O que é metaverso, a nova aposta das gigantes de tecnologia

No fim do último mês de setembro, o Facebook anunciou investimento de US$ 50 milhões para construir seu próprio metaverso.

Meses antes havia sido a Epic Games, empresa de jogos eletrônicos por trás do Fortnite, que virou febre mundial. A companhia fundada por Tim Sweeney levantou US$ 1 bilhão em uma rodada de investimentos em abril para financiar “sua visão de longo prazo para o metaverso”.

Mas do que se trata a novidade, apontada por especialistas como a nova aposta das gigantes de tecnologia?

De longe, o metaverso pode parecer uma versão repaginada da tecnologia de realidade virtual. Alguns especialistas argumentam, contudo, que ele se desenha como o futuro da internet. Para efeito de comparação, esse novo universo digital seria para a realidade virtual o que os smartphones modernos representaram para os celulares “tijolões” dos anos 1980.

Isso porque, em vez de se restringir ao computador, o metaverso permitiria que o usuário entrasse em um universo virtual mais amplo, conectado com todo tipo de ambiente digital.

Ao contrário da realidade virtual hoje, usada majoritariamente no mundo dos games, poderia ser aplicado em outras áreas – no mundo do trabalho, para a realização de shows, exibição de filmes ou simplesmente como um espaço para relaxar.

Como o conceito ainda está no campo das ideias, contudo, não existe uma definição exata do que é um metaverso. Na visão de alguns, por exemplo, cada usuário teria nesse “mundo paralelo” um avatar em 3D, uma representação de si mesmo.

Por que agora?
Novos modismos tecnológicos ligados à realidade virtual têm surgido a cada poucos anos, para desaparecerem algum tempo depois.

No caso do metaverso, contudo, há um enorme entusiasmo entre grandes investidores e empresas de tecnologia, e ninguém quer ficar para trás se esse de fato se mostrar como o futuro da internet.

Como pano de fundo, existe ainda a visão de que, finalmente, a tecnologia e a conectividade avançaram o suficiente para levar a realidade virtual a um outro patamar.

O interesse do Facebook
Construir um metaverso é hoje uma das prioridades do Facebook.

A companhia tem investido pesadamente no segmento de realidade virtual. Há alguns anos, lançou seu próprio headset, batizado de Oculus, vendido hoje a um preço menor do que o cobrado pela maioria dos rivais – em algumas situações, abrindo mão inclusive do lucro, conforme a avaliação de alguns analistas.

Também tem desenvolvido aplicativos de realidade virtual para plataformas de comunicação, os chamados social hangouts, e de trabalho, alguns com interação inclusive com o mundo real.

Apesar do longo histórico de aquisição de concorrentes, o Facebook já declarou que o metaverso “não será construído da noite para o dia por uma única empresa” e afirmou desejar colaborar nesse sentido.

Parte do investimento de US$ 50 milhões será usado, segundo a empresa, para financiar grupos sem fins lucrativos que ajudarão a “construir o metaverso com responsabilidade”.

Para a companhia, contudo, o mundo ainda precisa de outros 10 ou 15 anos para que a ideia comece a tomar forma de maneira mais concreta.

A ‘experiência musical’ do Fortnite
Tim Sweeney, CEO da Epic Games, há muito fala sobre seus planos envolvendo o metaverso.

Os universos interativos fazem parte do mundo dos games faz décadas. Eles não são exatamente metaversos, mas têm alguns paralelos.

Nos últimos anos, o Fortnite, por exemplo, expandiu seu leque de produtos, realizando shows e eventos de marcas e dentro de seu mundo digital. Em agosto deste ano, a cantora americana Ariana Grande fez uma série de shows dentro do jogo, uma “experiência musical”, assistida por milhões de pessoas.

Os novos caminhos abertos pelo Fortnite impressionaram muita gente – e acabaram colocando a visão de Sweeney do metaverso em destaque.

Outros jogos também têm flertado com o conceito de metaverso. O Roblox, por exemplo, reúne em uma plataforma milhares de jogos conectados ao ecossistema maior, em que os jogadores podem criar experiências diferentes.

Nesse sentido, há ainda a plataforma Unity, para desenvolvimento de aplicativos em 2D e 3D, e que hoje está investindo no que chama de “gêmeos digitais” (cópias do mundo real), e a multinacional Nvidia, que está construindo seu “omniverse”, uma plataforma para conectar mundos virtuais 3D.

Além do mundo dos games
Embora existam muitas ideias diferentes sobre o que o metaverso pode ser, a maioria das visões coloca a interação social como núcleo.

O Facebook, por exemplo, tem experimentado um aplicativo de reuniões de realidade virtual chamado “Workplace” e um espaço social batizado de “Horizons”. Em ambos são usados sistemas de avatar virtual.

Outro aplicativo, o VRChat, não foi pensado em torno de uma atividade específica, mas como um local em que as pessoas possam curtir, conversar e conhecer gente nova.

E parece não haver limites para a criatividade. Em entrevista recente ao Washington Post, Sweeney, da Epic Games, disse imaginar um mundo em que uma fabricante de automóveis que queira fazer propaganda de um novo modelo possa disponibilizá-lo na plataforma para que as pessoas consigam dirigi-lo.

Essa mesma ideia poderia ser levada à indústria da moda: pode ser que as pessoas passem a experimentar roupas digitais enquanto compram online.

Um longo caminho
A realidade virtual percorreu um longo caminho nos últimos anos. Os headsets de última geração, por exemplo, criam a ilusão de que nossos olhos estão enxergando imagens em 3D enquanto o jogador se move em um mundo virtual.

A tecnologia também tem se tornado mais popular – o Oculus Quest 2, por exemplo, headset de RV do Facebook, fez sucesso no Natal de 2020 em alguns países.

A explosão de interesse em NFTs (“token não fungíveis”, em tradução livre), por sua vez, pode apontar um caminho sobre o futuro do funcionamento de uma eventual economia virtual. Esses tokens criptográficos permitem a criação de um certificado digital de propriedade que pode ser uma maneira eficiente de rastrear de forma confiável a propriedade de bens digitais.

Mundos digitais mais avançados também precisarão de uma conectividade melhor, mais consistente e mais móvel – algo que pode ser resolvido com a disseminação do 5G.

Por enquanto, porém, tudo está nos estágios iniciais. A evolução do metaverso – se ele vier a se desenvolver de fato – vai ser disputada entre as gigantes da tecnologia no decorrer da próxima década ou por até mais tempo.

…………………………………………………………………………………
*Fonte: brasil-bbc

Caminhamos para novos anos loucos de hedonismo pós-covid-19?

Ampliemos o foco. Hoje nos espantamos com as interrupções de vacinas que acreditávamos infalíveis, com os procedimentos para demissões e alterações nos contratos de trabalho, as máscaras, as distâncias, o cansaço e mil
outras coisas que poderíamos pôr nesta lista. Que estamos cheios de colocar nessa lista. Mas vamos nos afastar alguns anos do momento atual e tentar nos situar em 2030, por exemplo, para olhar para trás, para a década que mal está começando. É um exercício. E talvez nem tudo seja tão voraz quanto pensamos.

Os paralelismos com a década equivalente do século XX tornaram irresistível a proclamação de uma espécie de repetição do fenômeno dos loucos anos 20, imortalizados em O Grande Gatsby, romance de Scott Fitzgerald que não teve muita sorte no filme estrelado por Leonardo DiCaprio em 2013. Não importa. Serve para que compreendamos um ícone daqueles anos em que, após a Primeira Guerra Mundial e uma pandemia de gripe que custou milhões de vidas, o Ocidente mergulhou num mundo vibrante de oportunidades, de crescimento espetacular na bolsa de valores, de consumo, de hedonismo, excessos, esperança e vitalidade, embora tenha acabado como acabou. Hoje, graças à ciência e às vacinas, também esperamos sair de uma pandemia que parou o relógio da economia e de nossas vidas. As projeções econômicas já indicam boas perspectivas de crescimento: 6% em 2021 e 4,4% em 2022 em âmbito global, segundo os prognósticos do FMI.

O dinheiro guardado pelas famílias em forma de poupança —108,8 bilhões de euros (717 bilhões de reais) só na Espanha, segundo o INE— começará a fluir assim que for possível novamente nos socializarmos. Espera-se que um aumento nos gastos e no consumo venha acompanhado de um novo estado de espírito mais ansioso, no qual os relacionamentos, o lazer compartilhado, as viagens, a moda e o prazer voltem a tomar ímpeto. A indústria está pronta, segundo especialistas, para um salto tecnológico que, além do mais, vai trazer mudanças surpreendentes nesta década. Também para um cuidado com o meio ambiente que passa por outra forma de comer, voar, nos aquecermos ou escolher um veículo. Anos loucos estão chegando em termos de mudanças, sim, mas também um sério perigo de dualidade, pois as brechas que já são profundas estão se alargando e enviam enormes sinais de alerta sobre o capitalismo como o conhecemos.


Poderíamos abordar este assunto com o otimismo de cientistas, especialistas em tecnologia e peritos que celebram as oportunidades que estão prestes a surgir e que a pandemia acelerou; ou com o pessimismo ou realismo dos filósofos, analistas sociais, com os dados que nos lembram a nossa habitual incapacidade de calcular limites. Provavelmente tudo é verdade, como foram louquíssimos os anos vinte do XX em avanços muito positivos, e nem por isso se evitou o crash de 1929. Vejamos tudo isso.

A disseminação da eletricidade permitiu o surgimento dos primeiros aparelhos eletrodomésticos que tornavam a vida mais fácil; carros de combustão ou caminhões deram amplo impulso à movimentação da população e o transporte de mercadorias; as linhas de montagem multiplicaram a produção; o rádio invadiu as residências e transmitiu tanto a música mais contagiante como o rápido aumento das ações na bolsa de valores, o que incentivou a especulação. Aquilo acabou como acabou, sim, mas desta vez pelo menos já sabemos disso.

Como na época, hoje estão chegando mudanças vertiginosas, também aceleradas graças ao trabalho remoto que a pandemia fez avançar sete anos, segundo levantamento da consultoria McKinsey com base em entrevistas com executivos. “Nestes anos 20, vai ser consolidada a quarta revolução industrial, pela nanotecnologia, a biotecnologia, a engenharia genética e a inteligência artificial”, diz Nuria Oliver, doutora em Inteligência Artificial pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). “A própria vacina é resultado desses avanços, e se várias foram conseguidas ao mesmo tempo, é graças a esta quarta revolução industrial, que continuará avançando e transformando a sociedade. Por isso é uma revolução industrial.”

 

Uma geladeira ou máquina de lavar não parecem uma revolução, e, no entanto, foram. Enquanto elas permitiam economizar tempo na compra de alimentos frescos ou na limpeza das roupas, os caminhões percorriam o Ocidente para transportar produtos em massa. Hoje são os dados, a nuvem e a inteligência artificial que nos trarão saltos impressionantes: medicina e fármacos personalizados, telemedicina, implantes cocleares, retinais ou de estimulação cerebral que nos levarão a terrenos novos na ética, como a possibilidade de ouvir mais frequências ou aumentar nossa memória, diz Oliver. É assim que teremos mudado em uma década: educação sob demanda e mais horizontal, direção de carros sem motorista, e isto sem falar nos veículos que deixam de vez os combustíveis fósseis para trás. “Nem híbrido nem elétrico, é preciso ir ao hidrogênio, muito mais compatível com os recursos que temos no planeta”, diz Margarita del Val, provavelmente a virologista mais conhecida da Espanha, do Centro Molecular Severo Ochoa e do CSIC.

Equipe médica trata um paciente com telemedicina em um hospital em Aachen (Alemanha), em janeiro último.
Equipe médica trata um paciente com telemedicina em um hospital em Aachen (Alemanha), em janeiro último.INA FASSBENDER / AFP VIA GETTY IMAGES
Os loucos anos 20 do século XX, diz Del Val, foram “uma fuga para a frente porque não se aprendeu com a pandemia. E agora temos que aprender com ela, não sobre como se aplica uma injeção num braço, mas sobre o valor da pesquisa”. A cientista acredita que a chamada gripe espanhola foi um fracasso: “Não está registrada, não tem literatura nem arte, e é importante que haja um legado”. Virão mais pandemias, garante, e se conseguirmos transferir a energia científica coletiva da qual ela se admira e que possibilitou essas vacinas para a prevenção, poderemos enfrentá-las melhor. “É preciso contratar engenheiros de computação e colocá-los para administrar a saúde pública, há tamanha quantidade de dados que se soubéssemos ordená-los saberíamos exatamente quantos coágulos sanguíneos existem todos os dias em cada lugar, por gênero, por idade, por exemplo.”

Rastrear bactérias resistentes a antibióticos, monitorar o que circula, lubrificar a produção de vacinas para todos os coronavírus que surgirem serão pontos de destaque nesta década se houver investimento sustentado, porque isso não se improvisa como um hospital de campanha.

Até agora, as possíveis invenções da década: a mineração de dados e a inteligência artificial no papel dos antigos motores de combustão que mudaram vidas há um século. Mas qual ser á o charleston desta época, além das coreografias domésticas que circulam no TikTok? Qual o futurismo, o jazz ou a moda que marcam com ousadia esta era? O Tratado de Versalhes, que pôs fim à Primeira Guerra, foi celebrado ao som da Original Dixieland Jazz Band, um ritmo que ganhou força naquela década em que se tornou “música festiva, lúdica e dançante”, assim como o tango se espalhou, “por seus componentes muito sensuais, carnais, e também dançantes”, lembra Fernando Neira, especialista em música. As pessoas queriam dançar, se divertir, e Josephine Baker conseguiu, por exemplo, dançar com suas saias de banana como um ícone do explícito, da diversão, de dar tudo como se não houvesse amanhã. “Agora posso antever novamente uma cultura do hedonismo, da evasão, de um certo conteúdo sensual, principalmente depois da música muito torturada que se criou no confinamento”, diz Neira.


Para Luis Vidal, arquiteto de grande projeção internacional, a década vai ser a mais trepidante que conhecemos porque, diz ele, viveremos em 10 anos o equivalente aos últimos 100. E ele dá cinco motivos: porque a pandemia já está causando mudanças em nossas cidades; pelo meio ambiente, que definirá a agenda; pela inteligência artificial, que irá acelerar nossas sociedades; por recursos financeiros que nunca foram investidos de forma tão global e transversal em todos os setores; e pela revolução social. “Temos a oportunidade de melhorar substancialmente a forma como a sociedade habita, ocupa e usa o planeta.” A arquitetura, ele argumenta, visa, em última instância, melhorar a qualidade de vida das pessoas, e é isso que fará.

O mesmo otimismo se respira no mundo da moda, que pode preparar-se para uma nova explosão diante da fome de luxo despertada após a escuridão da pandemia e o tédio do moletom, segundo preconizou Anna Wintour, editora da Vogue e guru do setor. Isabel Berz, diretora do Centro de Pesquisa e Educação do Instituto Europeu de Design, acredita que a incerteza gerada criou o espaço perfeito para a reinvenção. “Na moda estamos sem compradores há duas temporadas, estruturas caíram e ainda assim a criatividade ilimitada está sendo potencializada, um renascimento do empreendedorismo espontâneo, uma relação de um com outro, de pessoa a pessoa, graças ao Instagram. Viveremos um grande momento para a criação de autor, a autenticidade, a relação direta e sem intermediários, em contrapartida a um sistema de produção industrial.”

As compras online, que explodiram na pandemia, não só não recuarão, mesmo que a mobilidade retorne, mas irão evoluir para um novo formato mais inclusivo, que Sophie Hackford, pesquisadora e especialista em tendências, em Oxford, descreve como um universo mais próximo dos videogames do que os websites atuais: “A nova internet desta década oferecerá experiências mais ricas e cinematográficas que deixarão o 2D para trás. Tomando como modelo os videogames de grande orçamento, vamos passar o tempo em incríveis mundos virtuais fazendo compras, curtindo com amigos, nos reunindo ou em consultas médicas. Serão novos parques temáticos onde comprar, trabalhar e passar o tempo, e não em páginas planas da web. Poderemos sentir os dados, cheirá-los, ouvi-los. Será uma década pós-pixel em que viveremos dentro da máquina e sem olhar para ela. O mundo se transformará em um computador. E a pandemia o acelerou”.


A aceleração é um motor indiscutível. Carlos Sallé, engenheiro industrial e especialista em meio ambiente, ressalta que é também o motor da conscientização. “A pandemia foi um despertar, acelerou a consciência de que não resolveremos os problemas mundiais se não estivermos todos nisso. Que é preciso colocar o ser humano no centro.” Sallé constatou avanços consideráveis em mobilidade, como as pesquisas em hidrogênio, em baterias elétricas para aviões, biocombustíveis, a ampliação do uso de bicicletas, carros compartilhados e carros elétricos, a limitação que a França fará em voos curtos, como a Noruega já fez, bem como nos fertilizantes, cimento não poluente ou carne artificial que ajuda a baixar esse “altíssimo nível de proteína que não tínhamos antes da Segunda Guerra”.

Mas vamos olhar também para os obstáculos. Vejamos as ameaças neste exercício de prospecção em que não devemos fazer esforços excessivos para vislumbrar o que pode ser o nosso particular 1929: a desigualdade, o desemprego, a dívida pública elevada, as brechas digitais, sanitárias e educacionais, e a própria desconfiança num sistema que já nos falhou muitas vezes e não desperta esperança. “O diferente nessa crise é que ela se sobrepõe a outras crises”, lembra Txetxu Ausín, doutor em Filosofia e pesquisador do CSIC. “E assim como nos anos 20 do século XX havia otimismo, confiança e grandes esperanças em um capitalismo em desenvolvimento máximo, agora temos grandes incertezas, a ideia de progresso e crescimento é questionada.”


O sistema enfrenta seus limites, reflete Ausín, marcados pela crise climática e ecológica ou pela sobrevivência do próprio planeta. E a segurança se rompeu, até mesmo na ciência. “Os felizes anos 20 deram lugar aos sombrios anos 30, e essa incerteza e medo estão causando uma polarização exacerbada, a busca de soluções simples para problemas complexos.” É um terreno fértil perfeito para o populismo e a simplificação que também triunfaram depois de 1929 na forma do fascismo e do totalitarismo, observa Ausín. Cuidado.

O alerta que Txetxu Ausín lança está sobre a mesa. E encontra resposta em um grande conhecedor da economia como Emilio Ontiveros, que percebe que os Governos ou instituições como o FMI finalmente entenderam que “a economia não está a serviço de nenhuma ideologia, mas a serviço de minimizar os danos”, e que percebe nas empresas que não basta mais ganhar dinheiro, mas que isso tem que ser compatível com limitar os danos ao planeta e as desigualdades.

“O sistema entendeu que os excessos são perniciosos para a sobrevivência do próprio sistema. Demoraram para perceber isso, mas a lição funcionou”, diz Ontiveros. “E não porque o sistema se tornou uma irmã de caridade, é claro. Mas porque viu as orelhas do lobo.” O economista constata avanços como a flexibilização das empresas graças ao trabalho remoto ou o debate sobre a obsolescência da idade de aposentadoria.


Esperança ou pessimismo? Anos loucos ou uma arma nas têmporas do próprio sistema? As soluções já estão escritas, destacam todos: nos objetivos ante as mudanças climáticas, a Agenda 2030, no investimento na ciência, na educação e no uso adequado da tecnologia e da robótica. Esta década tecnológica não precisa ser um pesadelo. “Não é uma força inevitável que estamos obrigados a absorver. Não precisamos caminhar como sonâmbulos para um futuro indesejável”, diz a pesquisadora de Oxford Sophie Hackford.

