Estes alimentos e bebidas te ajudam a dormir melhor

Ter uma boa noite de sono é essencial para que consigamos desenvolver bem as atividades do dia a dia. No entanto, para que isso seja possível, existem algumas fontes saudáveis de comidas e bebidas que promovem uma melhor qualidade de vida e ajudam você a dormir melhor.

Durante os últimos anos, pesquisadores estão se empenhando para conseguir comprovações científicas acerca de alguns alimentos populares que são tidos como uma fonte para quem quer ter uma noite de sono duradoura.
5 alimentos e bebidas que fazem você dormir melhor

Arroz branco
Trata-se de um dos grãos mais consumidos ao redor do mundo. Rico em nutrientes, vitaminas, minerais, carboidratos e antioxidantes. No entanto, deve ser ingerido em pequenas porções, uma vez que, a baixa quantidade de fibras, contribui para uma elevação no Índice Glicêmico (IG), revela estudo.

De acordo com uma pesquisa, para que esse alimento te ajude a dormir melhor, é necessário que sua ingestão seja feita em média 1 hora antes do seu horário de adormecer. Um estudo de 2014 revelou que, dentre o pão, macarrão e arroz, esse último grão é a melhor opção para quem busca dormir bem.

Amêndoas
Apesar de conter um alto teor de gordura, as amêndoas são excelentes fontes nutritivas, mas desde que sejam ingerido com moderação. Segundo estudos, esse tipo de nozes possui substâncias antioxidantes, na qual atuam como protetora das células, que podem levar a doenças crônicas.
Amêndoas fornecem inúmeros benefícios a saúde. (Imagem: Pixabay)

Até o momento, poucos estudos foram feitos utilizando amêndoas em humanos. No entanto, alguns pesquisadores acreditam que a associação entre essas nozes e o sono seja devido a presença de magnésio. Esse elemento ajuda a reduzir o hormônio cortisol, responsável por interromper o sono.

Chá de maracujá
Os chás são elementos repassados ao longo de gerações, utilizando os benefícios das plantas medicinais. Assim, pesquisas comprovam que os chás ajudam a combater inúmeras doenças. Em específico, o chá de maracujá promove a redução da inflamação, uma vez que possui substâncias antioxidantes em sua composição.

Além disso, esse chá é uma excelente fonte de nutrientes, pois ajuda a fortalecer o sistema imunológico, ao mesmo tempo em que reduz as chances de doenças cardíacas, diz estudo. O ideal é tomar o chá de maracujá um pouco antes de dormir. Assim, seus constituintes irão fazer o efeito desejado, lhe causando sonolência, fazendo com que você consiga dormir tranquilamente.

Kiwi
Além de ser uma excelente opção para quem busca emagrecer, devido ao seu baixo índice calórico, o kiwi é altamente nutritivo. De acordo com uma pesquisa, comer 1 ou 2 kiwis antes de deitar faz com que o indivíduo venha a adormecer mais rapidamente.

Assim, ficou comprovado que as pessoas conseguem dormir a noite inteira, sem perder o sono na madrugada. As hipóteses testadas em alguns estudos demonstram que essa melhora pode estar atrelada a produção de serotonina. No entanto, uma outra pesquisa revelou que a melhora no sono pode ser influenciada, parcialmente, pela presença da vitamina C e pelos carotenoides.

Peixe
Peixes que contenham bastante gordura, como é o caso do salmão, truta e atum, possuem um excelente valor nutricional, principalmente como fonte de vitamina D. São ricos em ácidos graxos ômega-3, e por isso ajudam no combate a doenças cardíacas, além de aperfeiçoar a saúde do cérebro, revelam estudos.

Quando combinados, os ácidos graxos ômega-3 com a vitamina D presente nos peixes com alto teor de gordura, a tendência é que uma pessoa venha a dormir melhor. Uma vez que, segundo pesquisas, foi descoberto que essa junção faz com que a serotonina seja produzida em maior quantidade, promovendo uma boa noite de sono.

*Por Ruth Rodrigues

…………………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Os 5 melhores alimentos para evitar perda de memória!

Descubra quais são estes alimentos tão poderosos e acrescente-os à sua dieta para manter a sua memória sempre em dia!

Nosso cérebro é, sem dúvidas, uma das áreas de nosso corpo que mais precisam de nossa atenção e cuidado. Ele é o centro de controle do organismo, responsável por manter os pulmões e o coração funcionando, além de controlar os nossos movimentos, sentimentos e pensamentos.

A memória também é cuidada e mantida por ele e, ainda que tenha a tendência de se perder, com o passar dos anos, quando cuidamos bem de nosso cérebro, conseguimos melhorar tarefas mentais que envolvem a memória e a concentração, o que melhora a nossa qualidade de vida significativamente.

10 alimentos que deixam você mais esperto:

Cérebro pode ser treinado para curar doenças, diz estudo

Hormônio produzido durante exercícios recupera a memória de pessoas com alzheimer

Abaixo listamos alguns alimentos que ajudam a estimular o cérebro e a combater a perda de memória. Descubra quais são e incorpore-os à sua rotina hoje mesmo!

1. Peixes gordurosos
Um estudo descobriu que pessoas que consumiam peixe assado ou grelhado regularmente tinham mais massa cinzenta em seus cérebros. A massa cinzenta contém a maioria das células nervosas que controlam a tomada de decisões, memória e emoção.

Além disso, peixes como salmão, truta e sardinha são fontes ricas em ácidos graxos ômega-3, que são usados pelo cérebro para construir células cerebrais e nervosas, e possuem um importante papel no aprendizado e na memória, segundo pesquisa.

2. Ovos
Apesar de não haver muitas informações científicas sobre a ligação entre comer ovos e a saúde do cérebro, existem pesquisas que apoiam os benefícios dos nutrientes encontrados nos ovos nesse órgão.

Por exemplo, um estudo mostrou que a colina, um dos nutrientes encontrados nos ovos, ao lado das vitaminas B6 e B12, e folato, é associada à melhor memória e função mental de uma pessoa.

3. Café
Um estudo de 2016 mostrou que o consumo de café ao longo da vida é associado à prevenção do declínio cognitivo e de menor risco de desenvolver as doenças de Parkinson e Alzheimer, além de minimizar as possibilidades de um acidente vascular cerebral.

4. Brócolis
O brócolis, que é muito apreciado, também tem seu papel na preservação da memória. O vegetal é rico em vitamina K, que foi relacionada à menor incidência de perda de memória em adultos mais velhos, em um estudo.

5. Couve
Um estudo publicado na Revista Neurology mostrou que folhas verde-escuras, entre as quais a couve, podem ajudar a retardar ou prevenir o declínio cognitivo.

*Por Luiza Fletcher

………………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Beber uma taça de vinho por dia é capaz de ‘limpar a mente’, aponta estudo

A moderação parece ser mesmo a chave para a maioria das coisas da vida – inclusive aquelas que supostamente nos fazem mal. Pesquisas recentes concluíram algo que deixou até mesmo os cientistas impactados: ingerir um pouco de álcool pode fazer bem para o combate ao Alzheimer e outros tipos de demência – que quem não bebe nada corre mais riscos de desenvolver tais males do que quem bebe um pouco.

O impressionante resultado se deu por conta do sistema glinfático, uma espécie de sistema de autolimpeza do cérebro, que remove toxinas e ajuda a combater as doenças citadas. O primeiro resultado da pesquisa já era esperado, e sublinha a importância do sono: além de fixar o que aprendemos e melhorar todo o funcionamento do corpo, é durante um bom sono que o sistema glinfático “limpa” o nosso cérebro.

Acontece que a pesquisa também apontou indícios de que o consumo de quantidades baixas de álcool também aumentam as atividades desse sistema. Não adianta, no entanto, encher a cara diariamente para prevenir qualquer demência: segundo as pesquisas, realizadas somente com ratos, a ingestão benéfica equivale a uma taça diária de vinho, capaz de aumentar o funcionamento do sistema glinfático em até 40%.

