Afinal, porque é tão difícil adotar uma vida saudável? A ciência responde

Hábitos tidos como importantes para se levar uma vida saudável são relativamente conhecidos da população em geral. Contudo, mesmo tendo um “mapa do tesouro”, para a maioria das pessoas é muito difícil mudar os hábitos e passar a se alimentar melhor e fazer mais atividades físicas.

Apesar de uma vida saudável ser algo que pareça individual, os comportamentos ruins relacionados à saúde podem causar um problema social sério no futuro. Estima-se que em 40 anos, seja necessário que uma em cada três pessoas precisem trabalhar com saúde para suprir a demanda.

Estimativas assustadoras

Estima-se que em 2060 a demanda necessária para atender a população seja de que um em cada três pessoas seja um profissional de saúde. Crédito: CC0/Domínio Público
Para efeito de comparação, hoje, apenas uma a cada sete pessoas trabalha na área da saúde, sendo que a preparação para atuar neste campo é bastante complexa e morosa. Porém, este problema tem uma possível solução amplamente conhecida, a adoção de uma vida saudável.

Mas se parece tão simples na teoria, por que é tão difícil para tanta gente mudar de hábitos? A resposta está em nosso cérebro. A dificuldade de mudar de hábitos vai desde alguns mitos, derrubados pela ciência, mas que ainda acreditamos, até em não sermos tão fortes quanto pensamos.

Não é só saber o que fazer
Um desses mitos é o de que basta um médico nos dizer que reduzir o peso corporal vai resolver uma série de problemas de saúde existentes e futuros. Hoje, se sabe muito mais sobre os benefícios da atividade física, por exemplo, do que formas de incentivar as pessoas a se exercitar.

Isso pode querer dizer que existe um clima geral de muito otimismo em relação à autossuficiência das pessoas com a saúde. Ou seja, o pensamento hegemônico é de que basta sabermos os benefícios de algo, sem necessariamente descobrir como convencer as pessoas sobre como adotar esse hábito.

Existe um ditado popular que diz que “de boas intenções, o inferno está cheio”, e boas intenções não são só as que são direcionadas para terceiros. Muitas vezes, nós temos boas intenções para nós mesmos, como comer menos doces ou a velha resolução de ano novo de perder alguns quilos.

“Fraqueza de vontade”

Preparar alimentos saudáveis é mais trabalhoso do que optar por alimentos como fast food, por exemplo. Crédito: CC0/Domínio Público
Porém, só boas intenções não são suficientes para ter uma vida saudável, já que hábitos saudáveis são trabalhosos. Por exemplo, é muito mais difícil levar uma marmita com uma comida caseira do que simplesmente passar em um fast food ou pedir algo no delivery na hora do almoço.

Isso acontece porque a zona de conforto não tem esse nome à toa, ela é bastante confortável. Por mais que tenhamos muita força de vontade, só isso, pode não ser o suficiente para ter uma vida mais saudável.

Prestar atenção em tudo
O desenvolvimento de uma rotina é fruto de uma série de normas e hábitos, desde a distância entre a casa e o trabalho, até o modal de transporte usado para fazer esse trajeto. Sendo assim, mudar toda uma rotina para ter hábitos melhores pode precisar de muito mais do que “só” força de vontade.

A maior parte das escolhas que fazemos no nosso dia-a-dia não é exatamente consciente, mas numa espécie de “piloto automático”. Isso significa que a maior parte da nossa rotina acontece sem que estejamos exatamente prestando atenção naquilo que nós estamos fazendo.

Porém, a adoção de hábitos que levem a uma vida saudável depende de prestarmos bastante atenção em cada passo que estamos tomando e, caso eles possam nos prejudicar, fazer um esforço, esse sim, consciente e até mesmo “antinatural” para mudá-los.

*Por Kaique Lima
………………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Estudo revela quanto se exercitar para compensar as horas sentado

Muitos empregos exigem horas a fio de trabalho sentado em frente ao computador. Com a pandemia e o aumento do home office, muitos trabalhadores passaram a ficar ainda mais tempo em casa: da cadeira do escritório para o sofá, do sofá para a cama. Um ciclo sedentário altamente prejudicial à saúde. Mas, o que é possível fazer para amenizar esta questão? Um novo estudo revela que é possível “neutralizar” o tempo sentado com exercícios físicos.

Publicado no jornal acadêmico British Journal of Sports Medicine, que cobre ciência e medicina esportiva, o estudo aponta especificamente que é preciso de 30 a 40 minutos de atividade física moderada a vigorosa. Incluir essa mudança na rotina pode prolongar a expectativa de vida.

A pesquisa buscou examinar a associação entre atividade física, tempo sedentário e mortalidade. Para isso, realizou uma meta-análise de nove estudos anteriores de quatro países. Foram acompanhados 44.370 homens e mulheres, de quatro a 14 anos, sendo que 3.451 participantes morreram ao longo deste tempo.

Todos os indivíduos registraram suas atividades em rastreadores de condicionamento físico, eliminando parte do risco de parcialidade ou erros por meio de autorrelato. Em todos os dados, a atividade moderada a vigorosa foi inversamente correlacionada com o risco de morte para aqueles que levaram uma vida mais sedentária. Ou seja, este é mais um estudo que confirma que pessoas que se exercitam menos correm mais risco de morte.

“Maior tempo de sedentarismo está associado a maior mortalidade em indivíduos menos ativos. Cerca de 30 a 40 minutos por dia atenuam a associação entre o tempo sedentário e o risco de morte, que é menor do que as estimativas anteriores”, conclui o estudo.


Mais tempo em casa = mais sedentarismo

O home office eliminou uma parte importante do trabalho no escritório: levantar para tomar um café, uma água e até bater papo com o colega. Entretanto, tem contribuído para trabalhadores se manterem seguros em casa, em meio à pandemia, sem perderem suas fontes de renda. De forma que a melhor alternativa é buscar o equilíbrio. Fazer paradas ao longo do trabalho para se movimentar é importante assim como encaixar na rotina um tempo para se exercitar fora de casa, seja andando de bicicleta, corrida ou mesmo uma simples caminhada. Dentro de casa, as tarefas domésticas de limpeza e o cuidado com a horta também contam como atividades. Além da saúde do corpo, a atividade física é essencial para a saúde mental.

Segundo a OMS, até 5 milhões de mortes por ano poderiam ser evitadas se a população em todo o mundo fosse mais ativa. “A atividade física regular é fundamental para prevenir e controlar doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer, bem como para reduzir os sintomas de depressão e ansiedade, reduzir o declínio cognitivo, melhorar a memória e exercitar a saúde do cérebro”, afirma o órgão da ONU.

Atenta aos efeitos da população passar mais tempo em casa, a OMS lançou em 2020 novas diretrizes sobre atividade física. A recomendação é de pelo menos 150 a 300 minutos de atividade aeróbica moderada a vigorosa por semana para todos os adultos e uma média de 60 minutos por dia para crianças e adolescentes.

*Por Marcia Sousa
……………………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Exercícios isométricos: em forma sem mover um músculo

Gerar uma grande tensão muscular ativa fibras que o treinamento dinâmico habitual não estimula

Treinar os músculos é pura aritmética de forças opostas. Se o exercício é dinâmico, uma força ganhará de sua contrária: o haltere se eleva porque você faz uma força maior que seu peso, corre porque sua força é maior do que a que te retém contra o solo, salta porque utiliza uma força maior do que a da gravidade e cai após um salto com vara porque a gravidade acaba ganhando a partida. Mas também existe a possibilidade de que as duas forças sejam idênticas e contrárias. Empurre uma parede e mantenha um livro com o braço flexionado em um ângulo de 90 graus. Você se cansa? É porque está fazendo um exercício conhecido como isométrico, não está movendo nada, mas os músculos estão tensionados. “É um tipo de treinamento em que um estímulo ativa as placas motoras (fibras nervosas associadas ao tecido muscular) e há uma contração muscular, mas as articulações não se movem”, diz Antonio López, personal trainer.

Bons exemplos de exercício isométrico são a prancha abdominal e o agachamento estático, nos quais a força para nos manter rente ao chão se equilibra com a da gravidade. A soma de ambas as forças é zero e não há deslocamento possível, mas sim uma ampla utilização de energia. “De acordo com a intensidade da força contrária, o requerimento de força muscular pode ser muito alto para manter os segmentos (as diferentes partes do corpo) em uma posição estática”. Para executar bem o primeiro exercício é preciso “manter as curvas anatômicas das costas e a tensão abdominal e lombar, mas também respeitando a tensão na área das escápulas e dos ombros, é necessário descolar o peito do corpo sem “elevar” as escápulas (fazer com que subam). “No caso dos agachamentos, é preciso apoiar as costas na parede e sentar-se no ar, como se estivesse em uma cadeira imaginária. Para aumentar a tensão pode fazê-los nas pontas dos pés, e apoiar-se em uma só perna. O objetivo é trabalhar os glúteos e quadríceps.

Outros exercícios isométricos são empurrar uma parede —fique diante dela, estenda uma perna e flexione-a, como para fazer um lunge. Estenda os braços, apoie as palmas das mãos na parede na altura do peito e empurre. Trabalhará o peito. Se dobrar os braços, ativará a musculatura do ombro—, a flexão estática. “Em vez de subir e descer, elevamos os braços e mantemos a postura. Depois dobramos os braços e voltamos a mantê-la. Ativaremos o tríceps em diferentes níveis de movimento”. Evidentemente, o abdômen precisa ficar como uma pedra para manter a pélvis elevada (e a barra estática) se pendure na barra, com os braços dobrados em ângulo de 90º e segure. Trabalhará trapézio, peitorais e deltoides, entre outros.

Sete vantagens de fazer isométricos e três precauções
Tendemos a pensar que, por não ocorrer deslocamento corporal, o exercício é menos lesivo, mas não é verdade. “Um alinhamento errado dos segmentos corporais, uma posição errada ao segurar um haltere estaticamente e tentar levantar mais peso do que podemos sustentar também pode provocar estiramentos e rompimentos”. Outro erro comum é o de segurar a respiração (um processo que está relacionado à memória). “Não é preciso fazê-lo. Inspirar e expirar normalmente não interfere na execução do exercício e assegura o envio de oxigênio aos músculos”. E, esteticamente, um rosto congestionado enquanto se executa uma prancha não dá uma boa imagem de si mesmo.

