MXDN 2018: Porto Rico anuncia equipe com Pastrana, Sipes e Ronnie Mac

Não, não é piada. Travis Pastrana, Ryan Sipes e, acredite se quiser, Ronnie Mac, irão defender Porto Rico no Motocross das Nações 2018, nos dias 6 e 7 de outubro em RedBud.

O anúncio foi feito neste sábado, 11, pela Federação de Motociclismo de Porto Rico, durante a 10ª etapa do AMA Motocross em Unadilla.

A equipe será chefiada pelo lendário ex-piloto Rick Johnson.

Ah, e todos os três estarão pilotando motos dois tempos. Nostalgia pura!

Pastrana não corre profissionalmente desde 2006, mas, de acordo com um comunicado de imprensa da equipe Nitro Circus, ele já está tirando a poeira de sua Suzuki RM250 para voltar a treinar.

– O furacão Maria devastou Porto Rico há quase um ano e, até hoje, milhares de pessoas estão sem os recursos básicos de que necessitam. Esta é uma oportunidade incrível para a comunidade do motocross retribuir e apoiar a bela ilha de Porto Rico- disse Pastrana, explicando seu envolvimento com a equipe de Porto Rico e o Motocross das Nações 2018.

– Também estou entusiasmado por fazer parte do maior evento de motocross já realizado nos Estados Unidos e dar aos caras mais velhos alguém para torcer, já que a equipe de Porto Rico terá o desafio de se classificar com motos dois tempos – finalizou.

Sipes, ex piloto do AMA Supercross e AMA Motocross, atualmente é piloto da equipe oficial de fábrica da Husqvarna no enduro e compete no Grand National Cross Country Series, o GNCC, mais importante competição off-road dos Estados Unidos.

– Correr no Motocross das Nações é um sonho realizado e uma oportunidade única na vida. Estar em um time com Ronnie Mac e um companheiro de equipe que faz backflip duplo é incrível! Mal posso esperar – disse Sipes.

Já Ronnie Mac dispensa apresentações.

Na coletiva de imprensa ele se limitou a dizer:

– Estaremos lá para vencer!

A equipe de Porto Rico irá levantar fundos através de doações diretas e vendas de produtos.

Uma parte das receitas de todas as vendas será doada para organizações porto-riquenhas que ajudam pessoas necessitadas.

As organizações serão escolhidas junto com a Federação de Motociclismo de Porto Rico, para garantir que causem o maior impacto possível.

Americanos na equipe de Porto Rico?

Todos os anos, a convocação da equipe de Porto Rico para o Motocross das Nações chama a atenção pela presença de conhecidos pilotos americanos.

Explica-se: historicamente, Porto Rico foi tomada da Espanha pelos Estados Unidos e, posteriormente, recebeu o estatuto de “estado livre associado”, o que significa que seus cidadãos também são americanos, mas com algumas ressalvas.

Até os dias atuais, Estados Unidos e Porto Rico mantém este relacionamento de longa data conhecido como metrópole-colônia.

*Por Renato Dalzochio

 

………………………………………
*Fonte: brmx

Médico alerta: É erradíssimo levantar cedo e ir logo correr

O maior risco à qualidade do sono “é a falta de respeito que há por ele”, quem faz esse alerta é a Associação Portuguesa do Sono, considerando que é necessário combater “uma cultura enraizada” na população de dormir pouco e sem regra.

Segundo o Dr. Joaquim Moita, presidente da associação, diz que a população não valoriza o sono como algo de suma importância para o bem-estar e a saúde, nos últimos anos houve aumento nos indices de doenças como a síndrome de apneia obstrutiva (49% dos homens e 25% das mulheres têm ou virão a ter) e a insónia crónica (10% dos adultos).

Ele destaca que sem qualidade no sono começam a surgir vários outros problemas, cardíacos – “em cada dez AVC, três ou quatro são em indivíduos que tem a apneia do sono”.

“Achamos que trabalhar é mais importante que dormir. Mas depois qual vai ser a rentabilidade no trabalho? O que é que se produziu do ponto de vista físico e intelectual? Se não dorme oito horas, a rentabilidade é mais baixa, e as empresas regem-se cada vez mais pela rentabilidade do que pelo número de horas”, frisou Dr. Joaquim

Além disso, o presidente da Associação Portuguesa do Sono salienta que é necessário não ir atrás de “manias e modas”, que vão surgindo, como “o disparate de levantar cedíssimo e ir logo correr – é caminho andado para um enfarte”.

Em uma sociedade cada vez mais industrializada, são poucas as pessoas que seguem a regra das 8 a 9 horas de sono diárias, a maioria da população já adquiriu hábitos e situações laborais que potencializam uma má qualidade do sono.

Normalmente, o ritmo endógeno do ser humano diz que “às 06 horas está na altura de se preparar para acordar”, produzindo cortisol (hormona associada à atividade e movimento), sendo que perto das 21 horas, começa a ser libertada melatonina (associada ao sono), que atinge o seu pico por volta das 00.00 horas, explicou.

Diante desse processo, o sol acaba sendo uma espécie de “marcador do tempo”, que ajuda a fazer a sincronização entre o ambiente e o ritimo interno de cada um.

“Então quando temos o hábito de estarmos a noite em frente ao computador, telefone celular e televisões, a emissão da luz azul acaba inibindo a produção da melatonina.”, explica Joaquim Moita.

O Coordenador do Centro de Medicina do Sono de Coimbra, explica que temos que ter o bom senso: sete a nove horas de sono, deitar-se sempre à mesma hora e procurar logo o sol (devido à produção de cortisol) e acordar sempre à mesma hora (ao fim de semana pode ter-se “um desconto de uma hora”, refere).

“Há uma hora para descansar e uma hora para estar acordado, mas as sociedades modernas não respeitam muito esses nossos relógios e ritmos. É preciso combater essa desregulação”, frisou.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

…………………………………………………………..
*Fonte: revistasabervivermais