O exercício regular pode reduzir o risco de desenvolver ansiedade em quase 60%

Uma rápida pesquisa online por maneiras de melhorar nossa saúde mental geralmente apresenta uma miríade de resultados diferentes. No entanto, uma das sugestões mais comuns apresentadas como um passo para alcançar o bem-estar – e prevenir problemas futuros – é a prática de exercícios físicos, seja uma caminhada ou um esporte coletivo.

Estima-se que os transtornos de ansiedade – que normalmente se desenvolvem no início da vida de uma pessoa – afetem aproximadamente 10% da população mundial e sejam duas vezes mais comuns em mulheres do que em homens. E embora o exercício seja apresentado como uma estratégia promissora para o tratamento da ansiedade, pouco se sabe sobre o impacto da dose, intensidade ou nível de aptidão física do exercício sobre o risco de desenvolver transtornos de ansiedade.

Para ajudar a responder a esta pergunta, pesquisadores na Suécia publicaram um estudo em Fronteiras em psiquiatria para mostrar que aqueles que participaram da maior corrida de esqui cross-country do mundo (Vasaloppet) entre 1989 e 2010 tiveram um “risco significativamente menor” de desenvolver ansiedade em comparação com os não esquiadores durante o mesmo período.

O estudo é baseado em dados de quase 400.000 pessoas em um dos maiores estudos epidemiológicos de toda a população em ambos os sexos.

Achado surpreendente entre as esquiadoras
“Descobrimos que o grupo com um estilo de vida mais ativo fisicamente teve um risco quase 60% menor de desenvolver transtornos de ansiedade ao longo de um período de acompanhamento de até 21 anos”, disse a primeira autora do artigo, Martine Svensson, e sua colega e investigador principal, Tomas Deierborg, do Departamento de Ciências Médicas Experimentais da Universidade de Lund, Suécia.

“Essa associação entre um estilo de vida fisicamente ativo e um menor risco de ansiedade foi observada em homens e mulheres.”

No entanto, os autores encontraram uma diferença notável no nível de desempenho do exercício e no risco de desenvolver ansiedade entre esquiadores masculinos e femininos.

Embora o desempenho físico de um esquiador não pareça afetar o risco de desenvolver ansiedade, o grupo de esquiadoras com melhor desempenho teve quase o dobro do risco de desenvolver transtornos de ansiedade em comparação com o grupo que era fisicamente ativo em um nível de desempenho inferior.

“É importante”, disseram, “o risco total de ficar ansioso entre as mulheres de alto desempenho ainda era menor em comparação com as mulheres mais inativas fisicamente na população em geral”.

Essas descobertas cobrem um território relativamente desconhecido para a pesquisa científica, de acordo com os pesquisadores, uma vez que a maioria dos estudos anteriores enfocou a depressão ou doença mental em oposição a transtornos de ansiedade especificamente diagnosticados. Além disso, alguns dos maiores estudos que analisaram este tópico incluíram apenas homens, eram muito menores em tamanho de amostra e tinham dados de acompanhamento limitados ou nenhum para rastrear os efeitos de longo prazo da atividade física na saúde mental.

Próximas etapas para pesquisa
A descoberta surpreendente de uma associação entre o desempenho físico e o risco de transtornos de ansiedade em mulheres também enfatizou a importância científica dessas descobertas para pesquisas de acompanhamento.

“Nossos resultados sugerem que a relação entre sintomas de ansiedade e comportamento de exercício pode não ser linear”, disse Svensson.

“Os comportamentos de exercício e os sintomas de ansiedade são provavelmente afetados por fatores genéticos, psicológicos e traços de personalidade, fatores de confusão que não foram possíveis de investigar em nossa coorte. São necessários estudos que investiguem os fatores que impulsionam essas diferenças entre homens e mulheres quando se trata de comportamentos de exercício extremo e como isso afeta o desenvolvimento de ansiedade. ”

Eles acrescentaram que estudos randomizados de intervenção, bem como medidas objetivas de longo prazo de atividade física em estudos prospectivos, também são necessários para avaliar a validade e causalidade da associação que relataram.