Uma precaução importante. A Fundação Espanhola do Coração não aconselha praticar exercícios isométricos se a pessoa for hipertensa. “O esforço isométrico eleva a pressão arterial pela compressão exercida pela tensão dos músculos sobre sua própria circulação. Ela aumenta em função do grau de tensão e, quando a intensidade do esforço está acima de 70% da força máxima voluntária, a circulação no músculo ativo é praticamente nula. Pelo efeito da compressão, aumentam o retorno venoso, a frequência cardíaca e a força de contração do coração. Tudo isso causa um aumento da pressão arterial”.

Sobre os motivos para se apostar nos exercícios isométricos, esses são os que devemos prestar atenção.


É perfeito para complementar o trabalho dinâmico

O trabalho dinâmico bem feito estimula igualmente todos os momentos do movimento. Em um dia comum na academia, a não ser que você seja um especialista, algumas partes são mais trabalhadas do que outras porque tendemos a acelerar, soltar e oscilar nas posições mais complicadas. “Compatibilizar os isométricos com dinâmicos em certos níveis de movimento permite trabalhar ao máximo esse músculo. Um claro exemplo é o curl de bíceps (é o trabalho mais conhecido com esse músculo: o haltere (ou a barra) é pego com o braço estendido, o braço é dobrado pelo cotovelo até chegar ao ombro e volta a ser baixado. É feito com as costas retas, olhando para a frente e com as pernas ligeiramente flexionadas, enquanto os braços sobem ao mesmo tempo (ou alternadamente). Normalmente, o momento de extensão máxima passa rápido. Isso significa que toda a ativação desejada não ocorrerá. Se alternarmos com um curl isométrico, entretanto, garantiremos a plena ativação nesse nível de máxima extensão”. Segure o haltere com um braço e execute o exercício habitual de estender e subir. Com o outro, segure outro haltere, estenda o braço em um ângulo de 90° graus e mantenha-o em tensão enquanto executa a série com o braço contrário.

Estimula fibras musculares mais profundas
Para executar corretamente um exercício é preciso comprimir bem os músculos. Tudo o que for possível nessa postura. Até mesmo esses que normalmente passam desapercebidos. “As contrações dinâmicas habituais trabalham muito bem as estruturas musculares grandes, como bíceps e peitorais. Com os isométricos podemos controlar a ativação de musculaturas mais profundas, que outros exercícios não estimulam o suficiente”.

Controla a ativação muscular
Com exceção dos especialistas, o mortal comum tende a usar a inércia para completar os movimentos de cada exercício. Acontece quando se faz muito esforço para levantar um peso. No começo se faz conscientemente e lento, mas, à medida que se ganha velocidade, termina como pode. Se depois é preciso baixar, não é incomum ver na academia alguém jogando o peso. “Nos exercícios dinâmicos acontece com frequência que a pessoa não controla bem a força exercida nos diferentes níveis do movimento (as diversas posições adotadas pelo corpo durante o exercício). Em isometria, por outro lado, a tensão nesse determinado segmento é constante e mais consciente. Na prancha, por exemplo, podemos sentir quais músculos estamos ativando”.

Há uma grande variedade para escolher
É possível aplicar modificações em um mesmo exercício simplesmente mudando a posição dos membros. Por exemplo, pegar o haltere com o braço em diferentes angulações para fazer o curl de bíceps. “A mesma coisa com a prancha abdominal. Há poucos anos se tornou moda o ‘desafio do plank’: fazer a prancha e aguentar o máximo que puder. É absurdo. Muito mais produtivo é mantê-la bem e com a postura correta durante 30 segundos, descansar e mudar de postura. Faça uma prancha lateral, a prancha levantando uma perna, levantando o joelho para a frente e para trás enquanto suporta a tensão abdominal, alternando o apoio sobre as duas mãos, incorporando um fundo entre pranchas… A questão é evoluir o estímulo. Assim evitamos a fadiga e ampliamos as fibras musculares que entram em ação. Quando há fadiga já não se trabalha o músculo desejado”.

Ativa a musculatura estabilizadora
Nem todos os músculos têm por função implementar o movimento. Alguns estabilizam um determinado setor corporal para que possamos manter a postura adequada. “Por exemplo, em um isométrico de ombro se ativa a cintura escapular. Trabalhamos o músculo angular da omoplata e o serrátil que farão com que a escápula se mantenha firme em seu lugar”.

Melhora a força, e prepara para aumentar volume
Ao exercer tensão no músculo, acabamos por fortalecê-lo. “Não são exercícios ideais se o que se pretende é a hipertrofia, mas criam uma base para poder realizar os exercícios específicos para hipertrofiar com menos risco de lesão, já que o músculo estará pronto para suportar cargas altas e executar o movimento em diferentes níveis com garantias”.

Traz uma maior tolerância à dor
A dor costuma ser uma companheira de viagem inevitável com o passar dos anos. Há estudos que demonstram que os exercícios isométricos elevam o limite da dor em pessoas acima dos 60 anos, e com uma população cada vez mais envelhecida parece necessário que tenham cada vez mais atenção.

*Por Salome Garcia
……………………………………………………………………………………………………
*Fonte: brasil-elpais

Falta de exercício físico gera nova ameaça mundial, alerta estudo

Fazer exercício físico ou praticar algum esporte traz benefícios enormes, não só em nível físico, mas também mental. Reduz o risco de sofrer doenças cardiovasculares, a pressão arterial e o estresse, ajuda a controlar o colesterol e nos faz descansar melhor. Entretanto, nos últimos anos a luta contra o sedentarismo se estagnou, conforme publicou a revista The Lancet em uma série de três artigos sobre o tema. Em nível global, os problemas decorrentes da falta de exercício físico e o sedentarismo são responsáveis por mais de cinco milhões de mortes por ano, além de acarretarem gastos sanitários superiores a 280 bilhões de reais ―dos quais mais de 160 bilhões provêm do setor público.

Os dois primeiros estudos se centram nos jovens de até 24 anos e nas pessoas com alguma deficiência, dois grupos populacionais cruciais. O primeiro, pelo triplo benefício gerado pela prática esportiva: ter uma melhor saúde hoje, no futuro e na geração seguinte. No caso das pessoas com deficiências, elas enfrentam maior risco de sofrer problemas cardíacos, diabetes ou obesidade, por isso fazer atividade física é uma forma simples de se proteger. O terceiro trabalho analisa as políticas esportivas que acompanharam a realização dos Jogos Olímpicos nos últimos anos e o efeito que tiveram na rotina dos cidadãos do país onde elas ocorreram.

Segundo a publicação, o nível de atividade física nos adolescentes permanece estagnado desde 2012, e 80% dos jovens não seguem a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de fazer uma hora de exercício físico por dia. Cerca de 40% dos estudantes nunca vão a pé para a escola, e 25% passam mais de três horas por dia sentados depois de assistirem às aulas e fazerem a lição de casa. O estudo também analisa o uso de telas entre os jovens de 38 países europeus: em média, 60% dos meninos e 56% das meninas passam mais de duas horas por dia vendo televisão, e 51% dos meninos e 33% das meninas dedicam mais de duas horas por dia a jogar videogame. Para Esther van Sluijs, autora desse primeiro estudo, “os dados sugerem que o uso de telas está substituindo outras atividades sedentárias, como ler livros e revistas ou ouvir rádio, mas não necessariamente substitui a atividade física”.

Os problemas decorrentes da falta de exercício físico e o sedentarismo são responsáveis por mais de cinco milhões de mortes por ano, além de acarretarem gastos sanitários superiores a 280 bilhões de reais com saúde
No caso das pessoas portadoras de deficiência, os pesquisadores determinaram que sua chance de não seguir as recomendações sobre a atividade física diária são entre 16% e 62% maiores. É uma margem grande, que depende da renda nacional, do sexo e do nível e quantidade de deficiências de cada indivíduo. “Precisamos de mais estudos centrados em pessoas com deficiências, assim como políticas concretas e coesivas para assegurar que os direitos destas pessoas se mantenham e que se permita a elas participar de atividades físicas”, diz em nota Kathleen Martin Ginis, da Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) e uma das autoras.

O trabalho lamenta que os grandes eventos esportivos (principalmente os Jogos Olímpicos, embora também se mencione a Eurocopa e a Copa América de futebol realizadas há poucas semanas) não sejam usados pelos países organizadores para promover a prática esportiva por parte da população. Com exceção dos Jogos de 2008 em Pequim (China) e os de Inverno de 1998 em Nagano (Japão), em nenhum país organizador a participação popular em atividades esportivas cresceu. “Os grandes eventos fazem as pessoas se interessarem por exercício, mas alguns podem achar que esse esporte está acima das suas capacidades ou das suas habilidades, por isso temos que oferecer programas para pessoas de todas as idades e níveis de atividade”, propõe Adrian Bauman, pesquisador da Universidade de Sydney (Austrália) e um dos autores desse trabalho.

A The Lancet também menciona a pandemia como uma oportunidade perdida para o esporte. Apesar de ter se tornado uma atividade essencial em alguns países durante o confinamento, os governos não aproveitaram esse interesse crescente. “As primeiras campanhas governamentais durante a pandemia da covid-19 motivavam o público a sair e fazer exercício. Por que então os governos não podem se comprometer a promover a atividade física como uma necessidade humana essencial, além e independentemente da covid-19?”, pergunta-se o artigo.

Jesús del Pozo, professor de Atividade Física da Universidade de Sevilha (Espanha), atribui esse estancamento à digitalização dos últimos anos. “Basicamente vivemos uma revolução tecnológica na qual intensificamos o uso de telas, e isso implica que estamos intensificando o nível de sedentarismo”, diz. Para o pesquisador, este problema vem de longe, embora tenha se acentuado com a covid-19. “As crianças passam pelo menos seis ou sete horas sentadas”, diz. “O ser humano não foi desenhado para ficar sentado, e nós desenvolvemos nossas vidas nos baseando no sedentarismo”, conclui.

Para Del Pozo, este estudo é um chamado de atenção ao mundo científico para apontar os rumos dos próximos estudos. “Não existem evidências de como se produz a transição quando você passa de adolescente para adulto, nem quais estratégias deveríamos seguir”, aponta o pesquisador. Del Pozo também sugere revisar as recomendações da OMS: “Talvez seja preciso voltar a estudar o impacto dessas diretrizes em termos de saúde. Não está tão claro que se você tiver 18 anos e fizer mais de 150 minutos de atividade física moderada por semana isso terá um impacto positivo na saúde.”