…………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

Como limpar e organizar corretamente a geladeira

Guardar os alimentos na geladeira já se tornou algo tão automático que, frequentemente, não damos ao eletrodoméstico a devida atenção. Com uma função tão orgânica, limpar a geladeira semanalmente é essencial para afastar bactérias e odores desagradáveis. Além disso, a forma de colocá-la em ordem influencia, diretamente, na redução do desperdício, uma necessidade cada vez mais presente no nosso dia a dia. Confira a seguir um passo a passo!

1. Analise o que precisa ser descartado
Antes de mais nada, é preciso verificar o que pode ir para o lixo e o que continua na geladeira. “Tudo o que for voltar para o eletrodoméstico deve ser limpo de maneira adequada, com um pano úmido, ou, em casos de potes com sujeiras incrustadas, por exemplo, deve-se levá-los para a pia e lavar com esponja e lava-louça, de preferência, um que tenha ação antibacteriana”, ensina a influencer de limpeza Mônica Loureiro, parceira da Bettanin.

2. Higienize a parte interna da sua geladeira
Desligue a sua geladeira da tomada e coloque os alimentos em recipientes que preservem sua temperatura. As peças soltas devem ser higienizadas primeiro. “O ideal é lavá-las na pia, com o uso de uma esponja, do lado não abrasivo, para não riscar as peças, e com um lava louça que tenha o poder de eliminar as bactérias”, afirma Mônica. Depois, basta enxaguar as peças e deixá-las escorrendo enquanto é feita a limpeza da parte interna do eletrodoméstico.

Para isso, separe uma mistura de 2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio e 1 litro de água quente. Lave com pano úmido e seque bem com outra flanela. Isso ajudará a eliminar os odores indesejáveis da sua geladeira. “Mas atenção: não use sabão ou detergente, pois eles podem deixar cheiro e, posteriormente, esse odor pode ser absorvido pelos alimentos”, aconselha a apresentadora americana e especialista quando o assunto é casa, Martha Stweart.

3. Limpe assim que algo derramar dentro da geladeira
O importante é limpar logo que algum líquido, especialmente, seja derramado dentro da geladeira. Isso porque, caso ele seque, fica muito mais difícil removê-lo. Outra dica é garantir que tudo esteja bem embalado ao ser armazenado no eletrodoméstico. Além disso, Martha sugere reforçar a limpeza das bordas de potes no geral, como os de geleia, frascos e recipientes de catchup, antes de guardá-los.

4. Mantenha a limpeza da parte externa em dia
A sugestão é dividir essa etapa da limpeza em duas categorias: semanal e sazonal. A primeira engloba a higiene das portas e bordas do eletrodoméstico. Para isso, use um pano umedecido com detergente neutro e água. Preste atenção nas áreas ao redor das alças, que podem abrigar impressões digitais pegajosas. Já nas higinizações sazonais, opte por dar mais atenção às vedações da porta, utilizando água quente e detergente neutro. Seque bem com um pano limpo. Verifique se as vedações encaixam corretamente.

5. Mantenha cada coisa em seu lugar
Cada coisa no seu lugar: para ter uma geladeira organizada é preciso aproveitar o espaço da melhor maneira possível (Foto: Pinterest/ Reprodução)

Com tudo limpo, é hora de começar a organização. As geladeiras mais novas são projetadas para que cada tipo de alimento seja guardado no local adequado. Isso porque, vários estudos mostram que, assim, preserva-se a comida por mais tempo, evitando que ela estrague antes da hora. Na porta da geladeira, por exemplo, priorize os produtos que tombam e são menos sensíveis à temperatura, como condimentos, molhos, refrigerantes e sucos.

6. Na prateleira mais alta
Essa é a área mais fria da geladeira, por isso, priorize ali alimentos que sofrem mais com a mudança de temperatura. “Dê preferência aos produtos que você usa com mais frequência e também às carnes e aos laticínios. E lembre-se, deixe os produtos mais altos ao fundo e os mais baixos à frente, ou aquele potinho pequeno não vai ser visto e vai acabar sendo esquecido”, alerta a personal organizer Carol Rosa.

7. Nas outras prateleiras
Já na segunda e na terceira prateleira, coloque os produtos industrializados ou prontos, como legumes cozidos e as sobras de refeições. “Nunca guarde os alimentos na panela em que foram preparados. O ideal é armazená-los em potes com tampa, o que economizará espaço dentro do eletrodoméstico”, sugere Mônica. Dê preferência a recipientes transparentes ou de vidro, assim, você sabe exatamente o que tem dentro e a quantidade.

8. Nas gavetas
As gavetas devem ser reservadas para verduras, frutas e legumes. Uma dica importante é sempre higienizá-los antes de colocá-los no refrigerador. “Depois de lavar as hortaliças, passe pela centrífuga e guarde-as em sacos bem fechados. Isso ajuda na conservação por mais tempo. As frutas, após higienizadas, também podem ser colocadas em potes plásticos com tampa ou vasilhas de inox cobertas com papel filme”, explica Carol.

9. Cheque sempre para ver se não há comida estragada
Alimentos que passam da data de validade exalam odores desagradáveis e ainda podem contaminar os que estão em bom estado. Por isso, crie o hábito de verificar se há alguma comida estragada na geladeira. E, caso você precise descongelar alimentos, use um prato em baixo dele, para que o líquido eliminado não suje a sua geladeira.

*Por Aline Melo

…………………………………………………………………….
*Fonte: casaejardim

Micro trailer dobrável pode ser acoplado em bike para “escapar” da cidade

Que tal pegar a bicicleta e escapar no fim de semana para curtir a natureza? Esta é a proposta da empresa dinamarquesa Wide Path Campers que lançou um trailer tão pequeno que pode ser puxado até pelo veículo de duas rodas. É como levar a própria casa para onde for.

Apesar de minúsculo, o “Bicycle Camper” é extensível. Não é preciso nenhuma ferramenta: em apenas três minutos é possível converter o trailer dobrável em uma modesta casinha. O espaço interno pode ser usado como sala de estar, como mesa e sofá, como também pode ser transformado em uma cama de 200 x 90 cm, que acomoda duas pessoas.

Se a ideia for acampar, outra possibilidade é montar a mesa com cadeiras do lado externo e até receber convidados. Ao dobrá-lo, o trailer está pronto para ser levado para a próxima aventura.

A mini casa móvel é equipada com espuma semi-isolante, janelas em policarbonato anti-estilhaçamento e piso de madeira compensada resistente à água. Um trilho embutido facilita o transporte da barraca ou tenda solar. Há ainda espaço de armazenamento interno de 300 litros.

Dimensões

Dobrado, o micro trailer mede 1,49 metro de comprimento; enquanto aberto chega a 2,85. Em ambos os casos, a largura é de 97 cm e a altura total é de 1,75, sendo que dentro da cabine a altura é de apenas 142 cm (confortável para estar sentado, mas não para ficar em pé).

A Wide Path Campers vende ainda pacotes adicionais do modelo com painel solar, bateria, lâmpadas LED, ventilador e kit cozinha.

A empresa não aborda questões de segurança. Como será a estabilidade de pedalar enquanto puxa um trailer em estradas íngremes, por exemplo? Outro ponto a ser questionado é o valor – já salgado em coroas dinamarquesas – convertido para reais cada trailer dobrável não sai por menos de 22 mil reais. Para mais informações, acesse o site da companhia.

*Por Marcia Sousa

……………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Este fabricante de queijos suíços toca música para seus queijos ficarem melhores

O que será que faz com que os queijos suíços sejam tão bons? De acordo com este fabricante, a resposta é a música.

Desde setembro, Beat Wampfler coloca grandes sucessos musicais para tocar para seus queijos do tipo Emmental. Ele acredita que a batida possa influenciar o desenvolvimento e o sabor do alimento – e está disposto a provar isso.

Os experimentos são feitos colocando pequenas caixas de som sob as rodelas. A produção é então dividida por gêneros musicias: alguns laticínios amadurecem ao som de techno, outros recebem música ambiente e há ainda os clássicos, que esperam o tempo passar ouvindo Mozart. Hip-hop e rock também estão sendo testados em algumas das rodelas.