Mas isso significa que esquiar em particular pode desempenhar um papel importante em manter a ansiedade sob controle, ao contrário de qualquer outra forma de exercício? Não é bem assim, disseram Svensson e Deierborg, visto que estudos anteriores também mostraram os benefícios de manter a forma em nossa saúde mental.

“Achamos que esse grupo de esquiadores cross-country é um bom indicador para um estilo de vida ativo, mas também pode haver um componente de estar mais ao ar livre entre os esquiadores”, disseram eles.

“Estudos com foco em esportes específicos podem encontrar resultados e magnitudes ligeiramente diferentes das associações, mas isso provavelmente se deve a outros fatores importantes que afetam a saúde mental e que você não pode controlar facilmente em análises de pesquisa.”

………………………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

O exercício simples que você pode fazer em casa para turbinar seu cérebro

Você quer entrar em forma e aumentar sua capacidade intelectual?

Se você escolher seu exercício com cuidado, poderá obter o melhor dos dois mundos.

Novas pesquisas sobre os benefícios dos exercícios de resistência mostram um imenso impacto positivo para nossos músculos, coração e cérebro.

Dois deles são bastante simples, e muitos podem fazê-lo agora, em casa: a flexão e o agachamento.

Flexões e seu coração

As flexões são ótimos exercícios porque treinam o corpo todo, não requerem nenhum equipamento e podem ser feitas facilmente em qualquer lugar e a qualquer hora.

Um estudo recente nos EUA envolvendo mais de 1.100 bombeiros e com duração de mais de dez anos descobriu que as flexões eram uma das melhores formas de prever o risco de doença cardíaca – acima e além de outros tipos de exercícios de peso corporal.

Aqueles que conseguiam fazer 40 flexões ou mais de uma vez só quando tinham 30 e poucos anos tinham muito menos chance de sofrer um infarto nos dez anos seguintes do que aqueles que não conseguiam chegar a dez flexões.

Embora os mecanismos exatos ainda não estejam claros, as flexões parecem particularmente adequadas para dar ao seu sistema cardiovascular um bom treino.

Como com qualquer exercício, é fundamental começar de maneira gradual para não se machucar. Dá para começar fazendo de joelhos. Se você tiver algum problema de saúde relacionado às costas, fale com seu médico antes de adicionar o exercício na sua rotina.

Além das flexões, há um outro exercício que você pode (e deve) adicionar ao seu dia: o agachamento.

Os agachamentos são usados ​​repetidamente por treinadores como uma ótima maneira de melhorar a força e a estabilidade.

Eles trabalham vários grupos musculares, das panturrilhas e quadríceps aos abdominais e glúteos. Mas pesquisas recentes sugerem que eles podem ter outro benefício mais surpreendente…

Agachamento e seu cérebro

O agachamento é um dos melhores exercícios para melhorar a função cerebral.

“Você não precisa ficar bufando e se esforçando muito na academia para atingir certas partes do cérebro”, explica o professor Damian Bailey, professor de fisiologia e bioquímica da Universidade de South Wales, no País de Gales (Reino Unido).

“Você pode fazer alguns pequenos exercícios legais que realmente não fazem parecer que você está se exercitando e que estimulam o cérebro de forma notável. É uma forma de se exercitar de maneira inteligente.”

Bailey descobriu que apenas três a cinco minutos, três vezes por semana, podem ser ainda melhores para o cérebro do que 30 minutos de exercícios como corrida ou caminhada.

Em um experimento, Bailey conectou um equipamento de medição de fluxo sanguíneo aos cérebros dos participantes enquanto faziam agachamentos.

Ele diz que o som do fluxo sanguíneo foi a primeira pista de por que os agachamentos podem estar tendo um efeito tão grande no cérebro.

“Eles não pareciam estar fazendo muito, mas era possível ouvir uma enorme quantidade de sangue movendo-se para o cérebro.”

Ao agachar, você move a cabeça para cima e para baixo contra a gravidade. Seus vasos sanguíneos tentam atenuar as mudanças na pressão sanguínea e agem como amortecedores para o cérebro.

