Carro elétrico solar chega ainda esse ano

Já imaginou ter um carro e não precisar gastar nenhum dinheiro com combustível? Essa realidade está a cada dia mais próxima e já há previsão da empresa Lightyear lançar o veículo One já nesse ano de 2021.

O carro promete superar o Tesla Model S, chegando em 725km de autonomia e ainda conta com 4 motores elétricos e 5m² de painéis solares, que estão protegidos pelo vidro.

Um diferencial em relação ao mercado, é que suas células solares são 20% mais eficientes que as tradicionais e caso o usuário decida, pode ser carregado com o plugin tradicional dos veículos elétricos.

Por conta de seus motores, o veículo pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 10 segundos.

Esse veículo será uma inovação e fará a ficção científica se tornar realidade, com veículos cada vez mais sustentáveis.

Porém ainda há o desafio de se tornar acessível para todos, uma vez que seu preço de reserva deverá variar entre R$ 700 mil a R$ 900 mil e será lançado primeiramente na Europa.

Esperamos que o mundo se transforme nas próximas décadas e passam permitir o uso de toda a população.

Para conhecer o carro elétrico solar, você pode assistir o vídeo da fabricante:

………………………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

Avião elétrico solar percorreu 43.000 km, com 97% de eficiência e sem uma gota de combustível

Que o futuro está chegando e que há muitas tecnologias para serem lançadas, não temos dúvida. Nessa matéria você irá conhecer o avião denominado Solar Impulse 2, que percorreu 43.000 km sem uma gota de combustível e seus 4 motores elétricos tiveram uma eficiência recorde de 97%.

O Solar Impulse é projeto de avião solar de longo alcance proposto na Escola Politécnica Federal de Lausana (EPFL), na Suíça, e é promovido por Bertrand Piccard, tem o objetivo de produzir aeronaves capazes de darem a volta ao mundo com apenas energia solar.

Sobre o Solar Impulse 2

Tem o peso de uma tonelada e meia e é tão largo quanto um Boeing 747, voa através de energia solar captada através de 17.248 células solares, é praticamente um laboratório voador, repleto de tecnologias inovadoras que permitem produzir energia renovável, armazená-la e utilizá-la quando necessário e da forma mais eficiente.

A eficiência de seus motores elétricos é de 97% e dos motores térmicos é de apenas 27%, o que significa que seus motores perdem apenas 3% da energia, enquanto os motores tradicionais chegam a perder 73% para propulsão em combustão.

Isso nos faz refletir sobre o motivo dessas tecnologias não serem tão divulgadas, nós do Engenharia Hoje temos a missão de popularizar essas tecnologias que podem ajudar a humanidade e pedimos seu apoio para compartilhar e ajudar a disseminar essa informação para toda a sociedade.

E já fazem 5 anos que ele foi capaz de completar uma circum-navegação da Terra sem gastar 1 gota de combustível e percorreu mais de 43.000 km.

Veja o vídeo oficial em inglês, você também pode ativar legendas:

………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

Startup diz que carro elétrico movido a energia solar nunca irá precisar recarregar

A empresa de carros elétricos Aptera Motors está de volta – e afirma ter construído um veículo que, em teoria, nunca precisa ser carregado, graças aos bancos de painéis solares em seu teto e capô.

Claro, há uma série de advertências e notas de rodapé sobre a afirmação, como relata o The Verge, e vamos vamos comentar. Mas supondo que os painéis solares funcionem moderadamente bem, o Aptera poderia apresentar algo no caminho para uma solução para os problemas de autonomia das baterias de veículos elétricos, um dos principais obstáculos que bloqueiam uma transição generalizada para carros elétricos.

Aptera não alega ter construído um dispositivo de movimento perpétuo, ou que a bateria dos veículos de três rodas nunca ficará sem energia.