Embora tudo pareça saído da cabeça de um cientista louco, Beat conta com o auxílio de pesquisadores da Universidade de Artes de Berna. As análises são baseadas em um campo de estudos conhecido como sonoquímica que, basicamente, pesquisa o impacto do som e reações químicas em objetos sólidos.

Um time de jurados experts em queijos foi convocado para descobrir se os gêneros musicais surtiram algum efeito nas rodelas de Emmental. A prova final será feita no dia 15 de março do próximo ano.

…………………………………………………………………………
*Fonte: hypeness

Coca Cola e a Danone estão produzindo garrafas à base de plantas que se degradam em apenas um ano

O lixo plástico produzido todos os anos em todo o mundo é um dos principais responsáveis pelo grande problema ambiental envolvendo o descarte de lixo. Visando isso, a Coca-Cola e a Carlsberg, em parceria com a empresa Avantium estão produzindo uma alternativa sustentável e biodegradável para todos nós.

O novo material plástico desenvolvido é feito de açúcar de milho, trigo e beterraba e se decompõe em apenas um ano, muito menos prejudicial que os 200 anos de um plástico comum.

“Esse plástico tem credenciais de sustentabilidade muito atraentes porque não usa combustíveis fósseis e pode ser reciclado – mas também se degradaria na natureza muito mais rapidamente do que os plásticos normais”, disse o diretor executivo da Avantium, Tom Van Aken, ao The Guardian.

Em 1950, uma população global de 2,5 bilhões produzia aproximadamente 1,5 milhão de toneladas de plástico. No entanto, em 2016, uma população de mais de sete bilhões produziu mais de 320 milhões de toneladas de plástico. Espera-se que esse número continue crescendo e dobrará até 2034. Infelizmente essa realidade é crescente e constante e essa nova opção vem como uma luz para esse grande problema ambiental.

Espera-se que as bebidas nessas garrafas cheguem às prateleiras até 2023: “A inovação leva tempo e continuaremos a colaborar com os principais especialistas para superar os desafios técnicos remanescentes, assim como fizemos com o nosso Snap Pack de redução de plástico”

*Por Mariana Marques

………………………………………………………………
*Fonte: revistacarpediem

Fones de ouvido podem me deixar surdo?

O uso de fones de ouvido só aumenta com o crescimento da dependência do uso da tecnologia móvel. Fones de ouvido são muito úteis para você curtir sua música sem incomodar ninguém ou bater papo sem usar as mãos. Você também pode se isolar na sua bolha de som para se concentrar em uma atividade sem distrações sonoras. São extremamente convenientes, não há dúvida. Mas fones de ouvido são seguros para a sua audição? Você deve dar um tempo de vez em quando? Qual é a maneira mais saudável de usar os fones de ouvido?

O som causando perda da audição

O som é um método fundamental que utilizamos tanto para comunicação quanto orientação. Mas seus ouvidos são extremamente sensíveis aos sons que recebe.
As duas estruturas principais do ouvido danificadas pelo som alto

No ouvido há minúsculas estruturas que se parecem com pelinhos conhecidas como células ciliadas. Essas células são especializadas a enviar o som dos ouvidos ao cérebro para processamento. Sons muito altos podem danificar essas células para sempre e o funcionamento da transmissão do som deixa de ocorrer. Outros prejuízos podem ser causados na conexão das células ciliadas com as células nervosas. E adivinha uma causa comum disso: som muito alto.

Como saber se o som está muito alto?

Para você ter uma idéia um soprador de ou um cortador de gramas costumam gerar som a mais de 85 dB. Nesse volume sua audição pode ser danificada se a exposição durar mais de duas horas. Exposição a sons de 105 a 110 dB pode causar danos em apenas cinco minutos. Há pouca chance de sons com menos de 70 dB danifiquem a audição de maneira significativa.

Qual a potência dos fones de ouvido?

Um aspecto fundamental que você não deve esquecer é que os fones de ouvido chegam a 105-110 dB, no máximo. Por que é importante? Porque o volume máximo dos fones ultrapassa o limite em que a audição é danificada tanto em crianças quanto em adultos! Lembre-se que estes dispositivos aparentemente inócuos podem ser usados de maneira danosa para a sua saúde caso esteja exagerando no volume.

Quanto tempo é tempo demais?

O fator volume em dB não é o único prejudicial aqui; o tempo de exposição também conta, e muito. Basicamente, quanto mais alto o som maior o potencial de dano com menos tempo de exposição. Há normas trabalhistas que obrigam empresas a fornecerem protetores auriculares caso a exposição no trabalho seja maior do que 85 dB por oito horas.

Oito horas parece muito tempo! Mas fones de ouvido com som um pouco mais alto que isso alto danificam a audição em menos de uma hora e as situações em que eles são usados por tempos mais longos que esse são bem comuns, você sabe.

Como usar fones de ouvido com segurança e sem danos a sua audição

Se você estiver ouvindo o som em um volume confortável pode continuar ouvindo por tempo ilimitado. Em outros casos a duração do uso deverá ser regulada com a altura do volume do dispositivo.

A audição pode sofrer danos através da combinação entre excesso de volume com e muito tempo de exposição. Portanto essas dicas vão ser úteis para você ter uma audição saudável por mais tempo:

Fique atento ao volume e a quando tempo está ouvindo com os fones.

Depois de uso por longo tempo faça uma pausa e sempre se esforce por ouvir em um volume confortável.

Prepare-se: sempre que participar de um show, balada ou for ao estádio lotado de torcedores leve protetores auriculares. A opção mais simples é barata e feita de espuma viscoelástica que se molda quando é inserido no ouvido.

Se quiser descobrir se já sofre de qualquer perda auditiva, quiser monitorar sua audição ou tiver mais dúvidas sobre o uso de fones não deixe de consultar um otorrinolaringologista.

 

A saúde dos seus ouvidos é tão importante para você quanto complexa. Atos simples pode ajudar a proteger a longevidade da sua audição enquanto usa fones de ouvido. [Harvard Health Publishing]

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Pesquisa sugere que cães preferem ouvir reggae e rock leve a outros gêneros musicais

Os cães aparentemente preferem ouvir reggae e rock leve em vez de outros gêneros musicais, de acordo com pesquisadores.

A organização protetora dos animais SPCA Escocesa e a Universidade de Glasgow publicaram um estudo sugerindo que a música afeta os cachorros.

Os cientistas tocaram uma grande variedade de canções para os animais em um canil em Dumbarton, na Escócia, e perceberam mudanças psicológicas e de comportamento.

Segundo o professor Neil Evans, as mudanças mais positivas foram observadas quando eram tocados reggae e rock leve.

Mas apesar desses gêneros terem sobressaído, Evans explicou que cada cachorro tem seu próprio gosto musical.

“Em geral, a resposta para diferentes gêneros foi misturada, evidenciando a possibilidade de que, como os humanos, nossos amigos caninos têm suas próprias preferências musicais.”

Lista musical para cães

Os cachorros foram submetidos a cinco gêneros musicais: rock leve, motown, pop, reggae e clássico.

O estudo sugere que os cães passaram “significativamente mais tempo deitados e menos tempo em pé” quando música era tocada, independente do gênero.

Medindo os batimentos cardíacos dos animais, os pesquisadores disseram ter percebido uma diminuição do nível de estresse quando a música era tocada, especialmente rock leve e reggae.

A estudante de pós-graduação Amy Bowman, participante do estudo, explicou a análise.

“Nós estávamos interessados em explorar os efeitos de tocar diferentes gêneros de música”, disse. “Estava claro que as mudanças psicológicas e comportamentais observadas eram mantidas durante o teste, quando os cachorros foram expostos a uma variedade de músicas.”

Diante dos resultados, a organização de defesa dos animais SPCA Escocesa disse que agora investirá em sistemas de som para seus canis.

“Nossos centros em Glasgow e Edimburgo têm capacidade para tocar música nos canis hoje”, afirmou Gilly Mendes Ferreira, da SPCA Escocesa.

“No futuro, todos os centros serão capazes de oferecer aos nossos amigos de quatro patas uma lista de músicas aprovadas por cães. E há o objetivo de expandir essa pesquisa para outras espécies sob nossos cuidados.”

