6 curiosidades sobre “alergias” que você provavelmente não sabe

Visitar aquele amigo com gato em casa, morar perto de um prédio em construção que levanta muita poeira ou simplesmente conviver com a temporada de pólen na natureza. Todos esses são motivos muito plausíveis para ativar o gatilho de um dos problemas mais chatos das nossas vidas: alergias.

Basicamente, toda pessoa na Terra é alérgica a algo e, ainda assim, nós sabemos pouquíssimas informações sobre o que causam as alergias. Pensando nisso, nós listamos seis curiosidades sobre esse problema de saúde que pode ser um verdadeiro empecilho em nossas vidas. Veja a seguir!

1. O que é uma alergia?

Partindo do básico, toda alergia é basicamente uma reação que o nosso corpo tem para determinadas comidas ou substâncias. Elas são particularmente comuns em crianças, e grande parte delas costuma desaparecer conforme crescemos. Entretanto, algumas teimam em ficar na fase adulta.

Alguns adultos inclusive desenvolvem alergias que não tiveram quando eram mais jovens. Apesar de, em alguns casos, elas poderem ser um verdadeiro incômodo em nosso dia a dia, a maior parte das reações alérgicas são leves e facilmente controladas.

2. Quais são as alergias mais comuns?

Toda substância que causa uma alergia é chamada de alérgena. Os alérgenos mais comuns no mundo e que afetam uma maior quantidade de pessoas são:

pólen das árvores e da grama — rinite alérgica;
ácaros;
pelos de animais;
comida — particularmente nozes, frutas, crustáceos, ovos e leite de vaca;
picadas de insetos;
medicamentos — incluindo ibuprofeno, ácido acetil salicílico (aspirina) e alguns antibióticos;
látex;
bolor;
produtos químicos domésticos.
Basicamente em todos esses casos, os alérgenos são inofensivos para pessoas que não desenvolvem reações alérgicas a eles.

3. O que acontece com seu corpo durante uma reação alérgica?

Quando uma pessoa alérgica entra em contato com determinada substância, o alérgeno passa a despertar uma reação do sistema imunológico. Então, os anticorpos passam a se ligar aos nossos mastócitos — conhecidos por terem grande importância na defesa contra helmintos e bactérias.

No primeiro contato do alérgeno com o anticorpo, os mastócitos passam a liberar histamina. Nesses casos, a histamina não conseguirá combater nenhuma ameaça real e provocará irritação, inflamação, inchaço e grande desconforto no corpo das pessoas. Em casos mais graves, é necessário que a pessoa se direcione para o hospital.

4. Por que desenvolvemos alergias quando adultos?

As alergias acontecem majoritariamente entre os mais jovens, pois essa é a fase da nossa vida em que o nosso organismo ainda está aprendendo a lidar contra algumas “ameaças”. Então por que continuamos as desenvolvendo mesmo quando mais velhos?

O que acontece é que o nosso sistema imunológico está em constante transformação, portanto pode não estar sempre preparado para alguns eventos. Caso você esteja se sentindo incomodado em decorrência de alguma reação espontânea, busque um alergista.

5. Terapia de exposição ajuda nas alergias?

Em alguns casos, aumentar o tempo de exposição à substância que lhe causa desconforto pode trazer alguns benefícios. Por exemplo, pessoas que adquirem um novo animal de estimação podem acabar sofrendo nos primeiros meses, mas depois desenvolverem certa tolerância com o passar do tempo.

Cachorros trazem mais bactérias para dentro de casa, o que pode fortalecer o seu sistema autoimune. Entretanto, isso não significa que você deve comer uma bacia de camarão caso seja alérgico a crustáceos. Cada caso deve ser analisado com cuidado e ajuda de um médico especialista.

6. Existe cura para alergias?

Na maioria dos casos, pessoas que sofrem com alergias costumam utilizar anti-histamínicos para aliviar os sintomas de crise pelo resto da vida, o que pode ajudar com os famosos olhos avermelhados e nariz escorrendo. Entretanto, cerca de 5% a 10% dos pacientes costumam buscar pela imunoterapia, em que o sistema imunológico é dessensibilizado a alérgenos específicos.

Apesar desse tipo de tratamento poder ser feito com medicamentos, na maior parte das vezes é administrado através de injeções em consultório. Pacientes começam com uma dose pequena do alérgeno e vão aumentando ao longo da vida. A longo prazo, isso pode curar uma alergia.

*Por Pedro Freitas
………………………………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Vacina contra câncer criada em Harvard é eficaz em 100% dos testes

Pesquisadores do Harvard’s Wyss Institute, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, desenvolveram e estão testando uma vacina personalizada e revolucionária contra o câncer agressivo.

Chamada de vacina “implantável”, do tamanho de uma aspirina, ela é colocada perto do local do tumor e evita a quimioterapia no corpo todo. E uma vez aplicada, ela faz uma reprogramação do sistema imunológico para atacar as células cancerosas, não só naquele local, mas no corpo inteiro.

A nova vacina é baseada em biomaterial e combina quimioterapia e imunoterapia para tratar tumores resistentes. Ela foi testada em ratos e “100% deles sobreviveram”, informou nesta quarta, 11, o site da Universidade de Harvard. A pesquisa foi publicada na Nature Communications.

“100% dos camundongos que receberam a vacina em gel sobreviveram sem metástase, enquanto todos os camundongos não tratados morreram”, afirma a reportagem da universidade.

“A capacidade desta vacina de induzir respostas imunes potentes sem exigir a identificação de antígenos específicos do paciente é uma grande vantagem, assim como a capacidade da administração de quimioterapia local de contornar os graves efeitos colaterais da quimioterapia sistêmica, o único tratamento atualmente disponível para o doença ”, disse Robert P. Pinkas, um dos autores e líder da plataforma de Immuno-Materials no Wyss Institute.

“Esta vacina não apenas ativa as células dendríticas com TAAs específicos do tumor in situ, mas também remodela o microambiente do tumor para permitir ao sistema imunológico um maior acesso ao tumor e cria uma memória imunológica que evita novas recorrências.”

“O câncer de mama triplo-negativo não estimula respostas fortes do sistema imunológico e as imunoterapias existentes não conseguiram tratá-lo. No nosso sistema, a imunoterapia atrai várias células imunológicas para o tumor, enquanto a quimioterapia produz um grande número de fragmentos de células cancerosas mortas que as células imunológicas podem pegar e usar para gerar uma resposta específica do tumor eficaz “, explicou o co-primeiro autor Hua Wang, ex-pós-doutorado em Harvard e atual professor assistente no Departamento de Ciência e Engenharia de Materiais da Universidade de Illinois, Urbana-Champaign.

Vacina personalizada

Desenvolvida pela primeira vez em 2009, a vacina injetável contra o câncer tem se mostrado uma grande promessa no tratamento de vários tipos de câncer em camundongos e tem sido explorada em ensaios clínicos para o tratamento de melanoma no Dana Farber Cancer Institute.

“O implante de drogas quimioterápicas dentro da estrutura da vacina cria uma explosão de morte de células cancerosas que libera TAAs diretamente do tumor para as células dendríticas, evitando o longo e caro processo de desenvolvimento de antígenos”, disse o co-primeiro autor Alex Najibi, um estudante de graduação da SEAS no laboratório de David Mooney.

Na formulação original da vacina, moléculas encontradas em células cancerosas – chamadas antígenos associados a tumores (TAAs) – foram incorporadas junto com adjuvantes dentro do arcabouço do tamanho de uma aspirina para que as células dendríticas que chegam pudessem reconhecê-las como “estranhas” e montar uma resposta imune direcionada contra o tumor.

Esses TAAs podem ser isolados de tumores colhidos ou identificados por sequenciamento do genoma de células cancerosas e, posteriormente, fabricados, mas ambos os processos para criar vacinas contra o câncer personalizadas podem ser longos, tediosos e caros.

Os testes

Wang, Najibi e seus colegas decidiram aplicar essa nova tática de vacina contra o câncer ao TNBC, uma doença na qual os tumores suprimem agressivamente a atividade imunológica em sua área local, limitando a eficácia da imunoterapia.

A equipe carregou primeiro seu arcabouço de hidrogel de alginato com uma molécula de proteína chamada Fator Estimulante de Colônia de Granulócitos-Macrófagos (GM-CSF).

O GM-CSF estimula o desenvolvimento e a concentração de células dendríticas, que captam antígenos de tumores e outros invasores e os apresentam às células T nos gânglios linfáticos e baço para iniciar uma resposta imune.

Eles também adicionaram a droga quimioterápica doxorrubicina (Dox) ligada a um peptídeo chamado iRGD. iRGD é conhecido por penetrar em tumores e ajuda a direcionar o Dox para tumores após a liberação.

Quando camundongos com tumores TNBC foram injetados com a nova vacina, aqueles que receberam um arcabouço carregado com GM-CSF e o conjugado Dox-iRGD mostraram uma penetração significativamente melhor da droga nos tumores, aumento da morte de células cancerosas e menos tumores metastáticos nos pulmões do que aqueles que receberam géis contendo Dox conjugado a uma molécula de peptídeo embaralhada, Dox não modificada ou não foram tratados.

A análise mostrou que eles haviam acumulado um grande número de células dendríticas, indicando que os componentes da imunoterapia e da quimioterapia da vacina estavam ativos.

Terceiro componente

Encorajada pelos resultados, a equipe experimentou adicionar um terceiro componente à vacina chamado CpG, uma sequência de DNA bacteriano sintético que é conhecido por aumentar as respostas imunológicas.

Os camundongos que receberam vacinas com esta adição exibiram um crescimento tumoral significativamente mais lento e tempos de sobrevivência mais longos do que os camundongos que receberam vacinas sem ela.

Para avaliar a força e a especificidade da resposta imune gerada por esta vacina de três partes, os pesquisadores extraíram e analisaram células de nódulos linfáticos e baços dos animais. Surpreendentemente, 14% das células T retiradas dos gânglios linfáticos reagiram contra as células tumorais, indicando que foram “treinadas” pelas células dendríticas para direcionar o câncer, em comparação com apenas 5,3% dos camundongos que receberam a vacina de duas partes e 2,4% das células T de camundongos não tratados.

Além disso, dar uma dose de “reforço” da vacina 12 dias após a injeção aumentou ainda mais o tempo de sobrevivência.

Ação localizada

Embora esses resultados tenham revelado o efeito da vacina na ativação do sistema imunológico, a equipe também queria entender como ela afetava o microambiente local do tumor.

A análise das vacinas e de seus tumores próximos revelou que as células em tumores tratados com géis contendo GM-CSF, Dox-iRGD e CpG tinham uma quantidade aumentada da proteína calreticulina em suas superfícies, o que é um indicador de morte celular.

Os camundongos que receberam a vacina de três partes também exibiram um maior número de macrófagos pró-inflamatórios: leucócitos que estão associados a uma melhor atividade anticâncer e maior sobrevida.

Os pesquisadores também descobriram que o tratamento causou um aumento na expressão da proteína da superfície celular PD-L1 nas células tumorais, que é usada pelo câncer para evitar a detecção imunológica.

Eles tinham um palpite de que a co-administração de um tratamento com um inibidor de checkpoint anti-PD-1 que bloqueia essa evasão imunológica com a vacina aumentaria sua eficácia.

Eles implantaram a vacina de três partes em camundongos e, em seguida, injetaram o anti-PD-1 separadamente.

Os camundongos tratados com a combinação de vacina em gel e anti-PD-1 mostraram tamanho e número de tumor significativamente reduzidos e sobreviveram por uma média de 40 dias em comparação com 27 dias para camundongos não tratados e 28 dias para camundongos que receberam anti-PD-1 sozinho .

Esta sinergia sugeriu que a vacina pode ser melhor usada em combinação com terapias com inibidores de checkpoint.

Para imitar como a vacina contra o câncer pode ser administrada a pacientes humanos, a equipe testou sua capacidade de prevenir a recorrência do câncer após a remoção de um tumor primário.

Eles excisaram cirurgicamente os tumores TNBC de camundongos, depois injetaram sua vacina de hidrogel de três partes ou uma vacina líquida contendo todos os componentes em uma suspensão perto do local original do tumor.

Ambos os grupos tratados tiveram recorrência tumoral significativamente menor, mas a vacina em gel produziu crescimento tumoral significativamente mais lento e melhorou a sobrevida.