Em vez disso, a empresa diz em um comunicado à imprensa que o veículo tem um alcance extraordinário de 1.600 quilômetros por carga, levando em consideração seus painéis solares acrescentando 72 quilômetros de energia em dias ensolarados. Partindo do pressuposto de que um motorista típico viajará menos do que isso, o Aptera poderia durar muito tempo sem precisar parar em uma estação de recarga.

Como empresa, a Aptera teve problemas para colocar seu design incomum nas ruas. Depois que seus carros foram certificados pela primeira vez pelo Departamento de Energia em 2009, a empresa fechou suas portas em 2011 depois de ser incapaz de garantir um empréstimo, de acordo com o The Verge.

*Por Ademilson Ramos

…………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Professor cria churrasqueira movida a energia solar 24 horas. Uma alternativa limpa

Quando se trata de escolher eletrodomésticos, sempre há o dilema de nos escolher com base no preço, qualidade, formato, tamanho, etc., mas acho que muito raramente nos preocupamos que essas coisas sejam ecológicas, especialmente se forem grelhados ou churrascos.

Embora existam atualmente várias opções de cozimento amigáveis ​​ao ar usando tecnologia de energia solar, não vimos uma opção que pudesse armazenar calor por tempos de cozimento mais longos ou temperaturas mais altas até agora. Bem, agora chegou Wilson Solar Grill.

A nova tecnologia solar desenvolvida pelo professor do MIT David Wilson pode fazer com que os churrascos solares se tornem os mais vendidos no mercado em breve. Sua maior virtude é poder cozinhar 24 horas por dia com energia solar acumulada.

A diferença que Wilson postula é abandonar a churrasqueira a carvão tradicional e oferecer uma opção de cozinha limpa, ecologicamente correta e socialmente sustentável no mundo em desenvolvimento já afetado pela forte poluição do ar.

Como funciona? Graças ao armazenamento de calor latente, a nova grelha permite tempos de cozimento estendidos, cria temperaturas mais altas e reduz o problema do sol intermitente. Desta forma, esta invenção alcançaria temperaturas de cozimento de 450F e oferece até 25 horas de tempo de cozimento.

Em relação à alta poluição causada pelos grelhadores convencionais, Wilson garante que esta invenção será muito útil para os países em desenvolvimento que dependem da lenha para cozinhar seus alimentos, pois esse estilo de cozinhar é o que causa a maior parte dos doenças respiratórias, bem como aumentam a taxa de desmatamento.

Como muitos de nós sabemos, churrasqueiras ou churrasqueiras de madeira, lascas, carvão ou propano contribuem para a má qualidade do ar, mas agora, graças ao Wilson Solar Grill, temos a chance de pensar em uma alternativa mais verde.

Claro, sabemos que para os que amam o cheiro do carvão, dificilmente entenderão este novo conceito que funciona a partir do calor solar, porém é hora de ver as novas possibilidades com novos olhos e nos guiar para os novos tempos, onde a ecologia e nosso planeta são cruciais.

Atualmente esse design ainda não está à venda, mas de acordo com o professor Wilson, ele espera que seja lançado em breve e garante que essa opção será tão popular nas vendas quanto qualquer grelha convencional.

Pronto para mudar por um mundo mais limpo?

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Bem Saber Viver Mais

…………………………………………………………………
*Fonte: sabervivermais

Telha solar com tecnologia de filme fino chega ao Brasil

A preocupação com construções eficientes e um modo de vida sustentável está se tornando cada vez mais presente. E, neste cenário, a geração de eletricidade tem um papel de destaque – fontes sustentáveis de energia devem ser priorizadas por empresas e por famílias preocupadas com o meio ambiente e também com a economia.

Pensando em oferecer uma alternativa para a geração de energia solar residencial, a L8 Energy trouxe para o Brasil uma telha solar com a tecnologia do filme fino. Segundo a empresa, além de ser resistente, a tecnologia possui maior poder de absorção de energia, possibilitando seu uso para geração de energia solar em residências.