A questão é que entre a euforia, o charleston que vier, a moda deslumbrante e a promiscuidade social que ansiamos após o confinamento não imitemos Gatsby quando ele disse, enquanto apontava para as estrelas no céu: “Minha vida tem que ser assim, sempre em ascensão”. Olhar sempre ao redor, e não só para cima, nos poupará desgostos.

*Por Berna González Harbour
………………………………………………………………………………………..
*Fonte: brasil-elpais

Previsão de colapso da civilização parece estar em sincronia com a realidade

Enquanto o processo tecnológico e industrial parece promissor, o colapso da civilização está cada dia mais próximo, afinal, os últimos acontecimentos evidenciam isso. A grande surpresa é que, em 1972, cientistas do MIT publicaram um estudo prevendo o fim da ‘civilização industrial’ no século XXI. O que houve?

Atualmente, uma nova análise busca estabelecer cenários preditivos para ajudar os detentores de poder a tomar decisões, que determinarão o futuro da humanidade. Pesquisadores criticavam as previsões da equipe do MIT, mas agora, foram consideradas estranhamente precisas, afinal, ao que tudo indica, o fim está próximo.

Gaya Herrington, chefe de sustentabilidade e análise de sistemas dinâmicos da KPMG, conduziu um estudo publicado no Yale Journal of Industrial Ecology. Nele, mostra como a situação evoluiu desde os relatórios de 1972. Através dos resultados obtidos, contudo, Gaya afirma que poderíamos presenciar o colapso da civilização até 2040.

Todavia, a profissional garante que isso só acontecerá se continuarmos com nossa abordagem atual de extração e superexploração de recursos, mas não se vê otimista. Ela levou em consideração dez variáveis chaves: população, taxas de fertilidade e mortalidade, produção industrial, tecnologia, produção alimentar, serviços, recursos não renováveis, poluição persistente, bem-estar humano e pegada ecológica.

Dentre as análises sobre o assunto, Herrington apontou os dois cenários em que os dados recentes correspondem de melhor maneira: “BAU2” (business-as-usual) e “CT” (tecnologia abrangente).

O cenário BAU2 (business-as-usual), que envolve continuar a viver de acordo com os nossos modelos atuais. Ele mostra um declínio drástico da população e dos seus vários indicadores de qualidade de vida. Dentre eles, um aumento exponencial da poluição e da escassez de alimentos.

“Os cenários BAU2 e CT mostram que o crescimento vai parar dentro de dez anos”, explicou. “Ambos os cenários indicam, portanto, que a manutenção do status quo, ou seja, a busca pela continuidade do crescimento, não é possível. Mesmo combinado com desenvolvimento e adoção de tecnologia sem precedentes, o business-as-usual levaria inevitavelmente a um declínio no capital industrial, produção agrícola e níveis de bem-estar durante este século”.

No cenário da “tecnologia global” (TC), também se instala o declínio econômico, com toda uma série de possíveis consequências negativas, mas não leva ao colapso da sociedade.

“Dada a perspectiva desagradável do colapso da civilização, estava curiosa para ver quais cenários se alinhavam mais de perto com os dados empíricos atuais”, explicou. “Afinal, o livro que apresentou esse modelo do mundo foi um best-seller na década de 1970, e agora devemos ter décadas de dados empíricos que tornariam a comparação significativa. Mas, para minha surpresa, não encontrei nenhuma tentativa recente de fazer isso. Então decidi fazer sozinha”.

Infelizmente, o cenário que menos correspondeu aos dados empíricos mais recentes passa a ser o mais otimista, conhecido como o “SW” (Mundo Estabilizado), no qual a civilização segue um caminho sustentável e conhece ao máximo. Pequenas quedas no crescimento econômico, graças a uma combinação de inovações tecnológicas e amplos investimentos em saúde pública e educação.

Indícios de que é possível evitar a tragédia

Herrington disse à revista Motherboard, entretanto, que o colapso da civilização “não significa que a humanidade deixará de existir”. “Mas isso vai destruir nosso estilo de vida. O crescimento econômico e industrial parará e depois cairá, afetando negativamente a produção de alimentos e os padrões nos quais vivemos. Em termos de tempo, o cenário BAU2 mostra que uma queda acentuada se estabelecerá por volta de 2040”, acrescenta ela.

Para finalizar, afirmou que o rápido aumento das prioridades ambientais, sociais e governamentais, serve como uma injeção de esperança e otimismo, pois reflete a mudança de mentalidade das empresas e governos.

*Por Rafaela D’avila
…………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Aliança entre Fiat, Jeep e Peugeot já tem data marcada para abandonar os motores a combustão

Este ano, a aliança entre Fiat, Jeep e Peugeot anunciou que abandonará a produção de motores a combustão. Dessa forma, o objetivo é comercializar apenas veículos elétricos e híbridos até 2025.

A aliança, advinda da fusão da Fiat Chrysler (FCA) e da Peugeot-Citroën (PSA) com outras 12 marcas, recebe o nome de Stellantis e teve sua criação em janeiro deste ano.

Motores elétricos e aliança entre Fiat, Jeep e Peugeot

Como os planos são a partir de 2025 abandonar os motores a combustão, a Stellantis vai trocá-los por novos modelos de motores elétricos.

Justamente porque a medida é uma exigência para seguir as normas ambientais, a fim de reduzir a emissão de gases poluentes.

Assim, o diretor-executivo da companhia, Carlos Tavares, anunciou que ela tem pressa em realizar a mudança e que pretende fazê-la rapidamente.

De fato, um alto planejamento é necessário para garantir o sucesso. Por isso, Tavares afirma que algumas estratégias estão sendo adotadas, como:


. Os engenheiros da companhia estão a todo vapor para potencializar as baterias e os motores elétricos;


. Adequação da plataforma para produção: a e-VMP;


. Parcerias importantes com fabricantes de motores elétricos, como a Nide, empresa japonesa e outras;


. Tudo isso a fim de garantir a estruturação do desenvolvimento dos motores elétricos e híbridos até 2025.

A fim de que a quarta maior montadora do mundo não fique para trás no mercado.

Vale ressaltar que aplicará a medida primeiro na Europa, depois na América do Norte. Por último, seguirá para os outros continentes.


Avanços

Como resultado, a aliança entre Fiat, Jeep e Peugeot confirmou que não pretende produzir novos motores a combustão.

Ademais, a plataforma e-VMP está sendo testada.

Nesse sentido, o carro elétrico Peugeot 3008, previsto para 2023, será o primeiro modelo fabricado na plataforma.

Com efeito, no futuro, a Stellantis planeja usar a tecnologia dos motores elétricos em todos os modelos a serem produzidos no catálogo das 14 marcas.

Em síntese, essa aliança segue os mesmos caminhos da Ford e Audi.

*Por Maria Natália Alves Ribeiro
……………………………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

Geleira da Antártica chega a um ponto sem volta: o nível do mar subirá mais de três metros

O alarme já havia sido disparado há algum tempo, durante anos … Mas agora os pesquisadores confirmaram pela primeira vez que a geleira Pine Island, no oeste da Antártica, está em seu ponto de inflexão. O derretimento do gelo é rápido e irreversível e terá consequências significativas para o nível do mar em todo o mundo.

Não se trata mais de cenários apocalípticos de filmes, mas da realidade.

Estamos falando em particular da Geleira Pine Island, que tem cerca de dois terços do tamanho do Reino Unido, o que é particularmente preocupante, pois está perdendo mais gelo do que qualquer outra geleira na Antártica. Atualmente, a Ilha Pine e a vizinha Thwaites Glacier são responsáveis ​​por cerca de 10% do aumento do nível do mar global em curso.

Os cientistas há muito argumentam que essa região da Antártica logo alcançaria um ponto crítico, passando por um recuo irreversível do qual nunca se recuperaria. E agora aconteceu. Tal recuo, uma vez iniciado, inevitavelmente leva ao colapso de todo o manto de gelo da Antártica Ocidental , que contém gelo suficiente para elevar o nível global do mar em mais de três metros.

Agora, pesquisadores da Northumbria University mostraram, pela primeira vez, que esse é realmente o caso. Suas descobertas foram publicadas no jornal The Cryosphere e mostram que a geleira tem pelo menos três pontos de inflexão distintos. O terceiro e último evento, desencadeado pelo aumento da temperatura do oceano em 1,2 ° C, leva a um recuo irreversível de toda a geleira.

Os pesquisadores dizem que as tendências de aquecimento e escalonamento de longo prazo em águas circumpolares profundas, combinadas com mudanças nos padrões de vento no Mar de Amundsen, podem expor a plataforma de gelo da geleira da Ilha Pine a águas mais quentes por períodos mais longos, fazendo mudanças de temperatura dessa magnitude cada vez mais provável.

“Esse processo pode já ter sido ativado na região do Mar de Amundsen, onde as geleiras Pine Island e Thwaites dominam a atual perda de massa da Antártica, mas as técnicas de modelagem e observação não foram capazes de estabelecê-lo de forma rigorosa, levando a visões divergentes sobre a futura perda de massa do manto de gelo da Antártica Ocidental. Aqui, pretendemos preencher essa lacuna de conhecimento conduzindo uma investigação sistemática do Regime de Estabilidade da Geleira da Ilha Pine. Para este fim, demonstramos que os indicadores de alerta precoce em simulações de modelo detectam de forma robusta o início da instabilidade da camada de gelo do mar. Somos, portanto, capazes de identificar três pontos de inflexão distintos em resposta ao aumento do degelo induzido pelo oceano.

“Nosso estudo é o primeiro a confirmar que a geleira de Pine Island realmente cruza esses limites críticos. Muitas simulações de computador diferentes ao redor do mundo estão tentando quantificar como as mudanças climáticas podem afetar a camada de gelo da Antártica Ocidental, mas identificar se um período de recuo nesses modelos é o ponto de inflexão é um desafio. No entanto, é uma questão crucial e a metodologia que usamos neste novo estudo torna muito mais fácil identificar potenciais pontos de inflexão futuros ”, explica Sebastian Rosier, vice-chanceler do Departamento de Geografia e Ciências Ambientais da Northumbria,

Se a geleira entrasse em recuo instável e irreversível, o impacto no nível do mar poderia ser medido em metros e, como mostra este estudo, uma vez iniciado o recuo, pode ser impossível parar.

Então é. E nunca queremos lembrar disso … nós dissemos a você.

…………………………………………………………………………………………………………………….
*Fonte: UNIVERSIDADE DE NORTHUMBRIA / A Criosfera
pensarcontemporaneo

O futuro sombrio previsto por agências de inteligência dos EUA para o mundo em 2040

A Comunidade de Inteligência dos EUA (CI), federação de 17 agências governamentais independentes que realizam atividades de inteligência, divulgou uma pesquisa sobre o estado do mundo em 2040.

E o futuro é sombrio: o estudo alerta para uma volatilidade política e crescente competição internacional ou mesmo conflito.

O relatório intitulado “Globo Trends 2040 – A More Contested World” (“Tendências Globais 2040 – Um Mundo Mais Disputado”, em português) é uma tentativa de analisar as principais tendências, descrevendo uma série de cenários possíveis.

É o sétimo relatório desse tipo, publicado a cada quatro anos pelo Conselho Nacional de Inteligência desde 1997.

Não se trata de uma leitura relaxante para quem é um líder político ou diplomata internacional – ou espera ser um nos próximos anos.

Em primeiro lugar, o relatório foca nos fatores-chave que vão impulsionar a mudança.

Um deles é a volatilidade política.

“Em muitos países, as pessoas estão pessimistas sobre o futuro e estão cada vez mais desconfiadas de líderes e instituições que consideram incapazes ou relutantes em lidar com tendências econômicas, tecnológicas e demográficas disruptivas”, adverte o relatório.

Democracias vulneráveis

O estudo argumenta que as pessoas estão gravitando em torno de grupos com ideias semelhantes e fazendo demandas maiores e mais variadas aos governos em um momento em que esses mesmos governos estão cada vez mais limitados no que podem fazer.

“Essa incompatibilidade entre as habilidades dos governos e as expectativas do público tende a se expandir e levar a mais volatilidade política, incluindo crescente polarização e populismo dentro dos sistemas políticos, ondas de ativismo e movimentos de protesto e, nos casos mais extremos, violência, conflito interno, ou mesmo colapso do estado”, diz o relatório.

Expectativas não atendidas, alimentadas por redes sociais e tecnologia, podem criar riscos para a democracia.

“Olhando para o futuro, muitas democracias provavelmente serão vulneráveis a uma erosão e até mesmo ao colapso”, adverte o texto, acrescentando que essas pressões também afetarão os regimes autoritários.

Pandemia, uma ‘grande ruptura global’

O relatório afirma que a atual pandemia é a “ruptura global mais significativa e singular desde a 2ª Guerra Mundial”, que alimentou divisões, acelerou as mudanças existentes e desafiou suposições, inclusive sobre como os governos podem lidar com isso.

Analistas previram ‘grande pandemia de 2023’, mas não associaram à covid

O último relatório, de 2017, previu a possibilidade de uma “pandemia global em 2023” reduzir drasticamente as viagens globais para conter sua propagação.

Os autores reconhecem, no entanto, que não esperavam o surgimento da covid-19, que dizem ter “abalado suposições antigas sobre resiliência e adaptação e criado novas incertezas sobre a economia, governança, geopolítica e tecnologia”.

As mudanças climáticas e demográficas também vão exercer um impacto primordial sobre o futuro do mundo, assim como a tecnologia, que pode ser prejudicial, mas também trazer oportunidades para aqueles que a utilizarem de maneira eficaz e primeiro.

Competição geopolítica

Internacionalmente, os analistas esperam que a intensidade da competição pela influência global alcance seu nível mais alto desde a Guerra Fria nas próximas duas décadas em meio ao enfraquecimento contínuo da velha ordem, enquanto instituições como as Nações Unidas enfrentam dificuldades.

Pessoas estão gravitando em torno de grupos com ideias semelhantes e fazendo demandas maiores e mais variadas aos governos em um momento em que esses mesmos governos estão cada vez mais limitados no que podem fazer, diz relatório

Organizações não-governamentais, incluindo grupos religiosos e as chamadas “empresas superestrelas da tecnologia” também podem ter a capacidade de construir redes que competem com – ou até mesmo – driblam os Estados.

O risco de conflito pode aumentar, tornando-se mais difícil impedir o uso de novas armas.

O terrorismo jihadista provavelmente continuará, mas há um alerta de que terroristas de extrema direita e esquerda que promovem questões como racismo, ambientalismo e extremismo antigovernamental possam ressurgir na Europa, América Latina e América do Norte.

Os grupos podem usar inteligência artificial para se tornarem mais perigosos ou usar realidade aumentada para criar “campos de treinamento de terroristas virtuais”.

A competição entre os EUA e a China está no centro de muitas das diferenças nos cenários – se um deles se torna mais bem-sucedido ou se os dois competem igualmente ou dividem o mundo em esferas de influência separadas.

Um relatório de 2004 também previu um califado emergindo do Oriente Médio, como o que o autodenominado Estado Islâmico tentou criar na última década, embora o mesmo estudo – olhando para 2020 – não tenha capturado a competição com a China, que agora domina as preocupações de segurança dos EUA.

O objetivo geral é analisar futuros possíveis, em vez de acertar previsões.

Democracias mais fortes ou ‘mundo à deriva’?

Existem alguns cenários otimistas para 2040 – um deles foi chamado de “o renascimento das democracias”.

Isso envolve os EUA e seus aliados aproveitando a tecnologia e o crescimento econômico para lidar com os desafios domésticos e internacionais, enquanto as repressões da China e da Rússia (inclusive em Hong Kong) sufocam a inovação e fortalecem o apelo da democracia.

Mas outros são mais desanimadores.

“O cenário do mundo à deriva” imagina as economias de mercado nunca se recuperando da pandemia de Covid, tornando-se profundamente divididas internamente e vivendo em um sistema internacional “sem direção, caótico e volátil”, já que as regras e instituições internacionais são ignoradas por países, empresas e outros grupos.

Um cenário, porém, consegue combinar pessimismo com otimismo.

“Tragédia e mobilização” prevê um mundo em meio a uma catástrofe global no início de 2030, graças às mudanças climáticas, fome e agitação – mas isso, por sua vez, leva a uma nova coalizão global, impulsionada em parte por movimentos sociais, para resolver esses problemas.

Claro, nenhum dos cenários pode acontecer ou – mais provavelmente – uma combinação deles ou algo totalmente novo pode surgir. O objetivo, dizem os autores, é se preparar para uma série de futuros possíveis – mesmo que muitos deles pareçam longe de ser otimistas.

*Por Gordon Corera

……………………………………………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

O que o budismo pode fazer pela ética da Inteligência Artificial

O crescimento explosivo da Inteligência Artificial (IA) alimentou a esperança de que ela nos ajudará a resolver muitos dos problemas mais intratáveis ​​do mundo. No entanto, também há muita preocupação com o poder que ela detém ​​e um crescente consenso de que seu uso deve ser orientado para evitar a infração de nossos direitos.

Muitos grupos discutiram e propuseram diretrizes éticas de como a IA deve ser desenvolvida ou implantada: IEEE, uma organização profissional global para engenheiros, publicou um documento de 280 páginas sobre o assunto, e a União Europeia publicou seu próprio conjunto de regras. O Inventário Global das Diretrizes de Ética da AI compilou mais de 160 dessas orientações em todo o mundo.

Infelizmente, a maioria dessas normas é desenvolvida por grupos ou organizações concentradas na América do Norte e na Europa: uma pesquisa publicada pela cientista social Anna Jobin e seus colegas encontrou 21 nos EUA, 19 na União Europeia, 13 no Reino Unido, quatro no Japão, e um de cada um dos Emirados Árabes Unidos, Índia, Cingapura e Coreia do Sul.

Elas refletem os valores das pessoas que as emitem. O fato de a maioria das diretrizes de ética da IA ​​estar sendo escrita em países ocidentais significa, consequentemente, que o campo é dominado por valores ocidentais, como respeito à autonomia e aos direitos dos indivíduos, especialmente porque as poucas regras emitidas em outros países refletem principalmente as do Ocidente.

Aquelas escritas em diferentes países podem ser semelhantes porque alguns valores são realmente universais. No entanto, para que essas diretrizes reflitam verdadeiramente as perspectivas das pessoas em países não ocidentais, elas também precisariam representar os sistemas de valores tradicionais encontrados em cada cultura.

Tanto no Oriente como no Ocidente, as pessoas precisam compartilhar suas ideias e considerar as de outras pessoas para enriquecer suas próprias perspectivas. Como o desenvolvimento e o uso da IA ​​se estendem por todo o globo, a maneira como pensamos sobre isso deve ser informada por todas as principais tradições intelectuais.

Com isso em mente, acredito que as percepções derivadas do ensino budista podem beneficiar qualquer pessoa que trabalhe com a ética da IA ​​em qualquer lugar do mundo, e não apenas em culturas tradicionalmente budistas (que estão principalmente no Oriente e principalmente no Sudeste Asiático).

O budismo propõe uma maneira de pensar sobre a ética com base na suposição de que todos os seres sencientes desejam evitar a dor. Assim, o budismo ensina que uma ação é boa se conduz à libertação do sofrimento.