Próximos passos

A equipe continua a explorar a combinação de quimioterapia com vacinas contra o câncer e espera melhorar sua eficácia antitumoral para outros modelos de tumor de difícil tratamento.

E espera fazer estudos futuros para compreender mais e otimizar o sistema para que ele avance pra testes pré-clínicos e, eventualmente, pacientes humanos.

Este trabalho foi apoiado pelo National Institutes of Health, a Wyss Technology Development Fellowship e a National Science Foundation.

……………………………………………………………………………….
*Fonte: revistasabersaude

Estresse pode ser um dos fatores da causa do Alzheimer

Por mais que haja diversos estudos e teorias, ainda não se sabe muito sobre o Alzheimer, a doença aparece no cérebro humano e causa uma devastadora perda de memória e lembranças. O novo estudo, publicado na revista científica Biological Reviews, indicou que o estresse crônico pode desempenhar um muito papel importante nesse processo.

“O que sabemos é que o estresse crônico afeta muitas vias biológicas em nosso corpo”, disse o geneticista molecular David Groth, da Curtin University, na Austrália. Durante a revisão de estudos anteriores, os pesquisadores analisaram o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (eixo HPA), o qual controla uma variedade de processos biológicos e também ajuda a gerenciar nossa reação ao estresse.

Com isso, parte da sua função é regular a liberação do hormônio cortisol, ou seja, quanto maior o estresse, mais cortisol é liberado. Por outro lado, o hormônio faz parte de uma classe conhecida como glicocorticoides, que aumentam o açúcar no sangue e suprimem o sistema imunológico.

A interrupção do eixo HPA e os subsequentes aumentos nos níveis de cortisol são observados nos casos de Alzheimer, com constância. No estudo, os pesquisadores mostraram que os fatores genéticos que atingem o eixo HPA também podem afetar a inflamação no cérebro, conhecida por contribuir para os danos aos neurônios observados em doenças como Alzheimer.

“Variações genéticas dentro dessas vias podem influenciar a maneira como o sistema imunológico do cérebro se comporta, levando a uma resposta disfuncional”, disse Groth.

Ele complementou ao explicar que “no cérebro, isso leva a uma interrupção crônica dos processos cerebrais normais, aumentando o risco de neurodegeneração e, em última instância, de demência.”

A equipe levantou a hipótese de que o estresse crônico pode desencadear uma resposta glicocorticoide que estimula a microglia, que são as células imunológicas do cérebro, a se tornar mais inflamatória. Portanto, aumentando o risco de neurodegeneração.

No artigo, os pesquisadores escreveram: “Identificar os mecanismos moleculares subjacentes à associação entre o estresse crônico e a doença de Alzheimer, bem como identificar os fatores genéticos que podem contribuir para a suscetibilidade dessa associação, pode permitir que novos alvos terapêuticos sejam identificados, bem como estratégias voltadas ao controle do estresse crônico.”

*Por Gabriela Bulhões
………………………………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Conexão super-sensível do cérebro causa nojo de alguns sons

Pesquisadores acabam de identificar uma conexão super-sensível do cérebro que causa nojo de certos sons como da mastigação.

A misofonia é uma reação intensa a certos sons. Em algumas pessoas, o barulho de mastigação ou de respiração, por exemplo, pode causar um intenso nojo ou irritação. Acontece que pesquisadores acabam de encontrar uma possível razão para essa condição: uma conexão super-sensível do cérebro.

Para testar a hipótese, pesquisadores analisaram ressonâncias magnéticas funcionais de 75 pessoas. Algumas tinham misofonia, algumas não. Esses pacientes então passaram por testes com sons-gatilho para a condição (como mastigação) e situações com nenhum som. Ademais, pesquisadores também expuseram os pacientes a sons que são desagradáveis mesmo para pessoas sem a condição (como gritos) e sons neutros como o barulho da chuva.

Os resultados mostraram, portanto, que uma conexão super-sensível ocorre nas pessoas com misofonia. Essa conexão acontece entre o córtex auditivo e o córtex orofacial, ou seja, entre centros auditivos ou motores. Além do mais, os autores identificaram uma conexão anormal entre o córtex motor e o visual, indicando que pessoas com misofonia podem ter também gatilhos visuais para a condição.

Por que essa conexão super-sensível gera reações estranhas?
O cérebro humano tem características de espelhamento de certos comportamentos. Ou seja, quando buscamos aprender algo, espelhamos os movimentos e reações de outra pessoa. Numa conversa, ademais, esse espelhamento pode aparecer quando uma pessoa concorda com a outra.

Contudo, os autores relatam que no caso da misofonia, esse espelhamento pode ficar sensível demais. Isso causa, então, uma sensação de invasão para o cérebro, que pode sentir uma gama de reações, como nojo ou irritação citados acima.

Aliás, uma das formas de combater a sensação da misofonia é justamente imitar o movimento da outra pessoa. Os mecanismos dessa reação, todavia, ainda são bastante obscuros.Assim, os autores e diversos outros pesquisadores ressaltam que novas pesquisas são necessárias para entender melhor o mecanismo de funcionamento da misofonia. No entanto, agora se sabe que esse distúrbio também tem uma correlação com a visão do indivíduo.

Os autores ressaltam ainda na pesquisa (publicada no periódico The Journal of Neuroscience) que a misofonia é mais que um distúrbio auditivo. Na verdade a doença tem, como mostrado, ua profunda relação com o sistema motor da face e certos movimentos que produzem os sons-gatilho.

*Por Matheus Marchetto

……………………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Neuritina: a possível solução para alergias intratáveis

Se você já tirou o pó de um móvel, ou comeu certa comida, e acabou espirrando e se coçando, provavelmente você faz parte dos 20% da população mundial que têm algum tipo de alergia. Em geral, as alergias são condições crônicas que dificilmente têm cura e acabam acompanhando uma pessoa pelo resto da vida. Assim, a única intervenção química para aliviar os sintomas são os antialérgicos.

No entanto, pesquisadores descobriram uma proteína que pode abrir o caminho para um tratamento mais eficaz de alergias – a neuritina. E o melhor: o próprio corpo pode produzir essa molécula. De forma geral ela está presente no sistema nervoso e está relacionada à memória e ao aprendizado. Estudos de 2018, contudo, já haviam mostrado que a neuritina poderia ter um papel interessante em combater alergias. Nesse viés, um artigo publicado no último dia 11 mostrou que a neuritina pode mesmo reduzir reações alérgicas, sem necessidade de fármacos.

Para a pesquisa, os cientistas usaram ratos de laboratório e dados de pacientes com casos crônicos de alergias. Uma parte dos ratinhos foram geneticamente modificados para ter uma deficiência em células T foliculares regulatórias (Tfr). Estas últimas produzem a proteína neuritina no corpo. Os ratos com menos neuritina, portanto, apresentaram reações alérgicas muito mais severas e letais.

Como funcionam as alergias e como funciona a neuritina

Sempre que uma molécula estranha entra no seu corpo – uma proteína, vírus, bactéria, DNA e etc – os linfócitos do seu corpo produzem uma resposta de proteção. Os linfócitos são células que circulam pelo corpo e, quando encontram um antígeno (molécula estranha), eles produzem anticorpos. Os anticorpos, por sua vez, são proteínas que vão atacar a molécula estranha e destruí-la. Acontece que o sistema imune pode se confundir, e acabar atacando suas próprias moléculas, causando uma reação autodestrutiva – uma alergia.

Ademais, numa reação alérgica, os anticorpos do tipo IgE (Imunoglobulina E) se ligam as células do tecido e fazem com que elas liberem compostos para combater o que quer que seja que tenha invadido o corpo. Assim, durante uma reação alérgica, ocorre uma produção desnecessária de IgE, que também desencadeia um aumento da histamina circulando no sangue. As histamina, por conseguinte, causa os sintomas frequentes de coceiras, nariz escorrendo, vômito e dificuldade para respirar. Antialérgicos, aliás, também são chamados de antiestamínicos por esse motivo.

Acontece que a neuritina apresentou uma relação com a redução da produção de IgE e histamina, diminuindo portanto a severidade da reação. Essa característica pode abrir o caminho para novas terapias imunes mais eficazes e seguras.

*Por Mateus Marchetto

……………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

“Um ano depois da primeira morte por Covid-19 no país, Brasil não aprendeu nada”, diz médico

Há um ano, em 12 de março de 2020, o Brasil tinha a primeira morte por Covid-19 no país. O óbito só foi reconhecido como decorrente da infecção pelo novo coronavírus três meses depois de acontecer, com confirmação por exames laboratoriais. A vítima era uma mulher de 57 anos, de São Paulo.

Nesta sexta-feira, exatamente um ano depois, o país vive seus piores dias de pandemia. A quantidade diária de falecimentos atual está acima dos 2.200 já há alguns dias e o número total de vítimas da doença no país já se aproxima de 273 mil. Mesmo com a campanha de vacinação em curso, ainda que a passos lentos, não há perspectivas de melhora nesse cenário.

E isso é incompreensível. Desde o início da pandemia, o Brasil assistiu aos acontecimentos de posição privilegiada. “O Brasil teve a sorte de ver tudo antecipadamente, especialmente com o que houve na Europa”, lembra José Rocha, professor da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

O desenrolar da disseminação da doença no continente europeu foi uma amostra do que poderia acontecer por aqui. “Alguns Estados tomaram medidas de prevenção naquela época e conseguiram até conter o crescimento rápido da epidemia naquele momento.”

Só que isso não foi suficiente: mesmo estando à frente do tempo e tendo a oportunidade de se preparar para enfrentar a chegada e o espalhamento do novo coronavírus, o Brasil não impediu que a doença causasse estragos irreparáveis por aqui. “A gente conseguia, de certa maneira, imaginar o que estava por vir. Mesmo assim, parece que, um ano depois da primeira morte por Covid-19 no país, não aprendemos nada”, avalia Rocha.

Tragédia anunciada

Para o médico, a disseminação de variantes do novo coronavírus na Europa, no segundo semestre de 2020, mostrou que o controle da epidemia só viria com a chegada de uma vacina. O Brasil não ligou: o governo federal desperdiçou a chance de comprar o imunizante por achar que não era necessário e que, se em algum momento tivesse interesse nele, as farmacêuticas nos receberiam prontamente.

Não demorou para a tragédia começar a se desenhar por aqui a partir de novembro: houve eleições e, em seguida, festas de fim de ano e de carnaval. O número de novos casos logo passou a aumentar significativamente. “Até esse momento, tínhamos contado com a sorte. Os encontros nessas datas trouxeram ao Brasil o cenário de tempestade perfeita, com a disseminação da cepa de Manaus por todo o país”, destaca Rocha.

Em outras palavras, a situação atual, de quase esgotamento dos sistemas público e privado de saúde, é consequência da disseminação de uma variante com maior transmissibilidade e da falta de cuidado com o distanciamento social. “O Brasil hoje vai na contramão do mundo. Não há nenhum grande país do mundo que esteja hoje passando o que o Brasil passa. É inadmissível.”

Para Rocha, quando se junta isso à morosidade do governo federal na compra de vacinas, temos o caos instalado no país todo. “Em janeiro, falei para um amigo: Manaus é o Brasil amanhã. Era muito claro. A gente não aprendeu que, sem as medidas de restrição, não há outra forma de controlar a disseminação da doença. Qualquer conduta diferente traz um agravamento do cenário.”

O médico acredita que foi essa sucessão de erros que levou à saturação do sistema de saúde, em termos de estrutura e equipes médicas, e ao esgotamento dos profissionais – em todos os sentidos. “Hoje, um ano depois da primeira morte por Covid-19 no país, o Brasil passa pelo pior cenário. E a perspectiva para as próximas semanas é ruim, já que a vacinação anda a passo de tartaruga porque não há doses disponíveis.”

Rocha lembra que faz cerca de três meses que a primeira britânica foi vacinada. “Por tudo isso, a situação em que estamos chega a ser bizarra”, diz. “É um total descaso da população e do governo federal. No meio disso tudo, estão os serviços de saúde tentando enxugar gelo.”