Telha Solar

“A Telha Solar L8 possui uma estrutura de alta resistência e por isso sua durabilidade é enorme. Ela vem com 10 anos de garantia de fábrica e a geração de energia após 25 anos é de 85% da potência nominal. Ou seja, do lado da eficiência, também temos um avanço muito significativo em tecnologia” explica Guilherme Nagamine, diretor executivo da L8 Energy.

O executivo ainda explica que o sistema de absorção é capaz de acender uma lâmpada de 30W com apenas uma unidade – cada telha 50 x 70 cm.

Outro diferencial importante é a resistência da telha. “Ela detém tecnologia de vaporização catódica à vácuo, considerada a melhor solução para a produção de filmes finos CIGS (Cobre, Índio, Gálio e Selênio). Na prática, isso torna a telha mais resistente e eficiente do que as telhas de fibrocimento adaptadas com células em silício monocristalino que existem no mercado”, garante Leandro Kuhn, CEO da L8.

Leandro afirma que a Telha Solar L8 possui grande potencial de mercado, pois reúne qualidades técnicas e design, para que as pessoas possam gerar a própria energia sem precisar alterar o projeto arquitetônico. . “O produto foi premiado como design de produto do ano no IF Gold Award 2019, o mais prestigiado evento de design do mundo”, conta o executivo.

A Telha Solar L8 é imune a sombras, com captação da luz difusa e mais eficiência na captação em locais nublados, ou com baixa luminosidade. O produto está a venda no Brasil e a unidade custa R$ 350,00.

Energia solar em instalações residenciais

Um levantamento feito pela Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, mostra que em números de sistemas fotovoltaicos instalados no Brasil, os consumidores residenciais representam a maioria com 72,6% das instalacões.

“A consciência de consumo entre as pessoas vem crescendo de forma exponencial e isso se reflete também em relação a suas casas. A telha solar, aliada ao conceito de solução integrada ao projeto, otimiza o uso do espaço do telhado, gera conforto térmico que diminui o uso de aquecedores ou ar condicionados, além de proporcionar a redução na conta de energia elétrica”, explica Nagamine.
Acessórios solares também chegam ao Brasil

Outras inovações que seguem a mesma proposta da Telha Solar L8 são os acessórios: mochilas e guarda-sóis também terão um sistema fotovoltaico. Ambos possuem a tecnologia do filme fino e a energia solar pode ser revertida para uma carga de bateria, onde a energia é armazenada e pode recarregar celulares, laptops e até caixas de música por meio de cabo USB.

*Por Natasha Olsen

………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Painéis solares transparentes transformarão as janelas em geradores de energia renovável

Pesquisadores da Universidade Estadual do Michigan, EUA, desenvolveram painéis solares completamente transparentes, que podem ter inúmeras aplicações na arquitetura e também em outros campos, como por exemplo no desenvolvimento de automóveis mais amigos do ambiente.

Já antes se tinha tentado criar um dispositivo deste género, mas os resultados finais nunca foram satisfatórios. Até agora.

A equipe concentrou-se especialmente na transparência, de modo que, desenvolveu um concentrador solar luminescente transparente, que pode ser colocado sobre uma superfície transparente como uma janela, por exemplo. Pode colher energia solar sem afetar a passagem da luz.

A tecnologia utiliza moléculas orgânicas que absorvem comprimentos de onda de luz que não são visíveis ao olho humano, como a luz infravermelha e ultravioleta.

Estes dispositivos podem aproveitar ao máximo as fachadas dos enormes edifícios cobertos de vidro espalhados pelo globo. Não mudando em nada a aparência dos mesmos, e em simultâneo aproveitar a energia solar de forma eficiente. Podem ser instalados em qualquer edifício.

Segundo o New York Times:

“Se as células puderem ser feitas de forma a durarem muito tempo, estes dispositivos poderão ser integrados em janelas de modo relativamente barato, já que grande parte do custo da energia fotovoltaica convencional não é da própria célula solar, mas dos materiais em que é aplicada, como o alumínio e o vidro. O revestimento de estruturas existentes com células solares eliminaria parte desse custo de material.”

