Vício em trabalho está ligado a vários distúrbios psiquiátricos

Você chega em casa, mas a sua cabeça ainda está logada no computador da empresa; tem que se concentrar para não acessar os e-mails no domingo de manhã. Esse descontrole na importância dada ao trabalho já pode ser um problema complicado sozinho — essas pessoas geralmente se afastam da família e vivem sob um estresse constante.

Mas a situação fica ainda mais complicada: em um estudo com mais de 16 mil pessoas, cientistas descobriram que alguns distúrbios psiquiátricos aparecem muito mais em quem é viciado em trabalho.

Dos 16.426 trabalhadores noruegueses que participaram da pesquisa, 7,8% eram compatíveis com o diagnóstico de vício no trabalho. Três em cada 10 deles também tinham sinais de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Entre os que não eram workaholics, só 12% apresentavam TDAH.

Na mesma proporção, a ansiedade é mais comum entre os trabalhadores compulsivos — aflige 33% deles, e só 11% dos sadios.

E a pesquisa vai além: mais de um quarto dos workaholics apresentavam o transtorno obsessivo-compulsivo. O TOC era ainda menos comum no outro grupo: só aparecia em 8,7% dos voluntários.

A linha entre um trabalhador dedicado e um workaholic é difícil de definir, mas geralmente os viciados em trabalho não conseguem controlar o tempo que passam na labuta — se planejam para parar às 17h e, quando percebem, viraram a madrugada. Outro alerta é quando o indivíduo passa a sacrificar outras obrigações — sociais, familiares e até de saúde — para seguir trabalhando.

Apesar da relação entre o vício no trabalho e os distúrbios psiquiátricos frequentes, os cientistas não sabem dizer se um é a causa do outro. Tanto é possível que o TOC leve a uma obsessão com o trabalho quanto o workaholic desenvolver pequenas compulsões em outras áreas.

Independentemente de quem veio primeiro, a mistura dos dois geralmente potencializa ambos os distúrbios. Os pesquisadores acham provável que pessoas com déficit de atenção acabem se forçando a trabalhar em excesso para compensar as distrações. Quanto mais ficam cansadas, mais difícil se concentrarem, e assim segue o ciclo.

Para os ansiosos e as pessoas com TOC, o trabalho vira uma compulsão socialmente aceitável. A ideia generalizada de que trabalhar faz bem acaba escondendo o lado compulsivo do estilo de vida dos workaholics. O mesmo trabalho que “enobrece o homem”, na dose errada, adoece.

*Por Ana Carolina Leonardi

 

………………………………………………………………..
*Fonte: superinteressante

7 Dados irrefutáveis sobre lojas virtuais

Você está começando a empreender na internet? Ainda está com medo se o seu negócio irá prosperar?

Apesar do recente recesso econômico que o Brasil vem passando, o e-commerce ganha a cada ano mais fatia de mercado do comércio físico. Nos últimos cinco anos o crescimento do setor foi algo realmente exponencial, contrariando até mesmo a crise econômica que o país vem enfrentando. Apesar do recente recesso econômico que o Brasil vem passando, o e-commerce ganha a cada ano mais fatia de mercado do comércio físico. Nos últimos cinco anos o crescimento do setor foi algo realmente exponencial, contrariando até mesmo a crise econômica que o país vem enfrentando. Nesse sentido, para você que está começando, ou está pensando em como montar a melhor loja virtual , é fundamental conhecer alguns dados sobre o comércio eletrônico brasileiro e sobre as vantagens de se montar uma loja virtual.

Você lembra daquele velho ditado que dizia, contra fatos não há argumentos? Então, é baseado nesse ditado que iremos apresentar os 7 dados irrefutáveis sobre lojas virtuais, então vem comigo.

O faturamento do setor não para de crescer

O faturamento do e-commerce fechou o ano de 2018 apresentando um valor de R$ 53,2 bilhões, uma alta de 12% comparada a 2017 onde o setor faturou R$ 47,7 bilhões. Quando comparamos o ano de 2017 com o ano de 2016 podemos notar um crescimento de aproximadamente 7,5%, o que equivale a dizer que foram quase 20% de crescimento nos dois anos onde a economia brasileira encolheu.

Através de números reais, esse dado comprova que o setor realmente está em franca expansão, e que 2019 continuará nesse ritmo. O faturamento estimado segundo especialistas para esse ano é de R$ 61,2 bilhões, um aumento de aproximadamente 15% em relação a 2018. Nesse sentido, podemos observar que montar uma loja virtual é algo realmente vantajoso em uma economia que se encontra estagnada. Isso acontece porque, cada dia mais pessoas estão realizando suas compras pela internet e essa tendência não irá parar por aí. Então, se você ainda está em dúvidas sobre montar ou não sua loja virtual, esse é um excelente dado para se levar em consideração.

Lojas como o Shopify, por exemplo, possuem programas de parceria através de trabalho freelancer .

Hábitos de consumo mudando a cada dia

Desde quando foi lançado no Brasil, os Smartfones vêm ganhando cada vez mais espaço em todas as classes sociais. No último ano, 80% dos internautas afirmaram que já fizeram compras através de aplicativos móveis.

O que é mais interessante, é que 61% das pessoas dizem já ter realizado compras através do WhatsApp, sendo que essa é uma plataforma com outra finalidade. Nesse sentido, e diante de tanta inovação tecnológica, as pessoas estarão cada dia mais inseridas na tecnologia, e dessa maneira, passarão a consumir cada vez mais através da internet.

Assim como o spotify acabou com o ramo de gravadoras, e o Netflix praticamente extinguiu todas as vídeos locadoras, muitos negócios irão desaparecer ou se transformar totalmente nos últimos anos, e você não vai ficar de fora dessa né?

Redução de custos para seu negócio

Um outro dado irrefutável sobre lojas virtuais é que elas são capazes de reduzir custos para o seu negócio, deixando o seu preço ainda mais atrativo. Isso acontece porque, em uma loja virtual, você não precisará pagar um aluguel caro de um imóvel no centro da cidade para expor seus produtos. Também reduzirá com água, energia elétrica e custos trabalhistas, pois não precisará de tantos funcionários para fazer o seu negócio girar.

Em uma loja física, você precisaria ter caixa, atendente, fora o pessoal do setor administrativo. Em um e-commerce quando tudo é mais dinâmico e rápido, você mesmo pode fazer toda a operação do seu negócio através de uma tela de computador. Nesse sentido, além da redução com salários, você ainda terá a redução com custos de férias, 13 salário proporcional, 1/3 de férias proporcionais, entre outros custos. Por essa razão, você poderá inclusive diminuir o preço de venda dos seus produtos, possibilitando maior competitividade dentro do mercado.

Melhor gestão de estoques

Um dos principais problemas enfrentados por uma loja de varejo sem dúvidas é a estocagem de produtos. Afinal, uma loja varejista precisa comprar bastantes produtos para colocar em sua área de venda e chamar a atenção dos clientes. Porém, isso gera um custo de capital bastante alto, afinal para colocar uma enorme variedade na área de vendas, não é algo barato. Com isso, o lojista acaba empatando dinheiro bom muitas vezes em mercadoria ruim que acaba não girando e travando o negócio, muitas vezes levando-o para a falência. Já em uma loja virtual, pode-se trabalhar até mesmo com estoque zero dependendo do dinamismo dos seus fornecedores. Isso acontece porque você precisará apenas das fotos e dos dados dos seus produtos que serão disponibilizados online, e caso o seu fornecedor te atenda rapidamente na entrega, você pode inclusive atrelar os pedidos com as compras, evitando dessa maneira estoques ociosos e perca de capital.

Garantia de recebimento

Um outro dado irrefutável do e-commerce é que através dele você conseguirá praticamente zerar a inadimplência da sua empresa. Isso acontece porque em um comércio varejista ainda vemos a velha caderneta dos
fiados, assim como cheques pré-datados. No comércio virtual normalmente o método de recebimento é através de cartão de crédito, ou de plataformas que garantem o recebimento de forma segura como a
pagseguro, mercadopago entre outras. Dessa forma, você ao realizar uma venda pela sua loja virtual não precisará se preocupar com o recebimento do dinheiro, afinal, certamente ele chegará até você.

Nesse sentido, você também estará ganhando, pois a inadimplência muitas vezes acaba prejudicando um negócio ao ponto inclusive de fazê-lo fechar as portas.

Flexibilidade de horários

Um outro fator que demonstra a vantagem das lojas virtuais para as lojas físicas é a flexibilidade de horário.

Um exemplo, em um comércio físico você irá realizar as vendas somente dentro do horário comercial, e se passar desse horário terá que pagar um valor exorbitante de horas extras para os funcionários.

Já, em uma plataforma digital você poderá efetuar vendas em qualquer horário do dia, inclusive, dormindo. Afinal, o seu produto estará lá, disponível para os clientes, 24 horas por dia, podendo dessa forma vender muito mais do que em uma loja com espaço físico. Entretanto, como a concorrência também é maior no setor a necessidade de investir em propagandas é maior, e por essa razão, você deverá dispensar mais tempos e recursos na divulgação do seu comércio eletrônico.

Vender para qualquer lugar do mundo

Um dos fatores que mais limita o comércio físico sem dúvidas é o fator geográfico, e por essa razão, tínhamos sempre a verdadeira impressão de concorrentes que se odiavam.

Afinal, era a verdadeira disputa por território, e quando algum concorrente avançava no seu território significava instantaneamente perca de faturamento para o seu negócio. Com o e-commerce tudo isso mudou, e você poderá vender seus produtos para qualquer lugar do Brasil e do Mundo.

Dessa forma, o concorrente deixa de ser aquele seu inimigo, podendo inclusive trabalhar como aliado em estratégias de divulgação, logística e entrega. Essa transformação digital realmente veio para revolucionar o mercado e as empresas que não se adaptarem rapidamente em pouco tempo acabarão encerrando suas atividades.

*Por Phillip Kling Davi

 

 

………………………………………………………………….
*Fonte: mundogump

Dormir com telas ligadas prejudica a saúde e pode causar insônia grave

Pesquisadores da Universidade de Medicina Johns Hopkins, em Baltimore, nos EUA acabam de divulgar um estudo que esclarece muitas dúvidas sobre dormir na frente de uma tela.

Embora isso seja considerado um “sonífero” pra grande parte das pessoas, os resultados mostram algo contraditório: o som e a iluminação da tela podem ser muito prejudiciais à saúde.

Segundo Rachel Salas, pesquisadora responsável pelo estudo, sons de discussões acaloradas, tiroteios, explosões ou músicas dramáticas mais altas podem surgir a qualquer momento, e isso atrapalha o sono.

Quando somos acordados, nosso cérebro tem que começar todo o processo de sono do zero e, considerando que nosso sono pode ter cerca de 5 fases, isso é muito prejudicial, já que talvez não consigamos chegar aos estágios mais profundos de um sono saudável.

“Os humanos naturalmente têm entre quatro e cinco ciclos do sono. Se você sofre uma excitação cerebral enquanto se direciona aos estágios mais profundos do sono, seu cérebro terá que começar tudo do começo”. Afirma a Dra. Salas.

Dormir com telas ligadas prejudica a saúde e pode causar insônia

E não é apenas o som que pode causar problema, mas também a iluminação da tela. Segundo pesquisadores, a não ser que sua tela seja OLED (que desliga de fato os pixels escuros), a luz emitida pela TV mesmo quando a tela está escura pode ser muito prejudicial.

Ainda de acordo com a pesquisa, quanto mais jovem a pessoa, mais fácil de superar esses problemas, já que o individuo pode compensar o sono perdido depois, mas conforme ficamos mais velhos essa capacidade vai diminuindo e problemas de sono podem se agravar, gerando muitos problemas de saúde.

 

……………………………………………………………
*Fonte: curtoecurioso

14 dicas e boas práticas de imprensa para bandas independentes

Viver de música sempre será o sonho de milhares de jovens mundo afora. E, num momento em que o rock nacional está cada vez mais forte, há diversas bandas novas surgindo pelos cinco estados do Brasil.

Mas no século XXI, formar uma banda é como começar um negócio. Os integrantes precisam estar atentos a táticas online e offline para se auto promoverem, além de questões do dia-a-dia para manter uma programação rentável e interessante de lançamentos, divulgações e apresentações. Afinal, não existem mais “olheiros” e produtores que vão magicamente levar o seu grupo para o mainstream.

A boa notícia é que o músico independente não precisa fazer tudo isso sozinho! No mercado da música há um profissional para necessidade, e basta organizar o orçamento para atacar em todas as frentes.

Esse foi o tema de um episódio do podcast Tenho Mais Discos Que Amigos, que convocou especialistas em todas essas áreas para reunir dicas para você, artista independente. Ouça o programa no final deste texto, ou siga-nos em plataformas como Spotify, Deezer, Instagram ou Facebook. Abaixo, reunimos os 14 principais toques dados no programa!

1. Identifique seus pontos fortes…

O produto que você oferece deve determinar a sua estratégia de produção. Se a sua banda investe em um som experimental e rico em instrumentos, por exemplo, vale a pena ir atrás de uma masterização perfeita, em estúdio de qualidade. Agora, se o visual e a estética do grupo chamam mais a atenção, talvez vocês devam investir em um videoclipe marcante ou figurino para os shows. É mais fácil que as pessoas se interessem por um fato marcante, e depois de virarem fãs, procurem conhecer o “universo” da banda mais a fundo.

2. …Mas não esqueça do resto

Reunir uma grana para botar o seu material no ar não é nada fácil, por isso pense bem antes de gastar o orçamento e faça as divisões corretas. De que adianta gravar um disco impecável se não vai sobrar dinheiro para investir na divulgação? Ou prensar milhares de CDs e não ter condições de sair em turnê para apresentá-lo? Comprar espaços publicitários em veículos que têm bom alcance ou impulsionar seus posts em redes sociais também são boas estratégias.

3. Entenda seu momento e suas ambições

Bandas em momentos diferentes têm necessidades diferentes. Antes de “largar tudo” pra viver de música, meça suas ambições e seu nível de comprometimento. Se o grupo é recém-formado, deve investir primeiro em conquistar uma base de fãs dentro de sua própria comunidade. Se já tem um tempo de carreira, pode pensar em entrevistas na mídia ou ações em parceria com marcas. Reúna-se com o grupo e levante questões como: quantas horas por semana vocês podem dedicar à promoção da banda, além dos ensaios? O quanto vocês estão apostando nesse disco para o futuro das suas carreiras?

4. Aposte no “midstream”

Ok, o sonho da maioria das bandas é aparecer na televisão, tocar nas rádios e ter destaque no Spotify. Mas e se a gente te disser que o “midstream” brasileiro está mais forte do que nunca? O que não faltam por aí são circuitos e festivais de bandas independentes, que atraem muito público e se mostram um negócio rentável. Invista em nichos e ações voltadas para determinadas faixas etárias. Faça parcerias com artistas do mesmo patamar, principalmente se for de outro estilo musical. É possível viver fazendo o que gosta, mesmo que não envolva o glamour das bandas de outrora.

5. Capriche na identidade visual

No episódio #30 do podcast TMDQA, recebemos como convidado André Felipe de Medeiros, diretor do Música Pavê, portal voltado à parte visual e estética da música, que analisa videoclipes, cenários e ações artísticas criadas pelas bandas. Além de veículos como esse, o músico precisa se preocupar com os fotógrafos que atuam nos shows. Pense bem na disposição de palco, saiba se posicionar e se comunicar visualmente durante sua apresentação. Lembre-se que a imagem captada por esse profissional pode causar uma série de emoções e reações do público.

6. Analise seu público online…

Ter presença na internet, hoje em dia, é apenas uma obrigação. A competição no mundo online se tornou gigante, por isso, use seu site e redes sociais de forma inteligente: crie campanhas, hashtags, responda a mensagens de fãs, publique vídeos de bastidores e, principalmente, analise o público-alvo. Todas essas plataformas oferecem dados e estatísticas que podem ajudar a moldar futuras ações, como perfil social dos seguidores, posts que geram maior engajamento e melhores horários de publicação.

