Tome cuidado com as maldades camufladas e com os abraços que apunhalam

“Nem tudo o que lhe dizem é para ajudar, nem todo elogio provém de uma admiração sincera e nem todo mundo que se diz seu amigo realmente quer o seu bem.” (Beatriz Zanzini)

Existe muita gente boa no mundo, mas o que também há de pessoas ruins é incrível. Não se passa um dia sem que nos decepcionemos com alguém, sem que não nos surpreendamos com alguma atitude que não esperaríamos de determinada pessoa, sem que não nos deparemos com alguma manchete absurda nos jornais.

Apesar de sermos seres racionais, muitas vezes agimos irrefletidamente, apenas seguindo o impulso, esquecendo-nos de pensar sobre as consequências do que fazemos, do que dizemos, sem levar em conta os sentimentos alheios. Mesmo sofrendo, mesmo sabendo como dói viver, muitos de nós não nos importamos com a dor do outro, nem mesmo com a dor por nós causada.
Não dá para entender, por exemplo, o prazer que possa trazer a destruição da imagem do outro, mesmo que às custas de inverdades.

Não é raro, nesse sentido, surgirem polêmicas envolvendo quem está se destacando em algum setor da vida, quando se espalham boatos que podem macular a imagem de quem brilha, principalmente na mídia e na política.

Isso se constata rapidamente ao prestarmos atenção nos participantes do programa BBB, que, mal surgem na telinha, já têm seu passado vasculhado e polemizado por internautas. O julgamento do outro parece ser um comportamento recorrente, como se ninguém houvesse errado, como se a perfeição fosse uma possibilidade. O que importa mesmo é acabar com a vida de quem se destaca, porque a muitos é insuportável assistir ao sucesso de quem fez por merecer.
Por essa razão é que devemos ter cuidado com as pessoas, no sentido de nos precavermos de gente ruim, que não sabe ser sincera, que não age sem querer algo em troca.

Há muitas pessoas que são infelizes e não suportam que ninguém mais seja feliz. Invejam o outro e, em vez de tentar conquistar e chegar lá onde a pessoa está, apenas tentam destruir quem é feliz.

É preciso, pois, cautela – como nos ensinam as escrituras, “orai e vigiai”.

*Por Marcel Camargo

 

…………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Não há nada mais perigoso do que uma pessoa cruel, convencida de que é uma boa pessoa

O autoconhecimento é uma das coisas mais importantes a que devemos aspirar como seres em desenvolvimento, é o que nos permite saber quais são os nossos pontos fortes e quais são as nossas oportunidades de melhoria, permite-nos adquirir as ferramentas necessárias para interagir adequado ao nosso ambiente e nos dá a oportunidade de trabalhar por uma melhor versão de nós mesmos no curso de nossas vidas.

Muitas vezes acontece que as virtudes ou defeitos são evidentes para o mundo inteiro, menos para aqueles que os carregam. Quando falamos das virtudes, a ignorância não gera nenhum tipo de dano colateral, você só sentirá o benefício da boa ação e, ao longo de sua vida, coletará o fruto daquilo que é semeado através dessas virtudes.

No entanto, quando uma pessoa é especificamente cruel, mas ignora que seja, não se assume como tal ou simplesmente se sente uma boa pessoa em equilíbrio, pode gerar muitos problemas para os que a rodeiam, pois agirá com o seu lado ruim, sem medir as conseqüências e justificando ações, sob o pretexto de benefício e bondade para com os outros.

Pessoas cruéis geralmente manifestam esse modo de ser em relação a pessoas que percebem mais fracas ou desamparadas, geralmente a crueldade é acompanhada por um sentimento de superioridade, mais ou melhor do que as pessoas à sua volta, uma necessidade imperiosa de impor sua vontade.

Aqueles que possuem estas características podem achar que estão fazendo um favor àqueles que cruzam seu caminho, mas podem desmoralizar a vida de muitos, são especialistas em desmotivar, extinguir sonhos, ferir e encher corações de desespero
Crueldade, como qualquer outro vício, não requer nenhum motivo para ser praticado.

As vítimas que são mais afetadas por esse tipo de pessoa, paradoxalmente, são aquelas com quem têm um vínculo emocional mais forte, seja de pais para filhos, como um casal ou de qualquer tipo que exija um relacionamento próximo, embora suas doses de crueldade possam ser deixadas a seu critério e com a plena convicção de que estão fazendo o bem em todos os lugares.