Necessidade de lockdown

Nas últimas semanas, especialistas têm recomendado a adoção de um lockdown nacional. Algumas cidades do país já apostam na medida porque seus sistemas de saúde não têm mais capacidade para admitir pacientes. O Estado de São Paulo, por exemplo, anunciou na quinta-feira a implantação da fase emergencial, com restrições em diversas atividades.

Para Rocha, o Brasil está agora em uma situação semelhante à que o Reino Unido viveu no fim de dezembro: uma nova cepa começou a se espalhar mais rapidamente por lá e o número de casos diários passou dos 50 mil. A solução? Fechamento total.

O distanciamento, somado à aceleração da campanha de vacinação, tem apresentado resultados animadores no Reino Unido. “Hoje, depois de mais de dois meses, com cerca de 30% da população vacinada, começa a haver uma mudança significativa no cenário”, comenta Rocha.

Compra de novas vacinas

O médico avalia que a autorização e a compra de novas vacinas pelo Brasil, bem como o aumento na capacidade de produção do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) podem ajudar no caminho de enfrentamento da pandemia. “O gargalo hoje é a falta de imunizantes. Se chegarmos ao ponto em que o obstáculo for a capacidade de vacinar, pode-se incluir a rede privada nesse esforço.”

Enquanto isso não acontece, porém, é essencial que mesmo quem já estiver imunizado mantenha as medidas de prevenção. “Eu já tomei as duas doses da Coronavac e continuo me cuidando. Não tem nenhuma diferença, inclusive na prática do distanciamento social.”

Apesar da apreensão com a situação do país, Rocha está animado para visitar a avó de 91 anos que não vê há vários meses. “Ela acaba de tomar a segunda dose e penso em visitá-la apenas daqui a duas semanas, quando a imunização dela estiver completa. Mesmo assim, vou manter a máscara e o distanciamento.”

*Por Roseli Andrion

……………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Diabetes: 5 principais sinais de que você pode ter a doença

Doença crônica atinge cerca de 463 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais 13 milhões são brasileiras

Causada pela produção insuficiente ou má absorção de insulina, hormônio que ajuda a transformar a glicose em energia a diabetes é uma doença que provoca altos níveis desse açúcar no sangue. Com o tempo, esse excesso de glicose causa danos significativos à saúde do paciente: se não tratada, aumenta o risco de morte por doença cardiovascular, doença renal e câncer. É também uma das principais causas de amputações não traumáticas de pernas e pés, além de cegueira. Em grávidas, há risco de morte fetal.

Para chamar a atenção e simbolizar o combate à doença, que afeta cerca de 463 milhões de pessoas em todo o planeta entre as quais 13 milhões são brasileiros, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu o dia 14 de novembro como Dia Mundial do Diabetes. No ano passado, cerca de 4,2 milhões de pessoas morreram em decorrência da doença e de suas complicações. E, este ano, a pandemia de Covid-19 escancarou ainda mais a vulnerabilidade das pessoas com diabetes: diabéticos têm o dobro de risco de complicações ou mesmo morte por causa da doença.

Existem dois tipos da doença, o tipo 1 é considerado uma doença crônica, não transmissível e hereditária, que representa cerca de 10% do total dos diabéticos e afeta principalmente crianças e adolescentes. Ela ocorre quando as células de defesa do corpo atacam o pâncreas e interferem na produção de insulina.

O tipo mais comum, porém, é o 2, que é quando o corpo não consegue aproveitar totalmente a insulina. Na maioria dos casos, afeta quem tem mais de 40 anos, leva uma vida sedentária, apresenta sobrepeso e tem maus hábitos alimentares. Um dos maiores problemas é que esta é uma doença silenciosa, por isso é importante ficar atento aos primeiros sintomas.
Veja os 5 principais:

Fome constante
Como o organismo está com dificuldade de transformar o açúcar em energia, o corpo passa a pedir mais alimento, daí a sensação de fome constante.

Vontade de fazer xixi várias vezes ao dia
Pelo fato de haver um alto nível de açúcar no sangue, o rim começa a trabalhar mais para tentar equilibrar a situação. Isso resulta em mais idas ao banheiro para expelir todo o excesso de açúcar que não conseguiu ser transformado pela insulina.

Sentir sede com muita frequência
Por ir mais vezes ao banheiro, o paciente desidrata mais rapidamente, por isso a sede.

Perda de peso
Como o corpo deixa de obter energia através da alimentação, ele passa a recorrer às reservas estocadas, como a gordura. O resultado é uma perda de peso repentina e inesperada.

Fraqueza e cansaço
O corpo também passa a ter dificuldades em repor a demanda de energia para realizar atividades cotidianas, o que provoca a sensação de fraqueza e cansaço.

*Por Marilia Marasciulo

…………………………………………………………………………
*Fonte: revistagalileu

A tentativa de transformar o sofrimento em patologia é o grande marketing da indústria dos psicofármacos

A depressão dá lucro: é o que diz a indústria patologizante que medicaliza o afeto, a tristeza, o sono, os amores, o sentimento de vazio e vende uma ideia de bem-estar, mas que, em algum momento, o sujeito terá que lidar com os sentimentos de uma outra forma.

E medicam tanto que não se tem ânimo para sair de casa, cuidar de si, investir numa relação, fazer rupturas e lidar com perdas. E não se trata aqui de negar que existem casos onde a medicalizacão é necessária.

A sensação de melhora rápida adia aquilo que precisa ser dito e reeditado. Os consultórios, que em um momento de Pandemia foram deslocados, estão vivos (on-line) e repletos de pessoas procurando um lugar de escuta e também de fala para suas dores. Eles estão se dando conta de que não dá para ser forte o tempo todo, solucionar tudo, resolver tudo, não chorar, não sofrer… Perceber que a fragilidade faz parte de nós e, portanto, pedir ajuda não é sinônimo de fracasso.

A tentativa de transformar o sofrimento em patologia é o grande marketing da indústria dos psicofármacos, que vende suas tarjas pretas, que limita o sujeito nas suas possibilidades e saídas para o mal-estar. A ideia do normal e do patológico, precisa ser investigado melhor, assim como uma leitura melhor acima dos diagnósticos e seus efeitos para além das cápsulas.

A psicanálise propõe que o sujeito deprimido volte a fantasiar, faça uma travessia, que facilite o acesso ao imaginário, abrindo espaços para que possa falar das suas dores. Expô-las, ao invés de encobri-las. Todo mundo tem algo a dizer, mesmo que por algum tempo isso não lhe venha à lembrança.

*Por Iza Junqueira Rezende

……………………………………………………………………
*Fonte: revistapazes

Sorrir ajuda a tratar e combater doenças

Não é à toa que o riso está presente nos mais diversos tratamentos cognitivos para saúde. O ato de sorrir tem um poder enorme sobre o corpo e o resultado positivo de terapias com este embasamento é comprovado por pacientes em hospitais no mundo todo.

Ao ouvir uma piada ou presenciar um fato engraçado, uma pessoa sente automaticamente vontade de sorrir. Para este simples ato, existem diversas funções cerebrais sendo ativadas e que influenciam áreas como a coordenação motora e sensações emocionais diversas, como o sentimento de recompensa e de prazer. “O riso relaxa o corpo e a mente, fortalece as defesas orgânicas, melhora a circulação e a pressão arterial e libera endorfinas, que promovem uma sensação de bem-estar geral. Enfim, rir é saudável”, explica Eduado Lambert, em seu livro “A Terapia do Riso”.

Em um estudo conduzido pelo Dr. Michael Moleiro, na Universidade de Maryland, EUA, os pesquisadores avaliaram como o corpo humano reagia ao riso. Após realizar diferentes testes com 27 voluntários, os cientistas concluíram que rir pode ser tão benéfico quanto a prática de exercícios físicos.

Um bom riso é bem-vindo em qualquer situação. Mas, em alguns momentos ele pode ganhar ainda mais importância. Diversos projetos internacionais que trabalham em hospitais usam o humor e o sorriso para ajudar no tratamento de crianças e adultos. Além de melhorar o ambiente e elevar a autoestima dos pacientes, o sorriso exerce importantes funções fisiológicas, incentivando e estimulando a maioria dos sistemas do organismo.

Uma boa risada movimenta todos os músculos da face, aumenta a quantidade de ar nos pulmões, acelera o ritmo cardíaco e a circulação sanguínea, estimula o pâncreas, fígado e intestino e muito mais. Para doenças emocionais, como a depressão, o uso do riso é ainda mais importante, pois ajuda a diminuir a ansiedade e o desconforto, mesmos motivos que levam especialistas a recomendarem a terapia do riso a pacientes com câncer e outras doenças incuráveis.

O riso é contagioso e muito poderoso, seja no auxílio médico ou no simples fato de deixar o dia mais leve, os relacionamentos mais saudáveis e, principalmente, a vida mais feliz.

*Por Thais Teisen

…………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

A importância de manter a distância física visualizada com bolas de pingue-pongue e ratoeiras

O Departamento de Saúde de Ohio criou um anúncio de serviço público muito criativo e oportuno que visualiza a importância de manter a distância física em um esforço para “achatar a curva”.

O primeiro cenário no PSA apresenta bolas de pingue-pongue individuais, sentadas em cima de armadilhas para mouse, colocadas juntas. Quando uma armadilha dispara, todas as armadilhas ao redor também.

O segundo cenário mostra as mesmas armadilhas e bolas, mas desta vez eles têm amplo espaço entre eles. Quando um sai, os outros permanecem imperturbáveis.

……………………………………………………………
*Fonte: laughingsquid

 

Supercomputador da Nasa se junta ao combate contra o Covid-19

Agência espacial faz parte do consórcio montado pelo governo federal dos EUA para reunir parte da capacidade computacional de instituições públicas, universidades e empresas na busca de uma vacina

Um dos supercomputadores da Nasa, dedicado normalmente a executar modelos climáticos para prever o clima futuro da Terra, agora emprestará sua capacidade ao combate da pandemia do novo coronavírus. Em um anúncio feito nesta segunda-feira (23), a Casa Branca comunicou que a agência espacial se uniu aos esforços para fornecer aos pesquisadores acesso aos recursos de computação de alto desempenho na busca por tratamento e vacina para a Covid 19.

Além da Nasa e da National Science Foundation, fazem parte da iniciativa diversos laboratórios, instituições acadêmicas do Departamento de Energia e empresas, como a IBM, Amazon Web Services, Google Cloud, Microsoft e Hewlett Packard Enterprise.

“Estou orgulhoso de que a Nasa esteja emprestando sua expertise em supercomputação para ajudar na luta global contra o COVID-19”, disse o administrador da agência, Jim Bridenstine, em um post no Twitter. “Por mais de seis décadas, a agência usou sua experiência para enfrentar desafios que beneficiaram pessoas de todo o mundo de maneiras inovadoras”, completou.

Se acordo com o diretor e Missões Científicas da Nasa, Thomas Zurbuchen, o supercomputador da divisão de Ciências da Terra terá processamento e tempo redirecionados para a pesquisa do Covid-19. Os pesquisadores poderão enviar propostas de pesquisa relacionadas ao novo coronavírus através de uma inscrição online, que será analisada e combinado aos recursos de computação de uma das instituições parceiras.

“Os Estados Unidos estão se unindo para combater o Covid-19, e isso significa liberar toda a capacidade de nossos supercomputadores para avançar rapidamente as pesquisas científicas”, afirmou o diretor de Tecnologia do governo federal norte-americano, disse Michael Kratsios.

*Por Renato Mota

…………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Aprenda a desinfectar seu celular para se proteger do coronavírus

Manter o smartphone limpo pode ser tão importante quanto lavar as mãos

A higiene é uma das medidas de prevenção mais importantes durante uma epidemia como a do coronavírus. Uma das recomendações do Centro de Controle de Doenças dos EUA é lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente após ir ao banheiro, antes de comer e após espirrar ou assoar o nariz.

Outra sugestão importante, e que muitos não estão seguindo, é “limpe e desinfete objetos e superfícies tocados frequentemente usando um spray comum de limpeza doméstica ou pano desinfetante”. E qual uma das superfícies mais tocadas durante o dia? Isso mesmo, seu smartphone.

Pense sobre todos os locais que ele “frequenta” durante o dia. A mesa do trabalho, entre você e aquele colega que não para de espirrar. A mesa do restaurante. O balcão da padaria. O banheiro. E depois você coloca ele ao lado do rosto para telefonar. É praticamente uma “via expressa” para vírus e bactérias chegarem até você.