……………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

O temido balanço no fim do mundo que tem vista para um enorme vulcão

Se você não foge da aventura e gosta de explorar os lugares mais inóspitos do planeta, conheça o balanço no fim do mundo, uma experiência vertiginosa e arrepiante.

Se você aproveitou bem a sua infância, com certeza se lembra de ter se divertido “voando” alto em um balanço em qualquer parque infantil. Ninguém se esquece da sensação de liberdade, do vento batendo no rosto, da adrenalina subindo, da vontade crescente de balançar cada vez mais alto, como se pudéssemos ganhar o céu.

Conforme nos tornamos adultos, os desafios crescem junto conosco e, de repente, brincar em um balanço infantil deixa de ser uma experiência tão incrível quanto era antes, no tempo em que as coisas eram mais simples.

Entretanto, existe um balanço que consegue adicionar novos elementos a esse tradicional brinquedo infantil e fazer qualquer marmanjo sentir palpitações como se tivesse seis anos de idade novamente. Trata-se do temido “Balanço do fim do mundo”, localizado nas profundezas das florestas do Equador.

La Casa Del Arbol (A Casa da Árvore) em Baños, Equador, é o lar do que é comumente chamado de O Balanço no Fim do Mundo. Sua localização única, 2.600 metros acima do nível do mar, oferece aos visitantes uma vista bonita e aterradora do vulcão Tungurahua. Com apenas um cinto de segurança solitário para prendê-lo, o balanço faz arcos para o ar sobre o canyon. Embora possa parecer que paira sobre um penhasco, o balanço realmente paira sobre uma encosta íngreme.

De qualquer forma, cair provavelmente significaria perder a vida instantaneamente, mas isso não impede que os aventureiros se arrisquem no final do mundo. E provavelmente vale a pena, porque a adrenalina, a sensação de liberdade e as incríveis vistas circundantes devem ser únicas.

Embora o balanço costumava ser completamente não monitorado, hoje existem guias para ajudá-lo a apertar e empurrar enquanto balança – e tirar uma foto, é claro.

Além do balanço, La Casa Del Arbol é um ótimo lugar para caminhar e apreciar a vista, mesmo para quem não tem a intenção de se arriscar no famoso balanço.

E você, teria coragem de se balançar no fim do mundo?

……………………………………………………………………….
*Fonte: contioutra

Dalai Lama estreia no topo da Billboard com seu primeiro álbum

Sabe quem acaba de fazer uma estreia bombástica no mundo da música colocando seu primeiro trabalho já no topo da Billboard? Dalai Lama.

Pois é, colegas! O recém-lançado disco do líder espiritual, Inner World, que saiu em 6 de julho, dia de seu aniversário, está no primeiro lugar da parada New Age Albums.

Além disso, Dalai Lama também tem nesta semana a oitava posição do ranking World Albums e a 98º do Album Sales. Isso tudo porque, entre vendas físicas, digitais e execuções nos serviços de streaming, bateu dois mil plays nos primeiros sete dias do material disponível.

Dalai Lama

O disco de Dalai Lama combina os mantras e ensinamentos do líder espiritual budista através de falas e algumas canções, e foi gravado em parceria com os músicos neozelandeses Junelle e Abraham Kunin.

Aliás, foi de Junelle a ideia de colocar Dalai Lama em um estúdio e gravar o material. “Ele estava tão empolgado!”, revelou sobre o processo de produção.

Ele realmente me explicou como a música é importante e como pode ajudar as pessoas de uma maneira que ele não pode, transcendendo as diferenças e retornando à sua verdadeira natureza e bom coração.

Você pode ouvir o primeiro álbum de Dalai Lama, Inner World, número um na Billboard, logo abaixo:

*Por Felipe Tellis

………………………………………………………………………………….
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Estudo revela: beber meio litro de cerveja por semana ajuda na memória

De acordo com pesquisadores dos EUA e da China, o consumo moderado de cerveja ajudaria a melhorar nossas propriedades cognitivas, que seriam ainda maiores do que as de quem não bebe. E agora? Como faz?

Desde tempos muito antigos foi nos passado de que o consumo da cerveja pode ser prejudicial, que beber é algo muito ruim e que a ressaca no dia seguinte não faz valer a pena… todas essas coisas podem ser verdade mas, no entanto, a cerveja ainda parece ser a bebida predileta de grande parte do mundo.

E embora todos saibamos que a cerveja dá aquela animada nas festas, também já foi mostrado por vários estudos que ela traz vários benefícios para o nosso corpo.

No mais recente, um grupo de pesquisadores dos EUA e da China apontou, através de um documento publicado no site da Jama Network, que consumir meio litro de cerveja por semana ajuda a melhorar as funções cognitivas relacionadas à memória. Ou seja, ela te ajuda a preservar uma boa memória.

Com base no HRS – um estudo com cerca de 20.000 pessoas de meia-idade e idosos nos Estados Unidos -, concluiu-se que o consumo MODERADO de álcool estava associado a uma melhor função cognitiva geral e também no nível individual em termos de memória das palavras, estado mental e até vocabulário.

Além disso, em comparação às pessoas que não bebiam semanalmente ou bebedores de ocasião, houve menos declínio cognitivo em todos os domínios estudados, o que está de acordo com estudos anteriores realizados sobre o assunto.

Obviamente, devemos levar em conta um detalhe importante: estamos falando de beber moderadamente, e não de pessoas que bebem sem filtro.

É muito importante que este estudo seja interpretado e entendido da maneira correta e saudável – e lembrando que apenas um estudo, então pesquise mais sobre o assunto.

De qualquer forma, um pequeno copo de cerveja antes do almoço ajuda a pensar melhor. Pelo menos é o que diz numa certa música que ouvi outra dia, e agora o estudo corrobora essa vontade!

………………………………………………………………………………
*Fonte: asomadetodososafetos

Os 50 melhores baixistas da história segundo a Rolling Stone

Um dos instrumentos mais importantes da música, em especial em estilos como o Funk, o Jazz e claro, o Rock, o baixo muitas vezes é deixado de lado e grandes nomes são ofuscados por músicos de outros instrumentos.

Mas a revista americana Rolling Stone resolveu reunir um time de especialistas para dar créditos a quem tanto merece e, em conjunto, os jornalistas escolheram uma lista com os 50 maiores baixistas da história.

Claro que a lista conta com vários dos nomes já esperados, como Paul McCartney e Flea (Red Hot Chili Peppers), mas é bem legal ver a representação de nomes da nova geração como Thundercat e de ícones que muitas vezes acabam esquecidos, como Esperanza Spalding, Pino Palladino e James Jamerson, que ficou com o primeiro lugar.

Abaixo, você pode conferir a lista na íntegra e aqui você acessa a matéria completa (em inglês) com um pequeno perfil sobre cada um dos artistas.
Os 50 melhores baixistas da história segundo a Rolling Stone

50. Thundercat
49. Duff McKagan
48. Kim Deal
47. Leland Sklar
46. Peter Hook
45. Esperanza Spalding
44. Joseph Makwela
43. Mike Watt
42. Tony Levin
41. George Porter Jr.
40. Bill Black
39. Kim Gordon
38. Pino Palladino
37. John McVie
36. Les Claypool
35. Louis Johnson
34. Richard Davis
33. Lemmy
32. Sting
31. Bernard Edwards
30. Bob Moore
29. Tina Weymouth
28. Aston “Family Man” Barrett
27. David Hood
26. Israel Cachao López
25. Cliff Burton
24. Geddy Lee
23. Bill Wyman
22. Flea
21. Geezer Butler
20. Rick Danko
19. Verdine White
18. Chris Squire
17. Robbie Shakespeare
16. Charlie Haden
15. Donald “Duck” Dunn
14. John Paul Jones
13. Stanley Clarke
12. Willie Dixon
11. Phil Lesh
10. Ron Carter
9. Paul McCartney
8. Jaco Pastorius
7. Larry Graham
6. Jack Bruce
5. Carol Kaye
4. Bootsy Collins
3. John Entwistle
2. Charles Mingus
1. James Jamerson

James Jamerson

………………………………………………………………………….
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Pesquisa aponta que o ser humano está cada vez menos inteligente

Pesquisadores noruegueses, após analisarem mais de 730 mil avaliações de QI (Quociente de Inteligência), chegaram à conclusão de que as pessoas estão cada vez menos inteligentes. O estudo verificou uma diminuição de praticamente 7 pontos de uma geração a outra, sendo a última a que apresentou menor inteligência.