Esses tipos de pessoas podem até ver e, pior ainda, sentir suas vítimas como vitimizadoras, tendo uma capacidade extrema de se livrar da responsabilidade e culpar os outros. É importante, como em qualquer tipo de maus-tratos, preservar a integridade da vítima, tentando marcar a distância e colocando em evidência aqueles que maltratam seu comportamento dessa maneira, a fim de colaborar com o que é para ela em seu campo cego.

 

……………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

5 tipos de pessoas que você deve pensar muito bem antes de confiar

Quando conhecemos pessoas novas surge em nossa frente uma folha em branco repleta de possibilidades. Cada novo encontro dá origem a um novo traço que, dia a dia, dá formas a um desenho antes inusitado.

Desses encontros surgem também as mais lindas paisagens, mas, do que antes poderia parecer o caminho para algo belo, podem surgir traços feios, ameaçadores e que nos machucam que vão além do saudável e aceitável.

O que queremos te ajudar a pensar nessa postagem é que, por mais difícil que pareça, existem maneiras de identificar o que não é bom, basta que esperemos o tempo necessário e estejamos atentos aos padrões que se repetem. Afinal, errar é humano, mas continuar errando releva traços importantes de caráter….ou mesmo da falta dele.

A partir disso, listamos abaixo 5 tipos de comportamento que devem servir como sinais de alerta. Confira e, no final, nos digam se vocês concordam ou não.

1. Pessoas que escolhem com quem serão educadas e charmosas

Tem gente que só trata bem quem identifica que pode lhe trazer ganhos pessoais. Quando essa pessoa não percebe serventia no outro, o seu tratamento é outro.

Quem usa do charme com fins de manipulação demonstra falsidade e pouca legitimidade de sentimentos. Normalmente são pessoas pouco leais e que se vendem. São aquele tipo que, se achar um “amigo melhor”, ignora o anterior.

Se você estiver próximo de alguém que faz isso esteja atento porque quem se comporta assim com o outro, dia ou outro, fará o mesmo com você.

2. Pessoas que demonstram frieza com o próximo

Falta de empatia é o maior mal dos tempos modernos. Existe tanta competição e individualismo que não olhar para quem está ao redor, em alguns lugares, é até considerado uma qualidade.

Pessoas que demonstram frieza e indiferença com o que acontece com o ser humano que está próximo são sérias candidatas a não estarem presentes quando você precisar de algo, mesmo.

Lembre-se que as relações envolvem cuidado mútuo.

3. Pessoas invasivas e que não respeitam os limites e nem a privacidade do próximo

Respeito é algo fundamental em qualquer relação e esse só existe se os limites entre as pessoas forem estabelecidos.

A gente percebe isso quando alguém faz coisas sabendo que você não gostará e que aquilo te magoará, quando contam coisas que são da sua intimidade, quando debocham do que lhe causa sofrimento.

Ah, e detalhe, se falam do outro para você, falam de você para o outro.

4. Pessoas que pensam que o mundo gira ao seu redor

Os famosos “narcisistas” possuem traços de manipulação e apenas nos tratam bem para conseguir o que querem: a nossa atenção. Depois, quando precisamos de algo, eles sempre terão um outro compromisso ou urgência. Nós não podemos contar com eles ao menos que os atos deles se revertam a plateia e ganhos secundários de atenção. Exemplo: ajudar instituições de caridade e serem considerados caridosos.

5. Pessoas que oscilam demais

Ok, sabemos que a oscilação é normal. Também sabemos que oscilar demais pode ser fruto de um transtorno de humor que é uma doença psicológica, mas nós também temos que aprender a nos protegermos dessas oscilações porque pessoas que oscilam demais vão do céu ao inferno em segundos. E, se nós não soubermos dar limites e nos protegermos, nós somos arrastados para o abismo junto com eles.

Os limites devem ser claros.

…………………………………………………………….
*Fonte: psicologiadobrasil

A linda falsa vida que muitos sentem a necessidade de mostrar

Tem gente que anda tão preocupado em se mostrar bem e agradar, que acaba se perdendo de si mesmo. Quando a pessoa se deixa seduzir pelas tentações do ego e da vaidade, acaba entregando a vida para uma viagem só de ida. Só na tela.

São tantos que vivem iludidos por espelhos de pequenas ilusões e escondidos atrás de cortinas de grandes mentiras, que com o passar do tempo perdem a noção da realidade. Já não conseguem viver sendo verdadeiros. É há uma cobrança coletiva por baixo disso. Somos cobrados pelo sucesso alheio e incentivados a sermos iguais. Mal sabemos que, em algumas situações, por detrás de uma foto postada, quase sempre há máscaras, quase sempre há pessoas com a alma ferida, tentando se mostrar fortalecidas.