Como limpar?

Felizmente é fácil manter seu smartphone limpo. Basicamente, você só precisa dos mesmos produtos que usa para lavar as mãos: água, sabão e álcool gel, além de um pano macio.

A Apple recomenda limpar um iPhone com um pano limpo, macio e que não solte fiapos (panos de microfibra são os melhores), umedecido com água morna e sabão. É uma recomendação que vale também para smartphones Android. O Google sugere: “quando necessário, use sabão comum ou lenços de limpeza”

Note que o pano deve ser umedecido, nunca encharcado. Desligue o aparelho antes de começar a limpeza e, se possível, remova a bateria como precaução. Mesmo que seu smartphone tenha resistência à água você deve ter cuidado para não molhar portas e conectores, como a porta USB, conector para fones de ouvido ou a grade dos alto-falantes. Depois de limpo, seque seu smartphone com outro pano.

Nenhum fabricante aconselha o uso de produtos químicos para a limpeza, já que eles podem atacar a cobertura oleofóbica que é aplicada sobre a tela para reduzir as marcas de dedos, ou reagir com os plásticos usados na carcaça de aparelhos de entrada.

Entretanto, se você realmente julgar necessário, pode usar panos umedecidos próprios para desinfecção, à base de álcool 70 (outras concentrações, mesmo maiores, não são tão eficazes) ou Lysol. Novamente, tomando o cuidado de proteger portas e conectores e secar bem todas as superfícies do aparelho antes de ligá-lo novamente.

Não se esqueça de limpar também a “capinha” de seu smartphone, que provavelmente está bem mais suja do que ele. Como ela não tem componentes eletrônicos, você pode usar a boa e velha mistura de água e sabão, ou mesmo álcool gel, novamente tomando o cuidado de secar bem ela antes de recolocá-la no aparelho.

*Por Rafael Rigues

…………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Quais os sintomas do coronavírus

Recentemente, o governo brasileiro confirmou o primeiro caso de coronavírus no país: um homem de 61 anos que mora em São Paulo. O idoso havia voltado há pouco tempo de uma viagem à Itália.

Além deste evento positivo, há outras centenas de casos suspeitos no Brasil. Diante desse quadro alarmante, a população está cada vez mais preocupada e ansiosa.

Não é preciso entrar em pânico, no entanto. Pelo menos foi isso que a chefe da Organização Mundial de Saúde no Brasil, Socorro Gross, afirmou em entrevista à GloboNews na última quinta-feira (27).

“Não há motivo para pânico. É normal que nós, como seres humanos, quando acontece algo novo, fiquemos com dúvidas e, ficando com dúvidas, podemos ter pânico. Mas esse vírus, que é novo, nós conhecemos mais que outros vírus, conhecemos mais informação, temos mais pesquisa, temos mais informação da transmissão, do tratamento, de quantos casos podem ser severos, de quais são as populações que são mais afetadas”, afirmou Gross.

Dito isto, quais são os sintomas da doença e as recomendações da Organização Mundial de Saúde quanto a prevenção ao coronavírus?

Origem

Os coronavírus são uma família de vírus que causam doenças que variam do resfriado comum a condições mais severas como a síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV). O COVID-19 é uma nova cepa identificada em humanos recentemente.

Este tipo de vírus é zoonótico, o que significa que é transmitido entre animais e pessoas. Por exemplo, o SARS-CoV foi transmitido de civetas para humanos, enquanto a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) veio de dromedários. Diversos coronavírus conhecidos circulam atualmente em populações animais sem infectar humanos.

Sintomas

Os sinais mais comuns da infecção por coronavírus são:

Sintomas respiratórios (tosse seca, expectoração, chiado no peito, dispneia, espirros, coriza e ronqueira);
Febre;
Tosse;
Falta de ar;
Dificuldade em respirar.

Em casos mais severos, a infecção pode causar pneumonia, síndrome respiratória aguda, falência renal e morte.

Recomendações para prevenção

As recomendações padrão para prevenir a transmissão do vírus incluem:

Lavar as mãos regularmente;
Cobrir a boca e o nariz quando tossir ou espirrar;
Cozinhar bem carne e ovos.

Por fim, é aconselhável evitar contato com qualquer pessoa que demonstre sintomas de doença respiratória, como tosse e espirro. [OMS, G1]

*Por Natasha Romanzoti

…………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Desmatamento é um dos principais causadores de surtos de doenças, diz estudo

As mudanças de uso da terra, geradas principalmente pelo desmatamento, monocultura, pecuária em grande escala e mineração, estão entre as principais causas de surtos de doenças infecciosas em humanos e pelo surgimento de novas doenças no continente americano. Essa é uma das conclusões apontadas no Relatório de Biodiversidade da ONU, que analisou mais de 15 mil pesquisas científicas e informações governamentais durante três anos.

“Os bens e serviços fornecidos pela natureza são os fundamentos definitivos da vida e da saúde das pessoas. A qualidade do ambiente em que vivemos desempenha papel essencial na nossa saúde. Em ambiente natural, com florestas intactas, mamíferos, répteis, aves e insetos se autorregulam. O desmatamento, somado à expansão desordenada das áreas urbanas, faz com que os animais migrem para as cidades. No caso dos mosquitos, que são vetores de muitas doenças, a crise climática e o aumento da temperatura também trouxeram condições favoráveis à reprodução desses indivíduos. Nas cidades, eles passam a se alimentar também do sangue das pessoas, favorecendo a transmissão de enfermidades”, explica a gerente de Conservação da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Leide Takahashi.

Nessa linha, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Convenção da Diversidade Biológica (CDB) reconheceram que a biodiversidade e a saúde humana estão fortemente interligadas e, durante a COP-13, em 2016, recomendaram uma série de ações. Segundo a OMS, ao menos 50% da população mundial corre o risco de contaminação por doenças transmitidas por mosquitos, chamadas de arboviroses. No Brasil, o Ministério da Saúde estima que o número de arboviroses tenha dobrado nas últimas três décadas. Algumas delas, como malária, dengue, febre amarela e zika, já causaram surtos em áreas urbanas.

Doutora em Ciências Florestais, Leide destaca ainda que a conservação do patrimônio natural é importante para o controle de outras doenças, especialmente as mentais. O contato com a natureza é capaz de diminuir a ansiedade e o estresse, contribuindo com o bem-estar da população. “A natureza nos fornece água, ar puro, alimentos e outros recursos essenciais para o nosso dia a dia. Precisamos encontrar um ponto de equilíbrio para que as pessoas aproveitem esses recursos de forma responsável, sem prejudicar a fauna e a flora e sem colocar as próximas gerações em risco”, afirma Leide, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza.

*Por Mayra Rosa

……………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

A mudança climática pode aumentar as doenças transmitidas por alimentos através do estímulo às moscas

Primaveras e verões mais quentes podem tornar as moscas domésticas (Musca domestica) mais despertas, espalhando bactérias causadoras de diarréia em mais lugares. Como resultado, as infecções causadas pela bactéria Campylobacter, transmitida por alimentos contaminados, poderão aumentar com a mudança climática, propõe a epidemiologista Melanie Cousins, da Universidade de Waterloo, no Canadá.

Uma simulação computacional criada por Cousins, ainda na versão beta, foca em entender como o tempo quente afeta o típico aumento durante as estações primavera e verão de infecções alimentares por Campylobacter. Sob um cenário de verão com 2,5 graus Celsius mais quente do que em 2003, a simulação prevê um aumento de 28 por cento nos casos de Campylobacter na província canadense de Ontário até 2050, de acordo com um estudo publicado por ela e seus colegas em 13 de fevereiro na Royal Society Open Science.

As infecções por Campylobacter são frequentemente causadas por alimentos contaminados por uma mosca que passeou em outro alimento contaminado ou por um animal infectado ou por fezes e que veio a pousar no alimento a ser ingerido. A maioria das pessoas se recuperam da infecção dentro de dez dias.

As bactérias são a causa mais comum de doença gastrointestinal no Canadá. Na província de Ontário, são registrados, em média, três mil casos por ano. Os Estados Unidos têm cerca de 1,3 milhão de infecções em um ano.

Para configurar uma simulação de fácil compreensão, Cousins ​​usou dados de 2005 sobre infecções por Campylobacter em Ontário para estimar as taxas de transmissão e as taxas de nascimento e morte. Ela então ligou essas taxas na simulação para prever as infecções por Campylobacter nos anos seguintes. Esses resultados chegaram perto dos dados reais disponíveis até 2013 e permitiram que ela previsse futuras infecções sob diferentes cenários de aquecimento. A simulação supõe que as moscas se tornam mais ativas com a mudança climática, já que, como outros insetos, elas dependem da temperatura ambiente para se aquecerem ou se resfriarem. Cousins também relacionou o crescimento da proliferação bacteriana provocado por temperaturas mais elevadas.

O estudo é o mais recente a destacar as consequências do aquecimento global no comportamento dos insetos. Outros estudos previram como a mudança climática pode aumentar os ataques de pragas em plantações e afetar a saúde pública, como a doença de Lyme, uma doença causada pela bactéria Borrelia burgdorferi e transmitida pela picada de carrapato, no Canadá.

*Por Giovane Almeida

 

………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciencianautas

As incômodas alergias de inverno: causas e tratamento

Se você é alérgico ao pólen , pode ter uma folga quando o tempo fica frio. Mas se você tiver alergias internas , como mofo e ácaros , poderá notar mais os sintomas da alergia durante o inverno, quando passa mais tempo dentro de casa.

Causas
Alguns dos alérgenos internos mais comuns que podem desencadear suas alergias de inverno incluem:

• Ácaros da poeira. Esses insetos microscópicos florescem em colchões e roupas de cama. Quando seus excrementos e restos ficam no ar, eles podem causar sintomas de alergia .

• Mofo. Este fungo prospera em áreas úmidas e úmidas, como porões e banheiros. Quando os esporos de fungos entram no ar, podem desencadear sintomas de alergia.

• Animais. A maioria das pessoas não é alérgica a pelos de animais, mas sim a uma proteína encontrada no pelo de animais, na saliva e na urina.

Sintomas
Os sintomas de alergia causados ​​por poeira, pólen ou mofo incluem:

• Tosse

• Olheiras sob os olhos

• Coceira nos olhos e nariz

• Nariz a pingar

• Espirros

• lacrimejantes olhos

Como você pode saber se seus sintomas são de um resfriado, da gripe ou de alergias ? Um resfriado geralmente não dura mais que 10 dias. Alergias podem durar semanas ou até meses. Além disso, gripes e resfriados às vezes têm febre e dores, que geralmente não acontecem com alergias

Diagnóstico
Se os seus sintomas durarem mais de uma semana, consulte o seu médico. Ele pode encaminhá-lo a um alergista, que perguntará sobre seu histórico de saúde e sintomas.

O alergista pode fazer um teste de pele , onde ele provoca a pele com um pouquinho de um alérgeno ou o injeta logo abaixo da pele. Se a área ficar vermelha e com coceira, você é alérgico. Há também um exame de sangue para diagnosticar algumas alergias .

Tratamento
Os tratamentos para alergias de inverno incluem:

• Anti-histamínicos , que reduzem espirros , fungos e comichão

• Descongestionantes , que limpam o muco para aliviar o congestionamento e o inchaço

• ( doses de alergia ou comprimidos sob a língua ), que expõem seu corpo a doses gradualmente maiores do alérgeno. Esta abordagem pode conter seus sintomas por um período de tempo mais longo que os medicamentos antialérgicos.

 

…………………………………………………………..
*Fonte: revistasaberesaude

Nova doença oftalmológica: usar smartphone no escuro pode causar cegueira temporária

Você já imaginou ficar por 20 minutos sem enxergar? Vendo apenas vultos, sem ter a certeza se essa sensação passaria ou seria para sempre? Se você se assustou só em pensar, veja este caso:

Uma britânica de 22 anos, que não teve o nome revelado, sempre enxergou bem. Porém, começou a perceber que em algumas noites, sentia um incômodo no olho direito. Esse problema que ocorria de duas a três vezes por semana, passou a ser sempre presente.