Se as células transparentes, no final das contas, se mostrarem comercialmente viáveis, a energia que geram poderia compensar significativamente o uso de energia de grandes edifícios, disse o Dr. Lunt, que começará a lecionar na Universidade Estadual do Michigan neste outono.

“Não estamos a dizer que poderíamos abastecer todo o edifício, mas estamos a falar de uma quantidade significativa de energia, suficiente para coisas como iluminação e energia elétrica diária”, disse ele.

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: bastanteinteressante

Tesla começa a produzir em larga escala telhas que geram energia solar (e são mais baratas do que as telhas convencionais)

A telha solar da Tesla já foi testada, aprovada e agora está sendo comercializada em pequena escala em Fremont, na Califórnia. Além de resistente – Elon Musk garante que o produto dura mais de 50 anos! –, a tecnologia promete ser mais barata do que um modelo de telha comum.

Com tanto sucesso, a Tesla anunciou que a produção em larga escala da telha solar já tem endereço: Buffalo, em Nova York. Centenas de funcionários já foram contratados e as máquinas já foram instaladas em uma fábrica de 1,2 milhão de metros quadrados.

Leia também: Nada de gastar com ar-condicionado! A película que custa centavos e promete refrigerar as casas no verão (sem eletricidade)

A meta é produzir, em telhas, o equivalente à geração de 2 gigawatts/ano, apenas nesta primeira fábrica. A Tesla ainda não revelou a quantidade de vendas que já realizou do produto, mas garante que a demanda está alta. Ia curtir ter telhas solares na sua casa?

*Por Jessica Miwa

 

……………………………………………………………….
*Fonte: thegreenestpost

Blocos de vidro que geram energia solar prometem revolucionar a construção

Pesquisadores da Universidade de Exeter, na Inglaterra, desenvolveram blocos de vidros que possuem pequenas células solares embutidas. Imagine construir uma casa inteira usando blocos que geram energia? Um sonho que pode se tornar realidade.

Chamado Solar Squared (, eles ainda garantem isolamento térmico (o que é um problema em blocos de vidro comuns) e, ainda sim, permitem que a luz natural entre nos edifícios. Eles foram fabricados com tecnologia para garantir a máxima absorção solar.

Outra vantagem é que tais blocos de construção podem tanto ser integrados em novas construções quanto inseridos em reformas.
Foto:

“O design modular é completamente escalável e permite uma integração arquitetônica perfeita”, garantem os pesquisadores. “A natureza simplificada da tecnologia permite que ela seja incorporada em materiais de construção convencionais, o que significa que suas aplicações são inúmeras”.

A maior dificuldade até então é em relação ao preço. O professor Dr. Hasan Baig salienta que mais do que comparar com os painéis solares convencionais, é preciso agregar a economia energética que o produto vai gerar, além do valor do próprio bloco enquanto material de construção.

Os blocos estão em fase de protótipo e a equipe da Exeter aguarda uma patente sobre a tecnologia e logo começará os testes piloto.

………………………………………
*Fonte: ciclovivo

 

 

 

Empresas desenvolvem telha que substitui as placas solares

Unir sustentabilidade e beleza é um dos desafios do mercado de arquitetura. Por isso, com o objetivo de solucionar os “problemas estéticos” envolvendo as placas solares convencionais, as empresas italianas Area Industrie Ceramiche e REM aprimoraram a tecnologia e desenvolveram a Tegola Solare, uma telha cerâmica fotovoltaica, que se integra à estrutura da casa ou edifício.

Pelo fato de os painéis tradicionais serem grandes e pesados, eram alvo de reclamações de parte do público, que rejeitava os modelos alegando que não queria danificar a estética dos telhados, fator que impedia a disseminação da energia solar.