*Por Alberto Quero
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Os cinco melhores exercícios físicos segundo Harvard (e nenhum deles é correr)

Se você acha que correr uma maratona é a maneira mais simples de ficar sempre em forma, está enganado. Pelo menos é o que dizem os estudiosos de Harvard, segundo os quais, para perder peso, aumentar a massa muscular, proteger o coração e o cérebro e fortalecer os ossos, há atividades físicas melhores do que essa. I-Min Lee, professora de Medicina e Epidemiologia da Faculdade de Medicina de Harvard (EUA), afirma que correr longas distâncias não faz bem para as articulações nem para o sistema digestivo. Sua proposta de atividades esportivas inclui outros cinco exercícios que trazem benefícios que vão desde a perda de peso até o ganho de músculos, proteção do coração e fortalecimento dos ossos.
tai chi

1. Tai chi
Uma arte marcial chinesa que combina uma série de movimentos delicados e fluidos para criar uma espécie de meditação em movimento. O exercício é praticado lenta e suavemente com um alto grau de concentração e dá especial atenção para a respiração em profundidade. Como são os praticantes que definem o seu próprio ritmo, ele é acessível para uma variedade muito ampla de pessoas, independentemente da idade ou da condição física. “É especialmente bom para os mais velhos, pois o equilíbrio é um componente importante da condição física e algo que perdermos com o avançar da idade”, diz Lee. Para Marta Rosado, com efeito, ele “melhora o equilíbrio, a coordenação e a flexibilidade. Previne o surgimento de dores lombares e problemas na coluna vertebral. A prendemos a respirar e a canalizar nossa energia. Melhora o sono e relaxa física e mentalmente. Qualquer um pode realizá-lo, pois ele não provoca nenhum tipo de impacto. Eu o recomendaria sobretudo a partir dos 50 anos”.

Vários estudos sugerem que caminhar durante pelo menos 30 minutos, mesmo sendo em ritmo moderado ou pausado, pode trazer benefícios para a mente e para o corpo. Em pessoas com depressão severa, esse exercício pode contribuir para uma redução clinicamente importante e estatisticamente significativa da mesma. ”É uma atividade que melhora o sistema cardiovascular, pode ajudar a fortalecer a parte inferior do corpo nas pessoas mais velhas e naquelas que têm pouca condição física”, afirma Ángel Merchán. “Diminui os níveis de colesterol, é essencial para diabéticos, reforça o sistema imunológico, melhora a circulação e oxigena o corpo”, diz a personal trainer Marta Rosado, para quem essa atividade não constitui, porém de um “treinamento”.

2. Caminhar
Vários estudos sugerem que caminhar durante pelo menos 30 minutos, mesmo sendo em ritmo moderado ou pausado, pode trazer benefícios para a mente e para o corpo. Em pessoas com depressão severa, esse exercício pode contribuir para uma redução clinicamente importante e estatisticamente significativa da mesma. ”É uma atividade que melhora o sistema cardiovascular, pode ajudar a fortalecer a parte inferior do corpo nas pessoas mais velhas e naquelas que têm pouca condição física”, afirma Ángel Merchán. “Diminui os níveis de colesterol, é essencial para diabéticos, reforça o sistema imunológico, melhora a circulação e oxigena o corpo”, diz a personal trainer Marta Rosado, para quem essa atividade não constitui, porém de um “treinamento”.

Importantes para homens e mulheres, eles ajudam a fortalecer a região pélvica. À medida que envelhecemos, essa região, que inclui o útero, a bexiga, o intestino delgado e o reto, se fragiliza. Manter esse conjunto com resistência traz benefícios como o de evitar vazamentos da bexiga. A forma correta de fazê-los, segundo Harvard, é comprimir os músculos usados para segurar a urina ou os gases durante dois ou três segundos, soltar e repetir 10 vezes –e isso, de quatro a cinco vezes por dia. Marta Rosado alerta, porém, para o fato de que “a realização de uma quantidade excessiva desses exercícios pode levar a um enfraquecimento dos músculos da região pélvica e provocar uma nova redução da capacidade de controlar a bexiga”.

3. Exercícios de Kegel
Importantes para homens e mulheres, eles ajudam a fortalecer a região pélvica. À medida que envelhecemos, essa região, que inclui o útero, a bexiga, o intestino delgado e o reto, se fragiliza. Manter esse conjunto com resistência traz benefícios como o de evitar vazamentos da bexiga. A forma correta de fazê-los, segundo Harvard, é comprimir os músculos usados para segurar a urina ou os gases durante dois ou três segundos, soltar e repetir 10 vezes –e isso, de quatro a cinco vezes por dia. Marta Rosado alerta, porém, para o fato de que “a realização de uma quantidade excessiva desses exercícios pode levar a um enfraquecimento dos músculos da região pélvica e provocar uma nova redução da capacidade de controlar a bexiga”.

Trata-se do “exercício perfeito”, segundo os autores do boletim de saúde de Harvard Healthbeat. Além de trabalhar quase todos os músculos do corpo, a natação eleva a frequência cardíaca e pode melhorar a saúde do coração e proteger o cérebro da deterioração relacionada à idade. Nadar regularmente entre 30 e 45 minutos é um exercício aeróbico que ajuda a combater a depressão, a elevar o estado de ânimo e a diminuir o estresse, entre outros benefícios. “Nada é bom para pessoas com atrite”, afirma Lee no boletim. Embora o considere bastante completo, Ángel Merchán, diretor da empresa de treinamento pessoal Homewellness, não acredita na existência de um “treinamento perfeito baseado em apenas uma modalidade. É preciso uma abordagem incluindo diversas práticas. Os impactos e as cargas são também necessários, por exemplo, para a prevenção da osteoporose e para o estímulo dos tendões. A natação deve ser combinada com um trabalho de força –com pesos, por exemplo—e de impacto (corrida, por exemplo), adaptados para cada pessoa”.

4. Natação
Trata-se do “exercício perfeito”, segundo os autores do boletim de saúde de Harvard Healthbeat. Além de trabalhar quase todos os músculos do corpo, a natação eleva a frequência cardíaca e pode melhorar a saúde do coração e proteger o cérebro da deterioração relacionada à idade. Nadar regularmente entre 30 e 45 minutos é um exercício aeróbico que ajuda a combater a depressão, a elevar o estado de ânimo e a diminuir o estresse, entre outros benefícios. “Nada é bom para pessoas com atrite”, afirma Lee no boletim. Embora o considere bastante completo, Ángel Merchán, diretor da empresa de treinamento pessoal Homewellness, não acredita na existência de um “treinamento perfeito baseado em apenas uma modalidade. É preciso uma abordagem incluindo diversas práticas. Os impactos e as cargas são também necessários, por exemplo, para a prevenção da osteoporose e para o estímulo dos tendões. A natação deve ser combinada com um trabalho de força –com pesos, por exemplo—e de impacto (corrida, por exemplo), adaptados para cada pessoa”.

Requer o uso do peso para criar resistência contra a gravidade. Pode ser o próprio corpo, pesos com ou sem alça, tiras elásticas… Para Ángel Merchán, trata-se de um exercício “fundamental em qualquer tipo de treinamento. Melhora a força muscular, previne lesões, ativa o metabolismo. Todo mundo pode e deve fazê-lo, obviamente de forma adaptada caso a caso: na terceira idade, ele ajuda no combate a vários problemas comuns, como dores nas costas e nos joelhos, osteoporose e sobrepeso”. Marta Rosado concorda. “É essencial para manter o peso que se perdeu. Protege ossos e músculos, melhora a mecânica do corpo e nos torna mais conscientes de cada movimento. Aumenta os níveis de energia e melhora o estado de ânimo”.

5. Treinamento de força
Requer o uso do peso para criar resistência contra a gravidade. Pode ser o próprio corpo, pesos com ou sem alça, tiras elásticas… Para Ángel Merchán, trata-se de um exercício “fundamental em qualquer tipo de treinamento. Melhora a força muscular, previne lesões, ativa o metabolismo. Todo mundo pode e deve fazê-lo, obviamente de forma adaptada caso a caso: na terceira idade, ele ajuda no combate a vários problemas comuns, como dores nas costas e nos joelhos, osteoporose e sobrepeso”. Marta Rosado concorda. “É essencial para manter o peso que se perdeu. Protege ossos e músculos, melhora a mecânica do corpo e nos torna mais conscientes de cada movimento. Aumenta os níveis de energia e melhora o estado de ânimo”.

………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Fazer caminhada emagrece mais do que ir a academia, se estas 4 regras forem seguidas

Se você ainda está tentando decidir entre caminhar todos os dias e visitar uma academia regularmente, é preciso considerar os benefícios e as desvantagens de cada um deles.

Andar a pé é conveniente e gratuito, mas pode não ser a opção mais eficaz se você tiver objetivos sérios de condicionamento físico. Por outro lado, as academias oferecem muitas opções de exercícios, mas elas custam dinheiro.

Academia

A principal vantagem de ir ao ginásio em vez de andar é que você pode escolher entre uma variedade de exercícios.

Se você quer desenvolver músculo, você pode levantar pesos livres ou usar máquinas de resistência. Se andar ao ar livre é difícil ou desagradável devido ao mau tempo, você pode andar em uma esteira ou usar uma máquina elíptica ou stepper da escada.

Se você está cansado de se exercitar sozinho, faça uma aula de exercícios em grupo. As aulas típicas incluem aeróbica baseada em dança, aeróbica de alto impacto e kickboxing.

Andando

A vantagem de caminhar é que você não precisa pagar taxas caras ou viajar para uma academia distante. Em vez disso, você só precisa de uma área aberta e sapatos de qualidade.

Andar em um local cênico lhe dá a chance de experimentar o ar livre. Se você possui uma esteira, nem precisa sair de casa para andar. Se você configurar sua esteira perto de seus dispositivos de entretenimento favoritos, isso pode ajudar a motivá-lo a andar com mais frequência e por períodos mais longos.

Considerações

A desvantagem de andar é que existem exercícios mais eficazes. Caminhar é prazeroso, mas suas metas de condicionamento físico podem exigir uma atividade mais intensa que queima mais calorias.

Uma pessoa que anda a 2 km, um ritmo casual, por uma hora só queima 118 calorias, de acordo com o Conselho Americano de Exercício.

Uma maneira de lidar com esse problema é intensificar ainda mais sua caminhada. Essa mesma pessoa queimaria 295 calorias andando por uma hora a 4 mph, um ritmo muito rápido.

Alcançando seus objetivos

Para tomar a decisão certa para você, você terá que avaliar as vantagens e desvantagens de cada uma delas, levando em consideração o tipo de programa de exercícios que você precisa.

