Nomes tradicionais do esporte analógico estão de olho nos e-Sports

Por favor, não ouse minimizar ou muito menos chamar apenas de “videogame”. Os jogos eletrônicos, não todos – é claro – ganharam há alguns anos um novo status que transformou o que era mera diversão em esporte. É, esporte, com “E” maiúsculo, assim como o atletismo, o basquete, a natação e o futebol. O sucesso é tamanho que o comitê de candidaturas da Olimpíada de 2024, que vai ser disputada em Paris, na França, já estuda a possível inclusão dos “e-Sports” nos Jogos. Sabia dessa?!

No Brasil, o esporte eletrônico avançou algumas fases nos últimos quatro anos. O cenário que era ainda uma espécie de berçário, se profissionalizou. Hoje, com a entrada de grandes marcas, personalidades do esporte, transmissão na TV e até clubes tradicionais, o “e-Sport” ganhou maior visibilidade e, ainda melhor, credibilidade…

Diversas equipes do futebol brasileiro já entraram de cabeça no esporte eletrônico. Santos, Flamengo e Corinthians são algumas delas. Por outro lado, Ronaldo Fenômeno, ao lado de André Akari, o maior jogador de poker do país, compraram parte de uma das principais equipes do país e, claro, injetaram uma boa grana nesse pessoal. Ações como estas fortalecem o esporte e, mais do que isso, ajuda a modalidade a crescer mais rápido.

O João alcançou o sonho de muitos jovens e se tornou jogador profissional de League of Legends – o principal título do esporte eletrônico atualmente com 100 milhões de usuários em todo o mundo. Mas se profissionalizar não é pra qualquer um. Aliás, se fosse assim, imagina quantos Neymar’es não existiriam por aí. É preciso ter um certo dom, muita vontade e, principalmente, dedicação…

Apesar de ainda estar em pleno desenvolvimento, o cenário do e-Sport no Brasil – principalmente com a entrada desses clubes tradicionais e grandes patrocinadoras – está muito bem estruturado e cada vez mais profissional. Esse fortalecimento também se deve, muito, à audiência por aqui. Hoje, a estimativa é que 18 milhões de pessoas já acompanhem o esporte eletrônico no país…

E tudo é muito bem organizado e cheio de regras, assim como qualquer outro esporte. O atleta é um profissional, com: salários que variam de 4 a 15 mil reais; um time multidisciplinar, para dar todo apoio; e claro, muita cobrança também…

A maioria dos e-Atletas são bastante jovens. Mas provavelmente uma das diferenças que chama atenção é que o esporte eletrônico consegue ser ainda mais inclusivo que outros mais tradicionais. Para ter a chance de se profissionalizar pode ser Homem ou mulher… e sem limite de idade. Só precisa jogar bem – muito bem, diga-se de passagem.

*Por Renato Santino

 

………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Andrew Luck, quarterback do Indianapolis Colts, anunciou sua aposentadoria da NFL

A informação foi divulgada pelo jornalista Adam Schefter, da ESPN, e confirmada pelo jogador de apenas 29 anos, que estaria desgastado mentalmente.

“Esta não é uma decisão fácil. Eu tenho estado preso neste processo. Não tenho conseguido viver a vida que eu gostaria. Isso tem tirado a alegria de jogar o jogo… o único jeito de seguir em frente é me removendo do esporte”, disse o jogador.

Depois de deixar o campo no jogo deste sábado contra o Chicago Bears, pela pré-temporada, Luck ouviu vaias das arquibancadas. “Eu estaria mentindo se dissesse que não escutei as vaias. Machucou bastante”, afirmou.

Tido como um dos mais promissores de sua geração, Luck foi escolhido no draft da NFL em 2012. Com o peso de substituir a lenda Peyton Manning, ele conseguiu levar o Indianapolis Colts aos playoffs por quatro vezes.

Luck também foi selecionado quatro vezes para o Pro Bowl.

Após começar a ter problemas no ombro direito em 2015, ele seguiu jogando por duas temporadas antes de ser operado, em janeiro de 2017.

Luck conseguiu retornar de forma triunfal na última temporada – após 586 dias longe dos gramados – e ganhou o prêmio “Comeback Player of the Year Award”.

 

Em 2019, porém, ele reclamou de uma contusão na perna, que o fez perder quase todo o trainning camp e não participar do início da pré-temporada. Segundo Adam Schefter, o novo quarterback dos Colts é Jacoby Brissett.

Apaixonado por futebol

Andrew Luck, porém, tem uma história peculiar, longe do futebol americano. Em entrevista à revista GQ em abril de 2014, o quarterback revelou que gosta mesmo é de assistir ao futebol tradicional nos seus momentos de folga.