Em uma certa noite, ela não conseguiu mais enxergar com este olho. A garota ficou desesperada e acordou a casa toda com gritos. O efeito passou após 20 minutos e a visão retornou ao normal. Devido ao susto, ela realizou exames oftalmológicos e cardiovasculares, mas os resultados não apresentaram nenhuma anomalia.

Segundo uma pesquisa publicada no Jornal de Medicina da Nova Inglaterra, esse tipo de cegueira acontece após a pessoa mexer no celular no escuro, enquanto está deitada na cama. O olho que é afetado é o do lado oposto ao que se está deitado. Segundo os especialistas, isso ocorre porque o olho apoiado no travesseiro não recebe tanta luz como o outro olho, que consequentemente perde a sensibilidade e acontece em cegueira temporária.

De acordo com os médicos, “embora muitas pessoas vejam a tela com os dois olhos, algumas frequentemente usam o celular enquanto estão deitadas, quando um olho pode estar coberto mesmo sem que elas percebam”.

O que tem preocupado os especialistas é que os fabricantes estão criando telas com mais brilho. Por isso, de acordo com o artigo médico, esse efeito ocorrerá cada vez mais vezes e os oftalmologistas precisarão estar preparados para atender este problema. A cegueira transitória dos smartphones (TSB) é um fenômeno real e pode contribuir pode contribuir no diagnóstico neurológico alterado.

Segundo os médicos, esse fenômeno era temporário e inofensivo. Ele pode ser evitado quando as pessoas olham para o celular com ambos os olhos. Os estudos sobre o tema ainda estão sendo analisados e não se pode afirmar se é possível que este tipo de cegueira se torne um problema.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

*Por Julia Moretto

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: sabervivermais

O mar: uma droga gratuita que cura pelo menos 16 doenças

Férias na praia podem ser uma verdadeira cura para muitas doenças. Descubra os benefícios da água, sol e sal no corpo.

Retire seus medicamentos e trate-se para um feriado ou um final de semana na praia. Sim, o mar, com a sua salinidade, o iodo, o seu ar saloio dico pode ser uma verdadeira cura para muitas doenças. Eles contaram: são pelo menos 16.

A massagem com água ativa a circulação, a água salgada libera o trato respiratório e reduz as formas alérgicas.

Eles beneficiam as vias aéreas e aliviam-se:

– alergias respiratórias

– sinusite

– asma

– convalescença de resfriados e outras doenças respiratórias

– problemas causados ​​pelo tabagismo

– intoxicação por agentes químicos

 

O dano dos ossos é reparado e as dores de:

– deslocamentos

– distorções

– fraturas

– artrose

– dores nas articulações

– osteoporose

– espondilose

– doenças reumáticas

Com o mar, as alergias cutâneas são reduzidas:

– psoríase

– eczema

– dermatite

– acne seborreica

Graças ao mar, as condições anêmicas, as doenças ginecológicas, o hipotireoidismo e o linfatismo melhoram. Muito importante, o mar também ajuda a combater estados depressivos.

Que doenças são tratadas com o mar

Um benefício de uma estadia no mar são alergias respiratórias (especialmente pólen), anemia, artrite, convalescença depois de doenças do trato respiratório, depressão, entorses, fracturas, hipotiroidismo, luxações, doenças alérgicas da pele, doenças ginecológicas, doenças reumática, osteoporose, psoríase, raquitismo.

O importante é saber como se comportar para aproveitar ao máximo todos os benefícios que podem ser extraídos da água do mar e do sol. Os benefícios da água do mar

Aqui estão alguns dos principais benefícios dos tratamentos de maré, ou seja, talassoterapia.

Melhore sua respiração.

Mas por que o mar é um amigo tão precioso? O que o torna tão especial é o chamado aerossol marinho. O ar, perto da costa, contém uma quantidade maior de sais normais do que minerais: cloreto de sódio e magnésio, iodo, cálcio, potássio, bromo e silício. Eles vêm das ondas quebrando a costa e dos salpicos de água do mar levantada pelo vento. Os primeiros a se beneficiar são os pulmões: a respiração melhorou significativamente desde os primeiros dias. Mas o aerossol marinho também estimula o metabolismo, revigora a circulação sanguínea e melhora o sistema imunológico.

A água do mar tem muitos componentes que trazem relaxamento ao corpo, tiram dores e reenergizam. Não é à toa a crença de que um banho de mar pode “descarregar” energias negativas. Além das propriedades da água, a quebra das ondas no corpo promove uma drenagem linfática e ainda estimula a pele e a circulação.

A água marinha é composta por mais de 80 elementos químicos. Alivia principalmente as tensões musculares, graças à presença de sódio em sua composição — por isso é considerada energizante. A massagem que as ondas fazem no corpo estimula a circulação sanguínea periférica, e isso provoca aumento da oxigenação das células.

Graças à presença de cálcio, zinco, silício e magnésio, a água do mar é usada para tratar doenças como artrite, osteoporose e reumatismo. Já o sal marinho, rico em cloreto de sódio, potássio e magnésio, tem propriedades cicatrizantes e antissépticas

Combate a retenção de água.

Muitas pessoas sofrem de retenção de água durante a estação quente. Na água do mar, de fato, existe uma concentração considerável de sais minerais. E isso, devido a um mecanismo físico chamado osmose, favorece a eliminação, através da pele, dos líquidos que haviam acumulado nos tecidos. Com grandes vantagens para a circulação das pernas.

Lute contra os quilos extras.

Os quilos extras são perdidos com mais facilidade. O sal estimula as terminações nervosas da epiderme, como conseqüência acelera o metabolismo: o corpo, na prática, queima alimentos e gordura mais rápido.

Fortalece o sistema circulatório.

Graças à pressão que a água exerce enquanto você está imerso, sua temperatura, que nesta temporada é de cerca de 20 graus e movimento ondulatório, que pratica uma massagem suave em todo o corpo.

A musculatura se fortalece.

A natação relaxa os músculos, rapidamente dissolve contraturas e dá mobilidade às articulações bloqueadas pela artrite e artrose. E então ajuda intestinos e rins, purificando todo o corpo.

……………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

Risco de câncer da radiação do celular é pequeno, concluíram estudos de dez anos considerados os mais abrangentes

Dois novos estudos expuseram ratos e camundongos a altos níveis de radiação de radiofrequência — o tipo de radiação emitido pelo seu celular. E os pesquisadores dizem que há pouco risco de câncer para humanos.

Os celulares causam câncer?

Apesar de anos de pesquisa, ainda não há uma resposta clara. Mas dois estudos do governo do governo dos Estados Unidos2, divulgados em fevereiro deste ano, um em ratos e um em camundongos, sugerem que, se houver algum risco, é pequeno, disseram as autoridades de saúde do país.

Questões de segurança sobre telefones celulares veem despertando intenso interesse e debates por anos, já que os dispositivos se tornaram parte integrante da vida da maioria das pessoas. Até mesmo um minuto de risco poderia ser prejudicial a milhões de pessoas.

Esses dois estudos sobre os efeitos do tipo de radiação emitida pelos telefones, conduzidos ao longo de dez anos e custando 25 milhões de dólares, são considerados os mais extensos até hoje.

Em ratos machos, os estudos associaram tumores no coração a alta exposição à radiação dos telefones. Mas esse problema não ocorreu em ratos fêmeas ou em camundongos.

Os roedores nos estudos foram expostos à radiação por nove horas por dia durante dois anos, mais do que as pessoas experimentam mesmo com muito uso de celular, então, os resultados não podem ser aplicados diretamente aos humanos, disse John Bucher, cientista sênior do National Toxicology Program, durante uma entrevista coletiva.

Os resultados, disse Bucher, não o levaram a mudar o uso de seu celular ou a incentivar sua própria família a fazer isso. Mas ele também observou que os tumores de coração — chamados schwannomas malignos — nos ratos são semelhantes aos neuromas acústicos3, um tumor benigno em pessoas que envolvem o nervo que liga o ouvido ao cérebro, que alguns estudos associaram ao uso do celular.

Ele disse que já foram feitos quase vinte estudos com animais sobre o assunto, “com a grande maioria dando negativo em relação ao câncer”.

Outras agências estão estudando o uso do celular em pessoas e tentando determinar se ele está ligado à incidência de qualquer tipo de câncer, disse Bucher.

A agência Food and Drug Administration (FDA)4, uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, que é responsável pela proteção e promoção da saúde pública através do controle e supervisão da segurança alimentar, produtos de tabaco, suplementos dietéticos, prescrição e produtos over-the-counter (produtos vendidos no balção, sem receita médica), drogas farmacêuticos, vacinas, biofarmacêuticos, transfusões de sangue, dispositivos médicos, radiação eletromagnética (ERED), cosméticos e alimentos para animais e produtos veterinários, emitiu uma declaração dizendo que respeitava a pesquisa realizada5 pelo National Toxicology Program. O FDA afirmou também que revisou muitos outros estudos sobre segurança de celulares e que “não encontrou evidências suficientes de que há efeitos adversos à saúde em seres humanos causados pela exposição a ou sob os limites da corrente de radiofrequência”.

A declaração, assinada pelo Dr. Jeffrey Shuren, diretor do centro de dispositivos e saúde radiológica do FDA, também afirmou: “Mesmo com uso diário e frequente pela grande maioria dos adultos, não temos visto um aumento em eventos como tumores cerebrais”.

A Comissão Federal de Comunicações (FCC) estabelece limites para a emissão de energia de radiofrequência nos telefones celulares a que as pessoas estarão expostas, mas o FCC depende do FDA e outras agências de saúde para aconselhamento científico sobre a determinação dos limites, disse o comunicado.

Para as pessoas que se preocupam com o risco, as autoridades de saúde oferecem conselhos de bom senso: gaste menos tempo em celulares, use o fone de ouvido ou modo de alto-falante para que o telefone não seja pressionado contra a cabeça e evite fazer chamadas se o sinal estiver fraco.

O Dr. Bucher observou que a radiação emitida aumenta quando os usuários estão em pontos onde o sinal é fraco ou esporádico e o celular tem que trabalhar mais para se conectar.

Em dezembro, a Califórnia divulgou conselhos aos consumidores6 sobre como diminuir a exposição à radiofrequência dos celulares. Os conselhos incluem atitudes como enviar mensagens de texto em vez de conversas; manter o telefone longe da cabeça e do corpo durante o download ou o envio de arquivos grandes; transportar o telefone em uma mochila, pasta ou bolsa, não em um bolso, sutiã ou cinto; e não dormir com o telefone perto da sua cabeça.

Os dois estudos divulgados em fevereiro, envolvendo 3.000 animais, são “as avaliações mais abrangentes dos efeitos sobre a saúde e a exposição à radiação de rádio frequência em ratos e camundongos até hoje”, de acordo com um comunicado do National Toxicology Program, um programa parte do Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental (National Institute of Environmental Health Sciences – NEIHS7).

Os estudos estendem os resultados parciais divulgados8 em maio de 20169, que encontraram pequenos aumentos na incidência de tumores no cérebro e no coração de ratos machos, mas não de fêmeas.

Os novos estudos também encontraram tumores no cérebro e alguns em outros órgãos nos animais expostos à radiação de radiofrequência. Mas Bucher disse que essas descobertas foram “equivocadas”, enfatizando que apenas os tumores do coração forneceram evidências fortes o suficiente para serem consideradas pelos pesquisadores. Outros possíveis efeitos precisam de mais pesquisas, ele disse.

Outros pesquisadores acham que mesmo as descobertas ambíguas são preocupantes. Joel M. Moskowitz, diretor do Centro de Saúde da Família e da Comunidade10 da Escola de Saúde Pública da Universidade da Califórnia, em Berkeley, disse que, com base nos resultados gerais do estudo, o governo deveria reavaliar e fortalecer os limites que impõe sobre quanto e quais tipos de radiação os celulares podem emitir.

Os cientistas não sabem por que apenas ratos machos desenvolvem os tumores do coração, mas Bucher disse que uma possibilidade é simplesmente porque os machos são maiores e absorvem mais radiação.

Os estudos também encontraram alguns danos ao DNA dos animais expostos. Uma surpresa, já que os cientistas acreditavam que a radiação de radiofrequência — ao contrário da radiação ionizante em raios-X — não poderia prejudicar o DNA.

“Não achamos que entendemos o suficiente sobre os resultados para ser capazes de depositar um alto grau de credibilidade nesses resultados”, disse Bucher se referindo aos achados sobre as alterações no DNA.