Por exemplo, se você quiser um tônus ​​muscular geral, precisará realizar exercícios de resistência. Embora você possa realizar muitos desses exercícios em casa, o extenso equipamento disponível em uma academia típica facilita a tarefa.

Além disso, os ginásios costumam ter instrutores profissionais disponíveis para ajudar a adaptar seu programa de exercícios aos seus objetivos de condicionamento físico.

Percepção de especialista

Se ingressar em uma academia não for viável, caminhar 30 minutos por dia é uma maneira eficaz de manter um nível básico de condicionamento físico.

O Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra recomenda caminhar 30 minutos por dia ao ingressar em uma academia.

A organização argumenta que caminhar é mais fácil de integrar em uma rotina diária do que ir a uma academia, mas ainda oferece muitos benefícios para a saúde, como reduzir o risco de doenças cardíacas, obesidade, diabetes e outras condições médicas sérias.

Agora vamos te dar 4 dicas para seu emagrecimento e caminhada seje eficaz:

– Fazer uma reeducação alimentar
– Aumentar o consumo de legumes e verduras
– Diminuir o consumo de açúcar
– Evitar o máximo possível de frituras

……………………………………………………………………………………………
*Fonte: felizsaude

Por que exercícios são um remédio milagroso

Não é nenhuma novidade que exercício físico faz bem para a saúde. Mas quão bem?

Novas pesquisas têm revelado que os benefícios de se mexer vão muito além do que qualquer um poderia esperar.

Os efeitos da atividade física ultrapassam o controle do colesterol e da pressão e possuem um alcance muito mais amplo do que os músculos e o sistema vascular, afetando profundamente até mesmo a saúde do cérebro.

Se estiver precisando de um incentivo, você está no artigo certo. Abaixo, você pode conhecer alguns dos mecanismos que explicam todas as vantagens de se exercitar. Vale observar que os cientistas imaginam um futuro no qual o exercício será a terapia de ouro.

 

Para o cérebro

Exercícios físicos cumprem muitas funções no corpo humano. Por exemplo, mantêm nossos vasos sanguíneos dilatados e funcionando bem, o que por sua vez torna menos provável que entupam e causem ataques cardíacos e derrames. Com mais fluxo sanguíneo no cérebro, podem até ajudar a prevenir doenças cognitivas, como o Alzheimer.

Falando de atividade física e cérebro, um estudo norueguês com recrutas militares descobriu que a aptidão aeróbica na idade de 18 anos podia prever o risco de demência mais tarde na vida.

Outro estudo com mulheres suecas de meia idade concluiu que as mais aptas fisicamente tinham oito vezes menos risco de demência nos próximos 44 anos.

E uma pesquisa da Clínica Mayo, nos EUA, descobriu que 12 semanas de atividade física intensa leva a um aumento da captação de glicose e maior atividade metabólica no cérebro, particularmente em regiões que mostram declínio em pacientes com doença de Alzheimer.

 

Músculos, diabetes e câncer

Uma coisa importante que o exercício físico faz é criar músculos mais fortes. Isso ajuda na saúde de várias formas.

O músculo é o maior consumidor da glicose que é liberada na corrente sanguínea após uma refeição. Quanto mais músculo uma pessoa tem, mais rápido essa glicose é removida. E quanto mais rápido ela é removida, menos exposição há aos danos causados pelo aumento de açúcar no sangue. Só isso já serve como remédio para pessoas propensas a diabetes.

Também é um mecanismo importante para o processo de envelhecimento: o crescimento de músculos diminui o declínio da função da mitocôndria, o combustível das nossas células. Com elas funcionando bem, há menos danos oxidativos no corpo.

As proteínas dos músculos ainda servem como “reservatórios de aminoácidos” para o resto do corpo. Isso é especialmente importante quando estamos doentes – nosso sistema imunológico precisa de muitos aminoácidos para produzir anticorpos.

Por fim, o maior benefício vem das moléculas de sinalização, as mioquinas, ativadas e liberadas em resposta ao esforço muscular. Elas ajudam no crescimento muscular, no metabolismo dos nutrientes, na inflamação e numa série de outros processos.

Uma das mioquinas mais importantes é a interleucina-6, capaz de suprimir a fome e melhorar a resposta do sistema imunológico ao câncer. Outra, a catepsina B, pode levar a mudanças benéficas no cérebro, como a produção de novas células cerebrais.

 

Inflamação

De acordo com Bente Klarlund Pedersen, fisiologista do exercício na Universidade de Copenhague (Dinamarca), a falta de exercício físico leva a um risco maior de pelo menos 35 doenças.

Isso se deve, em grande parte, à inflamação crônica. A falta de atividade leva a um maior peso e principalmente mais gordura abdominal, largamente associada à inflamação crônica.

A interleucina-6 é uma das chaves do efeito do exercício sobre a gordura abdominal e a inflamação.

Em um experimento recente realizado por Pedersen e seus colegas, 27 voluntários com gordura visceral fizeram um regime de exercício em bicicleta ergométrica que durou 12 semanas, enquanto outros 26 voluntários permaneceram inativos. Metade dos participantes de cada grupo também recebeu um medicamento que bloqueava a ação da molécula.

No final das 12 semanas, os praticantes de exercício físico haviam perdido gordura abdominal, como esperado, mas apenas se não tivessem recebido o bloqueador da interleucina-6.

 

Exercício como (literalmente) remédio

Sabe aquela coisa de “é bom se exercitar”? Risque isso para “você vai ter que se exercitar”, porque não haverá alternativa melhor para curar doenças.

Alguns estudos têm revelado que a atividade física é mais eficaz que drogas em diversos casos. Por exemplo, uma pesquisa com 64 adultos com diabetes tipo 2 chegou à conclusão de que exercício físico regular pode substituir medicação para diminuir o nível de açúcar no sangue.

Outro experimento com 300 pessoas descobriu que exercícios físicos são tão eficazes quanto remédios para diminuir o risco de doença cardíaca e diabetes, e mais eficazes no caso de reabilitação depois de um derrame.

E a dose?

Uma coisa é saber que exercício físico pode ser medicinal, outra é definir sua dosagem – que tipo, frequência, duração e intensidade devem ser feitos caso a caso, por exemplo, para quem tem risco de diabetes ou histórico familiar de demência. Isso sem contar as dificuldades individuais de cada um, como sobrepeso ou lesões.

Mas os pesquisadores já estão avançando nesse campo complexo. Diversos estudos estão sendo planejados ou executados a fim de chegar a recomendações mais precisas.

Por exemplo, um com 2.000 voluntários irá medir a atividade gênica, a sinalização molecular e outras mudanças no corpo durante atividade física moderada e intensa. Outro irá analisar o efeito do volume de exercício no envelhecimento cerebral através de fatores como inflamação, moléculas de sinalização, composição corporal e outros.

Como o exercício físico muda suas moléculas?

Certamente, mesmo depois de termos resultados detalhados desses e de outros experimentos, a quantidade “certa” de exercício físico irá variar e talvez seja algo difícil de se prescrever.

“Não existe um único sistema de órgãos no corpo que não seja afetado pelo exercício. Parte do motivo pelo qual o efeito do exercício é tão consistente e robusto é o fato de não existir uma única via molecular, mas sim uma combinação de várias coisas. Portanto, no final de todos esses testes, analisaremos não apenas um ou dois mecanismos, mas vários deles. Vai ser uma resposta complicada”, disse Marcas Bamman, fisiologista do exercício da Universidade do Alabama em Birmingham (EUA). [DiscoverMagazine]

*Por Natasha Romanzoti

………………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Exercícios de fortalecimento são capazes de combater a depressão

Há algum tempo, pesquisadores divulgaram que exercícios aeróbicos podem reduzir significativamente os sintomas de depressão sem nenhum dos efeitos colaterais negativos associados a alguns medicamentos. Agora, em uma revisão de estudos recém-publicados na revista JAMA Psychiatry, foi revelado que treinamentos de resistência também podem ajudar a tratar a depressão.

Esta é uma descoberta significativa, uma vez que é a primeira análise sistemática de estudos de alta qualidade que avaliam os efeitos do treinamento de resistência na depressão. Além disso, mostra que as pessoas obtêm benefícios para a saúde mental de um tipo de exercício que os pesquisadores dizem ser crucial para manter a massa muscular à medida que envelhecemos.

Nós já sabíamos que o treinamento de resistência torna as pessoas mais fortes, constrói músculos e pode melhorar a resistência e a força. Agora também há boas evidências de que os exercícios de fortalecimento podem reduzir a ansiedade.

Os cientistas não sabiam se esse tipo de exercício também poderia reduzir os sintomas da depressão da mesma forma que o exercício aeróbico. Então, a equipe responsável pelo estudo analisou dados de 33 ensaios clínicos randomizados (considerados o tipo de estudo “padrão ouro” para pesquisa médica) com um total de 1.877 participantes. Eles descobriram que, no geral, o treinamento de resistência estava associado a uma redução significativa nos sintomas depressivos.

Isto foi especialmente verdadeiro para pessoas cujos sintomas de depressão eram clinicamente leves ou moderados. O efeito ainda foi significativo para pessoas com sintomas de depressão subclínicos e menos graves, mas não foi tão forte nesses casos.

Os exercícios de fortalecimento ajudaram a reduzir os sintomas de depressão, independentemente de os participantes do estudo ficarem fisicamente mais fortes, e funcionou independentemente de quão saudáveis as pessoas estavam quando começaram o treinamento de resistência.

Os pesquisadores também analisaram estudos que compararam os efeitos do treinamento de resistência ao exercício aeróbico entre pessoas com depressão e descobriram que ambos eram igualmente eficazes.

A conclusão é que se mexer é suficiente para ajudar nos sintomas de depressão, independentemente do tipo de atividade que você faz.

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Caminhar torna o cérebro mais criativo e cura as dores

Talvez o título deste artigo tenha te surpreendido. O simples hábito de caminhar pode tornar nosso cérebro mais criativo e, além disso, fazer nos sentir mais felizes? De fato, é. E nós não dizemos isso, mas a maioria dos médicos e neurologistas.

Um desses especialistas é, por exemplo, o neurologista José Ángel Obeso, diretor do Centro Integral de Neurociências de Madri (Espanha). Seu trabalho diário em hospitais e seu contato com pessoas que passam por processos de depressão fizeram com que ele visse como é terapêutico prescrever “uma hora de caminhada diária”. E ainda mais, ande, se possível, através de um ambiente natural.