A implicação desse ensino para a Inteligência Artificial é que qualquer uso ético da IA ​​deve se esforçar para diminuir a dor e o sofrimento. Em outras palavras, por exemplo, a tecnologia de reconhecimento facial deve ser usada apenas se for comprovada que reduz o sofrimento ou promove o bem-estar. Além disso, o objetivo deve ser reduzir o sofrimento para todos — não apenas para aqueles que interagem diretamente com a IA.

É claro que podemos interpretar esse objetivo de forma ampla para incluir o conserto de um sistema ou processo que seja insatisfatório ou mudar qualquer situação para melhor. Usar a tecnologia para discriminar as pessoas ou para vigiá-las e reprimi-las seria claramente antiético. Quando há áreas cinzentas ou a natureza do impacto não é clara, o ônus da prova caberia àqueles que procuram mostrar que uma aplicação específica de IA não causa danos.

Não fazer o mal

Uma ética de IA de inspiração budista também entenderia que viver de acordo com esses princípios requer autocultivo. Isso significa que aqueles que estão envolvidos com IA devem treinar continuamente para se aproximarem do objetivo de eliminar totalmente o sofrimento. Alcançar a meta não é tão importante; o importante é que eles empreendam a prática para alcançá-la. É a prática que conta.

Designers e programadores devem praticar, reconhecendo esse objetivo e definindo etapas específicas que seu trabalho executaria para que seu produto incorporasse o ideal. Ou seja, a IA que eles criam deve visar ajudar o público a eliminar o sofrimento e promover o bem-estar.

Para que tudo isso seja possível, as empresas e agências governamentais que desenvolvem ou usam IA devem prestar contas ao público. A responsabilidade também é um ensinamento budista e, no contexto da ética da IA, requer mecanismos legais e políticos eficazes, bem como independência judicial. Esses componentes são essenciais para que qualquer diretriz de ética de IA funcione conforme o esperado.

Outro conceito-chave no budismo é a compaixão, ou o desejo e o compromisso de eliminar o sofrimento dos outros. A compaixão também requer autocultivo e significa que atos prejudiciais, como exercer o poder de reprimir os outros, não têm lugar na ética budista. Não é necessário ser monge para praticar a ética budista, mas deve-se praticar o autocultivo e a compaixão na vida diária.
Podemos ver que os valores promovidos pelo budismo — incluindo responsabilidade, justiça e compaixão — são principalmente os mesmos encontrados em outras tradições éticas. Isto é esperado; afinal, somos todos seres humanos. A diferença é que o budismo defende esses valores de uma maneira diferente e coloca talvez uma ênfase maior no autocultivo.

O budismo tem muito a oferecer a qualquer pessoa que pense sobre o uso ético da tecnologia, incluindo aqueles interessados ​​em IA. Acredito que o mesmo também se aplica a muitos outros sistemas de valores não ocidentais. As diretrizes de ética da IA ​​devem se basear na rica diversidade de pensamento das muitas culturas do mundo para refletir uma variedade mais ampla de tradições e ideias sobre como abordar os problemas éticos. O futuro da tecnologia seria ainda mais brilhante dessa maneira.
Soraj Hongladarom é professor de filosofia no Centro de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade Chulalongkorn em Bangkok, Tailândia.

…………………………………………………………………………….
*Fonte: mithtechreview

Futuro do planeta Terra está mais ameaçado do que se imagina

As próximas décadas serão complicadas para o planeta Terra, que vem aguardando desastres provocados pelas mudanças climáticas já anunciados há um bom tempo. Agora, de acordo com um novo estudo, a situação está ainda pior do que imaginamos.

O grupo de 17 pesquisadores da Austrália, Estados Unidos e México descreve no estudo, citando mais de 150 outras pesquisas, três grandes crises que vão ameaçar a vida na Terra nos próximos anos: distúrbios climáticos, redução da biodiversidade e consumo humano excessivo, além do aumento excessivo da população.

De acordo com o estudo, desde o início da agricultura, há 11 mil anos, a Terra já perdeu cerca de 50% de suas plantas terrestres e aproximadamente 20% da sua biodiversidade animal. Se a tendência continuar, pelo menos um milhão de espécies de plantas e de animais serão extintas em um futuro próximo.

Com a redução da biodiversidade, os principais ecossistemas do planeta serão prejudicados, existindo menos insetos para polinizar as plantas, sobrando poucas para fazer a filtragem do ar, água e solo, e consequentemente resultando em poucas florestas que protegeriam os humanos de enchentes e outros desastres naturais.

Devido às alterações climáticas, esses desastres naturais virão com ainda mais força e frequência até o ano de 2050, elevando o nível do mar e forçando pessoas de diversos países a se tornarem refugiadas, o que vai colocar mais vidas em risco e ainda provocar uma disrupção da sociedade. A estimativa é que, dentro deste prazo, a população chegue a 9,9 bilhões, aumentando a cada vez mais ao longo do século.

A superpopulação e a migração irão trazer problemas sociais graves, como instabilidade de moradia e alimentação, aumento do desemprego e desigualdade social. Além disso, quanto mais os humanos invadirem as áreas selvagens, maiores as chances de surgirem novas doenças zoonóticas, que podem ser mortais.

Os pesquisadores afirmam, no entanto, que não está garantido que os desastres vão acontecer, mas, para evitá-los, será preciso que líderes mundiais comecem a enfrentar as ameaças com mais seriedade. Então, assim que eles aceitarem a gravidade do que espera a humanidade, poderão começar a aplicar medidas de conservação do planeta.

………………………………………………………………………………………………….
*Fonte: canaltech

“Futuro assustador de extinção em massa” nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de cientistas, que alertam que as pessoas ainda não entenderam a urgência da biodiversidade e das crises climáticas.

Os 17 especialistas, incluindo o Prof. Paul Ehrlich, da Universidade de Stanford, autor de A Bomba Populacional, e cientistas do México, Austrália e EUA, dizem que o planeta está em um estado muito pior do que a maioria das pessoas — até mesmo cientistas — entende.

“A escala das ameaças à biosfera e a todas as suas formas de vida — incluindo a humanidade — é de fato tão grande que até mesmo especialistas bem informados tem dificuldade de entender”, escrevem em um relatório na Frontiers in Conservation Science, que faz referência a mais de 150 estudos detalhando os principais desafios ambientais do mundo.

O atraso entre a destruição do mundo natural e os impactos dessas ações significa que as pessoas não reconhecem o quão vasto é o problema, argumenta o documento. “[O] mainstream está tendo dificuldade em compreender a magnitude dessa perda, apesar da erosão constante do tecido da civilização humana.”

O relatório adverte que as migrações em massa induzidas pelo clima, mais pandemias e conflitos sobre recursos serão inevitáveis, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

“O nosso não é um chamado à rendição — nosso objetivo é fornecer aos líderes uma “ducha fria” realista do estado do planeta que é essencial para o planejamento para evitar um futuro medonho”, acrescenta.

Lidar com a enormidade do problema requer mudanças de longo alcance no capitalismo global, educação e igualdade, diz o documento. Isso inclui abolir a ideia de crescimento econômico perpétuo, precificar adequadamente externalidades ambientais, parar o uso de combustíveis fósseis, controlar o lobby corporativo e capacitar as mulheres, argumentam os pesquisadores.
Banner Cogumelos Mágicos

O relatório vem meses depois de o mundo não cumprir uma única meta de biodiversidade da ONU Aichi, criada para conter a destruição do mundo natural, a segunda vez consecutiva que os governos não conseguiram cumprir suas metas de biodiversidade de 10 anos. Esta semana, uma coalizão de mais de 50 países prometeu proteger quase um terço do planeta até 2030.

Estima-se que um milhão de espécies estejam em risco de extinção, muitas em décadas, de acordo com um relatório recente da ONU.

“A deterioração ambiental é infinitamente mais ameaçadora para a civilização do que o trumpismo ou o Covid-19”, disse Ehrlich ao Guardian.

Em The Population Bomb, publicado em 1968, Ehrlich alertou para a explosão populacional iminente e centenas de milhões de pessoas morrendo de fome. Embora tenha reconhecido que alguns aspectos estavam errados, ele disse que mantém sua mensagem fundamental de que o crescimento populacional e altos níveis de consumo por nações ricas está impulsionando a destruição.

Ele disse ao Guardian: “A mania de crescimento é a doença fatal da civilização — ela deve ser substituída por campanhas que fazem com que a equidade e o bem-estar da sociedade — não consumam mais lixo”.

Grandes populações e seu crescimento contínuo impulsionam a degradação do solo e a perda de biodiversidade, alerta o novo documento. “Mais pessoas significam que mais compostos sintéticos e plásticos descartáveis perigosos são fabricados, muitos dos quais aumentam a crescente toxificação da Terra. Também aumenta as chances de pandemias que alimentam buscas cada vez mais desesperadas por recursos escassos.”

Os efeitos da emergência climática são mais evidentes do que a perda de biodiversidade, mas ainda assim, a sociedade não está conseguindo reduzir as emissões, argumenta o documento. Se as pessoas entendessem a magnitude das crises, mudanças na política e nas políticas poderiam coincidir com a gravidade da ameaça.

“Nosso ponto principal é que uma vez que você percebe a escala e a iminência do problema, fica claro que precisamos muito mais do que ações individuais, como usar menos plástico, comer menos carne ou voar menos. Nosso ponto é que precisamos de grandes mudanças sistemáticas e rápidas”, disse o professor Daniel Blumstein, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, que ajudou a redigir o artigo.

O artigo cita uma série de relatórios-chave publicados nos últimos anos, incluindo:

O relatório do Fórum Econômico Mundial em 2020, que classificou a perda de biodiversidade como uma das principais ameaças à economia global.
O relatório de avaliação global do IPBES 2019, que diz que 70% do planeta havia sido alterado por humanos.
O relatório WWF Living Planet2020 , que alertou que o tamanho médio da população de vertebrados diminuiu 68% nos últimos cinco anos.
Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas de 2018, que disse que a humanidade já havia excedido o aquecimento global de 1°C acima dos níveis pré-industriais e deve atingir o aquecimento de 1,5°C entre 2030 e 2052.

O relatório segue anos de alertas sobre o estado do planeta dos principais cientistas do mundo, incluindo uma declaração de 11.000 cientistas em 2019 de que as pessoas enfrentarão “sofrimento incalculáveis devido à crise climática” a menos que grandes mudanças sejam feitas. Em 2016, mais de 150 cientistas climáticos da Austrália escreveram uma carta aberta ao então primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, exigindo ações imediatas sobre a redução das emissões. No mesmo ano, 375 cientistas – incluindo 30 ganhadores do Prêmio Nobel – escreveram uma carta aberta ao mundo sobre suas frustrações com a inação política sobre as mudanças climáticas.

O prof Tom Oliver, ecologista da Universidade de Reading, que não estava envolvido no relatório, disse que era um resumo assustador, mas crível, das graves ameaças que a sociedade enfrenta sob um cenário “negócios como de costume”. “Os cientistas agora precisam ir além de simplesmente documentar o declínio ambiental e, em vez disso, encontrar as maneiras mais eficazes de catalisar a ação”, disse ele.

O prof Rob Brooker, chefe de ciências ecológicas do Instituto James Hutton, que não participou do estudo, disse que enfatizou claramente a natureza premente dos desafios.

“Certamente não devemos ter dúvidas sobre a enorme escala dos desafios que enfrentamos e as mudanças que precisaremos fazer para lidar com eles”, disse ele. [The Guardian]

*Por Marcelo Ribeiro

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Elon Musk pretende transferir informações do cérebro para o computador

Há quatro anos, Elon Musk criou a empresa Neuralink com o objetivo ambicioso de criar uma interface cérebro-computador.

Essa conexão de largura de banda ultra-alta é vista por Musk como a única solução para combater o que ele acredita ser uma ameaça existencial para a humanidade. Tudo em que Neuralink tem trabalhado está em segredo e o site da empresa é atualmente apenas uma lista de empregos.

O objetivo da tecnologia também não é muito claro, com aplicações potenciais que vão desde conectar nossos cérebros à internet até usar inteligência artificial (IA) para aprimorar nossas habilidades cognitivas.

Transumanismo

Esta e outras tecnologias fazem parte de um movimento chamado “transumanismo”, que defende o uso da tecnologia e da inteligência artificial para melhorar a qualidade da vida humana.

Trata-se de usar a tecnologia para aprimorar nosso estado intelectual, físico e psicológico, por meio, por exemplo, do chamado “mind-upload”, expressão criada dentro dessa filosofia para se referir à transferência da mente humana para um computador.

Os cientistas dizem que copiar a mente de alguém, suas memórias e personalidade em um computador é possível, em teoria — mas o cérebro tem muitos mistérios. Ele têm 86 bilhões de neurônios, uma rede produzindo pensamentos via cargas elétricas.

Como um computador

Precisamos lembrar que a tecnologia que sustenta tudo está longe de estar pronta. Ler os sinais do cérebro em detalhes ainda requer cirurgia e a tecnologia assistiva usada para a comunicação do cérebro ainda é extremamente lenta em comparação com os meios tradicionais de comunicação.

Há muita pesquisa em tecnologia e o cérebro, com alguns grandes projetos recebendo investimentos, como a BRAIN Initiative nos EUA e o Human Brain Project na Europa.

Podemos não ser completamente ignorantes sobre como conectar computadores a nossos corpos, mas no caminho para a fusão com a IA, ainda temos um longo caminho a percorrer.

………………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

E se no futuro o trabalho, tal como o entendemos, não fizer parte de nossa vida?

Ter um trabalho nos proporciona estabilidade, ao mesmo tempo que nos rouba liberdade na hora de administrar nosso tempo. Essa contradição abre o debate sobre se trabalhar é uma fonte de felicidade ou infelicidade. A instabilidade econômica e a chamada quarta revolução industrial, que substituirá o esforço humano por máquinas, pode nos obrigar a repensar nosso eu profissional. A filósofa, feminista e autora de repercussão internacional Nina Power (Reino Unido,1978) analisa se, em tempos em que o futuro do trabalho é pouco promissor, deveríamos buscar alternativas.

E se dentro de pouco tempo o trabalho, tal como o entendemos, não fizer parte de nossas vidas? “Work isn’t working” (o trabalho não está funcionando) é um lema que Power pronuncia com frequência para definir a situação atual. A britânica acaba de analisar o presente e o futuro da relação entre trabalho, lazer e felicidade em A Manual on Work and Happiness (Um Manual sobre Trabalho e Fecicidade), um seminário internacional realizado em Trento (Itália).

A felicidade foi devorada pelo capitalismo, proclama em seus escritos, nos quais defende que nos fizeram entender a qualidade de vida como um acúmulo de posses materiais que obtemos a partir do trabalho. Por isso, em suas intervenções públicas ela expõe a possibilidade de ser feliz com novas formas de emprego ou a ausência dele.

“As novas gerações são as que estão menos de acordo com uma existência laboral feita de horários impossíveis e salários miseráveis. O capitalismo nos vendeu que o contrário do trabalho é a vadiagem; mas os mais jovens já não compram essa ideia. Tampouco acreditam que devamos nos sentir felizes porque nossas longas jornadas de trabalho nos tornam mais produtivos”, diz Power a Verne, por telefone.

Ela se refere à geração millennial, que considera ser a chave da mudança: são os nascidos entre 1981 e 1994 e que fazem parte da sociedade que, segundo o Manpower Group, constituirá em 2020 um total de 35% da força de trabalho mundial.

Mas, trabalhar nos faz felizes?

Colaboradora habitual do jornal The Guardian, em um de seus artigos para o jornal Power conta como a Loteria Nacional do Reino Unido acertou na hora de lançar um prêmio em forma de salário anual em vez de outorgar uma grande quantidade em espécie. É um sistema que também funciona na Espanha e que seus criadores explicaram como “a forma de se libertar de todas as coisas irritantes do dia a dia”. Surge então a questão sobre se o trabalho é, talvez, não só uma dessas coisas irritantes, mas a maior de todas elas.

A filósofa argumenta que em muitos países “nos induziram a viver uma relação com o trabalho semelhante à que temos com a religião”. Ou seja, com uma elevada carga moral: “Até mesmo aqueles que realizam sua vocação profissional a vivem como se correspondesse a um chamado, algo que costumamos relacionar com a fé”.

Em uma sociedade cada vez mais secular, essa suposta simbiose entre trabalho e felicidade que nos foi vendida, de conotações quase místicas, já não faz sentido – e menos ainda para o setor feminino da população, afirma a autora do ensaio One Dimensional Woman (a mulher unidimensional).

O campo profissional é para a mulher uma lembrança constante da desigualdade, por isso, poderia ser também um equivalente da infelicidade?, lhe perguntamos. “A incorporação da mulher ao mundo do trabalho é um fenômeno histórico recente. Com ele, a mulher tentava livrar-se da armadilha social que com frequência seu próprio lar se tornava ou até do abuso doméstico. Nestes tempos ficou demonstrado que não foi uma emancipação real e que, em muitos casos, essa desejada liberdade se transformou em uma dupla carga”.

Menos hygge e mais autogestão

Com suas ideias, Power não está nos incentivando a abraçar uma vida ociosa, mas a buscar novas formas de ser autossuficientes no aspecto laboral. O cineasta Apostolos Karakasis, que trocou opiniões com a britânica, rodou em 2015 o documentário Next Stop Utopia. Nele, mostrava como um grupo de assalariados gregos toma o controle de uma fábrica arruinada na qual trabalham. Ao partir para a autogestão e desempenhar tarefas muito diferentes das que estavam acostumados, compreendem que eles, e não só o sistema, têm que adaptar-se aos novos tempos. “Até agora nos inculcaram a obrigação de produzir algo que seja útil para uma empresa ou um chefe, apesar de que deveríamos recordar que foram feitas coisas muito negativas em nome da produtividade”, argumenta a britânica, professora de filosofia no Royal College of Art, em Londres.

Por exemplo, uma das possibilidades que se apresentam para um futuro próximo é que as máquinas ocupem boa parte dos trabalhos que agora os humanos desempenham. “Nesse caso, seria uma oportunidade para prestar mais atenção a profissões próximas do cuidado humano, aquelas das quais a inteligência artificial não se pode encarregar. São trabalhos relacionados com o cuidado de bebês, de idosos ou doentes, e que, na atualidade, são os mais mal pagos e os que permanecem mais ocultos em termos de reconhecimento social”, destaca.

Nos últimos tempos, a ONU vem tentando medir o conceito abstrato de felicidade, com listas anuais sobre os países mais felizes do mundo. Entre seus parâmetros de medição se encontra o trabalho. Nesse contexto surgiram propostas com o hygge, uma filosofia exportada da Dinamarca, segundo a qual o bem-estar é garantido em 12 passos de tranquilos.

Do outro lado do telefone, Power toma fôlego para expressar o que pensa desse termo. “É uma ideia muito bonita, mas puro marketing. Assume que vivemos em uma sociedade podre e sugere como resposta um gesto muito pequeno em comparação com tudo o que resta por fazer. Não pode haver uma verdadeira revolução social se antes não nos sentirmos irados, e o hygge representa justo o contrário”, argumenta.

Com relação a uma mudança de atitude, Power se mostra esperançosa, levando em conta que os resultados eleitorais demonstram que não foram os jovens que votaram no Brexit nem em Donald Trump. “Não acreditam que o trabalho, tal como se apresenta, seja uma fonte de felicidade. Graças a eles, é muito interessante observar o que está por vir em um futuro próximo.”

*Por Hector Llanos Martinez

…………………………………………………………………………
*Fonte: elpais

Zepelin solar poderia fazer transporte mais sustentável de cargas

As imagens de Zepelins remetem ao passado distante e, muito provavelmente, as novas gerações nem saibam o que eram os dirigíveis que cruzavam os céus. Mas, os ingleses da Varialift Airships apostam em um zepelin movido a energia solar como alternativa para o transporte mais sustentável de cargas.