“Eu cresci na Europa (morou na Inglaterra e na Alemanha), e o futebol foi o primeiro jogo que eu joguei. Quando nós nos mudamos para os Estados Unidos, na quarta série, mudei para o futebol americano e parei de jogar competitivamente até a universidade, quando joguei (futebol) só dentro da faculdade”, explicou o jogador.

O pai de Andrew, o também ex-QB Oliver Luck, foi dirigente do Houston Dynamo, equipe da Major League Soccer (MLS), e o jogador dos Colts revelou ser torcedor da equipe “sempre e para sempre”. No entanto, ele afirmou que gosta de assistir a partidas de atletas norte-americanos, principalmente na Premier League.

…………………………………………………………………………….
*Fonte: espn-brasil

 

Andrew Luck (QB – Indianapolis Colts) – anunciou sua aposentadoria da NFL

Essa é uma daquelas notícias tristes do esporte. Confesso que fiquei bem surpreso. Até entendo que ele tem sofrido com seguidas lesões, mas para mim sempre foi um dos melhores QBs do futebol americano dos últimos tempos. Um expoente de uma nova geração, draftado em 2012 para substituir a lenda Peyton Manning, uma tarefa muito difícil, e deu contam do recado muito bem! E sim, tenho a  sua jersey que foi escolhida a dedo há alguns anos atrás, porque o cara pé muito phoda, joga muito, inteligente, atlético e de um raciocínio fantástico em campo, e por isso mesmo queria reverenciar isso usando a sua camisa. Fico triste com essa notícia, porque um de meus TOP 5, dos meus times preferidos da liga passou a ser o Indianápolis Colts, justamente por sua causa. Tá, também porque a camisa é azul como a cor do meu Grêmio – pronto, falei! Mas brincadeiras de lado, entendo que quem perde na realidade com a sua antecipadíssima aposentadoria é o esporte, ele tinha talento e personalidade de sobra para uma longa, sólida e prolífica carreira como QG nesse esporte.

Os motivos ainda não foram revelados (tem um histórico de muitas lesões e fala-se em desgaste), ontem fez apenas um pronunciamento e parece que haverá uma coletiva de imprensa. De qualquer forma só me resta desejar sucesso para o Andrew Luck em sua nova jornada de vida. Tomara que não se afaste em definitivo do esporte, porque pode muito bem contribuir com seu time ou com a própria NFL à beira do gramado. Vamos ver.

Só posso dizer que me sinto agradecido por ter tido a chance de vê-lo atuando e torcido pelo seu time, inúmeras vezes. Vai fazer falta. Thanks man!

Boa sorte Luck …..(tu-dum-pásh!)!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sábado de Velopark

Hoje foi dia de conferir a prova Império de Endurance Brasil 2019, na pista do Velopark. A ideia inicial era ir de moto até lá e então me encontrar com os primos Zakka e Diguinho Kern, mas o clima meio estranho de frio, céu cinza e nublado de hoje de manhã, convenhamos, não era nenhum pouco convidativo para esse tipo de empreitada. Então resolvi abrir mão e ir junto de carro com a rapaziada.

Viagem tranquila e melhor ainda quando se está acompanhado de um amigo que é simplesmente o locutor oficial das provas de “Arrancada”, na pista do Velopark. Beleza! Sim, tivemos vários privilégios em função disso e também foi interessante de ver várias pessoas pedindo para fazer uma foto junto do amigo Geferson “Zakka” Kern – o cara é ídolo por lá. Assim que chegamos fomos direto para uma visitação junto a área dos boxes das equipes, sendo que o horário oficial previsto para isso já estava quase no final, nos restando tempo apenas para uma rápida olhada em cada um dos boxes. E na real esse foi um dos altos momentos do dia, afinal não é sempre que se pode ver de pertinho um desses protótipos de endurance ou então carros clássicos como Ferraris, Mercedez, Aston Martin, Porsche, entre outros. Incrivelmente fantástico!

Depois desse rolê pelos boxes a direção encerrou o período de visitação e começaram os preparativos para a prova que seria de 3hs de duração. Teve execução dos hinos e demais cerimônias e veio a largada, daí o bicho pegou prá valer. Nessa hora fica difícil descrever aqui a sensação dos diferentes roncos dos motores, da velocidade dos carros, do tremor no chão a cada passada, das ultrapassagens e da emoção disso tudo, mas com certeza é muito bom presenciar um evento assim. Como a prova era longa é claro que também aproveitamos o tempo para fazer um lanche, trocar uma ideias com amigos e conhecidos que apareceram, bem como dar uma voltas pelos tantos recantos do território do Velopark.

Sem dúvida outro dia bem aproveitado entre tantos rpms e adrenalina. Um bom passeio com os amigos e mais um para a contabilidade da vida! Valeu.

>> Confira { AQUI } o resultado da prova de hoje.

*Abaixo algumas imagens da empreitada de hoje no Velopark: