afirma que nas próximas pesquisas será analisado o ecossistema das bibliotecas de terceiros e para que finalidades os dados são obtidos. Também estudarão os modelos de rentabilização existentes no Android e a transparência dos aplicativos quanto ao que eles fazem e o que dizem fazer nas políticas de privacidade. Para evitar práticas desse tipo, Joel Reardon, também coautor do estudo, aponta a importância de realizar pesquisas desse tipo com o objetivo de “encontrar esses erros e preveni-los”.

Se os desenvolvedores de aplicativos podem evitar as permissões, faz sentido pedir permissão aos usuários? “Sim”, responde Reardon, taxativo. O pesquisador insiste em que os aplicativos não podem burlar todos os mecanismos de controle, e que pouco a pouco ficará mais difícil para eles. “O sistema de permissões têm muitas falhas, mas ainda assim ele serve para algo e persegue um propósito importante”, afirma.

Responsabilidade dos desenvolvedores

No caso de usuários na Espanha, estas práticas realizadas sem o consentimento descumprem, entre outras normativas, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) e a Lei Orgânica de Proteção de Dados. Os desenvolvedores desses aplicativos poderiam enfrentar, segundo o RGPD, sanções econômicas de até 20 milhões de euros (75,3 milhões de reais) ou 4% do faturamento anual da empresa. E inclusive poderiam responder por um delito contra a intimidade (artigo 197 do Código Penal espanhol) que poderia acarretar penas da prisão, segundo Adsuara.

O advogado afirma que a maior parte da responsabilidade recai sobre os desenvolvedores. Mas considera que tanto as lojas – Google Play e Apple Store – como as plataformas que permitem o acesso dos aplicativos aos dados de seus usuários – como o Facebook, no caso Cambridge Analytica – têm uma responsabilidade in vigilando: “Quer dizer, o dever de vigiar que os aplicativos que sua loja aceita ou aos quais permitem que tenham aos dados de seus usuários em sua plataforma sejam seguros”.

“Embora cada um seja responsável por seus atos, sente-se a falta de alguma autoridade espanhola ou europeia que revise a segurança dos aplicativos e serviços antes de seu lançamento no mercado”, afirma. E salienta que, em outros setores, existe algum tipo de certificação que garante que um produto ou serviço seja seguro. “A ninguém ocorre, por exemplo, que se autorize a circulação de carros com os freios falhando. Para não falar em remédios, alimentos e brinquedos. Entretanto, é normal no setor que se lancem no mercado aplicativos e serviços com falhas de segurança que, depois, com o bonde andando, vão emendando”.

*Por Isabel Rubio

…………………………………………………………………….
*Fonte: elpais-brasil

O que realmente nos faz felizes? As lições de uma pesquisa de Harvard que há quase oito décadas tenta responder a essa pergunta

O que realmente nos faz felizes na vida?

Por 76 anos, pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, têm procurado uma resposta.

O Estudo sobre o Desenvolvimento Adulto (Study of Adult Development, no original em inglês) começou em 1938, analisando 700 rapazes – entre estudantes da renomada universidade e moradores de bairros pobres de Boston.

A pesquisa acompanhou esses jovens durante toda a vida, monitorando seu estado mental, físico e emocional. O estudo continua agora com mais de mil homens e mulheres, filhos dos participantes originais.

O atual diretor do estudo, o quarto desde o início, é o psiquiatra americano Robert Waldinger, que também é um sacerdote zen. Sua palestra no TED (sigla em inglês para Tecnologia, Entretenimento, Design): “O que torna uma vida boa? Lições do estudo mais longo sobre a felicidade”, viralizou na internet. O vídeo da conferência já foi baixado mais de 11 milhões de vezes.

“Há muitas conclusões deste estudo”, disse Waldinger à BBC. “Mas o fundamental, que ouvimos uma vez ou outra, é que o importante para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida, é a qualidade dos nossos relacionamentos”.

Conectados

“O que descobrimos é que, no caso das pessoas mais satisfeitas em seus relacionamentos, mais conectadas ao outro, seu corpo e cérebro permanecem saudáveis ​​por mais tempo”, afirma o acadêmico americano.
Direito de imagem Thinkstock
Image caption Para Waldinger, uma relação de qualidade é aquela em que você se sente à vontade

“Uma relação de qualidade é uma relação em que você se sente seguro, em que você pode ser você mesmo. Claro que nenhum relacionamento é perfeito, mas essas são qualidades que fazem com que a gente floresça”.

No outro extremo, há a experiência da solidão, sentimento subjetivo de sermos menos conectados do que gostaríamos.

“Estou fazendo as coisas que têm significado para mim? Esse é o tipo de pergunta que devemos nos fazer quando falamos de felicidade”, sugere Waldinger.

“Não se trata de ser feliz em todos os momentos, porque isso é impossível, e todos nós temos dias, semanas ou anos difíceis”.

E a fama?

“Não é que seja ruim, há celebridades felizes e também infelizes”, avalia.

O mesmo vale para o dinheiro. O estudo mostra que, além de um nível onde as nossas necessidades são satisfeitas, o aumento da renda não necessariamente traz felicidade.

“Nós não estamos dizendo que você não pode querer ganhar mais dinheiro ou estar orgulhoso do seu trabalho. Mas é importante não esperar que sua felicidade dependa dessas coisas”, destaca.

Registros médicos

Os participantes do estudo responderam, ao longo de décadas, questionários sobre sua família, seu trabalho e sua vida social.

“Também tivemos acesso aos seus registros médicos, de modo a avaliar a saúde deles, não só pelo que diziam, mas também pelo que seus médicos e exames relatavam”, explica.

Ele conta que, quando começou a trabalhar no estudo, em 2003, também gravou vídeos dos participantes falando com suas esposas sobre suas preocupações mais profundas.

“E enviamos a seus filhos perguntas sobre o relacionamento com seus pais”, acrescenta.

Os participantes foram submetidos ainda a exames de sangue para checagem de indicadores de saúde e, inclusive, análise de DNA.

“Alguns autorizaram escanear seu cérebro e doaram o órgão para que pudéssemos estudá-lo em relação a todos os outros dados que já tínhamos coletado sobre sua vida”, contou.

‘Na minha própria vida’

Quando a palestra de Waldinger se tornou viral, o acadêmico resolveu fazer um retiro por três semanas.

“A tradição Zen sustenta que a contemplação nos ajuda a manter os pés no chão e focar no que é mais importante na vida”, escreveu Waldinger, na ocasião.

Diante da enorme repercussão, o acadêmico criou um blog na internet sobre o estudo. E revela que a pesquisa também teve um impacto profundo na sua vida.

“Me fez prestar mais atenção nos meus próprios relacionamentos, não só em casa, mas no trabalho e na sociedade”, contou à BBC.

“Percebi que meus relacionamentos me dão energia quando invisto neles, quando lhes dedico tempo. Se tornam mais vivos e não desgastantes”, acrescentou.

“A tendência é nos isolarmos, ficar em casa para ver televisão ou nas redes sociais. Mas, na minha própria vida, eu percebi que sou mais feliz quando não estou fazendo isso”.

Oferecer nossa presença

Para Waldinger, investir em um relacionamento significa estar presente.

“Isso faz parte da minha vida como praticante Zen. O que eu percebo é que, quando oferecemos nossa atenção total, nos sentimos mais conectados uns aos outros, e isso também acontece no ambiente de trabalho”.

“Não se trata de passar mais tempo no trabalho, mas de prestar mais atenção no outro, para se conectar mais com as pessoas, em vez de dar como certo que o outro estará sempre ali”, explica.

Conflitos

Waldinger reconhece que pode ser difícil não perder de vista o que realmente importa.

Em parte, isso se deve ao bombardeio de mensagens que recebemos – anúncios de publicidade dizendo, diariamente, que se comprarmos algo seremos mais felizes ou amados.

“E, nos últimos 30 ou 40 anos, se glorificou a riqueza. Há bilionários que são heróis só porque são bilionários. Essa medida parece mais fácil porque as relações são difíceis, mudam, são complicadas”.

Qual a mensagem final de Waldinger para os leitores da BBC?

“Eu diria que eles devem tentar construir laços com as outras pessoas. E é particularmente importante fazer isso com quem se tem algum conflito”.

De acordo com o psiquiatra americano, o estudo deixou claro algo que é importante lembrar:

“Conflitos minam, de fato, a nossa energia. E acabam com a nossa saúde.”

*Por Alejandra Martins

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

Cientistas descobrem como usar qualquer plástico para produzir eletricidade

Como você deve saber, não são absolutamente todos os tipos de plástico que podem ser reciclados, o que significa que, mesmo que uma parte possa ser processada e reutilizada, existe uma parcela que não – e que tem ainda mais chances de não ter um descarte adequado e parar na natureza. Evidentemente, há tempos os cientistas tentavam encontrar soluções para esse problema e, recentemente, uma equipe da Universidade de Chester, na Inglaterra, anunciou ter desenvolvido uma alternativa.

Saída interessante

De acordo com Alfredo Carpineti, do site IFLScience!, os pesquisadores encontraram uma forma de usar todo tipo de plástico – reciclável ou não – para produzir eletricidade, técnica esta que, além de reduzir o volume de resíduos, pode potencialmente levar a uma menor exploração de recursos naturais. E não é só isso!

Segundo Afredo, o processo – batizado de “W2T”, sigla de Waste2Tricity – envolve uma baixa criação de resíduos sólidos ou líquidos e não gera liberação de gases na atmosfera e, sendo assim, comparado às tecnologias tradicionais de incineração, o novo sistema produz muito menos emissões. Como funciona o método?

O W2T consiste em usar uma câmara de conversão térmica para vaporizar o plástico. Com isso, é possível obter hidrogênio a partir de um gás que os cientistas chamaram se Syngas e que seria como o gás natural, só que sintético. Esse material, por sua vez, pode ser usado para a produção de eletricidade e ser usado como combustível, e todo o sistema vem sendo testado e aprimorado na universidade para que, em breve, seja criada uma planta de processamento de plástico em larga escala.

O primeiro desses estabelecimentos deve ser construído na Inglaterra, mas, se tudo correr bem e o método provar ser eficiente mesmo, o objetivo é o de criar plantas em todo o mundo. A estimativa é a de que cada tonelada de resíduos plásticos possa valer cerca de US$ 50 – pouco menos de R$ 190 –, o que pode servir de incentivo (financeiro) para que a indústria e a população não descartem esse material nos oceanos ou de forma inadequada.

 

……………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Nova arma derruba drones a 500 metros de distância

Dispositivo usa bloqueador de sinal de frequência para desativar a comunicação e transmissão de vídeo entre drone e operador

Em paralelo à popularização dos drones, um outro mercado que quer, literalmente, destruir os dispositivos voadores também está crescendo. Na esteira da preocupação de que os aparelhos sejam usados para espionagem e invasão de privacidade, a empresa norte-americana DroneShield criou uma linha de equipamentos que derrubam drones no ar. O novo produto da companhia é uma arma que consegue desativá-los a 500 metros de distância.

O recém-lançado DroneGun MkIII usa as mesmas táticas de desativação de drones que os outros produtos da empresa – um bloqueador de sinal que causa interferência na frequência do comando do veículo. Mas, ele foi projetado para atuar em menor distância e ser controlado com uma mão só, permitindo uma operação mais rápida e fácil.

Em 2016, a companhia havia lançado uma espécie de espingarda gigante, chamada DroneGun, que impede o funcionamento do drone quando o alvo está dentro de 2 quilômetros de distância.

Assim como os outros dispositivos de interferência de sinal da DroneShield, o DroneGun MkIII desativa os drones lançando um ruído eletromagnético com as mesmas frequências usadas para controlar a comunicação e a transmissão de vídeo da aeronave não tripulada. Com isso, a transferência de sinal e gravação são desabilitadas. O drone, então, é forçado a pousar sozinho e com segurança, ou a retornar ao seu ponto de decolagem, o que facilita encontrar o operador do veículo.

De acordo com a companhia, a vantagem do DroneGun MkIII é que ele é menor e mais leve. O equipamento pesa 1,95 kg e tem dimensões de 63 (comprimento) x 40 (largura) x 20 (altura) em centímetros.

O equipamento funciona à bateria, com capacidade de uma hora de ação por carga. A Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos não autorizou que o produto seja disponibilizado para amplo consumo. Por isso, até o momento, apenas agências governamentais do país podem adquiri-lo.

 

……………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Peixe gigante devora um tubarão inteiro no fundo do mar – veja vídeo

Uma cena inusitada foi flagrada por pesquisadores da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), agência norte-americana que monitora a vida marinha: enquanto registravam em vídeo o comportamento de um grupo de 11 pequenos tubarões que se alimentavam de um peixe-espada que estava morto no fundo do mar, uma criatura marinha apareceu em cena e devorou um dos tubarões que participava do banquete.Os cientistas se surpreenderam no momento do bote. “Não é possível”, disse um dos especialistas da NOAA.

O flagrante ocorreu a quase 500 metros de profundidade e foi registrado graças a um conjunto de câmeras especiais que funcionam de modo remoto. Os pesquisadores investigavam como a espécie de tubarão conhecida como galhudo-malhado realiza sua alimentação: o vídeo era um registro raro por si só, já que exibia o conjunto de animais devorando um peixe-espada morto que tinha mais de 2 metros de comprimento e pesava mais de 100 quilos.

Apesar de não terem dimensões avantajadas e medirem no máximo um comprimento de 1,25 metro, os tubarões galhudo-malhado atacaram a carcaça de modo voraz — os cientistas não conseguiram avaliar como o peixe-espada morreu. O momento de estudo dos hábitos marinhos ganhou uma dramaticidade ainda maior quando o peixe gigante simplesmente engoliu um dos tubarões ainda com vida. Veja o vídeo que exibe o momento do ataque (que acontece no minuto 1:40):

Os cientistas do NOAA afirmam que o algoz do tubarão é um peixe conhecido como cherne-poveiro, que pode alcançar até 2,5 metros de comprimento. De acordo com os especialistas, o vídeo ajuda a fornecer mais informações sobre o comportamento desse tipo de peixe, que é conhecido por caçar outras criaturas marinhas — não se esperava, entretanto, que ele fosse capaz de atacar animais como tubarões: o método utilizado para se alimentar é engolir suas presas por inteiro, utilizando sucção. Como o vídeo exibe, é possível ver apenas o rabo do tubarão para fora da boca do cherne-poveiro.

………………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

As pessoas que leem muitos livros são muito mais educadas, gentis e empáticas, mostra o estudo

Ser um rato de biblioteca é compreensivelmente considerado um hobby solitário. Afinal, ao contrário de assistir televisão, seria muito difícil ler um livro com um grupo ou mesmo com outra pessoa. As pessoas livrescistas têm sido estereotipadas como solitárias e introvertidas.

Bem, a ciência está nos dizendo que esses rótulos podem ser falsos. Segundo a pesquisa, as pessoas que leem mais especificamente ficção tendem a exibir comportamentos mais sociáveis ​​e são mais empáticas.

Esta conclusão é baseada em um estudo britânico da Kingston University, em Londres. Os pesquisadores perguntaram a 123 pessoas sobre seus hábitos de leitura ou televisão. Eles também notaram que gêneros gostavam – comédia, não-ficção, romance ou drama.

Os pesquisadores então testaram suas habilidades sociais, fazendo perguntas como: Com que frequência você considera os pontos de vista de outras pessoas em comparação com os seus? Ou você sai do seu caminho para ajudar ativamente os outros?

Pode-se pensar que aqueles que preferem assistir à televisão exibem um comportamento mais sociável. Isso faria sentido. Devido ao enorme fluxo de livros, é mais provável que duas pessoas tenham assistido ao mesmo programa do que lido o mesmo livro.

No entanto, os resultados mostraram o contrário. Em leitores de livros versus espectadores de TV, os leitores de livros ficaram no topo ao exibir um comportamento mais empático. Eles também descobriram que aqueles que assistiam principalmente à televisão na verdade exibiam um comportamento mais antissocial.

O que é interessante, como observou a pesquisadora Rose Turner, foi que “todas as formas de ficção não eram iguais”. Os leitores de ficção mostraram as melhores habilidades sociais. Especificamente, quando divididos por gênero, eles viram que os leitores de comédia eram os melhores em se relacionar com as pessoas. Os amantes de romance e drama eram os mais empáticos e mais habilidosos em ver as coisas através dos olhos dos outros.

Estes resultados são fascinantes (para não mencionar um impulso do ego para nós, os leitores); no entanto, eles levantam a antiga questão “galinha ou ovo”. É que ler ficção pode ajudar uma pessoa a tornar-se mais empática ou pessoas com empatia simplesmente leem mais ficção?