Conforme você sobe e desce, o fluxo sanguíneo aumenta e diminui drasticamente. “É realmente notável”, declara Bailey.

Ele descobriu que esse tipo único de fluxo sanguíneo no cérebro era o responsável pelos benefícios.

O agachamento aumenta o fluxo sanguíneo para diferentes partes do cérebro, incluindo o hipocampo. Quando envelhecemos, o fluxo sanguíneo para o hipocampo diminui, e isso está ligado ao declínio cognitivo.

Libere os “bons soldados”

Os vasos sanguíneos estão longes de ser tubos inertes ou um tipo de encanamento.

Cada vaso sanguíneo tem sua própria camada interna viva que responde a mudanças a coisas como o fluxo sanguíneo e libera uma grande quantidade de produtos químicos.

À medida que seus vasos trabalham duro para manter o cérebro bem suprido de oxigênio, as células do revestimento interno vivo liberam boas moléculas que agem como fertilizantes para o cérebro.

Esses “bons soldados”, como Bailey os chama, se movem para o tecido cerebral e estimulam novas conexões, novos neurônios, novas células, trabalhando em última instância para torná-lo um pouco mais inteligente.

Em outras palavras, como diz Bailey, “os agachamentos podem levar ao crescimento de novas células cerebrais”.

Ao adicionar mais agachamentos em sua rotina, você pode maximizar a liberação desses bons soldados e levar ao crescimento de novas células cerebrais.

Nunca é tarde para começar

Se você não tem feito muito exercício, não se preocupe, porque aqueles que não estão em forma obtêm os maiores benefícios para o cérebro com esse exercício.

Isso porque seus cérebros não estão tão acostumados a amortecer as mudanças no fluxo sanguíneo. Quanto mais flutuações no fluxo sanguíneo, mais substâncias químicas boas são liberadas.

E há mais uma coisa que você pode fazer se quiser dar um passo adiante e realmente colocar esses bons soldados em ação…

Ouvir música, ler, concentrar-se em um podcast ou mesmo assistir TV enquanto faz os agachamentos pode otimizar o ganho.

“É o golpe duplo” – a mistura perfeita para manter os bons soldados em ação.

Então, tente adicionar algumas flexões ou agachamentos à sua rotina diária.

Para Bailey, a combinação perfeita são exercícios aeróbicos com exercícios de resistência.

Enquanto estiver fazendo isso, por que não tentar ouvir um podcast ou ler um livro? Seu cérebro certamente agradecerá por isso.

*Por Michael Mosley
………………………………………………………………………………………………..
*Fonte: bbc-Brasil

Estudos comprovam benefícios da caminhada

Pesquisadores reuniram um conjunto de estudos sobre os efeitos da caminhada e os resultados comprovam os efeitos positivos que a atividade traz. Caminhar pode literalmente somar anos à sua vida e, caminhar depois das refeições, em especial, é uma prática que ajuda a combater distúrbios metabólicos crônicos.

Pessoas que deram 8 mil passos por dia tiveram 51% menos risco de morte do que aquelas que deram 4 mil. Além disso, a pesquisa encontrou um efeito cumulativo e dependente da dose na pessoa, já que aqueles que caminharam 12 mil passos ou mais tiveram um risco de morte 65% reduzido.

O estudo envolveu cerca de 5 mil participantes que usaram pedômetros por três anos e tiveram as circunstâncias de morte foram monitoradas pelos cientistas.
Estudo sobre os benefícios da caminhada envolveram 5 mil participantes analisados durante 3 anos.

Caminhar pela vida

O movimento físico, não o exercício no sentido mais tradicional associado a treinos e esportes, ajuda a garantir um corpo forte e saudável. Conclusões científicas sugerem fortemente que as pessoas se movimentem mais, pois uma pequena mudança de hábitos pode fazer toda a diferença.

No caso dos participantes do estudo, os passos nem sempre ocorreram em longas caminhadas, mas também em atividades rotineiras como tarefas domésticas ou trocar o elevador pelas escadas quando possível. Outra dica é usar a caminhada como meio de transporte e, quando não for possível, estacionar o carro mais longe ou descer antes do ônibus ou do trem.

