É verdade que o Dia Mundial do Rock só existe no Brasil?

Exatamente o que diz no título. O Dia Mundial do Rock é uma jabuticaba – o que não quer dizer que, como a fruta e o rock nacional, não possa ser apreciado, só que não entrega o prometido ‘mundial’.

A origem vem de fora. Começou em 13 de julho de 1985, durante o Live Aid, festival organizado pelo escocês Midge Ure e o cantor Bob Geldof. O megaevento aconteceu simultaneamente em Londres e Estados Unidos, com o objetivo principal de arrecadar fundos para acabar com a fome na Etiópia.

A line up era imensa, com nomes como Mick Jagger e Keith Richards, U2, David Bowie, Madonna, Duran Duran, Queen, Phill Collins e Bob Dylan. Apesar de algumas participações mais pesadas, como Black Sabbath, Led Zeppelin e Judas Priest, em média era bem mais pra pop que rock.

Phill Collins, ex-membro da banda de rock progressivo Genesis, então um supeastro pop, se empolgou tanto durante sua performance e declarou sua vontade daquele dia ser considerado o “dia mundial do Rock”.

No auge da fama, o próprio Collins devia imaginar que teria seu desejo atendido. Mas ele não estava na setlist dos metaleiros, punks & cia., então a coisa ficou por isso. Até 1990, quando duas rádios paulistanas de rock, a 89 FM e a 97 FM, passaram a mencionar o episódio de Collins em sua programação. Os ouvintes, as baladas de rock e o resto do país aceitaram a ideia.

O Dia do Rock de Phil Collins é ignorado no resto do mundo, mas lá fora existem outros dias do rock. Algumas rádios celebram o 9 de julho, quando ocorreu a estreia do programa American Bandstand que popularizou rock nos EUA. Outra opção é o 5 de julho, quando o ícone Elvis Presley em 1954, gravou o seu primeiro hit That’s All Right. E ainda há o 11 de fevereiro, quando, em 1964, os Beatles se apresentaram pela primeira vez

……………………………………………………………………..
*Fonte: aventurasnahistoria

Por que 13 de julho é Dia Mundial do Rock?

Por que o “Dia Mundial do Rock” foi escolhido 13 de julho e é comemorado desde o ano de 1985?

É que foi neste dia, em 1985 que ocorreu o festival Live Aid, em Londres e na Filadélfia. Na ocasião, Phill Collins, da banda Genesis, que participou dos dois shows, declarou aquele como o “Dia do Rock”.

Mas a data não é tão mundial assim.

“Nem os americanos nem os ingleses levaram a sério. Só brasileiros e as rádios rock do Brasil, desde aquela época, passaram a considerar esse o Dia do Rock”, explica o cantor, radialista, compositor ícone oitentista e jornalista Kid Vinil, autor do livro Almanaque do Rock.

O festival foi organizado pelo escocês Midge Ure e pelo vocalista da banca Boomtown Rats, Bob Geldof, que se comoveu com a crise humanitária na Etiópia e resolveu fazer um megaevento com o objetivo de arrecadar fundos para a causa. O show na Filadélfia ocorreu no estádio JFK e reuniu nomes como The Cars, Tom Petty, Madonna, Duran Duran, Led Zeppelin e Bob Dylan. Na Inglaterra, o concerto ocorreu no estádio Wembley e contou com U2, Paul McCartney, The Who e Queen. Tipo só pouca coisa.

No mesmo dia, shows em outros países, como Austrália e Alemanha, foram feitos para apoiar a causa. As apresentações foram transmitidas para cerca de 150 países e alcançaram aproximadamente 2 bilhões de espectadores. Segundo Kid Vinil, as rádios rock brasileiras passaram a celebrar a data em meados de 1987, ano também conhecido como o do nascimento da SUPER. A partir daí, mais eventos acabaram acontecendo para comemorar, e a coisa foi se espalhando.

“Para os gringos, o Dia do Rock é todo o dia. Aqui tinha que ter um dia, pois infelizmente não somos o país do rock”. – Kid Vinil.

 

 

 

 

 

 

……………………………………………………
*Fonte: superinteressante

Brad Keselowski Band + Thomás Lenz Trio – dia do Rock

Ontem foi dia do ROCK e teve celebração com direito à palco livre no London Pub, organizado em parceria com a Sec. de Cultura de Venâncio Aires (RS). Como estou sem banda no momento, ou com a Cavalo Horse Experience em “stand by”, nada melhor do que ir lá com meu baixo e ver o que poderia acontecer.

O evento foi bem interessante, com várias bandas, com vários músicos de uma nova geração mostrando a cara. Então lá pelas tantas, num arranjo meio maluco, resolvemos nos juntar como uma banda (um bando) e tocar, eu (baixo), Zakka Kern no vocal e guitarra e o Julio Schereen, na bateria. Essa foi a primeira investida da noite. Então resolvemos chamar essa chalaça de Brad Keselowski Band. Isso como uma homenagem ao piloto da NASCAR, do qual eu e o Zakka somos fans. Tocamos duas músicas, como estabelecia o critério do evento na noite. Contamos ainda com a participação do Thomas em uma delas. Aliás, aqui nesse caso, eu e o Zakka já somos veteranos semi-aposentados (huahuahuahua). Mas tudo tranquilo, sem ensaio nem nada, até que funcionou.

A segunda investida foi como Thomás Lenz Trio, daí sim já havia uma preparação quando essa semana, eu e o meu amigo Thomás nos reunimos uma noite, para escolher algumas músicas para tocarmos juntos no evento. Contando outra vez com os serviços do Julio na bateria, que aliás foi sem dúvida uma excelente participação. O cara sem ensaio algum deu conta do recado numa boa. Grande baterista.

quanto aos comentários de como foram essas duas apresentações, sei lá, não cabe a mim fazê-lo, deixo isso para quem esteve lá e assistiu, que julgue se foi interessante, bom ou ruim. Na real pouco importa, só sei que me diverti bastante, foram ótimas parcerias para tocar e rolou aquela química e entrosamento. Sinceramente espero poder tocar com esses caras novamente. Só tenho a agradecer por ótima e divertida noite.

Keep on rock!
>> Brad Keselowski Band

BradKeselowskiBand_01pp

 

 

 

 

 

 

 

 

BradKeselowskiBand_06pp

 

 

 

 

 

 

 

 

BradKeselowskiBand_04pp

 

 

 

 

 

 

 

 

BradKeselowskiBand_03pp

 

 

 

 

 

 

 

 

 

>> Thomás Lenz Trio

ThomasLenzTrio_13jul2016_03pp

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ThomasLenzTrio_13jul2016_05pp

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ThomasLenzTrio_13jul2016_10pp

Dia do ROCK – 13 de julho

Na verdade nem sei porque do dia de hoje ser definido como DIA DO ROCK, mas enfim, isso acabou me lembrou de uma ação de marketing muito bacana que rolou nessa data há alguns anos atrás, em Porto Alegre, foi o FLASHROCK (não sei se você já conhecia). Confiram os vídeos abaixo que se referem a esse evento em 2007, tem inclusive uma explicação de como funcionou o troço. SUPIMPA.

Saudações a todos os rockers, afinal somos uma espécie já em franco processo de extinção.

Ah! Ainda faltou mencionar… Para mim, todo dia é dia do rock.