Talvez os telespectadores que acham que poderiam usar um pouco mais de empatia possam fazer sua própria experiência. Pegue um pouco de ficção e observe as mudanças dentro de você.

………………………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

Uruguai poderá alimentar 50 milhões de pessoas

Um médico de Nova York entra em um supermercado, vai até o setor de carnes, vê um corte de que gosta, pega o telefone celular, escaneia o código QR na embalagem e o aplicativo mostra quando o animal foi abatido, onde cresceu, que tipo de alimentação teve e até oferece um link caso queira conhecer o local onde o gado foi criado.

Esta tecnologia ainda não está disponível, mas pode ser uma realidade muito em breve, graças a programas como o Sistema Nacional de Informação de Criação de Gado, implementado pelo Uruguai. Por meio desse método, é possível conhecer com precisão cada um dos períodos de criação e processamento do animal, desde sua fazenda no campo uruguaio até um supermercado em Manhattan. Todos esses dados, incluídos em um rótulo, fazem parte da demanda crescente dos países desenvolvidos por mais conhecimento sobre a origem dos alimentos, a forma como são processados e o tratamento dado aos animais cuja carne é consumida.

50 milhões

Essa é uma oportunidade que o Uruguai quer aproveitar. Esse país, com quase três milhões de habitantes, passou de uma produção de alimentos para nove milhões de pessoas, em 2005, para suprir as necessidades de 28 milhões atualmente, e sua ambição é chegar a 50 milhões de consumidores.

O fato de as 12 milhões de vacas que pastam nos campos uruguaios terem um chip na orelha, que permite coletar todas essas informações, é um dos passos que o país deu para se transformar no que as autoridades chamam de “agrointeligente”. O ministro de Pecuária, Agricultura e Pesca do Uruguai, Tabaré Aguerre, esteve em Washington para compartilhar esta visão com vários organismos, entre eles o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Aguerre assumiu seu cargo há pouco mais de três anos e se propôs a desenvolver sua gestão sobre três eixos: “Desenvolvimento rural, com políticas diferenciadas para a agricultura familiar, tendo como chave a adaptação à mudança climática e a geração de capacidades para a gestão dos solos”.

Intensificação sustentável

Aumentar a produção explorando mais a terra e desmatando é relativamente fácil e, de fato, é o modelo seguido por outras nações. Mas fazer isso de maneira sustentável, ou seja, com pouco ou nenhum impacto para o meio ambiente, é um autêntico desafio.

“Estamos produzindo 54% mais leite sem aumentar a superfície dedicada à produção de vacas leiteiras”, explicou Aguerre, para exemplificar que é possível alcançar tal meta, fomentar o desenvolvimento e cuidar do meio ambiente, através do que qualifica como “intensificação sustentável”. Segundo explicou o ministro, no Uruguai, 63% dos produtores são “famílias”, mas eles ocupam apenas entre 15% e 20% das terras produtivas. Por isso, sua visão também inclui a participação dessas pessoas nos benefícios de desenvolvimento associados a um país agrointeligente.

“O Uruguai tem uma oportunidade de crescer no mundo, mas tem que gerar oportunidades de inserção competitiva para os produtores familiares, para que a oportunidade que o mundo nos dá seja também uma chance para que esses pequenos produtores se desenvolvam”, acrescentou.

Isso explica por que o Sistema de Informação de Criação de Gado, por exemplo, é gerido pelo Estado, de modo que todos os produtores “desde os que têm 10 vacas até os que têm 2.000 tenham acesso aos mesmos canais de comercialização”, destacou Aguerre.

Satélites contra a erosão

Em relação ao manejo dos solos, o Uruguai criou um sistema totalmente informatizado que obriga os produtores a apresentarem um plano de rotação de cultivos para manter a qualidade dos nutrientes e evitar a erosão. Por meio de imagens de satélite, os especialistas do Ministério podem detectar os lugares com maior risco de erosão e entrar em contato com o produtor responsável para que ele explique os motivos de não ter cumprido seu plano de rotação de cultivos.

Esse aspecto é fundamental no caminho rumo a um Uruguai “agrointeligente”, porque, embora chova muito no país, a maior parte da água escorre e gera erosão. A rotação de cultivos ajuda, precisamente, a diminuir esse risco e a melhorar a qualidade do solo.

Com todos esses componentes e o apoio de parceiros internacionais como o Banco Mundial, a aspiração das autoridades é que a produção agrícola se transforme em uma opção real de crescimento econômico para todos os uruguaios.

“A tecnologia de ponta a serviço dos agricultores uruguaios não beneficia só o campo, mas, além disso, cria oportunidades econômicas sustentáveis para toda a sociedade, tratando-se de consumidores ou produtores, já que de uma maneira ou de outra dependem da agricultura”, disse Jesko Hentschel, diretor do Banco Mundial no Uruguai. Para Aguerre, o objetivo em longo prazo é claro: “Que a pessoa seja produtor agropecuário porque quer e porque lhe convém economicamente, não porque nasceu no campo”, afirmou o ministro.

*Por José Basig / Colaborou Juan Miguel Carzolio

 

……………………………………………………………….
*Fonte: elpais

21 Benefícios de se viver com menos

Querer cada vez mais é um modelo quebrado. Não está funcionando. Mais posses materiais, além de um certo ponto, é apenas mais coisas que temos que gerenciar. Mais dinheiro, além de um certo ponto, não equivale, necessariamente, a mais felicidade.

É claro, “mais” nem sempre é a resposta que buscamos.

Isso nos leva a menos. Mas precisamos reduzir para uma quantidade que é o suficiente para cada indivíduo. Nem todos nós estaremos felizes com o mesmo número de coisas. Então, nós começamos a chegar na nossa própria versão de menos e depois a vivemos. Quando fazemos isso, podemos começar a experimentar alguns dos seguintes benefícios em nossas vidas.

1) Menos coisas, mais leveza
Posses materiais precisam ser gerenciadas. Elas precisam de algum lugar para serem armazenadas. Elas podem precisar de manutenção regular. Muitas coisas podem começar a nos pesar.

2) Mais escolhas e liberdade
Menos coisas e desordem em nossas vidas nos libertam. Temos mais liberdade e podemos fazer escolhas que vão de encontro com nosso estilo de vida ideal.

3) Querer menos o mais e mais
Saber quando é suficiente significa sair de um ciclo sem fim de querer sempre mais.

4) Mais contente com o que já temos
Ao escolher ficar apenas com o necessário, começamos a dar valor ao pouco que temos. Assim, ficamos felizes por ter aquelas poucas coisas para administrar e cuidar.

5) Menos arrependimento
O arrependimento é uma emoção desperdiçada e tóxica. Viver com menos em nossas vidas pode significar que temos menos motivos para sentir arrependimento.

6) Mais gratidão
Já temos muito em nossas vidas para as quais devemos agradecer. Isso pode passar se não tirarmos um tempo para criar o hábito de gratidão.

7) Menos comparação, apenas ser
Quando sabemos o que é suficiente para nós, nos preocupamos menos com a manutenção e a comparação. Nós não julgamos os outros por querer mais, mas igualmente sabemos que estamos felizes com o suficiente.

8) Mais dança para nossa própria música
Quando precisamos de menos, somos livres para seguir um caminho que nós mesmos criamos.

9) Menos complexidade
A vida pode complicar-se quando temos demais.

10) Mais simplicidade
A vida se torna mais simples quando queremos menos coisas, comparar menos e tentar manter menos.

11) Menos dívidas
Quando buscamos o menos, menos provável é que nos encontremos em dívida. Estar fora da dívida também nos dá mais liberdade de escolha e oportunidades na vida.

12) Mais economias
Gaste menos dinheiro em coisas que, realmente, não precisa pode significar mais poupanças.

13) Menos estresse
Manter o ritmo e preencher nossas vidas com mais, causa sua própria forma de estresse que, muitas vezes, pode passar despercebida.

14) Gastar com o que vale a pena
Perseguindo menos bens materiais e tendo menos compromissos em nosso dia a dia, não sendo apaixonado por querer mais, significa que temos tempo para gastar com o que temos e com pessoas que são importantes.

15) Mais espaço
Mais espaço físico, mas também mais espaço mental para respirar, refletir, focar e apenas ser.

16) Menos bens físicos
Os bens materiais que possuímos podem acabar nos possuindo se não tivermos cuidado. Seja seletivo sobre o que e quem você deixa sua vida.

17) Mais experiências de vida e aventura
Perseguir menos bens materiais deixa espaço para perseguir mais aventuras e experiências de vida.

18) Menos inveja
Quanto menos comparamos e mais temos controle em nossas vidas, deixamos a inveja de lado.

19) Mais felicidade
A redução dos bens e das coisas em nossas vidas e a compreensão do que parece ser suficiente nos leva a mais felicidade. Chegamos ao cerne do que verdadeiramente canta nossos corações e procuramos encher nossas vidas com ele.

20) Menos egoísmo
Quanto menos inclinados a comparar e focar no que não temos, mais provável é que acabemos o egoísmo de nossas vidas.

21) Mais compartilhamento e devolução
Tendo a quantidade certa em nossas vidas significa que temos mais espaço para compartilhar aos outros de alguma forma. Isso pode incluir atos de bondade e generosidade.

O dimensionamento certo do menos nos leva a termos um pouco de trabalho. É preciso algum pensamento crítico. É preciso uma grande dose de honestidade sobre o que é realmente importante para nós na vida. Pode significar reprioritização. Isso também requer um grande grau de ação e esforço.

Tentamos perseguir por mais e falhamos. Talvez seja a hora de irmos em busca do menos.

………………………………………………………………..
*Fonte: jardimdomundo

‘Puuuuuutz… Esqueci completamente!’: Ser esquecido é sinal de inteligência, aponta pesquisa

Se você é do tipo que volta e meia percebe que esqueceu-se de detalhes, histórias ou informações ao longo do dia, não se preocupe: trata-se não só de algo normal, como importante – e que faz bem para nosso cérebro e até mesmo para nossa inteligência. Quem diz não é simplesmente outro esquecido em defesa própria, mas sim cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, que realizaram um estudo sobre esquecimento que revelou que apagar certas memórias é fundamental para otimizar o funcionamento cerebral.

“É importante que o cérebro esqueça detalhes irrelevantes e se concentre em coisas que nos ajudarão a tomar decisões no mundo real”, afirmou Blake Richards, um dos cientistas por trás da pesquisa, publicada em 2018. A fim de preparar o cérebro para reflexões e decisões importantes, o próprio órgão nos ajuda a esquecer de detalhes e aspectos de eventos passados, em novas células que criam novas conexões, tornando as memórias antigas mais difíceis de serem acessadas. “Se você está tentando navegar pelo mundo e seu cérebro está constantemente trazendo memórias conflitantes à tona, fica mais difícil para você tomar uma decisão informada”, esclarece o cientista.

A pesquisa partiu de experimentos com roedores, e concluiu que hoje em dia ser esquecido pode sim ser um sinal de inteligência. Naturalmente que tal conclusão não se refere a esquecimentos profundos e constantes, capazes de atrapalhar nosso funcionamento diário – nesses casos uma ajuda médica é fundamental. E para “limpar” o cérebro para novas conexões, Richards recomenda algo tão simples quanto uma lembrança recente: exercícios físicos. “Sabemos que o exercício aumenta o número de neurônios no hipocampo. Isso pode fazer com que algumas lembranças se percam, mas são exatamente aqueles detalhes de sua vida que realmente não importam, e que podem te impedir de tomar boas decisões”, explica.

*Por Vitor Paiva

………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

7 maneiras de acabar com qualquer argumento rapidamente

Há quem acredite que quando duas pessoas se amam, esse relacionamento não vai ter momentos difíceis na qual os dois brigarão e surgirão argumentos. Infelizmente, isso não é verdade. O fato é que, passar seus dias com outra pessoa, nunca é uma tarefa fácil e discussões e conflitos são coisas que acontecem naturalmente.

A verdade é que o amor traz intensidade em praticamente todos os sentimentos. E entender o porquê das brigas acontecerem pode ajudar o casal a evitá-las e saber o que fazer quando elas surgirem. Estar junto com uma pessoa pode ser uma das coisas mais maravilhosas do mundo, mas desde que lembrando que nada é perfeito. Muitos casais brigam frequentemente, arrumam confusão por coisas desnecessárias e às vezes acabam falando coisas que não deveriam. É preciso ter muita paciência e compreensão para conseguir viver com uma pessoa e não brigar com ela.

Mas também para um relacionamento ser bom, ele precisa de algumas discussões. Quem foi que disse que um relacionamento perfeito não tem brigas? Não que isso precise ser uma regra universal, mas todo relacionamento tem suas desavenças, e às vezes, é até necessário. Pode ser que uma briguinha até faça bem, principalmente para matar aquela saudade gostosa na reconciliação.

O que não se pode deixar acontecer, ou pelo menos deve-se tentar evitar, é que esses argumentos entre as duas partes durem muito. O prolongamento de uma discussão pode levar a um resultado bastante ruim. Por isso, resolvemos mostrar aqui como resolver conflitos para que nenhuma das partes se arrependa depois das coisas que foram ditas.

1 – Não critique

Críticas em geral já não são muito bem vistas, ainda mais se elas não tiverem nenhum propósito construtivo. E criticar a personalidade do seu parceiro, irá apenas deixar a situação ainda pior. Não insulte o seu parceiro, ao invés disso, fale a ele das coisas que te incomodam.

2 – Não desconsidere sentimentos

Guardar coisas para nós mesmos sempre é ruim. A outra pessoa não é capaz de adivinhar o que você está sentindo se não for falado a ela. Então, fale com seu parceiro sobre os seus sentimentos e mostre também interesse em saber como ele está emocionalmente.

3 – Não crie paranoias

Nossa mente é capaz de criar os mais variados cenários, que muitas das vezes podem não ser o cenário real. Acreditar que o seu parceiro está mais feliz quando está longe de você, não é um comportamento saudável. Além de poder desencadear uma briga futuramente. É sempre bom esclarecer com o parceiro as suas dúvidas.

4 – Não se sinta superior

Em uma relação, é preciso entender que vocês estão no mesmo barco e caminhando juntos. Nenhum está acima do outro ou é mais importante que o outro. Se você se demonstrar superior ao seu parceiro, ele não se sentirá bom o suficiente para você. Trabalhem na solução do problema em conjunto.

5 – Não procure culpar alguém

Em uma briga ou situação que não está boa, sempre procuramos alguém para culpar. Mas debater quem é culpado é uma coisa desnecessária, visto que a situação já aconteceu. Gaste seu tempo procurando soluções para sair daquela situação ruim e não tentando achar como você chegou nela.

6 – Não reviva brigas

Na hora da briga, uma das piores coisas a se fazer é trazer de volta brigas antigas, As situações do passado não mudarão, elas só trarão mais uma discussão à tona. O melhor a se fazer é se discutir o que está incomodando no momento. E depois que ela for resolvida, não retome a discussão.

7 – Outro ponto de vista

Toda a história tem dois lados, dois pontos de vista. São duas pessoas envolvidas no relacionamento e ter uma flexibilidade é melhor na hora da discussão. Os argumentos virão dos dois lados e saber ponderá-los é o que vai fazer a discussão ir embora mais rápido.

*Por Bruno Dias

 

……………………………………………………………
*Fonte: fatosdesconhecidos

Designer cria embalagens biodegradáveis usando algas

Enquanto campanhas conscientizam a população sobre os males dos plásticos, profissionais de diversas áreas pensam em soluções ecológicas para substituí-los. Neste sentido, um dos projetos que ganhou destaque nos últimos dias foi o da designer Margarita Talep que desenvolveu um novo material no Chile cuja principal matéria-prima é a alga. A solução foi pensada, principalmente, para embalar produtos alimentícios.

Um polímero, um plastificante e um aditivo compõem a mistura. A combinação de soluções depende da consistência do produto final que deseja obter. Basicamente, ela usa agar, uma substância gelatinosa proveniente de algas marinhas, que é aquecida, a cerca de 80 graus Celsius, adiciona-se água e corantes naturais: beterraba, cenoura e repolho roxo são alguns dos vegetais usados. Após a mistura ser aquecida, ela é resfriada e pode ser moldada. Para fechar a embalagem, nada de cola, ele é melhor selado com calor.

Usando a técnica, Margarita tem feito diversas experimentações. Já criou um estojo para canetas, cartão de visita e até uma forminha para biscoitos. Mas, das coisas que mais impressionam estão o biocelofane, que é praticamente idêntico aos sacos de celofane comuns, e o recipiente criado para petiscos. “Este recipiente terá uma vida útil de 5 a 15 minutos, depois será descartado e completamente decomposto dentro de dois meses”, afirma a designer no Instagram de sua marca Desintegra Me. Aliás, a versatilidade de soluções que ela tem criado, dos mais rígidos aos mais flexíveis, pode ser acompanhada por lá.