Feitas de cerâmica, as telhas possuem quatro células fotovoltaicas embutidas e a fiação segue embaixo do telhado para o conversor.

Segundo o fabricante, além de ser capaz de substituir os painéis para captação de luz do sol, a Tegola Solare pode gerar cerca de 3kw de energia em uma área instalada de 40m², ou seja, um telhado completo ou parcialmente coberto já poderia suprir as necessidades energéticas de uma casa facilmente. Entretanto, essas telhas ainda são mais caras do que as placas convencionais.

Reprodução / REM Instalação das telhas solares é igual a de qualquer outro telhado.

A Tegola Solare já faz sucesso fora do Brasil, principalmente na cidade italiana de Veneza, local onde a maioria dessas peças já foram instaladas. A Itália é um país que possui muitas casas antigas e os centros históricos têm muitas regras de preservação, logo, em algumas cidades, a colocação de painéis solares é muitas vezes proibida por lei.
Instalação

A instalação das telhas fotovoltaicas é feita normalmente, como a de qualquer outro telhado, e a área que captará a luz solar depende da necessidade do imóvel. Por isso, os fabricantes também disponibilizam o mesmo modelo em telhas comuns.

Se houver a necessidade de substituição de alguma dessas peças, o processo também é simples, devido ao aspecto modular do telhado.
Outros modelos de telhas solares

Como o mercado da arquitetura sustentável cresce cada vez mais, outras empresas pelo mundo já vinham desenvolvendo tipos de telhas solares, inclusive a própria Area Industrie Ceramiche já havia feito um modelo onde pequenos painéis fotovoltaicos eram acoplados no lado liso das peças cerâmicas. A empresa americana SRS Energy também produz uma placa em formato de telha de barro na cor azul escuro, porém, ela só é compatível com as telhas de cerâmica fabricadas por outra empresa parceira.

 

………………………………………………………
*Fonte: pensamentoverde

 

Energia solar: agora sua janela poderá se tornar um painel solar

Produzir energia limpa é um dos grandes desafios da atualidade. Algumas alternativas, como a energia solar, já existem, mas encontram barreiras como custo de implementação, o que torna seu uso absurdamente caro. Contudo, uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo tipo de receptor solar que pode resolver esse problema e popularizar a energia solar.

Esse novo receptor consiste em um dispositivo que, quando colocado sobre uma janela onde bata sol, é capaz de captar a luz e transformá-la em energia, sem que a visão através da janela fique obstruída.

Ele é chamado de “concentrador solar luminescente transparente” e pode ser usado em edifícios, aparelhos celulares e qualquer outro dispositivo que tenha uma superfície clara.

 

Energia solar acessível: um sonho que se realiza?

De acordo com Richard Lunt, da Faculdade de Engenharia da Universidade de Michigan, a palavra-chave que resume a genialidade deste dispositivo é “transparente”.

A pesquisa sobre a produção de energia a partir de células solares colocadas em torno de materiais de plástico do tipo luminescentes não é nova. Estes esforços passados, no entanto, têm rendido resultados ruins, de forma que a produção de energia era ineficiente e os materiais eram altamente coloridos. E isso trás um problema óbvio: ninguém quer ficar sentado perto de um vidro colorido. Isso torna os ambientes cansativos. A comparação que o professor Lunt faz expressa muito bem o problema: seria como trabalhar em uma discoteca. Fica difícil de popularizar uma tecnologia assim, que gera um desconforto tão imediato.

Sabendo disso, os engenheiros trabalharam para resolver esse problema, com o desafio de tornar a própria camada ativa do receptor transparente.

O sistema de recepção e armazenamento de energia solar utiliza pequenas moléculas orgânicas desenvolvidas pelo professor Lunt e sua equipe para absorver comprimentos de onda específicos e não visíveis de luz solar. Segundo eles, os materiais utilizados na fabricação desse dispositivo podem ser ajustados para captar apenas as ondas ultravioletas e outras ondas infravermelhas que tenham comprimentos de onda próximos.