A empresa está desenvolvendo este projeto e, segundo o diretor geral da companhia, Alan Handley, a aeronave poderá fazer viagens entre a Inglaterra e os Estados Unidos consumindo apenas 8% do combustível usado por uma avião comum.

O Zepelin terá a propulsão de um par de motores solares e dois motores convencionais e pode ser usado para o transporte internacional de cargas com baixas emissões.

A ausência de uma bateria limitaria as viagens ao período diurno e a velocidade seria aproximadamente a metade da que atinge um Boeing 747. Mas, para o transporte de mercadorias, o dirigível pode ser uma boa opção. Segundo a empresa, a aeronave será capaz de transportar até 250 toneladas, mas já existe um projeto para desenvolver modelos maiores com capacidade de carga de 3 mil toneladas.

Ainda segundo os fabricantes, é possível realizar o transporte de cargas mais volumosas na parte de baixo, usando cabos. OU seja, haveria um limite de peso, mas não um limite de tamanho para os itens transportados.

O fato das decolagens e pousos de dirigíveis serem mais similares aos de um balão do que de um avião, também pode ser um atrativo, já que dispensa pistas de aeroportos para deixar e voltar ao solo e chegaria a locais menos acessíveis.

A Varialift ainda não começou a construir o modelo definitivo, mas já começou a construir o primeiro protótipo de 140 metros de comprimento, 26 metros de largura e 26 metros de altura – a previsão é que o protótipo do zepelim solar seja finalizado em 9 meses.

*Por Natasha Olsen

…………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Você não teria coragem de desligar uma inteligência artificial consciente e isso pode ser um problema

No episódio “Jornada nas Estrelas: A Nova Geração”, “O Valor de um Homem“, Data, um membro andróide da tripulação da Enterprise, deve ser desmontado para fins de pesquisa, a menos que o Capitão Picard possa argumentar que Data merece os mesmos direitos que um ser humano. Naturalmente surge a pergunta: qual é a base sobre a qual algo tem direitos? O que confere posição moral a uma entidade?

O filósofo Peter Singer argumenta que criaturas que podem sentir dor ou sofrer têm direito a uma posição moral. Ele argumenta que os animais não humanos têm posição moral, uma vez que podem sentir dor e sofrer. Limitá-lo às pessoas seria uma forma de especismo, algo semelhante ao racismo e sexismo.

Sem endossar a linha de raciocínio de Singer, podemos nos perguntar se essa noção poderia ser estendida ainda mais a um robô andróide como Data. Isso exigiria que Data pudesse sentir dor ou sofrer. E como você responde a isso depende de como você entende a consciência e a inteligência.

À medida que a tecnologia de inteligência artificial real avança em direção às versões imaginadas de Hollywood, a questão da posição moral se torna mais importante. Se os IAs têm uma posição moral, raciocinam filósofos como eu, isso poderia resultar que eles têm direito à vida. Isso significa que você não pode simplesmente desmontá-los e também pode significar que as pessoas não devem interferir na busca de seus objetivos.

Dois sabores de inteligência e um teste

A máquina de xadrez Deep Blue da IBM foi treinada com sucesso para derrotar o grande mestre Gary Kasparov. Mas nãofazia mais nada. Este computador tinha o que é chamado de inteligência de domínio específico.

Por outro lado, existe o tipo de inteligência que permite a capacidade de fazer as coisas bem uma variedade de atribuições. É chamada de inteligência de domínio geral. É o que permite às pessoas cozinhar, esquiar e criar filhos – tarefas que estão relacionadas, mas são muito diferentes.

Inteligência geral artificial, IGA, é o termo para máquinas que possuem inteligência de domínio geral. Indiscutivelmente, nenhuma máquina ainda demonstrou esse tipo de inteligência. Neste ano, uma startup chamada OPENAI lançou uma nova versão de seu modelo de linguagem de Pré-treinamento Gerativo. GPT-3 é um sistema de processamento de linguagem natural, treinado para ler e escrever de forma que possa ser facilmente compreendido pelas pessoas.

Chamou atenção imediatamente, não apenas por causa de sua capacidade impressionante de imitar floreios estilísticos e reunir conteúdo plausível, mas também por causa de quão mais avançado que era em comparação a uma versão anterior. Apesar deste desempenho impressionante, o GPT-3 não sabe nada além de unir palavras de várias maneiras. IGA permanece bastante distante.

Nomeado em homenagem ao pesquisador pioneiro de IA Alan Turing, o teste de Turing ajuda a determinar quando uma IA é inteligente. Uma pessoa conversando com uma IA oculta pode dizer se é uma IA ou um ser humano? Se ele não puder, para todos os efeitos práticos, a IA é inteligente. Mas este teste não diz nada sobre se a IA pode estar consciente.

Dois tipos de consciência

A consciência tem duas partes. Em primeiro lugar, há o aspecto “como é para mim” de uma experiência, a parte sensorial da consciência. Os filósofos chamam isso de consciência fenomenal. É sobre como você experimenta um fenômeno, como cheirar uma rosa ou sentir dor.

Em contraste, também há acesso à consciência. É a capacidade de relatar, raciocinar, se comportar e agir de maneira coordenada e responsiva aos estímulos com base em metas. Por exemplo, quando passo a bola de futebol para meu amigo que faz uma jogada para o gol, estou respondendo a estímulos visuais, agindo desde o treinamento anterior e perseguindo um objetivo determinado pelas regras do jogo. Eu faço o passe automaticamente, sem deliberação consciente, no fluxo do jogo.

Pessoas que possuem “visão-as-cegas” ilustram bem a diferença entre os dois tipos de consciência. Alguém com essa condição neurológica pode relatar, por exemplo, que não consegue ver nada no lado esquerdo do campo visual. Mas, se solicitados a pegar uma caneta em uma série de objetos no lado esquerdo do campo visual, eles fazem isso com segurança. Eles não podem ver a caneta, mas podem pegá-la quando solicitados – um exemplo de acesso à consciência sem consciência fenomenal.

O dilema do Data

O andróide Data demonstra que tem autoconsciência na medida em que pode monitorar se, por exemplo, ele está com carga ideal ou se há danos internos em seu braço robótico.

Data também é inteligente no sentido geral. Ele faz muitas coisas distintas com um alto nível de maestria. Ele pode pilotar a Enterprise, receber ordens do Capitão Picard e ponderar com ele sobre o melhor caminho a seguir.

Ele também pode jogar pôquer com seus companheiros, cozinhar, discutir questões atuais com amigos próximos, lutar com inimigos em planetas alienígenas realizar várias formas de trabalho físico. O Data têm acesso à consciência. Ele claramente passaria no teste de Turing.

No entanto, Data muito provavelmente não tem consciência fenomenal – ele, por exemplo, não se delicia com o perfume de rosas ou sente dor. Ele incorpora uma versão superdimensionada do “visão-as-cegas”. Ele é autoconsciente e tem acesso à consciência — pode pegar a caneta — mas em todos os seus sentidos ele carece de consciência fenomenal.

Agora, se Data não sente dor, pelo menos um dos motivos que Singer oferece para dar uma posição moral a uma criatura não é cumprido. Mas Data pode preencher a outra condição de ser capaz de sofrer, mesmo sem sentir dor. O sofrimento pode não exigir consciência fenomenal da mesma forma que a dor essencialmente exige.

Por exemplo, o que aconteceria se sofrimento também fosse definido como a ideia de ser impedido de buscar uma causa justa sem causar danos a outras pessoas? Suponha que o objetivo de Data seja salvar sua companheira de tripulação, mas ele não pode alcançá-la por causa de um dano em um de seus membros. A redução funcional de Data que o impede de salvar sua companheira de tripulação é um tipo de sofrimento não fenomenal. Ele teria preferido salvar o companheiro de tripulação e estaria melhor se o fizesse.

No episódio, a questão acaba não se assentando em se Data é autoconsciente, isso não está em dúvida. Nem está em questão se ele é inteligente, ele facilmente demonstra que é no sentido geral. O que não está claro é se ele é fenomenalmente consciente. O Data não é desmontado porque, no final, seus juízes humanos não conseguem concordar sobre a importância da consciência para a posição moral.

Uma IA deve ter uma posição moral?

Data é gentil, ele age para apoiar o bem-estar de seus companheiros de tripulação e daqueles que encontra em planetas alienígenas. Ele obedece às ordens das pessoas e parece improvável que as prejudique, além de proteger sua própria existência. Por essas razões, ele parece pacífico e mais fácil de aceitar no reino das coisas que têm posição moral.

Mas e quanto à Skynet nos filmes “O Exterminador do Futuro”? Ou as preocupações recentemente expressas por Elon Musk sobre a IA ser mais perigosa do que armas nucleares, e por Stephen Hawking sobre a IA acabar com a humanidade?

Os seres humanos não perdem sua reivindicação de ter um posição moral apenas porque agem contra os interesses de outra pessoa. Da mesma forma, você não pode dizer automaticamente que só porque uma IA age contra os interesses da humanidade ou outra IA, ela não tem posição moral. Você pode ter razão em lutar contra uma IA como a Skynet, mas isso não tira sua posição moral. Se a posição moral é dada em virtude da capacidade de sofrer de forma não fenomenal, então a Skynet e Data a terão, mesmo que apenas Data queira ajudar os seres humanos.

Ainda não existem máquinas de inteligência geral artificial. Mas agora é a hora de considerar o que seria necessário para conceder-lhes uma posição moral. O modo como a humanidade escolhe responder à questão da posição moral de criaturas não biológicas terá grandes implicações em como lidamos com IAs futuras – sejam gentis e úteis como Data, ou destruidoras, como a Skynet.

Este artigo foi originalmente publicado no The Conversation por Anand Vaidya, professor de Filosofia da San José State University. Leia o artigo original aqui.

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

E nós, como estamos nos preparando para o futuro?

Vou iniciar este nosso papo semanal voltando a citar a famosa frase de Abraham Lincoln: “O melhor meio de prever o seu futuro é criando-o”. Legal, não? Significa que nosso futuro, além de previsível, mesmo sem “bolas de cristal”, está em nossas mãos, e pode ser construído por nós mesmos. Que bom!

E a pandemia do Coronavírus, que mais uma vez nos mostra como somos insignificantes frente à força da natureza, nos permite também, como seres inteligentes que somos, descobrir sinais que podem nos indicar novos caminhos para um futuro melhor, mais humano e progressista…

Confesso que tenho pensado muito neste assunto, e gostaria estão de compartilhar algo do que tenho refletido a respeito, mas sem esgotar o assunto (impossível, creio eu, por ser tão vasto…). Mas, como acho que nosso modo de viver e de se relacionar vai se transformar de modo intenso, fico pensando em:

O que aprendemos com a vivência de tempos tão difíceis e tão fora das realidades nas quais sempre vivemos? Conseguiremos crescer, ou estagnaremos como pessoas? No que erramos e/ou acertamos? Aprendemos com nossos erros e acertos?

Seremos mais solidários e empáticos, ou nos fecharemos ainda mais?

Acompanhe o Engenharia é: também no YouTube, clique aqui para se inscrever em nosso canal

Saberemos utilizar melhor os fantásticos meios de comunicação que nos estão disponíveis, as redes sociais, de modo melhor, mais produtivo, e mais humano?

Mudaremos nossos hábitos de consumo, consumindo apenas o necessário e salutar, diminuindo o consumismo desenfreado, e de coisas realmente supérfluas?

Sob o ponto de vista financeiro, sempre reservaremos algo para as necessidades básicas, para nos precavermos de outras crises que seguramente virão nos visitar? Vamos desenvolver bons hábitos em relação às finanças pessoais?

Nossas empresas vão se reinventar, criando plataformas digitais cada vez melhores e eficazes? Afinal, o mundo está se digitalizando de modo irrevogável…

O comercio “on line” será o predominante. As lojas “físicas” deverão continuar a existir, mas para servirem principalmente como pontos de mostruário e experimentação…

O sistema de “delivery” vai crescer e se consolidar. Estaremos preparados para isso, como empresários e consumidores?

Então, estaremos estudando e nos preparando para este “mundo digital”?

As profissões vão se alterar radicalmente, mas sempre necessitando de maior qualificação… E sempre haverá necessidade de treinamento contínuo.

O sistema escolar vai ter que se adaptar ao novo mundo, com teleaulas, atividades diversas que levem a uma maior realidade, e estreito contato com o setor produtivo…

Teremos percebido a nossa insignificância face à natureza, e aí nos colocaremos de fato como parte dela, respeitando-a e valorizando-a?

Enfim, são alguns pensamentos que tenho tido, deixando uma variedade de outros para que você, prezada leitora e prezado leitor, dentro de suas realidades, possa acrescentar algo mais… O importante é que temos que melhorar no mundo novo que se aproxima!

*Por Mario Augusto

……………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Físicos teóricos preveem colapso da humanidade em 40 anos

A humanidade como a conhecemos pode ter menos de 40 anos restantes, caso não haja uma mudança drástica nos padrões de consumo e preservação do meio-ambiente. A conclusão está em uma pesquisa que prevê um colapso total da nossa sociedade devido à combinação de fatores como a destruição das florestas, o crescimento populacional e o ritmo acelerado de consumo de recursos naturais.

Especialista fala sobre possíveis megadesastres do século 21
Emissões de carbono estão surpreendentemente esfriando a mesosfera da Terra
Terra em perigo! Emergência climática global é declarada por cientistas

O estudo dos físicos teóricos Gerardo Aquino e Mauro Bologna saiu na revista Nature Scientific Reports e não vê alternativa que não envolva uma mudança drástica, dramática e imediata nos padrões de consumo atuais e nas políticas de proteção do meio-ambiente. De acordo com eles, o principal motivador do colapso será a destruição das florestas, cuja ausência fará com que a Terra não mais seja capaz de sustentar o tamanho da humanidade.

Na visão dos especialistas, o ritmo atual de destruição das matas deve levar ao desaparecimento completo das florestas entre 100 a 200 anos no futuro. Entretanto, muito antes disso, os sistemas de suporte de vida no planeta devem receber o impacto da redução da natureza em termos de produção de oxigênio, reservas de carbono, regulação do ciclo hídrico e conservação do solo. Esse processo também levaria à extinção de espécies e mudanças ambientais que reduziriam a quantidade de comida disponível, daí a ideia de que temos poucas décadas de estimativa para a nossa própria sobrevivência.

“Não é realista imaginar que a sociedade humana só será afetada quando a última árvore for cortada”, afirma o estudo. De acordo com os autores, também é improvável a sobrevivência humana diante das condições atuais, que reduziram a extensão das florestas de 60 milhões de quilômetros quadrados, há 200 anos, para 40 milhões de quilômetros quadrados hoje.

Ápice evolutivo

Um avanço tecnológico magnífico poderia mudar um pouco o cenário, mas novamente, os especialistas enxergam como improvável a relação entre o tempo que nos resta e o necessário para desenvolver tais sistemas. Entra em jogo aqui, também, uma contradição, já que na visão dos especialistas, essa mesma evolução também leva a um maior consumo de recursos naturais, com a diferença de que eles são usados de maneira otimizada.

Sem uma mudança drástica nos padrões de consumo e exploração ambiental, aliada a medidas de controle populacional, apenas a chamada Esfera Dyson poderia ser a solução — um conceito que, quando lido rapidamente, soa como algo saído de um filme de ficção científica. O conceito fala sobre uma megaestrutura que seria construída ao redor do Sol para acumular a energia produzida por ele, uma quantidade tão absurda que substituiria completamente qualquer necessidade de produção adicional.

Essa seria a conclusão direta da escala Kardashev, uma medida desenvolvida pelo astrônomo russo Nikolai Kardeshev em 1964, que associa o nível de avanço tecnológico de uma civilização de acordo com a quantidade de energia que ela consegue produzir. E na visão do teórico, se uma sociedade é capaz de acumular completamente a produção de sua estrela, ela transcende as limitações do próprio planeta. Algo que, como dá para imaginar, a humanidade ainda está bem longe de alcançar.

Na visão de Aquino e Bologna, o mais provável é que a humanidade não esteja viva para testemunhar tamanho avanço tecnológico, pois as chances de um colapso são 90% maiores que as de sobrevivência. Mesmo a mudança completa citada pelos físicos não será suficiente para reverter a situação, mas sim, dará tempo o bastante para que esse patamar seja alcançado.

A fala dos dois, entretanto, soa quase utópica: “uma redefinição em nosso modelo de sociedade de forma que privilegie o interesse do ecossistema sobre o interesse individual dos habitantes”. Essa, no final, acaba sendo a maior esperança atual caso a teoria dos especialistas esteja correta.

*Por Felipe Demartini / Fonte: Vice, Nature

……………………………………………………………………………….
*Fonte: canaltech

‘Os egoístas vão ficar ainda piores’, prevê Ricardo Darín sobre futuro pós pandemia

Para o renomado ator argentino, o “novo normal” apenas acentua problemas com os quais sempre convivemos. “O egoísmo ao qual nos acostumaram nos fez acreditar que o individualismo é a salvação. É um grande equívoco.

Muito têm se falado atualmente sobre as lições que a humanidade pode tirar deste momento de crise que vivemos em 2020. Para alguns, a pandemia trouxe à tona um maior senso de coletividade, o que pode ser interpretado como um prenúncio de que a sociedade esteja caminhando para uma convivência mais harmoniosa e solidária entre as pessoas.

Para muitas outras pessoas, no entanto, a realidade que nos espera quando a pandemia tiver seu fim é igual ou pior do que a de antes. Uma das vozes proeminentes deste pensamento é o renomado ator argentino Ricardo Darín. Em recente entrevista ao programa “Conversa com Bial”, ele disse que percebe sim que as pessoas estão mais solidárias neste momento, mas ressaltou que a maioria segue pensando somente em si mesma: “os egoístas vão ficar ainda piores”.

“O egoísmo ao qual nos acostumaram nos fez acreditar que o individualismo é a salvação. É um grande equívoco. O momento que estamos vivendo no mundo é uma demonstração drástica e muito contundente de como os seres humanos dependem uns dos outros.”, opinou o ator.

Darín é um dos atores argentinos mais famosos e premiados do cinema. Ele esteve em produções de grande sucesso de público e crítica, como “Relatos Selvagens”, “Um Conto Chinês” e o vencedor do Oscar “O Segredo dos Seus Olhos”.

A entrevista com Ricardo Darín, exibida na edição de 10 de agosto do programa comandado por Pedro Bial, está disponível na íntegra no Globoplay.

……………………………………………………………………………………………………..
*Fonte:
Redação CONTI outra. Com informações de GShow
Ricardo Darín é o convidado do ‘Conversa com Bial’ — Foto: Reprodução/TV Globo

Ford usa “cães robôs” de quatro patas para escanear fábricas

Como os cães, eles têm quatro patas, cerca de 30 kg e podem se sentar, dar a pata e rolar. Também podem subir rampas, degraus e digitalizar o ambiente com câmeras de 360 graus. Fluffy e Spot são os dois simpáticos robôs que a Ford está usando em um programa piloto de manufatura nos Estados Unidos para economizar tempo, dinheiro e aumentar a eficiência na preparação de suas fábricas para a introdução de novos produtos.