*Por Marcia Sousa

 

 

…………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Quando David Bowie criou uma lista de suas canções favoritas de David Bowie

Em 2008, David Bowie criou uma coletânea que reuniu 12 de suas canções favoritas de seu extenso catálogo.

Inicialmente, o CD foi lançado como uma coleção de favoritos pessoais e foi disponibilizado exclusivamente como um presente gratuito com uma edição do The Mail on Sunday. No entanto, devido à demanda popular, o jornal rapidamente esgotou e o CD se tornou um item de colecionador.

Com os fãs de Bowie nos EUA decepcionados com a impossibilidade de colocar as mãos no disco, a Virgin / EMI lançou o CD em formato idêntico ao que apareceu no The Mail on Sunday. A diferença, no entanto, foi que foi lançado com um livreto que continha comentários de música por música que originalmente apareciam no jornal. Além disso, o lançamento nos EUA e no Canadá foi incluído em uma embalagem padrão.

Nos últimos anos, em 2015, para ser específico, uma versão em vinil vermelho de edição limitada foi lançado para celebrar a abertura da exposição David Bowie Is, que mostrou na Philharmonie de Paris, na França.

A compilação se tornou um grande sucesso entre os fãs porque Bowie decidiu evitar a maioria de seus sucessos mais populares. Na verdade, Bowie incluiu apenas três singles oficiais; “Life on Mars?”, “Loving the Alien” e “Time Will Crawl”. Além disso, o último foi uma versão remixada pelo engenheiro Mario J. McNulty, que contou com várias partes recém-gravadas.

Em outro lugar, Bowie escolheu incluir a raridade “Some Are”, uma música que se tornou indisponível depois que ele a retirou do 11º álbum de estúdio Low.

David Bowie’s favourite David Bowie songs:

1. ‘Life On Mars?’ (from the album Hunky Dory)
2. ‘Sweet Thing/Candidate/Sweet Thing’ (from the album Diamond Dogs)
3. ‘The Bewlay Brothers’ (from the album Hunky Dory)
4. ‘Lady Grinning Soul’ (from the album Aladdin Sane)
5. ‘Win’ (from the album Young Americans)
6. ‘Some Are’ (currently exclusive to this compilation)
7. ‘Teenage Wildlife’ (from the album Scary Monsters)
8. ‘Repetition’ (from the album Lodger)
9. ‘Fantastic Voyage’ (from the album Lodger)
10. ‘Loving The Alien’ (from the album Tonight)
11. ‘Time Will Crawl (MM Remix)’ (new remix by David Bowie)
12. ‘Hang On To Yourself [live]’ (from the album Live Santa Monica ’72)

………………………………………………………………….
*Fonte: faroutmagazine

Como você é espionado por seu celular Android sem saber

Um estudo envolvendo mais de 1.700 aparelhos de 214 fabricantes revela os sofisticados modos de rastreamento do software pré-instalado neste ecossistema.

Um usuário compra um celular Android novo. Tanto faz a marca. Abre a caixa, aperta o botão de ligar, o celular se conecta à Internet e, sem fazer nada mais, ele acaba de iniciar a mais sofisticada máquina de vigilância da sua rotina.

Não importa se você vai baixar o Facebook, ativar sua conta do Google ou dar todas as permissões de acesso a qualquer aplicativo esquisito de lanterna ou antivírus. Antes de executar qualquer ação, seu celular novo já começou a compartilhar detalhes da sua vida. O software pré-instalado de fábrica é o recurso mais perfeito desse celular para saber sua atividade futura: onde está, o que ele baixa, quais mensagens manda, que arquivos de música guarda.

“Os aplicativos pré-instalados são a manifestação de outro fenômeno: acordos entre atores (fabricantes, comerciantes de dados, operadoras, anunciantes) para, em princípio, agregar valor, mas também para fins comerciais. O elemento mais grave nisso é a escala: falamos de centenas de milhões ou de bilhões de telefones Android”, diz Juan Tapiador, professor da Universidade Carlos III e um dos autores, junto com Narseo Vallina-Rodríguez, do IMDEA Networks e do ICSI (Universidade de Berkeley), da investigação que revela esse submundo. Os celulares Android representam mais de 80% do mercado global.

O elemento mais grave nisso é a escala: falamos de centenas de milhões ou de bilhões de telefones Android

Juan Tapiador, professor

O novo estudo comandado pelos dois acadêmicos espanhóis revela a profundidade do abismo. Nenhuma das conclusões é radicalmente nova por si só: já se sabia que os celulares andam no limite das autorizações de uso na hora de colher e compartilhar dados. A novidade da função dos aplicativos pré-instalados está em sua extensão, falta de transparência e posição privilegiada dentro do celular: foram analisados 1.742 celulares de 214 fabricantes em 130 países.

“Até agora as pesquisas sobre os riscos de privacidade em celulares se centravam em aplicativos que estão listados no Google Play ou em amostras de malware”, diz Vallina. Desta vez, foram analisados os softwares que os celulares trazem de série, e a situação parece fora de controle. Devido à complexidade do ecossistema, as garantias de privacidade da plataforma Android podem estar em xeque.

O artigo, que será publicado oficialmente em 1º de abril e ao qual o EL PAÍS teve acesso, já foi aceito por uma das principais conferências de segurança cibernética e privacidade do mundo, o IEEE Symposium on Security & Privacy, da Califórnia.

Nossa informação pessoal é enviada a uma ampla rede de destinos, que muda segundo o celular, e alguns são polêmicos: para servidores do fabricante do celular, para empresas habitualmente acusadas de espionar nossas vidas —Facebook, Google— e para um obscuro mundo que vai de corporações a start-ups que reúnem a informação pessoal de cada um, empacotam-na com um identificador vinculado ao nosso nome e a vendem a quem pagar bem.

Nossa informação pessoal é enviada a uma ampla rede de destinos, alguns deles polêmicos

Ninguém até agora havia se debruçado sobre este abismo para fazer uma investigação dessa magnitude. Os pesquisadores criaram o aplicativo Firmware Scanner, que recolhia o software pré-instalado dos usuários voluntários que o baixavam. Mais de 1.700 aparelhos foram analisados nesse estudo, mas o aplicativo está instalado em mais de 8.000. O código aberto do sistema operacional Android permite que qualquer fabricante tenha sua versão, junto com seus apps pré-instalados. Um celular pode ter mais de 100 aplicativos pré-instalados e outras centenas de bibliotecas, que são serviços de terceiros incluídos em seu código, muitos deles especializados em vigilância do usuário e publicidade.

Ao todo, um panorama internacional de centenas de milhares de aplicativos com funções comuns, duvidosas, desconhecidas, perigosas ou potencialmente delitivas. Essa quase perfeita definição do termo caos levou os pesquisadores a mais de um ano de exploração. O resultado é só um primeiro olhar para o precipício da vigilância maciça de nossos celulares Android sem conhecimento do usuário.

Mais de um fabricante

Um celular Android não é produto apenas do seu fabricante. A afirmação é surpreendente, mas na cadeia de produção participam várias empresas: o chip é de uma marca, as atualizações do sistema operacional podem estar terceirizadas, as operadoras de telefonia e as grandes redes de varejo que vendem celulares acrescentam seu próprio software. Os atores que participam da fabricação de um celular vão muito além do nome que aparece na caixa. É impossível determinar o controle definitivo de todo o software lá colocado, e quem tem acesso privilegiado aos dados do usuário.

O resultado é um ecossistema descontrolado, onde atualmente ninguém é capaz de assumir a responsabilidade do que ocorre com nossa informação mais íntima. O Google criou a plataforma a partir de código livre, mas agora ele é de todos. E o que é de todos não é de ninguém: “O mundo Android é muito selvagem, é como um faroeste, especialmente em países com escassa regulação de proteção de dados pessoais”, diz Tapiador.

“Não há nenhum tipo de supervisão sobre o que se importa e comercializa em termos de software (e em grande medida de hardware) dentro da União Europeia”, diz Vallina. O resultado? Um caos, onde cada versão de nossos celulares Android conversa com sua base desde o primeiro dia, sem interrupção, para lhe contar o que fazemos. O problema não é só o que contam sobre nós, mas que o dono do celular não controle a quem dá permissões.

O jardim fechado do Google Play

As empresas que reúnem dados de usuários para, por exemplo, criar perfis para anunciantes já têm acesso aos dados do usuário através dos aplicativos normais do Google Play. Então que interesse um comerciante de dados tem em chegar a acordos com fabricantes para participar do software pré-instalado?

Imaginemos que nossos dados estão dentro de uma casa de vários andares. Os aplicativos do Google Play são janelas que abrimos e fechamos: às vezes deixamos os dados sair, e às vezes não. Depende da vigilância de cada usuário e das autorizações concedidas. Mas o que esse usuário não sabe é que os celulares Android vêm com a porta da rua escancarada. Tanto faz o que você fizer com as janelas.

O software pré-instalado está sempre lá, acompanha o celular para cima e para baixo, e além do mais não pode ser apagado sem rootear o dispositivo – romper a proteção oferecida do sistema para fazer o que quiser com ele, algo que não está ao alcance de usuários comuns.

Esse usuário não sabe que os celulares Android vêm com a porta da rua escancarada

Os aplicativos que o usuário baixa do Google Play dão a opção de ver as permissões concedidas: autoriza seu novo jogo gratuito a acessar seu microfone? Permite que seu novo app acesse a sua localização para ter melhor produtividade? Se nos parecerem permissões demais, podemos cancelá-las. Os aplicativos que o Google fiscaliza têm seus termos de serviço e devem pedir uma autorização explícita para executar ações.

O usuário, embora não repare ou não tenha outro remédio, é o responsável final por suas decisões. Ele está autorizando alguém a acessar seus contatos. Mas os aplicativos pré-instaladas já estão lá. Vivem por baixo dos aplicativos indexados na loja, sem permissões claras ou, em muitos casos, com as mesmas permissões que o sistema operacional – quer dizer, todas. “O Google Play é um jardim fechado com seus policiais, mas 91% dos aplicativos pré-instalados que vimos não estão no Google Play”, diz Tapiador. Fora do Google Play ninguém vigia em detalhe o que acaba dentro de um celular.

Dois problemas agregados

O software pré-instalado tem outros dois problemas agregados: fica junto do sistema operacional, que tem acesso a todas as funções de um celular, e, dois, esses aplicativos podem ser atualizados e podem mudar.

O sistema operacional é o cérebro do celular. Sempre tem acesso a tudo. Independe que o aplicativo esteja acionado ou que o usuário possa apagá-la. Estará sempre lá e, além disso, é atualizado. Por que as atualizações são importantes? Aqui vai um exemplo: um fabricante autorizou uma empresa a colocar no celular um código que comprove algo inócuo. Mas esse código pode ser atualizado e, dois meses depois, ou quando a empresa souber que o usuário vive em tal país e trabalha em tal lugar, mandar uma atualização para fazer outras coisas. Quais? Qualquer coisa: gravar conversas, tirar fotos, olhar mensagens…

Os aplicativos pré-instaladas são fáceis de atualizar por seu criador: se muda o país ou as intenções de quem colocou lá um sistema de rastreamento, manda-se um novo software com novas ordens. O proprietário de seu celular não pode impedi-lo e nem sequer lhe pedem permissões específicas: atualiza-se o seu sistema operacional.

Essa informação às vezes é descomunal: características técnicas do telefone, identificadores únicos, localização, contatos, mensagens e e-mails

Juan Tapiador, professor

“Alguns desses aplicativos ligam para casa pedindo instruções e mandam informação sobre onde estão instalados. Essa informação às vezes é descomunal: relatórios extensos com características técnicas do telefone, identificadores únicos, localização, contatos na agenda, mensagens e e-mails. Tudo isso é reunido num servidor, e é tomada uma decisão sobre o que fazer com esse celular. Por exemplo, segundo o país no qual se encontre, o software pode decidir instalar um ou outro aplicativo, ou promover determinados anúncios. Verificamos isso analisando o código e o comportamento dos aplicativos”, diz Tapiador.

O servidor que recebe a informação inclui desde o fabricante, uma rede social que vende publicidade, um desconhecido comerciante de dados ou um obscuro endereço IP que ninguém sabe a quem pertence.

Um perigo é que esses obscuros aplicativos pré-instalados usam as permissões personalizadas (custom permissions) para expor informação a aplicativos da Play Store. As permissões personalizadas são uma ferramenta que o Android oferece aos desenvolvedores de software para que os aplicativos compartilhem dados entre si. Por exemplo, se um operador ou um serviço de banco tem várias, é plausível que possam falar entre si e compartilhar dados. Mas às vezes não é simples verificar quais dados algumas peças desse software compartilham.

Dentro de um celular novo há por exemplo um aplicativo pré-instalado que tem acesso a câmera, aos contatos e ao microfone. Esse aplicativo foi programado por um sujeito chamado Wang Sánchez e tem um certificado com sua chave pública e sua assinatura. Aparentemente é legítima, mas ninguém comprova que o certificado de Wang Sánchez seja real. Esse aplicativo está sempre ligado, capta a localização, ativa o microfone e conserva as gravações. Mas não manda isso a nenhum servidor, porque o aplicativo de Wang Sánchez não tem permissão para enviar nada pela Internet. O que ele faz é declarar uma permissão personalizada que regula o acesso a esses dados: quem tiver essa permissão poderá obtê-los.

Aí um dia o proprietário desse celular vai à Google Play Store e encontra um aplicativo esportivo magnífico. Que permissões oficiais lhe pedem? Só acessar a Internet, o que é perfeitamente comum entre aplicativos. E também pede a permissão personalizada do aplicativo de Wang Sánchez. Mas você não percebe, porque estas permissões não são mostradas ao usuário. Então, a primeira coisa que o app esportivo recém-chegado dirá ao pré-instalado é: “Ah, você mora aqui? Me dá acesso ao microfone e à câmera?”. Era aparentemente um app sem risco, mas as complexidades do sistema de permissões tornam possíveis situações desse tipo.

Os Governos e a indústria há anos conhecem esse emaranhado. As agências federais dos Estados Unidos pedem seus celulares com sistemas operacionais livres deste software pré-instalado e adaptados às suas necessidades. E os cidadãos? Que se virem. Seus dados não são tão secretos como os de um ministério.

“Exercer controle regulatório sobre todas as versões possíveis do Android do mercado é quase impraticável. Exigiria uma análise muito extensa e custosa”, explica Vallina. Esse caos lá fora permite que sofisticadas máquinas de vigilância maciça vivam em nossos bolsos.

Os autores dos aplicativos

Os autores desses aplicativos são um dos grandes mistérios do Android. A investigação encontrou um panorama similar ao submundo da Dark Web: há, por exemplo, aplicativos assinados por alguém que diz ser “o Google”, mas não tem jeito de sê-lo. “A atribuição aos atores foi feita quase manualmente em função do vendedor no qual se encontram, quem as assina e se têm, por exemplo, alguma cadeia que identifique alguma biblioteca ou fabricante conhecido”, diz Vallina. O resultado é que há muitas que mandam informação aceitável a fabricantes ou grandes empresas, mas muitas outras se escondem detrás de nomes enganosos ou falsos.

Essa informação é facilmente vinculada a um número de telefone ou dados pessoais como nomes e sobrenomes, não a números identificativos tratados de forma anônima. O telefone sabe quem é o seu dono. O chip e dúzias de aplicativos vinculados ao e-mail ou à sua conta em redes sociais revelam facilmente a origem dos dados.

*Por Jordi Pérez Colomé

 

………………………………………………………………..
*Fonte: elpais-brasil

A Verdade Nua e Crua

A pintura “A Verdade saindo do Poço” (1896), mostrada abaixo, é de autoria de Jean-Léon Gérôme, escultor e pintor francês, e está ligada a uma parábola do século XIX.

Segundo essa parábola, a Verdade e a Mentira se encontram um dia. A Mentira diz à Verdade: “Hoje é um dia maravilhoso!” A Verdade olha para os céus e suspira, pois o dia era realmente lindo. Elas passaram muito tempo juntas, chegando finalmente ao lado de um poço. A Mentira diz à Verdade: “A água está muito boa, vamos tomar um banho juntas!” A Verdade, mais uma vez desconfiada, testa a água e descobre que realmente está muito gostosa. Elas se despiram e começaram a tomar banho. De repente, a Mentira sai da água, veste as roupas da Verdade e foge.