7. …Mas aposte no offline

O caso recente da “banda-fake-news” Threatin nos mostrou que um grande número de seguidores não significa realmente uma grande base de fãs. Antes de investir no online, busque criar laços e parcerias com a sua comunidade, sua cidade ou sua cena musical. Tente criar ações e experiências diferentes para os fãs, devolvendo algum benefício pra ele. Faça shows marcantes em espaços públicos. Frequente feiras e conferências musicais, faça o famoso “networking” e ouça palestras de especialistas na área, que podem acabar solucionando as dúvidas que sua banda tem.

8. Conheça os veículos da área

Cada jornal, revista, emissora ou portal tem a sua linha editorial, ou seja, a forma como os temas de interesse daquele veículo serão abordados pelos jornalistas. O Música Pavê, citado no item 5, é um exemplo. Nós, do Tenho Mais Discos Que Amigos, com 10 anos no ar, falamos sobre música e cinema de forma geral, mas com destaque especial para bandas e lançamentos nacionais. Antes de indicar a sua música a um editor, pesquise se o gênero que você toca é comumente divulgado naquele jornal. Procure sites e fóruns que sejam especializados no seu “nicho” musical, assim você irá atingir o público certo.

9. Envie um material completo

Algumas informações são básicas para que o repórter possa conhecer, avaliar e escrever sobre sua banda – um release (texto jornalístico que resuma a trajetória da banda, ideia por trás daquele lançamento e dados sobre o material e os integrantes), fotos em alta resolução e links para ouvir seu trabalho. E o mais importante: tenha certeza das informações contidas no material. Pega mal ficar pedindo correções em textos ou fichas técnicas depois que a reportagem já foi publicada. Além disso, tente não anexar grandes arquivos no e-mail: prefira hospedá-los em algum serviço e mandar os links para o alvo, assim não irá pesar a caixa de entrada de ninguém.

10. Seja direto

Envie de uma vez todo o material citado no item 9. Não há necessidade de fazer um contato prévio, pedindo autorização para mandar. Busque os contatos oficiais indicados pelo veículo, normalmente um e-mail ou formulário online, e jamais envie por redes sociais ou números pessoais. Lembre-se que o jornalista não é inacessível e não precisa “manter distância” dos artistas. Se nos encontrar nos eventos por aí, pode (deve) vir bater um papo!

11. Cuidado ao personalizar e-mails

Mesmo que você envie seu material para vários veículos ao mesmo tempo, em um “pacotão”, é importante ter o mínimo de pessoalidade em cada e-mail. Cuidado para que os cabeçalhos personalizados contenham corretamente o nome do jornalista e do portal. Não minta sobre entrevistas exclusivas. Se quiser oferecer um porta-voz, das duas uma: ou dê a possibilidade a todos os veículos igualmente, ou a apenas um deles, que seu grupo acredita que dará o maior retorno.

12. Pense bem no “timing”

Uma das maiores chances da sua banda ser divulgada é em listas e rankings, como “melhores do ano” ou “artistas revelação”. No entanto, esses especiais geralmente começam a ser produzidos em outubro ou novembro. Portanto, lançar um disco em dezembro não costuma ser uma boa ideia. Da mesma forma, se sua banda divulgar material em janeiro, há uma boa chance de o trabalho perca relevância até o fim do ano.

13. Busque ajuda profissional

Apesar de todas essas dicas, a banda não precisa fazer tudo sozinha. No mercado da música, há um profissional para cada necessidade. No episódio #30 do podcast TMDQA, nossos amigos Daniel e Nathália Pandeló falaram sobre seu trabalho na agência de comunicação Build Up Media. Segundo eles, a credibilidade de uma assessoria de imprensa chama a atenção dos jornalistas, e faz com que o material chegue aos lugares certos, na hora certa. No mesmo programa, nosso editor Tony Aiex também indicou os livros “Band Smart” e “Tour Smart”, em que o renomado baterista Martin Atkins encurta os caminhos pra quem está iniciando na música.

14. Tente estar em playlists

Nos dias de hoje, as playlists de serviços de streaming como o Spotify funcionam como uma estação de rádio: os editores dos veículos fazem uma seleção do que há de mais interessante, atualizam com frequência e indicam para seus leitores. As playlists costumam ter milhares de seguidores fixos, por isso, sua música pode acabar atingindo alguém que não procuraria sua banda por conta própria. Para ter a chance de entrar nessa seleção, preste atenção aos itens 1 e 9 dessa lista. Ou seja, envie o seu material dando destaque ao single mais impactante do disco.

*Por Rafael Teixeira

 

……………………………………………………………………………..
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Chocolate e vinho tinto ajudam a combater rugas e manter a pele jovem, dizem cientistas

O chocolate e o vinho são duas paixões mundiais. Seja para comemorar bons momentos, relaxar depois de um longo dia ou curtir ao lado das pessoas importantes em nossas vidas, esses dois estão quase sempre presentes nas vidas de muitas pessoas ao redor do mundo.

No entanto, além de serem nossos companheiros, um estudo realizado pela Universidade de Exeter, na Inglaterra provou que seus benefícios vão muito além, mostrando que os chocolates e vinhos podem ajudar a combater rugas e manter a pele jovem, uma boa notícia para homens e mulheres que se dedicam para manter uma aparência saudável.

A pesquisa também mostrou que vinho e chocolate podem combater o envelhecimento.

De acordo com o que comprovam os resultados alcançados, tanto o vinho tinto quanto o chocolate podem contribuir para o rejuvenescimento de células antigas, o que causa uma alteração em seu comportamento, tornando-as mais semelhantes às células jovens.

Os pesquisadores acreditam que o que propicia esse resultado são os compostos flavonoides, que estão presentes no vinho e no chocolate, e são conhecidos por seus efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios.

A pesquisa foi realizada com células tratadas em laboratório com produtos químicos encontrados naturalmente no vinho tinto, chocolate amargo, uvas vermelhas e mirtilos. Eles descobriram que depois desse tratamento, as células apresentavam mudanças e ficavam mais jovens.

Essa experiência foi realizada diversas vezes pelos pesquisadores e,de acordo com a líder do estudo Eva Latorre, as células rejuvenesceram em todas as experiências.

Eva acredita que os dados obtidos pelo estudo podem levar a avanços em terapias antienvelhecimento.

Essa é uma ótima notícia para os apreciadores de chocolates e vinho, mas é sempre bom lembrar que o consumo deve ser feito com moderação!

*Por Luiza Fletcher

 

…………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Um mês antes de um ataque cardíaco, seu corpo vai avisá-lo com estes 6 sinais!

Uma das principais causas de morte em vários países do mundo é o ataque cardíaco. Existem muitos fatores que podem desencadear isso: desde a má alimentação, genética e até o excesso de estresse. Tudo isso pode dar origem a uma doença de coração potencialmente mortal.

Tentar relaxar, reduzir o estresse e ter um estilo de vida saudável pode diminuir as chances de vir a sofrer de um ataque cardíaco. No entanto, existem 6 sinais de alerta que podem salvar a sua vida!

Fraqueza física.
Se sentir fraco pode ser um sinal que algo está errado com o seu coração. Quando as artérias se contraem, diminuem o fluxo sanguíneo e enfraquecem dos músculos. Esteja atento a estes sintomas.

Tonturas e suores frios.
Tonturas e suores frios, especialmente combinados, são um grande alerta de que algo não está bem com o seu corpo, e que o fluxo sanguíneo para o seu cérebro está abaixo do normal. Isto pode ser uma consequência de um ataque cardíaco.

Peso no peito.
Dor ou sensação de peso no peito pode anunciar um problema de coração. A intensidade deste sintoma vai aumentar antes de um ataque iminente. Esta dor também pode aparecer nas costas, ombros ou braços.

Gripe ou resfriado.
Você também pode ter sintomas de gripe nas proximidades de um ataque cardíaco. Muitas pessoas também dizem ter sentido febre antes de isso acontecer.

Exaustão.
Se você está constantemente cansado, isso também pode ser um alerta de que algo está errado. Quando as artérias apertam, o corpo recebe menos sangue e fica fadigado. Se você se sentir muito cansado, deve consultar o seu médico imediatamente.

Falta de ar.
Se os pulmões são incapazes de obter sangue suficiente para funcionar corretamente, você pode ter falta de ar. E deve estar mais alerta se tiver outros sintomas.

Compartilhe estes 6 sinais de um possível ataque cardíaco. Você poderá salvar uma vida!

 

 

………………………………………………………
*Fonte: tudopelacura

Qual o melhor lugar para colocar seu roteador? Um Físico tem a resposta

Esqueça a tentativa e erro – a matemática provou onde é o melhor local para colocar o seu roteador. O físico Jason Cole descobriu uma fórmula que pode definir o melhor lugar para posicionar seu roteador sem fio e, em última análise, depende do plano de sua casa.

Cole começou a investigar a ciência por trás do posicionamento do roteador na tentativa de otimizar seu sinal wifi. Para fazer isso, ele primeiro mapeou a planta, atribuindo valores de refração às paredes, e então usou a equação de Helmholtz, que lhe permitiu modelar as ondas eletromagnéticas emitidas por seu roteador.

Em seu blog, Cole descreve a matemática complicada que se seguiu (pontos de bônus se você puder seguir essa equação).

Inicialmente, ele surgiu com a solução surpreendente de que colocar o seu roteador bem no meio da sua casa resulta no melhor sinal wi-fi.

Mas, é claro, não parece necessariamente ótimo colocar um roteador no meio da sala de estar, e nem sempre é possível dar pontos de energia, etc.

Para investigar mais, Cole modificou seu modelo para levar em conta a absorção em materiais de parede, como o concreto, e para impedir reflexos perfeitos formando uma onda estacionária.

Isso deu a ele um modelo que se parecia muito mais com sinais de Wi-Fi.

Finalmente, ele concluiu o que muitos de nós já suspeitamos – quanto mais longe você estiver do roteador, mais difícil será tentar pegar o sinal.

Mas, se posicionado corretamente, você pode colocar seu roteador em um local que preencha quase todos os cômodos de sua casa com ondas de oscilação maravilhosas de wi-fi, como no vídeo abaixo.

Cole criou até mesmo um aplicativo para Android que permite mapear seu próprio sinal wi-fi em sua casa, para ajudá-lo a descobrir onde o roteador deve ir (sem a necessidade de páginas de fórmulas). Seja bem-vindo.

*Por Any Karolyne Galdino

 

 

………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Vive com gripe? O jeito é dormir melhor, entenda

Nada como uma boa noite de sono para se recuperar de uma gripe: apesar do conselho se parecer com algo que sua mãe diria, quem garante é um grupo de cientistas alemães. Eles descobriramque dormir fortalece a potência de certas células imunológicas, melhorando as chances de se ligar a células infectadas com vírus e destruí-las.

Quando as células T, o grupo de glóbulos brancos (leucócitos) responsáveis pela defesa do organismo contra agentes desconhecidos (antígenos), detectam uma célula infectada por vírus, ativam uma proteína conhecida como integrina, que permite que elas se liguem a essa célula.

A pesquisa publicada no Journal of Experimental Medicine mostra que poucas horas de sono, bem como períodos prolongados de estresse, levam a níveis mais altos de hormônios que parecem bloquear o interruptor principal que ativa as proteínas pegajosas.

A investigação

O líder do estudo, Stoyan Dimitrov, pesquisador da Universidade de Tubingen, na Alemanha, suspeitava que certos hormônios (como epinefrina, norepinefrina, adenosina e prostaglandinas) poderiam impedir a ativação das proteínas pegajosas, desativando o interruptor principal.

Para testar essa hipótese, ele e sua equipe estudaram células de pessoas infectadas com citomegalovírus, um subgrupo do vírus da herpes. Supõe-se que as células T procurem e destruam células infectadas com elas, mas quando as células T dos pacientes foram misturadas com os hormônios suspeitos em tubos de ensaio, a capacidade das células T de ativar as proteínas pegajosas caiu.

Em seguida, os cientistas analisaram o que aconteceu nas pessoas. Sabendo que os níveis desses hormônios caem naturalmente durante o sono, eles reuniram 10 voluntários saudáveis ​​que estavam dispostos a passar uma noite cochilando em um laboratório de sono e outra noite, aproximadamente duas semanas depois, acordados no mesmo laboratório.

Durante as noites designadas para dormir, os voluntários foram ligados a cateteres intravenosos, para que os especialistas pudessem coletar amostras de sangue sem perturbar o sono de ninguém.

Ao comparar as células T recolhidas em noites de sono às células T das noites de vigília, descobriu-se que quando os voluntários dormiam, os níveis de hormônios do estresse eram mais baixos do que quando os voluntários ficavam acordados a noite toda. Mais importante, as células T das noites de sono tinham mais proteínas pegajosas que combatem a infecção.

 

 

 

……………………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

Conheça os prós e contras de cada posição para dormir

Poucos hábitos são tão eficientes para melhorar a saúde do que dormir: fortalece a memória, ajuda a controlar a hipertensão e o diabetes, diminui riscos de doenças cardiovasculares e até mesmo previne a obesidade e a depressão! Mas para conseguir todos esses benefícios, só tendo uma noite muito bem dormida. E um dos fatores que podem estragar tudo isso é a posição em que nos deitamos. “Para podermos descansar e relaxar a musculatura, precisamos de suporte adequado para não torcer ou tensionar as articulações”, comenta o ortopedista Cássio Trevizani, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Mecidina da Universidade de São Paulo (FMUSP). “Ao dormir em uma posição não adequada, a pessoa pode acordar com dores nos músculos, membros, músculos ou na cabeça, além de sensação de sono não profundo”, completa o especialista.

Ficou preocupado com a forma como você dorme? Para você saber se está errando ou acertando nessa hora, desvendamos as principais posições para dormir e indicamos como deixá-las melhores ou até mesmo a aprender a mudar e adotar uma forma mais saudável na hora do sono!

Dormir de lado

Se você costuma deitar-se completamente de lado, parabéns! Essa é considerada a melhor posição para dormir. Você sabe por quê? “A questão é que ao se deitar de lado, você consegue manter a coluna mais alinhada”, ensina o ortopedista Cássio Trevizani, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Além disso, é uma posição que permite que tanto a cabeça quanto os pés fiquem da altura do coração, o que facilita muito a circulação, fazendo com que o corpo funcione normalmente durante o período em que você está dormindo.

Como melhorar a posição de lado

Porém, não adianta apenas ficar deitado do jeito certo, alguns ajustes são necessários. Primeiro, o travesseiro: “o ideal é que ele tenha a altura do ombro, para a cabeça não ficar inclinada”, estabelece o ortopedista Alexandre Podgaeti, coordenador da Comissão de Campanhas da Sociedade Brasileira de Coluna, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. “Colocar um travesseiro entre os joelhos também é bom, porque um joelho bate no outro e assim eles ficam alinhados ao tronco”, conclui o especialista.

A coluna também é um ponto a se ter atenção: tente respeitar as curvas naturais dessa estrutura, nada de tentar ficar retinho! Manter as pernas levemente flexionadas e o quadril relaxado também são ótimas pedidas para não forçar o nervo ciático. Quanto aos braços, nada de colocá-los para cima. “Dormir com o braço esticado em cima da cabeça pode fazê-lo acordar com dor no ombro, bursite ou tendinite… Isso é um reflexo de um travesseiro muito baixo”, reflete Podgaeti.

Dormir de barriga para cima

Essa não é a posição mais indicada, mas também não é de todo ruim para o corpo. O lado bom é que as articulações conseguem relaxar de forma satisfatória, impedindo torções e dores. Porém, a coluna não fica perfeita. “Você acaba retificando seu corpo, e o melhor jeito de manter as curvas da colina perfeita é deitando de lado”, pondera Podgaeti. Outra questão é a maior chance de problemas como a apneia ou ronco aparecerem em que se deita nesta posição. “A língua vai para trás, atrapalhando a respiração”, comenta o especialista. Lembrando que esse não é único fator que pode causar esses processos.