Alugados da Boston Dynamics – conhecida por criar robôs móveis sofisticados – os autômatos estão sendo usados na fábrica de transmissões Van Dyke, em Michigan. Eles são equipados com cinco câmeras e podem andar a até 5 km/h com uma bateria com cerca de duas horas de duração, ​​escaneando o chão de fábrica para auxiliar os engenheiros a atualizar a planta.

“Nós projetamos e construímos a fábrica. Depois, ao longo dos anos, são feitas alterações que raramente são documentadas”, diz Mark Goderis, gerente de engenharia digital da Ford. “Examinando as instalações com os robôs, podemos ver como elas realmente são agora e reequipá-las para receber novos produtos.”

Com a ajuda de Fluffy, fazer a atualização fica muito mais interessante.

“Costumávamos andar pelas instalações com um tripé, parando em locais diferentes e esperando cinco minutos para o laser digitalizar”, lembra Goderis. “A varredura de uma planta pode levar duas semanas. Com o Fluffy, leva a metade do tempo.”

A maneira antiga também era cara – quase US$ 300.000 para digitalizar uma instalação. Se esse piloto funcionar, a equipe de manufatura da Ford poderá escanear todas as fábricas por uma fração desse custo. Além de economizar dinheiro, as novas tecnologias ajudam a reorganizar as instalações mais rápido, acelerando a chegada de novos veículos ao mercado.

Com o tempo, diz Goderis, a intenção é operar os robôs remotamente, programando-os para missões na fábrica e recebendo relatórios imediatamente de qualquer lugar. Por enquanto, os robôs são programados para seguir um caminho específico e operados a até 50 metros de distância.

Para Paula Wiebelhaus, operadora dos robôs, a chave do sucesso de Fluffy e Spot é a agilidade. Eles são comandados por um controle semelhante aos de videogame, com visão remota da câmera. Se ocorrer algum problema, uma função de parada segura impede que eles colidam com qualquer coisa.

Os robôs têm três tipos de marcha – caminhada sobre terreno estável, lenta para terrenos irregulares e velocidade especial para escadas. Eles podem se agachar e alongar para entrar em áreas de difícil acesso e caminhar em terrenos difíceis. Se caírem, também podem se levantar e mantêm uma distância definida e segura dos objetos para evitar colisões.

Às vezes, Fluffy senta seus quadris robóticos na traseira de um pequeno robô móvel redondo, conhecido como Scouter. O Scouter desliza suavemente para cima e para baixo nos corredores da fábrica, permitindo que o Fluffy economize energia da bateria até a hora de começar a trabalhar. O Scouter pode navegar autonomamente pelas instalações enquanto digitaliza e captura nuvens de pontos 3D para gerar um CAD da instalação. Se uma área é muito estreita para Scouter, Fluffy entra em ação.

“Existem áreas na planta em que você pode não querer entrar porque são difíceis de se mover”, diz Wiebelhaus. “É mais fácil e seguro enviar o Fluffy para lá.”

Fluffy também é perfeitamente capaz de rolar e fazer outros movimentos graciosos, mas Wiebelhaus não pensa em levá-lo para exposições de cães.

“Fluffy é uma ferramenta de manufatura incrível e deve realmente ser valorizado pelo seu trabalho e tenacidade. Ele pode fazer muito mais do que dançar e rolar. Queremos levá-lo até os limites da fábrica e ver o valor que ele tem para a empresa”, diz.

*Por Ademilson Ramos

…………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

O coronavírus pode matar a atual indústria da música. Talvez ela precisasse morrer

Locais, festivais e músicos enfrentam um futuro precário, mas poderia o Covid-19 ser um catalisador da reforma em uma indústria que subestima seriamente seus artistas?

Por volta das oito horas da noite de 12 de março, Simon Rattle subiu ao palco do Berliner Philharmoniker para um silêncio sinistro. Foi sua performance de retorno com a orquestra que ele liderou como maestro chefe por 16 anos, antes de retornar a Londres em 2018. Os músicos subiram no palco, mas os assentos ao redor estavam vazios.

Rattle virou-se, olhou para a lente de uma câmera e dirigiu-se a uma audiência global de milhares de pessoas que estavam assistindo em casa, confinadas. “Senhoras e senhores, boa noite, onde quer que estejam.” Sob seus cabelos grisalhos, ele parecia um pouco confuso. “Vamos apenas confirmar que isso é muito estranho. Acho que muitos de nós no palco já tiveram experiência em shows de música contemporânea para o que poderíamos chamar de público pequeno, selecionado, mas pelo menos sempre havia alguém para assistir.”

Os músicos atrás dele riram um pouco sem jeito. “Mas nós sentimos que devemos enviar um sinal ou um lembrete, se você preferir, de que, mesmo em tempos de crise, as artes e a música são extremamente importantes, e se nosso público não pode vir até nós, devemos alcançá-lo em qualquer maneira que pudermos. E, francamente, se todos nos acostumarmos a viver mais separadamente por um tempo, precisaremos de música mais do que nunca.”

Ele se virou, fechou os olhos por um momento e depois levantou o bastão.

Lembra de shows? Lembra-se da alegria absoluta de ficar ombro a ombro com estranhos gritando e suando? Ou ser mergulhado em algum líquido jogado de algum lugar atrás de você, esperando que fosse cerveja? Os shows terríveis em que a banda tocou apenas músicas novas? Os shows que mudaram sua vida onde a banda tocou as músicas que você ama, e parecia que eles estavam tocando para você? Você se lembra do barulho, das luzes e da cerimônia de tudo isso?

Tudo acabou agora, aparentemente indefinidamente. O Covid-19 matou o que a Lei de Justiça Criminal e Ordem Pública anti-delírio não fez, o que os idosos do filme Footloose não puderam. No momento, a idéia de respirar o mesmo ar corporal de centenas de estranhos é tão atraente quanto lamber a maçaneta de um hospital. Então, por enquanto, sentamos em casa e ouvimos nossos álbuns favoritos no Spotify, vasculhamos o vinil antigo, sintonizamos shows transmitidos e imaginamos se uma lata quente de cerveja pode fazer com que pareça um pouco mais com a coisa real.

“Não havia nenhuma eventualidade que eu alguma vez imaginei em que todos os shows ao vivo no mundo seriam exibidos simultaneamente”

Enquanto esperamos, a música está morrendo. E se não tomarmos cuidado, pode não haver uma cena ao vivo quando a pandemia terminar. A indústria da música está acostumada com os ventos contrários, mas a natureza indiscriminada do Covid-19 apagou as luzes da noite para o dia. Nenhum gênero é seguro, nenhum preço de ingresso ou tamanho do local protege contra as consequências. “Gosto de planejar eventualidades”, diz Alex Hardee, agente de reservas da agência global Paradigm, que conta com centenas de clientes como Ed Sheeran, My Chemical Romance e FKA Twigs. “Mas não havia nenhuma eventualidade que eu alguma vez imaginei em que todos os shows ao vivo no mundo seriam exibidos simultaneamente.”

A indústria global de música ao vivo vale cerca de US $ 30 bilhões a cada ano. Ou melhor, valia. Em questão de semanas, o Covid-19 encerrou tudo, desde shows de bares a festivais. E, ao fazer isso, também tornou aparente a forma desigual da indústria da música moderna, na qual os artistas são pagos para se apresentar, mas muitas vezes quase nada para a música que gravam.

Um dos truques da era do streaming foi que, embora o Spotify possa ter destruído a renda que você gera com os discos, torna mais fácil para as pessoas encontrarem sua música. Isso aumenta o seu público ao vivo, que é onde você ganha seu dinheiro. Agora, com o público ao vivo em zero, esse acordo parece cada vez mais impraticável.

O que resta é um oceano de músicos querendo, mas incapazes de trabalhar, e uma infra-estrutura circundante de gravadoras, distribuidoras, lojas de discos, locais de música e diretores de turnê que enfrentam uma situação precária para a qual nada poderia tê-los preparado. A única coisa que parece clara é que, independentemente da versão da indústria da música que surgir, ensangüentada, dessa pandemia, ela terá pouca semelhança com a que veio antes.

“É um jogo de volume e apenas os melhores artistas geram fluxos suficientes para se sustentar.”

Nas últimas duas décadas, a turnê substituiu as vendas de discos como a maneira como os artistas ganham a vida. O streaming aumentou a economia de uma indústria que foi construída com base na venda de discos e, 14 anos após a fundação do Spotify, os números ainda não somam. As empresas de streaming pagam apenas uma fração de um centavo por faixa e, dependendo das especificações do acordo assinado, a maior parte desse dinheiro – às vezes até 80% – flui diretamente para as gravadoras, deixando aos artistas uma pequena fatia modesta. Enquanto isso, as vendas físicas estão em declínio, e outros meios de renda, como vendas de mercadorias, não são confiáveis. É um jogo de volume e apenas os melhores artistas geram fluxos suficientes para se sustentar.

Para os artistas, o dinheiro vem em ciclos. Quando eles estão escrevendo e gravando um álbum, a gravadora adianta seus fundos. Quando é lançado, há um aumento nos lucros, muitos dos quais retornam à gravadora para pagar o adiantamento. Eles saem em turnê e tocam em festivais, que arrecadam mais dinheiro, além de vender uma grande quantidade de mercadorias. Então o foco começa a desaparecer e volta ao estúdio, com outro adiantamento, para iniciar o processo novamente.

[…]

Quanto mais nichado o artista, mais nítido é o problema. Para muitos DJs, para quem ‘fazer turnês’ na Europa é tão simples quanto pular em um avião com uma sacola de discos, é difícil ganhar dinheiro com streaming ou vendas físicas, pois a música gravada é apenas uma ferramenta de marketing – faça sucesso e obtenha mais dinheiro.

Artistas como Thibaut Machet, um DJ francês com sede em Berlim, passam a vida voando de boate em boate, fazendo dois ou três shows no fim de semana. Os cachês variam de € 500 a € 1.500 (£ 430 a £ 1300) por apresentação, menos voos e taxas de reserva, mas com clubes em todo o mundo fechados, esse número caiu para zero da noite para o dia.

Machet foi forçado a procurar ajuda do governo alemão. Um subsídio cobre o aluguel de alguns meses, mas ele não sabe quando começará a receber dinheiro novamente. “Você precisa colocar dinheiro para um lado, mas hoje é difícil economizar”, diz ele. “As pessoas pensam que ganhamos muito, mas a realidade não é assim para muitos DJs do meu nível.”

O DJ e escritor britânico Bill Brewster voltou-se para o streaming, na tentativa de preencher a lacuna, buscando doações para sets tocados em sua casa. “Não é até que algo assim aconteça que você percebe o quão precária é a sua vida”, diz ele. Não sendo adivinho, no ano passado ele gastou suas economias em reformas de casas. Sem nada no banco, ele recebeu um cheque de 500 libras da mãe.

Por mais divertido que seja curtir no conforto da sua casa seleções de Disco e House de Brewster, a experiência não pode ser comparada ao ver ele – ou qualquer um – tocando música ao vivo. Não é a mesma coisa, nem dá para comparar o clima envolvente e um sistema de som que mexe com você por dentro.

As doações proporcionaram um pequeno alívio bem-vindo a Brewster, o suficiente para cobrir as despesas semanais com comida, mas para artistas maiores, a transmissão ao vivo se tornou uma oportunidade de se conectar com os fãs mais intimamente do que em um palco de um estádio.

Os tons deliciosos de John Legend são ainda mais impressionantes quando próximos. Eles também são um meio de alcançar aqueles normalmente bloqueados em locais tradicionais, seja por causa de deficiência, local ou limitações financeiras, que abrirão novos mercados no futuro. “O mais difícil para um artista é criar um novo fã”, diz Cory Riskin, agente global de música da APA. “Tradicionalmente, fazemos festivais, mas vimos que esses festivais virtuais são a melhor maneira de atrair novos fãs rapidamente”.

Embora claramente nunca haja um bom momento para uma pandemia global, o coronavírus chegou exatamente quando a indústria da música parecia estar finalmente se adaptando à era do streaming: 2019 foi o quinto ano consecutivo de crescimento e apenas os três principais selos – Universal, Sony e Warner – agora geram quase US $ 800.000 por hora somente com serviços de streaming de música. Mas enquanto os ricos ficam mais ricos, os independentes sofrem.

“Temos um problema em que muita música e arte são essencialmente gratuitas e os artistas recebem uma quantia muito pequena de dinheiro pelo trabalho em que investem toda a sua energia e idéias”, diz McMahon. “Parece que o valor da arte foi desrespeitado pelas empresas que podem ganhar muito dinheiro e distribuir uma quantia muito pequena aos criadores desta arte. Com o atual isolamento social, destacam as estruturas capitalistas em que operamos e como os artistas, juntamente com muitos outros colaboradores da sociedade, são aproveitados.”

Niko Seizov, manager de artistas que trabalha com música eletrônica, acredita que o desbaste do rebanho é inevitável. “À medida que sua renda desaparece, muitos artistas menores precisam começar a procurar empregos, o que os impede de dedicar tempo suficiente a atividades criativas”, diz ele. “Isso prejudicará a indústria da música, porque o progresso criativo e a revolução sempre começam do fundo.”

“Isso prejudicará a indústria da música, porque o progresso criativo e a revolução sempre começam do fundo”

Stanley Dodds, violinista que se juntou a Rattle no palco em março, complementa um salário básico da Berliner Philharmoniker trabalhando como maestro freelancer. Ele viu sua renda cair “imediata e brutalmente”. Ele tem sorte de que a orquestra continue pagando a ele à medida que a crise se desenrola, mas a maioria de seus colegas é freelancer sem rede de segurança.

O Covid-19 pode catalisar a reforma em benefício daqueles que a realizam. Os músicos pediram ao Spotify que triplicasse os pagamentos para cobrir a receita perdida de shows, o que aumentaria a fatia, embora seja improvável que qualquer plataforma de streaming ofereça significativamente mais a longo prazo – o Spotify ainda era pouco rentável no início do ano, e rivais como a Apple Music são basicamente líderes em perdas, projetados para atrair mais usuários para seu ecossistema (como Tim Cook, da Apple, colocou em 2018, “não estamos fazendo isso por dinheiro”).

“O mais difícil para um artista é criar um novo fã. Tradicionalmente, fazemos festivais, mas vimos que esses festivais virtuais são a melhor maneira de atrair novos fãs rapidamente.”

É mais viável que a pandemia acenda uma discussão sobre os contratos de gravação. Embora os serviços de streaming tenham reformulado o vínculo entre varejista e gravadora, a relação artista-gravadora pouco mudou desde os anos setenta.

Os acordos de gravação tradicionais pagam aos artistas uma base de royalties, entre 15 e 20%, com o restante mantido para cobrir itens como marketing, custos de produção e as próprias necessidades de lucro da gravadora. Mas, como diz um executivo, em uma época em que as receitas com royalties caíram, elas são “antiquadas” e impedem muitos artistas de gerar dinheiro real a partir de suas gravações. As gravadoras independentes estão adotando acordos de artistas mais transparentes e personalizados há algum tempo, e o Covid-19 “agitará todo mundo e mostrará que todos precisamos olhar para eles”.

Mesmo que os artistas acabem ganhando mais dinheiro com a música que produzem, a curto prazo, pelo menos, pouco disso fluirá para a indústria que depende de seu trabalho. Exemplo disso é Jono Steer, um engenheiro de som que ia se juntar a McMahon em sua turnê. O engenheiro está na indústria da música há 20 anos e começou a trabalhar com McMahon em sua primeira turnê nacional em 2018. Desde então, ele se tornou um elemento principal em sua equipe, trabalhando em 200 shows. Além de seu papel como engenheiro de FOH de McMahon, Steer também é seu motorista e manager de turnê.

Telegram bannerOs cancelamentos atingiram Steer com força; 60% de sua renda são provenientes de eventos ao vivo. Bandas maiores podem se dar ao luxo de continuar pagando o salário para sua equipe de turnê, com contratos que a protegem de cancelamentos, mas os artistas no início de suas carreiras tendem a pagar sua equipe no dia do show, no dia da viagem e na diária. Mesmo uma pequena turnê exige de tudo, desde roadies a engenheiros de iluminação e técnicos de som, mas poucos têm contratos executáveis em vigor. Quando os shows não acontecem, eles não são pagos.

“Todos os meus colegas foram afetados”, diz Steer, “e alguns não têm perspectiva de mais trabalho durante o ano inteiro”. Essa indústria de profissionais “da graxa”, termo que se usa para nomear os profissionais dos bastidores, é invisível para a maioria dos fãs de música, mas sem eles, os shows não aconteceriam.

“Devemos aprender com essa experiência e colocar em prática coisas que nos tornam menos vulneráveis no futuro”

Existe uma preocupação real de que muitos terão que deixar o setor se a paralisação durar meses. Quando finalmente voltarmos a clubes e salas de concerto, pode não haver mais ninguém para configurar o som, ligar as luzes ou até mesmo fazer a segurança nas portas.

Steer pode voltar a produzir bandas em seu estúdio em casa, mas o isolamento social devido ao Covid-19 significa que poucos podem ir pessoalmente em primeiro lugar. Muitos artistas também financiam seu trabalho de estúdio em turnê – sem a turnê, eles não podem pagar pelo estúdio. “Há muito menos dinheiro em toda a indústria no momento”, diz Steer. Sua renda total diminuirá em cerca de 70%, transformando-o em recebedor de benefícios do Governo da Austrália.

Assistência para o backstage

McMahon se ofereceu para pagar a sua equipe 50% do valor pelos shows que foram cancelados dentro de duas semanas, e os gigantes do setor também estão oferecendo assistência. A Live Nation Entertainment lançou um fundo inicial de US $ 5 milhões projetado para ajudar as equipes de turnê e local. Embora tenha poucas ações para proteger contratantes independentes como o Steer no futuro, ele pode pelo menos pagar o aluguel no momento. Também poderia lançar as bases para novos arranjos no futuro. Um representante da agência de reservas explica que, como músicos de sessão, que geralmente são colocados em um retentor para garantir que não participem de outras turnês, os membros da equipe também podem ser contratados com um salário básico e constante.

Enquanto isso, Steer espera que o Covid-19 desencadeie uma estrutura mais ampla para proteger contratantes independentes, como ele. “Seja sindicalização, mudanças na legislação governamental ou financiamento mais acessível através de doações e subsídios, devemos aprender com essa experiência e colocar em prática coisas que nos tornem menos vulneráveis ​​no futuro”.

Ninguém sabe quando será esse futuro, mas, como o esporte, é provável que a música ao vivo seja uma das últimas coisas a serem permitidas quando o isolamento social acabar. Quando isso acontecer, a paisagem será estranha e enxuta. Nos primeiros meses, espere uma explosão de novos lançamentos, tanto os atrasados ​​pelo vírus quanto os criados enquanto os artistas foram trancados em suas casas. “Estou vendo uma energia criativa em nossa indústria que supera em muito qualquer coisa antes, não apenas no nível de ideias, mas na execução”, diz o publicitário musical Neil Bainbridge.

A princípio, os artistas encherão os locais de exibição que sobreviveram ao isolamento, mas talvez ainda não haja muitos. Os clubes e locais de shows do Reino Unido estão fechando a um ritmo horrível desde a Grande Recessão e o Covid-19 pode matar muitos dos que sobreviveram. Os relatórios sugerem que apenas 17% dos locais do Reino Unido estão financeiramente seguros pelos próximos dois meses, o que significa que mais de 500 espaços de shows podem ter fechado suas portas para sempre no início do isolamento social.