A Verdade, furiosa, sai do poço e corre para encontrar a Mentira e pegar suas roupas de volta.
O Mundo, vendo a Verdade nua, desvia o olhar, com desprezo e raiva.
A pobre Verdade volta ao poço e desaparece para sempre, escondendo nele sua vergonha.

Desde então, a Mentira viaja ao redor do Mundo, vestida como a Verdade, satisfazendo as necessidades da sociedade, porque, em todo caso, o Mundo não nutre nenhum desejo de encontrar a Verdade nua.”

5 Substâncias incrivelmente caras

Existem substâncias que são caras. Quando se pensa em “substância cara, certamente sua mente apontará para diamantes, rubis, ouro, talvez até platina, certo? Pois aqui está um post com mais algumas substâncias muito, muito caras. Muitas delas são raras e outras chegam a cifras que o dindim não pode comprar.

1- Taaffeite

Taaffeite é um mineral muito raro usado exclusivamente como uma pedra preciosa. Ele foi nomeado após seu descobridor, o conde Richard Taaffe. Ele encontrou esse material em 1945 no meio de um lote de pedras preciosas que havia comprado. Richard desconfiou da pedra e percebeu que estava diante de algo único. De fato, estava. O custo do Taaffeite hoje varia de 2,5 a 20 mil dólares por grama.

2- Trítio

O trítio é um hidrogênio muito pesado, descoberto em 1934. Na natureza, quase nunca ocorre. É usado como um indicador de isótopo, uma fonte de luz radioluminescente para relógios e instrumentos, bem como para a fabricação de armas nucleares. De 1955 a 1996, cerca de 225 kg foram produzidos nos EUA. O custo de um grama de trítio é de 30.000 dólares. Acredita-se que a Lua contenha a maior reserva de trítio conhecida próximo à Terra. O maior empecilho para a produção de fusão nuclear a partir do trítio é que este isótopo de hidrogênio é muito raro na Terra, por isso uma das grandes chaves para a mineração na lua é achar depósitos do Trítio por lá. O Trítio é interessante porque ele emite radiação do tipo beta. Como o núcleo apresenta três núcleos que participam na interação forte e, somente um próton carregado eletricamente, o trítio pode liberar uma grande quantidade de energia ao realizar a fusão nuclear, e pode fazê-lo mais facilmente que os outros isótopos mais comuns do hidrogênio. Assim, o trítio poderá ser utilizado (no futuro) para a produção de energia em grande quantidade, o que seria decisivo para uma revolução tecnológica na Terra. Enquanto isso não acontece, pague 30.000 verdinhas por grama.
É comum encontrar chaveirinhos de “gás de trítio” que ficam nada menos que 25 anos emitindo luminescência. (Não, ele não dá câncer.)
Pensando aqui, talvez seja por uma grande quantidade de trítio no sangue do Predador que explique por que ele brilha no escuro…

3- Califórnio 252

Imagina que cena louca: Vc recebe uma herança do seu tio cientista, ex-pesquisador da Area 51, que morreu de câncer no cérebro. Um belo dia, vc vai ate o cofre pegar sua herança e lá só tem uma merda duma bolinha do tamanho da cabeça dum alfinete dentro duma caixa de anel.

Se for uma bolota de Califórnio 252, vc se deu bem, meu chapa! (ou não, na medida que dar de cara com essa bolinha significa reencontrar seu tio em breve) Porque um miligrama emite espontaneamente 170 milhões de nêutrons por minuto.

Califórnio 252 é um elemento radioativo químico artificialmente sintetizado. É produzido apenas na Rússia (NIIAR em Dimitrovgrad) e nos EUA (Oak Ridge National Laboratory). Ao que parece ele é usado em radioterapia. Este elemento foi nomeado em homenagem ao estado americano da Califórnia e a Universidade da Califórnia. O custo desse treco por grama é de US $ 27 milhões!

4- Amerício

Ainda na categoria das bolinhas ingratas que valem fortunas, está o amerício. Com esse nome estranho ele é um metal de transplutônio, artificialmente desenvolvido usado em instrumentos de medição e pesquisa. O metal é prateado na cor branca, dúctil e maleável. Brilha no escuro. como já mencionei, ele é altamente tóxico, uma intensa emissão de raios gama. O custo de um grama de amerício é de 56 milhões de dólares.

 

 

 

 

 

 

5- Antimatéria

Antimatéria é qualquer substância que consiste em antipartículas que podem ser criadas artificialmente em aceleradores, apenas no CERN (Genebra, Suíça), Fermi Laboratories (EUA), no Centro de Pesquisa Nuclear (Dubna, Rússia). O custo de um grama dessa substância foi estimada em US $ 62,5 trilhões no ano de 1992.

*Por Philipe Kling David

…………………………………………………………….
*Fonte: mundogump

BMW diz que motores a diesel sobreviverão mais 20 anos e motores a gasolina 30

Apesar de ter revelado recentemente uma visão para um futuro mais sustentável de carros elétricos híbridos com seu conceito ‘Vision M Next’, a BMW diz que continuará investindo pesadamente em motores de combustão interna para o futuro próximo.

O fabricante de automóveis seguirá as tendências do mercado como parte de uma estratégia que os leva a eliminar gradualmente os motores a diesel nos próximos 20 anos, e os motores a gasolina nos próximos 30 anos.

A estrutura e a demanda, segundo a BMW, não estão no lugar para poder mudar drasticamente o mercado para veículos híbridos e 100% elétricos.

“Vemos áreas sem uma infra-estrutura de recarga como a Rússia, o Oriente Médio e a parte ocidental da China, então eles contarão com motores a gasolina por mais 10 a 15 anos”, disse Klaus Froelich, membro do conselho de desenvolvimento do BMW Group.

As previsões de mercado apontam para o aumento das vendas de eletricidade, mas ainda há um longo caminho a percorrer antes que os VEs comecem a criar a maior parte do tráfego nas nossas estradas: “Uma melhor suposição de 30% das vendas eletrificadas (veículos elétricos a bateria e híbridos plug-in) até 2025 significa que pelo menos 80% dos nossos veículos terão um motor de combustão interna”, continuou Froelich.

A BMW espera que os carros a diesel sobrevivam pelo menos mais 20 anos e os motores a gasolina pelo menos 30 anos, disse Froelich. Ele também afirmou que, embora seja, naturalmente, parte de seus planos, “a mudança para a eletrificação é exagerada”.

Planos de curto prazo

A fim de cumprir com os rígidos regulamentos de emissões da Europa, a BMW terá que eliminar determinados tipos de motores.

Para carros a diesel, a montadora deixará de fabricar sua unidade de três cilindros de 1,5 litro, oferecida apenas na Europa, já que é muito caro adaptá-la para atender às regulamentações.

O diesel de seis cilindros e 400 cavalos da BMW, não será substituído, já que seus quatro turbo-compressores dificultam muito a reprojetar, disse Froelich.

O fabricante de carros continuará desenvolvendo motores a diesel de quatro e seis cilindros, embora eles não tenham mais de três turbos.

Finalmente, para motores a gasolina, o motor V-12 de doze cilindros deverá ser eliminado em breve. “A cada ano, temos que investir para atualizar o V-12 para novas regulamentações de emissões, particularmente na China”, disse Froelich.

À medida que a BMW se adapta aos novos regulamentos e a um futuro de carros híbridos e elétricos, bem como autônomos, eles terão que mudar a potência do motor. No entanto, esta será uma mudança gradual que leva anos, em vez de uma que acontece do dia pra noite.

*Por Ademilson Ramos

 

……………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Entenda o ‘Grande Eclipse Solar Sul-Americano’, que acontece nesta terça

Quando a Terra e o Sol se alinham e a Lua está no meio dos dois ocorre um eclipse solar. Ele pode ser de três tipos: total (quando a lua encobre totalmente a luz solar), parcial (apenas uma parte da iluminação é encoberta pela Lua) e anelar, quando a distância entre os astros faz a Lua parar na frente do Sol, mas encobrindo apenas o centro, assim formando um anel de luz em torno da sombra da Lua que cobre o Sol. Confuso? O gif abaixo dá uma ajudinha.

Apesar de serem fenômenos curiosos – que podem “transformar o dia em noite” por alguns minutos – eles não são raros: os eclipses solares totais, por exemplo, ocorrem a cada 18 meses.

No entanto, o que torna a observação do breve desaparecimento do Sol tão emocionante é que ela só é visível para aqueles que estão diretamente no caminho da chamada umbra da Lua, ou seja, a parte mais escura da sombra de dentro da qual todo o disco do Sol é obscurecido.

O território total capaz de estar dentro “umbra” a cada eclipse não é muito grande – são áreas entre 150 quilômetros e 250 quilômetros de extensão que conseguem enxergar o fenômeno de cada vez. Apenas uma pequena porcentagem do hemisfério iluminado pela Terra é capaz de aproveitar a experiência ao vivo.

Além disso, a observação de um em tempo real é uma oportunidade genuinamente única na vida. Afinal, ainda que não sejam incomuns, eclipses solares totais ocorrem no mesmo local específico, em média, a cada 300 anos.

Em 21 de agosto de 2017, milhares de pessoas de todo o mundo testemunharam o “Grande Eclipse Solar Americano”, o primeiro eclipse solar total visto dos Estados Unidos desde 11 de janeiro de 1880.

Agora é a nossa vez: dia 2 de julho acontecerá o “O Grande Eclipse Solar Sul-Americano”, já que o estreito caminho do eclipse se estenderá pelo Pacífico Sul, começando em La Serena, no Chile, e encerrando em Buenos Aires, Argentina. Apenas esses 2 países conseguirão ter a visão total do eclipse – mas um eclipse parcial também será visível no Uruguai, Paraguai, Equador e Brasil. Neste mapa interativo, você consegue ver toda a região onde o eclipse vai aparecer.

Outra vantagem é que dois grandes observatórios – o Observatório Interamericano de Cerro Tololo e o Observatório de La Silla – estão diretamente no caminho da umbra. Os poderosos telescópios, posicionados nas áreas remotas conhecidas por seus céus claros no Chile, vão capturar o fenômeno impressionante ao vivo e transmiti-lo para centenas de países e milhões de pessoas em todo o mundo.

Aqui em terras tupiniquins, quase todo o país poderá ver pedaços do eclipse – dependendo da cidade, poderemos ver de 9% a 60% de ocultação do sol. O Nordeste será a única região que não conseguirá ver o fenômeno, pois o eclipse começará em um horário em que já estará escuro na região.

No Brasil, o espetáculo começa em algumas cidades por volta das 17h, com o pico do eclipse acontecendo às 17h49 no horário de Brasília. Neste site você pode pesquisar como o eclipse aparecerá na sua cidade (basta colocar sua cidade no campo de busca em que está escrito “place or country…”).

Se você estiver entre os poucos sortudos no caminho do “Grande Eclipse Solar Sul-Americano”, use óculos especiais para proteger os olhos da radiação ultravioleta, que pode resultar em danos permanentes – e até mesmo cegueira.

Para aqueles que não estão no caminho do eclipse solar, um consolo: entre 16 de julho e 17 de julho de 2019, uma grande parte do mundo – incluindo a América do Sul, Europa, África, Ásia e Austrália – verá um eclipse lunar parcial, ou uma espetacular “lua de sangue”. O jeito vai ser se conformar com esse, porque outro eclipse solar da magnitude do dia 2 só acontecerá de novo em 2103.

*Por Ingrid Luisa

 

………………………………………………………………….
*Fonte: superinteressante

O “alarmante” uso de agrotóxicos no Brasil atinge 70% dos alimentos

Imagine tomar um galão de cinco litros de veneno a cada ano. É o que os brasileiros consomem de agrotóxico anualmente, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). “Os dados sobre o consumo dessas substâncias no Brasil são alarmantes”, disse Karen Friedrich, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Desde 2008, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de consumo de agrotóxicos. Enquanto nos últimos dez anos o mercado mundial desse setor cresceu 93%, no Brasil, esse crescimento foi de 190%, de acordo com dados divulgados pela Anvisa. Segundo o Dossiê Abrasco – um alerta sobre o impacto dos agrotóxicos na saúde, publicado nesta terça-feira no Rio de Janeiro, 70% dos alimentos in natura consumidos no país estão contaminados por agrotóxicos. Desses, segundo a Anvisa, 28% contêm substâncias não autorizadas. “Isso sem contar os alimentos processados, que são feitos a partir de grãos geneticamente modificados e cheios dessas substâncias químicas”, diz Friederich. De acordo com ela, mais da metade dos agrotóxicos usados no Brasil hoje são banidos em países da União Europeia e nos Estados Unidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre os países em desenvolvimento, os agrotóxicos causam, anualmente, 70.000 intoxicações agudas e crônicas.

O uso dessas substâncias está altamente associado à incidência de doenças como o câncer e outras genéticas. Por causa da gravidade do problema, na semana passada, o Ministério Público Federal enviou um documento à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendando que seja concluída com urgência a reavaliação toxicológica de uma substância chamada glifosato e que a agência determine o banimento desse herbicida no mercado nacional. Essa mesma substância acaba de ser associada ao surgimento de câncer, segundo um estudo publicado em março deste ano pela Organização Mundial da Saúde (OMS) juntamente com o Inca e a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). Ao mesmo tempo, o glifosato foi o ingrediente mais vendido em 2013 segundo os dados mais recentes do Ibama.

Em resposta ao pedido do Ministério Público, a Anvisa diz que em 2008 já havia determinado a reavaliação do uso do glifosato e outras substâncias, impulsionada pelas pesquisas que as associam à incidência de doenças na população. Em nota, a Agência diz que naquele ano firmou um contrato com a Fiocruz para elaborar as notas técnicas para cada um dos ingredientes – 14, no total. A partir dessas notas, foi estabelecida uma ordem de análise dos ingredientes “de acordo com os indícios de toxicidade apontados pela Fiocruz e conforme a capacidade técnica da Agência”.

Enquanto isso, essas substâncias são vendidas e usadas livremente no Brasil. O 24D, por exemplo, é um dos ingredientes do chamado ‘agente laranja’, que foi pulverizado pelos Estados Unidos durante a Guerra do Vietnã, e que deixou sequelas em uma geração de crianças que, ainda hoje, nascem deformadas, sem braços e pernas. Essa substância tem seu uso permitido no Brasil e está sendo reavaliada pela Anvisa desde 2006. Ou seja, faz quase dez anos que ela está em análise inconclusa.

O que a Justiça pede é que os ingredientes que estejam sendo revistos tenham o seu uso e comércio suspensos até que os estudos sejam concluídos. Mas, embora comprovadamente perigosos, existe uma barreira forte que protege a suspensão do uso dessas substâncias no Brasil. “O apelo econômico no Brasil é muito grande”, diz Friedrich. “Há uma pressão muito forte da bancada ruralista e da indústria do agrotóxico também”. Fontes no Ministério Público disseram ao EL PAÍS que, ainda que a Justiça determine a suspensão desses ingredientes, eles só saem de circulação depois que os fabricantes esgotam os estoques.

O consumo de alimentos orgânicos, que não levam nenhum tipo de agrotóxico em seu cultivo, é uma alternativa para se proteger dos agrotóxicos. Porém, ela ainda é pouco acessível à maioria da população. Em média 30% mais caros, esses alimentos não estão disponíveis em todos os lugares. O produtor Rodrigo Valdetaro Bittencourt explica que o maior obstáculo para o cultivo desses alimentos livres de agrotóxicos é encontrar mão de obra. “Não é preciso nenhum maquinário ou acessórios caros, mas é preciso ter gente para mexer na terra”, diz. Ele cultiva verduras e legumes em seu sítio em Juquitiba, na Grande São Paulo, com o irmão e a mãe. Segundo ele, vale a pena gastar um pouco mais para comprar esses alimentos, principalmente pelos ganhos em saúde. “O que você gasta a mais com os orgânicos, você vai economizar na farmácia em remédios”, diz. Para ele, porém, a popularização desses alimentos e a acessibilidade ainda levarão uns 20 anos de briga para se equiparar aos produtos produzidos hoje com agrotóxico.

Bittencourt vende seus alimentos ao lado de outras três barracas no Largo da Batata, zona oeste da cidade, às quartas-feiras. Para participar desse tipo de feira, é preciso se inscrever junto à Prefeitura e apresentar todas as documentações necessárias que comprovem a origem do produto. Segundo Bittencourt, há uma fiscalização, que esporadicamente aparece nas feiras para se certificar que os produtos de fato são orgânicos.