Como melhorar a posição de barriga para cima

Uma das formas de garantir que você durma melhor de barriga para cima é com o travesseiro. Ao contrário da posição de lado, em que ele fica mais alto, ao deitar-se virado para cima ele deve ser bem baixinho. “Assim, evita-se uma tensão na musculatura cervical”, explica Trevizani. Uma forma de garantir um relaxamento das pernas é colocar um travesseiro embaixo dos joelhos, o que permite que eles fiquem menos entendidos, relaxando os músculos da lombar e das coxas.

Já os braços, ao deitar-se de barriga para cima, devem ficar ao longo do corpo, ou com as mãos pousadas levemente sobre o abdômen. Sem por força, é claro, ou você acabará prejudicando a respiração. “Não é indicado colocar os braços para alto, pois acaba ficando desconfortável ao longo da noite”, friza o especialista.

Dormir de bruços

Se dormir de barriga para cima é aceitável, dormir de bruços é completamente contraindicado! Além de deixar o corpo reto também, da mesma forma que a primeira posição, ainda tem o agravante do pescoço. “Ao se deitar de lado, você precisa se virar para respirar, torcendo o pescoço cerca de noventa graus. Quando você coloca um travesseiro, então, além de torcer, você o hiperestende, causando dores cervicais”, descreve o ortopedista Podgaeti. Infelizmente, no caso dessa posição, não há muito o que resolver, de acordo com os especialistas. “Mesmo que muitas pessoas estejam adaptadas a essa posição e se sintam confortáveis, podem ocorrer problemas de cervicalgia, dor nos ombros, bursite, tendinite e até dor nas costas”, enumera o especialista.

Para completar, a posição pode trazer problemas até para os dentes, pois pressionar a região, em longo prazo, pode favorecer dentes tortos. “Ao dormir de bruços, a face recebe pressão, que fica pior se você colocar um braço ou algo firme embaixo da cabeça”, explica a odontologista Eliana Avelãs.

E se mudo de posição ao longo da noite?

Infelizmente, só dá para controlar mesmo nossa posição antes de adormecer, depois disso, é normal que nosso corpo busque adaptação para ficar mais confortável, e nós acabemos nos movimentando um pouco. “Isso é normal, então o que você pode fazer é sempre começar seu sono numa melhor posição, o resto não dá pra controlar”, aconselha Podgaeti.

Porém, se você se mexe até demais, pode ser indicativo de outros problemas de sono. “Quem se vira muito na cama a noite precisa verificar se não há alteração no sono que pode gerar agitamento. Para isso existem tratamento específicos e é importante procurar um especialista em sono”, recomenda Trevizani.

Dá para mudar a posição em que eu durmo?

Outro problema é tentar mudar uma posição a qual seu corpo já está tão acostumado, não é mesmo? Mesmo os pequenos ajustes nas posições normais podem ser incômodos. Para o ortopedista Podgaeti, tudo é uma questão de treino e de insistência. “No começo sem dúvida você acaba voltando a posição ruim sozinho mesmo, mas com o tempo o corpo vai ficando cada vez mais na posição ideal e vai se acostumando”, indica o especialista. Pode ser um processo cansativo, mas vale a pena tentar melhorar, para garantir um sono mais leve e reparador, que vai inclusive recuperar você de todo esse esforço!

 

 

 

 

……………………………………………………
*Fonte: minhavida

7 fatos fascinantes sobre mentirosos patológicos que valem a pena conhecer

Enquanto todos nós contamos pequenas mentirinhas ocasionalmente, há uma grande diferença entre alguém que mente de vez em quando e alguém que é um mentiroso patológico. “Um mentiroso patológico é alguém que mente sem esforço, alguém para quem contar uma mentira é mais natural do que dizer a verdade”, diz a psicóloga Michelle Barton, diretora de Psicologia da Life Well. Mentir pode se tornar parte da vida cotidiana do mentiroso, a ponto de toda a sua existência ser uma invenção.

Como você deve ter adivinhado, esse nível de mentira geralmente é um sintoma de um problema maior. Embora a mentira patológica possa ser seu próprio distúrbio – conhecido como pseudologia fantástica – ela também pode ser um sintoma de psicopatia, distúrbio de personalidade narcisista, ansiedade, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo, entre outras coisas.

……………………………………..

Veja só 7 fatos científicos fascinantes sobre mentirosos patológicos que valem a pena conhecer:


7 – A mentira patológica é muitas vezes ligada a um transtorno de personalidade

“A maioria dos mentirosos patológicos tem distúrbio de personalidade narcisista (DPN) ou pelo menos fortes traços narcísicos e mentem compulsivamente (e sabem que estão mentindo) só para parecerem melhores”, disse o psiquiatra Scott Carroll. E por um dos sintomas característicos do NPD ser “um senso exagerado de importância pessoal”, faz sentido porque isso ocorre.


6 – Mentirosos patológicos têm diferentes níveis de hormônio do que a maioria das pessoas

“Uma das teorias mais interessantes sobre mentirosos patológicos é que eles podem ter a proporção oposta de cortisol e testosterona do que a maioria das pessoas”, diz Bill Eddy, terapeuta. “Isso permite que eles sejam altamente agressivos e sem preocupação com os riscos envolvidos, como mentir descaradamente sobre algo que poderia ter sérias consequências se eles fossem pegos”.

E isso pode conectá-los a outro distúrbio de personalidade. Como diz Eddy, “os mentirosos patológicos mais bem-sucedidos são os sociopatas, condição também conhecida como ‘transtorno de personalidade anti-social’ para os profissionais de saúde mental”.

5 – Eles geralmente mentem sobre problemas médicos
Já que que as mentiras são frequentemente contadas como uma forma de buscar simpatia, faz sentido porque mentirosos patológicos podem acabar mentindo sobre ter problemas de saúde. “Alguns mentirosos patológicos mentem exclusivamente sobre sintomas e condições médicas porque compulsivamente buscam a simpatia de outras pessoas que estão doentes e/ou compulsivamente procuram ser cuidadas por outros”, diz Carroll. “Isso é chamado de transtorno factício e pode levar pessoas saudáveis ​​a fazerem cirurgias e outros tratamentos médicos que não precisam”.

4 – Muitos deles realmente acreditam em suas próprias mentiras
Alguns mentirosos patológicos são “delirantes funcionais”, diz Carroll, o que significa que eles realmente acreditam em suas próprias mentiras e podem até passar no teste do detector de mentiras.

“Isso é chamado de ‘micro-psicótico’ para distinguir essas pessoas das que têm esquizofrenia e que deliram fortemente”, diz Carroll. “A maioria das pessoas micro-psicóticas têm Transtorno da Personalidade Borderline e realmente acreditam no que estão dizendo (o que as ajuda a serem ainda mais convincentes), mas se forem pegos mentindo, podem reescrever suas memórias para acreditar em uma nova mentira na hora”.

3 – Crianças que mentem às vezes têm ansiedade ou depressão
É comum crianças e adolescentes mentirem enquanto passam por seus diferentes estágios de desenvolvimento, testando seus limites. Mas algumas crianças que mentem podem estar fazendo isso devido à ansiedade ou depressão.

Como Carroll diz: “As crianças podem mentir compulsivamente negando erros ou violações de regras que obviamente fizeram. Sua mentira compulsiva tende a estar associada à ansiedade, depressão e baixa autoestima, o que torna mais difícil admitirem seus erros”. Felizmente, isso geralmente é tratável, trazendo bons resultados.

2 – É difícil tratar adultos mentirosos
Adultos mentirosos patológicos podem ser mais difíceis de tratar. “Para os adultos, a mentira compulsiva é difícil de parar porque pode ser extremamente reflexiva e habitual”, diz Carroll. “Além disso, pessoas com Transtorno de Personalidade Narcisista não tendem a procurar tratamento para seu narcisismo – apenas para sua ansiedade ou depressão”. Portanto, se essa for a causa da mentira, pode ser complicado.

1 – Mentir pode ser viciante
Mentir pode na verdade ser viciante, devido ao que faz ao cérebro. “Seus comportamentos e sistemas de recompensa são muito parecidos com jogos de azar – você nunca sabe quando é um colapso ou um grande prêmio”, diz Barton. “Como o mentiroso patológico se acostuma com esse nível de medo e ansiedade, eles quase não conseguem funcionar sem ele”.

O mesmo é verdadeiro para muitos mecanismos não saudáveis para lidar com a realidade. Mas há esperança: se você ou alguém que você conhece mente compulsivamente, ou tiver outros hábitos prejudiciais como forma de lidar com o estresse ou a depressão, existem meios de ajustar sua forma de pensar e lidar com sua ansiedade de uma maneira mais saudável. Abrir-se para um ente querido de confiança ou um profissional da saúde mental é um bom modo de começar.

*Por Luciana Calogeras

 

…………………………………………………………..
*Fonte: misteriosdomundo

7 dicas para conversar com quem pensa muito diferente de você

Nesses dias eu li um artigo muito bom cuja temática nunca esteve tão atual: “Como conversar com quem pensa muito diferente de você?”, que você pode ler na íntegra clicando [aqui].

Nesse artigo produzido pelo site “Papo de Homem” eles compartilham também um minidocumentário sobre esse tema, além de um e-book gratuito que o aprofunda, por isso recomendo fortemente que você o leia.

No final do artigo fiquei um bom tempo refletindo sobre as “7 habilidades e atitudes que podemos treinar para aperfeiçoar nosso lado Construtor de Pontes” e quero ampliar um pouco mais a reflexão com você!

1) Desenvolver mais equilíbrio emocional

O equilíbrio emocional eu diria que é o ponto mais importante, talvez por isso mesmo tenha sido colocado em 1º lugar. Mas precisamos entender que não se desenvolve nada sem praticar. Até já escrevi em outros textos que a palavra desenvolver significa DES+ENVOLVER, ou seja, é deixar de se envolver com algo para passar a se envolver com outra coisa. Existe sempre um ciclo de ascensão: envolver – desenvolver – envolver. Não é interessante? Por exemplo: eu desenvolvo mais empatia a partir de experiência na qual eu me envolva com pessoas que me testem nesse sentido. E dessa forma vou me envolvendo com cada vez mais sabedoria e amorosidade nas novas experiências.

2) Nos comunicar de modo menos violento

Nessa hora não posso deixar de sugerir o maravilhoso livro “Comunicação Não Violenta” do Marshall Rosenberg. Esse livro deveria ser leitura obrigatória até mesmo nas escolas de Ensino Médio, porque o autor desenvolve um método quase infalível para se comunicar com eficiência com todas as pessoas, e isso é o que mais precisamos nesse tempo de tantas intolerâncias e violências.

Segundo esse autor, o grande segredo é desenvolvermos a sensibilidade para perceber quais são as necessidades de quem abordamos. Ao saber quais são podemos ajustar nossa forma de falar para que tanto ela quanto a gente mesmo consiga ter mais harmonia.

3) Cultivar empatia pelo outro

Empatia é a capacidade de ver pela perspectiva do outro, sairmos um pouco no nosso próprio mundo para entrar no mundo do outro. A melhor forma de cultivar a empatia é prestando atenção aos nossos preconceitos, às nossas premissas, às nossas verdades e convicções e questionarmos isso na gente!

O outro tem sua própria forma de enxergar a vida e a sociedade, não cabe a nós julgar o que é certo ou errado, justo ou injusto, digno ou indigno. Cabe a nós desenvolvermos mais sensibilidade para não se prender à uma visão maniqueísta de tudo! A empatia desenvolvida leva ao fim do maniqueísmo entranhado em nós e na sociedade.

4) Evitar posturas radicais

O radicalismo surge do que disse no ponto 3. Surge de acharmos que a nossa visão é “a certa” e a do outro é “a errada”. Como assim? Se mudarmos o foco da lente, como algumas pessoas brincam, é exatamente assim que o outro lado vê. Ele está “certos” e você “errado”.

É muito arriscado agir dessa maneira, porque o radicalismo é o caminho dos EXTREMOS, e isso tem sido uma das coisas que mais venho estudando nos últimos meses. Todos os extremos levam ao nosso próprio sofrimento e o da coletividade. O ideal é buscarmos o “caminho do meio”, tão lindamente ensinado por tantos mestres e professores, como Buda, Jesus, Confúcio, Aristóteles etc. Ainda voltarei a falar sobre esse assunto, pois há muito o que se aprofundar nele…

5) Pedir desculpas quando formos agressivos

Esse ponto é magnífico e vou confessar aqui uma coisa que tenho certeza que ajudará muita gente. Já me aconteceu de eu agir com agressividade em algumas ocasiões e me arrepender pedindo desculpas sinceras e convidando para conversar olho no olho e daí surgiram amizades muito verdadeiras sabe?

Alguns dos meus melhores amigos hoje foram pessoas que lá atrás eu tive bate-bocas feios e o pedido de desculpas fortaleceu a amizade. Agora reforço algo de suma importância. Pedir desculpas requer uma atitude de humildade, de se reconhecer falho e ainda um ser alguém que precisa de muita melhoria pessoal.

6) Estudar e melhorar nossos argumentos

O estudo é um dos melhores caminhos para desenvolvermos consciência e sabedoria. Percebo isso na minha própria vida. Indiretamente, parte do que estou escrevendo aqui foi inspirado num livro que estou lendo agora que se chama “Ética à Nicômaco”, de Aristóteles. Uau! Eu me surpreendo ao perceber a atualidade dos seus escritos. Ele viveu há cerca de 2300 anos e esse livro parece que foi escrito ontem.

Quer ter argumentos melhores? Leia grandes obras e grandes autores, leia os clássicos como obras de Machado de Assis ou Guimarães Rosa entre outros. Garanto que você só crescerá com essa experiência.

7) Não ter vergonha de admitir que não sabemos algo e fazer perguntas

Esse ponto novamente nos remete à humildade. É um belo traço de humildade dizer “Não sei”. Inclusive essa é uma das coisas que me orgulha no exercício do Magistério. Sempre que dou aulas e algum aluno me pergunta algo que ainda não sei, simplesmente digo, “Me desculpe, não sei responder a isso no momento, mas vou estudar e na próxima aula eu respondo com certeza…”.

Muitos professores, por arrogância, tentam enrolar uma resposta para tentarem se passar por sábios ou conhecedores, mas é exatamente o contrário. Ser sábio é estudar para conhecer a fundo e ter firmeza na hora de responder!

*Por Isaias Costa

 

……………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Estudo aponta como nos tornamos sábios

A sabedoria vem da forma com a qual lidamos com situações difíceis da vida. Esta é a conclusão de estudo da Universidade do Estado de Oregon (EUA). Para muitos, a situação difícil, como morte ou divórcio, causou uma crise na noção de entendimento de mundo, levantando questionamentos sobre o mundo ao seu redor.

Essas crises levam à construção de conhecimento e sabedoria, diz Carolyn Aldwin, diretora do centro de pesquisa sobre envelhecimento saudável da universidade de Oregon. “A expressão costumava ser “com a idade vem o conhecimento”, mas isso não é bem verdade. Geralmente a pessoa que precisa trabalhar em algumas questões depois de uma situação difícil é a que consegue alcançar nova sabedoria”, diz ela.

Os resultados deste trabalho acabam de ser publicados na revista Journals of Gerontology: Series B. A autora principal do artigo é Heidi Igarashi, que trabalhou nesta pesquisa como parte de sua dissertação do doutorado.

O objetivo da pesquisa é entender melhor como a sabedoria é desenvolvida no contexto de adversidades como a morte de um ente querido, divórcio, problema grave de saúde ou perda de emprego. Entender como as pessoas lidam com essas adversidades e ficam mais sábias traz mais informações sobre o envelhecimento saudável.

“O que estamos procurando saber é ‘quando coisas ruins acontecem, o que acontece?’. A situação pode ser uma catalizadora para outras mudanças que vêm depois”, diz Aldwin.

No estudo de revisão, foram analisadas 50 entrevistas com adultos com idades entre 56 a 91 anos que passaram por pelo menos uma situação difícil na vida. Os participantes foram orientados a identificar eventos particularmente desafiadores, descrever como eles reagiram e se a experiência ajudou a mudar a visão do mundo.