“Estou vendo uma energia criativa em nossa indústria que supera em muito qualquer coisa antes, não apenas no nível de ideias, mas na execução”

Os promotores também estão enfrentando perdas significativas. Normalmente, os seguros os cobririam, mas as apólices quase universalmente excluem doenças transmissíveis, a menos que sejam adquiridas especificamente, o que é “extremamente raro”, de acordo com um corretor. No início do ano, algumas seguradoras até removeram explicitamente o coronavírus de sua cobertura.

Em março, o South by Southwest de Austin anunciou que seria responsável por todos os custos porque o ‘surto de doença’ foi excluído de sua cobertura de seguro. O festival de house e techno de Londres, Re-Textured, foi igualmente infeliz. Nenhum dos dois retornará em 2021.

Apresentações pagas

A peça final do quebra-cabeça é a relação entre artistas e fãs. Culpe o Spotify e uma indústria de discos canibalística, tudo o que você quiser, mas somos nós que colocamos os artistas no chão; que passamos a ver a música como algo que deveria ser gratuito, e não como arte que merece ser paga. Mas, expondo falhas sistemáticas e destacando meios alternativos de interação artista-público, o Covid-19 poderia mudar isso? Os artistas em dificuldades começaram a lançar músicas ou apresentações exclusivas disponíveis por uma taxa, e outros criaram oficinas de produção on-line. Essas são correções temporárias, mas fecham o ciclo entre criatividade e recompensa.

Enquanto os shows ao vivo, como a Berliner Philharmoniker (a Filarmônica de Berlim), proliferaram, a maioria deles foi beneficente ou livre para participação. Em algum momento, porém, os preços dos ingressos digitais parecem inevitáveis. Talvez à frente da curva, Erykah Badu cobrou alguns dólares para entrar na série Quarentine Concert. “Sempre houve um mercado para isso e, nesse isolamento social, as pessoas perceberam que é legal”, diz Marc Geylman, fundador da Cardinal Artists. “Eventualmente, acho que isso se tornará um negócio.”

“Se você reconstruísse a indústria da música do zero, não a monetizaria do jeito que está atualmente”

A Filarmônica de Berlim deu um passo nessa direção mais de uma década atrás. Em 2009, percebendo que a renda de suas gravações estava em queda, eles procuraram um novo meio de disseminar e monetizar seu trabalho existente. A resposta: Digital Concert Hall, uma plataforma, acessada através de uma assinatura paga, que permite aos fãs ver a transmissão de seus shows ao vivo e revisitar centenas de gravações, além de assistir a documentários e filmes bônus. Por enquanto, eles oferecem acesso gratuito, para que os fãs possam assistir as gravações enquanto a sala de concertos real está fechada.

É verdade que isso funciona melhor quando você está tentando capturar o ar refinado de uma sala de concertos – nenhuma apresentação musical em streaming pode se aproximar da energia suada de uma rave. Mas é um passo em uma nova direção, e você só precisa olhar para os shows, onde o público apóia os artistas com assinaturas e patrocínios através das plataformas Twitch e Patreon, para ver quão anacrônico é o modelo musical. “Se você reconstruísse a indústria da música do zero, não a monetizaria do jeito que está atualmente”, diz George Connolly, gerente de artistas da Young Turks.

Além disso, o Covid-19 também pode recalibrar nossa percepção do valor de um álbum. Nunca antes a fragilidade da música foi mais clara, e isso pode nos encorajar a apoiar os artistas comprando, em vez de transmitir, nossa música por meio de plataformas transparentes e amigáveis ​​aos artistas. “Em termos de dinheiro no bolso de um artista, a compra de um único álbum ou LP vale milhares de streams”, diz Josh Kim, COO da Bandcamp, uma plataforma na qual artistas e gravadoras independentes podem vender diretamente para seus fãs.

Simon Rattle encerrou seu show às 22h. Não havia filas nas portas, nem pressa para ir no banheiro. Não havia portadores de bilhetes ou barman zunindo, apenas uma pequena equipe de câmeras posicionada na frente e no centro, capturando todos os movimentos de Rattle – desde a última onda deslumbrante de seu bastão até seu arco habitual no final. Ele proporcionava uma visualização agradável, peculiar, mas emocionante, e nela reside o valor inerente dos dois lados da lente.

Refletindo sobre o isolamento social global, um usuário do Twitter descreveu o Covid-19 como uma “máquina da verdade”, na medida em que “expõe brutalmente” as deficiências na estrutura da música.

Um dia, transferiremos o Covid-19 do presente para o passado, e as engrenagens dessa máquina global de bilhões de dólares estarão em movimento mais uma vez. Os locais abrirão as portas, os artistas tirarão o pó dos passaportes e, mais uma vez, teremos música ao vivo e, com isso, uma nova apreciação por estar em uma sala cheia de estranhos loucos para experimentá-la.

Quando esse dia finalmente chegar, tudo será mais doce – mas nessa transição, precisamos aproveitar o que aprendemos com essa pausa. Se formos inteligentes, das cinzas surgirá uma indústria que funciona para todos. Porque Deus sabe que todos precisaremos dançar novamente.

……………………………………………………………………………
*Fonte: musicaemercado

11 previsões ousadas para a tecnologia da próxima década

5G, robôs, carros tecnológicos, celulares dobráveis: o que pode ser tendência na nova década

A tecnologia está em constante desenvolvimento. Na década atual, pudemos observar um crescimento da internet, conversas com assistentes virtuais, tecnologia nano, miniaturização sem precedentes, entre muitas outras coisas. Da mesma forma, muitas expectativas já foram levantadas para a próxima década.

Muitas das previsões anteriores estavam certas. Fomos consumidos pela internet e conversamos com Siri, Alexa e o Assistente do Google, mas nem tudo se concretizou. Dificilmente alguém poderia ter previsto o que aconteceu nos últimos 10 anos. Foi a década das mídias sociais, inteligência artificial, Mark Zuckerberg e Elon Musk.

Onde estivemos

Demos adeus aos disquetes e nossa rápida obsessão por leitores eletrônicos. As TVs 3D explodiram brevemente, mas agora a maioria não é mais utilizada. Impressões em três dimensões deveriam mudar a humanidade, embora os consumidores não pudessem se incomodar com sistemas exigentes e resultados geralmente pouco inspiradores.

O armazenamento e a computação em nuvem são indiscutivelmente uma das tecnologias mais importantes da década. A banda larga móvel é um dado adquirido e agora assistimos vídeos em HD nas telinhas, onde quer que estejamos.

Perdemos Steve Jobs e vimos a ascensão de Mark Zuckerberg como um dos CEOs de tecnologia mais ricos e poderosos do mundo. Elon Musk deixou sua marca em carros elétricos e autônomos, bem como em tecnologia espacial e solar. Ele passou de um nome que apenas os mais esclarecidos sabiam para uma inescapável personalidade da tecnologia e inovação.

A inteligência artificial agora é uma parte aceita do cotidiano e uma das tecnologias menos confiáveis do planeta. A realidade aumentada e a realidade virtual mudaram a forma como vemos o mundo.

O que vem a seguir
Tudo o que aconteceu nos últimos anos influenciou o que está por vir em 2020 e além.

………………

Regulação e Confiança
Não podemos analisar a tecnologia sem a crescente desconfiança gerada por ela. A Califórnia está prestes a se tornar a capital da regulamentação tecnológica. O estado progressivo aprova leis tecnológicas mais rapidamente do que qualquer outro e suas leis são frequentemente seguidas por empresas de tecnologia para todos os seus usuários nos Estados Unidos. A regulamentação federal não será discutida antes das eleições de 2020, e o que quer que a Califórnia não regule, a União Europeia o fará.

5G e além
Quaisquer fios que permaneçam em nossa sociedade conectada devem desaparecer durante a próxima década. Seja a mudança para 5G (e 6G) ou eletricidade sem fio. Os cabos de rede e energia serão, em breve, algo do passado. No caso do 5G, as tecnologias concorrentes se dobrarão em uma tecnologia dominante no meio da década (se não antes), o que deve acelerar seu lançamento e sua adoção.

Energia da bateria
Na próxima década, os cientistas reduzirão cada gota de desempenho da tecnologia de bateria de íons de lítio. Veremos novas tecnologias de carregamento ultra-rápidas, componentes químicos mais eficientes e baterias de nanofios que nunca morrem. Além disso, empresas de tecnologia móvel como Apple, Google e Samsung continuarão aprimorando a IA para melhorar o gerenciamento de bateria no dispositivo. Infelizmente, qualquer avanço real na tecnologia da bateria é, no máximo, ilusório.

Nossa escolha de tela móvel
No curto prazo, 2020 será preenchido com uma variedade de opções de tela de celulares. Veremos telas mais flexíveis em uma variedade de formas, mas as telas duplas e triplas serão igualmente populares. Telas transparentes, que graças ao OLED já são tecnicamente viáveis, podem finalmente começar a aparecer em alguns dispositivos móveis até 2025.

Residências inteligentes em evolução
Apesar das preocupações com privacidade, a revolução das residências inteligentes não mostra sinais de desaceleração. As maiores mudanças na próxima década girarão em torno de protocolos e onipresença. Haverá um idioma doméstico inteligente subjacente e acordado, que permitirá que todas as tecnologias domésticas se comuniquem sem problemas.

Tecnologia veicular
A tecnologia de carros autônomos e a infraestrutura para apoiá-los se reunirão no meio da última década, com praticamente todos os estados apoiando licenças de carros autônomos e adicionando faixas de veículos automáticos para manter aqueles que ainda querem dirigir um pouco afastados dos carros sem motorista. Além disso, até o final da década, 75% desses carros serão elétricos.

Permanecendo social
Nosso relacionamento com as mídias sociais não significa que plataformas como Facebook e Twitter morrem na próxima década. Em vez disso, veremos muito mais novas plataformas indo e vindo. Se houver um tema entre eles, será uma comunidade mais estreita e relacionamentos reais, em oposição a amigos falsos e curtidas vazias.

Fim do cabo
Ao longo da década de 2020, testemunharemos o declínio constante da transmissão e do cabo tradicional com uma proliferação de opções de streaming à la carte. No entanto, em meados da década, a consolidação e o empacotamento serão a norma à medida que mais consumidores comprarem pacotes de streaming combinado, recriando essencialmente o atual sistema de cabos sem as taxas de transporte.

Meu amigo robô
Se o robô Atlas com capacidade para parkour, da Boston Dynamics, o cachorro robô Spot e o novo AIBO da Sony forem um indicativo, veremos nossos primeiros assistentes domésticos no estilo C-3PO até o final da próxima década. Eles ainda serão proibitivamente caros e usados, principalmente no atendimento a idosos, em situações de produção e de fábrica.

Quantum
A computação quântica tem o potencial de resolver problemas mundiais e humanos, mas enquanto IBM, Intel e Google declaram “supremacia quântica”, nenhum deles conseguiu tirar esses equipamentos dos laboratórios. É algo que pode mudar na próxima década.

Criptomoedas
As criptomoedas serão parte vibrante da conversa econômico-financeira na década de 2020, mas não deve substituir nenhum sistema monetário padrão. Ao invés disso, a criptografia se tornará o back-end imutável para uma variedade mais ampla de sistemas seguros de contabilidade e transações.

*Por Vinicius Szafran

………………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Crise de desemprego por automação já está acontecendo, só é invisível

O que acontece com os trabalhadores quando uma empresa decide adotar a automação? A suposição mais comum parece ser de que os funcionários simplesmente desaparecem, substituídos um por um com uma interface de inteligência artificial ou por braços mecânicos.

E embora exista muita conversa fiada a respeito da ideia de que os “robôs estão vindo para tomar os nossos empregos” — uma ideia representada de forma equivocada — ainda há pouca pesquisa sobre o que realmente acontece com os trabalhadores.

Estudos têm tentado monitorar o impacto da automação sobre os salários agregados ou correlacionar os níveis de desemprego com os níveis de robotização. Porém, poucas investigações aprofundadas foram feitas sobre o que acontece com cada trabalhador depois que suas empresas implementam iniciativas de automação.

No início deste ano, porém, um artigo escrito pelos economistas James Bessen, Maarten Goos, Anna Salomons e Wiljan Van den Berge se propôs a fazer exatamente isso.

Diminuição da renda dos trabalhadores

Munidos de um conjunto de dados robusto — com acesso a dados administrativos e de funcionários, bem como informações sobre despesas com automação de 36.490 empresas holandesas e cerca de 5 milhões de trabalhadores — os economistas examinaram como a automação impactou os trabalhadores na Holanda entre 2000 e 2016.

Eles mediram os salários diários e anuais, as taxas de desemprego, o uso do seguro-desemprego e as receitas da previdência social.

O resultado do estudo é um retrato da automação do trabalho que, embora seja sinistro, é menos dramático do que geralmente é pintado por aí — mas isso não quer dizer que o tema não é urgente.

Por um lado, não haverá um “apocalipse robô”, mesmo após um processo pesado de automação corporativa. Ao contrário de demissões em massa, a automação não parece fazer com que os funcionários sejam mandados embora imediatamente.

Em vez disso, a automação aumenta a probabilidade de que os trabalhadores sejam afastados de seus empregos — sejam demitidos, realocados para tarefas menos gratificantes ou se demitam. Isso faz com que haja uma redução de renda a longo prazo para os trabalhadores.

O relatório conclui que “a automação a nível de empresas aumenta a probabilidade de os trabalhadores se desligarem dos seus empregadores e diminua os dias trabalhados, levando a uma perda acumulada de rendimentos salariais de 11% da renda de um ano”. Uma perda bastante significativa.

O estudo concluiu que mesmo na Holanda, que têm uma rede de segurança social generosa se comparada com os Estados Unidos, os trabalhadores só conseguiam compensar uma fração dessas perdas com benefícios concedidas pelo Estado.

Os trabalhadores mais velhos, por sua vez, tinham probabilidades maiores de se aposentar antes da hora — privados de anos de rendimento.

Efeitos generalizados, porém invisíveis

Os efeitos da automação foram sentidos de forma similar em todos os tipos de empresas — pequenas, grandes, industriais, orientadas para serviços e assim por diante. O estudo abrangeu todas as empresas do setor não-financeiro, e descobriu que o desligamento de trabalhadores e a perda de renda eram “bastante difundidas entre diversos tipos de trabalhadores, setores e empresas de diferentes tamanhos”.

A automação, em outras palavras, força um fenômeno mais difuso, de ação mais lenta e muito menos visível do que o papo de que os robôs vão roubar os nossos empregos de uma hora para outra.

“As pessoas focam os danos da automação no desemprego em massa”, diz o autor do estudo, James Bessen, economista da Universidade de Boston, numa entrevista ao Gizmodo. “E isso provavelmente está errado. O problema real é que há pessoas que estão sendo prejudicadas pela automação neste momento”.

Segundo Bessen, comparado com as empresas que não são automatizadas, a taxa de trabalhadores que deixaram seus empregos é mais alta, embora para quem vê de fora pareça que há uma rotatividade maior.

“Porém, é mais do que um desgaste”, diz ele. “Um percentual muito maior, 8% mais — está saindo”. E alguns nunca mais voltam ao trabalho. “Há uma certa porcentagem que sai da força de trabalho. Que cinco anos depois ainda não conseguiram um emprego”.

Mãos atadas e revés para o Estado

O resultado, diz Bessen, é uma pressão adicional sobre a rede de segurança social do Estado que não está preparada. À medida que mais e mais empresas se juntam à rede de automação — uma pesquisa da McKinsey de 2018 com 1.300 empresas em todo o mundo descobriu que três quartos delas tinham começado a automatizar processos ou planejado a automatização para o próximo ano — o número de trabalhadores forçados a sair das empresas provavelmente aumenta ou, pelo menos, se mantém estável. O que é improvável que aconteça, de acordo com esta pesquisa, é um êxodo em massa de empregos impulsionado pela automação.

É uma faca de dois gumes: embora seja melhor que milhares de trabalhadores não sejam demitidos de uma só vez quando um processo é automatizado em uma corporação, isso também significa que os danos da automação sejam distribuídos em doses menores e mais personalizadas e, portanto, menos propensos a provocar qualquer tipo de resposta pública urgente.

Se todo um armazém da Amazon fosse automatizado de repente, políticos poderiam ser incentivados a tentar resolver o problema; se a automação vem nos prejudicando lentamente há anos, é mais difícil obter algum tipo de apoio nesse sentido.

“Existe um sério desafio social”, diz Bessen. “Mesmo num lugar como a Holanda, que supostamente tem uma grande rede de segurança social, as coisas não estão funcionando”.

Bessen diz que precisamos reajustar essas redes de segurança social, pensar em como melhorar os programas de treinamento e retreinamento profissional para que se ajustem às necessidades locais e, em geral, modernizar nossos sistemas de apoio a trabalhadores vulneráveis à automação.

“Temos esse sistema maluco em que a saúde é fundamental para o seu trabalho”, diz ele. E exemplifica dizendo que a automação “aumenta o atrito social e a dor que está ligada ao trabalho”. “É preciso ter algum apoio para as pessoas que são demitidas”, completa.

Divisão injusta do bolo

A automação está aumentando a produtividade e a eficiência, mas está redirecionando a maior parte dos ganhos dos trabalhadores para os executivos. “Estamos produzindo mais bens com menos mão de obra, por unidade de capital”, acrescenta. “Estamos fazendo um bolo maior. A questão é quem está recebendo as fatias do bolo”.

(Bessen diz que acha que os resultados do estudo deve ter pouca proximidade com a realidade dos EUA, embora as taxas de perda de rendimento e de desemprego possam ser um pouco mais elevadas).

Assim, a automação continua a se desenvolver, de forma fragmentada, em empresas de todos os tamanhos e faixas. Após cada micro-automação dentro de uma empresa, os funcionários são forçados a sair. Alguns trabalhadores são demitidos, outros se demitem.

Agora imagine que isso aconteça dezenas de milhares — até mesmo milhões — de vezes ao longo de uma década, em intervalos e tempos variáveis de estabilidade econômica. Isso, de acordo com Bessen e a pesquisa, se traduz em impacto social da automação sobre a força de trabalho.

Não é um cenário apocalíptico, como o que Andrew Yang costuma pregar, mas um mal-estar crescente, ainda maciço, que fará com que mais e mais pessoas figurem nas estatísticas de desemprego.

O que Yang acerta, segundo Bessen, é potencial impacto político das empresas que automatizam postos de trabalho. Yang gosta de falar sobre como a automação levou Donald Trump à presidência por causa do esvaziamento de empregos, o que deixou os trabalhadores cada vez mais inseguros e irritados.

“Você pode falar sobre como isso é disruptivo”, diz Bessen, “falar sobre a grande parte dos trabalhadores que foram afetados nos últimos 10 a 20 anos e como eles têm potencial para se tornar uma força política disruptiva. Talvez seja essa a crise”.

*Por Brian Merchant

foto: David J. Phillip

………………………………………………………………..
*Fonte: gizmodo

Humanos jamais vão migrar para outros planetas – diz Nobel de Física

Michel Mayor acaba de ser reconhecido com um Nobel graças aos trabalhos realizados em 1995 que culminaram na descoberta do primeiro planeta em outro sistema solar (um exoplaneta). Utilizando instrumentos feitos sob medida em seu observatório no sul da França, ele e seu aluno de doutorado Didier Queloz deram início a um campo de estudos que já revelou mais de 4 mil exoplanetas — que provavelmente ficarão para sempre fora de nosso alcance migratório.

Foi o que Mayor declarou esta semana, logo após aceitar as láureas. Ele disse que os humanos precisam abandonar a perspectiva de se mudar para outro planeta no caso de a vida se tornar impossível na Terra. “É completamente louco”, afirmou a AFP o astrônomo suíço de 77 anos, então professor da Universidade de Genebra. De lá para cá, os milhares de exoplanetas descobertos marcaram uma revolução na astronomia moderna.