Segundo um levantamento da Anvisa, o pimentão é a hortaliça mais contaminada por agrotóxicos (segundo a Agência, 92% pimentões estudados estavam contaminados), seguido do morango (63%), pepino (57%), alface (54%), cenoura (49%), abacaxi (32%), beterraba (32%) e mamão (30%). Há diversos estudos que apontam que alguma substâncias estão presentes, inclusive, no leite materno.

Em nota, a Anvisa afirmou que aguarda a publicação oficial do estudo realizado pela OMS, Inca e IARC para “determinar a ordem prioritária de análise dos agrotóxicos que demandarem a reavaliação”.
Os alimentos mais contaminados pelos agrotóxicos

Em 2010, o mercado brasileiro de agrotóxicos movimentou 7,3 bilhões de dólares e representou 19% do mercado global. Soja, milho, algodão e cana-de-açúcar representam 80% do total de vendas nesse setor.


Segundo a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), essa é a lista da agricultura que mais consome agrotóxicos:

Soja (40%)
Milho (15%)
Cana-de-açúcar e algodão (10% cada)
Cítricos (7%)
Café, trigo e arroz (3 cada%)
Feijão (2%)
Batata (1%)
Tomate (1%)
Maçã (0,5%)
Banana (0,2%)

As demais culturas consumiram 3,3% do total de 852,8 milhões de litros de agrotóxicos pulverizados nas lavouras brasileiras em 2011.

*Por Marina Rossi

 

……………………………………………………………………………
*Fonte: elpais

Cientistas descobrem ‘chifre’ crescendo no crânio de jovens por uso do celular

Os jovens estão desenvolvendo chifres na parte de trás de sua cabeça devido à postura incorreta. As causas estão sendo atribuídas ao uso de dispositivos portáteis

Que a tecnologia transforma a maneira como realizamos diversas tarefas diárias a gente sabe, mas que ela pode mudar algo em nosso corpo é bastante preocupante. Diversas pesquisas no campo da biomecânica estão sugerindo que os jovens estão desenvolvendo chifres (sim, você não leu errado) na parte de trás de seus crânios.

Na verdade, são esporões ósseos causados pela inclinação frontal da cabeça. A principal causa está sendo apontada como o uso de celulares e outros aparelhos portáteis. Quando usamos um aparelho qualquer, é normal que nosso pescoço fique curvado e esse desvio de postura pode causar um crescimento ósseo e de tendões na parte de trás do pescoço. Isso pode acontecer devido à transferência de peso da cabeça para apenas uma parte da coluna.

Essa situação pode ser comparada à maneira como a pele engrossa a região de calos e outros traumas em resposta à pressão exercida naquele local. Como resultado de tudo isso, um gancho ou uma ponta semelhante a um cifre está crescendo e saindo do crânio de várias pessoas.

Segundo cientistas da Universidade da Costa do Sol, na Austrália, essa pode ser a primeira documentação de uma adaptação fisiológica ou esquelética devido à penetração de tecnologia avançada na vida cotidiana. Eles disseram ainda que os smartphones e outros dispositivos portáteis são os principais responsáveis pelo corpo humano estar se “contorcendo” ao exigir que usuários inclinem suas cabeças para entender o que está acontecendo nas telas em miniatura.

Mesmo com o estranhamento causado, David Shahar, um dos autores do estudo, alerta que essa formação incomum é um grave sinal de que a postura do indivíduo está totalmente incorreta, e que isso pode lhe causar sérias dores de cabeça crônicas, além de dores na parte superior da coluna e no pescoço.

Os mais afetados

O estudo vem sendo realizado desde 2016. David contou que eles tiveram amostra de 218 raios X de pessoas de 18 a 30 anos, onde foi observado que o crescimento ósseo foi visto em 41% dos resultados, muito mais do que as projeções iniciais dos pesquisadores.

Outra característica bastante reveladora foi que a condição prevalece entre os homens. Nas mulheres isso não foi muito comum. Esses resultados levantam questões alarmantes sobre a nossa postura e o quanto estamos deixando que a tecnologia esteja presente em nossas vidas.

Os que mais devem se preocupar com isso são as pessoas que usam algum tipo de tecnologia desde pequenos. “Essas formações demora muito para se desenvolver, então isso significa que aqueles indivíduos que sofrem com elas provavelmente têm forçado essa área desde a infância”, explicou David.

Há algum meio de evitar?

Segundo os cientistas envolvidos na pesquisa, “a resposta não é banir a tecnologia, há maneiras menos drásticas”. Eles enfatizam a conscientização da população sobre o uso indiscriminado da tecnologia e de seus danos à estrutura óssea. “Todos os que usam a tecnologia durante o dia devem adquirir o hábito de ‘recalibrar’ sua postura durante a noite”, diz o estudo.

Neste momento você deve ter ficado preocupado com isso, certo? Você mesmo pode verificar o surgimento desse “chifre”, basta passar a ponta dos dedos próximo a área onde há o encontro do pescoço com a coluna, caso seja constatada alguma protuberância ou precipitação na região, o conselho é o de procurar um médico para avaliar a condição.

 

………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Quer uma prova de que você é uma criatura incrível e absurdamente única?

Você já parou para pensar em todas as coisas que tiveram que acontecer e dar certo para que você fosse você? Para começar, os seus pais tiveram que se conhecer e, depois… se conhecer melhor. Como se fosse pouco, um único dos milhões de espermatozoides do seu pai teve que vencer a concorrência e chegar até o óvulo da sua mãe.

Depois disso, ocorreu a fecundação e uma porção de processos biológicos supercomplexos — que poderiam ter dado errado a qualquer momento! Entretanto, o milagre da vida aconteceu, e você está aqui, lendo esta matéria. E se você já começou a se achar único só com essa breve descrição, se prepare para conferir uma série de contas e estatísticas que farão você se sentir uma criatura incrivelmente rara!

Esbarrão inicial

Só para termos uma referência inicial, vamos considerar que os seus pais tenham se conhecido há 20 anos, ok? Pois, de acordo com uma porção de estimativas e cálculos feitos por Ali Binazir — publicados pelo pessoal da Universidade de Harvard —, há duas décadas a população mundial era de 4 bilhões de pessoas, aproximadamente.

Então, digamos que os seus pais poderiam ter esbarrado com um décimo do total, ou seja, com 400 milhões de pessoas. Dessas 400 milhões, podemos assumir que metade seria do sexo feminino e a outra, do masculino, certo? Agora, vamos considerar que os seus pais tenham conhecido um indivíduo do sexo oposto por dia dos 15 aos 40 anos idade. Segundo Binazir, a soma seria de 10 mil pessoas.

Bem, vamos focar no seu pai por enquanto: se ele esbarrou com cerca de 10 mil mulheres (uau!) até a idade adulta, a chance de que ele encontrasse a sua mãe no meio das 200 milhões de mulheres possíveis é de 1 em 20 mil! Mas, como você sabe, o amor não é nem um pouco simples…

Na verdade, temos que somar à chance de 1 em 20 mil de os seus pais cruzarem o caminho um do outro, a probabilidade de que eles se falassem nesse primeiro momento (1 em 10), a de eles combinarem um segundo encontro (também 1 em 10), e a chance de que eles continuassem se vendo (1 em 10 também) depois disso.

No fim das contas, a probabilidade de os seus pais permanecerem juntos depois daquele esbarrão inicial e terem filhos juntos é de 1 em 2 mil. Ficou espantado? Esse número nem é o mais impressionante: as chances combinadas de que todos esses eventos dessem certo é de 1 em 40 milhões! Agora, que tal conferir as chances de que você se tornasse fruto da relação entre os seus pais?

A raridade aumenta

Em média, as mulheres contam com um “estoque” de aproximadamente 10 mil óvulos, enquanto os homens geralmente produzem 4 trilhões de espermatozoides durante a fase fértil. Sendo assim, a chance de que um desses espermatozoides todos do seu pai encontrasse com um dos óvulos da sua mãe é de… se prepare: 1 em 400 quadrilhões! Pense no absurdo dessa probabilidade. Mas, calma, pois a coisa se torna ainda menos “provável”.

Para que os seus pais tenham se conhecido, conversado, curtido a companhia um do outro, marcado novos encontros e terem decidido ter filhos juntos, os ancestrais deles tiveram que existir primeiro! E não estamos falando apenas de avós, bisavós, tatara… que também venceram todas as probabilidades acima para que você pudesse estar aqui — multiplique aqui os 400 quadrilhões por eles mesmos diversas vezes.

Antes dos seus ancestrais diretos, você ainda tem que considerar o Homo sapiens e, antes dele, o Homo erectus, que, por sua vez, veio depois do Homo habilis! E esses caras, assim como outros tantos, evoluíram a partir dos primeiros organismos unicelulares que surgiram aqui na Terra — há 4 bilhões de anos. Isso significa que, para que você surgisse no planeta, uma cadeia de eventos teve acontecer do jeito certinho.

E isso que nem vamos incluir aqui na conta a probabilidade de a Terra ter se formado na distância exata do Sol para que a água na sua forma líquida pudesse existir por aqui — propiciando o surgimento da vida. Também nem vamos considerar que os demais planetas do Sistema Solar nos protegem de inúmeros pedregulhos espaciais que nos acertariam em cheio, não fosse pela ação de suas gravidades. E vamos deixar a Lua e sua influência pra lá também…

Voltando às probabilidades

Mais precisamente, segundo os cálculos de Binazir, para descobrir a probabilidade de que a sua “linhagem” permanecesse intacta ao longo da existência da humanidade, temos que considerar uma chance em duas de que uma criança nasceria, cresceria e se reproduziria em cada geração — durante 150 mil gerações. Sabe quanto dá isso? Uma chance em 10^45.000.

Isso mesmo, a chance de que todos os seus ancestrais tenham se reproduzido com sucesso e a sua linhagem tenha sobrevivido ao longo de milhares de gerações é de 10 seguido por 45 mil zeros. Desculpe, mas a gente nem sabe como dizer esse número! Mas, calma, as contas ainda não acabaram!

Pense que, para cada encontro dos seus ancestrais, o espermatozoide certo teve que fecundar o óvulo certo — ou um quadrilhão multiplicado por um quadrilhão para cada geração —, o que significa que, na verdade, a probabilidade de que essas células específicas se encontrassem 150 mil vezes é de uma em 10^2.640.000. É muito zero! E esses zeros todos não chegam nem perto da quantidade de zeros que representam a probabilidade de você existir!

De acordo com Binazir, contabilizando tudo — ou seja, multiplicando 10^2.640.000 por 10^45.000 por 2 mil e por 20 mil —, temos que a probabilidade de você ser você é de absurda e inimaginável 1 em 10^2.685.000. Você tem noção do que é isso?

O número de átomos que compõem a Terra, por exemplo, é de míseros 10^50, e o número estimado de átomos que existem no Universo conhecido é de apenas 10^80. Entende agora como você é uma criatura incrível e absurdamente única?

*Por Maria Luciana Rincón

……………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Painéis solares transparentes transformarão as janelas em geradores de energia renovável

Pesquisadores da Universidade Estadual do Michigan, EUA, desenvolveram painéis solares completamente transparentes, que podem ter inúmeras aplicações na arquitetura e também em outros campos, como por exemplo no desenvolvimento de automóveis mais amigos do ambiente.

Já antes se tinha tentado criar um dispositivo deste género, mas os resultados finais nunca foram satisfatórios. Até agora.

A equipe concentrou-se especialmente na transparência, de modo que, desenvolveu um concentrador solar luminescente transparente, que pode ser colocado sobre uma superfície transparente como uma janela, por exemplo. Pode colher energia solar sem afetar a passagem da luz.

A tecnologia utiliza moléculas orgânicas que absorvem comprimentos de onda de luz que não são visíveis ao olho humano, como a luz infravermelha e ultravioleta.

Estes dispositivos podem aproveitar ao máximo as fachadas dos enormes edifícios cobertos de vidro espalhados pelo globo. Não mudando em nada a aparência dos mesmos, e em simultâneo aproveitar a energia solar de forma eficiente. Podem ser instalados em qualquer edifício.

Segundo o New York Times:

“Se as células puderem ser feitas de forma a durarem muito tempo, estes dispositivos poderão ser integrados em janelas de modo relativamente barato, já que grande parte do custo da energia fotovoltaica convencional não é da própria célula solar, mas dos materiais em que é aplicada, como o alumínio e o vidro. O revestimento de estruturas existentes com células solares eliminaria parte desse custo de material.”

Se as células transparentes, no final das contas, se mostrarem comercialmente viáveis, a energia que geram poderia compensar significativamente o uso de energia de grandes edifícios, disse o Dr. Lunt, que começará a lecionar na Universidade Estadual do Michigan neste outono.

“Não estamos a dizer que poderíamos abastecer todo o edifício, mas estamos a falar de uma quantidade significativa de energia, suficiente para coisas como iluminação e energia elétrica diária”, disse ele.

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: bastanteinteressante

Programado para estragar

A frase foi publicada em 1928 na Printer’s Ink, revista do setor publicitário norte-americano: “Um artigo que não estraga é uma tragédia para os negócios.” Para que vender menos se você pode vender mais projetando produtos com um defeito incorporado? Por que não abandonar esse afã romântico de fabricar produtos bem feitos, consistentes, duradouros, e ser logo prático? Não será melhor para o business fazer com que o cliente tenha de abrir a carteira mais vezes?

Essa é história de uma ideia que ganhou força como salvação dinamizadora nos anos da Grande Depressão, transformou-se num mantra da sociedade de consumo – comprar, usar, jogar fora, voltar a comprar – e se tornou, já na atualidade, uma séria ameaça ao meio ambiente. É uma história escrita aos poucos, capítulo por capítulo. O último e mais importante deles é o destaque que a questão ganhou nos debates da Europa, sinal de que existe uma crescente conscientização: em 4 de julho, o Parlamento Europeu aprovou (por 622 votos a favor e 32 contra) o Relatório sobre Produtos com Uma Vida Útil Mais Longa: Vantagens para os Consumidores e as Empresas, pedindo que a Comissão Europeia adote medidas.

Não só isso. A França, país com a legislação mais dura da Europa contra a obsolescência programada, acaba de registrar a primeira denúncia de um coletivo de consumidores contra os fabricantes de impressoras. O fato ocorreu em 18 de setembro: a associação Halte à l’ Obsolescence Programmée (HOP, Contra a Obsolescência Programada) acusou marcas como Epson, HP, Canon e Brother de práticas destinadas a reduzir deliberadamente a vida útil de impressoras e cartuchos.

O truque não é novo. Começou a ser usado no final do século XIX na indústria têxtil (quando os fabricantes começaram a utilizar mais amido e menos algodão) e se consolidou em 1924, quando General Electric, Osram e Phillips se reuniram na Suíça e decidiram limitar a vida útil das lâmpadas a 1.000 horas, tal como aponta o festejado documentário espanhol Comprar, Tirar, Comprar (“comprar, jogar fora, comprar”), de Cosima Dannoritzer. E assim foi assinado o atestado de óbito da durabilidade.

“Hoje, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento são usados para reduzir a durabilidade do que compramos”, diz o especialista Benito Muros

Até então, as lâmpadas duravam mais. Como a que brilha ininterruptamente desde 1901 na central dos Bombeiros de Livermore, na Califórnia. De filamento grosso e intensidade menor que a de suas sucessoras (o que impede o alto aquecimento), essa lâmpada foi concebida para perdurar. E continua lá, brilhando, mostrando que a obsolescência programada está longe de ser um mito.

Desde a sensação causada nos anos trinta pelas meias de náilon Du Pont, que não rasgavam, até o telefone inteligente que fica burro sem razão aparente – e só um ano e meio depois de ser adquirido –, muita água passou debaixo da ponte. A obsolescência programada (OP) foi aprimorada. E a intenção de fraude por parte do fabricante não é algo fácil de demonstrar.

“Hoje, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento são para ver como reduzir a durabilidade dos aparelhos, mais do que para melhorá-los ao consumidor”. Quem se expressa de forma tão contundente é Benito Muros, um ex-piloto de 56 anos que há anos denuncia a OP. Presidente da Fundação Energia e Inovação Sustentável Sem Obsolescência Programada (Feniss), ele afirma que a OP está presente em todos os dispositivos eletrônicos que compramos, “até mesmo nos carros”.

Os consumidores franceses realizaram a primeira denúncia contra várias marcas de impressoras

Muros lidera uma empresa que desenvolve lâmpadas, semáforos e projetos de iluminação pública para Prefeituras da Espanha, conta que hoje é possível observar muitas formas de OP no mercado: dispositivos com carcaças que não permitem a dissipação do calor, e cujo aquecimento gera falhas prematuras; componentes como os condensadores eletrolíticos, cujas dimensões determinarão a vida do produto (perdem líquido com as horas de uso; quanto menor for a capacidade de armazenamento de líquido eletrolítico, menos vai durar); baterias que não podem ser retiradas (como foi o caso do iPhone) e que obrigam o usuário a comprar um novo aparelho; chips que agem como contadores e que estão programados para que o sistema pare de funcionar após certo número de utilizações, como ocorreu com algumas impressoras (o consumidor que ousar tentar consertar uma logo escutará que é mais barato comprar outra).