A taxa de mortalidade diminui, independente dos passos dados serem consecutivos ou intensos. Ou seja, é possível conquistar alguns benefícios da caminhada sem que seja necessário andar longas distâncias ou manter um ritmo acelerado.
A pesquisa tem resultados simples: ande e viva mais; exercite-se e viva mais ainda.

Doenças crônicas

De acordo com a pesquisa, a caminhada pode ajudar a prevenir e amenizar sintomas de doenças crônicas, especialmente se a caminhada for feita depois das refeições. A caminhada após o jantar foi especialmente benéfica para melhorar todos os indicadores de doenças cardiometabólicas.

Um estudo chinês descobriu ainda que diabéticos do tipo 2 descobriu que a média e o pico de glicose no sangue pós-refeição caíram por 12 horas após refeição, depois que os pacientes passaram a caminhar em uma esteira a 60% da frequência cardíaca máxima por apenas 20 minutos após o jantar.

Já pessoas com doença de gastrite e refluxo que incluíram a caminhada após o jantar ao invés de sentar, tiveram uma diminuição de sintomas de aproximadamente 12%. Em outro estudo, 64 pacientes apresentaram bons resultados no tratamento da função hepática com caminhadas após as refeições.

Além dos benefícios físicos, a caminhada é uma oportunidade de estar com quem gostamos, desfrutar momentos na natureza e conhecer novos lugares.

Bem estar físico e mental

Além de ser uma atividade física que traz benefícios diretos à saúde do corpo, caminhar é uma oportunidade de conhecer novos lugares, entrar em contato com a natureza e interagir com as pessoas de quem gostamos.

Uma boa caminhada pode somar anos à vida das pessoas, como demonstrado no estudo, e também tornar estes anos mais prazerosos.

*Por Natasha Olsen

………………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Hiking e trekking: explore ao máximo essas atividades outdoor

Gosta de aventuras e explorar novos caminhos a pé? Sozinho ou em grupos, há diferentes tipos de trilhas, modalidade e preparação para cada uma delas

Os apaixonados por aventuras em trilhas a pé têm um leque de atividades para explorar, principalmente em um país privilegiado por sua natureza como o nosso. Trajetos entre montanhas, rios e praias são opções de destinos buscados para hiking e trekking.

Um estudo realizado pela empresa de previsão de tendências WGSN e divulgado pelo jornal The Thelegraph mostra que a caminhada já está substituindo a ioga como a nova atividade fitness, por motivos simples: contato com a natureza como válvula de escape do estresse e benefícios para a saúde.

Mas até mesmo os mais experientes precisam de uma preparação antes de colocar a mochila nas costas e desbravar o mundão a pé. Já para os iniciantes, é necessário saber algumas informações sobre essa modalidade de esporte outdoor. Confira.

Hiking ou trekking?

Se você é um interessado por caminhadas em trilhas já deve ter ouvido falar desses dois termos. Os dois são relacionados a exploração de trilhas, geralmente em ambientes naturais, mas há diferenças entre eles.

A prática do hiking consiste em uma caminhada ao ar livre, sem obstáculos, em uma trilha demarcada. Geralmente não é necessário a orientação de um guia, acontece dentro de parques e não exige muito preparo físico.

Os percursos são estruturados para essa modalidade com pontos de parada para alimentação e acesso à água e banheiros, por isso é bastante indicado para aqueles que desejam iniciar um contato com a natureza.
Trekking pelas montanhas MundoMIT
Uma das recompensas do trekking é o cenário ao final da trilha

Já o trekking envolve esforço físico e superação, realizados em trajetos com vários tipos de obstáculos naturais. Uma ressalva: trekking nem sempre montanhismo. Ele pode ser feito em qualquer território, desde que tenha as condições para a prática, e uma das recompensas sempre é um cenário de tirar o fôlego.

Por fim, as aventuras costumam durar mais de um dia, pernoitando em meio à natureza, seja em alojamentos preparados ou em barracas próprias.