“Uma coisa que logo se destacou é que quando questionados quais eram essas situações difíceis ou desafiadoras, as pessoas tinham a resposta na ponta da língua. Tempos difíceis são usados pelas pessoas para se definir.”

Os pesquisadores observaram que há três formas de reagir a estas situações: aceitar a situação como algo que não pode ser mudado sem questioner o sentido da vida; usar a inteligência, auto-controle e capacidade de planejamento para resolver problemas relacionados à situação; ou refletir sobre o sentido da vida, adquirindo novos valores ou crenças.

A maioria dos participantes (32 pessoas) indicou que a situação difícil interferiu no sentido de vida que eles tinham e fez com que a pessoa refletisse sobre si mesmo, sobre crenças fundamentais e sobre o entendimento do mundo.

Análises mais profundas mostraram que o ambiente social da pessoa também ajudou a formatar as respostas ao evento difícil. Essas interações sociais incluem conseguir ajuda de outros durante tempos difíceis; apoio não-solicitado de amigos, familiares ou desconhecidos; comparar a reação dela com a reação de outros; procurar ajuda profissional; procurar ajuda de pessoas com experiências semelhantes; formar novas conexões; e aprender mais sobre a sociedade em geral.

Aqueles que receberam ajuda não-solicitada desenvolveram conhecimento sobre compaixão e humildade. Procurar outros com experiências semelhantes expôs os participantes a novas ideias e interações.

“Fez diferença se a rede de contatos do participante esperava que ele se ajustasse ao evento rapidamente e ‘voltasse à vida normal’, ou se ele era encorajado a crescer e mudar como um resultado do evento”, diz Igarashi.

Mas como conseguir o melhor apoio das pessoas ao seu redor? “Tipicamente o tipo de apoio social que você consegue é aquele pelo qual você pede e permite. Mas estar aberto aos recursos da sua rede ou procurar grupos de apoio pode ser útil”, diz Igarashi. [Science Daily]

*Por Juliana Blume

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Novo tipo de álcool promete bebedeiras sem ressaca e sem afetar o fígado

Sair para beber com os amigos é sempre sinônimo de boas conversas, porém quando exageramos na dose, sentimos os efeitos indesejados da ressaca no dia seguinte. Principalmente depois dos 30, quando a cada bebedeira você promete mais uma vez que nunca mais irá colocar uma gota de álcool na boca. Entretanto, talvez este problema esteja prestes a ser erradicado, já que uma equipe está produzindo um álcool sintético que não dá ressaca e, nem afeta o fígado.

A promessa é de que o Alcarelle esteja disponível no mercado em 5 anos. A partir da molécula alcosynth, ele imita os elementos encontrados no álcool – sociabilidade, relaxamento e diversão – menos os efeitos prejudiciais à saúde, já que estará livres de elementos tóxicos, que são prejudiciais ao fígado.

A equipe, conduzida por David Nutt, afirmou que mais testes serão necessários até que o álcool sintético seja considerado seguro para ingestão. Você teria coragem de tomar um drinque feito em laboratório?

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Entenda seu “rim” – Água & Cerveja! BEBA CORRETAMENTE

A HORA CORRETA PARA TOMAR ÁGUA

Você vai ao bar ou a uma festa e bebe uma cerveja.
Bebe a segunda cerveja. A terceira e assim por diante.
O teu estômago manda uma mensagem pro teu cérebro dizendo “Caracas véio… o cara tá bebendo muito liquido, tô cheião!!!”

Teu estômago e teu cérebro não distinguem que tipo de líquido está sendo ingerido, ele sabe apenas que “é líquido”.

Quando o cérebro recebe essa mensagem ele diz: “Caraca, o cara tá maluco!!!”E manda a seguinte mensagem para os Rins “Meu, filtra o máximo de sangue que tu puderes, o cara aí tá maluco e tá bebendo muito líquido, vamo botar isso tudo pra fora” e o RIM começa a fazer até hora extra e filtra muito sangue e enche rápido.

Daí vem a primeira corrida ao banheiro. Se você notar, esse 1º xixi é com a cor normal, meio amarelado, porque além de água, vem as impurezas do sangue.

O RIM aliviou a vida do estômago, mas você continua bebendo e o estômago manda outra mensagem pro CÉREBRO “Cara, ele não pára, socorro!!!” e o CÉREBRO manda outra mensagem pro RIM “Véio, estica a baladeira, manda ver aí na filtragem!!!”

O RIM filtra feito um louco, só q agora, o q ele expulsa não é o álcool, ele manda pra bexiga apenas ÁGUA (o líquido precioso do corpo). Por isso que as mijadas seguintes são transparentes, porque é água. E quanto mais você continua bebendo, mais o organismo joga água pra fora e o teor de álcool no organismo aumenta e você fica mais”bunitim”.

Chega uma hora que você tá com o teor alcoólico tão alto que teu CÉREBRO desliga você. Essa é a hora que você desmaia… dorme… capota…

Ele faz isso porque pensa “Meu, o cara tá a fim de se matar, tá bebendo veneno pro corpo, vou apagar esse doido pra ver se assim ele pára de beber e a gente tenta expulsar esse álcool do corpo dele”

Enquanto você está lá, apagado (sem dono), o CÉREBRO dá a seguinte ordem pro sangue – “Bicho, apaguei o cara, agora a gente tem que tirar esse veneno do corpo dele. O plano é o seguinte, como a gente está com o nível de água muito baixo, passa em todos os órgãos e tira a água deles e assim a gente consegue jogar esse veneno fora”.

O SANGUE é como se fosse o Boy do corpo. E como um bom Boy, ele obedece as ordens direitinho e por isso começa a retirar água de todos os órgãos. Como o CÉREBRO é constituído de 75% de água, ele é o que mais sofre com essa “ordem” e daí vêm as terríveis dores de cabeça da ressaca. Então, sei que na hora a gente nem pensa nisso, mas quando forem beber, bebam de meia em meia hora um copo d’água, porque na medida que você mija, já repõe a água.

Sabia que tomar água na hora correta maximiza os cuidados no corpo humano?

2 copos de água depois de acordar ajuda a ativar os órgãos internos.
1 copo de água 30 minutos antes de comer ajuda na digestão.
1 copo de água antes de tomar banho ajuda a baixar a pressão sanguínea.
1 copo de água antes de ir dormir evita ataques do coração.
Por favor, passe esta mensagem para as pessoas que estima…

 

10 dicas para evitar que as suas plantas morram antes da hora

Dizem que as plantas trazem frescor e vida para dentro de uma casa, mas tem muita gente que só sente desânimo. É que, para muita gente, ganhar ou comprar um vaso com uma flor ou folhagem é certeza de que o exemplar não vai durar mais do que alguns dias ou semanas.

A questão é que, para manter as plantinhas saudáveis em ambientes internos de casas e apartamentos, é preciso cuidar delas – não basta regar apenas uma vez a cada vários dias, de maneira irregular, na frequência que você lembra de fazer isso.
powered by Rubicon Project

Além disso, as plantas são diferentes entre si, o que significa que elas demandam ações de manutenção que também são variadas. (Algumas, por exemplo, gostam do Raça Negra, enquanto outras, não).

Brincadeiras à parte, com essas dicas a seguir, você nunca mais vai poder dizer que é um pai ou mãe desnaturado para a sua planta. As fotos que estão aqui são lá do Popular Mechanics.

1. Regue adequadamente – pesquise a frequência correta para cada tipo

2. Use o tipo de solo correto – não, eles não são iguais

3. Encontre a luz certa – ou a que a planta “gosta mais”

4. Remova as pragas e bichinhos que surgirem

5. Troque de vaso quando necessário, se a planta crescer demais

6. Evite lugares muito quentes, com o “efeito forno”

7. Podar é preciso – retire as folhas mortas e crescimentos exagerados

8. Verifique se a umidade da casa não é muito baixa

9. Evite lugares com correntes de ar – vendo demais também prejudica

10. Manuseie com cuidado – plantas também podem ser sensíveis a movimentos muito bruscos

Bem mais fácil do que você imaginava, não? Mas sim, plantas também dão um pouco de trabalho, que pode ser terapêutico e relaxante, no fim das contas!

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

As mulheres são mais “ardentes” depois dos 40 anos

Embora haja cada vez mais informações disponíveis sobre a sexualidade ao longo da vida, parece ainda subsistir nas sociedades ocidentais uma espécie de estigma associado à expressão sexual na meia-idade: que deve diminuir de intensidade ou até desaparecer. Enquanto os homens recebem a comparações com vinho – que vai ficando melhor com o passar do tempo – as mulheres são associadas a um poço que vai secando. Mas, vários estudos indicam o contrário disso. Indicam que as mulheres têm a libido mais aflorada a partir dos 40 anos…

Louann Brizendinne em seu estudo O Fantástico Cérebro Da Mulher De 40 Anos nos ensina que o cérebro da mulher depois dos 40 é uma bomba que está empreendendo sua última volta hormonal. Cada ano da vida passa por muitas águas que apagam algumas de suas conexões neurais; como consequência disto, surgem novos e melhores pensamentos, emoções e interesses. O certo é que os estrogênios estimulam tanto o humor assim como os pensamentos, os impulsos, a sexualidade, os desempenhos e todo o bem estar. Por isso a mulher começa a se maravilhar com o seu potencial e conecta com sua realidade de outra maneira. É neste momento que se entoa o canto da liberdade emocional, de um novo equilíbrio e de uma redefinição vital que fará que se sinta muito mais plena.

De acordo com Nieves Andrés Ramírez, psicóloga no Colégio de Psicólogos de Castilla y León, quando chega aos 40 anos, o corpo da mulher trabalha a seu favor na parte sexual. É muito provável que nessa idade ela já tenha superado todos os complexos físicos e logo, mais desinibida e a vontade com seus parceiros sexuais.

Após os 40 anos, a mulher pode alcançar mais e melhores orgasmos, segundo a pesquisadora Debby Herbenick em seu site My Sex Professor onde publica os seus ensaios embasados em vários anos de pesquisas acerca da sexualidade: “A mulher depois dos 40 anos aprende a se amar valorizando o seu prazer. Ela aprende que orgasmos, mesmos os fluídos da masturbação, são excelentes para seu bem estar físico, emocional, psicológico e seu autoconhecimento”.

O Kinsey Institute – da Universidade de Indiana, publicou a excelente pesquisa: Satisfação Sexual e Relacionamento Felicidade na Meia-idade e revela que quando as mulheres chegam aos 40 anos a libido aumenta porque seus hormônios se preparam para a menopausa e uma “explosão” acontece no corpo da mulher. A pesquisa mostrou que as mulheres na meia-idade têm uma vida sexual melhor do que aos 20 e 30 anos. Segundo esta investigação, que reuniu respostas em mais de 5 países, as mulheres com mais de 40 anos são mais ativas sexualmente e atingem o orgasmo com maior frequência.

Existem vários aspetos que contribuem para que a mulher desfrute mais do sexo, como por exemplo a estabilidade emocional, a saúde física, a situação socioeconómica e a vida social. Ao nível fisiológico é importante não esquecer que é na meia-idade que normalmente a mulher atravessa a menopausa, um período em que se verificam alterações dos níveis hormonais (principalmente redução do estrogênio) que, por sua vez, desestabilizam o organismo e o humor. Conquanto seja um momento “de readaptação e de crescimento”. Fatores como o álcool, o tabaco, determinados medicamentos, algumas doenças, ansiedade e tensão bloqueiam o mecanismo da libido, bem como a natural diminuição de progesterona. Sendo assim, o sexo para a mulher depois dos 40 anos, se baseia no que o outro é e não no que se idealiza que ele seja. Já não há lugar a tabus, e a linha de diálogo tem de estar sempre aberta.

……………………………………………………………….
*Fonte: portalraizes

Cerveja emagrece e previne Alzheimer e gripe! Está provado!

Segundo vários estudos feitos por profissionais de saúde e investigadores de diversas partes do mundo, a cerveja emagrece! Para além de emagrecer, a cerveja pode reduzir os níveis de colesterol, prevenir o Alzheimer e combater a gripe.

Embora sempre tenhamos ouvido falar na “barriga de cerveja”, um estudo da Universidade de Barcelona defende que beber cerveja diariamente evita o ganho de peso, previne a diabetes, a hipertensão arterial e problemas cardíacos. Contudo, os investigadores espanhóis afirmam que estes benefícios são obtidos com apenas uma caneca por dia.

“A cerveja não é culpada pela obesidade, pois tem cerca de 200 calorias por caneca, o mesmo que um café com leite”, afirma a médica Rosa Lamuela, responsável pela investigação feita com 1249 homens e mulheres acima de 57 anos.
Na verdade, aquilo que engorda são os petiscos gordurosos que acompanham a cerveja, nomeadamente salgados e fritos.

Carlos Vilaça, endocrinologista, diz que esta investigação reforça os benefícios desta bebida à base de cevada e com baixa graduação alcoólica: “A cerveja tem baixo índice glicêmico e é constituída de elementos poderosos, como antioxidantes, ácido fólico, ferro, minerais e vitaminas, que previnem a ocorrência de doenças cardiovasculares, melhora índices do bom colesterol e previnem pedras nos rins por estimular o fluxo urinário”.

Os especialistas acresceram que o consumo regular de cerveja deve ser moderado e acompanhado de uma alimentação saudável e exercício físico.

Um estudo japonês, publicado na revista científica Medical Molecular Morphology, comprova que o lúpulo contido na cerveja tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes capazes de inibir a multiplicação do vírus respiratório e prevenir a pneumonia.

Um estudo finlandês descobriu que a cerveja pode reduzir em 40% os riscos de desenvolver pedras nos rins. Mas lembra-te, o consumo deve ser sempre moderado pois em excesso a cerveja pode agravar o quadro. As mulheres devem consumir até uma lata da bebida por dia e os homens até duas latas.

De acordo com uma investigação de uma universidade espanhola, o efeito sedativo da cerveja pode tratar a insónia e outros distúrbios de sono. O lúpulo aumenta a atividade do neurotransmissor GABA, substância com um efeito sedativo que reduz a ação do sistema nervoso e prepara o organismo para adormecer.

Segundo um estudo holandês, publicado na revista científica The Lancet, as pessoas que ingerem cerveja regularmente apresentam taxas de vitamina B6 cerca de 30% mais altas comparadas com outras que não têm o hábito de consumir esta bebida. Quando comparadas a pessoas que bebem vinho frequentemente, a concentração da vitamina chega a ser duas vezes superior. A vitamina B6 é responsável por ajudar a eliminar a homocisteína, substância que contribui para o desenvolvimento de doenças cardiovascular quando existente em excesso. Uma pesquisa do Centro de Pesquisa Cardiovascular de Barcelona comprovou que a cerveja protege o sistema cardiovascular e reduz a cicatriz no coração provocada por um enfarte agudo do miocárdio.

A cerveja, principalmente a escura, contém uma grama de fibra solúvel por garrafa. As fibras são responsáveis por reduzir os níveis de colesterol LDL e reduzir o risco de doenças cardiovascular. Segundo um estudo publicado na revista científica Annals of Nutrition and Metabolism, o consumo moderado de cerveja beneficia o sistema imunitário e torna o organismo mais resistente a várias infeções. A pesquisa revelou que depois de um mês, o consumo diário de uma lata de cerveja para mulheres e duas para os homens é capaz de aumentar a concentração de células de defesa do sistema imunitário, elevando a produção de anticorpos.

Um estudo do Kings College, em Londres, veio provar que a cerveja fortalece a saúde dos ossos e do tecido conjuntivo, dado que o silício, presente na bebida, melhora a densidade óssea.

Finalmente, um grupo de cientistas da Universidade de Loyola, nos Estados Unidos, reviu 34 estudos que associam o consumo de álcool e problemas cognitivos, analisando ao todo 365 mil voluntários. Os resultados demonstraram que aqueles que bebem cerveja moderadamente apresentam um risco 23% menos de desenvolver Alzheimer e doenças semelhantes, quando comparados com pessoas que nunca ingerem a bebida.