Muros, que diz ser alvo de campanhas de difamação na imprensa por se opor à OP – e que fabricou uma lâmpada que foi objeto de controvérsia, – afirma inclusive que atualizações enviadas para os nossos smartphones escondem uma mudança de software que os torna mais lentos.

“Eles te enviam uma espécie de vírus que serve para preparar o telefone para o seu final”, diz. Outro aparelho jogado no lixo, e outro resíduo eletrônico que, mais cedo ou mais tarde, vai parar nos tóxicos (e sinistros) lixões que o mundo rico alimenta em lugares remotos, como a África.

Cerca de 215.000 toneladas de aparelhos eletrônicos, procedentes sobretudo dos Estados Unidos e da Europa, desembarcam todo ano em Gana, segundo a Motherboard, uma plataforma multimídia de longa trajetória sobre trabalhos de pesquisa. Acabam gerando 129.000 toneladas de resíduos em lugares como Agbogbloshie, um dos maiores lixões tecnológicos do mundo, situado em Accra, a capital do país.

“Somos os responsáveis pelo nosso consumo. Não podemos seguir assim”, diz a cientista Mari Lundström

A indústria de tecnologia produz, sozinha, 41 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos por ano, segundo uma pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Entre 60% e 90% desses produtos caem nas mãos de quadrilhas, que os descarregam ou comercializam ilegalmente. Além de Gana, países como Índia e Paquistão são importantes destinos de televisores, celulares e aparelhos de som descartados com a chegada das liquidações, porque não somos bobos, e porque uma semana de preços supostamente loucos é uma oportunidade que não se pode desperdiçar. Tudo pelo último modelo.

Ainda assim, a prática tem os seus defensores. Eles dizem que uma obsolescência programada controlada, sem abusos excessivos, é a fórmula para que o mundo continue funcionando como até agora. E uma fonte de criação de emprego.

Além disso, o avanço tecnológico traz soluções mais ecológicas e eficientes, como poderia ser o caso dos carros elétricos. Portanto, a OP poderia ter sentido, argumentam seus partidários.

O debate está aberto. E dele também participam aqueles que dizem que esse negócio de obsolescência programada é uma teoria da conspiração. Basta um passeio pelo Twitter para ver mais argumentos. Uns dizem que o verdadeiro problema não são as marcas, mas os consumidores: queremos produtos baratos para usar e jogar fora, e não estamos dispostos a pagar o que custariam se realmente fossem de qualidade (e, portanto, mais caros).

Nessa mesma linha se manifesta o diretor geral da Associação Nacional de Fabricantes de Eletrodomésticos (Anfel), da Espanha, que reúne as marcas de linha branca (geladeiras, lava-roupa, lava-louça, etc). Este jornal tentou realizar uma entrevista com algum diretor da Anfel, que só aceitou responder às perguntas por e-mail. Após afirmar que não há dados embasando a ideia de que os eletrodomésticos duravam mais em meados do século passado do que agora, e de qualificar a prática da OP como “deplorável”, Alberto Zapatero, diretor geral da Anfel, escreve: “Devemos levar em conta que os consumidores não só jogam fora os produtos que deixaram de funcionar, mas também o fazem por outros motivos, por exemplo quando um aparelho deixa de cumprir com suas expectativas por razões técnicas, regulatórias ou econômicas (caso de televisores não aptos para a transmissão digital), além do desejo dos consumidores de adquirir um novo modelo por questões de mudanças de funcionalidade, design e serviços.”

Não bastasse o consumismo desenfreado dos cidadãos ocidentais, existe também a contemporânea impossibilidade de consertar. E os dados indicam que o consumidor estaria disposto a reparar os produtos, se pudesse: 77% dos europeus prefeririam o conserto a uma nova compra, segundo o Eurobarômetro de 2014. “A sociedade dos resíduos não pode seguir assim. Estamos perante um modelo econômico superado”, afirma de Bruxela, por telefone, Pascal Durand, deputado verde europeu que liderou a iniciativa apresentada pelo Parlamento Europeu no final de julho.

A cifra de consumidores de produtos de tecnologia aumenta a cada ano. Novas classes médias de países como China e Índia se incorporam ao padrão de compra dos países mais desenvolvidos. Mais celulares, mais computadores, mais eletrodomésticos. Primeiro para o carrinho de compras, depois para o lixo. E mais extração de metais para produzi-los. Matérias-primas que não são ilimitadas.

Ao mesmo tempo, quanto mais curta é a vida dos dispositivos que compramos (veja os celulares, cuja expectativa de vida oscila entre um e dois anos, segundo os estudos europeus), maior é o volume de resíduos gerados.

Jogar fora aparelhos novos que poderiam ser consertados na Europa, enviando-os a lixões distantes em barcos que contaminam águas, para, ao mesmo tempo, comprar aparelhos fabricados em lugares distantes e que chegam em barcos que contaminam de novo. “Cedo ou tarde, isso vai acabar”, diz Durand.

Essa é uma das reflexões de uma proposta que foi batizada como “economia circular” e que ganha força nos fóruns europeus e globais. A ideia é simples: ao fabricar um bem, devemos levar em conta o resíduo que ele vai gerar para que este seja reutilizável, se possível totalmente. Desse modo, em vez de seguir o paradigma da economia linear (produzo, utilizo, jogo fora), passaríamos ao “produzo, utilizo, reutilizo”. E, se possível, conserto.

Legislar nesse sentido, portanto, significaria fazer com que as marcas aumentem os prazos de garantia; incentivar a possibilidade de reparação dos produtos em qualquer loja, não só nos serviços autorizados; que as marcas projetem artefatos que permitam a extração de peças, componentes, baterias; reduzir impostos às marcas que adotem essas medidas e aos artesãos que a elas se dediquem; perseguir e multar a obsolescência programada intencional; revelar a OP informática. A iniciativa apresentada no Parlamento Europeu vai nessa linha. A Comissão deverá dar uma resposta legislativa antes de julho de 2018.

Enquanto isso, países como a Finlândia arregaçam as mangas. O país escandinavo já conta com um plano para fazer a transição rumo à economia circular. Florescem as start-ups que procuram soluções para os resíduos que geramos, enquanto fundos são destinados para a pesquisa.

A Universidade Aalto integra um projeto de colaboração transversal que recebeu cinco milhões de euros (18,5 milhões de reais) para começar a caminhar. Mari Lundström, professora de hidrometalurgia e corrosão, lidera um programa que busca soluções para a reciclagem de metais. Em entrevista pelo telefone de Estocolmo, ela explica que os celulares, os fios elétricos e os computadores que jogamos no lixo estão repletos de materiais úteis e valiosos. Alguns inclusive são difíceis de encontrar no subsolo europeu; e, no entanto, jogamos tudo isso fora. Desperdiçamos níquel, cobalto, lítio… Muitos deles são facilmente recuperáveis através de tratamentos químicos, por exemplo. Um único telefone contém até 40 elementos recicláveis, dos quais só reutilizamos 10, explica Lundström. Doze empresas finlandesas que usam metais já trabalham com o fruto das pesquisas científicas.

Podemos reciclar o metal da lata de refrigerante. Mas precisamos de 20 vezes mais energia para recuperá-lo se essa lata foi queimada num saco com lixo orgânico, explica a cientista finlandesa. Este é um dos resultados das pesquisas do programa. Pode-se deduzir, portanto, que a economia circular deve ser promovida pelos Governos, pesquisada pelos docentes e assumida pelas empresas. Ok, mas também precisa dos cidadãos.

“A chave da economia circular é o que cada pessoa fizer”, diz Lundström, de forma categórica. “Não podemos continuar vivendo como fizemos até agora. É necessária uma resposta da sociedade: somos responsáveis por nossa forma de consumir.”

Mas a economia circular também tem seus críticos. Alguns consideram que se trata de uma mera prolongação da ideia de crescimento sustentável, que, apesar de bem intencionada, não levou a grandes realizações. O problema, explicam, é o crescimento. É a lógica que nos empurra a seguir espremendo o planeta, cujos recursos são finitos.

A solução não é fácil, e romper com décadas de inércia levará um tempo. Há várias perguntas no ar. Num contexto de contínuo avanço tecnológico, será mesmo tão difícil melhorar a durabilidade dos produtos? Faz sentido continuar vivendo do mesmo jeito, conhecendo a toxicidade dos resíduos gerados por nosso modo de consumo? E os Governos não têm pensado em fazer nada a respeito?

CONSUMIDORES SE MOBILIZAM NA FRANÇA

A França é a país com a legislação mais dura da Europa na luta contra a obsolescência programada, aprovada em 2015. As marcas que realizam a prática podem pagar multas de até 300.000 euros (1,1 bilhão de reais).

A denúncia da associação HOP apresentada em setembro, a primeira do gênero, acusou marcas como HP, Canon e Brother de práticas voltadas a reduzir deliberadamente a vida útil de impressoras e cartuchos; e destacava, em particular, o caso da Epson.

Este jornal solicitou entrevista com um diretor da Epson na Espanha, mas o pedido foi negado. Um porta-voz somente escreveu esta resposta por e-mail: “A Epson conhece a denúncia da associação HOP na França e trabalhará com as autoridades competentes para responder de maneira adequada e resolver o caso.” E acrescentou: “Rechaçamos totalmente a afirmação de que nossos produtos estão programados para estragar num período de tempo predeterminado.”

*Por Joseba Elola

 

…………………………………………………………………………..
*Fonte: elpais

Gatos imitam comportamento de humanos com quem convivem, diz pesquisa

atos são conhecidos por terem a personalidade forte e seguirem suas próprias vontades, muitas vezes sendo considerados até egoístas — uma grande injustiça com os bichinhos. Mas você sabia que o comportamento desses felinos é reflexo da personalidade dos tutores deles? Então se você reclama do seu animal de estimação, é hora de rever suas próprias atitudes.

Segundo o estudo publicado na revista científica PLOS One, essa relação acontece porque muitas pessoas consideram seus animais de estimação como membros da família, e formam laços sociais estreitos com eles. “É muito possível que os animais de estimação possam ser afetados pela maneira como interagimos com eles e os tratamos, e que ambos os fatores sejam, por sua vez, influenciados por nossas diferenças de personalidade”, explica Lauren Finka, uma das pesquisadoras, ao site The Telegraph.

Finka e sua equipe realizaram uma pesquisa com mais de 3 mil donos de gatos. Nela, fizeram série de perguntas seguindo o Big Five Inventory (BFI), um sistema de medição que avalia características da personalidade humana, como abertura para a experiências, conscienciosidade, extroversão, neuroticismo e agradabilidade.

Eles então descobriram que tutores com um nível maior de neuroticismo tinham gatos com “problemas comportamentais” (agressividade, ansiedade e medo, por exemplo) ou comportamentos relacionados ao estresse, além de excesso de peso.

Além disso, pessoas extrovertidas tinham maior probabilidade de ter animais que aproveitavam mais a liberdade fora de casa, enquanto os participantes que aparentavam ser mais agradáveis estavam mais satisfeitos com os seus pets.

Apesar dessas observações, os pesquisadores acreditam que é preciso fazer mais pesquisas para entender melhor nossa influência sobre os bichanos. “A maioria dos donos quer oferecer o melhor tratamento aos seus gatos, e esses resultados destacam uma relação importante entre nossas personalidades e o bem-estar de nossos animais de estimação”, disse Finka. “Os gatos nem sempre acham que viver como animais de estimação é fácil, e é importante que estejamos cientes de como nosso comportamento pode causar impactos, tanto de maneira positiva quanto negativa.”

 

………………………………………………………
*Fonte: superinteressante

Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta

A garrafa vazia, a embalagem de comida, o bola que furou. Depois de um lindo dia na praia, muitas pessoas esquecem de recolher o lixo que ficou jogado ali na areia. Mas quando a maré sobe, todos estes dejetos acabam sendo levados para o mar. Assim como os banhistas, embarcações que navegam pelos mares também usam a água do mar como lixeira. E a cada novo resíduo descartado no oceano, aumentam ainda mais as imensas ilhas de lixo do planeta.

Recentemente, a Agência Espacial Americana (Nasa) divulgou um vídeo impressionante. Ele mostra como estas gigantescas lixeiras foram se formando em cinco pontos do oceano, ao longo dos últimos 35 anos. Estas áreas concentram uma quantidade enorme de detritos, que vão gradualmente aumentando sua extensão.

O que acreditava-se até pouco tempo era que estas ilhas eram móveis. Todavia, os pesquisadores sabem agora é que estão localizadas em cinco regiões subtropicais, onde as correntes marinhas se encontram. Nelas, o que há é principalmente resíduos de plásticos, micropartículas que já foram parcialmente decompostas pelos raios do sol.

ILHAS DE LIXO

Um estudo internacional, realizado no ano passado pela organização não-governamental 5 Gyres, denunciou que há mais de 5 trilhões de pedaços – grande e pequenos – de plásticos flutuando pelos oceanos do planeta. Seriam cerca de 269 mil toneladas de resíduos, que foram jogadas em nossos mares.

Segundo a pesquisa, que envolveu cientistas de seis países e coletou dados de 24 expedições ao redor do mundo, o plástico encontrado em maior quantidade é de redes de pesca e restos de boias. Mas os pesquisadores acharam também toneladas de garrafas, plásticos, escovas de dentes e uma série de outros detritos.

Além de matar peixes e outras espécies marinhas, o lixo acumulado nos mares contamina a água e acaba afetando também a qualidade do que comemos. É um grande círculo vicioso, já que estamos todos conectados. Por isso, evite usar embalagens plásticas e quando o fizer, sempre descarte no lugar certo.

*Por Suzana Camargo

 

……………………………………………………………………
*Fonte: conexaoplaneta

Vício em trabalho está ligado a vários distúrbios psiquiátricos

Você chega em casa, mas a sua cabeça ainda está logada no computador da empresa; tem que se concentrar para não acessar os e-mails no domingo de manhã. Esse descontrole na importância dada ao trabalho já pode ser um problema complicado sozinho — essas pessoas geralmente se afastam da família e vivem sob um estresse constante.

Mas a situação fica ainda mais complicada: em um estudo com mais de 16 mil pessoas, cientistas descobriram que alguns distúrbios psiquiátricos aparecem muito mais em quem é viciado em trabalho.

Dos 16.426 trabalhadores noruegueses que participaram da pesquisa, 7,8% eram compatíveis com o diagnóstico de vício no trabalho. Três em cada 10 deles também tinham sinais de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Entre os que não eram workaholics, só 12% apresentavam TDAH.

Na mesma proporção, a ansiedade é mais comum entre os trabalhadores compulsivos — aflige 33% deles, e só 11% dos sadios.

E a pesquisa vai além: mais de um quarto dos workaholics apresentavam o transtorno obsessivo-compulsivo. O TOC era ainda menos comum no outro grupo: só aparecia em 8,7% dos voluntários.

A linha entre um trabalhador dedicado e um workaholic é difícil de definir, mas geralmente os viciados em trabalho não conseguem controlar o tempo que passam na labuta — se planejam para parar às 17h e, quando percebem, viraram a madrugada. Outro alerta é quando o indivíduo passa a sacrificar outras obrigações — sociais, familiares e até de saúde — para seguir trabalhando.

Apesar da relação entre o vício no trabalho e os distúrbios psiquiátricos frequentes, os cientistas não sabem dizer se um é a causa do outro. Tanto é possível que o TOC leve a uma obsessão com o trabalho quanto o workaholic desenvolver pequenas compulsões em outras áreas.

Independentemente de quem veio primeiro, a mistura dos dois geralmente potencializa ambos os distúrbios. Os pesquisadores acham provável que pessoas com déficit de atenção acabem se forçando a trabalhar em excesso para compensar as distrações. Quanto mais ficam cansadas, mais difícil se concentrarem, e assim segue o ciclo.

Para os ansiosos e as pessoas com TOC, o trabalho vira uma compulsão socialmente aceitável. A ideia generalizada de que trabalhar faz bem acaba escondendo o lado compulsivo do estilo de vida dos workaholics. O mesmo trabalho que “enobrece o homem”, na dose errada, adoece.

*Por Ana Carolina Leonardi

 

………………………………………………………………..
*Fonte: superinteressante

A população mundial alcançará 10 bilhões de pessoas em 2050

Segundo relatórios da ONU, a população Africana poderá dobrar nos próximos 30 anos, ultrapassando todo o sul da Ásia e a Ásia Central em índices populacionais e se tornando a região mais populosa do mundo.