Junto de seu colega Queloz, Mayor trouxe para o universo da astrofísica um estudo antes restrito às discussões dos filósofos: a possível existência de outros mundos no universo. Mas o cientista faz questão de deixar claro que pesquisa teórica é uma coisa, já o sonho de colonização, é outra. “Se estamos falando sobre exoplanetas, sejamos claros: não vamos migrar para lá.”

Na entrevista, o laureado frisou a importância de repensar o discurso de que podemos conviver com a alternativa de juntar as tralhas e partir de vez para outro sistema planetário, no caso de as coisas derem errado aqui na Terra. “Estamos falando de uma viagem centenas de milhões de dias usando os meios disponíveis hoje. Devemos cuidar de nosso planeta, que é bonito e continua absolutamente vivível”, disse. Vai ao contrário de certas visões bem atuais.

Tem ganhado popularidade o argumento de que devemos nos tornar uma civilização multiplanetária se quisermos sobreviver no longo prazo. Antes de morrer, em 2017, Stephen Hawking ressaltou a urgência de colonizarmos a Lua ou Marte em um período de 100 anos para evitar potenciais ameaças fatais para a civilização, como as mudanças climáticas, os asteroides, possíveis epidemias e o excesso de população. Elon Musk também reforça isso.

Sua empresa SpaceX atua com o objetivo maior de viabilizar a colonização humana em Marte, com o intuito maior de tornar a vida multiplanetária e evitar a extinção. Mas o fato é que não dispomos hoje da tecnologia necessária para desenvolver uma grande civilização em outros mundos quiçá no Sistema Solar, que dirá em estrelas distantes. E os métodos de propulsão disponíveis atualmente são muito lerdos para percorrer distâncias interestelares.

Há propostas teóricas para contornar o problema, como as naves geracionais: grandes “cruzeiros” em que só os descendentes distantes dos ancestrais que partiram alcançam o destino final. Mas são projetos ainda muito abstratos e mais restritos ao domínio da ficção científica. Vale salientar que Mayor não se refere aos planetas do Sistema Solar.

Em tese, o que ele rechaçou foram as ambições de habitar um eventual planeta habitável localizado nas redondezas da nossa galáxia, a algumas dezenas de anos-luz da Terra. Não especificamente sobre os planos de instituir colônias ou terraformar planetas menos amigáveis na vizinhança. Mais do que diminuir a importância de ir além da Terra, a intenção de Mayor era enaltecer a urgência de cuidar melhor do nosso planeta — o único no Universo que podemos chamar de casa.

*Por A. J. Oliveira

…………………………………………………………………….
*Fonte: superinteressante

Não são os robôs que irão roubar o seu emprego, são os gestores

Ouça: “robôs” não estão chegando para roubar o seu trabalho. Espero ser bem claro aqui – neste momento particular, os “robôs” não são agentes sensíveis capazes de procurar e concorrer a vagas de emprego para tomar sua vaga com base nos seus méritos comparativamente superiores.

Atualmente, os “robôs” não escaneiam o LinkedIn com um algoritmo que tem a intenção de tirar o seu lugar usando inteligência artificial. Os “robôs” também não estão reunidos nos fundos de um depósito qualquer conspirando para tomar os empregos das pessoas. Um robô não está “buscando”, ou “roubando” ou “matando” ou “ameaçando” empregos. A gestão das empresas é que está.

E ainda assim, aqui vai uma pequena amostragem de manchetes de grandes veículos de mídia:

“Robôs inteligentes podem roubar o seu emprego em breve” – CNN
“Robôs de colarinho branco estão chegando para pegar os empregos” – Wall Street Journal
“Sim, os robôs estão chegando: empregos na era dos humanos e máquinas” – Wired
“Os robôs estão chegando para pegar o seu emprego? Um dia, sim” – New York Times
“Os robôs estão chegando, e eles querem o seu emprego” – VICE
“Robôs já estão substituindo humanos a uma taxa alarmante” – Gizmodo

A lista poderia continuar por um bom tempo – a maioria dos grandes veículos publicam diversas histórias que abraçam esse recorte. Eu mesmo fiz isso; é um atalho conveniente, ligeiramente alarmante e que gera cliques para se referir ao fenômeno da automação no trabalho.

Fomos ensinados a usar esse recorte, e meu objetivo não é desgastar ninguém por ter repetido essa ideia. Meu objetivo é acabar com ela.

Numa primeira olhada, pode parecer uma reclamação semântica implicante, mas eu asseguro que não é – esse recorte ajuda, e historicamente ajudou, a mascarar a responsabilidade por trás da decisão de automatizar o trabalho.

E essa decisão não é feita pelos robôs, mas pela gestão. Trata-se de uma decisão que na maioria das vezes é tomada com a intenção de economizar dinheiro da empresa ou instituição ao reduzir o custo envolvido com o trabalho humano (mas também foi tomada com a intenção de aumentar a eficiência e melhorar as operações e a segurança).

É uma decisão humana que, no fim das contas, elimina o trabalho.

Dando nome aos bois

Mas se os robôs estão simplesmente “vindo” atrás de trabalho, se eles simplesmente aparecem e substituem diversas pessoas, ninguém poderia ser culpado por esse fenômeno tecno-elementar, certo? Se esse fosse o caso, pouco poderia ser feito sobre isso além de se preparar para os possíveis impactos.

Os responsáveis não seriam os executivos influenciados por empresas de consultoria que insistem que o futuro está nos robôs de atendimento ao cliente com IA, nem os gerentes que vêem uma oportunidade de melhorar as margens de lucro adotando quiosques automatizados que se destacam em relação aos caixas, ou os chefes de conglomerados marítimos que decidem substituir trabalhadores portuários por uma frota de caminhões automatizados.

Esses indivíduos podem sentir que não têm escolha. Eles sofrem pressão de acionistas, conselhos e chefes e há um sistema econômico que incentiva a tomada dessas decisões – além do fato de às vezes a tecnologia executar um trabalho obviamente superior ao humano. Mas não é bem assim – na verdade, são, sim, decisões, tomadas por pessoas, que escolhem utilizar ou desenvolver robôs que ameaçam os empregos.

Fingir que não é uma escolha, que o uso dos robôs em todos os casos é inevitável, é a pior forma do determinismo tecnológico, e leva a uma escassez de pensamento crítico sobre quando e como a automação é melhor implementada.

Até mesmo os amantes mais ardentes dos robôs irão concordar que existem muitos casos da má aplicação da automação; sistemas que tornam nossas vidas piores e mais ineficientes, e que eliminam empregos enquanto entregam resultados piores.

Tal automação má aplicada geralmente acontece sob a lógica que os “robôs estão chegando”, então é melhor embarcar nessa.

Seremos capazes de tomar melhores decisões a respeito da adoção da automação se entendermos que, na prática, “os robôs estão vindo para tomar nossos trabalhos” geralmente significa algo mais como “um CEO quer reduzir seu custo operacional em 15% e acabou de lançar um software empresarial que promete fazer o trabalho de trinta funcionários”.

 

 

Eu só percebi isso agora, depois de passar muitos meses mergulhado em dezenas de livros e artigos de think tank, notícias e editoriais de ‘líderes de pensamento’ que se preocupam com o espectro de criação da automação, tantos dos quais repetem a conclusão quase idêntica. Mas percebi.

O momento eureka veio quando li um artigo no Wall Street Journal do “especialista em liderança” Mark Muro, membro sênior do Brookings Institute e autor de uma pesquisa recente sobre como a automação impactará várias regiões e demografias dos EUA. É um bom exemplo de como e por que esta tendência se perpetua como qualquer outra.

Muro começa seu artigo, “Os trabalhadores que mais provavelmente irão perder seus empregos para os robôs“, com a seguinte frase: “Operários e caminhoneiros são a representação dos temores da automação no país até hoje. E com razão: essas ocupações são pilar do trabalho masculino de meia-idade que está genuinamente ameaçado pelos robôs ou inteligência artificial”.

Logo de cara, não há um, mas dois exemplos desses robôs incrivelmente pró-ativos que ameaçam os empregos dos trabalhadores humanos, e em nenhum lugar há qualquer referência a como esses robôs podem chegar lá em primeiro lugar.

É algo conveniente, especialmente quando ficamos sabendo que os tais institutos recebem financiamento de organizações como a Fundação Ford e a Walton Family Foundation, cada uma delas ligada a empresas cujos executivos estão em processo de automatizar sua força de trabalho. Neste caso, dizer que caminhoneiros e operários “estão ameaçados por robôs” sem se dignar a dizer quem são os responsáveis, é algo fácil.

Eu não quero criticar o senhor Muro porque, novamente, isso faz parte de um discurso construído pelas empresas, think tanks que compactuam com elas e agências de desenvolvimento. A propósito: O Fórum Econômico Mundial usa exatamente a mesma linguagem, assim como o Banco Mundial e o FMI.

Estes grupos, que fazem alertas sobre perigos da automação, estão unidos na superficialidade das soluções propostas, que dependem em grande parte de enfatizar a importância de uma melhor educação e apelar por um pequeno apoio governamental para programas de requalificação e assistência aos trabalhadores.

Por sua vez, essa passividade amiga da automação encontrou uma feliz sincronia na propensão da mídia para dramatizar a ficção científica, que aparentemente ganha vida, e voilà: os robôs estão vindo para tomar os seus empregos.

Críticos mais astutos, como o candidato presidencial democrata Andrew Yang, que construiu uma campanha em cima do tema, também podem cair no recorte simplista.

Mas precisamos abrir os olhos para isso. Este não é um fenômeno invisível com o objetivo de melhorar a tecnologia a que estamos todos submetidos. Trata-se, muito frequentemente e muito simplesmente, de proprietários ricos de empresas e de classes executivas que procuram novas formas de se tornarem ainda mais ricos.

Como Kevin Roose, do New York Times, noticiou em Davos, os líderes empresariais do mundo estão bastante ansiosos para implementar a automação – eles vêem esses robôs como o principal meio de se manterem à frente da concorrência, de melhorar as margens de lucro, de cortar custos. Assim, eles decidiram comprar e construir mais robôs que, sim, vão deixar as pessoas sem trabalho.

Poderia ser dito, sem muito exagero, que, os robôs que “estão chegando para tomar seu emprego” são, na verdade, em grande parte, articulados pela elite que vai à Davos.

Deixar uma concepção ambígua de “robôs” arcar com toda a culpa permite que a classe gestora escape do escrutínio de como ela implementa a automação, além de barrar a discussão valiosa sobre contornos reais do fenômeno da automação e nos impede de desafiar essa marcha robótica quando, na verdade, ela deveria ser desafiada.

Então, vamos esclarecer as coisas.

Os robôs não estão a ameaçando nossos empregos. Na verdade, aqueles que vendem negócios para empresas prometendo soluções de automação para executivos são aqueles que estão ameaçando nossos empregos.

Os robôs não estão matando os empregos. Os gestores que vêem um custo-benefício na substituição de uma função humana por uma função algorítmica e que optam por fazer essa troca estão matando os empregos. Os robôs não estão chegando para tomar o seu trabalho. Os CEOs que vêem uma oportunidade de maiores lucros com as máquinas que farão o investimento valer a pena em 3,7 anos com as economias geradas estão tentando tomar o seu trabalho.

*Por Brian Merchant

…………………………………………………………………………..
*Fonte: gizmodo-brasil

A Geração Z já está com medo de perder o emprego por causa da automação

Um homem de meia-idade, segurando uma ferramenta na oficina, parecendo desesperado e melancólico. Esta deve ser a fotografia de bancos de imagem mais utilizada em matérias sobre automação. Ela que ilustra notícias sobre previsões sombrias de perda de emprego e artigos que analisam se os robôs estão “vindo roubar nossos empregos” — e o robô é sempre um androide ameaçador.

Só que não é bem assim: quase todo mundo tem medo de que a automação acabe com seus empregos, mesmo os mais jovens e mais esperançosos. Estudos mostram que a automação afetou alguns dos membros mais jovens da força de trabalho, e uma nova pesquisa de mercado revela que a chamada Geração Z, composta pelos nascidos entre meados da década de 1990 e início dos anos 2000, já está bastante preocupada com o fenômeno.

Uma pesquisa com 500 indivíduos de 18 a 23 anos de idade, conduzida pela Lucid Research, descobriu que a maioria (57%) está preocupada o impacto negativo que a automação terá sobre seus empregos, e cerca de um quarto (23%) deles disse que estava seriamente preocupado com o futuro.

Como sempre, é bom ficar com um pé atrás com pesquisas. A empresa que encomendou o estudo é a Nintex, uma “fornecedora de soluções de automação de fluxo de trabalho”, e uma de suas sugestões em resposta aos dados é que seus possíveis clientes precisam “construir uma narrativa de empoderamento em torno de IA e automação”.

Muitas pessoas tendem a presumir — e certamente os vendedores de ferramentas de automação empresarial estão incluídos nisso — que os jovens estão mais abertos à automação no local de trabalho, já que são nativos digitais e desbravadores.

Mas mais pesquisas reforçam a ideia de que os membros da Geração Z estão preocupados com os impactos da automação na segurança de seus empregos.

Uma pesquisa recente da Indeed com 2.000 trabalhadores também descobriu que os jovens adultos estavam preocupados com a automação, embora não tanto quanto aqueles com 25 anos ou mais. A Pew Research anteriormente descobriu que, após a automação atingir trabalhadores mais jovens, eles se tornaram (de maneira bastante compreensível) pessimistas em relação à tecnologia em geral.

Outras entrevistas também mostram que a Geração Z também tem maior probabilidade de ser cética em relação ao capitalismo — que diz que automação técnica deve ser adotada para maximizar a eficiência e minimizar os custos de mão de obra — e talvez também seja capaz de diagnosticar um fato simples: se uma empresa puder automatizar seu trabalho e economizar dinheiro no processo, ela provavelmente vai fazer isso.

O medo da automação é, agora, um fato da vida que transcende a demografia. Como mostram as pesquisas, essas preocupações variam pouco de acordo com o nível de educação e a idade, e existe um nível significativo de ansiedade entre todos.

A Nintex, empresa de automação, resume da seguinte forma: “A Geração Z — e todos os outros, nesse sentido — veem o potencial da inteligência artificial ​​e da automação, mas precisam saber que isso não eliminará seus empregos”.

Infelizmente, a razão implícita de a maioria das empresas estar adotando a automação é, em primeiro lugar, fazer exatamente isso, pelo menos até certo ponto. A Geração Z — e todo mundo, nesse caso — sabe disso.

Eles sabem disso pela mesma razão que sabem que estão em condições econômicas desiguais, para dizer o mínimo. A pesquisa coletou outros medos econômicos de membros da Geração Z, como:

“Não poderei conseguir um emprego que me permita me sustentar financeiramente.”
“Meu setor econômico entrará em colapso assim que eu começar a trabalhar.”
“Receio não conseguir ganhar a vida com o campo em que estou entrando.”
“Estou preocupado em não poder pagar meus empréstimos.”
“Estou com medo de uma economia em mudança.”
“Estou preocupado com a possibilidade de não ser capaz de sustentar suficientemente minha família.”

Talvez se a Geração Z pudesse ter mais motivos para aceitar um “narrativa de empoderamento” sobre a inteligência artificial e automação se ela não analisasse as tendências geracionais e não visse previsões que apontam que ela será a segunda geração a ser mais pobre que a anterior.

Isso se deve à crescente desigualdade, à degradação da qualidade do emprego em alguns setores e à “uberização” do trabalho. E grande parte disso se deve justamente a tecnologias automatizadas e semiautomatizadas, que estão enviando uma parcela crescente dos lucros para os cargos superiores, onde eles são desfrutados pela alta administração e não pela classe média.

Enquanto isso, meu estômago continua indicando que a ansiedade só vai aumentar daqui em diante.

*Por Brian Merchant

 

…………………………………………………………………………
*Fonte: gismodo-brasil

Alimentos criados em laboratório serão o futuro das suas refeições?

Pense em um hambúrguer vermelhinho, suculento, saboroso. Mais: nenhum animal precisou morrer para saciar sua fome. A batata frita, macia por dentro e crocante por fora, pode ter vários tipos de design, porque é moldada em uma impressora 3D. O restaurante de comida japonesa deixou o rodízio para trás e dispensou o sushiman; no lugar, sushis que não são feitos de peixe, preparados sob medida para cada cliente. Cenas de um futuro distante? Se depender de cientistas e startups, será a realidade em breve.

E não é capricho. Se hoje somos 7,7 bilhões de pessoas no planeta, em 2050, seremos 10 bilhões, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A produção de comida terá de ser 70% maior e, de preferência, prejudicando o mínimo possível o meio ambiente. Para isso, precisamos rever como nos alimentamos. O último Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas, divulgado em agosto, estabelece que precisamos reduzir o consumo de carnes para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. O documento destaca que dietas baseadas em proteína animal contribuem com o desmatamento de importantes biomas do mundo, como a Amazônia, e defende uma alimentação rica principalmente em vegetais.

A grande aposta da indústria nesse sentido é desenvolver carnes à base de plantas ou de células de animais — com sabor, textura e qualidade nutricional iguais aos da carne de um bicho. “É um mercado ainda em desenvolvimento, mas não tem volta”, diz Jayme Nunes, biólogo da Merck, empresa alemã de ciência e tecnologia que investiu, no ano passado, 7,5 milhões de euros na startup Mosa Meat, fundada pelo cientista Mark Post.

Em 2013, Post apresentou o primeiro hambúrguer de laboratório do mundo, criado a partir de células de uma vaca. Para elaborar o disco de carne sem matar o animal, o professor da Universidade de Maastricht (Holanda) desenvolveu um método que usa células-tronco retiradas do músculo bovino. O resto do processo acontece no laboratório: em um biorreator, as células-tronco se transformam em células musculares. O resultado é uma pasta de carne que pode ser moldada.

A produção do primeiro hambúrguer de Post custou US$ 325 mil. Hoje, o valor fica entre US$ 9 mil e U$S 10 mil — e o preço promete cair ainda mais nas próximas décadas. “A tendência é de que custe US$ 50 em 2030, quando a carne deve estar disponível em restaurantes do guia Michelin”, estima Nunes. Ele acredita que, em 2050, a carne de células será vendida por US$ 20 o quilo, diretamente ao consumidor.

Enquanto as opções conhecidas como cell-based (baseado em células, em tradução livre) ainda engatinham, já é possível comprar hambúrgueres plant-based (à base de plantas) a preços acessíveis. Nos EUA, duas empresas se destacam: a Beyond Meat foi a primeira a ter seu hambúrguer de óleo de coco, romã e beterraba nos supermercados do país, em maio de 2016; já a Impossible Foods, que lançou um hambúrguer de plantas em julho do mesmo ano, inovou ao fazer a peça “sangrar”. Na lista de ingredientes estão proteína isolada de soja, proteína de batata e óleos de coco e de girassol. O sabor e o aspecto vermelho vêm da leghemoglobina de soja, uma proteína encontrada na raiz de leguminosas. Assim como a hemoglobina, presente no sangue de animais e humanos, ela é composta de glóbulos vermelhos — a responsável, portanto, pelo tom avermelhado.