Quando a pessoa se deixa seduzir pelas tentações do ego e da vaidade, acaba entregando a vida para uma viagem só de ida. Só na tela. Tentar competir com o mundo é a melhor e mais rápida maneira de ser derrotado.

Existe um enquadramento relacionado entre as redes sociais e sua fábrica de ilusões. Parece absurdo, mas, na maioria das vezes, só postamos aquilo que queremos que os outros vejam. Postamos aquilo que queremos ser (e muitas vezes não somos). A verdade nem sempre é mostrada. Poses e mais poses, filtros e mais filtros para se chegar na foto perfeita. Quantas são as vezes que em busca de aprovação de outras pessoas, pintamos um quadro totalmente disforme da realidade. Nem sempre é o que parece, por vezes as pessoas estão prestes a cair num precipício, mas querem que todos pensem o contrário. A busca doentia por “likes” transforma fulanos e fulanas em reféns de suas próprias mentiras.

A postagem dos outros se torna uma provocação e é preciso se mostrar melhor. Mudar a aparência não é mais suficiente, é preciso fingir outra vida.

Na verdade, há casos em que a diferença de imagem entre a pessoa real e a pessoa mostrada na tela do computador é tão grande, que, na grande parte das vezes, é algo inacreditável. São figuras distintas, quase que irreconhecíveis quando colocadas lado a lado. A sociedade se reconfigura quando se projeta uma imagem vitoriosa. Há uma aceitação maior. Há uma glorificação da figura do ser bonito, rico e perfeito e não se enquadrar nisso é dolorido para pessoas (em sua maioria) com a autoestima abalada demais ou elevada demais. Umas de um lado, outras de outro. Paradoxos difíceis de compreender. Um sonho de consumo que faz muitos se sentir inseguros e tristes. Um sonho de consumo que faz muitos se mostrar alegres e bem-sucedidos. Um sonho de ser além do que as outras pessoas comuns aparentemente são.

Os perfis são tão perfeitos, as pessoas tão alegres, as fotos tão bonitas, as comidas tão gostosas, as selfies mais incríveis, as festas mais chiques, os amigos tão sorridentes, as famílias tão impecáveis, empregos poderosos, romances maravilhosos, viagens inesquecíveis, as roupas mais caras: A melhor vida possível! Depois desse prazer dos diversos likes, essas ações viciam e tendem a se repetir.

Quando tudo isso é verdadeiro e realmente vivemos e temos essa vida, é bom demais expor as conquistas.
Ostentar sucesso e trabalhar o marketing pessoal, pode fazer parte, saudavelmente, do dia a dia do vaidoso. Quando é sem muitos exageros, melhor ainda. O perigo é quando muita parte do que é exibido não é real, é montado, disfarçado, é fake. Existe o risco de ser descoberto e o castelo cair, o prazer pode virar dor, a luxúria pode virar amargura, aplausos viram vaias, beleza vira vergonha e sorrisos viram choro.

É complicado pensar que atualmente os níveis de felicidade, realização e sucesso das pessoas são calculados pelo número de likes e coraçõezinhos em seu perfil. Cliques esses, muitas vezes feitos por pessoas que nem se conhecem.

Fica mais difícil saber que isso também nos atinge. Essa falsa prosperidade que muitas vezes encontramos na vida dos outros, nós tentamos concretizar na vida da gente também e nem sempre conseguimos.

A vida não nos cobra perfeição, mas a sociedade sim, os amigos sim, a família sim e com isso projetamos uma imagem de vencedor para agradar. Esse limite entre o real e o virtual, nos traz para uma reflexão sobre o que fazemos e o quanto ficamos invejosos sobre o que os outros fazem melhor do que nós. É como se a felicidade interior só tivesse alguma serventia se as outras pessoas vissem e curtissem. Como se a felicidade alheia fosse algo para incitar inveja.

Muitas vezes a gente se sente assim, insuficiente. Sentimos inveja. Sentimos que não chegamos lá. Mas não queremos assumir e não pretendemos nos esconder. Mas, se você precisa mudar seu jeito e esconder suas verdades para caber no mundo, saiba que jamais nada disso o deixará mais feliz, nem mais aceito, nem mais bonito ou bem-sucedido.

Quando você se mostra grande em cima de algo que você não construiu, a queda é certa e sua pequenez será exposta algum dia. Não existe quem não precise de melhorias, sempre deve haver uma inspiração que nos guie aos acertos, mas é preciso repelir os erros, é preciso aceitar quem somos.