Uma descoberta aparentemente paradoxal que também intrigou os pesquisadores é que os ratos expostos à radiação do celular na verdade viviam mais que os do grupo de controles. Uma possível explicação, disse Bucher, é que a radiação pode aliviar a inflamação e diminuir a gravidade de um distúrbio renal crônico que é comum em ratos idosos e que pode matá-los.

Perguntado se havia alguma chance de que o uso de celulares pudesse ajudar as pessoas a viverem mais tempo, o Dr. Bucher disse: “A extrapolação para os humanos requer uma série de medidas que vão além do que estamos estudando aqui. Eu acho que essa pergunta em particular não pode ser respondida no momento”.

Os relatórios divulgados em 02 de fevereiro são versões preliminares lançadas para comentário público e uma versão revisada por especialistas externos foi divulgada11, em 26 a 28 de março, pelo Research Triangle Park do NIEHS, na Carolina do Norte.

*Por: Diógenes Henrique / Fonte: The New York Times

 

………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Tirar selfies obsessivamente agora é conhecido como transtorno mental

No fim do ano passado, os pesquisadores Janarthanan Balakrishnan, da Thiagarajar School of Management em Madura, na Índia, e Mark D. Griffiths, da Nottingham Trent University em Nottingham, no Reino Unido, publicaram um artigo que aponta a obsessão por selfies como um transtorno mental.

O estudo criou uma Escala de Comportamento de Selfitis (Selfitis Behavior Scale) que visa classificar pessoas auto-obcecadas em graus de manifestação de selfies. Em primeiro lugar, os pesquisadores apresentaram um conjunto de 6 fatores que levam as pessoas a tirarem selfie obsessivamente:

Fator 1: aprimoramento ambiental
Fator 2: competição social
Fator 3: busca de atenção
Fator 4: modificação do humor
Fator 5: autoconfiança
Fator 6: conformidade subjetiva

Eles encontraram 225 alunos de duas escolas nas universidades da Índia e classificaram-nos como limítrofes, agudos e crônicos. 9% dos participantes tiraram mais de 8 selfies todos os dias e 25% compartilhavam pelo menos 3 desses selfies nas mídias sociais.

Dos participantes, 34% eram limítrofes, 40,5% eram agudos e 25,5% eram crônicos. Verificou-se que os homens exibiam selfitis a uma taxa mais elevada do que as mulheres – 57,5% em comparação com 42,5%, respectivamente. As pessoas mais jovens da faixa etária dos 16-20 anos também eram as mais suscetíveis.

“Normalmente, aqueles com a condição sofrem de falta de autoconfiança e buscam se ‘encaixar’ com aqueles que os rodeiam e podem exibir sintomas semelhantes a outros comportamentos potencialmente viciantes”, diz Balakrishnan ao New York Post.

Segundo o pesquisador, a existência da condição parece ter sido confirmada, porém, espera-se que novas pesquisas sejam realizadas para entender mais sobre como e por que as pessoas desenvolvem esse comportamento potencialmente obsessivo e o que pode ser feito para ajudar as mais afetadas.

 

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte: photochannel

Por que a ciência curou só uma pessoa do HIV?

Apesar de avanços incríveis na biomedicina, uma verdadeira cura para o HIV segue fora de alcance. Drogas antirretrovirais transformaram o HIV em uma condição manejável em vez de uma sentença de morte. Mas o HIV se integra permanentemente no genoma de uma célula infectada e então se esconde, dormente, no corpo, tornando quase impossível sua erradicação. Desde a década de 1980, pesquisadores têm tido esperança de que a terapia genética, na qual o material genético do corpo é alterado, possa oferecer uma nova rota no tratamento do HIV e talvez até uma cura. O caso de Brown deixou muitos no campo otimistas, mas os cientistas ainda estão perplexos em relação a como sua cura funcionou.

Um novo estudo publicado na terça-feira (26), na PLOS Pathogens, mostra uma nova rota potencial para curar o HIV — embora também destaque as dificuldade extremas que os pesquisadores enfrentam.

Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

“Nós só curamos um paciente efetivamente”, Scott Kitchen, autor principal do estudo da UCLA, contou ao Gizmodo. “Mas isso oferece muita esperança.”

No novo estudo, os pesquisadores tiraram uma página do tratamento de Brown, esperando estimular o sistema imune do corpo com células-tronco projetadas para combater o HIV. Primeiro, células-tronco formadoras de sangue foram projetadas para carregar genes que transformam as células em assassinos direcionados, capazes de detectar e destruir células infectadas por HIV quando elas aparecem no corpo. A técnica funciona ao tomar de assalto a mesma molécula, a CD4, que permite ao HIV se ligar à superfície de uma célula, usando a molécula como um sinal para fazer a ligação com o HIV e matá-lo. Então, essas células-tronco são colocadas em corpos de dois primatas por meio de um transplante de medula óssea. É uma forma de tratamento conhecida como imunoterapia CAR-T.

“O HIV danifica a resposta imune celular — é isso que o torna tão eficaz”, disse Kitchen. “Portanto, para eliminá-lo efetivamente, precisamos de uma resposta imune efetiva. Estamos fornecendo isso.”

O CAR-T se mostrou promissor no tratamento do HIV anteriormente, porém, com essa nova abordagem, os pesquisadores descobriram que os corpos dos primatas continuavam produzindo as células expressadoras de CAR por mais de dois anos depois da infusão inicial sem efeitos adversos. Isso sugere o potencial para uma solução a longo prazo que poderia reduzir a dependência de uma pessoa em medicamentos antivirais e potencialmente até para erradicar completamente o HIV do corpo, atacando mesmo o HIV dormente nas reservas do corpo sempre que ele despertasse novamente.

“Acreditamos nisso como um componente para uma cura, usado junto com algo como a terapia antirretroviral”, afirmou Kitchen. “Isso mostra que uma cura é efetivamente possível.”

Recentemente, houve outros avanços promissores na eliminação do HIV, mas, até agora, os pesquisadores tiveram sucesso principalmente em curar o HIV em ratos. Neste ano, cientistas da Universidade Temple usaram o CRISPR para eliminar DNA de HIV de ratos por meio de edição de genes. Vários testes clínicos estão sendo realizados na tentativa de curar humanos com HIV por meio de combinações de terapias genéticas e de células-tronco, mas não está claro se alguma delas vai, de fato, funcionar a longo prazo (também neste ano, um biohacker injetou uma cura de HIV caseira em si mesmo, embora seja altamente improvável que essa abordagem vá funcionar).

Tecnologias como a edição genética tornaram a busca por uma cura para o HIV parecer possível, mas ainda existem muitos obstáculos técnicos no caminho. Uma verdadeira cura pode estar ainda muito distante.

O maior obstáculo na criação de uma cura é fazer algo que dure o bastante para combater as reservas persistentes do vírus no corpo. É esse o problema que a pesquisa da UCLA estava tentando resolver. Mas para chegar lá, os cientistas precisarão melhorar a capacidade de editar células dentro do corpo de um paciente, em vez de removê-las, editá-las em um laboratório e então reinseri-las no paciente. Também existe espaço para melhorar nossa capacidade de localizar genes que precisem ser manipulados, que estão espalhados pelo corpo. E para complicar ainda mais as coisas, pelo fato de o HIV desenvolver resistência a tratamentos, até mesmo o CRISPR, uma combinação de terapias provavelmente é o que terá mais sucesso.

Neste ano, uma pesquisa da Foundation for Aids fez um pedido por propostas para resolver esses obstáculos.

“A disponibilidade de ferramentas e alvos sugere que projetar uma intervenção terapêutica de gene para curar o HIV é, sem dúvidas, mais uma questão de tecnologia do que de descoberta”, escreveu Rowena Johnson, diretora de pesquisa da fundação, em um estudo à época. “Entretanto, a viabilidade da abordagem ainda é um grande obstáculo. O cronograma, o custo e a complexidade de se testar terapia de genes na clínica são formidáveis.”

Até agora, houve muito otimismo na utilização de terapia de gene para tornar as células do corpo imunes ao HIV. Nessas abordagens, o vírus é impedido de entrar em uma célula em primeiro lugar. É uma tarefa mais fácil, porque não exige lidar com o problema de um vírus dormente que desperta depois de um longo período. Vários testes clínicos para esses tipos de terapias também estão acontecendo.

“Brown foi apenas um caso extraordinário”, disse Kitchen. “Ele passou por dois transplantes de medula óssea. Isso normalmente mataria uma pessoa. E ainda não sabemos como isso funcionou exatamente.”

No caso da nova pesquisa da UCLA, o maior obstáculo é descobrir o jeito mais eficaz de transplantar o menor número de células-tronco possível para dentro do corpo de um paciente infectado. Idealmente, afirmou Kitchen, eles gostariam de desenvolver algo como uma vacina, que não exige um procedimento invasivo como o transplante de medula óssea, mas, por enquanto, essa ideia é muito “ficção científica”. Ainda assim, Kitchen diz, testes clínicos para sua nova abordagem provavelmente devem acontecer daqui a dois ou três anos.

Uma cura pode não estar tão próxima, mas, pela primeira vez, está começando a surgir no horizonte.

*Por Kristen Brown Publicado no Gizmodo

……………………………………………………………………….
*Fonte: universoracionalista

A enfermidade é um conflito entre a personalidade e a alma.

“A enfermidade é um conflito entre a personalidade e a alma.
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.
O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.
E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?
A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.
O caminho para a felicidade não é reto, existem curvas chamadas Equívocos.
Existem semáforos chamados Amigos.
Luzes de precaução chamadas Família.
Ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada Decisão.
Um potente motor chamado Amor.
Um bom seguro chamado FÉ.
Abundante combustível chamado Paciência.
Mas há um maravilhoso Condutor e solucionador chamado DEUS”

Tendo pensamentos negativos criamos em nosso mundo mental uma realidade que se materializa no nosso corpo.
Portanto, aquilo que pensamos, seja um pensamento positivo ou negativo, tem a capacidade de se materializar em nossas vidas. Achar que a causa dos nossos problemas está na crise econômica, na frente fria, no trânsito, na violência, no chefe, no marido ou na esposa pode ser um grande engano.

A principal causa dos nossos problemas e infortúnios está dentro de nós mesmos, nos nossos pensamentos e crenças. Essa é a opinião de Louise Hay, que é uma das maiores pensadoras norte-americanas da Nova Era e autora do livro Você pode curar sua vida. No Brasil, esse livro vendeu mais de um milhão de exemplares e ajudou a modificar a consciência de muita gente. Pessoas que, conduzidas por padrões mentais negativos, deixaram-se levar pelas doenças e sentimentos nocivos.

Louise Hay aponta a crítica, o ressentimento e, principalmente, a falta de amor próprio como os grandes causadores de enfermidades e todo o tipo de problemas em nossa vida. Criamos as doenças em nossa cabeça e o corpo funciona apenas como um reflexo dos pensamentos, crenças e sentimentos. Ou seja, por trás de uma doença existe sempre uma crença incorreta, como o use de frases como não sou bom o bastante, não vou conseguir, sou culpado e, portanto não mereço ser feliz, nada para mim dá certo e todos me perseguem. Se você não acredita na teoria de Louise, saiba que ela curou um câncer fazendo afirmações positivas, tratamentos alternativos e mudando sua forma de encarar a vida.

A seguir você vai conhecer o significado das principais partes do nosso corpo e identificar os padrões mentais causadores de doenças. No entanto, isso não dispensa, de forma alguma, o tratamento médico convencional. O ideal seria escolher um médico de sua confiança e, paralelamente ao tratamento, fazer uma análise profunda da forma como você vê e se comporta diante da vida.

Ao resgatar sua auto-estima e adotar pensamentos positivos e otimistas, você estará criando condições para que seu organismo reaja de forma mais rápida e favorável ao tratamento. Além de ajudar na recuperação mais rápida, você também prevenirá o aparecimento de doenças futuras e construirá uma vida mais alegre e próspera. Cada dor tem uma história.