Tipos de trekking

O trekking pode ser dividido em quatro modalidades: individual, em que o atleta organiza seu próprio roteiro e equipamento; organizado, realizado por uma empresa especializada e envolve um grupo de praticantes (indicado para os iniciantes); assistido, onde o praticante é responsável por contratar uma equipe de suporte para auxiliá-lo; e o de competição, organizado por empresas que estabelecem o tipo de trekking da prova, com tempo de duração e postos de controle.

Equipamentos e acessórios para hiking e trekking

Para o hiking, é aconselhável o uso de roupas leves e que secam rapidamente, tênis ou bota para trilha (pois oferecem mais estabilidade e proteção), boné, capa de chuva, protetor solar, óculos escuros e uma pequena mochila para carregar blusa para frio, comida e água para eventualidades.
Equipamentos e acessórios para praticar trekking e hiking
O trekking exige os mesmos equipamentos do hiking, com o acréscimo de mais alguns itens, como itens de primeiros socorros e uma mochila mais preparada

Já o trekking vai exigir os mesmos equipamentos e acessórios do hiking, além de alguns extras, principalmente no que diz respeito à mochila (por exemplo aquelas do tipo cargueira), barraca ou saco de dormir se for acampar, e outros igualmente importantes, como lanterna de cabeça, equipamentos de orientação (bússola, GPS e mapas da região), kit de primeiros socorros e produtos de higiene pessoal.

Agora que você já conhece as diferenças entre as modalidades de trilhas a pé, falta apenas decidir onde ir. Mas lembre-se: antes de iniciar a atividade, faça um check-up com um médico e sempre utilize equipamentos e acessórios de qualidade. Depois é só se divertir.

 

……………………………………………………………………
*Fonte: mundomit

Onde está sua bicicleta?

A bicicleta está bem distante de ser o principal meio de transporte no Brasil. No entanto, estudo feito em 2016 em algumas capitais brasileiras revela, entre outras coisas, que mais de 60% das pessoas gostariam de usar esse modal para ir ao trabalho. No entanto, ainda sentem falta de segurança, de respeito dos motoristas e de ausência de estrutura nas empresas. Esse é um dado importante que nos incentiva a discutir cada vez mais a mobilidade urbana, em especial em metrópoles como São Paulo.

Cidades orientadas somente ao veículo automotor não fazem mais sentido. A bicicleta deve se tornar mais uma alternativa diante do caos instaurado no trânsito diário. Para distâncias de até cinco quilômetros nas áreas urbanas mais densas das cidades, há pesquisas que constatam que a bicicleta é o modal mais rápido, podendo chegar a uma velocidade entre 12 e 15 km/h.

Incentivar o seu uso, portanto, é pensar em cidades mais inclusivas e com qualidade de vida. Para a ONU, a bicicleta é o transporte mais sustentável do mundo. Além disso, essa prática faz bem para o meio ambiente. São múltiplos benefícios, imediatos e em longo prazo: redução dos congestionamentos e do barulho, melhoria na segurança viária e diminuição significativa da poluição do ar e nas emissões de gases de efeito estufa.

O uso da bicicleta é uma tendência mundial e alguns locais já estão bem desenvolvidos em relação às ciclovias. Em Tóquio e na Holanda, por exemplo, 25% dos trajetos diários são feitos de bike. No Brasil ainda estamos engatinhando nesse assunto, mas iniciativas e pesquisas mostram que há uma demanda ainda mal explorada.

Engana-se quem acha que a introdução da ‘cultura da bicicleta’ deve ser construída prioritariamente pelos órgãos públicos. O incentivo ao uso do modal é responsabilidade de todos. As empresas que adotam o transporte em duas rodas demonstram maior comprometimento com toda a sociedade e podem se tornar referência para outras.

Pedalar faz bem para o planeta, para o bolso e para a saúde, além de aproximar as pessoas. Duvida?

Experimente tirar a sua bike da garagem. Experimente pedalar pelo seu bairro, pela cidade. Incentive o uso do modal na sua casa, nas empresas e nas escolas. É com pequenos gestos que iremos desenvolver mais fortemente essa cultura em nossas comunidades. É um grande desafio que vale a pena. Você pode começar hoje!

 

………………………………………………………………………………….
*Fonte: pensamentoverde/Leonardo Lorentz