………………………………………………………….
*Fonte: corujaprof

As 4 chaves para o bem-estar segundo o neurocientista que estudou a mente dos mestres budistas

Amigo e confidente do Dalai Lama, Richard J. Davidson é um especialista em neurociência contemplativa, o ramo que estuda o impacto da meditação e outras práticas semelhantes em nosso cérebro.

Este professor neurocientista da Universidade de Wisconsin dedicou mais de 10 mil horas ao estudo dos cérebros de grandes mestres budistas, entre eles o monge francês Matthieu Ricard e o mestre budista Mingyur Rinpoche.

Davidson chegou à conclusão de que existem quatro qualidades essenciais para alcançar o bem-estar, aquele estado de paz interior pelo qual todos nós ansiamos mas que tão escorregadio parece, especialmente quando temos que lidar com os problemas do dia-a-dia.

Na verdade, para Davidson, o bem-estar psicológico não é um estado atingido, mas uma habilidade que se desenvolve. É uma mudança de paradigma interessante porque implica que, se alguém pratica, pode-se desenvolver essa habilidade.

A chave está em estimular outras quatro habilidades que estão em sua base e estão enraizadas nos circuitos neurais. Ao fortalecer esses circuitos, também estaremos desenvolvendo bem-estar.

Como desenvolver um estado de bem-estar e paz interior duradoura?

1. Resiliência

Num mundo impermanente em contínua mudança, coisas desagradáveis ​​nos acontecem. Nem sempre podemos evitá-los, mas sempre podemos mudar a maneira como reagimos a elas.

A resiliência é a capacidade de recuperar-se da adversidade e emergir fortalecida dessa experiência. Davidson relaciona isso ao “não-apego”, porque implica a capacidade de fluir e não ficar preso nessas experiências negativas.

As pessoas mais resilientes, que se recuperam mais rapidamente, apresentam níveis mais altos de bem-estar. O interessante é que quanto mais resilientes somos, mais protegidos estaremos nas situações adversas da vida e mais confiamos na nossa capacidade de superar esses buracos.

Davidson descobriu que os circuitos cerebrais de resiliência podem ser modificados com a meditação da atenção plena, embora seja necessário dedicar muitas horas antes que haja uma mudança nesses circuitos.

2. perspectiva positiva

A segunda chave para o bem-estar é a perspectiva. É sobre a capacidade de ver coisas positivas, mesmo no meio da tempestade, a capacidade de desfrutar de experiências positivas e de perceber os outros com bondade.

Mesmo as pessoas que sofrem de depressão mostram uma ativação no circuito cerebral subjacente à perspectiva positiva, o problema é que essa ativação é muito fugaz, não dura o suficiente para melhorar seu humor.

Ao contrário da resiliência, a pesquisa de Davidson sugere que a prática da meditação e da compaixão pode alterar rapidamente esse circuito. Ele comparou os resultados de um grupo de pessoas que praticou meditação compassiva com outro grupo que recebeu treinamento em reestruturação cognitiva para aprender a desenvolver uma perspectiva mais positiva.

Eles analisaram os cérebros das pessoas antes e depois de duas semanas de treinamento e descobriram que, no grupo da compaixão, os circuitos cerebrais que estão na base da perspectiva positiva foram fortalecidos. Demorou sete horas, 30 minutos por dia durante duas semanas.

3. Atenção total

Uma mente errante é uma mente infeliz. Pesquisadores da Universidade de Harvard recorreram a celulares para as pessoas indicarem quando sua mente vagava. Eles tiveram que responder três perguntas de vez em quando:

O que está fazendo agora?

Onde está sua mente neste momento? Você está focado no que você está fazendo ou sua mente está em outro lugar?

Quão feliz você se sente neste momento?

Eles descobriram que as pessoas gastam 47% de suas vidas sem prestar atenção ao que estão fazendo. E o pior de tudo é que vagar sem rumo mental estava associado a um estado de infelicidade e insatisfação.

A capacidade de guiar suavemente a atenção para o presente é uma das chaves para o bem-estar. Não só nos permite prestar atenção ao que estamos fazendo, mas também nos ajuda a apreciar os pequenos detalhes e a sermos relaxados.

Portanto, quando se pergunta a um mestre zen qual é o caminho para a iluminação, eles freqüentemente respondem: “Quando você anda, anda. Quando você come, coma “. Parece simples, mas não é.

4. Generosidade

Muitas pesquisas tem mostrado que há mais prazer em dar do que em receber. Comportamento generoso e altruísta realmente ativa circuitos no cérebro que são fundamentais para o bem-estar. E o interessante é que esses circuitos são ativados mais duramente do que quando recebemos uma recompensa ou um presente.

Um estudo muito interessante desenvolvido na Universidade de Lübeck analisou a ressonância magnética funcional em um grupo de pessoas que se comprometeram a gastar dinheiro nas próximas 4 semanas com outras pessoas comparando-o com outro grupo que alocou o dinheiro para si. Os neurocientistas descobriram que decisões generosas ativam áreas do cérebro, como o estriado ventral, que tem sido associado a altos níveis de felicidade.

Davidson também provou que ser generoso e ajudar os outros a ter um efeito bumerangue, nos reverte rapidamente gerando um estado de bem-estar, equilíbrio mental e felicidade.

……………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

Não adianta desligar os serviços de localização, pois o Facebook continua monitorando onde você está

Alesksandra Korolova desligou o acesso de sua localização no seu Facebook de todas as formas que ela podia. Ela desligou o histórico de localização do app do Facebook e solicitou ao seu iPhone que ela “nunca” quer que o app veja o local onde ela está. Ela não faz check-in em lugares e nem coloca a cidade onde vive no perfil dela.

Apesar disso tudo, ela constantemente vê propagandas baseadas na localização dela no Facebook. Ela vê anúncios voltados para “pessoas que vivem próximo a Santa Monica” (onde ela mora) e para “pessoas que vivem ou estiveram recentemente em Los Angeles” (onde ela trabalha como professora assistente da Universidade do Sul da Califórnia). Quando ela viajou para o Glacier National Park, ela viu uma propaganda para atividades em Montana, e quando ela fez uma viagem a trabalho para Cambridge, em Massachusetts, ela viu uma núncio para uma escola de cerâmica de lá.

• “Não Rastrear”: a ferramenta de privacidade usada por milhões de pessoas não faz nada
• Facebook está dando para anunciantes informações que você sequer forneceu ao site

O Facebook continua a monitorar a localização de Korolova para exibir anúncios, apesar de ela ter sinalizado de todas as formas possíveis que ela não quer que a rede faça isso.

Isso foi especialmente perturbador para Korolova, como ela conta em um post no Medium, pois ela estudou os danos à privacidade das propagandas do Facebook, incluindo como a rede pode reunir dados sobre as curtidas das pessoas, estimar renda e interesses (inclusive ela e Irfan Faizullabhoy ganharam US$ 2.000 do programa de bugs do Facebook), e como a plataforma pode ser usada para enviar propagandas específicas para uma casa ou um prédio — poderia ser usado, por exemplo, por um grupo anti-aborto para exibir propagandas de roupa de bebê para mulheres pró-aborto.

Korolova achou que o Facebook poderia estar obtendo sua localização com base no endereço IP, algo que a rede diz coletar por razões de segurança. Não seria a primeira vez que o Facebook usa informações obtidas por razão de segurança para publicidade; anunciantes podem criar campanhas de usuários do Facebook baseado no número de telefone que eles forneceram para a autenticação de dois fatores. Como o New York Times recentemente reportou, vários apps estão monitorando os movimentos dos usuários em alta escala. O jornal sugere desligar os serviços de localização nos ajustes do seu telefone, mas mesmo assim, os apps conseguem obter informações ao analisar a rede Wi-Fi ou o endereço IP que você estiver usando.

Quando questionado sobre isso, o Facebook disse que é exatamente o que a rede faz, que isso é normal e que os usuários deveriam saber que isso acontece se eles lessem o que dizem várias páginas do Facebook sobre este assunto.

“O Facebook não usa dados de Wi-Fi para determinar sua localização para propagandas, se você desativar os serviços de localização”, disse um porta-voz do Facebook por e-mail. “Nós usamos IP e outras informações, como check-ins e a cidade do seu perfil. Nós explicamos isso para as pessoas, incluindo em nosso site de princípios básicos de privacidade [Privacy Basics] e no site sobre propagandas no Facebook.”

No Privacy Basics, o Facebook dá conselhos de “como gerenciar sua privacidade” com relação à localização, mas diz que, independente do que você fizer, o Facebook ainda conseguirá “entender sua localização usando itens como…informações sobre sua conexão à internet.” Isso é reiterado na área sobre propagandas do Facebook em que é informado que propagandas podem ser baseadas em sua localização, que é obtida “usando onde você se conecta à internet” entre outras coisas.

Estranhamente, em 2014, o Facebook disse em um blog post que “as pessoas têm controle sobre as informações recentes de localização que elas compartilham com o Facebook, e que elas só veem propagandas baseadas em sua localização recente se os serviços de localização estiverem ativados no telefone delas”. Aparentemente, a política mudou — o Facebook disse que iria atualizar este post antigo.

É, talvez isso seja esperado. Você precisa de um endereço IP para usar a internet e, pela natureza de como a internet funciona, você revela esse número para um app ou um website quando você os utiliza (embora você possa esconder seu IP usando algum fornecido pelo navegador Tor ou por uma VPN).

Há várias companhias especializadas em mapear a localização de endereços IP, e embora às vezes não consiga muita precisão, esse número dará uma boa aproximação da região de onde a pessoa está, como estado, cidade ou CEP. Muitos websites usam o IP para personalizar ofertas, e muitos anunciantes o utilizam para mostrar propagandas direcionadas. Isso significa, por exemplo, mostrar propagandas de um restaurante em San Francisco, se você vive lá, em vez de propagandas de restaurante em Nova York. Neste contexto, o Facebook está usando esta informação para fazer algo que não é tão incomum.

“Não existe uma forma de as pessoas optarem por não terem sua localização usada inteiramente para publicidade”, disse um porta-voz do Facebook por e-mail. “Nós usamos a cidade e CEP, que são dados que coletamos a partir do endereço IP, e outras informações como check-ins e cidade em que a pessoa diz morar — tudo isso para assegurar que estamos oferecendo um bom serviço para as pessoas: de assegurar que elas vejam o Facebook no idioma correto, para verificar que elas estão vendo eventos próximos e propagandas de negócios próximos a elas.”

A questão é se o Facebook não deveria ter padrões mais altos, dada a sua relação com os usuários. Os usuários deveriam ter a possibilidade de falar “ei, eu não quero que minha localização possa ser rastreada para fins de publicidade”? E o Facebook não deveria impedir que anunciantes consigam direcionar propaganda baseado na localização deles? Kolokova acha que este seria o caso.

“Os dados de lugares que uma pessoa visita e onde ela vive revelam bastante coisa”, escreveu ela no Medium. “Sua coleta e uso clandestino de segmentação podem abrir caminho para anúncios que sejam prejudiciais, segmentar as pessoas quando elas estiverem vulneráveis ou permitir assédio e discriminação.”

Neste ponto, o Facebook discorda. Parece que o endereço IP fornece uma aproximação bruta de localização, o que é um uso até perdoável. Para evitar isso, você poderia parar de usar o app do Facebook do seu smartphone (onde o IP tende a ser mapeado com mais precisão) ou usar uma VPN quando for se logar no Facebook. Ou, é claro, tem sempre a opção de sair do Facebook.

Se você não liga de o Facebook saber sua localização, e você tem “os serviços de localização” ativados para o app em seu smartphone, saiba que o Facebook tem muitos detalhes seus! Em uma página para anunciantes sobre monitoramento de pessoas que entram em uma loja após ser impactado por uma propaganda, o Facebook diz que “nós podemos usar as assinaturas de Wi-Fi e Bluetooth para dar a localização delas com mais precisão” e “atualizações de localização que possam ocorrer enquanto o app do Facebook estiver fechado.”

Se você não se importa, ok! Se você se importa, é melhor você revisar os ajustes de localização do Facebook.

*Por Kashmir Hill

…………………………………………………………………….
*Fonte: gizmodo

Batata Doce é a chave para o fim da gastrite, refluxo, azia, e até mesmo úlceras!

Com toda a certeza, você já conheceu pessoas que têm o seu dia a dia afetado por sofrerem de sérios problemas estomacais, como úlceras ou gastrite.

Porém, existe um alimento que consegue eliminar todos esses distúrbios: a batata doce!

É só juntar esse ingrediente com 600 ml de água filtrada para resolver qualquer incômodo no estômago.

Como tratar de problemas estomacais através da batata-doce:

1 – Tire a casca da batata e ponha-a juntamente com um bocadinho de água numa tigela: desse jeito, a batata nunca ficará escura;

2 – Ponha a batata e os 600 ml de água num liquidificador e, depois, recorra a um pano para coar o preparado;

3- Você deverá ficar com uma mistura idêntica a essa que apresentamos na imagem seguinte. A parte escura corresponde ao líquido. Já a parte branca é o polvilho;

4. Jogue o líquido fora, ficando somente com o polvilho;

5. Ponha tudo o que restou numa área que não esteja molhada;

6. Assim que o preparado ficar seco, dissolva uma colher de polvilho de batata em 200 ml de água e misture tudo muito bem;

7. Beba – deve ingerir um copo assim que acordar, antes do café da manhã, outro, antes do almoço, e outro, antes do jantar.

……………………………………………………….
*Fonte: tudopratico

Quanto mais café você toma, mais você vive, de acordo com estudo

O café é um de nossos grandes companheiros no dia a dia. Presente em nossa cultura há mais de dois séculos, a bebida tradicional está presente em praticamente todas as mesas do país, seja no café da manhã, no lanche da tarde, para alguns até mesmo à noite.

Muitas pessoas se consideram viciadas em café e precisam tomar pelo menos uma xícara por dia, para manterem a disposição ou apenas para sentirem o sabor único da bebida. Se você é uma delas, um novo estudo tem uma ótima notícia para te dar!

Uma pesquisa em parceria realizada na Inglaterra, que reuniu o Instituto Nacional do Câncer, Instituto Nacional de Saúde e da Escola de Medicina Feinberg provou que nosso consumo de café pode influenciar diretamente em nossa longevidade, e que quanto mais café tomamos, mais tempo vivemos.

Sobre o estudo

O objetivo da pesquisa era verificar se o café realmente aumenta o risco de mortalidade, quando consumido em ingestão pesada, em especial aqueles que contam com polimorfismos genéticos comuns que prejudicam o metabolismo da cafeína.

Depois de um estudo realizado com mais de meio milhão de pessoas, os resultados mostraram associações inversas entre consumo de café mortalidade, entre participantes que bebiam de 1 a 8 ou mais xícaras por dia.

Conclusões

As conclusões do estudo mostram que, além de viverem mais, os consumidores regulares de café tendem a ter uma vida mais longa do que aqueles que o consomem moderadamente.

No entanto, o resultado é visto como uma correlação, e não uma conexão causal. Isso quer dizer que não é totalmente comprovado que o café seja, de fato, o responsável pela longevidade, mas que esse hábito, em conjunto com outros, são essenciais para uma vida mais saudável e longa.

Outros benefícios do café já são conhecidos por nós: redução de condições de saúde como depressão, Parkinson, câncer, diabete tipo 2, estresse e também o rejuvenescimento das células.

É possível que o café possa estar associado a um período de vida mais longo, mas para que a hipótese seja totalmente confirmada, serão necessárias mais pesquisas aprofundadas.

É muito importante que a bebida, ainda que consumida diariamente, seja feita com moderação e sempre colocando o bem-estar em primeiro lugar. Também é válido relembrar que o café não é recomendado para gestantes, e que quando se acrescentam complementos, a bebida pode perder as suas vantagens.

*Por Luiza Fletcher

…………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Bombeiros recomendam FORTEMENTE que você NÃO deixe alguma garrafa de água no carro

Você alguma vez colocou uma garrafa de água no carro em um dia de calor? Essa prática parece inofensiva, mas pode ser fatal, principalmente se deixarmos esse objeto muito tempo dentro do veículo quente.