Como você já sabe, a depressão, ou mesmo passar longos períodos de tempo com estresse e ansiedade, faz com que nosso cérebro tenha um déficit nos processos cognitivos básicos, como memória, compreensão, criatividade, etc. Se andássemos todos os dias, todas essas dimensões melhorariam notavelmente.

Agora você não tem desculpas. Depois de ler este artigo, temos a certeza de que você implementará este remédio eficaz e terapêutico: Caminhe!

Há um aspecto realmente interessante que devemos ter em mente. Hábitos que, sem percebermos, estão fazendo com que nosso cérebro acabe “automatizado” e, portanto, estressado. Não esqueça esses aspectos:

O maior inimigo do nosso cérebro é a rotina. O simples ato de fazer as mesmas coisas todos os dias nos faz cair em uma espécie de depressão e inevitável desânimo. Pouco a pouco, nosso cérebro se torna um pouco mais lento. Nossa atenção não é mais a mesma porque, na realidade, não temos novos estímulos para focar. Nós temos algumas falhas de memória porque poucas coisas parecem interessantes para nós. Diante de baixa motivação, a memória é menor.
A rotina reduz nosso ânimo e, como consequencia, afeta significativamente o cérebro, estabelecemos menos conexões neuronais, menos sinapses …

Dia a dia, nosso vai cérebro agindo de maneira automatizada. Não há mais momentos de prazer e criatividade, e ele é governado por diretrizes estabelecidas, como funcionaria, por exemplo, em qualquer computador que tenhamos programado. É um risco muito alto para nossa saúde emocional e também física.

Segundo o Dr. José Ángel, os cérebros automatizados ocorrem especialmente nas grandes cidades. Entre aquelas pessoas que apenas gastam tempo com suas próprias necessidades emocionais, vivendo em grandes cidades cercadas por poluição e altas doses de estresse.

Andando, um ato de libertação pessoal

“Os caminhantes não têm obrigações, apenas o simples prazer de se libertarem passo a passo no seu caminho.” Segundo o Dr. José Ángel Obeso, os benefícios não são percebidos no primeiro dia, mas quando estamos há uma semana e a caminhada é um hábito em nossas vidas. É quando começamos a notar seus resultados terapêuticos:

Ao caminhar, o cérebro não precisa se preocupar com nada. Andar a pé é fácil, todo mundo consegue e se, além disso, receber uma dose extra de oxigênio e o ar puro da natureza, fica ainda melhor. É nesse momento que o nosso lobo frontal começa a ser estimulado, o que está relacionado à criatividade e ao humor. Se acrescentarmos a isso a liberação natural de endorfinas, é quando a magia aparece.

O cérebro se sente mais eufórico e otimista.
Ante um melhor estado de ânimo, um aumento na criatividade aparece. Não há pressões, o hormônio cortisol que segrega com o estresse desaparece e essas barreiras são derrubadas, o que geralmente nos traz negativismo. É o momento em que vemos as coisas de maneira diferente. Nos sentimos mais relaxados, mais entusiasmados, mais confiantes.

As pessoas estão acostumadas a se mover em pequenos espaços: nossa casa, nosso trabalho, os restaurantes a que vamos, os supermercados … São espaços limitados, sempre cheios de gente. Lugares conhecidos nos quais, geralmente, nossas tensões estão acesas. No entanto, o simples fato de começar a caminhar por um espaço natural e aberto se torna um maravilhoso ato de liberação e expansão.

Segundo o Dr. José Ángel Obeso, devemos primeiro procurar contato com a natureza. É como voltar ao ventre materno, às nossas origens. Não é um ato espiritual, mas sim uma necessidade orgânica. Se percorrermos nossas cidades, continuamos a respirar muitas dessas partículas contaminadas. Idealmente, nossos pulmões estão cheios de oxigênio puro, e também é necessário que nossos olhos encontrem novos cenários, com novos estímulos que enriquecem nosso cérebro.

Convidamos você, mais uma vez, a incentivá-lo a caminhar todos os dias, pelo menos, por meia hora. Vá para o parque, para a montanha, para a praia. Você verá como, após as semanas, melhorou sua saúde física e emocional. Andar a pé é muito melhor do que um analgésico ou algumas vitaminas. Não duvides!

 

……………………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Exercitar as pernas é fundamental para a saúde do cérebro e do sistema nervoso

Pesquisas inovadoras mostram que a saúde neurológica depende tanto dos sinais enviados pelos grandes músculos das pernas do corpo para o cérebro quanto das diretivas do cérebro para os músculos.

Publicado em Frontiers in Neuroscience, o estudo altera fundamentalmente a medicina do cérebro e do sistema nervoso – dando aos médicos novas pistas de porque pacientes com doença dos neurônios motores, esclerose múltipla, atrofia muscular espinhal e outras doenças neurológicas frequentemente declinam rapidamente quando seu movimento se torna limitado.

“Nosso estudo apóia a noção de que pessoas incapazes de realizar exercícios de suporte de carga – como pacientes acamados ou até mesmo astronautas em viagens prolongadas – não apenas perdem massa muscular, mas sua química corporal é alterada em nível celular e até mesmo seu sistema nervoso é prejudicado”, diz o Dr. Raffaella Adami da Università degli Studi di Milano, Itália.

O estudo envolveu restringir camundongos de usar suas patas traseiras, mas não as pernas da frente, durante um período de 28 dias. Os ratos continuaram a comer e se arrumar normalmente e não apresentaram estresse. No final do estudo, os pesquisadores examinaram uma área do cérebro chamada zona sub-ventricular, que em muitos mamíferos tem o papel de manter a saúde das células nervosas. É também a área onde as células-tronco neurais produzem novos neurônios.

A limitação da atividade física diminuiu o número de células-tronco neurais em 70% em comparação com um grupo controlado de camundongos, que foram autorizados a vagar. Além disso, tanto os neurônios quanto os oligodendrócitos – células especializadas que suportam e isolam as células nervosas – não amadureceram completamente quando o exercício foi severamente reduzido.

A pesquisa mostra que o uso das pernas, particularmente no exercício de sustentação de peso, envia sinais ao cérebro que são vitais para a produção de células neuronais saudáveis, essenciais para o cérebro e o sistema nervoso. Reduzir o exercício físico torna difícil para o corpo produzir novas células nervosas – alguns dos blocos de construção que nos permitem lidar com o estresse e se adaptar ao desafio em nossas vidas.

“Não é por acaso que estamos destinados a ser ativos: caminhar, correr, agachar-se para sentar e usar os músculos das pernas para erguer as coisas”, diz Adami. “A saúde neurológica não é uma rua de mão única com o cérebro dizendo que os músculos levantem, andem e assim por diante.”

Os pesquisadores ganharam mais conhecimento analisando células individuais. Eles descobriram que restringir o exercício reduz a quantidade de oxigênio no corpo, o que cria um ambiente anaeróbico e altera o metabolismo. O exercício de redução também parece impactar dois genes, um dos quais, o CDK5Rap1, é muito importante para a saúde da mitocôndria – a usina celular que libera energia que o corpo pode usar. Isso representa outro ciclo de feedback.

Esses resultados lançam luz sobre vários problemas importantes de saúde, que vão desde preocupações com impactos cardiovasculares como resultado de estilos de vida sedentários até insights sobre doenças devastadoras, como atrofia muscular espinhal (AME), esclerose múltipla e doença do neurônio motor, entre outras.

“Eu tenho interesse em doenças neurológicas desde 2004”, diz o co-autor Dr. Daniele Bottai, também da Università degli Studi di Milano. “A pergunta que me fiz foi: é o resultado dessas doenças devido exclusivamente às lesões que se formam na medula espinhal no caso de lesão medular e mutação genética no caso da SMA, ou é a menor capacidade de movimento de fator crítico que exacerba a doença?”

Esta pesquisa demonstra o papel crítico do movimento e tem uma gama de implicações potenciais. Por exemplo, missões para enviar astronautas ao espaço por meses ou mesmo anos devem ter em mente que a gravidade e o exercício de carga desempenham um papel importante na manutenção da saúde humana, dizem os pesquisadores.

“Pode-se dizer que nossa saúde está fundamentada na Terra de maneira que estamos apenas começando a entender”, conclui Bottai. [Technology Networks]

 

 

 

 

………………………………………………..
*Fonte: socientifica

5 atividades cotidianas que podem melhorar o funcionamento do seu cérebro

Além de ser uma máquina fantástica, poderosa e, em alguns aspectos, misteriosa, o cérebro humano funciona melhor quando é mais bem estimulado. O que você talvez não saiba é que algumas atividades bastante cotidianas podem aperfeiçoar esse estímulo e deixar você melhor ainda. As dicas a seguir foram dadas pela psicóloga Dra. Jennifer Jones e retiradas do Fast Company:

1 – Acordar cedo e não dormir muito tarde

Sabe aquelas pessoas que saem da cama logo depois de o sol nascer? Elas talvez nem saibam, mas estão fazendo um bem danado à sua saúde mental. Isso tem a ver com o nosso ritmo circadiano, que nada mais é do que aquilo que você chama de “relógio biológico”.

Dormir e acordar cedo é um jeito de ajudar seu relógio biológico a funcionar do jeito natural, sem interrupções. Na verdade, quando o ritmo circadiano é interrompido, a sua habilidade cerebral responsável por processar informações e administrar o stress é prejudicada, o que torna o funcionamento desse órgão importante um pouco menos eficaz.

2 – Consumir óleo de peixe pode ser uma boa

Não é novidade que o stress é um dos grandes vilões dos tempos modernos. Se a ideia é diminuir os efeitos negativos disso em sua vida, experimente consumir suplementos à base de óleo de peixe. Dra. Jennifer explica que o stress atrapalha nossas habilidades cognitivas e que o óleo de peixe, pelo contrário, estimula o crescimento dos dendritos, que são estruturas que vivem do lado de fora dos neurônios. “Se quisermos ter o melhor funcionamento cerebral, precisamos ter muitos dendritos”, explica.

3 – Saia de sua zona de conforto

Fazer coisas novas e arriscadas não é bom apenas por uma questão filosófica e comportamental. Viver novas experiências é algo que ajuda seu cérebro a se desenvolver bem, inclusive na questão dos dendritos, que se tornam maiores e mais eficientes. Sair de sua zona de conforto significa começar a fazer coisas que normalmente você não faria. Em alguns casos, coisas que deixariam você intimidado, como falar em público ou fazer uma aula de dança.