O fenômeno é uma reversão do chamado Efeito Flynn. Este conceito diz respeito ao aumento constante do índice de acerto nos testes de QI verificado entre a população mundial durante o século XX. A partir de 1900, a humanidade registrava um aumento médio de três pontos de QI a cada década. O efeito foi batizado em homenagem ao cientista James Flynn, que observou esses dados.

A pesquisa norueguesa, realizada pelo Centro Ragnar Frisch de Pesquisa Econômica, sugere que o ápice do Efeito Flynn foi registrado entre pessoas nascidas no meio da década de 1970. Depois disso, verificou-se um declínio nos índices de QI. “Esta é a prova mais convincente de uma reversão do efeito Flynn”, disse o psicólogo Stuart Ritchie, da Universidade de Edimburgo, na Escócia, que não participou da pesquisa. “Se você assumir que o modelo deles está correto, os resultados são impressionantes e preocupantes”, completou.

O estudo sugere que mudanças no estilo de vida podem ser a causa da queda nos índices de QI. Isso inclui fatores como o tipo de educação oferecida às crianças de hoje em dia e as atividades exercidas por elas (menos tempo gasto com leitura, por exemplo). Outra possibilidade é que os testes de QI não se adaptaram para quantificar com precisão a inteligência das pessoas modernas. Essas avaliações favoreceriam formas de raciocínio que podem ser menos enfatizadas na educação contemporânea e no estilo de vida dos jovens.

…………………………………………………………………………..
*Fonte: brhistoryplay

Por que o outro lado da Lua é tão esquisito?

A Lua foi uma das primeiras explorações espaciais do ser humano, que teve em chegar ao satélite como uma das grandes conquistas. Entender por completo a Lua trouxe questionamentos como, por exemplo, por que o outro lado dela é tão estranho? A assimetria do nosso satélite vem intrigando os pesquisadores da NASA e, pelo jeito, um novo estudo pode ter a resposta para essa pergunta.

Como foi descoberta a assimetria lunar

Antigamente, pessoas acreditavam que a Lua era, em sua totalidade, similar à face que observamos durante o nosso dia a dia. Porém, as assimetrias lunares foram descobertas durante as explorações feitas pelas sondas, robôs espaciais e os astronautas das missões Apollo. Em 60 anos de pesquisas, uma das maiores indagações tem sido o porquê do lado oculto da Lua ser diferente.

O novo estudo sobre Lua

A nova pesquisa buscando entender as causas de assimetria na Lua é feita na união de centros de pesquisas internacionais. Fazem parte do estudo: Earth-Life Science Institute, do Tokyo Institute of Technology; a Universidade da Flórida; o Instituto para Ciência Carnegie; a Towson University; o Centro Espacial Johnson da NASA; e a Universidade do Novo México.

Os cientistas estão analisando a geologia da Lua para definir a causa da assimetria. O trabalho foi feito a partir modelagem computacional e observações já existentes nos arquivos sobre explorações lunares.

Decomposição radioativa e KREEP

A explicação encontrada é a de que as concentrações de elementos radioativos podem ser a resposta. Segundo os pesquisadores, as concentrações instáveis de potássio, urânio e tório geram calor e acontece um processo de decaimento radioativo, que são mais comuns no lado que vemos da Lua. E, assim, nascem as crateras lunares.

Somado às decomposições radioativas, há o fato de um bom número de rochas lunares serem KREEP, o que significa que são feitas de potássio, elementos de terras raras e fósforo. Esse tipo de pedra, que foi encontrada pelas pesquisas do Apollo, tem um ponto de fusão mais baixo e favorece alterações geológicas.

Com isso, os cientistas concluíram que a soma da decomposição radioativa e do estilo de rochas KREEP indicam que a Lua está em constante mutação de paisagem desde que foi formada há bilhões de anos.

Sabendo isso, entende-se que a assimetria da Lua aconteça porque um dos lados sofre mais com decaimento radioativo e, acima de tudo, a superfície lunar está em uma espécie de eterna transformação geológica.

*Por Rafael Farinaccio

………………………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Privação de sono está relacionada à maior consumo calórico diário, mostra estudo

Dormir pouco atrapalha o corpo como um todo: aumenta doenças cardiovasculares, traz mais dores, enfraquece o sistema imunológico e ainda traz danos quando o assunto é emagrecimento! Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia concluíram que pessoas que sofrem provação de sono chegam a consumir até 550 calorias a mais no dia. Os resultados desse estudo foram publicados na edição de Julho do jornal Sleep.

Para chegar a essas conclusões os estudiosos recrutaram 225 adultos com idade entre 22 e 50 anos, que ficaram por cinco dias no laboratório do sono da universidade, dormindo apenas das 4 às 8 horas da manhã. Eles podiam comer o que quisessem nesse período, enquanto os monitores do laboratório mantinham um registro dessa alimentação. Enquanto isso, um grupo de controle também foi colocado com a mesma disponibilidade de alimentos, só que dormindo o quanto quisessem.

No fim do período estipulado, eles perceberam que no tempo em que normalmente estariam dormindo, as pessoas consumiam cerca de 550 calorias a mais e davam preferência a alimentos bem mais gordurosos, o que resultou em um maior ganho de peso nesse período.

A conclusão a que eles chegaram é que a culpa está na desregulagem dos hormônios grelina e leptina, responsáveis respectivamente pela fome e pela saciedade, um fato já conhecido. Eles acreditam, inclusive, que fora do laboratório o ganho de peso deve ser maior, já que os voluntários estão expostos a comida de hospital e no dia a dia é mais fácil ter acesso a itens mais calóricos.

Confira os outros prejuízos

Se o emagrecimento não é argumento suficiente para você tentar dormir melhor, confira que outros problemas a privação de sono provoca.

Afeta o emagrecimento

Durante o sono nosso organismo produz a leptina, um hormônio capaz de controlar a sensação de saciedade ao longo do dia. Por isso, pessoas que dormem pouco produzem menores quantidades desse hormônio. Além disso, quem tem o sono restrito produz mais quantidade do hormônio grelina, que provoca fome e reduz o gasto de energia. “A consequência é a ingestão exagerada de calorias durante o dia, pois o corpo não se sente satisfeito”, explica a endocrinologista Alessandra Rasovski, da Sociedade Brasileira e Endocrinologia e Metabologia. Segundo um estudo feito na Universidade de Chicago, pessoas que dormem de seis a oito horas por dia queimam mais gorduras do que aquelas que dormem pouco ou tem o sono fragmentado. A pesquisa afirma que a falta de sono reduz em 55% a queima de gordura.

Impede a conservação da memória

“O sono é uma etapa crucial para o cérebro transformar a memória de curto prazo relevante em memória de longo prazo”, afirma o neurologista André Felicio, da Academia Brasileira de Neurologia. O especialista explica que, durante a noite, o cérebro faz uma varredura entre as informações acumuladas, guardando aquilo que considera primordial, descartando o supérfluo e fixando lições que aprendemos ao longo do dia. “Por esse motivo, quem dorme mal costuma sofrer para se lembrar de eventos simples, como episódios do dia anterior ou nomes de pessoas próximas”, diz.

Enfraquece a imunidade

É durante o sono que acontecem diversos processos em nosso organismo, dentre elas a produção de anticorpos. De acordo com um estudo da Universidade de Chicago (EUA), dormir pouco reduz a função imune e o número de leucócitos, células responsáveis por combater corpos estranhos em nosso organismo. Segundo a pesquisa, quem dormia quatro horas por noite por uma semana tinham os anticorpos reduzidos pela metade, quando comparados aqueles que dormiram até oito horas.