Deixar uma garrafa de água no carro por um tempo pode ser fatal, principalmente se ela estiver pela metade. Esses objetos podem causar incêndios, e um homem chamado Dioni Amuchastegu é a prova disso. Ele deixou uma garrafa em seu automóvel, e viu seu assento ficar queimado.

“Eu almocei cedo, e me sentei no caminhão quando, por acaso, olhei pelo canto de meu olho e percebi que havia fumaça lá dentro. Me virei e vi como os raios do sol projetados na garrafa e a pegar fogo”, conta Dioni. Esse acontecimento é fácil de explicar.

Quando a luz do sol atravessa a garrafa, a água age como uma lupa e acentua o calor. Ela concentra toda a energia do sol em um ponto, e ele pode se tornar tão quente que provoca um incêndio. “Nós testámos novamente e medimos a temperatura. Não me lembro exatamente quantos graus faziam, mas tínhamos um termômetro e ele estava quente. Ou seja, estava quente o suficiente para queimar e fazer buracos no assento. Algo que você não podia imaginar”, continua o homem.

Todos sabemos que é muito importante beber água se estiver um dia de calor. Por isso se você tiver garrafas de água no carro, coloque ele à sombra. Ou então já sabe, leve a garrafa consigo para que não aconteçam acidentes. Veja a experiência de Dioni, onde podemos ver esse objeto causando um pequeno fogo no assento.

Como se proteger contra os raios UV da cabeça aos pés

O sol desempenha um papel importante para a saúde do organismo. Ele é quem nos ajuda a sintetizar vitamina D, nutriente fundamental para o fortalecimento dos ossos e do sistema autoimune, dentre outros benefícios. Por outro lado, a exposição solar desprotegida pode acarretar danos em curto, médio e longo prazo, que merecem nossa atenção. Um deles é o câncer de pele, que pode ser prevenido com alguns cuidados diários básicos.

“O excesso pode levar a uma alteração na parte imunológica local e queimaduras. Essa parte imunológica favorece, por exemplo, o aparecimento de herpes, manchas de pele e envelhecimento precoce. Para quem tem maior exposição solar durante a infância, com queimadura importante, surge o risco de desenvolvimento de câncer de pele melanoma, que é mais agressivo”, explica a dermatologista Mayra Tosta, da clínica OrtoDerm.

Além do risco de lesões cancerígenas, como observa a especialista, o sol é responsável por danos de fotoenvelhecimento que costumam ser sentidos em longo prazo, como manchas, sardas, rugas, linhas finas, pigmentação irregular e outros sinais de fotoenvelhecimento. Isso porque a radiação ultravioleta emitida pelo sol não atinge apenas a superfície, com as queimaduras e os raios UVB; ela também chega às camadas mais profundas da pele, devido à ação dos raios UVA, que têm comprimento de onda maior.

Olhos e pálpebras: todo o cuidado é pouco

Para poder aproveitar o verão e os benefícios que o sol oferece para a saúde, é preciso pensar na proteção adequada de cada parte do corpo. Além da pele, por exemplo, os olhos merecem um cuidado especial, que nem todos se lembram com frequência. De acordo com a oftalmologista Leticia Sant?Ana, da Cia. da Consulta, os olhos também estão expostos à radiação solar e sujeitos a danos muitas vezes irreversíveis.

“Um dano muito conhecido é a catarata, cujo desenvolvimento é acelerado pela exposição solar. O pterígio é outra doença comum na população em áreas de trópicos, também relacionada com o sol. Outra doença é a degeneração macular relacionada à idade, que em muitos países desenvolvidos é a principal causa de cegueira. Aqui no Brasil não é a principal, mas a vemos muito em pessoas de pele mais clara, é algo que tem relação com a exposição aos raios ultravioleta”, explica Leticia Sant’Ana.

Além dos olhos, a oftalmologista alerta para outra parte da mesma região que deve ser protegida: as pálpebras. De acordo com Leticia, a pele das pálpebras é extremamente sensível e pode sofrer com queimaduras e até desenvolvimento de câncer, em caso de exposição solar excessiva. “É mais frequente encontrarmos tumores de pálpebra do que o ocular, então, é importante proteger”, afirma.

Como se proteger corretamente

Basta aplicar um pouco de protetor, vestir a roupa de banho e correr para o mar, sem nenhuma preocupação? Nada disso. É preciso ter ao alcance uma combinação de itens que garantem maior proteção solar em áreas de alta exposição, como praia e piscina. Além do protetor solar, com um valor de FPS a partir de 30, é interessante contar com chapéus ou bonés de aba larga e óculos escuros com proteção UVA e UVB – vale o mesmo cuidado para usuários de lente de contato.

“Para quem usa este tipo de acessório, é interessante juntar as duas coisas, os óculos e as lentes de contato com proteção UV. As lentes, sozinhas, não protegem as pálpebras. Também é importante se certificar de que as lentes dos óculos tenham filtros mais escuros e sejam confiáveis”, alerta Leticia Sant’Ana. Vale lembrar que que o cuidado deve ser redobrado no caso de banhos de piscina e de mar; o recomendado é optar pelas lentes de descarte diário, cujo risco de contaminação é menor.

No caso das pálpebras, a dermatologista Mayra Tosta comenta que há o risco de dermatite ou hipersensibilidade por parte de alguns pacientes com a utilização de protetor solar na área. Para reduzir os riscos, a dica da especialista é investir em chapéus com aba larga, além dos óculos escuros, e diminuir a exposição durante o horário mais crítico do sol, que costuma ser entre 10h e 16h.

Para o restante do corpo, vale redobrar o cuidado com a aplicação do protetor solar e usar barreiras de proteção física, como camisetas, cangas, saídas de praia e outros acessórios. No caso do protetor, Mayra recomenda a aplicação no corpo todo, inclusive em regiões que costumam ser “esquecidas” pelas pessoas, como a parte de trás do pescoço e orelhas.

“Também é muito importante a quantidade utilizada nessa hora. Quando você passa o protetor solar, não pode economizar. Muitas pessoas não gostam da sensação da pele mais pegajosa, então, acabam usando uma camada mais fina do produto, e é isso que diminui a proteção. É por isso que utilizamos um FPS maior. Já a reaplicação deve ser feita a cada 2h, se a exposição for mais intensa e após entrar no mar ou na piscina”, reforça.

Ainda assim, a dermatologista ressalta que todas as etapas de proteção não são muito eficazes no período mais crítico do sol, citado anteriormente, que começa às 10h e termina às 16h. Se você pretende aproveitar o verão sem arrependimentos, lembre-se de tomar cuidado esse intervalo e de combinar todas as frentes de proteção solar possíveis.

………………………………………………………………………
*Fonte:

Que alimentos deixam nosso pum mais fedido?

Não adianta: quando comemos, sempre engolimos um pouco de ar sempre, e a digestão em si também é um processo que resulta na produção de gazes que, mais cedo ou mais tarde, são liberados e às vezes provocam um cheiro bastante desagradável.

Felizmente, alguns alimentos podem ajudar a aliviar as coisas, e um estudo promovido por pesquisadores da Universidade de Monash, na Austrália, pode ajudar quem é conhecido por poluir ambientes inteiros.

Os cientistas fizeram um grande levantamento para descobrir como diversos tipos de alimentos afetam a quantidade de sulfeto de hidrogênio produzido pelas bactérias do intestino. Os puns são compostos por vários tipos de gases – oxigênio, nitrogênio, metano, dióxido de carbono e hidrogênio –, mas o responsável pelo futum é o sulfeto de hidrogênio.

Eita!

Os testes realizados não foram os mais divertidos de todos. Basicamente, os pesquisadores analisaram amostras de cocô de sete pessoas consideradas saudáveis. As fezes delas foram misturadas a componentes comuns em carnes, massas e alimentos naturais, com a intenção de descobrir o que produziria o gás mais fétido.

Os resultados revelaram que a cisteína, um aminoácido encontrado em alimentos ricos em proteína, como carne e ovo, é capaz de aumentar a quantidade de sulfeto de hidrogênio em sete vezes. Por outro lado, resíduos de frutas são capazes de diminuir a produção do gás fedido em 75%.

Ou seja: se você quer evitar produzir puns muito fedidos, o jeito é incrementar sua dieta com alimentos como bananas, batatas, trigo, alcachofra e aspargos. Agora, se exagerou muito na carne, é melhor não sacanear a galera do escritório e ir ao banheiro quando o pum quiser sair do seu corpo.

………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Abandone 10 hábitos que favorecem a má digestão

Azia, gases, sensação de estômago pesado e sonolência são sintomas que já acometeram todos nós pelo menos uma vez. Apesar de serem comuns a pessoas com condições crônicas, como a doença do refluxo gastroesofágico, esses males podem surgir em qualquer um que exagerou no prato ou não tomou os devidos cuidados na refeição – mesmo aqueles que seguem uma dieta equilibrada. Confira os conselhos dos especialistas e fique atento aos deslizes que podem causar má digestão:

Comer muito rápido

Ao comer rapidamente, cometemos dois erros cruciais – não mastigamos direito e não damos tempo suficiente ao nosso cérebro para perceber que estamos comendo. “Quando começamos a mastigar, nosso organismo libera uma enzima que facilita a quebra do alimento, iniciando o processo de digestão”, explica o nutrólogo Fernando Bahdur Chueire, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). Desta maneira, é fundamental triturar bem os alimentos antes de engolir, para que a enzima tenha tempo de agir, facilitando o trabalho do estômago e evitando que o órgão fique sobrecarregado – fator que deixaria a digestão mais lenta. Além disso, cada refeição deve ter duração de pelo menos 20 minutos. “Esse é o tempo médio que leva para o intestino liberar o hormônio que ativa o centro de saciedade do cérebro depois que começamos a nos alimentar”, explica. Almoçar em menos tempo que isso não irá proporcionar a sensação de saciedade, fazendo que com a ingestão seja exagerada, dificultando a digestão e favorecendo problemas como refluxo. “Comer demais também torna o processo de digestão mais demorado, causando sensação de mal estar”, alerta o nutrólogo. De acordo com o profissional, o ideal é comer até sentir-se bem e não até ficar “cheio”.

Manias à mesa

A gastroenterologista Mara Rita Salum, da Unifesp, explica que os órgãos do sistema digestivo se localizam na caixa torácica e, dependendo da forma como nos posicionamos, eles se comprimem, dificultando o processo digestivo, culminando na má digestão. Por isso, atitudes como comer deitado ou em qualquer posição que não seja ereta afeta diretamente a digestão. Outra mania comum é falar enquanto comemos – isso pode aumentar a ingestão de ar durante a refeição, favorecendo problemas relacionados a gases.

Líquidos durante a refeição

“Quando alguém bebe muito líquido enquanto come, o estômago enche mais, podendo causar mal estar devido ao maior tempo de digestão necessário para esvaziar o órgão”, aponta a gastroenterologista Mara. Tomar um copo de suco de até 150 ml, no entanto, não interfere de forma significativa na digestão e pode até facilitar o processo de mastigação. Mas a ressalva fica para as bebidas gaseificadas: elas provocam a dilatação do estômago, levando a uma maior ingestão de comida e prejudicando o processo digestivo. “Acompanhar a refeição com qualquer tipo de bebida não é recomendado apenas para quem sofre de doença do refluxo gastroesofágico, pois aumenta o risco de azia.”

Jejum prolongado

Para entender porque o jejum prolongado interfere na digestão, é preciso conhecer o mecanismo do corpo que causa a azia. Na ligação do nosso esôfago com o estômago, temos um órgão chamado esfíncter esofágico inferior, uma espécie de anel responsável por permitir a passagem de comida e se manter fechado quando não estamos fazendo uma refeição. “Ele se abre para o alimento passar do esôfago para o estômago e, em seguida, deve se fechar para reter o que foi ingerido e impedir que os sucos gástricos atuantes na digestão subam para o esôfago, causando a azia”, explica o gastroenterologista Ricardo Blanc, da Sociedade Brasileira de Gastroenterologia. Quando uma pessoa fica sem comer, o ácido gástrico produzido normalmente pelo estômago se acumula e pode refluir, irritando o final do esôfago e causando a azia. “Comer a cada três horas mantém o sistema digestivo em funcionamento, sem sobrecarga na produção de ácido gástrico”, explica o gastroenterologista Luiz Eduardo Rossi Campedelli, do Hospital Albert Einstein.

Boca seca

Ficar com água na boca não indica apenas que você está com fome – a saliva é parte importante do processo de digestão, pois é ela quem inicia esse processo. É pela saliva que são liberada as primeiras enzimas que ajudam na trituração dos alimentos. Além disso, a saliva ajuda na eliminação de bactérias da cavidade bucal, prevenindo contra cáries e outras doenças. Dessa forma, pessoas que tem a boca mais seca podem ter o processo digestivo prejudicado, já que a saliva não será suficiente. Segundo os especialistas, o uso de determinados medicamentos – entre anti-histamínicos, descongestionantes, analgésicos, diuréticos e remédios para pressão alta e depressão -, tabagismo, abuso de álcool, menopausa e doenças que afetam as glândulas salivares, como diabetes, Parkinson e HIV, são causadores de secura na boca. Ela também pode surgir uma vez ou outra, sem qualquer relação com esses problemas, mas se persistir o ideal é procurar um médico. Algumas dicas para evitar a secura na boca são beber bastante água, mascar gomas ou chupar balas sem açúcar e evitar bebidas com cafeína.

Fumo e álcool

Você deve estar se perguntando por que o cigarro iria interferir na digestão, já que a fumaça se deposita nos pulmões. A resposta é simples: a nicotina, quando entra na corrente sanguínea, também vai para o sistema digestivo, e lá provoca a diminuição da contração do estômago, dificultando a digestão. “O uso contínuo do cigarro também enfraquece o esfíncter esofágico inferior, aumentando o contato do ácido gástrico com a mucosa esofágica e causando azia”, diz o gastroenterologista Luiz Eduardo. Além disso, o tabaco altera o paladar e induz a produção de ácido clorídrico pelo estômago, o que facilita a infecção pelas bactérias Helicobacter pylori, causadoras da úlcera gástrica. Segundo o especialista, o cigarro ainda estimula a ida de sais biliares do intestino para o estômago, tornando suco gástrico mais nocivo ao organismo e intensificando o aparecimento de úlceras.

Com o álcool não é diferente. Quando ingerimos alguma bebida alcoólica, a substância logo é absorvida pelo nosso sistema gastrointestinal, irritando as mucosas do esôfago e do estômago e alterando as membranas do intestino, prejudicando a absorção de nutrientes. “Os resultados podem ser esofagite, gastrite e até diarreia”, explica o gastroenterologista Ricardo Blanc. Já no fígado, o álcool vai alterar a produção de enzimas, sobrecarregando o órgão. “Ele passa a produzir mais enzimas para metabolizar o etanol, levando a uma inflamação crônica ou hepatite alcoólica, podendo evoluir para cirrose”, completa. Outro órgão afetado pelo excesso de bebidas alcoólicas é o pâncreas, responsável pela fabricação de insulina e de enzimas digestivas. O álcool pode causar uma inflamação no pâncreas, e essa inflamação pode evoluir para uma pancreatite.

Sono inadequado

Descansar após as refeições, tirando um cochilo leve, pode ajudar na digestão porque está relacionada, sobretudo, ao repouso. “Dando um tempo das atividades pesadas, o fluxo sanguíneo permanece focado nos órgãos envolvidos na digestão sem qualquer problema”, afirma o nutrólogo Fernando. Além disso, o ideal é repousar com a cabeça levemente inclinada para cima, pois isso ajuda na descida dos alimentos. “Ficar completamente deitado pode favorecer o refluxo ou mesmo atrapalhar a digestão”, explica o especialista. A soneca, entretanto, deve durar apenas alguns minutos, pois ao entrarmos em sono profundo, o metabolismo fica lento, dificultando o processo de digestão. Caso queira dormir mais profundamente, espere de duas a três horas após a refeição.