Se a gente tiver um coração do bem, ele se abre e cria espaço para receber energia positiva e somente um coração cheio de alegria e verdades pode fazer uma alma repleta de felicidade.
A alma é que deve se mostrar feliz e não aquela foto maquiada da rede social. Só por isso já vale a pena a gente lutar para se mostrar como é. Não deixe que as vaidades o impeçam de andar somente pelos caminhos da verdade. Somente a verdade deve ser mostrada, mesmo que ela não o enobreça, mesmo que ela não o cresça, mesmo que ela não o coloque em palanques e palcos, não lhe traga prêmios e palmas. Mas entenda que só ela importa. Só ela é nobre. Só ela interessa.

A imagem verdadeira é a única coisa que a gente deve ter de melhor e mais belo a se mostrar.

………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Há duas coisas insuportáveis: a mentira e a falsidade

Se há algo verdadeiramente lamentável é a mentira, e também a falsidade. Ambos são capazes de destruir tudo em seu caminho, devastar vilas e florestas e derrubar as torres mais altas.

O mais triste da hipocrisia e do engano é que nunca vêm dos nossos inimigos ou pessoas desconhecidas. Como seria de esperar, tudo isso dói. E muito. Quando nos enganam, o pior não são as mentiras em si, mas o que levam com elas.

 

“Quando um sentimento tão importante como a confiança é quebrado, algo dentro de nós morre. Isso ocorre porque a põe em mentira duvida mil verdades, fazendo-nos questionar até as experiências que pensamos mais verdadeiras.”

 

Uma mentira muda tudo

Tanto a mentira quanto a falsidade são, em grande parte, uma questão de hábito. Há muitas pessoas que são profissionais nessa “arte” e enganem a todos de uma maneira verdadeiramente surpreendente.

Como sabemos, a mentira habitual pode ser um problema psicológico grave. As vezes, a mentira pode ser “justificada” como um erro na acção, não na intenção. É o que chamamos de mentiras brancas, porque acreditamos que a verdade causará mais mal do que a mentira.

Alguns argumentam que qualquer tipo de mentira é baseada em relações de má qualidade, mas o fato é que o ser humano, às vezes, não é bom em avaliar além do branco e preto.

 

Com o tempo, tudo é descoberto

As mentiras e enganos sempre têm data de validade, porque necessitam de muitas circunstâncias para se sustentarem. Isto eventualmente torna-se uma espiral de enormes dimensões que o mentiroso não pode manipular.

“Ou seja: quando uma mentira sai de sua boca, você deixa de controlar grande parte dela.”

No entanto, embora seja muito difícil que uma mentira se sustente ao longo do tempo, é normal que continuemos iludidos. Podemos ter muitos indícios, mas o mais provável é que os laços emocionais que mantemos nos ceguem.

 

Mentira e falsidade, duas feridas profundas na alma

Trair as pessoas que te amam é um dos atos mais destestáveis os seres humanos podem cometer. É difícil superar essa descoberta, porque a própria decepção abriga a capacidade de destruir completamente o nosso mundo.

Uma pessoa traída é mais do que uma pessoa ferida. É alguém que perdeu o norte, que perdeu sua bússola, que não entende, que sente uma confusão angustiante, que não sabe manter seus sentimentos e acredita ser profundamente estúpida.
Alguém tem que começar do zero, reconstruir suas paredes, percorrer um caminho difícil e tapar os buracos. É alguém com feridas de morte e tem que reviver sozinho.

 

Curar as feridas causadas pela traição

Com o passar do tempo é provável que a raiva e impotência que sentimos no início se transformem em uma lástima por tudo o que se foi, quebrou ou murchou. É neste tempo que podemos começar a curar as nossas feridas e valorizar a lealdade com força.

Superar isso leva tempo, mas precisamos perdoar a nós mesmos e parar de torturar-nos pelo o que pensávamos poder evitar. Desta forma podemos fazer a paz com o mundo, e voltar a confiar.

Se em algum momento alguém fizer você se machucar, não puna a si mesmo e nem pense que todos são iguais, isso seria como acreditar que porque você ganhou uma vez na loteria, ganhará em todas as outras vezes que comprar.

“A partir daí, valorize a lealdade e desvalorize a traição. Não se culpe e perdoe, porque a desonestidade é uma oportunidade muito boa para crescer e escolher melhor aqueles que o rodeiam.”

 

………………………………………………….
*Fonte: osegredo