Altera o funcionamento do metabolismo

As mudanças no ciclo do sono podem atrapalhar a síntese dos hormônios de crescimento e do cortisol, já que ambos são produzidos enquanto dormimos. “Os maiores efeitos dessa deficiência são despertar cansado, a dificuldade de raciocínio e a ansiedade, que podem interferir na realização de tarefas do cotidiano, levando a problemas como déficit de atenção, acidentes de trânsito, indisposição física, irritabilidade e sonolência”, diz a endocrinologista Alessandra.

Leva ao envelhecimento precoce

Durante o sono, produzimos hormônios “rejuvenescedores”, como a melatonina e o hormônio do crescimento. “Esses hormônios exercem funções reparadoras e calmantes para a pele, e a falta de sono impede que o corpo descanse adequadamente”, afirma a endocrinologista Alessandra. Os maiores resultados disso são uma pele sem viço e com olheiras. O estresse provocado pela falta de sono também favorece o aparecimento de rugas.

Interfere na produção de insulina

Pessoas com diabetes que tem um sono insuficiente desenvolvem uma maior resistência insulínica, tornando o controle da doença mais difícil. É o que afirma um estudo feito pela Northwestern University, dos Estados Unidos. Os pesquisadores concluíram que portadores de diabetes que dormem mal tinham 82% mais resistência à insulina que os portadores com sono de qualidade. Além disso, a falta de sono adequado pode favorecer o aparecimento de diabetes tipo 2 em quem não tem a doença. “É durante o sono que o corpo estabiliza os índices glicêmicos, por isso quem não tem um sono de qualidade sofre com o descontrole do nível de glicose, podendo desenvolver diabetes”, explica a endocrinologista Alessandra.

Desregula a pressão arterial

A neurologista Rosa Hasan, responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital São Luiz, explica que a dificuldade em descansar durante a noite é equivalente a um estado de estresse, aumentando a atividade da adrenalina no corpo. “Uma noite mal dormida deixa o organismo em estado de alerta, aumentando a pressão sanguínea durante a noite”, explica a especialista. Ela afirma que com o tempo essa alteração na pressão sanguínea se torna permanente, gerando a hipertensão.

Afeta o desempenho físico

“Um sono incompleto é uma das principais causas de fadiga ou baixo desempenho motor”, afirma o neurologista André. Quando dormimos profundamente e sem interrupções, nosso corpo começa a produzir o hormônio GH, responsável pelo nosso crescimento, e que começa a ser sintetizado só 30 minutos depois de começarmos a dormir. “O hormônio do crescimento tem como funções ajudar a manter o tônus muscular, evitar o acúmulo de gorduras, melhorar o desempenho físico e combater a osteoporose”, explica a endocrinologista Alessandra.

Prejudica o humor

“A falta de sono faz com que o cérebro não descanse plenamente, prejudicando a comunicação entre os neurônios”, explica o neurologista André. E os neurônios são os responsáveis por produzir os neurônios relacionados ao nosso bem-estar, como a serotonina. “Por isso que um sono deficiente impacta o nosso bom-humor de forma direta, podendo até favorecer quadros de depressão.”

 

……………………………………………………………..
*Fonte: minhavida

Inteligência artificial cria um universo perfeito e assusta seus criadores

Astrofísicos usaram pela primeira vez inteligência artificial para gerar simulações em 3D do universo. Os resultados foram tão rápidos, precisos e robustos que nem os próprios pesquisadores entendem como eles aconteceram.

O projeto se chama Modelo de Deslocamento de Densidade Profunda, ou D3M. A velocidade e precisão do modelo não foram surpreendentes para os pesquisadores, mas sim a habilidade em simular de forma correta como o universo ficaria se alguns parâmetros fossem alterados.

O mais interessante é que o modelo nunca recebeu nenhum dado de treinamento sobre como esses parâmetros variavam.

“Seria como treinar um software de reconhecimento de imagem com várias imagens de gatos e cães, e aí ele consegue reconhecer elefantes”, compara Shirley Ho, co-autora do estudo e professora da Universidade Carnegie Mellon (EUA). “Ninguém sabe como ele faz isso, e é um enorme mistério a ser resolvido”, complementa ela.

O modelo foi apresentado no dia 24 de junho na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences. O autor principal do estudo foi Siyu He, analista do Instituto Flatiron (EUA).

Ho e He trabalharam em colaboração com Yin Li e Yu Feng da Universidade da Califórnia em Berkeley, com Wei Chen do Instituto Flatiron, Siamak Ravanbakhsh da Universidade de British Columbia (Canadá) e Barnabás Póczos da Universidade Carnegie Mellon.

Esse tipo de simulação do D3M é muito importante para a astrofísica teórica.

Cientistas querem saber como o cosmo pode se desenvolver em vários cenários, como por exemplo se a energia escura do universo variasse com o passar do tempo.

Esse tipo de estudo exige que milhares de simulações sejam feitas, portanto um modelo computacional rápido e confiável é o sonho de consumo dos astrofísicos modernos.

Depois de treinar o D3M, pesquisadores fizeram simulações de um universo com formato de cubo com 600 milhões de anos-luz de lado e compararam os resultados com modelos rápidos e lentos que já existiam.

O modelo lento e mais confiável leva centenas de horas de cálculos, enquanto o sistema rápido leva poucos minutos. Já o D3M completou a simulação em 30 milissegundos.

Além disso, o D3M também teve precisão impressionante. Quando comparado com o modelo lento, ele teve uma taxa de erro de 2.8%.

Já o sistema rápido teve uma taxa de 9,3% de erros quando comparado com o modelo lento. Ou seja: o sistema rápido parece ter sido passado para trás pelo D3M.

Os pesquisadores agora querem saber por que o modelo que foi treinado para identificar “gatos e cachorros” está conseguindo identificar também “elefantes”.

“Nós podemos ser um playground interessante para um aprendiz de máquina ver porque esse modelo extrapola tão bem. É uma via de mão dupla entre ciência e deep learning”, diz Ho.

*Por Davson Filipe

……………………………………………………………………….
*Fonte:

Pessoas que se arrepiam ouvindo música têm cérebro especial

Você já se arrepiou ouvindo uma música? Então saiba que, mais do que sensível, você tem um cérebro especial.
Cientistas de Harvard descobriram que o cérebro de quem se arrepia com canções possui conexões especiais.

Esse tipo de reação física à música acontece apenas com cerca de metade da população.
Os cientistas analisaram o cérebro de 20 voluntários, usando a técnica de ressonância magnética de tensor de difusão, que mostra as conexões entre diferentes regiões do cérebro.

Eles descobriram que os participantes do “grupo do arrepio” tinha mais fibras nervosas saindo do córtex auditivo e se ligando ao córtex insular anterior e o córtex prefrontal, que processam sentimentos e monitoram emoções.

A conectividade extra desses cérebros provavelmente intensifica a experiência sensorial provocada pela música.

Os pesquisadores não sabem se as pessoas que se arrepiam nascem mais sensíveis ou se é possível desenvolver essas conexões ouvindo e se emocionando com novas músicas.

Orgasmo da pele

A nova descoberta indica para os cientistas que a música deve ter uma função evolutiva.

Se existem conexões cerebrais, passadas de geração em geração, que ligam os receptores de som diretamente ao centro emotivo do cérebro, é porque algum papel ela deve ter para a sobrevivência humana (nem que seja facilitar as relações sociais).
A reação química que temos a uma música emocionante é parecida com o que sentimos em outras tarefas essenciais, como comer, ou fazer sexo: uma injeção de dopamina que percorre o corpo.
Por isso, o arrepio musical é chamado pelos neurocientistas de “orgasmo na pele”.

A pesquisa

Os pesquisadores recrutaram vinte fãs de música: dez que sentem arrepios musicais com frequência e outros dez que nunca passaram pelo fenômeno.
Cada um teve direito a trazer até 5 das suas músicas favoritas: as opções iam desde Coldplay até as sinfonias de Wagner.

Primeiro, eles observaram os efeitos das músicas dentro do laboratório.
Monitoraram os batimentos cardíacos e o suor da pele, que indica excitação (tanto sexual quanto emocional), enquanto os voluntários ouviam só os trechos arrepiantes de cada faixa.
O coração de todos os participantes acelerou, mas a resposta emocional dos participantes que arrepiam foi bem mais intensa.