O “espelho” de luz infravermelha é guiado para a extremidade do plástico, onde é convertido em eletricidade por finas tiras de células solares fotovoltaicas. Como os materiais não absorvem ou emitem luz no espectro visível, eles parecem excepcionalmente transparentes ao olho humano, explica o professor Lunt.

 

Vantagem

Além de o meio ambiente agradecer (e muito), uma outra vantagem deste novo dispositivo é a sua flexibilidade. Enquanto a tecnologia está em um estágio inicial, ela tem o potencial de ser escalada para aplicações comerciais ou industriais, com um custo acessível.

As possibilidades de implantar um sistema de energia solar de forma não intrusiva agora são muito maiores. Edifícios altos, janelas de qualquer tamanho ou qualquer tipo de dispositivo móvel podem se adaptar a essa ideia.

 

Futuro

Lunt disse que mais trabalho é necessário a fim de melhorar a eficiência de produção de energia solar. Atualmente, ela é capaz de produzir uma eficiência de conversão de energia solar de cerca de 1%, mas Lunt observou que o grupo pretende atingir eficiência acima de 5% quando a captação estiver totalmente otimizada. O valor ideal de conversão, segundo o professor responsável pelo projeto, é de 7%. [sciencedaily]

 

……………………………………………………….
*Fonte: hypescience

 

Chineses criam painéis solares que funcionam à noite

Duas universidades chinesas se uniram para desenvolver um painel solar revolucionário que promete gerar energia mesmo em dias chuva, nevoeiro e até à noite. Para isso, foi utlizado um material diferente dos tradicionais chamado de LPP (sigla em inglês para “fósforo de longa persistência”).

Com o LPP, o painel é capaz de armazenar energia solar durante o dia e as células solares continuam a produzir energia elétrica mesmo quando há pouca luminosidade. A eficiência da tecnologia está exatamente na conversão de eletricidade. “Só a luz parcialmente visível é que pode ser absorvida e convertida em eletricidade, mas esta matéria (LPP) pode armazenar energia solar a partir de luz não absorvida e próxima da infravermelha”, explica Tang Qunwei, da Universidade Oceânica da China.

Essa capacidade de gerar energia contínua durante dia e noite ganhou notoriedade em revistas científicas, que publicaram o trabalho de Qunwei e seu parceiro Yang Peizhi, professor da Universidade Pedagógica de Yunnan. Com suas equipes, os dois chegaram a um produto que promete reduzir os custos de captação de energia solar.

 

………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

SC deve ter ônibus movido a energia solar rodando ainda neste mês

O estado de Santa Catarina está bem perto de ter um ônibus totalmente elétrico e movido a energia solar. O veículo deve estar em funcionamento ainda neste mês e é fruto de uma parceria entre a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a fabricante de tecnologia para veículos elétricos Eletra.

O ônibus, do modelo Marcopolo Torino Low Entry, com plataforma Mercedes-Benz O500U Elétrico, não tem a tecnologia que transforma a energia solar em eletricidade em sua própria estrutura. No entanto, ele possui grandes baterias, que serão alimentadas pela energia solar gerada dentro de um centro na universidade.

De acordo com o informativo disponibilizado pela Eletra, o ônibus possui pouco mais de 27 metros e capacidade para transportar 37 passageiros sentados. Ele também tem rampa de acesso para os portadores de necessidades especiais, ar-condicionado, wi-fi e pontos USB.

Por ser totalmente elétrico, o veículo pode evitar a emissão de 46,8 toneladas de CO2 por ano, se comparado aos ônibus tradicionais. Isso seria o equivalente ao que 5.800 árvores conseguem resgatar no mesmo período.