Respirar pela boca ou sorver alimentos

É comum pessoas com alergias respiratórias passarem a maior parte do tempo com as narinas entupidas, precisando respirar pela boca. Nesse cenário, ela acaba respirando pela boca também enquanto come, levando mais ar para o estômago e causando gases. O mesmo acontece quanto usamos canudinho ou sorvemos alimentos, como uma colher cheia de sopa. O ato de sugar a bebida ou o alimento também traz mais ar para dentro do corpo, podendo causar má digestão ou então intensificando um problema que a pessoa já tenha normalmente, como refluxo ou azia.

Erros ao fazer exercícios

“Logo depois que você se alimenta, o organismo direciona maior fluxo sanguíneo para os órgãos envolvidos na digestão para que, dessa maneira, o processo seja realizado mais rapidamente”, aponta o nutrólogo Fernando. Quando fazemos exercícios, por outro lado, quem solicita maior fluxo sanguíneo são os músculos. Assim, é fundamental esperar a digestão completa da refeição – que leva cerca de duas horas – para treinar, pois, do contrário, nenhuma atividade será bem realizada. Segundo o nutrólogo, a diminuição do fluxo sanguíneo ocorre até mesmo no cérebro e, por isso, é normal sentirmos preguiça, cansaço ou dificuldade de concentração logo após comer. O ideal, portanto, é esperar cerca de 15 minutos para voltar a trabalhar, estudar ou realizar outra atividade que exija atenção.

Roupas ou cintos apertados

Usar calças ou saias com elásticos apertados, bem como abusar dos cintos, pode apertar o estômago e obrigar a comida a retroceder para o esôfago. Após as refeições, seu estômago dilata por conta da produção de ácidos gástricos, e a pressão das roupas pode fazer com que esses ácidos retornem para o esôfago, causando azia e refluxo. Esse problema é mais intenso em pessoas que estão acima do peso, pois a obesidade aumenta ainda mais a pressão no estômago. Essa pressão pode empurrar o conteúdo do estômago para dentro do esôfago, causando azia.

………………………………………………………….
*Fonte: minhavida

Tremor nas pálpebras é sinal de que é preciso desacelerar, dizem médicos

O tremor aparece porque liberamos hormônios ligados ao estresse que vão para o sistema nervoso autônomo; ele é um dos primeiros sinais de que algo não vai bem e que é preciso relaxar.
Quem nunca sentiu aquele famoso tremor nas pálpebras? Algo tão irritante quanto impossível de ser controlado. Pior: pode durar dias, com direito a curtos intervalos. Mas por que isso é tão comum e, ao mesmo tempo, difícil de ser evitado?

A oftalmologista Andrea Lima Barbosa, diretora médica da Clínica dos Olhos São Francisco de Assis (RJ), conta que é extremamente comum pessoas chegarem a seu consultório com essa queixa.

“É sempre preocupante para a pessoa e o correto é procurar um especialista, mesmo. Esse tremor palpebral em episódios é uma luz vermelha avisando que algo não vai bem não só no seu corpo, mas em sua vida”, alerta a médica.

Ela conta que o tremor é um sinal de que a pessoa pode estar no auge do estresse. “Pode ser fadiga, ansiedade, resultado de noites mal dormidas ou problemas pessoais , por exemplo”.

SAIBA AS CAUSAS E COMO TENTAR EVITAR:

Como as causas são diversas, para evitar o tremor involuntário das pálpebras deve-se identificar a mais importante e agir nela:- Fadiga: pode ser causada pelo uso contínuo de computadores ou monitores (síndrome da visão do computador). Nestes casos há necessidade de se intercalar períodos de trabalho com períodos de descanso dos olhos, ou seja, a mudança de foco durante 15 minutos, antes de prosseguir no uso;- Estresse: deve-se tentar evitar ou resolver as condições ou as situações do ambiente de trabalho ou familiar que estejam ligadas ao aumento da ansiedade; pode-se tentar a utilização de medicação relaxante muscular leve, sob indicação médica;- Secura nos olhos: também pode estar relacionada ao uso contínuo de computadores. Usar colírios lubrificantes preventivamente é indicado, assim como aumentar a umidificação do ambiente de trabalho;

– Cafeína: se a causa for associada ao consumo excessivo de cafeína, de bebidas energéticas ou de cigarro, deve-se reduzir ou suspender seu consumo;

– Não identificadas: sugere-se a consulta oftalmológica completa com objetivo de se avaliar a função muscular das pálpebras, a superfície ocular, erros refracionais ou fundo de olho.

Fonte: Norma Allemann, Professora Adjunta do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de Medicina – UNIFESP.

Estresse

Barbosa explica que o tremor, quase sempre unilateral, aparece porque liberamos hormônios ligados ao estresse que vão para o sistema nervoso autônomo. Estes hormônios levam estímulos para as pálpebras, que passam a ter contrações involuntárias, ou seja, impossíveis de se controlar.

Com ela concorda o oftalmologista Luiz Carlos Portes, ex-presidente e membro do conselho consultivo da Sociedade Brasileira de Oftalmologia. Ele acrescenta alguns outros fatores que podem desencadear o problema: ingestão excessiva de cafeína, carência de vitaminas, idade avançada, excesso de horas em frente ao computador etc.

Ambos enfatizam que o oftalmologista deve ser consultado para descartar qualquer doença, mas o comum é mesmo que tudo não passe de estresse. Porém, se for algo além disso, o paciente será encaminhado para um neurologista, por exemplo.

Portes, porém, avisa que algumas doenças como conjuntivite e olho seco também podem provocar os espasmos. Isso sem contar que pessoas com mal de Parkinson e Síndrome de Tourette (desordem neurológica ou neuroquímica caracterizada por tiques, reações rápidas, movimentos repentinos ou vocalizações que ocorrem repetidamente) também sofrem com esses espasmos.

Procurar o médico

“Por isso é importante consultar um oftalmologista”, enfatiza o médico. Porém, como na maioria dos casos o problema advém mesmo do estresse, ele comenta: “Há pessoas que ao ficarem estressadas, sentem azia. Outras têm dor nas costas e algumas têm este tremor. É difícil, mas é preciso achar um caminho para não sentir tudo isso”.

“Você tem de se perguntar: o que vai fazer da sua vida? Como anda o trabalho e os relacionamentos. Eu indico relaxamento, ioga, meditação, algo para acalmar mesmo. E, na medida do possível, evitar se estressar”, alerta Barbosa.

A médica insiste que é preciso tomar cuidado porque, se a pessoa não se cuidar, poderá desenvolver doenças cardíacas, depressão, ansiedade ou hipertensão, por exemplo.

“É preciso mesmo repensar a vida”, ressalta, acrescentando que ela própria já passou por isso: “Quando eu fazia plantão médico, eu mesma tinha isso com frequência. Era uma época bem estressante para mim”. Portes também já teve o mesmo problema, quando se preparava para o vestibular: “Eram menos opções de faculdades e a pressão era ainda maior. Estudava muito!”.

Como fazer parar?

Uma receita caseira dá conta de que compressas de chá de camomila ajudariam a parar o tremor. “Melhor tomar o chá”, brinca a médica. Porém, ela ensina que gelo é bom, porque anestesia a musculatura.

Já o médico conta que indica ao paciente um relaxante muscular, mas também aconselha a pessoa a ir ao cinema, praticar exercícios e descansar, pois o comum é que o tremor passe quando ela conseguir relaxar. “Se notamos que é algo de ordem pessoal ou depressão mesmo, o correto é encaminhar a um psicólogo ou psiquiatra”

Botox

Se a pessoa tiver o tremor de forma crônica, pode ser algo mais grave. “Existe a doença do espasmo essencial, blefarospasmo, que é rara. É o famoso tique nervoso, a pálpebra fica tremendo o tempo todo. Daí é preciso tratamento com um neuro-oftalmologista que usará injeções de Botox”, conta a médica. A indicação ocorre porque a toxina botulínica paralisa o músculo.

Norma Allemann, professora adjunta do Departamento de Oftalmologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), conta que, em alguns desses casos, após diagnóstico diferencial adequado com doenças neurológicas que podem estar associadas, a toxina botulínica é aplicada em forma de injeções e tem duração variável de efeito, entre três e seis meses. “O blefarospasmo é uma condição rara, um tipo de distonia facial, geralmente bilateral e associado a contraturas de outros músculos da face e caracterizado pela impossibilidade de controle voluntário. Pode ser um sintoma de doenças neurológicas e deve ser acompanhado de consulta especializada para diagnóstico”, encerra.

*Por Carmen Guaresemin

…………………………………………………………………
*Fonte: contioutra

Eduque o seu filho para ser feliz e não para ser perfeito

Quando se busca a perfeição, a felicidade fica em segundo plano e não se aproveita a vida. Apenas se busca um fantasma que não existe, uma perfeição que nunca chega. Se uma criança é educada na perfeição, em vez de ser feliz, ela irá se tornar uma pequena pessoa triste, frustrada e insegura.

A importância de encontrar o equilíbrio
Alguns pais exigentes apenas irão conseguir com que seus filhos sintam ansiedade por não satisfazê-los. Mas não vão encontrar a satisfação pessoal de fazer as coisas bem feitas. Eles estarão roubando a oportunidade de aprender com os erros, de sentir essa maravilhosa sensação de que se você errar, nada acontece.

Um erro nos ensina nossas fraquezas e nos permite ver o caminho para alcançar os nossos pontos fortes. Nesse sentido, temos de encontrar um equilíbrio em que a criança seja capaz de cometer erros e aprender com eles. Mas não para buscar a perfeição, e sim para superar a si mesma a cada dia um pouco mais.


A perfeição do imperfeito

Se eu tivesse que escolher a perfeição na vida, eu iria escolher o imperfeito. Porque o imperfeito faz nos sentirmos livres, nos faz ver quem somos e como somos, ajuda a nos conhecer melhor e a conhecer as outras pessoas. O imperfeito é sinônimo de respeito e também de diversidade. O imperfeito é visto com bons olhos. Sem dúvida, é o mais maravilhoso e perfeito que pode existir nas crianças.

Uma criança não deve ser educada para tirar dez em todos as suas provas. Uma criança deve ser educada para se esforçar dentro de suas possibilidades e tentar se superar sempre, sem levar em conta as notas, que são apenas um número… uma classificação. A perfeição da imperfeição está em estudar, tirar uma nota de acordo com o que foi estudado e perceber que pode fazer mais e melhor… e se superar.

No imperfeito, nos encontramos com pais que não castigam seus filhos se eles não conseguirem fazer uma prova ou se não são os melhores no jogo de basquete. Mas pais que proporcionam ferramentas para fazer melhor da próxima vez. E eles conseguem. É a imperfeição do perfeito, porque para poder se superar deve ser imperfeito, e também amar uns aos outros. Sem comparações, sem rótulos.


A felicidade está no agora

É necessário educar as crianças para que saibam que sua felicidade não deve depender das notas de uma prova, ou se ela está em uma posição melhor em uma carreira ou se ela ganha ou não ganha um prêmio no recital de música. É essencial educar as crianças para que elas saibam que a felicidade está no agora, em viver o momento presente, em saborear o que está acontecendo, o que fazem, o que sentem.

Porque a felicidade não é uma meta, é um caminho. É importante que as crianças entendam que para serem felizes devemos amar uns aos outros, nos respeitar e aprender que errar não é algo ruim. Os erros nos ensinam o caminho e devemos ser humildes para vê-lo e segui-lo porque é assim que se chega ao sucesso.


Educar para ser feliz

Educar para ser feliz significa viver em um mundo onde as emoções são as protagonistas. Um mundo onde a empatia e assertividade devem estar andando de mãos dadas, onde as crianças saibam se colocar no lugar dos outros. Mas, primeiro, deverão conhecer a si mesmas, se valorizar e se respeitar. Um caminho em que a disciplina positiva irá ajudar a alcançar tudo isso.

Como pais, devemos deixar de lado a competitividade que essa sociedade tenta nos introduzir. Em vez disso, devemos permitir que nossos filhos decidam, errem, chorem, tomem decisões, aprendam, sintam frustração e também satisfação… porque para ser feliz, temos que ser imperfeitos.

…………………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

6 formas naturais de manter os mosquitos longe de você

Mosquitos transmitem doenças e podem ser extremamente incômodos. Quem nunca perdeu uma noite de sono por conta de um mosquito que insistia em passar perto do seu ouvido? Com essas dicas, você pode se livrar dos mosquitos com mais facilidade.

1. Plantas naturais
Os repelentes químicos não são os únicos produtos eficazes quando se trata de mosquitos – diferentes plantas e ervas naturais também podem ajudar. Você pode embelezar seu quintal ou jardim com algumas plantas úteis. Dessa forma, você protegerá a si e seus animais de estimação dos mosquitos ao mesmo tempo.

Então, quais são as plantas e ervas que podem nos ajudar a evitar esses mosquitos desagradáveis? Existem vários tipos que você pode escolher de acordo com o seu gosto: manjericão, alecrim, alho, lavanda, grama de citronela, calêndula, entre outros.

2. Spray de lavanda e óleo corporal
Mosquitos odeiam lavanda. Você pode fazer um spray corporal com óleo essencial ou apenas aplicá-lo em gotas em sua pele. Sprays desse tipo também são muito saudáveis para o seu corpo.

3. Velas de citronela
Se você não pode ter plantas repelentes em casa ou se você é alérgico a elas, as velas de citronela podem ser uma ótima solução. Citronela é um repelente de insetos natural popular que foi aprovado por várias pesquisas científicas. Não tem efeitos colaterais, sua casa cheira bem e você não será perturbado por insetos. Para aqueles que gostam de itens artesanais, você pode fazer velas de citronela com por conta própria.

4. Vinagre de maçã
É incrível como o vinagre de maçã pode ser útil. A maioria das pessoas tem algumas garrafas de vinagre de maçã em casa, por isso, se o seu local for subitamente atacado por mosquitos, faça o seu próprio spray repelente com vinagre. Você também pode adicionar um pouco de óleo de citronela para um efeito adicional. Aplique este spray em locais onde os insetos normalmente se reúnem e espere pelos resultados.

5. Água com sabão
Se você passa muito tempo em seu quintal durante jantares em família ou apenas para ler livros do lado de fora, coloque um prato com água e sabão nas proximidades. Depois de algum tempo, você verá que os mosquitos serão atraídos para essa água e ficarão presos.

6. Alho
Segundo alguns estudos, comer alho ajuda a manter os mosquitos afastados. Este remédio é uma boa notícia para os amantes do alho, mas se você realmente o odeia, não há necessidade de comê-lo em quantidades enormes. Apenas ferva e pulverize a mistura em lugares onde os mosquitos se juntam.

…………………………………………………………………………
*Fonte: casosinteressantes

Oito dicas para preservar melhor as frutas e prolongar o tempo de consumo

Elas são coloridas, cheirosas e saborosas. São também ricas em vitaminas, minerais e fibras alimentares que, juntas, ajudam a regular o organismo. E se você acha que os benefícios se restringem ao interior do corpo, é importante acrescentar à lista que as frutas possuem ação antioxidante, ou seja, são capazes de combater os radicais livres, moléculas responsáveis pelo envelhecimento das células, permitindo-nos ter uma aparência mais saudável e jovem.

Não é preciso ser fitness para saber que o consumo de frutas no dia a dia é essencial. A melhor opção é consumi-las in natura e, para a rotina acelerada das grandes cidades, a dica é guardá-las já higienizadas para facilitar na hora do consumo. Para conservá-las, Carlos Ribeiro, diretor da Snack Frutas, especializada no delivery de frutas frescas para empresa, separou algumas recomendações que podem ajudar a prolongar o tempo de consumo.