Dra. Jennifer explica que esse exercício é importante justamente porque crescemos fazendo coisas com as quais nos identificamos, coisas que nos colocam em grupos específicos – jogar futebol, tocar violino, fazer aula de teatro etc. A verdade é que, muitas vezes mesmo não gostando de rótulos e estereótipos, nos colocamos nessas posições.

“Tudo o que nos deixa realmente confortáveis não é muito bom para o nosso cérebro”, explica Dra. Jennifer, que nos estimula a procurar novas experiências e atividades, de preferência algo inusitado.

4 – Canse essa sua cabeça!

Sabe aquela tarefa que, por algum motivo, você considera mentalmente cansativa? Pode ser desde resolver problemas matemáticos até estudar sobre física quântica ou inventar um jeito novo de resolver um cubo mágico. Cansar a cabeça é uma coisa boa!

“Quando você está aprendendo alguma coisa nova e o seu cérebro sente que precisa de um cochilo, é nesse momento que você sabe que está fazendo coisas que estão crescendo seu cérebro neurologicamente, não apenas o mantendo”, explica a médica. E aí, que tal tentar entender limites e derivadas de uma vez por todas?

5 – Tente algum tipo de meditação guiada ou exercícios de foco mental

A gente sabe que manter a cabeça quieta não é exatamente fácil e que a maioria das pessoas, quando tenta meditar pela primeira vez, aguenta no máximo alguns segundos antes de conseguir a proeza de pensar em trabalho, estudo, preço do leite, conta do cartão de crédito e o capítulo de ontem da novela. Tudo ao mesmo tempo, é claro.

Acontece que, quando o assunto é meditação, precisamos pensar na coisa toda como um exercício, ou seja: algo que deve ser feito mais de uma vez até “pegarmos o jeito”. Dra. Jennifer compara a falta de meditação com hábitos de alimentação não saudáveis: “Se você não está meditando, é como se estivesse comendo fast food todos os dias”, resume ela.

A ideia da meditação é fazer com que o indivíduo tenha acesso ao lado inconsciente da mente. Já os exercícios de foco mental conseguem estimular o lado subconsciente da mente, em uma região que, quando estimulada, favorece o desenvolvimento cerebral. Aliado a isso está o fato de que, surpreendentemente, 80% das decisões que tomamos são feitas pelo nosso subconsciente.

Esse lado do subconsciente é geralmente alcançado por meio de técnicas de hipnose – por isso muitos fumantes conseguem abandonar o vício depois de frequentarem terapias hipnóticas.

Já o lado inconsciente da mente humana é aquele acessado enquanto dormimos e que algumas pessoas conseguem entender melhor por meio da interpretação dos sonhos. Por isso, Dra. Jennifer nos aconselha a pensar nas coisas que mais nos impactaram durante o dia – positiva e negativamente – um pouco antes de colocarmos nossa cabeça no travesseiro à noite. Dessa forma, nosso cérebro processa melhor essas informações por meio dos sonhos.

*Por Daiana Geremias

………………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Um em cada dois brasileiros não se exercita o suficiente, diz OMS

Estudo Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado nesta terça-feira confirma que o brasileiro – apesar do fenômeno das “musas fitness” e da rápida expansão das academias nas médias e grandes cidades – se exercita menos do que deveria.

O levantamento, feito com dados coletados nos últimos 15 anos, revela que praticamente uma em cada duas pessoas em idade adulta (47%) no país não pratica atividades físicas suficientemente.

Entre as mulheres, a ociosidade é ainda maior que a média, 53,3%, enquanto a prevalência de inatividade entre os homens é de 40.4%.

No mundo todo, 1,4 bilhão de pessoas que correm risco de saúde por causa da ociosidade, que pode aumentar a propensão ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, por exemplo, diabetes do tipo 2, demência e de alguns tipos de câncer.

Para chegar à estimativa, o órgão da ONU computou dados de 168 países e revisou 358 pesquisas populacionais feitas entre 2001 e 2016, sondando 1,9 milhão de pessoas.

No contexto global, o Brasil se encontra no grupo de países onde há maior ociosidade, superando nações como os Estados Unidos (40%), o Reino Unido (36%).

O estudo define como “atividade física insuficiente” o descumprimento da recomendação padrão da OMS, que aconselha que seja praticado pelo menos duas horas e meia de esforço moderado por semana ou 75 minutos de atividade intensa.

Em nível mundial, a falta de exercícios é um mal que atinge 32% das mulheres e 23% dos homens adultos.

Essa discrepância entre os sexos é um problema cultural, segundo os médicos da OMS, e revela uma questão de desigualdade. “Mulheres enfrentam mais barreiras sociais e culturais para participar de atividades físicas, particularmente nas horas de lazer”, afirma Melody Ding, da Universidade de Sydney, na Austrália, coautora do estudo.

As tendências foram organizadas por regiões e, no caso da América Latina e Caribe, o estudo concluiu que houve uma piora significativa no intervalo de 15 anos pesquisado.

De 2001 a 2016, a parcela ociosa da população saltou de 33,4% para 39,1%.

A Oceania, onde apenas 16,3% da população se exercita pouco, foi a região mais bem colocada. Só foi registrada melhora, contudo, no leste e sudeste da Ásia, onde a proporção de pessoas inativas caiu de 26% em 2001 para 17% 15 anos depois. A boa notícia se deve principalmente à popularização do hábito de se exercitar entre os chineses.

Os países ocidentais ricos, de maneira geral, apresentaram piora nos níveis de sedentarismo, que passou de 30,9% em 2001 para 36,8% em 2016.

Inatividade física e dinâmica de desenvolvimento

“Diferentemente de outros grandes riscos à saúde, os níveis insuficientes de atividade física não estão diminuindo mundialmente. Na média, um quarto dos adultos não está alcançando os níveis de atividade física recomendados para uma boa saúde”, alertou a principal autora do estudo, a médica Regina Guthold.

Citado no estudo da OMS, o pesquisador brasileiro e reitor da Universidade Federal de Pelotas, Pedro Hallal, acredita que o conceito de “atividade física insuficiente” não é a melhor forma de tentar expressar o nível de ociosidade física em uma determinada população.

Ele avalia que o mais correto seria falar em “inatividade física”, e questiona as conclusões do estudo, que classifica como redundantes quando confrontados com levantamentos anteriores feitos pelo professor James F. Sallis, da Universidade da Califórnia em San Diego.

Hallal reconhece, porém, que o documento da OMS tem o mérito de destacar que “efetivamente não estamos conseguindo lidar com a pandemia de inatividade física”.

“A população não está se tornando mais ativa com o passar do tempo, e isso é extremamente preocupante, ainda mais pelo fato de que 5,3 milhões de mortes por ano no mundo são causadas pela inatividade física”, disse à BBC News Brasil, citando estudo de I-Min Lee, de Harvard, publicado na revista The Lancet em 2012.

O pesquisador gaúcho observa que há um contraste entre países muito pobres e ricos. Nos primeiros, os indivíduos são fisicamente ativos em suas tarefas diárias, fazendo deslocamentos a pé ou de bicicleta para o trabalho e se engajando em tarefas domésticas intensas.

Já em boa parte dos países mais desenvolvidos, os hábitos de transporte estão relacionados ao uso de veículos motorizados e o trabalho não envolve esforço. Isso leva a uma situação de sedentarismo que, se não for compensada com a prática de esportes, resulta em problemas de saúde.

“Quando os países começam a se desenvolver, essas atividades físicas que são mais obrigatórias do que voluntárias diminuem, e permanece apenas a atividade física de lazer. Acontece que a atividade de lazer ainda é procurada por muito pouca gente no mundo”, diz.

“Por isso a tendência é que esses dados piorem ao longo dos anos, porque, quando as pessoas dos países pobres começarem a ter mais recursos financeiros, elas vão sair da ocupação que exige atividade”.

Hallal pondera, porém, que elas não adotarão necessariamente a prática da atividade recreacional se não houver um incentivo a isso.

Políticas públicas e norma cultural

A OMS teme que o objetivo global de reduzir os níveis de inatividade em 10% até 2025 não será atingido se novas medidas não forem implementadas – políticas públicas para a promoção de atividade física regular, por exemplo, que impulsionem mudanças de hábitos.

“A gente precisa que a população incorpore a prática no seu cotidiano, e não como uma coisa pontual, só antes do verão”, diz Hallal. “Não adianta dizer: ‘eu jogo futebol com meus amigos às terças-feiras’. Isso não é ser ativo fisicamente”, critica.

“Precisamos que as pessoas incorporem o hábito de fazer atividade regularmente. Esse é o grande desafio da população brasileira nesse sentido. As grandes medidas que têm eficácia para aumentar o nível de atividade física são estruturais e ambientais”, afirma o reitor.

A construção de parques, academias populares, calçadões de orla e ciclovias são alguns exemplos de políticas públicas citados por Hallal como medidas que comprovadamente trazem resultados.

“Não vamos resolver o problema da inatividade física com academias privadas. Isso vai melhorar a vida dos 5% mais ricos da população. Para atingir os 95% restantes, precisamos mesmo é de políticas coletivas, especialmente as que atingem a questão do meio em que vivemos”.

A brasileira Fabiana Rodrigues de Sousa Mast, doutora em ciências esportivas pela Universidade de Basileia, pesquisou o uso desse tipo de infraestrutura pelas mulheres na comunidade da Cidade de Deus no Rio de Janeiro.

Ela concluiu que instalações públicas, ainda que em condições precárias, nitidamente favorecem uma maior prática de exercícios e melhoram a qualidade de vida da população.

“Precisamos focar em construir um ambiente, particularmente em áreas sociais vulneráveis, se quisermos atingir os níveis de atividade física necessários para conquistar indicadores de saúde desejáveis”, diz Sousa Mast.

“Quando falamos da promoção de atividade física na esfera global, falamos de política pública e de norma cultural. É como no caso de Amsterdã, por exemplo. Hoje a norma cultural em Amsterdã é andar de bicicleta. No dia que a gente chegar a um estágio onde a atividade está incorporada na rotina, o problema já vai ter diminuído consideravelmente”, conclui Hallal.

*Por Marina Wentzel

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: bbc/brasil

Já ouviu falar na Síndrome da Bunda Morta? Ela é mais comum do que você pensa e você pode ter!

A esta altura da vida você já deve saber que não é saudável passar longos períodos sentados. O gesto já foi associado a doenças cardíacas, obesidade, diabetes e até câncer. Porém, há outro risco envolvido, um que a maioria das pessoas desconhece: a Síndrome da Bunda Morta.