Confira na lista a seguir o significado de cada enfermidade. Veja se o significado vale para você. Se não, fique em silêncio, concentre-se e pergunte para si mesmo: Que pensamentos criaram isso em mim? Alguns significados são até fáceis de serem detectados, outros estão em níveis tão profundos de nossa psique que se torna necessários uma ajuda externa. Uma vez identificadas às crenças incorretas, começa uma nova etapa: a superação das carências e medos, o fortalecimento do eu e a busca de uma nova filosofia de vida, mais positiva, alegre e confiante.

Acidentes: incapacidade de defender-se, rebelião contra a autoridade e crença na violência.

Alcoolismo: sentimento de futilidade, inadequação, culpa e auto-rejeição.

Alergias: negação de o próprio poder.

Anemia: falta de alegria, não se sentir bom o bastante e hesitante.

Ansiedade: falta de confiança no fluxo e no processo da vida.

Arteriosclerose: resistência, tensão, estreiteza mental e recusa em ver o bem.

Articulações: representam as mudanças de direção na vida e a facilidade desses movimentos.

Artrite: sentimento de falta de amor, crítica e ressentimento.

Asma: amor sufocante; incapacidade de respirar por si; choro reprimido.

Bursite: raiva reprimida e vontade de agredir alguém.

Câncer: mágoa profunda, ressentimento antigo, grande segredo; ódios.

Celulite: prisão a sofrimentos da primeira infância; dificuldade em avançar e medo de escolher a própria direção.

Colesterol: obstrução dos canais da alegria; medo de aceitar a alegria.

Desvios de coluna: incapacidade de fluir com o apoio da vida.

Infarto: abrir mão da alegria do coração em favor do dinheiro, posição, etc.

Dentes: indecisão duradoura; incapacidade de analisar idéias e tomar decisões.

Derrame: desistência; preferência pela morte à mudança; resistência e rejeição da vida.

Diabetes: tristeza profunda, amargura, grande necessidade de controlar.

Doenças crônicas: recusa em mudar, medo do futuro e insegurança.

Enxaqueca: medos sexuais, resistência ao fluxo da vida ou desagrado por ser impelido por alguém.

Gastrite: incerteza prolongada e sensação de condenação.

Garganta: criatividade sufocada, raiva engolida, incapacidade de expressão.

Gordura: proteção e super sensibilidade.

Gripe: abalo forte no sistema imunológico causado por choque emocional.

Insônia: medo; falta de confiança no processo da vida e culpa.

Labirintite: medo de não estar no controle.

Menopausa (problemas): medo de não ser mais desejada, de não ser boa o bastante.

Menstruação (problemas): rejeição da feminilidade e dos órgãos sexuais culpa.

Torcicolo: teimosia inflexível.

Tuberculose: definhamento por causa do egoísmo, possessividade, pensamentos cruéis e vontade de vingança.

Hipertensão: problemas emocionais não resolvidos.

Prisão de ventre: recusa em soltar velhas idéias; prisão no passado.

Reumatismo: sentimento de vítima, ressentimento, amargura crônica, falta de amor.

Sinusite: irritação com alguém próximo.

Úlceras: medo de não ser bom o bastante.

Varizes: excesso de trabalho e desencorajamento.

 

……………………………………….
*Fonte: resilienciamag

 

 

Distimia: o peso constante da tristeza

Todas as pessoas se sentem desanimadas em alguns momentos da vida. É normal que, ocasionalmente, nos sintamos tristes. Vivemos algumas situações, muitas vezes, necessárias para reagirmos e buscarmos novos caminhos na nossa vida ou para superarmos acontecimentos desagradáveis.

Agora imagine que esse desânimo está presente na sua vida por mais de dois anos. Não é difícil perceber o desconforto que pode experimentar alguém que se sente assim. É o que acontece quando a distimia aparece. Continue lendo para saber mais sobre ela!

“Estou muito triste e me sinto mais infeliz do que posso dizer, e não sei até onde cheguei … Não sei o que fazer ou o que pensar, mas desejo sair deste lugar … Eu sinto tanta tristeza!”
– Vincent Van Gogh –

O que é distimia?

A distimia surge quando uma pessoa fica deprimida por pelo menos dois anos. A observação pode ser feita por aqueles que sofrem desse transtorno ou ser percebida pelas pessoas ao seu redor. Mas, embora possam ser semelhantes, distimia não é o mesmo que depressão.

Nestes casos, pelo menos durante os últimos dois anos, não houve um período superior a dois meses no qual a pessoa não tenha tido pelo menos dois dos seguintes sintomas: perda ou aumento do apetite, insônia ou sonolência excessiva, falta de energia ou fadiga, baixa autoestima, dificuldade de concentração ou para tomar decisões, ou sentimentos de angústia e desespero.

Como podemos notar, é possível que as pessoas com distimia não tenham tantos sintomas e talvez não sejam tão intensos como naquelas com depressão. No entanto, existe um outro problema: é muito persistente e dura mais tempo. As pessoas com distimia estão sempre tristes e se não houver um tratamento psicológico adequado, pode se tornar um transtorno depressivo mais grave.

“A melancolia é uma tristeza, um desejo sem qualquer dor, parecido com a tristeza, da mesma forma que a névoa se assemelha à chuva”.
– Henry Wadsworth Longfellow –

Além disso, podem ocorrer outras psicopatologias e a terapia é necessária porque a distimia gera muita angústia no doente. Como resultado de tudo isso, a qualidade de vida dessas pessoas fica prejudicada, influenciando o seu sofrimento psicológico em diversas áreas de forma significativa.

Qual é a diferença entre depressão e distimia?

Com tudo o que dissemos até agora, você deve estar se perguntando… Distimia não é o mesmo que depressão? A resposta é não, embora seja verdade que elas tenham algumas características em comum, o que pode nos deixar confusos.

Na verdade, as pessoas com depressão também têm um humor deprimido na maior parte do dia e quase todos os dias. Isto também acontece na distimia, como o próprio doente ou as pessoas que convivem com ele podem perceber. A diferença é que para caracterizar uma depressão os sintomas devem persistir por pelo menos duas semanas, e na distimia devem estar presentes durante dois anos ou mais.

“E nessa hesitação entre coragem e agonia, cheio de dores que apenas suporto, você não ouve as gotas da minha tristeza caírem?”
– Ruben Dario –

Outros sintomas comuns seriam os problemas do sono, aumento ou perda de apetite (embora na depressão possa haver uma variação significativa de peso sem uma dieta especial para isso), fadiga (na depressão é uma perda persistente de energia) e dificuldade de concentração ou de tomar decisões (acompanhada por uma diminuição persistente na capacidade de pensar).

Como podemos ver, nas semelhanças existem algumas nuances que criam as diferenças. É preciso acrescentar que na depressão é notável a perda ou diminuição de interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades da pessoa. Isto acontece todos os dias durante a maior parte do tempo. Mas, ainda há mais.

Também aparecem outros sintomas como a agitação ou retardo psicomotor, sentimentos de inutilidade ou culpa excessivos ou inadequados, pensamentos e ideias recorrentes de morte ou suicídio e, tentativas e planos para realizá-los. Tudo isso não vemos na distimia, somente na depressão. O que é comum em ambos os casos é o desgaste e o desconforto que causam naqueles que sofrem, o que destaca a necessidade de buscar ajuda para sair dessa situação.

 

………………………………………………………….
*Fonte: amenteemaravilhosa

 

Estes 10 alimentos provocam câncer

1. Alimentos curados e defumados
Nitritos e nitratos são utilizados para evitar que os alimentos se deteriorem. Mas quando cozidos eles se transformam em compostos N-nitroso que estão associados com um risco aumentado de câncer.

 

2. Peixe cultivado
As fazendas de peixe [piscicultura] geralmente são superlotadas, e os peixes não têm espaço para nadar. Esses tipos de peixes são tratados com antibióticos e com pesticidas para ter uma aparência melhor. A importação de peixes de fazenda é proibida em muitos países.

 

3. Carne grelhada
A queima da madeira ou do carvão produz hidrocarbonetos aromáticos policíclicos [HAP]. A gordura da carne pinga sobre a madeira ou carvão e cria uma chama que faz com que os HAP’s se afixem ao alimento.

 

4. Óleos hidrogenados
Os óleos hidrogenados ou as gorduras-trans são produtos sintéticos. Para armazenar o produto por mais tempo, o fabricante muda a estrutura química dos óleos. A Escola De Saúde Pública de Harvard chegou à conclusão que as gorduras-trans têm um efeito negativo no sistema imunológico humano. Além disso, eles podem provocar diabetes, acidente vascular cerebral ou até mesmo doenças cardíacas.

 

5. Pipoca de microondas
Várias pessoas amam pipoca. Mas somente algumas sabem o quão ruim elas são para a nossa saúde. Os pacotes são revestidos com ácido perfluorooctanoico. Os estudos mostraram que esses químicos podem provocar câncer de próstata.

 

6. Produtos modificados geneticamente
Ainda não existe informação oficial, mas percebeu-se que pessoas que têm câncer costumavam consumir alimentos modificados geneticamente.

 

7. Açúcares refinados
Aspartame – é um substituto artificial do açúcar. Provou-se que o aspartame é tóxico e provoca convulsões. Ele também pode provocar câncer cerebral.

 

8. Refrigerante/Isotônicos
Os refrigerantes/isotônicos não têm valor nutricional. Eles consistem apenas de corantes, xarope de milho rico em frutose, óleo vegetal bromado e aspartame que aumentam o risco de desenvolvimento de câncer.

 

9. Açúcar
As células cancerígenas prosperam no açúcar. Estamos falando sobre massas, pães, carboidratos. É por isso que eliminar o açúcar é tão importante para aquelas pessoas que estão enfrentando o câncer.

 

10. Ketchup e maionese
Molhos como ketchup e maionese contém açúcar, gorduras-trans, vinagre, corantes, conservantes, etc.

 

……………………………………………………………….
*Fonte: perfeitoguru

Vitaminas podem turbinar câncer

Tomar vitaminas não pode fazer mal à saúde, certo? Errado. Um estudo feito pela Universidade de Gotemburgo, na Suécia, descobriu que o consumo das vitaminas A, C e E acelerou o crescimento de tumores de pulmão em ratos de laboratório. “A taxa de sobrevivência deles caiu pela metade”, diz Martin Bergö, líder do estudo. Os cientistas constataram que as vitaminas inibem a ação de uma proteína chamada p53, que atua como supressora de tumores. Quando detecta mutações, essa proteína obriga a célula a se suicidar antes que se multiplique e vire um tumor. Ou seja: a p53 funciona como uma patrulheira anticâncer.

Em ratos, os suplementos vitamínicos reduzem a proteção natural oferecida por essa enzima. Não se sabe se o mesmo mecanismo é válido para seres humanos, mas há indícios de que o consumo de suplementos possa ser perigoso para pessoas que já tenham tumores, ainda que pequenos, ou pertençam a algum grupo de risco. Estudos anteriores já haviam apontado que suplementos contendo vitamina A elevam o risco de câncer de pulmão em fumantes, e pílulas de vitamina E aumentam em 17% o risco de câncer de próstata em homens acima de 55 anos.

“Nosso estudo não diz nada sobre o efeito (do consumo de suplementos) em pessoas saudáveis”, adverte Bergö. Mas, por via das dúvidas, ele aconselha que as vitaminas sejam ingeridas por meio de uma alimentação balanceada – e não pelo consumo de cápsulas ou comprimidos.

 

……………………………………………..
*Fonte: superinteressante

vitaminas8923

 

Até 2020, a depressão será a doença mais incapacitante do mundo, diz OMS

Ela chega de mansinho, assim como quem não quer nada. Num dia, você acorda triste, desanimado. No outro, bate uma sensação de vazio e uma vontade incontrolável de chorar, sem qualquer motivo aparente. A depressão é assim, um mal silencioso e ainda mal compreendido – até mesmo entre os próprios pacientes. Considerada um transtorno mental afetivo, ou uma doença psiquiátrica, a depressão é caracterizada pela tristeza constante e outros sintomas negativos que incapacitam o indivíduo para as atividades corriqueiras, como trabalhar, estudar, cuidar da família e até passear.

De acordo com OMS (Organização Mundial de Saúde), até 2020 a depressão será a principal doença mais incapacitante em todo o mundo. Isso significa que quem sofre de depressão tem a sua rotina virada do avesso. Ela deixa de produzir e tem a sua vida pessoal bastante prejudicada. Atualmente, mais de 120 milhões de pessoas sofrem com a depressão no mundo – estima-se que só no Brasil, são 17 milhões. E cerca de 850 mil pessoas morrem, por ano, em decorrência da doença.