O sistema de tração desenvolvido pela Eletra tem motor elétrico WEG Trifásico 250 L com 200/400 kW de potência e autonomia de até 200 quilômetros, com quatro recargas de seis minutos. O projeto de integração e tecnologia da Eletra possui baterias de tração tipo íon-Lítio (Energia de 128kW/h com oito “Packs” e tempo de recarga de 2,5h com carregador lento e 0,5h com carregador rápido).

A princípio, o ônibus elétrico será usado para fazer o transporte de alunos e professores dentro do campus da UFSC, mas a ideia é expandir o projeto para outros locais.

……………………………………..
*Fonte: ciclovivo

onibus_eletrico_sc

Santiago, Chile, deve ter o primeiro metrô do mundo movido a energia solar

O metrô de Santiago, no Chile, pode ser o primeiro do mundo abastecido a partir de energia solar. O projeto foi anunciado recentemente pela empresa SunPower, uma das patrocinadoras da ideia.

O acordo inclui o fornecimento de 300 GWk por ano de energia renovável obtida a partir do sol à companhia de metrô de Santiago. Com este projeto, o sistema de transporte público, que atende a 2,2 milhões de passageiros diariamente, pode se tornar ainda mais sustentável.

Para gerar esse montante de energia, a SunPower conta com o apoio da Total Energy, uma empresa parceira na construção de uma usina solar de alta eficiência. O projeto El Pelícano deve produzir sozinho cem megawatts de energia. A construção começa ainda neste ano e está prevista para ser concluída no final de 2017.

“Este contrato está expressando o compromisso do Chile com um mundo mais sustentável. Estamos orgulhosos da parceria com o metrô no desenvolvimento de uma nova maneira de alimentar sistemas de transporte público através de uma energia competitiva, confiável e limpa”, comentou Bernard Clément, vice-presidente sênior do setor de Negócios e Operações da Total Energy, em informativo oficial.

O sistema aplicado na usina solar é conhecido como Oasis. Trata-se de um bloco modular totalmente integrado. O formato tem implementação rápida e de baixo custo, ideal para produzir energia limpa em grande escala, sem usar muito espaço. A tecnologia ainda um processo de limpeza automatizado dos painéis, que reduz em 75% a quantidade de água usada, em comparação aos tradicionais, e ainda melhora a eficiência do sistema em até 15%.

*Fonte/Texto: ciclovivo

metro_santiago_chile

Cooler mantém bebidas geladas através de energia solar

Já imaginou ir à praia e manter bebidas, água e refrigerantes gelados dentro de um recipiente usando apenas a luz solar? Parece até contraditório que o sol é capaz disso, mas é possível, graças à tecnologia de placas solares acopladas a um cooler que captam os raios solares, mantendo a temperatura de bebidas, alimentos e medicamentos em até 5°C. No total, o reservatório comporta 114 unidades de latas de cerveja, garrafas, entre outros.

Desenvolvido por uma empresa norte-americana, o sistema do Solar Cooler consiste na captação da luz solar, através das placas fotovoltaicas, que é direcionada para o mecanismo de resfriamento e armazenamento de energia. Dessa forma existe a possibilidade de deixar o cooler em pleno sol que não terá problema. Muito pelo contrário, haverá mais energia para gelar os mantimentos.

O cooler possui outras funções, além de resfriar produtos alimentícios. Por conter uma entrada USB, você também pode recarregar celulares e notebooks com a energia excedente gerada por ele. O cooler pesa aproximadamente 13 kg e possui rodinhas que facilitam o transporte.

Esta inovação faz parte do mercado de produtos sustentáveis que usam energia limpa, e está à espera de financiamento coletivo pelo site Indiegogo. O projeto precisa de doações iniciais no valor de aproximadamente R$ 360 mil (US$ 150 mil) para começar a ser produzido. Caso receba o auxílio financeiro proposto, o cooler ecológico pode ter o preço final de R$ 2,9 mil ao consumidor.

 

cooler_energiasolar

 

 

 

 

 

 

 

 

*Fonte: pensamentoverde