Outras pesquisas científicas relacionam o arrepio musical a reações de expectativa e surpresa.

As pessoas que escutam as músicas de forma mais “intelectual”, tentando prever os acordes que vem depois, têm mais chances de se arrepiar quando a música não segue suas expectativas.

Por outro lado, quando o compositor cria um crescente musical que culmina em uma nota aguda, o cérebro cria expectativa e tem uma reação de prazer quando o acorde final já esperado finalmente aparece.

……………………………………………………………………………
*Fonte: sensivelmente

A estranha história da mulher que tocou violino por 4 anos em uma orquestra que não existia

O técnico de som do estúdio de televisão entrou em pânico.

Com a transmissão ao vivo prestes a começar, ele não conseguia ouvir nenhum dos instrumentos da orquestra que estava prestes a tocar, como parte de um evento de caridade organizado pela rede de televisão americana PBS.

Mas o que parecia uma terrível falha técnica na verdade era algo comum para o conjunto de músicos.

Eles estavam em turnê pelo país fingindo tocar música clássica enquanto uma faixa gravada estava tocando. Já o público pensava que eles estavam tocando ao vivo.

“Essa prova de som nos denunciou, mas ainda estamos no ar”, disse a violinista Jessica Hindman à BBC.

Compositor misterioso

Durante quatro anos, entre 2002 e 2006, Hindman “tocou” o violino com a orquestra em lugares tão diversos quanto shopping centers e grandes auditórios. Eles viajaram pelos Estados Unidos e até visitaram a China.

Ela descreveu sua experiência no livro “Sounds Like Titanic” (Soa como Titanic, em tradução livre), publicado em 2019, que é mais uma biografia do que uma denúncia: o diretor da orquestra que inventou o truque nunca é mencionado, por exemplo.
‘Compositor’ é um personagem complexo no livro de Hindman, no qual ela narra sua passagem pela orquestra falsa (Foto: Getty Images via BBC)

‘Compositor’ é um personagem complexo no livro de Hindman, no qual ela narra sua passagem pela orquestra falsa (Foto: Getty Images via BBC)

No livro, ele aparece como Compositor, um personagem complexo em uma narrativa em que Hindman tenta justificar seus anos de fantasia.

“Tudo se resume ao fato de que eu precisava de dinheiro”, diz ela. “Minha história não era sobre o Compositor.”

“Não havia a necessidade de nomeá-lo, especialmente depois que outros músicos me disseram que ele não era o único a fazer isso (fingir ter músicos tocando ao vivo) dentro da indústria.”

Mudança de carreira

Hindman, que se formou como violinista clássica, já havia desistido de uma carreira musical quando conseguiu um emprego na orquestra de Nova York.
Hindman tinha dois empregos e até vendeu óvulos para morar em Nova York (Foto: Divulgação)

Ela tinha se formado em Estudos sobre Oriente Médio na Universidade Columbia na esperança de se tornar jornalista.

Para cobrir os custos da faculdade e morar em Nova York, uma das cidades mais caras do mundo, ela tinha dois empregos e até vendeu seus óvulos para uma clínica de fertilização.

Em 2002, Hindman tinha 21 anos e procurava um terceiro emprego quando viu um anúncio em um fórum de estudantes na internet.

Eles procuravam violinistas e flautistas para “tocar em uma banda premiada”.

Bom demais para ser verdade

O fato de ter conseguido o emprego sem uma única entrevista e sem tocar uma única nota na frente de alguém a surpreendeu.

“Sim, eu tocava violino e fazia aulas há 13 anos, mas nunca a ponto de fazer isso profissionalmente”, explica.

Mas o pagamento que eles ofereceram dobrou sua renda. E ela sonhava em tocar violino desde a infância.

Até que ela se deu conta de que, como membro dessa orquestra em particular, ela não precisava tocar.

Seu primeiro trabalho, no dia seguinte à sua contratação, foi ajudar nas vendas de CDs durante um show ao ar livre em uma pequena cidade no Estado de New Hampshire.

Os dois músicos responsáveis ​​pela música ao vivo estavam tocando muito alto e perfeito demais pelo que saiu do sistema de som.

“Mesmo com meu treinamento musical, levei um tempo para descobrir o que estava acontecendo”, diz ela.

“O Compositor queria que a música soasse perfeita e que os músicos parecessem jovens e frescos”.

Enquanto isso, os CDs com música do Compositor eram vendidos feito pães quentes.

“As pessoas gostavam muito da música. Sim, elas não ouviam os músicos tocando ao vivo, mas as faixas gravadas eram músicas originais feitas no estúdio por músicos reais”, explica Hindman.

“Isso tinha que ser dito.”

Este é um dos momentos da entrevista em que ela demostra uma certa admiração pelo Compositor.

Hindman acredita que seu empregador prestou um serviço ao levar música clássica para o público que, de outra forma, nunca teria tido acesso a ela.

“O Compositor aproveitou uma lacuna no mercado”, argumenta. “As pessoas que vieram nos ver realmente queriam ouvir música clássica, mas talvez não pudessem pagar os ingressos … ou talvez se sentissem intimidadas pela formalidade dos concertos mais tradicionais.”

É legal

Também é importante observar que não é ilegal usar faixas pré-gravadas — ou reproduzir — em shows. Esse é um recurso que até grandes estrelas da música como Beyoncé às vezes usam durante suas apresentações ao vivo.

Os músicos clássicos também fazem o mesmo: em janeiro de 2009, um grupo liderado pelo aclamado violoncelista Yo-Yo Ma usou uma faixa pré-gravada durante a posse do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Temia-se que o tempo frio pudesse desafinar ou até danificar os instrumentos.

Ainda assim, Hindman e os outros músicos imitavam regularmente na frente de microfones silenciados. Mas isso teve seu preço.

“Como estávamos apenas imitando os temas, tínhamos tempo para pensar sobre o que estava acontecendo e a falsidade de tudo passava pela minha cabeça”, admite.

“Havia alguns músicos realmente bons que fizeram isso porque tinham dificuldade de encontrar trabalho em outro lugar.”

‘Êxito’

Também não causou problemas de imagem: para as pessoas que moravam em sua pequena cidade natal, na região dos Apalaches, uma das mais desfavorecidas socialmente do país, Hindman havia “triunfado na cidade grande” contra a maré e o vento.

“Meus pais e conhecidos me enviaram mensagens doces ​​dizendo que me viram na televisão e não sabiam dizer o que estava acontecendo. Me senti pressionada a ser vista como um sucesso. De certa forma, isso me fez semelhante ao Compositor.”

E acrescenta: “ele podia compor, mas apenas um pouco. Ainda assim, ele encontrou uma maneira de ter sucesso. Eu fiz o mesmo com o violino.”

Para lidar com as duras horas de trabalho e longas viagens por todo o país, Hindman desenvolveu um vício em cocaína e anfetaminas que contribuíram para a deterioração de sua saúde mental.

Os ataques de pânico se tornaram um companheiro de viagem, até que ela deixou a orquestra e voltou para a casa de seus pais.

Ela tinha 26 anos.

Mais tarde, Hindman conseguiu um emprego como secretária, que também pagava as mensalidades da faculdade para ela.
Segundo Hindman, uma das peças do Compositor ‘pegou emprestado’ passagens da popular canção do filme Titanic (Foto: Getty Images via BBC)

Segundo Hindman, uma das peças do Compositor ‘pegou emprestado’ passagens da popular canção do filme Titanic (Foto: Getty Images via BBC)

Seus estudos em escrita criativa a inspiraram a escrever Soa como Titanic, com base nas reações da plateia a uma das peças do Compositor. Os comentários, ao que parece, não foram equivocados, pois ele “emprestou” trechos da música popular My Heart Will Go On do filme de James Cameron, de 1997, sobre o naufrágio.

Alguns meios de comunicação dos Estados Unidos afirmaram ter identificado o Compositor, mas sua identidade nunca foi confirmada oficialmente.