Descrita pela primeira vez no início do século 20, a depressão ainda hoje é confundida com tristeza, sentimento comum a todas as pessoas em algum momento da vida. Brigar com o namorado, repetir o ano escolar e perder o emprego são motivos para deixar alguém triste, cabisbaixo. Isso não significa, porém, que o sujeito está com depressão. Em alguns dias, ele, certamente, vai estar melhor.

O desconhecimento real do funcionamento desse transtorno afetivo é o principal responsável por um dos maiores problemas para quem sofre com a depressão: o preconceito. Para Marcos Pacheco Ferraz, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), ele ainda existe e prejudica muito o paciente.

– Principalmente no ambiente de trabalho, onde há competições e cobranças por bom desempenho, é comum as pessoas nem comentarem sobre a enfermidade. Nesses casos, o melhor é tirar férias ou licença médica.

E não é só isso. A ignorância em torno da doença faz com que familiares e amigos, na tentativa de ajudar, piorem ainda mais a condição do depressivo. Frases como “tenha um pouco de força de vontade”, “vamos passear no shopping que melhora”, “você tem uma vida tão boa, tá com depressão por que?” e “se ocupe com outras coisas que você não terá tempo de pensar em bobagens”, funcionam como uma bomba na cabeça de quem já se esforça, diariamente, para conseguir sair da cama.

– Isso mostra que as pessoas não conhecem o transtorno. Achar que é frescura ainda é comum. Elas não imaginam que o paciente não consegue reagir. Não depende de força de vontade.

A designer C.N., 35 anos, que passou por uma depressão severa há alguns anos, sabe bem o que é isso. Mesmo trabalhando em um ambiente com pessoas bastante esclarecidas, ela cansou de ouvir esse tipo de comentário. E os efeitos eram devastadores. Ela conta que “até críticas sobre o meu médico eu ouvi. Uma colega disse que ele não devia ser bom, pois depois de um mês de tratamento eu já deveria estar curada.”

– É incrível o poder que algumas palavras tem sobre o doente. A primeira coisa que as pessoas perguntavam era o motivo da minha depressão, pois eu tinha uma vida tão boa, uma família, filha, um casamento bacana, um emprego legal. O fato de não ter uma explicação para a doença me deixava péssima. Era um sentimento de culpa enorme.

Por isso, Ferraz diz que é muito importante a participação da família no tratamento. Eles precisam saber o que devem e o que não devem fazer em relação ao doente. Para ele, “fazer com que todos entendam o mecanismo do transtorno e como agem os remédios é fundamental para o sucesso do tratamento. Ainda existe o mito de que antidepressivo vicia, o que é um grande engano.”

…………
*Fonte: r7

 

depressão123

Suas alergias dependem da estação do ano em que você nasceu

Não há nada provado sobre pessoas com signo Aquário serem inovadoras, ou taurinos insistirem quando não devem, mas a ciência está provando que a data do seu aniversário pode sim afetar você. De acordo com um novo estudo da Universidade de Southampton, na Inglaterra, a estação do ano do seu nascimento está intimamente ligada às suas alergias.

O estudo segue parte do princípio da epigenética – corrente da medicina que prega que fatores externos ao nosso corpo conseguem fazer com que alguns de nossos genes sejam ativados ou desativados. De acordo com a pesquisa dos Ingleses, a estação do ano que você nasceu deixa uma marca em seus genes, e essa característica pode deixar você mais suscetível a alergias e doenças respiratórias. Quem nasce durante o inverno ou outono, por exemplo, é o mais vulnerável a viver espirrando do que os nascidos nas outras estações.

Os ingleses dizem que diversos fatores podem ser responsáveis por essa ativação genética. “As causas incluem a variação de luz solar (que pode afetar os níveis de vitamina D), quantidade de alergênicos como poles e ácaros (que varia de acordo com a estação), o tempo até a primeira infecção peitoral (resfriados são mais comuns no inverno) e a dieta maternal (preço e disponibilidade de frutas e vegetais variam por época) “, afirma Gabrielle A Lockett, coautora do estudo.

A relação entre doenças e a estação do ano já foi traçada por outros estudos também. No ano passado, a Universidade de Oxford afirmou que o mês de seu nascimento está intimamente ligado às chances de você desenvolver doenças cardíacas; e em 2010 pesquisadores australianos traçaram um paralelo entre os aniversários e a tendência à esquizofrenia.

*Fonte: Superinteressante

alergias12

Entendendo a cor da urina

A urina normal tem a cor amarela. Mas alguns fatores podem mudar a cor da urina, e ela pode ficar muito clara ou muito escura.
A cor da urina humana normal pode variar de amarelo translúcido para âmbar escuro. É um líquido estéril que é expelido pelo corpo e um produto do metabolismo celular.
Alimentos, bebidas e doenças podem alterar a aparência da urina. A causa da cor amarela da urina normal é o pigmento chamado urocromo ou urobilina.

A sua urina ficara mais escura (âmbar) sempre que você não receber quantidade suficiente de líquidos e beber pouca água.
Não há motivo para pânico, na maioria das vezes, quando sua urina fica mais escura do que deveria ser normalmente.
Tudo que você precisa fazer é beber mais líquidos, de preferência, claro, água.
E se sua urina ficar muito clara?
Isso é um bom sinal.

Normalmente, quanto mais clara a urina é, mais saudável está você.
Pessoas que bebem regularmente água limpam e clareiam a urina, o que é um sinal de que seu corpo está adequadamente hidratado.
No entanto, urina clara também pode ocorrer em pessoas que estão tomando muita água, e tambem pode ser perigoso o excesso de água, pois causa uma sobrecarga nos rins.
Se a micção aumentar, especialmente se a urina for de cor clara e não houver grande ingestão de água, pode ser um sinal de diabetes.

Às vezes, em algumas pessoas, a urina torna-se clara após o uso excessivo de álcool.

Uma das razões para o aumento da frequência urinária é que o álcool (especialmente a cerveja) é um diurético, logo aumenta a vontade de fazer xixi. O álcool leva a um aumento na micção e, por isso, seu corpo deve extrair água de outros órgãos. E isso faz que faz com que, além de água, você elimine eletrólitos importantes de seu corpo.
Esta é a principal razão de o álcool deixar você com dor de cabeça, uma ressaca desagradável e torná-lo, pouco a pouco, doente.

A urina pode ficar rosa, azul, verde, laranja, e essa variação normalmente é causada por alimentos, como algodão-doce, beterraba, aspargo.
Hepatite deixa urina muito amarela.
Sangue na urina é preocupante, pois pode indicar uma doença grave, como câncer renal, aumento da próstata e pedras na bexiga.
A urina com espuma mostra que você está ingerindo proteína em excesso, mas também pode ser sinal de doença nos rins.

 

Você deve se preocupar e consultar seu médico se:

– não consegue controlar a vontade de urina

– está urinando mais do que o habitual e sem aumentar o consumo de líquidos

– está tendo dificuldade para urinar

– está urinando menos que o habitual

– acorda várias vezes à noite para urinar

– urina apenas pequenas quantidades de cada vez

– sente dor ao urinar

 

Normalmente uma mudança drástica na cor da urina é causada por algo que você consumiu durante o dia.
Mas, se elas forem frequentes (mesmo sem motivo alimentar para isso) e ocorrer um ou mais desses sintomas, contacte o seu médico o mais rápido possível, para que ele elucide as alterações.

……
*Fonte: CuraPelaNatureza

 

cor_da_urina

Um simples remédio natural vai livrar seu cão/gato das pulgas e carrapatos

As pulgas são verdadeiras vilãs para os bichinhos de estimação.

Além da coceira excessiva e pele irritada, essa praga pode causar problemas ainda mais graves, como verme, anemia, estresse e transmissão de vírus.

A saliva das pulgas provoca uma forte reação alérgica.

As consequências disso são queda dos pelos, feridas e mau cheiro.

Apesar de haver xampus, sabonetes, coleira, bisnagas e muitos outros produtos para acabar com as pulgas, há quem ainda prefira produtos naturais.

E tem razão quem prefere assim.

Os produtos industriais contém muitas substâncias tóxicas, quase todas nocivas à saúde do seu bichinho.

Infelizmente poucas são as receitas caseiras que realmente acabam com pulgas e carrapatos.

A que vamos ensinar, porém, já teve a eficácia comprovada por muitas pessoas.

Trata-se de um borrifador de cravo-da-índia, totalmente natural e seguro para seu nanimal de estimação (cães e gatos).

 

*Anote:

INGREDIENTES

1 litro de álcool de cereais (vende-se em lojas de essências/material para perfume)

3 pedras de cânfora (você encontra em farmácias; existem dois formatos: um quadradinho tipo pastilha – este você coloca 3 pedras; e há as pedrinhas menores, no formato de comprimidos – este você coloca umas 5).

1 pacote de cravo-da-índia

1 copo de vinagre branco

MODO DE PREPARO

Mistures todos os ingredientes até as pedras de cânfora dissolverem.

Coloque a mistura num borrifador e aplique ao longo do corpo do animal – cuidado com os olhos e o focinho dele.

Faça um teste antes: aplique um pouco do borrifador no seu cão/gato e e veja se ocorre alguma reação alérgica.

É importante também usar o borrifador natural nos objetos do animal (não nos que ele põe na boca) e nos cantos da casa.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros (blog Cura Pela Natureza). Ele não substitui um especialista. Consulte sempre o veterinário do seu cão/gato.

 

*Fonte/texto: Curapelanatureza

 

scratching-dog-fleas

11 verdades que o egoísmo e a inveja escondem de você

O egoísmo causa a ignorância, a cólera e o descontrole, que são a origem dos problemas do mundo.”|
– Dalai Lama

1- Nada adianta você se sentir incomodado com o sucesso alheio, afinal, enquanto o outro está buscando por mais vitórias, você está preocupando-se muito com a vida dele e pouco com a sua. Desejar o mal a outra pessoa, porque ela conseguiu algo que nós não temos, não nos trará o bem que não temos, e sim o mal que não tínhamos. Insistir em fazer comparações de vida é assinar o desconforto, pois cada pessoa constrói seu caminho de uma forma. A felicidade não tem receita.

2- As pessoas e os momentos passados com elas, são mais importantes que qualquer bem material. É extremamente prejudicial colocar a ganância acima de tudo e de todos.

3- É saudável ocupar-se um pouco com outros também, não viver unicamente para si mesmo. Não permita que o egoísmo te cegue.

4- Não vivemos sozinhos no mundo, logo é necessário existir companheirismo. Você cresce na medida em que caminha de forma solidária. Não há quem seja feliz alcançando seus objetivos passando por cima de outros.

5- Oferecer ajuda a quem precisa, buscar o caminho B, pode ser maravilhoso. Não é porque todo mundo ignora aquele homem dormindo em frente ao mercado que isso é o certo. Não é porque as coisas são assim, que devem ser assim.

6- Aquilo que chamamos de conquistas, precisam de dedicação. Invejar o cara que toca muito bem guitarra, não irá te tornar um bom guitarrista, por exemplo. Você precisa, nesse caso, sentar a bunda na cadeira e buscar aprendizado. Amigo, essa é a solução.

7- O sucesso alcançado pelo outro, deve ser motivo de felicidade, pois o fato de alguém alcançar, abre o caminho, prova que é possível, já que necessitamos constantemente de provas para tentar algo.

8- Você está incomodado por alguém próximo ter conseguido algo, mas não está ligando para aquele que está distante ter “sucesso”.
A vida não precisa ser uma competição, você não está apostando uma corrida com o seu amigo.

9- O egoísmo te condiciona a uma vida de necessidade. Você precisa ser elogiado para sentir prazer, precisar ter o que o outro tem, precisa chegar primeiro e pegar o melhor lugar, mas percebe o quanto isso pode poluir você.

10- Pessoas egoístas não conseguem tolerar as frustrações que tanto a amizade quanto a convivência humana implicam, logo ficam mal e irritadas.

11- O egoísmo leva a pessoa a confundir pontos de vista diferentes do dela com manifestações de rejeição.

…..

*Fonte: VidaEmEquilibrio