Isso significa que a região representará mais da metade das taxas globais de crescimento populacional.

Liu Zhenmin, chefe de assuntos econômicos e sociais da ONU, comentou: “Muitas das populações que mais crescem estão nos países mais pobres, onde o crescimento populacional traz desafios adicionais para erradicar a pobreza, alcançar maior igualdade, combater a fome, a desnutrição e fortalecer a saúde e educação.”

Espera-se também que a Índia venha a superar a China como o país mais populoso do mundo em 2027. Até 2050, a Índia, com 1,6 bilhão de pessoas, estará bem à frente da China, cuja população voltará ao nível de 1,4 bilhão.

Em contrapartida, algumas regiões – como a China por exemplo – estão tendo um grande declínio em sua papulação, graças as baixas taxas de fertilidade e/ou os altos números de emigração mas, deve-se levar em conta também o fato que em todo o mundo as pessoas estão vivendo mais. As taxas de longevidade são cada vez maiores, principalmente em países mais desenvolvidos.

Levando em consideração todos os dados fica claro que a tendência é de que os números populacionais no contexto mundial só aumentem. Isso leva a crença de que a humanidade logo entrará em colapso, porém, essa possibilidade está um pouco distante.

*Por Damares Alves

 

………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Primeiros navios cargueiros elétricos do mundo começarão a operar na Bélgica e Holanda

No próximo verão europeu, o porto de Antuérpia, na Bélgica, vai se tornar uma atração internacional. É que o primeiro navio cargueiro elétrico do mundo, o Port-Liner, entrará em operação ali.

Já sendo chamado de “Tesla dos Canais”, o novo barco foi desenvolvido graças a uma parceria entre o governo da Antuérpia e a Comunidade Europeia, em um investimento total de pouco mais de 200 milhões de euros. O objetivo do projeto é reduzir o tráfego de caminhões nas estradas do país.

Port-Liner é apenas um dos navios que estão em construção. No total, serão cinco barcos pequenos, com 52 metros de comprimento e 6,7 de largura, e outros seis grandes, com 110 metros de comprimento e capacidade para carregar até 270 contêineres. Os menores poderão acomodar 24 contêineres com um peso total de 425 toneladas.

Os barcos foram projetados pela empresa holandesa de arquitetura naval Omega. Os menores conseguirão viajar por 15 horas e os maiores por 35 horas, utilizando somente a eletricidade proveniente das baterias instaladas no deck.

A recarga completa da bateria dos navios cargueiros de 52 mt leva quatro horas e quando necessário, ela pode ser substituída por outras existentes no porto.

Os barcos de grande porte serão utilizados nos trajetos entre os portos de Rotterdam, Amsterdam, Antuérpia e Duisburg. Todos os onze cargueiros estarão prontos no segundo semestre de 2019. Depois disso, a empresa Port-Liner, responsável pela construção dos barcos, pretende encomendar mais quatro.

“Todos eles já estão totalmente alugados para companhias de transporte marítimo e grandes empresas de contêineres. Caso contrário, não começaríamos a construí-los”, afirmou Ton van Meegen, CEO da Port-Liner.

O custo dos cargueiros menores é de 1,5 milhão de euros e os maiores, 3,5 milhões. Meegen garante que o valor não é mais alto do que o de um barco movido a diesel.
Fim da era do diesel

O diesel é um dos combustíveis fósseis mais poluentes que existe. Sua queima libera uma quantidade enorme de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, um gás apontado como sendo um dos principais responsáveis pelo aquecimento global.

Diversos países ao redor do mundo já anunciaram a proibição, para os próximos anos, de veículos movidos a diesel, em uma iniciativa para combater a poluição nas grandes cidades, provocando milhares de mortes (leia mais aqui).

Além disso, estudos mostram que o barulho causado pelo trânsito marítimo nos oceanos pertuba a vida marinha, afetando a maneira como peixes e demais espécies se comportam debaixo d’água e muitas vezes, comprometendo sua sobrevivência.

Navios elétricos, assim como carros, são mais silenciosos, tendo assim, menor impacto sobre o meio ambiente.

*Por Suzana Camargo

 

………………………………………………………………….
*Fonte: conexaoplaneta

Taí uma lancha legal

Se você sempre sonhou em ter uma lancha, mas sua conta bancária nunca permitiu, chegou a hora de realizar este sonho.

O verão já acabou, mas como todo brasileiro raiz nós já estamos pensando no próximo e nos preparando. Se você sempre sonhou em ter uma lancha para passar o dia com os amigos, mas sua conta bancária nunca permitiu, saiba que graças à Amazon, agora você poderá realizar este sonho antigo.

A marca acaba de lançar uma boia em formato de lancha, que vai democratizar de uma vez por todas os nossos verões. Com ela, todo mundo poderá ter seu próprio barco. Com capacidade para 6 pessoas, ela possui cinco alças para facilitar a montagem e 8 porta-copos.

Passeio de barco sem bebidas e petiscos não é a mesma coisa, por isso a lancha ainda possui um cooler embutido. Medindo cerca de 20 metros de comprimento e 10 metros de largura, a boia mais legal do mundo já está sendo vendida no site por 280 dólares, cerca de 1000 reais. Verão, você me aguarda!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A boia mede cerca de 20 metros de comprimento e 10 metros de largura
Foto: Hypeness

……………………………………………………………………………
*Fonte: r7

Pessoas sensitivas podem perceber sensibilidades físicas e impulsos espirituais, bem como, saber as motivações e intenções de outras pessoas

Pessoas sensitivas podem perceber sensibilidades físicas e impulsos espirituais, bem como, saber as motivações e intenções de outras pessoas. Eles sentem, simplesmente. Sabem de coisas sem que tenhamos dito. Eles percebem quando alguém não está sendo honesto, por exemplo.

Aqueles que reconhecem esse poder acabam se aprofundando em estudos que, geralmente, os levam a querer entender a tal da paranormalidade, estudada pela parapsicologia que é responsável por analisar fenômenos paranormais e psíquicos: telepatia (habilidade de adquirir informações acerca de pensamentos) clarividência e precognição (a visão de um fato que ocorrerá no futuro).

Muitos se aprofundam, outros tantos não, permanecem apenas na superficialidade dos sentidos.

A maioria deles já teve um pressentimento que horas, dias ou meses depois veio a concretizar-se. Ou talvez já foram capazes de saber o que os outros vão dizer sem que eles tenham dado qualquer indicação visível.
Alguns ainda ouvem ou vêem coisas que ninguém percebe.

Muitos de nós temos poderes paranormais e nem nos damos conta.

Todos temos alguma característica mais ou menos desenvolvida. A diferença é que muitos possuem um medo indescritível desses assuntos e acreditam que se você procura saber de certas coisas ocultas, você acaba sabendo de outras que não gostaria de saber. Ou seja, eles acreditam que existe o bem e o mal e que quando você desencadeia esse processo acaba por se envolver com as duas frentes e quem não tem uma força muito grande e desenvolve uma proteção, acaba abrindo um canal para que forças contrárias ao bem possam atingi-lo.

É incrível mais muitos acreditam nisso e acabam não querendo desenvolver seu poder interior, esse pensamento é uma bobagem, mas não adianta nada dizer isso porque pessoas sensitivas que possuem medo do que sentem precisam primeiro trabalhar seus medos e entender os por quês. Só depois desse trabalho elas poderão se abrir para o conhecimento revelador, para poder entender a real força do subconsciente.

No livro O poder do Subconsciente, Joseph Murphy cita uma passagem da Bíblia que exemplifica o que disse a cima.

Diz a Bíblia: E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro. S. JOÃO 17:3. O homem que pensa ou acredita que o ciclo terreno do nascimento, da adolescência, juventude, maturidade e velhice é tudo o que há de vida é, na verdade, digno de pena. Tal homem não possui nenhum refúgio, nenhuma esperança, nenhuma visão e para ele a vida não tem significado. Esse tipo de crença traz frustração, estagnação, descrença e um senso de desesperança que resulta em neuroses e aberrações mentais de todas as espécies. Se você já não podia jogar uma movimentada partida de tênis ou nadar tão rápido quanto seu filho ou se o seu corpo se tornou menos ágil e você caminha mais devagar, lembre-se de que a vida está sempre se vestindo de roupagens novas. O que os homens chamam de morte é apenas uma jornada para uma nova idade em outra dimensão da Vida.

Pessoas sensitivas, pelo contrário, conhecem esse segredo, possuem a chave para o poder do subconsciente. Saiba que a fé, como uma semente plantada no solo, cresce de acordo com sua espécie.

Plante a ideia (semente) em sua mente, regue e fertilize-a com a esperança e ela florescerá, é assim que pensam.

Eles descobriram que em toda a natureza existe a lei da ação e da reação, do repouso e do movimento. Perceberam que devem contrabalançar essa lei, para que haja harmonia e equilíbrio. Sabem que estão aqui para deixar que o princípio da vida flua através de si, de forma rítmica e harmoniosa, e estão certos que a entrada e a saída devem ser iguais. A impressão e a expressão devem ser iguais. Por isso concluirão que toda a frustração do ser humano resulta do desejo não realizado.

William James, o pai da psicologia americana, disse que o poder de mover o mundo está no subconsciente. A mente subconsciente possui infinita inteligência e sabedoria ilimitada. Alimentada por energias ocultas, é a chamada de lei da vida. O que você grava em sua mente subconsciente esta moverá céus e terras para tornar realidade. Você deve, portanto, incutir-lhe idéias certas e pensamentos construtivos.

Seu pensamento é recebido pelo cérebro, que é o órgão da sua mente consciente racional. Quando sua mente consciente ou objetiva aceita o pensamento integralmente, ele é enviado para o plexo solar, chamado o cérebro da sua mente, onde se transforma em parte integrante de você e se torna realidade em sua experiência.

O fato é que todos podemos usar esse poder, não precisamos ser paranormais para isso, mas a vontade e o interesse em desenvolver uma fé verdadeira, e acreditar em algo é essencial!

Nada conquistamos se não acreditarmos fortemente. E esse é o segredo do subconsciente: acreditar!

Materializar através dos pensamentos! Visualizar aquilo como certo e possível!

Os sensitivos sabem disso a muito tempo.

*Por Iara Fonseca

 

……………………………………………………………………….
*Fonte: resilienciamag

Vídeo da NASA mostra como Amazônia é fertilizada pelo deserto do Saara

Um vídeo recente disponibilizado pela NASA é mais uma das demonstrações de como a natureza surpreende cada dia mais. Um mar de areia saindo do Deserto do Saara em direção a floresta Amazônica, fazendo uma viagem de mais de 2000 km.

Os dados foram coletados entre os anos de 2003 a 2007, porém a sociedade só teve acesso as informações recentemente.

A estimativa é de que, aproximadamente, 182 mil toneladas de areia do Saara atravessem o oceano Atlântico para chegar até a América, sendo que desse total, cerca de 28 milhões chegam a cada ano na bacia amazônica.

O Dr. Hongbin Yu., coordenador da pesquisa relata que “Todo o ecossistema da Amazônia depende do pó do Saara para reabastecer suas reservas de nutrientes perdidos”.

*Por Rodrigo Andrade

……………………………………………………………………….
*Fonte: hotelurbano

Vinte razões para amar um careca

1. Não é que o careca é careca, ele tem mais rosto. É somente rosto. Sua mulher nunca erra um beijo em sua face. Atrás da cabeça ainda é bochecha. Não há aquele risco desagradável de engolir cabelo.

2. O careca é um ponto de referência em qualquer lugar público. No supermercado, por exemplo:
– Onde é o corredor do arroz?
– Depois daquele careca, à esquerda.

3. O homem tem um maior contato com a natureza, arrepia-se com as gotas da chuva ou as lufadas geladas do vento.

4. A careca é uma zona erógena e pode ser aplicada como instrumento preciso para massagens eróticas nas costas da mulher. Trata-se de uma plataforma vibratória, com funções aeróbica, anaeróbica e terapêutica.

5. Fim dos furtos dentro de casa. O xampu e o condicionador da esposa duram o dobro de tempo.

6. O macho deixa de ser hipócrita, não perguntará para a mulher de quem são os cabelos no ralo ou na pia. Com o fim da concorrência, agora tem certeza que são dela.

7. Não corre o risco de competir pelo uso do secador. Ou do aparelho de chapinha.

8. Na pressa, não precisa tomar banho, apenas completar o polimento.

9. O careca não passará pelos vexames sociais da caspa ou do piolho.

10. Nunca envergonhará sua companhia pintando os cabelos de acaju ou recorrendo às luzes.

11. Reduz as possibilidades de câncer de pele. Começa a pôr protetor solar para sair ao trabalho.

12. Não é bobo de gastar para comprar uma peruca italiana.

13. O careca é maduro, confiável, único homem que realmente abandonou a adolescência.

14. Ninguém reclamará que ele é vaidoso e que vive se olhando no espelho para ajeitar o topete.

15. Se cometer algum crime, pode mudar de personalidade colocando um chapéu, uma boina ou um boné.

16. O careca não enrola, assume o romance. É tudo ou nada. Não admite meio-termo: implante, aplique, calendário pilomax. Prefere uma cabeça raspada a falsas esperanças.

17. Rejuvenesce no ato. Aparenta cinco anos menos do que os seus colegas grisalhos ou de mechas tingidas.

18. Não existe mais nenhum problema que possa fazer o careca perder cabelo.

19. Elas gostam dos carecas porque os carecas se gostam.

20. Todo careca sabe quem é John Malkovich.

*Por Fabrício Carpinejar

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: bmm

Costa Rica: o país mais limpo do mundo. Até 2021 Zero Plástico e Zero Carbono

Não é de hoje – que, como alguns dizem, está na moda a questão ambiental – que a Costa Rica se dedica a explorar alternativas para o uso de recursos renováveis.

O pequeno país centro-americano vem sendo um grande exemplo ambiental no mundo, já que, desde 2014, 99% da energia do país é oriunda de fontes renováveis e há dois meses tem conseguido chegar a 100% de aproveitamento, segundo informou o Intelligent Living.

Há dois anos, o país decidiu, também, eliminar o plástico – o primeiro país do mundo a tomar tal atitude. Em 2018, a Costa Rica anunciou que, até 2021, pretende tornar-se o primeiro país do mundo também a ficar livre do carbono.

O Instituto de Eletricidade da Costa Rica (ICE) emitiu um comunicado argumentando que: “basear [a geração de eletricidade] em recursos renováveis permite que o país alcance uma das menores proporções de emissões de gases do efeito estufa para o consumo de eletricidade no planeta”.

O governo da Costa Rica, desde a década de 1980, é consciente de que a natureza é o seu principal ativo e vem fazendo desde então esforços para protegê-la: incluindo, entre outros, fechamento de parques zoológicos, reflorestamento e estabelecimento de áreas protegidas (25% da superfície total do país ).

A Costa Rica é abrigo de uma enorme biodiversidade e, por causa dela, o país vem demonstrado uma liderança ambiental ao buscar o reflorestamento, designando um terço do país de reservas naturais protegidas e retirando quase toda a eletricidade de energia hidrelétrica limpa.

No ano passado, no Dia Mundial do Meio Ambiente, o país anunciou seu novo plano nacional para erradicar todos os plásticos de uso único até 2021. O plástico já está sendo substituído por alternativas 100% recicláveis ou biodegradáveis e não à base de petróleo. Isso tem sido feito com o apoio técnico e financeiro do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

A economista Mónica Araya, especialista em sustentabilidade da Costa Rica e diretora da Costa Rica Limpia, que promove energia renovável e transporte elétrico, explica que:

“Livrar-se dos combustíveis fósseis é uma grande ideia vinda de um pequeno país. Essa é uma ideia que está começando a ganhar apoio internacional com o surgimento de novas tecnologias. Em um país que já está se afastando rapidamente dos combustíveis fósseis, concentrar-se nos transportes – um dos últimos grandes desafios – poderia enviar uma mensagem poderosa ao mundo ”.

O presidente eleito este ano, Carlos Alvarado Quesada, está disposto a reduzir a carbonização, ao anunciar que a Costa Rica irá banir os combustíveis fósseis e tornar-se a primeira sociedade descarbonizada do mundo. Em um discurso, ele disse:

“A descarbonização é a grande tarefa de nossa geração e a Costa Rica deve ser um dos primeiros países do mundo a realizá-la, se não a primeira”.