Embora Hindman tenha entrado em contato com seus ex-colegas enquanto escrevia seu livro, ela nunca mais falou com o Compositor.

“Espero que você concorde com o livro”, diz Hindman, que dá aulas de redação criativa na Northern Kentucky University desde 2014. “Ele não entrou em contato comigo depois que o livro foi publicado, e alguém me disse que ele ainda estava em turnê.”

Mas desta vez, conta ela, parece que seus músicos estão realmente tocando os instrumentos ao vivo.

*Por Fernando Duarte

……………………………………………………………………………………
*Fonte: epocanegocios

A tentativa de transformar o sofrimento em patologia é o grande marketing da indústria dos psicofármacos

A depressão dá lucro: é o que diz a indústria patologizante que medicaliza o afeto, a tristeza, o sono, os amores, o sentimento de vazio e vende uma ideia de bem-estar, mas que, em algum momento, o sujeito terá que lidar com os sentimentos de uma outra forma.

E medicam tanto que não se tem ânimo para sair de casa, cuidar de si, investir numa relação, fazer rupturas e lidar com perdas. E não se trata aqui de negar que existem casos onde a medicalizacão é necessária.

A sensação de melhora rápida adia aquilo que precisa ser dito e reeditado. Os consultórios, que em um momento de Pandemia foram deslocados, estão vivos (on-line) e repletos de pessoas procurando um lugar de escuta e também de fala para suas dores. Eles estão se dando conta de que não dá para ser forte o tempo todo, solucionar tudo, resolver tudo, não chorar, não sofrer… Perceber que a fragilidade faz parte de nós e, portanto, pedir ajuda não é sinônimo de fracasso.

A tentativa de transformar o sofrimento em patologia é o grande marketing da indústria dos psicofármacos, que vende suas tarjas pretas, que limita o sujeito nas suas possibilidades e saídas para o mal-estar. A ideia do normal e do patológico, precisa ser investigado melhor, assim como uma leitura melhor acima dos diagnósticos e seus efeitos para além das cápsulas.

A psicanálise propõe que o sujeito deprimido volte a fantasiar, faça uma travessia, que facilite o acesso ao imaginário, abrindo espaços para que possa falar das suas dores. Expô-las, ao invés de encobri-las. Todo mundo tem algo a dizer, mesmo que por algum tempo isso não lhe venha à lembrança.

*Por Iza Junqueira Rezende

……………………………………………………………………
*Fonte: revistapazes

Led Zeppelin: autor da capa do 1º álbum ganha fortuna depois de 50 anos

George Hardie, o designer que criou a icônica capa do álbum de estreia do Led Zeppelin, lançado em 1969, recebeu na época £60 (menos de R$400) pelo trabalho, estilizando a queda do lendário LZ 129 Hindenburg em 1937 (clique aqui para ler mais sobre o assunto). Agora, mais de 50 anos depois, o desenho que estava esquecido em um baú lhe garantiu uma aposentaria milionária.

A técnica usada por Hardie, que se aposentou em 2014 como professor de desenho de uma Universidade, consistia em marcar papel vegetal com pequenos pontos pretos para criar uma imagem semelhante a uma foto de baixa resolução, e o trabalho original permaneceu guardado em um baú durante décadas, até que o artista reencontrou o desenho em uma pasta onde um amigo havia escrito “Fundo de pensão do G”, e o ofereceu para uma casa de leilões. Inicialmente a estimativa é que a obra atingisse £25 mil (aproximadamente 160 mil reais), mas no fim das contas ela acabou sendo arrebatada por £260,000 (cerca de 1,7 milhões de reais).

*Por Bruce William

…………………………………………………………………………….
*Fonte: whiplash

3 hábitos que aumentam o risco de depressão

A depressão é um transtorno grave que requer a máxima atenção. Infelizmente, muitas pessoas acreditam que é uma condição que deve ser ignorada, pensando que aqueles que estão deprimidos são fracos e que não se esforçam o suficiente para ficar bem. Dizem que isso é um capricho ou uma extravagância como muitas outras. No entanto, o risco de depressão existe para todos.

A depressão não se “cura sozinha”. Pelo contrário: quando os seus efeitos não são tratados no tempo devido, podem levar a um desgaste progressivo e outras doenças mais sérias, tanto física como mentalmente.

O estilo de vida é um fator decisivo para nutrir ou superar os estados depressivos. Os hábitos diários influenciam positivamente ou negativamente essa condição. Alguns hábitos fazem com que você se sinta deprimido com mais facilidade, enquanto outros permitem que os sintomas sejam reduzidos e melhoram o seu humor. Neste artigo falaremos sobre três desses hábitos que aumentam o risco de depressão.

“A depressão é alimentada pelas feridas não cicatrizadas”.
– Penélope Sweet –

Hábitos que contribuem para aumentar o risco de depressão

1. Má utilização do tempo livre

A rotina, especialmente se você vive em uma grande cidade, pode causar um grande desgaste emocional. Todos os dias você está exposto a centenas de estímulos, muitos dos quais são agressivos. Nas grandes cidades existe uma atmosfera de estresse generalizado. Você raramente encontra um rosto amigável e tudo acontece rapidamente.

O tempo livre não é apenas um momento de pausa, mas também um tempo determinante para manter a sua boa saúde mental. O problema é que o mesmo ritmo agitado do dia a dia geralmente nos leva a não saber o que fazer no nosso tempo livre. Muitas vezes, simplesmente buscamos quietude e solidão. É verdade que isso contribui para o descanso, mas também nutre a depressão.

O ideal é que o tempo livre seja utilizado para oxigenar o corpo e a mente. Devemos fazer atividades divertidas e agradáveis; isso renova a nossa energia física e mental, traz vitalidade e melhora o humor. É aconselhável cultivar algum hobby, fazer atividades ao ar livre, praticar esportes.

2. Dormir mal

Nada compensa um sono reparador. Enquanto dormimos, o cérebro dispõe de um tempo para se reorganizar e filtrar as informações. Dormir bem faz parte da higiene mental, mas também da boa saúde. O descanso é fundamental para o corpo e a mente.

Passar a noite “em claro” ou dormir mal afeta o nosso humor. Uma das primeiras manifestações é uma hipersensibilidade, que facilmente se transforma em depressão. Ela se expressa através do desânimo, irritabilidade e falta de energia.

Muitas vezes as dificuldades para dormir são causadas pelos problemas que não foram resolvidos e que se manifestam como ansiedade. Ao mesmo tempo, não descansar adequadamente nos torna mais vulneráveis ​​e torna mais difícil a concentração para resolução dos problemas. Isso forma um círculo vicioso que nos leva à depressão.

3. Descuidar da aparência pessoal

Uma das primeiras manifestações da depressão é o descuido com a aparência pessoal. Isto é um sinal de indiferença consigo si mesmo e com o mundo. Às vezes, são episódios pontuais que se resolvem de forma relativamente rápida. Outras vezes, no entanto, se transformam em uma atitude constante.

É claro que não precisamos nos preocupar exageradamente com o tipo de roupa ou o penteado que usamos. Tomar banho, usar roupas limpas e parecer basicamente arrumado faz parte de uma vida saudável. Isso também se estende ao ambiente, ou seja, dentro da aparência pessoal também se encaixa o cuidado com o espaço onde nos movemos e os objetos que nos rodeiam.

Quando há depressão, tanto a aparência como a ordem do lugar onde vivemos ou trabalhamos passa para um “segundo plano”. As pessoas deixam de lado as suas rotinas básicas de higiene. Da mesma forma, os seus objetos pessoais e móveis são completamente negligenciados. O inverso também é verdadeiro. Cuidar de nós mesmos e organizar o espaço onde vivemos são fatores que melhoram o nosso humor.

A vida nunca está livre de tristezas e dificuldades. Muitas vezes perdemos o interesse em viver e ficamos doentes. Por isso, é importante se cuidar e se proteger, para não permitir que em alguns momentos da vida os sentimentos negativos nos invadam e nos afetem emocionalmente. Adotar hábitos saudáveis e descartar hábitos nocivos é sempre o melhor escudo contra o risco de depressão.

………………………………………………………..
*Fonte: amenteemaravilhosa