  1. Armazená-las já higienizadas pode ser uma vantagem para quem tem o dia a dia mais corrido. Nesses casos, a dica é remover as partes deterioradas e imergir as frutas em solução clorada por 10 a 15 minutos, seguida de uma lavagem em água corrente.
  2. É primordial que, ao colocar na geladeira, elas estejam todas secas, pois a umidade faz com que amadureçam muito mais rápido.
  3. Estando os hortifrútis totalmente secos (e essa dica vale também para verduras e legumes) é possível, então, acondicioná-los em sacos plásticos ou recipientes com tampas.
  4. As únicas frutas que entram numa lista de exceção são as maçãs e pêras, que, para se manterem mais frescas, podem dispor de um pouco de umidade. O recomendado, depois de borrifar água, é guardar com um guardanapo branco sobre elas.
  5. As maçãs e pêras também devem ser armazenadas separadamente, pois liberam gás etileno, substância que favorece o amadurecimento dos alimentos mais próximos.
  6. Famosas pelos benefícios ao coração, já que reduzem a coagulação sanguínea, as uvas requerem certos cuidados especiais na hora de ser armazenadas. A dica aqui é cortar os cachos em tamanhos menores para favorecer a circulação de ar entre elas e deixá-las secar bem, para evitar, assim, o aparecimento de bolores.
  7. Qualquer alimento ao ser congelado sofre alterações sensoriais, como do paladar e odor. Por isso, o ideal é que as frutas sejam consumidas in natura, a não ser que tenham como finalidade se transformar em geleias, sucos ou vitaminas. Nesses casos, maracujá, acerola e morango, por exemplo, são as que melhor preservam as propriedades.
  8. A banana é a única fruta que não pode ser refrigerada e, para retardar o amadurecimento, é possível enrolar o cabinho com papel alumínio/papel filme ou mantê-las dentro de sacos de papel pardo.

………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Estudo prova que ser “esquecido” é, na verdade, um sinal de inteligência acima da média

Ter uma falha de memória é algo que não dá jeito nenhum na escola, quando estamos a realizar multiplicações matemáticas complicadas de cabeça… Pode também ser algo bastante útil quando estamos no local de trabalho, e nos tentamos recordar do nome de um colega…

Dito isto, esquecermo-nos de nomes, ou termos pequenos lapsos de memória é algo que acontece aos melhores!

Contudo, quando nos acontece, sentimo-nos sempre um pouco atordoados. Afinal de contas, não há nada pior do que nos deslocarmos ao supermercado ou à mercearia com um propósito e esquecermo-nos do que fomos lá fazer. Se, como todos nós, também tu te questionas porque te esqueces de pequenas coisas, a resposta é muito simples: não há nada de errado contigo.

Na verdade, um estudo divulgado, recentemente, pelo jornal científico Neuron Journal sugere que o esquecimento é um processo natural do cérebro que pode, até, tornar-nos mais inteligentes no final do dia!

O estudo, conduzido por um professor da Universidade de Toronto concluiu que ter uma memória perfeita não está, em nada, relacionado com o facto de ter mais ou menos inteligência. Na verdade, esquecermo-nos de pequenas coisas é algo que vai ajudar-nos a tornarmo-nos mais inteligentes.

Tradicionalmente falando, a pessoa que lembra sempre de tudo e que tem uma memória sem falhas, é tida como uma pessoa mais inteligente. O estudo, no entanto, conclui o contrário: as pessoas que têm pequenas falhas de memórias podem, a longo prazo, tornar-se mais inteligentes.

Os nossos cérebros são, na realidade, muito mais complexos do que pensamos. O hipocampo (a zona onde guardamos a memória), por exemplo, precisa de ser ‘limpo’, de vez em quando. Na verdade, como a CNN colocou a questão pode ajudar-te a entender:

“Devemos agarrar-nos ao que é importante e deixar fora o que não é.” Isto faz sentido quando pensamos, por exemplo, em como é importante lembrarmo-nos do rosto de uma pessoa, em detrimento do seu nome. Claro que, em contexto social serão sempre os dois importantes, mas se falarmos num contexto animal, o rosto será fundamental à sobrevivência e o nome não.

Portanto, o cérebro não só filtra o que é importante, como descarta o que não é, substituindo-o por memórias novas. Quando o cérebro está demasiado cheio de memórias, o mais provável é que entre em conflito na altura da tomada eficiente de decisões.

Reter grandes memórias está a tornar-se para nós, humanos, cada vez mais complicado, resultado do uso cada vez mais frequente das novas tecnologias e do acesso à informação. É mais útil para nós sabermos como se escreve no Google a expressão para procurar como se faz uma instalação de banheira do que é recordar como se fazia há 20 anos.

Portanto, não há qualquer problema ter pequenas falhas de memórias. Da próxima vez que te esqueceres de alguma coisa, lembra-te: é perfeitamente normal, é o cérebro a fazer apenas o seu trabalho!

…………………………………………………………
*Fonte: fasdapsicanalise

Um em cada dois brasileiros não se exercita o suficiente, diz OMS

Estudo Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado nesta terça-feira confirma que o brasileiro – apesar do fenômeno das “musas fitness” e da rápida expansão das academias nas médias e grandes cidades – se exercita menos do que deveria.

O levantamento, feito com dados coletados nos últimos 15 anos, revela que praticamente uma em cada duas pessoas em idade adulta (47%) no país não pratica atividades físicas suficientemente.

Entre as mulheres, a ociosidade é ainda maior que a média, 53,3%, enquanto a prevalência de inatividade entre os homens é de 40.4%.

No mundo todo, 1,4 bilhão de pessoas que correm risco de saúde por causa da ociosidade, que pode aumentar a propensão ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, por exemplo, diabetes do tipo 2, demência e de alguns tipos de câncer.

Para chegar à estimativa, o órgão da ONU computou dados de 168 países e revisou 358 pesquisas populacionais feitas entre 2001 e 2016, sondando 1,9 milhão de pessoas.

No contexto global, o Brasil se encontra no grupo de países onde há maior ociosidade, superando nações como os Estados Unidos (40%), o Reino Unido (36%).

O estudo define como “atividade física insuficiente” o descumprimento da recomendação padrão da OMS, que aconselha que seja praticado pelo menos duas horas e meia de esforço moderado por semana ou 75 minutos de atividade intensa.

Em nível mundial, a falta de exercícios é um mal que atinge 32% das mulheres e 23% dos homens adultos.

Essa discrepância entre os sexos é um problema cultural, segundo os médicos da OMS, e revela uma questão de desigualdade. “Mulheres enfrentam mais barreiras sociais e culturais para participar de atividades físicas, particularmente nas horas de lazer”, afirma Melody Ding, da Universidade de Sydney, na Austrália, coautora do estudo.

As tendências foram organizadas por regiões e, no caso da América Latina e Caribe, o estudo concluiu que houve uma piora significativa no intervalo de 15 anos pesquisado.

De 2001 a 2016, a parcela ociosa da população saltou de 33,4% para 39,1%.

A Oceania, onde apenas 16,3% da população se exercita pouco, foi a região mais bem colocada. Só foi registrada melhora, contudo, no leste e sudeste da Ásia, onde a proporção de pessoas inativas caiu de 26% em 2001 para 17% 15 anos depois. A boa notícia se deve principalmente à popularização do hábito de se exercitar entre os chineses.

Os países ocidentais ricos, de maneira geral, apresentaram piora nos níveis de sedentarismo, que passou de 30,9% em 2001 para 36,8% em 2016.

Inatividade física e dinâmica de desenvolvimento

“Diferentemente de outros grandes riscos à saúde, os níveis insuficientes de atividade física não estão diminuindo mundialmente. Na média, um quarto dos adultos não está alcançando os níveis de atividade física recomendados para uma boa saúde”, alertou a principal autora do estudo, a médica Regina Guthold.

Citado no estudo da OMS, o pesquisador brasileiro e reitor da Universidade Federal de Pelotas, Pedro Hallal, acredita que o conceito de “atividade física insuficiente” não é a melhor forma de tentar expressar o nível de ociosidade física em uma determinada população.

Ele avalia que o mais correto seria falar em “inatividade física”, e questiona as conclusões do estudo, que classifica como redundantes quando confrontados com levantamentos anteriores feitos pelo professor James F. Sallis, da Universidade da Califórnia em San Diego.

Hallal reconhece, porém, que o documento da OMS tem o mérito de destacar que “efetivamente não estamos conseguindo lidar com a pandemia de inatividade física”.

“A população não está se tornando mais ativa com o passar do tempo, e isso é extremamente preocupante, ainda mais pelo fato de que 5,3 milhões de mortes por ano no mundo são causadas pela inatividade física”, disse à BBC News Brasil, citando estudo de I-Min Lee, de Harvard, publicado na revista The Lancet em 2012.

O pesquisador gaúcho observa que há um contraste entre países muito pobres e ricos. Nos primeiros, os indivíduos são fisicamente ativos em suas tarefas diárias, fazendo deslocamentos a pé ou de bicicleta para o trabalho e se engajando em tarefas domésticas intensas.

Já em boa parte dos países mais desenvolvidos, os hábitos de transporte estão relacionados ao uso de veículos motorizados e o trabalho não envolve esforço. Isso leva a uma situação de sedentarismo que, se não for compensada com a prática de esportes, resulta em problemas de saúde.

“Quando os países começam a se desenvolver, essas atividades físicas que são mais obrigatórias do que voluntárias diminuem, e permanece apenas a atividade física de lazer. Acontece que a atividade de lazer ainda é procurada por muito pouca gente no mundo”, diz.

“Por isso a tendência é que esses dados piorem ao longo dos anos, porque, quando as pessoas dos países pobres começarem a ter mais recursos financeiros, elas vão sair da ocupação que exige atividade”.

Hallal pondera, porém, que elas não adotarão necessariamente a prática da atividade recreacional se não houver um incentivo a isso.

Políticas públicas e norma cultural

A OMS teme que o objetivo global de reduzir os níveis de inatividade em 10% até 2025 não será atingido se novas medidas não forem implementadas – políticas públicas para a promoção de atividade física regular, por exemplo, que impulsionem mudanças de hábitos.

“A gente precisa que a população incorpore a prática no seu cotidiano, e não como uma coisa pontual, só antes do verão”, diz Hallal. “Não adianta dizer: ‘eu jogo futebol com meus amigos às terças-feiras’. Isso não é ser ativo fisicamente”, critica.

“Precisamos que as pessoas incorporem o hábito de fazer atividade regularmente. Esse é o grande desafio da população brasileira nesse sentido. As grandes medidas que têm eficácia para aumentar o nível de atividade física são estruturais e ambientais”, afirma o reitor.

A construção de parques, academias populares, calçadões de orla e ciclovias são alguns exemplos de políticas públicas citados por Hallal como medidas que comprovadamente trazem resultados.

“Não vamos resolver o problema da inatividade física com academias privadas. Isso vai melhorar a vida dos 5% mais ricos da população. Para atingir os 95% restantes, precisamos mesmo é de políticas coletivas, especialmente as que atingem a questão do meio em que vivemos”.

A brasileira Fabiana Rodrigues de Sousa Mast, doutora em ciências esportivas pela Universidade de Basileia, pesquisou o uso desse tipo de infraestrutura pelas mulheres na comunidade da Cidade de Deus no Rio de Janeiro.

Ela concluiu que instalações públicas, ainda que em condições precárias, nitidamente favorecem uma maior prática de exercícios e melhoram a qualidade de vida da população.

“Precisamos focar em construir um ambiente, particularmente em áreas sociais vulneráveis, se quisermos atingir os níveis de atividade física necessários para conquistar indicadores de saúde desejáveis”, diz Sousa Mast.

“Quando falamos da promoção de atividade física na esfera global, falamos de política pública e de norma cultural. É como no caso de Amsterdã, por exemplo. Hoje a norma cultural em Amsterdã é andar de bicicleta. No dia que a gente chegar a um estágio onde a atividade está incorporada na rotina, o problema já vai ter diminuído consideravelmente”, conclui Hallal.

*Por Marina Wentzel

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: bbc/brasil

12 alimentos que você compra e replanta pra sempre

Você já pensou em ter seus alimentos à disposição sempre que precisar? Ou em consumir alimentos sem agrotóxicos e químicas?

Então você vai adorar essa dica! E além de fácil e simples, você ainda economiza dinheiro, e tem seus alimentos preferidos na cozinha de sua casa!

Você só vai precisar de um pouco de terra e alguns vasinhos.Veja a lista de 12 alimentos que você pode cultivar em sua própria casa:

Cebola
Coloque a cebola em um recipiente com água, e espera até que as raízes e as hastes comecem a aparecer. Assim que as raízes e as folhas tiverem com um tamanho satisfatório (5 ou 10cm), você poderá replantá-las em um vaso grande e com terra preparada, em um local que receba bastante luz solar.

Erva Cidreira
Coloque uns 5 talos e deixe em um recipiente com água até criar raízes. Depois disso, passe para um vaso com terra preparada. Ela suporta bastante Sol, e pode ser regada normalmente.

Alho-poró
Corte no talo (5cm) e coloque em um recipiente com água, mas não muito fundo. Coloque palitos como mostra na imagem, pra que ele fique quase boiando, e nunca deixa a água evaporar. Se for verão, você poderá plantá-lo assim que tiver bastante raízes, e claro, em um local que receba luz solar.

Acelga
Corte no talo (5cm) e coloque em um recipiente com água por alguns dias. Depois, é só plantar em um vaso grande com furos em baixo pra drenar a água.

Aipo (salsão)
Corte-o no talo (5 cm) e deixe em um vasilha com água. Umedeça a parte de cima da planta para não secar. Deixe em um local ensolarado, e logo as folhas amarelas começarão a brotar. Depois, as folhas ficarão verdes. Depois de ter novas folhas, aguarde uma semana para plantar em um vaso com furos em baixo. Em breve terá talos de salsão o ano todo!

 

 

 

 

 

 

Alface romana
Basta pegar a cabeça do alface e colocá-la num recipiente com água em um local que receba luz solar. Esse é bem fácil!

Cenouras
Assim como mostra na imagem, você usará a cabeça da cenoura que geralmente tem algumas folhas. Coloque-as num recipiente com água, onde receba luz do Sol. Depois das folhas terem crescido, você pode plantar em um vaso grande. Mas lembre-se sempre de cobrir toda a cenoura, deixando pra fora somente as folhas.

Alho
Basta escolher alguns dentes de alho e colocá-los em um copo com água.Assim que nascer os brotos, espere até que ele atinjam um tamanho de aproximadamente 10 cm. Se preferir, pode mantê-los na água mesmo, ou então, plantá-los em um vaso. Misture um pouco de areia com a terra, e cubra toda a cabeça do alho, deixando pra fora apenas as hastes. O cultivo do alho diretamente na água é mais fácil, mas aí vai de cada um. Logo você terá alhos sempre que desejar!

Alecrim
Separe umas três hastes e corte com uns 10 ou 15 centímetros. Retire flores caso tenha, e coloque em um copo de vidro com água, e deixe em um local que receba luz do Sol, trocando a água a cada dois dias. Quando as raízes tiverem com tamanho de aproximadamente 2 centímetros, você deverá plantar em um vaso com furos em baixo. De preferência, use uma mistura de 2/3 de areia grossa e 1/3 de terra musgo. Essa planta não gosta de muita água. Essa mesma técnica pode ser usada com outras plantas, como o coentro.

Hortelã
Separe umas três hastes e corte com uns 10 ou 15 centímetros. Retire flores caso tenha, e coloque em um copo de vidro com água, e deixe em um local que receba luz do Sol, trocando a água a cada dois dias. Quando as raízes tiverem com tamanho de aproximadamente 2 centímetros, você deverá plantar em um vaso grande, com furos em baixo, pois não pode encharcá-lo, mas também a terra não pode ficar seca em momento algum.

Manjericão
Separe umas três hastes e corte com uns 10 ou 15 centímetros. Retire flores caso tenha, e coloque em um copo de vidro com água, e deixe em um local que receba luz do Sol, trocando a água a cada dois dias. Quando as raízes tiverem com tamanho de aproximadamente 2 centímetros, você deverá plantar em um vaso médio, pois ele precisa de espaço e Sol. Depois disso, você terá manjericão sempre que precisar!

Cebolinha
Separe aquela parte branca com um pedaço do cabinho verde. Coloque em um copo com água, cobrindo a parte branca em cerca de 2,5 centímetros e deixe em um local que receba luz do Sol. Logo você terá cebolinhas sempre que precisar Se desejar, após fazer o primeiro processo, você pode plantá-las em um pequeno vaso.

…………………………………………………………
*Fonte: curtoecurioso