A Costa Rica Faz faz parte da Wellbeing Economies Alliance, uma coalizão que inclui Escócia, Nova Zelândia e Eslovênia, que, em vez de enfatizar o PIB dos países, “procura assegurar que a política pública avance o bem-estar dos cidadãos no sentido mais amplo, promovendo a democracia, a sustentabilidade e crescimento inclusivo ”, informa uma recente coluna do economista Joseph Stiglitz.

Naturalmente a Costa Rica, por ser um país pequeno, mais facilmente consegue colocar em prática ações que asseguram o desenvolvimento sustentável, as quais são um modelo importante e fundamental para servir de experiência a países maiores e com necessidades energéticas mais robustas.

*Por Gisella Meneguelli

 

 

………………………………………………………………
*Fonte: greenme

Cimento com vida útil de 100 anos emite luz e pode iluminar estradas

De acordo com o pesquisador, o maior problema enfrentado no estudo foi o fato do cimento ser um corpo opaco, isto é, não permite a passagem de luz para o seu interior. O pesquisador ainda explica a lógica por trás dessa invenção. O cimento é um pó que ao ser misturado com água se dissolve como um comprimido efervescente.

O mais legal é que o cimento absorve energia do sol durante todo o dia, para permanecer iluminado por até 12 horas. Além disso, é possível controlar a intensidade da luz, e assim evitar que o brilho atrapalhe ciclistas e motoristas, sem falar que a sua vida útil é de 100 anos.

A tecnologia está em fase de implementação para ser comercializada e os cientistas também estudam a sua aplicação em gesso e outros produtos que fazem parte da construção civil, como alternativa natural para reduzir o consumo de energia elétrica na iluminação de ambientes.

………………………………………………………………
*Fonte:

Por que você deve se esforçar por uma vida significativa, não feliz

“Há apenas um erro inato, e essa é a noção de que existimos para sermos felizes … Enquanto persistirmos nesse erro inato, e até mesmo nos confirmarmos através de dogmas otimistas, o mundo parece estar cheio contradições ”. — Arthur Schopenhauer

O mundo moderno é obcecado com a noção de felicidade. Isso é visto como a medida e o objetivo da vida boa e, como Sigmund Freud observou, muito do que fazemos é motivado pelo desejo, que tudo consome, de ser feliz.

“… O que o comportamento dos próprios homens revela como o propósito e objeto de suas vidas, o que eles exigem da vida e desejam alcançar nela. A resposta para isso dificilmente pode ficar em dúvida: eles buscam a felicidade, querem se tornar felizes e permanecer assim ”. — Sigmund Freud

Mas essa busca sem fim pela felicidade é realmente uma maneira saudável de viver? Pois se estamos infelizes, o que para a maioria das pessoas é assim que é a maior parte do tempo, provavelmente nos perguntaremos o que há de errado conosco. Nós não somos recortados para este mundo? Os produtos químicos em nosso cérebro precisam de um ajuste farmacêutico? Ou melhor, Schopenhauer estava certo ao sugerir que visar a felicidade é um esforço fútil? Poderíamos considerar nossas vidas mais gratificantes se, em vez de lutarmos pela felicidade, dedicássemos nossas energias ao cultivo de uma vida significativa?

A felicidade nem sempre foi considerada uma meta pela qual vale a pena lutar. A raiz da palavra felicidade, na maioria das línguas indo-europeias, é sorte ou destino, implicando que a felicidade era originalmente vista como algo a ser dado e levado pelos deuses, ou pelo acaso. Não foi pensado para ser atingível apenas pelo esforço humano.

No Ocidente, foi Sócrates quem popularizou a ideia de que a felicidade é o maior bem e, portanto, deveria ser o objetivo final da vida.

A suposição de Sócrates de que devemos almejar a felicidade foi amplamente aceita pelos filósofos da Grécia Antiga que vieram depois dele. Os filósofos iluministas dos séculos XVII e XVIII, cujas ideias lançaram as bases para a civilização moderna, também adotaram a visão de Sócrates da felicidade como o fim último. Mas enquanto os gregos antigos tendiam a fundar a felicidade no cultivo da virtude e da excelência pessoal, alguns dos mais proeminentes pensadores do Iluminismo amarravam a busca da felicidade à busca do prazer.

“A felicidade, então, é em toda a sua extensão, o máximo prazer de que somos capazes e a miséria, a maior dor.” – John Locke

A maximização do prazer e a minimização da dor é a receita que muitos em nossos dias usam na tentativa de alcançar a felicidade. Mas estruturar nossa vida dessa maneira nos coloca em uma esteira hedônica. Passamos nossas vidas freneticamente correndo em direção aos bens, objetivos, eventos e pessoas que esperamos que imbuirão nossa vida com o prazer necessário para uma existência feliz. No entanto, ao atingir os objetos do nosso desejo, nos adaptamos rapidamente às novas condições e retornamos ao nosso estado padrão de ser. Ou como o filósofo Arthur Schopenhauer observou:

“… [Esforçar-se pela felicidade] é como uma sede insaciável: podemos alcançar breves satisfações, alguma liberação momentânea, mas, na natureza das coisas, elas nunca podem ser mais do que temporárias, e então estamos de novo no suporte. Portanto, a infelicidade, ou pelo menos a insatisfação, é o nosso estado normal de coisas. ” – Arthur Schopenhauer

Em nossos momentos mais introspectivos, muitos de nós reconhecem a busca constante da felicidade como um apego às sombras. Mas, qual é a alternativa? Se abandonarmos a busca da felicidade, o que deve tomar o seu lugar? No restante deste artigo, argumentaremos que devemos buscar uma vida significativa, pois, como Carl Jung observou:

“… a falta de significado na vida é uma doença da alma, cuja extensão e importância total ainda não começou a compreender.” – Carl Jung

Uma das principais razões em favor do cultivo do significado como nosso objetivo primário é devido à inevitabilidade do sofrimento. Embora a maior parte do nosso sofrimento seja menor e administrável, tendemos a ignorar o fato de estarmos sempre em risco de cair em períodos de grande adversidade – tempos em que somos forçados a lidar com o que Shakespeare chamou de “as eslingas e flechas da ultrajante fortuna”. (Shakespeare) Nestes momentos de crise, é apenas o significado – não a felicidade – que pode nos fornecer a resiliência necessária para perdurar. “Aquele que tem um porquê pode suportar quase qualquer coisa”, escreveu Nietzsche. Ou, como Carl Jung colocou “… o significado torna muitas coisas suportáveis – talvez tudo.” (Carl Jung, Memórias, Sonhos, Reflexões) O significado, em outras palavras, é a matéria-prima a partir da qual podemos construir nossa “cidadela interna”. Ou fortaleza psicológica, a partir da qual podemos navegar pelas correntes caóticas da vida.

Mas como cultivamos significado em nossa vida? Embora não exista receita garantida, algumas abordagens parecem ser muito mais sustentáveis ​​do que outras. Uma abordagem que não se enquadra na categoria de tenacidade é a tentativa de encontrar significado por meio da obtenção de bens externos, como dinheiro, fama, status ou relacionamentos. Esses bens podem aumentar a qualidade de nossa vida, mas é improvável que eles sejam imbuídos de significado. Muitas pessoas desenvolvem uma carreira de sucesso, criam uma família, acumulam riqueza e status social, apenas para descobrir, muitas vezes na meia-idade, que, apesar de seu sucesso externo, sua existência interior permanece desolada e desprovida de significado. Ou como Jung escreveu:

“Uma carreira, produção de filhos, são todos maya [ilusão] em comparação com aquela coisa que faz com que sua vida seja significativa” – Carl Jung

Uma abordagem muito mais prática para a busca do significado é focar no cultivo de nosso caráter. “O que sua consciência diz? “Você deve se tornar a pessoa que você é” (Nietzsche, A Gaia Ciência). Ou como diz o pré-socrático Heráclito: “Caráter é destino” . Se nos concentrarmos em nos tornarmos um indivíduo mais integrado e completo, aumentamos muito nossa chance de encontrar significado por duas razões principais. Em primeiro lugar, esta abordagem é um antídoto para a estagnação e passividade que garante uma existência sem sentido. E em segundo lugar, esforçando-se para cultivar nossas forças, provavelmente descobriremos o “porquê” ou o propósito de nossa existência, que é a chave para uma vida subjetivamente significativa. Para ajudar nesse caminho, precisamos discutir o papel que os objetivos desempenham nesse processo.

A importância de estabelecer metas para o desenvolvimento pessoal é bem conhecida. Pois assim como a pedra só pode ser moldada em uma escultura através da força de um martelo e cinzel, também nosso potencial, ou o desenvolvimento de nosso caráter, só pode ser realizado por meio de disciplina e esforço. Simplesmente flutuar com a corrente da vida promove um corpo fraco e uma mente macia. Portanto, devemos aprender a nadar com o fluxo da vida e esforçar-se e lutar por nossos objetivos dignos.

“Tolos são aqueles que… não têm objetivo para o qual possam direcionar todo impulso e, na verdade, todo pensamento.”
Marco Aurélio

Enquanto a maioria está ciente da importância do estabelecimento de metas, muitos cometem o erro de se sacrificarem por seus objetivos. Eles acreditam que é a consecução de objetivos que constrói caráter e cultiva significado, quando na verdade é a luta contínua para eles que mais importa. Este tema da importância do esforço incessante é fundamental no conto clássico de Fausto de Goethe. Para Goethe, Fausto só alcança a auto-realização através do seu compromisso com a luta perpétua e o esforço.

“Quem quer que se empenhe em constante esforço, Ele pode nos redimir.”
Goethe, Fausto

Ao se esforçar continuamente para alcançar objetivos, é crucial ter em mente que nossos objetivos só valem a pena se contribuírem para o crescimento de nosso caráter. Às vezes, nossos objetivos não nos levam adiante, pois podem ter sido apropriados apenas para um estágio de nosso desenvolvimento que superamos. Com a idade de 20 anos, o escritor Hunter Thompson elaborou este conselho em uma carta para um amigo:

“Quando você era jovem, digamos que você queria ser bombeiro. Eu me sinto razoavelmente seguro em dizer que você não quer mais ser um bombeiro. Por quê? Porque sua perspectiva mudou. Não é o bombeiro que mudou, mas você. Todo homem é a soma total de suas reações à experiência. À medida que suas experiências diferem e se multiplicam, você se torna um homem diferente e, portanto, sua perspectiva muda … Portanto, não nos esforçamos para ser bombeiros, não nos esforçamos para ser banqueiros, nem policiais, nem médicos. Nós nos esforçamos para sermos nós mesmos … O objetivo é absolutamente secundário: é o funcionamento em direção ao objetivo que é importante ”. — Hunter Thompson

Ao seguir este conselho – esforçando-se implacavelmente pelos objetivos, modificando-os continuamente para facilitar o desenvolvimento contínuo de nosso caráter – nos colocaremos em um caminho de vida potencialmente significativo. Escolher esse caminho requer que abandonemos nossa obsessão por felicidade e prazer, mas, ironicamente, ao sairmos da esteira hedônica e nos expormos às lutas e conflitos necessários para cultivar o caráter, provavelmente alcançaremos o estado transitório de felicidade com muito mais frequência do que aqueles que apontam diretamente para isto. Pois, como Hunter Thompson escreveu:

“… Quem é o homem mais feliz, aquele que enfrentou a tempestade da vida e viveu ou aquele que permaneceu seguro na praia e simplesmente existiu?”
Hunter Thompson

 

 

………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

Sumiço das nuvens é a nova ameaça do fim do mundo como o conhecemos

Há 50 milhões de anos, período conhecido como Eoceno, o Ártico não era coberto de gelo como hoje. Com a Terra cerca de 13ºC mais quente, a paisagem no extremo norte do planeta era ocupada por florestas pantanosas repletas de crocodilos, semelhantes às encontradas hoje ao sul dos EUA.

Para buscar entender o que deixou o planeta tão quente no passado— e o que pode acontecer com o clima no futuro —, cientistas usam modelagens matemáticas que fundem dados observados e projeções computadorizadas. A estimativa da pesquisa é que a concentração de CO² na atmosfera teria que ser de 4 mil partes por milhão (ppm) para que a temperatura ficasse tão quente. Isso é muito carbono; para se ter uma ideia, a concentração atual do elemento químico na atmosfera é de 410 ppm.

Ainda não se sabe exatamente o que causou o calorão de 50 milhões de anos atrás, mas uma nova pesquisa publicada na Nature Geoscience indica que a resposta pode estar nas nuvens.

Cerca de 20% dos oceanos subtropicais são cobertos por uma baixa e fina camada de nuvens, chamadas de estrato-cúmulos. Elas refletem a luz do sol de volta para o espaço e resfriam a Terra, sendo fundamentais para a regulação do clima no planeta.

O problema é que os movimentos turbulentos do ar que sustentam essas nuvens são muito pequenos para serem precisamente calculados, e acabam ficando de fora das idealizações climáticas globais.

Para contornar essa limitação, os pesquisadores criaram um modelo em pequena escala de uma seção atmosférica representativa acima de um oceano subtropical, simulando em supercomputadores as nuvens e seus movimentos turbulentos sobre este pedaço do mar.

Nas projeções, quando a concentração de CO² excedia os 1.200 ppm, as nuvens começavam a desaparecer. Sem a cobertura delas, o calor do Sol, antes refletido, era absorvido pela terra e pelo oceano, representando um aquecimento local 10ºC. Globalmente, a temperatura subiria 8ºC rapidamente, o que significaria o fim da vida como conhecemos.

Uma vez que as nuvens sumiram, elas não voltaram a aparecer até os níveis de CO² caírem a taxas substancialmente abaixo de quando a primeira instabilidade ocorreu. De acordo com os cientistas, se a emissão de carbono pela humanidade mantiver a tendência atual, chegaríamos à concentração catastrófica do elemento químico em meados do próximo século.

“Acredito e espero que as mudanças tecnológicas desacelerem as emissões de carbono para que não alcancemos concentrações tão altas de CO². Mas nossos resultados mostram que há limites perigosos de mudança climática dos quais não tínhamos conhecimento”, disse o líder do estudo, Tapio Schneider, professor de Ciências Ambientais e Engenharia da Caltech e pesquisador sênior no Jet Propulsion Laboratory, da NASA.

O pesquisador, no entanto, aponta para a necessidade de novos estudos e ressalta que a concentração limite de 1.200 ppm na atmosfera é apenas um número aproximado. As nuvens e a humanidade podem desaparecer em níveis menores ou maiores.

“Esta pesquisa aponta para um ponto cego na modelagem climática”, afirmou Schneider, líder atual do Climate Modeling Alliance (CliMA). O consórcio usará ferramentas de assimilação de dados e de aprendizado de máquina para fundir observações da Terra e simulações de alta resolução em um modelo que representa nuvens e outros recursos importantes, mas com cálculos em menor escala e maior precisão do que os atuais.

 

 

………………………………………………………..
*Fonte: revistagalileu

Descoberta sem precedentes transforma tipos de sangue em universal

Em um avanço que poderia salvar milhares de vidas, os cientistas descobriram uma maneira de converter o tipo A de sangue para o tipo universal, que é seguro para todos os pacientes, usando micróbios encontrados no intestino humano.

Um novo estudo mostrou como as enzimas podem ser usadas para converter os glóbulos vermelhos tipo A em células do tipo O universal. Embora a ciência ainda esteja em seus primórdios, ela tem o potencial de abrir caminho para aumentar consideravelmente a oferta e o acesso a sangue para transfusões que salvam vidas.

Os tipos sanguíneos são diferenciados pelos tipos de açúcar encontrados na superfície dos glóbulos vermelhos. O tipo O não tem açúcar. Os cientistas perceberam que algumas enzimas podem remover os açúcares das células do sangue, transformando-as em tipo O, mas não encontraram uma enzima que fosse segura, eficiente e econômica, até que considerassem o intestino.

O trato digestivo humano tem os mesmos açúcares encontrados nas células do sangue, e as enzimas bacterianas encontradas nas fezes retiram os açúcares do revestimento para ajudar na digestão.

Os cientistas conseguiram isolar a enzima e usá-la para extrair o sangue de seus açúcares de maneira mais eficiente que qualquer outra enzima.

Considerando que A é o segundo tipo sanguíneo mais comum, esse descoberta poderia ser revolucionária no aumento da oferta de sangue de doadores universais, salvando milhares de vidas.

Os cientistas fizeram a descoberta emocionante em agosto passado, mas acabaram de publicar os resultados de suas pesquisas na revista Nature Microbiology.

O próximo passo é a equipe testar a conversão da enzima em um cenário clínico para ver se há algum efeito colateral do procedimento. Se nenhum for encontrado, o futuro da doação de sangue mudará para melhor.

…………………………………………………………………………
*Fonte: socientífica