Embora soe como piada, a síndrome, também conhecida como Amnésia Glútea, não é brincadeira. De acordo com o quiropraxista Andrew Bang, do Instituto do Bem-Estar da Cleveland Clinic, nos EUA, trata-se de uma lesão comum que ocorre em graus variados.

A síndrome se desenvolve quando o glúteo médio – um dos três principais músculos do espólio – para de funcionar corretamente, o que pode acontecer quando você passa muito tempo sentado. No entanto, conforme explicou a fisioterapeuta Kristen Schuyten, da Michigan Medicine, também pode acometer pessoas muito ativas que não trabalham os músculos do glúteo o suficiente.

Uma vez que o glúteo médio normalmente ajuda a estabilizar a pelve, a Amnésia Glútea pode provocar dores lombares e no quadril, além de problemas no joelho e tornozelo, já que o corpo tenta compensar o desequilíbrio.

A síndrome está relacionada a inibição recíproca, um processo que descreve a relação de “dar e receber” entre os músculos de cada lado de uma articulação. Conforme explicado por Bang, quando um músculo se contrai, um sinal nervoso é enviado para o músculo oposto para relaxar. Então, quando gastamos horas em uma posição sentada, nossos flexores do quadril se contraem, enquanto os glúteos descansam. “Basicamente, estamos treinando nossos glúteos para serem fracos”, analisou o especialista.

Esse mesmo tipo de desequilíbrio muscular pode ocorrer em pessoas altamente ativas, que têm músculos muito fortes ou isquiotibiais. Bang, por exemplo, afirmou ter visto diversos casos em maratonistas.

Diagnóstico

Uma das maneiras pela qual é pronunciada a “morte” de um bumbum é através do famoso Teste de Trendelenburg, um exame físico no qual uma pessoa levanta uma perna na frente da outra enquanto está em pé. Assim, se a pélvis se inclina para o lado do corpo em que a perna está levantada, isso indica fraqueza do glúteo médio no lado oposto, de acordo com Bang.

A curvatura nas costas também pode sugerir Amnésia Glútea. Embora a lombar normalmente forme um S, uma curvatura mais extrema pode sinalizar que os flexores do quadril estão tão espremidos que passaram a puxar a coluna para a frente.

Como prevenir?

Se você costuma trabalhar sentado, tente fazer pausas frequentes ao longo do dia. Levante-se e caminhe ou faça alguns alongamentos em sua mesa. Experimente colocar lembretes de hora em hora em seu telefone, para que você movimente os músculos do bumbum em intervalos regulares.

E quando for se exercitar, não se esqueça de malhar esse espólio. Faça agachamentos, pontes e eleve as pernas enquanto estiver deitado. A melhor maneira de evitar a “morte” do bumbum é melhorar sua rotina diária. Sente-se em uma bola de exercícios, passe algum tempo em pé, trabalhe em uma bancada alta. “Faça o que fizer, apenas não permita que seu corpo entre em um ciclo repetitivo”, aconselhou Bang.

………………………………………………………..
*Fonte: jornalciencia

7 mitos da musculação que você precisa parar de acreditar

Exercícios físicos são de extrema importância para nosso corpo e organismo. Os ganhos através de exercícios como a musculação são significativos para nossa qualidade de vida, porém, é preciso entender que a prática saudável dos exercícios se faz necessária e que nosso organismo reage aos estímulos de maneira diferente, variando de pessoa para pessoa.

Aqui na Fatos Desconhecidos já escrevemos sobre 7 exercícios eficazes que você pode fazer em qualquer lugar e sobre o que acontece com o seu corpo quando você fica 14 dias sem fazer exercícios físicos. Hoje, listamos para vocês alguns mitos que circulam por aí sobre a musculação e que as pessoas definitivamente precisam parar de acreditar. Confira!

1 – Vou ficar muito grande só com a musculação

A musculação ira gradualmente aumentar o volume do tecido muscular, porém, o tecido de gordura é mais volumoso que o muscular. Dessa forma, é comum que um praticante de musculação veja suas medidas diminuírem a medida que seus treinos evoluem. Por exemplo, uma pessoa que pratica musculação com 90 quilos pode ter um volume corporal menor do que uma pessoa sedentária de mesma altura e peso.

2 – Musculação não emagrece

A redução do peso também acontece através da musculação, uma vez que o aumento do volume muscular proporciona um aumento do metabolismo, especialmente durante o repouso, e isso faz com que haja uma potencialização do gasto calórico e consequentemente, uma redução do peso.

3 – Se você não sente dor no dia seguinte de nada valeu o treino

A dor que geralmente ocorre após os treinos é uma resposta do organismo à inflamação dos músculo, o que pode desaparecer a medida que seu corpo se acostuma. Portanto, a dor não é um marco de progresso.

4 – Musculação é treino para homem

Força muscular e massa são indicados para qualquer pessoa, independente de gênero e idade. Exercícios que geram sobrecarga óssea são indispensáveis para as mulheres, para evitar a perda de massa óssea que começa a ocorrer por volta dos 30 anos de idade e se acentua após a menopausa.

5 – Ganhar massa sem anabolizantes é impossível

Um treino adequado, aliado a uma dieta rica em proteínas e carboidratos, especialmente os de baixa carga glicêmica, podem sim gerar ganhos de massa muscular sem o uso de esteroides anabolizantes. A grande questão é a falta de paciência e disciplina necessários para respeitar o tempo para que isso aconteça. O que faz com que muitas pessoas recorram a métodos não aprovados e que podem comprometer seriamente a saúde.

6 – Se eu parar de me exercitar vou perder tudo

Isso não é necessariamente verdade. O que acontece é que quando você treina utilizando pesos, sua musculatura vai respondendo e alterando a forma do seu corpo. Se você para de se exercitar, seu corpo vai voltando para o que era antes, uma vez que o estímulo dos exercícios cessou e os pesos vão deixar de fazer efeito sobre os músculos.

7 – Não posso fazer musculação porque estou grávida

A musculação pode ser praticada por gestantes, se a prática de exercícios físicos já ocorresse antes da gestação. A musculação pode contribuir para um trabalho de parto mais seguro, prevenindo dores lombares, auxiliando no ganho de peso ideal e na recuperação pós parto. Porém, é importante que a futura mamãe consulte seu médico e verifique sua liberação para a prática.

 

 

 

 

……………………………………………….
*Fonte: fatoscuriosos

Tomar cafeína antes de fazer exercícios pode prejudicar saúde

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) estão de olho nos seus hábitos diários. Depois de mostrarem como a música instrumental pode melhorar os efeitos de remédios para hipertensão, os cientistas voltaram para avaliar como uma dose de cafeína antes de se exercitar pode afetar a sua recuperação após o esforço físico.

Para o estudo, 32 homens saudáveis e ativos de 18 a 25 anos foram acompanhados pela equipe, que registrou durante três dias como eles se recuperavam ao final de meia hora de corrida. No primeiro dia, os voluntários fizeram um teste de esforço máximo para que os pesquisadores identificassem qual era o limite de cada um. No segundo e terceiro dia, eles correram em intensidade moderada e, alternadamente, tomaram uma cápsula de cafeína e outra placebo — sem saber distinguir qual estavam ingerindo.

Ao final dos exercícios, os fisioterapeutas perceberam que, quando os voluntários tomavam a dose de cafeína (que era de 300mg, equivalente a 1,5 xícara de café), a atividade cardíaca deles demorava mais para voltar aos parâmetros de quando estavam em repouso.

“Quando isso ocorre, nós dizemos que há um aumento do risco de acontecer alguma complicação cardiovascular”, afirma Vitor Valenti, professor da Unesp e orientador do estudo. “Ficamos preocupados com o resultado, porque, se isso acontece com jovens saudáveis, talvez possa haver uma reação um pouco mais intensa em pessoas sedentárias e obesas, por exemplo.”

Este efeito foi observado porque a cafeína ativa receptores de adenosina, que liberam catecolaminas, substâncias envolvidas na aceleração do coração e no aumento da pressão arterial.

“As duas catecolaminas mais conhecidas são a adrenalina e noradrenalina. Com o aumento da liberação dessas catecolaminas, elas ativam os vasos sanguíneos e podem causar vasoconstrição”, explica Valenti.

Vale lembrar que não foram registradas alterações na pressão arterial dos voluntários e que o efeito foi observado apenas a curto prazo. “A literatura já tem fortes evidências de que, a longo prazo, tomar café pode colaborar para uma série de benefícios”, diz o professor.

Estudos a longo prazo

Em um estudo com mais de 185 mil participantes, foi observado ao longo de 16 anos que aqueles que tomavam pelo menos uma xícara de café por dia, tinham 12% menos chances de morrer por doenças cardíacas ou respiratórias, câncer, derrame, Parkinson, diabetes e outras doenças crônicas. Por isso, aponta o estudo, a expectativa de vida pode aumentar de acordo com a frequência e a quantidade de café que você consome.

No ano passado, pesquisadores britânicos mostraram que pessoas que têm o hábito de beber uma xícara de café por dia têm 20% menos chances de desenvolver câncer de fígado. Outro estudo concluiu que tomar três copos de café por dia reduz riscos de morte prematura.

 

 

 

 

………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

Os cinco melhores exercícios físicos segundo Harvard (e nenhum deles é correr)

Eis as atividades mais benéficas para a saúde em curto e longo prazos de acordo com I-Min Lee, professora de Medicina de Harvard
– por Mayte Martínez Guerreiro – El País

Se você acha que correr uma maratona é a maneira mais simples de ficar sempre em forma, está enganado. Pelo menos é o que dizem os estudiosos de Harvard, segundo os quais, para perder peso, aumentar a massa muscular, proteger o coração e o cérebro e fortalecer os ossos, há atividades físicas melhores do que essa. I-Min Lee, professora de Medicina e Epidemiologia da Faculdade de Medicina de Harvard (EUA), afirma que correr longas distâncias não faz bem para as articulações nem para o sistema digestivo. Sua proposta de atividades esportivas inclui outros cinco exercícios que trazem benefícios que vão desde a perda de peso até o ganho de músculos, proteção do coração e fortalecimento dos ossos.