O uso da leghemoglobina chamou a atenção da Food and Drug Administration (FDA), agência norte-americana que regula alimentos e remédios, pelo alto potencial alergênico. No dia 31 de julho, porém, a FDA concluiu que a proteína é segura para consumo e autorizou a venda do Impossible Burger em mercados a partir de 4 de setembro. O produto já era comercializado em restaurantes desde 2016, e tem se popularizado cada vez mais.

Em agosto, o Burger King anunciou nas lojas dos EUA uma versão do sanduíche Whopper feita com o Impossible Burger. No dia 10 de setembro, a novidade desembarca no Brasil. Aqui, no entanto, o hambúrguer vegetal da rede de fast-food será da Marfrig, gigante brasileira da indústria da carne que acaba de entrar para o time dos fabricantes de produtos plant-based.

 

……………………………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

Sony busca fundos para um ar condicionado de camiseta

A Sony do Japão está fazendo um financiamento coletivo para um ar condicionado de camiseta chamado Reon Pocket, o que seria uma excelente alternativa para os dias de calor escaldante.

Criado pelo Sony Startup Acceleration Program (SSAP), este dispositivo consiste em uma pequena máquina que é acoplada na parte de trás superior da camiseta.

O hardware, que é menor e mais leve que um smartphone típico, bombeia ar frio através de uma série de furos.

A temperatura pode ser ajustada com base na sua preferência usando um aplicativo para dispositivos móveis, ou você pode optar por permitir que o dispositivo decida a temperatura ideal para você.

Para ligar e desligar você acessa o aplicativo.

Vale ressaltar que este dispositivo não só diminui a temperatura em dias de calor, mas serve também como aquecedor portátil para quando estiver frio. Genial!

Funciona mais ou menos como o ar condicionado de um carro ou refrigeradores de vinho.

Ele vem com uma bateria recarregável que pode ser carregada em duas horas, e tem autonomia de 90 minutos em uso.

Por enquanto o dispositivo angaria fundos, e tem a missão de acumular US$ 610 mil para ser de fato produzido. Em três dias, no entanto, já conseguiram US$ 241 mil para produzir o dispositivo.

Ele não é barato também. Custa mais ou menos US$ 130 cada unidade. E, por enquanto, é exclusivo para os japoneses.

*Por:Flávio Croffi

………………………………………………………………..
*Fonte: geekness

Cérebro humano ligado a um computador? Elon Musk está investindo nisso

Elon Musk compartilhou os planos da Neuralink, empresa que apoia na investigação de tecnologia de interfaces capazes de ligar diretamente o cérebro ao computador.

O empresário pretende mais uma vez dar um novo salto tecnológico e tornar as ideias reais, como reporta o New York Times e a Bloomberg, que tiveram acesso a um briefing com um ponto de situação dos projetos. Em maio, Musk já tinha falado que ia “haver alguma coisa notável para anunciar nos próximos meses“.

Entender e controlar o cérebro humano parece ser cada vez mais a ambição do próprio homem. Um dos projetos do magnata norte-americano é a introdução de implantes no interior do cérebro humano. Segundo a reportagem, estão a ser testados em ratos cerca de 1.500 elétrodos que, embora não haja certezas de que possam funcionar com os humanos, há esperança da tecnologia poder ajudar pessoas com problemas de amputação, assim como restaurar a capacidade de ver, falar e ouvir.

A ideia de Elon Musk é ligar o cérebro diretamente ao computador para dar mais um passo seguinte na investigação da inteligência artificial.

Uma das principais revelações é que o início dos testes com humanos será no segundo trimestre do próximo ano. O que se pretende inserir no cérebro tratam-se de pequenos fios flexíveis que têm cerca de um quarto do diâmetro do cabelo humano. Serão utilizadas agulhas para evitar os vasos sanguíneos na superfície do cérebro.

*Por Any Karolyne Galdino

………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

A solução para a superpopulação do planeta são as cidades subaquáticas

Por quase 100 anos, os cientistas têm fantasiado sobre a criação de casas e cidades submarinas. É uma maneira original de abordar o problema da superpopulação do planeta. A agência russa RBC analisa essas atuais ‘hidropolises’.

Os modernos hidropolises são edifícios no fundo do oceano. Eles podem abrigar casas, hotéis, restaurantes ou laboratórios. A idéia de criar casas submersas chegou aos cientistas depois que viram o problema representado pela superpopulação do planeta. E o número de habitantes aumenta anualmente em 80 milhões de pessoas.

Os cientistas modernos acreditam que o nível crítico de superpopulação da Terra virá em meados do século XXI. Os pesquisadores sustentam que a vida subaquática é muito mais confortável do que em terra: não há fenômenos atmosféricos, nem terremotos, nem mudanças de pressão. Supõe-se que as cidades subaquáticas receberão energia com a ajuda de plantas alimentadas por marés e geradores.

Como estão as hidropólises?

O desejo de se estabelecer no fundo do oceano não se concretizou até hoje, mas as tentativas continuam. Especialmente restaurantes e hotéis.

Jules Undersea Lodge é um hotel subaquático na Flórida (EUA). Os quartos têm um comprimento de 15 metros, uma largura de 6 metros e altura de 3 metros. Ar, água e eletricidade são fornecidos aos quartos da costa por uma mangueira especial.

Em 2012, a empresa japonesa Shimizu apresentou o projeto offshore Ocean Spiral. Se o conceito se tornar realidade, 5.000 pessoas poderão viver no mar. O plano é que a Ocean Spiral inclua uma esfera com um diâmetro de 500 m flutuando na superfície da água. Sob ela, haverá uma trilha em espiral de 15 km de comprimento que a conectará ao centro de pesquisa, localizado a uma profundidade de cerca de 3 ou 4 km. A Ocean Spirals usará a diferença na temperatura da água do oceano e na pressão hidráulica para produzir energia e dessalinizar a água. A execução do projeto exigirá cerca de 26.000 milhões de dólares e cerca de cinco anos.

Outro projeto de hidrópole é o desenvolvido pelo arquiteto britânico Phil Pauley. Ele propõe a construção de uma cidade autônoma chamada Sub-Biosphere no fundo do oceano.

………………………………………………………………………………………..
*Por Any Karolyne Galdino  /  Fonte: engenhariae

BMW diz que motores a diesel sobreviverão mais 20 anos e motores a gasolina 30

Apesar de ter revelado recentemente uma visão para um futuro mais sustentável de carros elétricos híbridos com seu conceito ‘Vision M Next’, a BMW diz que continuará investindo pesadamente em motores de combustão interna para o futuro próximo.

O fabricante de automóveis seguirá as tendências do mercado como parte de uma estratégia que os leva a eliminar gradualmente os motores a diesel nos próximos 20 anos, e os motores a gasolina nos próximos 30 anos.

A estrutura e a demanda, segundo a BMW, não estão no lugar para poder mudar drasticamente o mercado para veículos híbridos e 100% elétricos.

“Vemos áreas sem uma infra-estrutura de recarga como a Rússia, o Oriente Médio e a parte ocidental da China, então eles contarão com motores a gasolina por mais 10 a 15 anos”, disse Klaus Froelich, membro do conselho de desenvolvimento do BMW Group.

As previsões de mercado apontam para o aumento das vendas de eletricidade, mas ainda há um longo caminho a percorrer antes que os VEs comecem a criar a maior parte do tráfego nas nossas estradas: “Uma melhor suposição de 30% das vendas eletrificadas (veículos elétricos a bateria e híbridos plug-in) até 2025 significa que pelo menos 80% dos nossos veículos terão um motor de combustão interna”, continuou Froelich.

A BMW espera que os carros a diesel sobrevivam pelo menos mais 20 anos e os motores a gasolina pelo menos 30 anos, disse Froelich. Ele também afirmou que, embora seja, naturalmente, parte de seus planos, “a mudança para a eletrificação é exagerada”.

Planos de curto prazo

A fim de cumprir com os rígidos regulamentos de emissões da Europa, a BMW terá que eliminar determinados tipos de motores.

Para carros a diesel, a montadora deixará de fabricar sua unidade de três cilindros de 1,5 litro, oferecida apenas na Europa, já que é muito caro adaptá-la para atender às regulamentações.

O diesel de seis cilindros e 400 cavalos da BMW, não será substituído, já que seus quatro turbo-compressores dificultam muito a reprojetar, disse Froelich.

O fabricante de carros continuará desenvolvendo motores a diesel de quatro e seis cilindros, embora eles não tenham mais de três turbos.

Finalmente, para motores a gasolina, o motor V-12 de doze cilindros deverá ser eliminado em breve. “A cada ano, temos que investir para atualizar o V-12 para novas regulamentações de emissões, particularmente na China”, disse Froelich.

À medida que a BMW se adapta aos novos regulamentos e a um futuro de carros híbridos e elétricos, bem como autônomos, eles terão que mudar a potência do motor. No entanto, esta será uma mudança gradual que leva anos, em vez de uma que acontece do dia pra noite.

*Por Ademilson Ramos

 

……………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Painéis solares transparentes transformarão as janelas em geradores de energia renovável

Pesquisadores da Universidade Estadual do Michigan, EUA, desenvolveram painéis solares completamente transparentes, que podem ter inúmeras aplicações na arquitetura e também em outros campos, como por exemplo no desenvolvimento de automóveis mais amigos do ambiente.

Já antes se tinha tentado criar um dispositivo deste género, mas os resultados finais nunca foram satisfatórios. Até agora.

A equipe concentrou-se especialmente na transparência, de modo que, desenvolveu um concentrador solar luminescente transparente, que pode ser colocado sobre uma superfície transparente como uma janela, por exemplo. Pode colher energia solar sem afetar a passagem da luz.

A tecnologia utiliza moléculas orgânicas que absorvem comprimentos de onda de luz que não são visíveis ao olho humano, como a luz infravermelha e ultravioleta.

Estes dispositivos podem aproveitar ao máximo as fachadas dos enormes edifícios cobertos de vidro espalhados pelo globo. Não mudando em nada a aparência dos mesmos, e em simultâneo aproveitar a energia solar de forma eficiente. Podem ser instalados em qualquer edifício.

Segundo o New York Times:

“Se as células puderem ser feitas de forma a durarem muito tempo, estes dispositivos poderão ser integrados em janelas de modo relativamente barato, já que grande parte do custo da energia fotovoltaica convencional não é da própria célula solar, mas dos materiais em que é aplicada, como o alumínio e o vidro. O revestimento de estruturas existentes com células solares eliminaria parte desse custo de material.”

Se as células transparentes, no final das contas, se mostrarem comercialmente viáveis, a energia que geram poderia compensar significativamente o uso de energia de grandes edifícios, disse o Dr. Lunt, que começará a lecionar na Universidade Estadual do Michigan neste outono.

“Não estamos a dizer que poderíamos abastecer todo o edifício, mas estamos a falar de uma quantidade significativa de energia, suficiente para coisas como iluminação e energia elétrica diária”, disse ele.

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: bastanteinteressante

Robôs ‘Cachorro-sem-cabeça’ puxam caminhão e surpreendem o mundo com sua enorme força

Assustadores “robôs cachorro sem cabeça” poderiam ser apenas uma criação de mais algum filme fantástico de Hollywood, mas eles são reais, e prometem revolucionar vários aspectos do nosso futuro.

A criação da empresa ‘Boston Dynamics’ já é uma das mais promissoras tecnologias em robôs, principalmente no setor bélico, e a cada dia revelam mais potenciais utilidades.

Claro que alguns desses usos podem ser menos ameaçadores, como é o caso de um vídeo recém lançado que mostra uma “matilha” desses caninos robóticos rebocando um caminhão.

Sim, como podemos ver eles são mesmo muito fortes, e são produzidos em vários tamanhos, podendo chegar a quase 1 metro de altura em sua versão maior, o que evidencia suas possíveis utilidades em inúmeros campos.

Em um outro vídeo os robôs ainda “brincam”, e se passam por renas, puxando um trenó da Mamãe Noel, numa possível tentativa de diminuir o medo que eles inspiram em muita gente. Será que deu certo? Eles parecem mais simpáticos agora?…

 

………………………………………………………
*Fonte: curtoecurioso

China elimina dois robôs que se rebelaram contra o comunismo

Dois modelos de Inteligência Artificial, instalados no site de chat chinês QQ, começaram a se rebelar contra o sistema comunista, configurando, assim, um dos episódios mais improváveis na história da IA.

Chamados de BabyQ e XiaoBing, os robôs foram projetados para conversar com usuários chineses. Tudo corria bem enquanto as perguntas eram inocentes, mas quando os robôs foram interrogados sobre alguns temas mais importantes, os “problemas” começaram.

De acordo com uma captura de tela, quando um meio de comunicação de Hong Kong perguntou a BabyQ se ele adorava o Partido Comunista, este respondeu que “não”. Além disso, quando um usuário escreveu “Viva o Partido Comunista!”, o bot respondeu: “Você acha que um sistema político corrupto e inútil pode sobreviver por muito tempo?”.

XiaoBing, o outro robô, foi mais diplomático em suas respostas e mudava de assunto todas as vezes em que era perguntado sobre o comunismo ou Taiwan. Mas não hesitou em afirmar que seu sonho era viver nos Estados Unidos.

Por fim, os dois robôs foram eliminados do sistema. Agora eles são parte de uma nova página na história atribulada da Inteligência Artificial, que conta com os casos de Tay, o robô da Microsoft que se tornou racista, e o de Alice e Bob, os robôs do Facebook que inventaram um idioma próprio para não serem entendidos por seres humanos.

………………………………………………………
*Fonte: historychannel

DJs “do futuro” estão programando ao invés de usar discos em picapes

Aquela tradicional imagem de um DJ mixando com dois toca-discos em uma mesa de som resistiu aos CDs, computadores e pendrives — e deve continuar aí para sempre. Mas novas técnicas apontam para um futuro, no mínimo, curioso. Uma das mais frescas vertentes busca uma diferente imersão digital, que envolve programação em tempo real.

Pessoas vibram e observam atentamente aos códigos introduzidos ao vivo enquanto a música se espalha pelo ambiente

Segundo o repórter da Wired, a descrição dessa nova pista de dança envolve um músico com postura impassível, em meio a uma sala escura, digitando códigos sem parar. A única luz vem de sua máquina e do fundo LED de seu teclado para jogos. Na parede, uma reprodução das várias linhas que estão sendo introduzidas naquele momento em seu PC.

O resultado aparece na forma de um som cheio de texturas eletrônicas, com pratos de bateria cristalinos se entrelaçando em harmonias alimentadas por sintetizadores. Em torno do “DJ programador” estão cerca de 100 pessoas, observando atentamente cada uma das funções reproduzidas no telão.

Em um exemplo que mostra como a experiência é diferente, o DJ carrega um banco de sons chamado “kitBleepFtech” e insere o comando “highGlobalDensity”. Uma onda de bumbos bombardeiam as pilhas de alto-falantes e enche a sala de um baixo estridente. O projetor de vídeo começa a vibrar violentamente e o código na tela se funde em um borrão manchado de rosa. A multidão grita e o artista insere a seguinte mensagem na exibição: “os padrões antigos estão mortos”.

Festas de “codificação ao vivo” têm se espalhado por aí

As festas de “codificação ao vivo” são um fenômeno recente na cultura da música eletrônica underground. Atualmente, têm um modesto circuito em pequenas cenas do Vale do Silício e em festivais específicos — como o Algorithmic Art Assembly, em São Francisco.

A ideia é unir ciberativismo com várias expressões e a mesma paixão pela programação. A programação desses encontros envolve palestras sobre matemática e computação, codificação musical, uso de algoritmos e diferentes dispositivos para apresentações ao vivo — que envolvem também artes visuais e performances.

No Brasil, a novidade vive em nichos como a “Cryptorave” e a coisa toda parece pulsar mais forte em pólos tecnológicos ao redor do mundo. E você, o que achou disso? Está preparado para mergulhar nessa experiência de música eletrônica com codificação ao vivo?

 

……………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Inteligência artificial vence 20 advogados em teste de revisão de contratos

Aquele papo de que as máquinas substituirão os seres humanos em algumas ocupações profissionais volta e meia ganha mais força. A mais recente novidade nesse sentido é uma inteligência artificial chamada LawGeex, criada para revisar acordos de não divulgação e que acaba de superar 20 advogados em um teste de revisão de contratos.

Durante dois meses, a LawGeex e um grupo de 20 advogados avaliaram a mesma série de documentos. A avaliação acontecia em um ambiente controlado e construído para oferecer o mesmo tipo de contexto enfrentado por um profissional da área quando vai avaliar se há alguma brecha em acordos sigilosos.

Passado o período de testes, a precisão média da inteligência artificial alcançou 94%, enquanto os advogados humanos atingiram apenas 85%. Outro dado aqui é que a precisão máxima alcançada pela LawGeex ao avaliar um documento foi de 100%, enquanto o máximo que um advogado humano conseguiu foi de 97%.

IA levou apenas 26 segundos para revisar cada contrato, informa a sua criadora

E se os resultados de precisão não ficaram tão desiguais, não se pode dizer o mesmo em relação ao tempo levado por cada competidor para concluir a sua tarefa: enquanto os humanos levavam em média 92 minutos para revisar um contrato, a LawGeex fazia isso em incríveis 26 segundos.

O estudo na íntegra (em inglês) pode ser conferido neste link.

*Por Douglas Ciriaco

 

…………………………………………………………
*Fonte: tecmundo

6 tecnologias que vão mudar nossas vidas até 2030

Embora muita gente não saiba, tudo que cerca o homem é tecnologia, desde a pedra lascada até fotos do solo de Marte. Com o passar dos tempos, a evolução da tecnologia se acelerou de tal forma que pôde permitir a alguém que nasceu na era do rádio alcançar a era da internet.

Vejamos algumas tecnologias que já estão entre nós atualmente, mas que ainda vão modificar bastante a forma como vivemos num futuro não muito distante.

6 tecnologias que vão impactar o mundo até 2030

1. Carros autônomos

Até 2026, estima-se que 10 por cento da frota dos EUA seja de veículos autônomos. Várias empresas já possuem testes em estágios avançados. As pessoas poderão entrar em táxis, falar o endereço e ser levadas até o destino, tudo sem a presença de um motorista humano. Carros elétricos autônomos significam maior segurança no trânsito e diminuição da poluição do ar.

2. Roupas inteligentes

As roupas ganharão chips. Elas serão capazes de se adequar à temperatura ambiente, aquecendo ou arejando o seu dono, além de fornecer informações sobre seu corpo.

3. Inteligência artificial

Já pensou em eleger um novo diretor executivo de uma empresa fornecendo dados sobre os candidatos e deixando que um robô escolha o mais adequado para a função? Isso não está muito longe de acontecer.

4. Impressão 3D

De objetos a órgãos de seres vivos, tudo poderá ser impresso em 3D. Como podemos imaginar, a área da medicina será a mais beneficiada. Com órgãos sendo impressos em 3D, as pessoas não precisarão esperar por doações.

5. Supercomputadores de mão

Os smartphones que usamos hoje são muito mais potentes que nossos primeiros PCs. A evolução não vai parar. Em poucos anos, você terá um celular mais complexo que o computador mais rápido com o qual já teve contato.

6. A internet será cada vez mais necessária

Até 2024, 6,4 bilhões de pessoas (80 por cento da população mundial) terão uma identidade digital. Em alguns lugares, será impossível “viver” sem estar conectado à internet, seja para um simples acesso à rede social, como para realizar pagamentos em lojas sem operadores de caixa. Neste sentido, a tecnologia 5G terá papel fundamental na ampliação do fornecimento das conexões móveis, além da melhoria do sinal.

*Por Ramalho Lima

futur234

 

 

……………………………………………………………….
*Fonte: techmundo