1. Tai chi

Uma arte marcial chinesa que combina uma série de movimentos delicados e fluidos para criar uma espécie de meditação em movimento. O exercício é praticado lenta e suavemente com um alto grau de concentração e dá especial atenção para a respiração em profundidade. Como são os praticantes que definem o seu próprio ritmo, ele é acessível para uma variedade muito ampla de pessoas, independentemente da idade ou da condição física. “É especialmente bom para os mais velhos, pois o equilíbrio é um componente importante da condição física e algo que perdermos com o avançar da idade”, diz Lee. Para Marta Rosado, com efeito, ele “melhora o equilíbrio, a coordenação e a flexibilidade. Previne o surgimento de dores lombares e problemas na coluna vertebral. A prendemos a respirar e a canalizar nossa energia. Melhora o sono e relaxa física e mentalmente. Qualquer um pode realizá-lo, pois ele não provoca nenhum tipo de impacto. Eu o recomendaria sobretudo a partir dos 50 anos”.

2. Caminhar

Vários estudos sugerem que caminhar durante pelo menos 30 minutos, mesmo sendo em ritmo moderado ou pausado, pode trazer benefícios para a mente e para o corpo. Em pessoas com depressão severa, esse exercício pode contribuir para uma redução clinicamente importante e estatisticamente significativa da mesma. ”É uma atividade que melhora o sistema cardiovascular, pode ajudar a fortalecer a parte inferior do corpo nas pessoas mais velhas e naquelas que têm pouca condição física”, afirma Ángel Merchán. “Diminui os níveis de colesterol, é essencial para diabéticos, reforça o sistema imunológico, melhora a circulação e oxigena o corpo”, diz a personal trainer Marta Rosado, para quem essa atividade não constitui, porém de um “treinamento”.

3. Exercícios de Kegel

Importantes para homens e mulheres, eles ajudam a fortalecer a região pélvica. À medida que envelhecemos, essa região, que inclui o útero, a bexiga, o intestino delgado e o reto, se fragiliza. Manter esse conjunto com resistência traz benefícios como o de evitar vazamentos da bexiga. A forma correta de fazê-los, segundo Harvard, é comprimir os músculos usados para segurar a urina ou os gases durante dois ou três segundos, soltar e repetir 10 vezes –e isso, de quatro a cinco vezes por dia. Marta Rosado alerta, porém, para o fato de que “a realização de uma quantidade excessiva desses exercícios pode levar a um enfraquecimento dos músculos da região pélvica e provocar uma nova redução da capacidade de controlar a bexiga”.

4. Natação

Trata-se do “exercício perfeito”, segundo os autores do boletim de saúde de Harvard Healthbeat. Além de trabalhar quase todos os músculos do corpo, a natação eleva a frequência cardíaca e pode melhorar a saúde do coração e proteger o cérebro da deterioração relacionada à idade. Nadar regularmente entre 30 e 45 minutos é um exercício aeróbico que ajuda a combater a depressão, a elevar o estado de ânimo e a diminuir o estresse, entre outros benefícios. “Nada é bom para pessoas com atrite”, afirma Lee no boletim. Embora o considere bastante completo, Ángel Merchán, diretor da empresa de treinamento pessoal Homewellness, não acredita na existência de um “treinamento perfeito baseado em apenas uma modalidade. É preciso uma abordagem incluindo diversas práticas. Os impactos e as cargas são também necessários, por exemplo, para a prevenção da osteoporose e para o estímulo dos tendões. A natação deve ser combinada com um trabalho de força –com pesos, por exemplo—e de impacto (corrida, por exemplo), adaptados para cada pessoa”.

5. Treinamento de força

Requer o uso do peso para criar resistência contra a gravidade. Pode ser o próprio corpo, pesos com ou sem alça, tiras elásticas… Para Ángel Merchán, trata-se de um exercício “fundamental em qualquer tipo de treinamento. Melhora a força muscular, previne lesões, ativa o metabolismo. Todo mundo pode e deve fazê-lo, obviamente de forma adaptada caso a caso: na terceira idade, ele ajuda no combate a vários problemas comuns, como dores nas costas e nos joelhos, osteoporose e sobrepeso”. Marta Rosado concorda. “É essencial para manter o peso que se perdeu. Protege ossos e músculos, melhora a mecânica do corpo e nos torna mais conscientes de cada movimento. Aumenta os níveis de energia e melhora o estado de ânimo”.

………………………………………………………………..
*Fonte: resvistaprosaversoearte

5 exercícios para desenvolver a sua inteligência emocional

A inteligência emocional é uma dimensão da nossa vida que todos nós deveríamos desenvolver e gerenciar adequadamente. Saber ouvir o outro, compreender as emoções alheias, controlar as suas próprias emoções, saber se comunicar e promover o respeito mútuo é essencial para uma boa convivência.

É um tipo de inteligência que deveria ser incluída no currículo escolar para desenvolver nas crianças as habilidades básicas. É uma forma de autoconhecimento, de autocontrole e expressividade, de conhecer seus próprios limites e, ao mesmo tempo, se impor para evitar possíveis manipulações.

Como já sabemos, não é mais inteligente aquele que tem um QI elevado, o que tem um trabalho melhor ou aquele que se dedica a acumular “coisas”. A verdadeira inteligência está associada a uma felicidade genuína, que nos deixa orgulhosos por sermos o que somos e com o que temos, seja muito ou pouco. Então, por que não praticar esses exercícios simples para melhorar a nossa inteligência emocional?

 

1- Conhecer a si mesmo

Conhecer a si mesmo é uma aventura que dura uma vida inteira. É um esforço diário, fixando objetivos e aprendendo com eles; é um exercício de introspecção que fazemos toda manhã. Pergunte a si mesmo o que deseja para hoje e para amanhã.

Quando a noite chegar, reflita sobre como se sentiu durante todo o dia. Você agiu como queria? Você se expressou de acordo com os seus valores? Faça perguntas a si mesmo e escreva um diário, em um papel qualquer ou um livro de pensamentos. É um exercício simples, mas de grandes resultados.

 

2- Equilíbrio emocional

Pense em suas emoções como uma balança, onde não vale a pena chegar aos extremos, porque sempre acabamos perdendo. Não se deixe manipular e nem revide palavras cheias de raiva ou fúria. O ideal é o equilíbrio, nunca chegue ao limite das suas emoções.

Quando você perceber que está prestes a “explodir” visualize uma pequena sala tranquila e arejada; é o seu palácio de pensamentos. Esta sala é um espaço só seu, utilize-o sempre que precisar. Antes de agir, pense, reflita e analise a situação. Quando se sentir equilibrado emocionalmente, tome a sua decisão.

Ninguém tem mais controle sobre a sua vida do que você mesmo, nunca se esqueça disso. Portanto, não permita que outras pessoas o levem a perder a calma ou a sua identidade, trabalhe o seu equilíbrio interior.

 

3- Empatia

A empatia é um conceito que faz parte da inteligência emocional e todos nós conhecemos e valorizamos. No entanto, não o colocamos em prática tanto quanto deveríamos. É mais fácil se colocar no lugar de pessoas que nos transmitem sentimentos positivos. Nos identificamos com elas e o nível de compreensão e intimidade é maior.

Mas, por que não tentar a empatia com alguém que nos incomoda? Por exemplo, aquele chefe que não o respeita, o colega que sempre fala mal dos outros e só procura problemas. Tente colocar-se no lugar deles, e talvez descubra o que está por trás desse comportamento. Pode se insegurança, baixa autoestima… experimente, pode ser um bom aprendizado.

 

4- Motivação

Pode ser que você esteja um pouco desanimado. Mas a partir deste momento faremos um exercício simples: vamos olhar somente para o lado positivo das coisas e esquecer o lado negativo. Levante-se todos os dias pensando em algo que o anime e que deseja conseguir.

“A vida sem esperança não é vida, busque a sua motivação diária”.

Qualquer coisa pode ser útil para nos motivar: tomar um café naquela cafeteria que você não conhece, ligar para uma pessoa que não vemos há muito tempo, comprar um vestido novo, planejar uma viagem para o final da semana, começar um curso de ioga ou pintura ou sorrir um pouco mais…

 

5- Habilidades sociais

Vamos tentar nos comunicar um pouco melhor. E não apenas por palavras, mas com os gestos também. Chegue mais perto das pessoas, dê um sorriso, acaricie, dê um tapa no ombro ou um abraço e perceba que a reação delas será diferente.

Busque e ofereça emoções positivas, olhe nos olhos e  tente ouvir a pessoa que está na sua frente. Talvez descubra muito mais coisas do que com simples palavras. Coloque tudo isso em prática, desenvolva a sua inteligência emocional e seja mais feliz, fazendo os outros felizes também.

….

Fonte: amenteemaravilhosa

inteligenciaemo

Estudo tenta mostrar como o exercício aeróbico ajuda a “limpar a mente”

Pesquisa feita pela Universidade de Harvard revela que participantes se sentiram mais vivos, ativos e capazes, além de terem melhora da memória após um treino de corrida.

Uma boa corrida pode fazer você se sentir como uma pessoa totalmente nova. E, de certa forma, esse sentimento pode ser, literalmente, verdade. Pesquisas em neurociência identificaram uma ligação forte entre o exercício aeróbico e a clareza cognitiva. Ou seja, a atividade física nos ajuda a “limpar a mente”. As informações são do site “Science Of Us”.

Recente estudo elaborado pelos pesquisadores da Universidade de Harvard, Emily E. Bernstein e Richard J. McNally, indicou que, após um treinamento, os corredores se sentiam mais vivos, ativos, capazes e tinham melhora da memória. O objetivo era entender o que o exercício físico realmente estava fazendo para ajudar a melhorar os problemas de humor ou ansiedade e também a regular a emoção.
Estudos anteriores apontavam que exercícios aeróbicos desencadeavam o nascimento de novos neurônios. Outras mudanças atestavam que 30 a 40 minutos de atividade eram suficientes para aumentar o fluxo sanguíneo de uma área do cérebro localizada atrás da nossa testa e que está associada a alguns atributos como a concentração, a gestão, o foco e o planejamento futuro.

Seguindo o papel do exercício nessa parte do cérebro, os cientistas montaram um experimento clássico entre os estudos da emoção com 80 pessoas. Todas foram convidadas a ver a cena final do filme “The Champ” (1979), que é carregado de emoção. Mas antes, metade da turma teve de correr por cerca de 30 minutos. Enquanto isso, os outros participantes apenas ficaram à espera.

Depois que as pessoas entrevistadas assistiram ao filme, os cientistas concluíram que aqueles que correram mostraram-se emocionalmente mais fortes e não cederam com tanta facilidade às imagens marcantes do filme. Isso evidenciou que os problemas que eles tinham ficaram menos presentes na mente depois de terem se exercitado. As emoções estavam mais equilibradas.

*Fonte/Texto: portaldaeducacaofisica

correr111